2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
2
	
  
	
  
Telefone: 96 612 5154
Geral: geral@ecit.p...
2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
3
	
  
	
  
Telefone: 96 612 5154
Geral: geral@ecit.p...
 
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
...
2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
Telefone: 96 612 5154
5 a)
	
  
	
  
Geral: geral@eci...
2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
Telefone: 96 612 5154
5 b)
	
  
	
  
Geral: geral@eci...
2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
Telefone: 96 612 5154
6
	
  
	
  
Volta	
  à	
  situa...
2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
Telefone: 96 612 5154
7
	
  
	
  
Geral: geral@ecit.p...
2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
Telefone: 96 612 5154
8
	
  
	
  
Geral: geral@ecit.p...
2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
Telefone: 96 612 5154
9
	
  
	
  
Geral: geral@ecit.p...
2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
Telefone: 96 612 5154
10
	
  
	
  
Geral: geral@ecit....
2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
Telefone: 96 612 5154
	
  
Geral: geral@ecit.pt
	
  
...
2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
Telefone: 96 612 5154
12
	
  
	
  
Geral: geral@ecit....
2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
Telefone: 96 612 5154
13
	
  
	
  
Geral: geral@ecit....
14
2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
	
  
	
  
Telefone: 96 612 5154
Geral: geral@ecit....
2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
	
  
Telefone: 96 612 5154
Geral: geral@ecit.pt
	
  
...
 
	
  
	
  
	
  
	
  
	
   	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
    	
  
	
  
.    Linguagem                           ...
2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
Telefone: 96 612 5154
17
	
  
	
  
dessa	
  situação	...
2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
Telefone: 96 612 5154
18
	
  
	
  
Geral: geral@ecit....
2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
Telefone: 96 612 5154
	
  
Geral: geral@ecit.pt
	
  
...
2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
Telefone: 96 612 5154
	
  
Geral: geral@ecit.pt
	
  
...
2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
Telefone: 96 612 5154
	
  
Geral: geral@ecit.pt
	
  
...
2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
Telefone: 96 612 5154
	
  
Geral: geral@ecit.pt
	
  
...
2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
Telefone: 96 612 5154
	
  
Geral: geral@ecit.pt
	
  
...
2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
Telefone: 96 612 5154
Geral: geral@ecit.pt
	
  
	
  
...
2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
Telefone: 96 612 5154
Geral: geral@ecit.pt
	
  
	
  
...
2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
Telefone: 96 612 5154
24
	
  
	
  
Geral: geral@ecit....
25
2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
Telefone: 96 612 5154
Geral: geral@ecit.pt
	
  
	
...
26
2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
Telefone: 96 612 5154
Geral: geral@ecit.pt
	
  
	
...
2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
Telefone: 96 612 5154
	
  
Geral: geral@ecit.pt
	
  
...
2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
Telefone: 96 612 5154
28
	
  
	
  
Geral: geral@ecit....
2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
Telefone: 96 612 5154
29
	
  
	
  
Geral: geral@ecit....
2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
Telefone: 96 612 5154
30
	
  
	
  
Geral: geral@ecit....
2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
Telefone: 96 612 5154
	
  
Geral: geral@ecit.pt
	
  
...
2009, ECIT
Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa
Telefone: 96 612 5154
	
  
Geral: geral@ecit.pt
	
  
...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Coach Docente

726 visualizações

Publicada em

Etapa1

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
726
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
28
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
37
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Coach Docente

  1. 1. 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa 2     Telefone: 96 612 5154 Geral: geral@ecit.pt     Curso  de    Coaching  Docente           O Processo de Coaching         Índice   O  Processo  de  Coaching     -­‐  Desenvolvimento  e  execução  de  um  modelo  de  Coaching   -­‐  Estabelecer  rapport   -­‐  A  importância  das  perguntas  –  Características  das  perguntas   “poderosas”   -­‐  Saber  perguntar  e  saber  escutar  -­‐  Exercícios  de  aplicação  prática   -­‐A  Arte  de  escutar  e  fazer  perguntas-­‐  Exercícios  de  aplicação   prática   -­‐Descobrir  os  valores  do  cliente  -­‐  Exercícios  de  aplicação  prática   -­‐Alinhamentos  de  metas  e  valores  –  Exercícios  de  aplicação   prática   -­‐Técnicas  para  criar  alinhamento  e  congruência   -­‐Calibrar  e  estabelecer  os  níveis  de  congruência  da  Consciência   individual   -­‐Reconhecer  as  verdadeiras  metas  e  objectivos   -­‐Objectivo  x  motivação  profunda  =  Sucesso/Satisfação  Pessoal   -­‐Protocolos  de  aceitação  no  estabelecimento  das  metas  e  tarefas   -­‐Como  conduzir  a  primeira  sessão.  Questionários  e  formulários   são  estudados  e  revistos.         Técnicas  e  Ferramentas  de  Coaching     -­‐As  Rodas  e  a  sua  aplicação  múltipla   -­‐A  ressignificação   -­‐Metáforas   -­‐Calibragem   -­‐Exercícios  de  elasticidade  perceptiva   -­‐Exercícios  para  neutralizar  experiências/perspectivas   -­‐Ancoras  e  estruturas   -­‐A  importância  das  Tarefas   -­‐A  arte  de  criar  tarefas.   -­‐Estruturas  mentais  e  Ancoras   -­‐Mapas  mentais:  Metas  a  longo  e  a  curto  prazo   -­‐Planos  estratégicos  e  de  acção   -­‐Competências  emocionais  para  lidar  com  obstáculos  e  alcançar   as  metas                           «Na  medida  em  que   reconheces  és  reconhecido.»     Isabel  Ferreira  
  2. 2. 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa 3     Telefone: 96 612 5154 Geral: geral@ecit.pt     Curso  de    Coaching  Docente           O Processo de Coaching- Continuação         Índice Recursos  do  coaching  (para  maximizar  a  comunicação  e  o   sucesso  do  processo  de  coaching)     -­‐Tool  Box  da  Consciência   -­‐A  importância  do  rapport   -­‐Como  ganhar  a  confiança  do  cliente.   -­‐O  papel  da  escuta   -­‐O  que  se  ouve  e  o  que  não  é  dito   -­‐Role  Palying   -­‐Como  dar  um  feedback  eficaz  e  que  leve  aos  resultados   desejados.   -­‐Criar  estratégia,  estabelecer  objectivos  e  inspirar  o  cliente  a   agir.   -­‐Planos  de  acção   -­‐Ckeck-­‐list  para  uma  sessão  de  coaching   -­‐Como  conduzir  a  segunda  sessão  com  o  cliente   -­‐Descobrir  o  segredo  para  desenvolver  uma  relação  de  coaching   a  longo  prazo                                               «Tu  estás  onde  está  a  tua   atenção.»     Isabel  Ferreira  
  3. 3.                                                                         2009,  ECIT   Avenida  Júlio  Dinis,  n.º  14,  3º  A,  Campo  Pequeno  -­‐  Lisboa   Telefone:  96  612  5154   Geral:  geral@ecit.pt         ESQUEMA ESTRUTURAL DO PROCESSO DE COACHING ECIT   Fase do Diagnóstico   1- O que o cliente quer - Definir o Ponto A (Ponto de partida) e o Ponto B - (Ponto de chegada) 2- O que o impede? - Filtros Mentais e Motores emocionais 3- Quais os recursos existentes - Auto-consciência 4- Quais os obstáculos - crenças e perspectivas 5- O que é que pode ser feito para atingir o objectivo?   Fase de Intervenção e Estratégia   6- Fazer Alinhamentos 7- Alterar Perspectivas - Ultrapassar obstáculos e redescobrir recursos 8- Elaborar planos de acção 8- Acompanhar e motivar, alinhando e mantendo a coerência       Desvantagens Vantagens         Ponto A Partida     Recursos Escala                                           Vantagens   Obstáculos Escala                                           Desvantagens         Ponto B Chegada    
  4. 4. 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa Telefone: 96 612 5154 5 a)     Geral: geral@ecit.pt   Curso  de  Coaching  Docente             Rapport, Confiança e Reconhecimento           Rapport  /  Confiança     O  Rapport  representa  o  nível  de  comunicação  entre  duas  pessoas.  É  uma   pedra  basilar  da  comunicação.     Toda  a  comunicação  se  baseia  no  dar  e  receber,  no  emissor  e  receptor.   Quando  queremos  comunicar  precisamos  de  estabelecer  uma  ponte  entre  nós  e   o/s  outro/s.     A  ponte  tem  muitos  níveis  diferentes.  Existem  níveis  de  comunicação   mais  ou  menos  completos.  A  comunicação  plena  acontece  quando  não  existem   interferências  emocionais  de  parte  a  parte,  ou,  pelo  menos,  numa  das  partes.     Quando  estamos  presentes  a  comunicação  acontece  no  seu  melhor.  A   ausência  de  julgamento  é  total  e  a  receptividade  é  plena.     O  Rapport  permite  que  criemos  um  estado  de  presença  que  nos  liga   rapidamente  ao  outro  e  nos  ajuda  a  enviar-­‐lhe  os  sinais  de  aceitação  e   segurança  que  ele  precisa  de  receber  para  se  sentir  seguro.     Não  existe  comunicação  quando  a  segurança  não  está  garantida.   A  sensação  de  ameaça  impede  a  confiança  e  a  abertura  ao  outro.     No  Rapport  procuramos  entender  e  aceitar  o  outro  sem  julgamento.   É  como  aprender  e  estar  disponível  para  encontrar  o  outro  exactamente  onde  ele   está.     Rapport  não  é  concordância.  Rapport  é  aceitação  sem  julgamento.   A  concordância  pressupõe  um  julgamento  e  uma  perspectiva.         Notas :       O  coach  tem  de  começar  por   estabelecer  rapport  com  o  seu  cliente   ou  não  conseguirá  obter  os  resultados   que  procura  e  deseja.   Rapport  não  é  concordância.  Rapport   é  aceitação  sem  julgamento.  A   concordância  pressupõe  um   julgamento  e  uma  perspectiva.  
  5. 5. 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa Telefone: 96 612 5154 5 b)     Geral: geral@ecit.pt     Curso  de    Coaching  Docente             Rapport, Confiança e Reconhecimento-continuação           Reconhecimento  versus  Aprovação   .   O  Reconhecimento  não  é  o  mesmo  que  aprovação.   Na  aprovação  o  coach  começa  as  frases  por  “eu”.   No  reconhecimento  o  sujeito  é  o  cliente  e  isto  faz  toda  a  diferença.     Se  o  coach  usar  frases  de  aprovação  pode  acontecer  que  o  cliente   se  motive  por  razões  erradas  –  obter  a  aprovação  do  coach.     O  elogio,  próprio  da  aprovação,   dirige-­‐se  ao  comportamento.   O  reconhecimento  dirige-­‐se  à  identidade  do  cliente.     Exemplos  de  Aprovação:                   O  elogio,  próprio  da  aprovação,   dirige-­‐se  ao  comportamento.   O  reconhecimento  dirige-­‐se  à   identidade  do  cliente.     -­‐  Eu  acho  que  você  foi  muito  corajoso   -­‐  Eu  estou  orgulhoso  de  si   -­‐  Eu  penso  que  você  chegará  onde  quer     Exemplos  de  Reconhecimento:     -­‐  Você  parece  estar  muito  satisfeito   -­‐  Alcançar  isso  demonstra  muito  empenho  seu   -­‐  Reparo  que  você  está  cada  vez  mais  confiante             Notas:  
  6. 6. 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa Telefone: 96 612 5154 6     Volta  à  situação  e  iden   diferença  que  sentes  q   pens     Quais  os  pontos  de  atr   aversão  em  cada  u   perspe   Geral: geral@ecit.pt     Curso  de    Coaching  Docente           Algumas Perguntas Poderosas             -­‐  O  que  é  que  acha  que  o  impede  de  realizar  o  seu  objectivo?  (O  coach   identifica  os  pontos  de  atracção  e  aversão  que  existem  no  cliente,  relativamente  a   este  objectivo)           -­‐  De  que  forma  ou  até  onde  é  que  se  sente  responsável  por  isso?           -­‐   Qual   é   o   lugar   na   sua   mente,   onde   vê   o   problema,   os   outros,   a   situação?  (Com  a  resposta  do  cliente  o  coach  identifica  que  aspectos  emocionais,   crenças  e  padrões  que  estão  a  bloquear  a  realização)         Palavras  Chave         -­‐  O  que  é  que  o  faz  pensar  assim/  ou  dizer  isso?             -­‐Existe   alguma   outra   situação   na   sua   vida   onde   a   mesma   dificuldade/perspectiva/opinião  está  presente?  (  O  coach  escuta  o  cliente  e  dá   feed  back.  O  objectivo  do  coach  é  criar  um  espaço  de  abertura  de  consciência  no   cliente,  ouvindo-­‐se  nas  palavras  de  outra  pessoa  -­‐  O  coach  –  reconhecendo  que  os         aspectos    que    bloqueiam    a    realização    são    filtros    pessoais    associados    a    um   propósito.             -­‐  Quem  ou  como  seria  você  sem  este  pensamento  ou  ideia  ou  sensação   ou  emoção   ou  crença?   (Os  motores  emocionais  são  a  expressão  do  propósito   vigente,  ao  momento,  da  consciência  do  cliente)           -­‐  O  que  acha  que  pode  fazer/alterar/   para  realizar  o  seu  objectivo?  (O   coach  apercebe-­‐se  até  onde  o  cliente  está  disponível  para  ir,  neste  momento)   Apresenta  uma  situação  e   descreve-­‐a  sob  três  perspectivas   diferentes.     tifica  a   uando   as  nela.     acção  e   ma  das   ctivas?  
  7. 7. 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa Telefone: 96 612 5154 7     Geral: geral@ecit.pt     Curso  de    Coaching  Docente           Valores / Visão e Identidade           Os  valores  representam  linhas  de  activação,  chaves  de  ignição   dos  motores  emocionais.     A  visão  representa  a  finalidade  e  o  significado  de  si  mesmo.     A  Identidade  representa  quem  e  como  acreditamos  que  somos.   Como  nos  posicionamos/vemos  no  mundo.     Níveis  de  Congruência  da  Consciência  Individual       somos   -­‐  O  Ser  –  A  Identidade  profunda  -­‐Quem/como  pensamos  que     -­‐  A  Visão  Essencial  –  A  finalidade  da  nossa  vida   -­‐  Os  valores  fundamentais   -­‐  Escolhas  e  decisões  -­‐    Propósito  da  consciência   -­‐  Metas   -­‐  Realizações/Experiências/Resultados         Notas :                            
  8. 8. 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa Telefone: 96 612 5154 8     Geral: geral@ecit.pt     Curso  de    Coaching  Docente             Valores / Visão e Identidade - continuação             Níveis de Congruência da Consciência Individual                       Identidade           Visão             Valores           Escolhas  e  Decisões             Metas             Realizações     Apresenta  uma  situação  e   descreve-­‐a  sob  três  perspectivas   diferentes.     Volta  à  situação  e  identifica  a   diferença  que  sentes  quando   pensas  nela.     Quais  os  pontos  de  atracção  e   aversão  em  cada  uma  das   perspectivas?  
  9. 9. 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa Telefone: 96 612 5154 9     Geral: geral@ecit.pt   Curso  de  Coaching  Docente             Valores / Visão e Identidade- continuação         Exemplos  para  encontrar  informação  no  cliente  que  nos  permita   avaliar  os  níveis  de  Congruência  da  Consciência  Individual     .-­‐  Qual  é  o  seu  objectivo?         -­‐  Porque  é  que  ele  é  importante  para  si?  (o  Coach  detecta  os  valores  e  a   visão)           -­‐  O  que  espera  ganhar/obter/sentir  com  a  realização  desse  objectivo?  (O   coach  apercebe-­‐se  das  motivações  por  detrás  desse  objectivos,  a  chave  da   decisão  e  escolha,  o  propósito  da  consciência).           -­‐  Imagine-­‐se  com  esse  objectivo  atingido.  O  que  é  que  sente?  O  que  é  que   vê?  O  que  é  que  ouve?  Pode  descrever-­‐me  a  cena?           -­‐   Qual   o   seu   grau   de   satisfação   pessoal   sem   esse   objectivo?   (o   coach   aprecebe-­‐se  da  auto  visão/valor  e  significado  que  o  cliente  se  atribui)           -­‐  Qual  o  grau  de  satisfação  pessoal  com  esse  objectivo?           -­‐  O  que  é  que  fez  a  diferença?           -­‐  Numa  escala  de  1  a  10  qual  o  grau  de  importância  que  esse  objectivo  tem   para  si?  
  10. 10. 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa Telefone: 96 612 5154 10     Geral: geral@ecit.pt   Curso  de    Coaching  Docente             Valores / Visão e Identidade - continuação         Exemplos   para  encontrar   informação   no  cliente   que  nos  permita   avaliar  os  níveis  de  Congruência  da  Consciência  Individual  (cont.)     -­‐  O  que  é  que  tem  afastado  esse  objectivo  de  si?  (O  coach  avalia  o  tipo  de   crenças,   grau   de   auto   responsabilidade,   pontos   de   atracção/aversão,   motores  emocionais,  sentinelas).           -­‐  O  que  é  que  acha  que  falta  para  realizar  esse  objectivo?  (o  coach  detecta   pontos  de  incongruência)           -­‐  Qual  o  significado  desse  objectivo  para  si?  (Dados  sobre  a  Identidade)           -­‐  De  que  forma  ou  até  que  ponto  se  sente  responsável  por  não  ter  ainda   alcançado   esse   objectivo?   (O   coach   identifica   os   níveis   de         auto   consciência)           -­‐  Atribui  essa  responsabilidade  a  mais  alguma  coisa  ou  a  mais  alguém?  (O   coach  identifica  os  níveis  e  auto  consciência)           -­‐  De  que  forma  é  que  ele  se  integra  no  seu  grande  objectivo  de  vida?  (o   coach  percebe  alinhamento  ou  incongruência  da  visão  essencial)           -­‐  De  que  forma  é  que  este  objectivo  serve  esse  grande  objectivo  de  vida?   Que  contributo  esse  objectivo  dá  ao  seu  grande  propósito  de  vida?  (dados   sobre  a  identidade)     -­‐     Palavras  Chave                     ?  Dúvidas  ?  
  11. 11. 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa Telefone: 96 612 5154   Geral: geral@ecit.pt     Curso  de    Coaching  Docente           Alinhamento e responsabilidade / compromisso / motivação         Todo  o  alinhamento  promove  a  responsabilidade  e  o  compromisso.   Sem  alinhamento  interior  não  existe  compromisso  e  motivação.   A  motivação  resulta  do  fluir  natural  para  realizar  a  intenção.  O  fluir   natural  acontece  automaticamente   quando  não  existem  obstáculos   interiores  que  bloqueiam  o  fluir.     Sempre    que    existe    desalinhamento    cria-­‐se    a    sensação    de    esforço    e   sacrifício,  de  luta  e  oposição.     A  auto  responsabilidade  conduz  à  liberdade,  pois  empodera  a  pessoa   e  dá-­‐lhe  a  possibilidade   de  mudar  ou  transpôr  as  sentinelas  interiores.         O  coach  deverá  certificar-­‐se  de  que  o  cliente  está  ciente  das  suas   responsabilidades  quanto  ao  programa  e  ao  que  lhe  será  pedido  para  fazer.     B  a  s  i  ca  m  e  nte      ex  i  ste  m      t  rê  s      q  u  e  stõ  e  s      q  u  e      e  nvo  l  ve  m      a   responsabilidade,  perante  uma  tarefa:     -­‐  O  que  é  que  o  cliente  vai  fazer?  Tarefa   -­‐  Quando  vai  fazer   -­‐  Como  é  que  o  coach  saberá  que  ele  a  vai  fazer?     Na  relação  Coach  cliente  é  muito   importante  que  cada  parte  aceite   total  responsabilidade  sobre  o   programa  acordado.           Notas  :                           11
  12. 12. 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa Telefone: 96 612 5154 12     Geral: geral@ecit.pt       Curso  de    Coaching  Docente       Perspectiva e Alinhamento As Chaves de Ouro do Coaching       Ressignificar Perspectivas     As  perspectivas  que  temos  a  cada  instante  são  variáveis  e  a  sua   maleabilidade  é  relativa  à  personalidade  de  cada  pessoa  e  ao  seu   nível  de  auto  consciência.     Podemos  alterar  as  expectativas  de  cada  situação  se  mudarmos  os   ingredientes  que  trazemos  à  consciência  nesse  momento.     Existem,  contudo,  dois  tipos  de  perspectivas  fundamentais:     .  Perspectiva  do  ponto  de  vista  do  “eu”(  o  consciente)   .  Perspectiva  do  ponto  de  vista  do  observador  (A  Supraconsciência-­‐  O  Ser)           Quando   as  tensões   emocionais      associadas    a  uma  determinada   expectativa  são  libertadas    a  mudança   de  perspectiva    é  automática,   instantânea  e  permanente.     Podemos,   contudo,   alterar   perspectivas    ressignificando  (mudando   o   enquadramento  na  qual  a  percepção   se  foca)  de  várias   formas.     Significa   que  trazemos   à  situação   uma  experiência    cuja  carga   emocional   vai  dissolver    parte  ou  totalmente    a  tensão   que  existia   na   perspectiva    anterior   e  o  resultado    é  a  abertura   da  mente   a  uma   outra   realidade    perceptiva.         N  o  t  a  s  
  13. 13. 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa Telefone: 96 612 5154 13     Geral: geral@ecit.pt     Curso  de    Coaching  Docente         Perspectiva e Alinhamento As Chaves de Ouro do Coaching - continuação     Um  dos  processos  mais  poderosos  através  dos  quais  podemos  ajudar  alguém  é   usando  o  questionamento  de  forma  dirigida  e  significativa.     As  perguntas  servem  para  motivar  a  pessoa  a  procurar  outra  informação   dentro  de  si  e  a  fazer  novas  associações  neurológicas  que  criam  novas   percepções,  novos  contextos  e  novas  experiências.     Eis  alguns  exemplos:   -­‐  Perguntas  Poderosas  para  identificar  perspectivas     .  Que  perspectiva  tem  que  está  a  criar  este  cenário?         .   .  Que  outra  perspectiva  poderia  ter  que  o  pudesse  empoderar  e  ajudar  a   resolver  isto?           .  Como  pode  tornar  isso  interessante  ou  agradável?           .  O  que  será  preciso  para  alcançar  essa  meta?           .    Se  quisesse  estabelecer  um  raccord  na  sua  produtividade,  o  que  poderia  fazer?           .  O  que  pode  fazer  que  o  vai  levar  até  onde  ninguém  ainda  foi?           .  O  que  lhe  agrada  mais  nisso?         .   .  O  que  é  que  já  conseguiu  na  sua  vida?         .  O  que  é  que  falta  aqui  que,  se  incluído,  fará  com  que  as  coisas  comecem  a   funcionar?   A  principal  tarefa  do  Coach  reside   na    identificação    da    perspectiva   do    cliente    perante    determinada   questão      e      ajudá-­‐lo      a      alterar   contextos      pessoais      interiores,   a  t  r  a  v  é  s      d  e      v  á  r  i  o  s      m  é  t  o  d  o  s   e    ferramentas,     permitindo     uma   alteração      na      sua      percepção.                               .  Exercício       Descreva  todas  as  formas  pelas   quais  você  se  sente  “impotente”,   “vítima”  de  qualquer  coisa  ou   situação  fora  de  si.     Descreva  todas  as  formas  pelas   quais  você  se  sente  100%   responsável  por  elas.     Sinta  a  diferença  entre  as  duas   perspectivas.  
  14. 14. 14 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa     Telefone: 96 612 5154 Geral: geral@ecit.pt     Curso  de    Coaching  Docente         Perspectiva e Alinhamento As Chaves de Ouro do Coaching - continuação     Em todas as perspectivas existe o ponto de atracção e o ponto de aversão     Exemplo:     O  que  acha  que  isso  lhe  está  a  dizer?   Como  reage  ao  que  estás  a  ouvir?     Ponto  de  atracção:  O  que  achas  da  situação   Ponto  de  aversão:  Como  reages     Em  qualquer  dos  casos  nunca  há  um  sujeito  nas  memórias.   Apenas  tensões  que  afloram  no  campo  de  consciência,  tal  como  as  ondas  afloram  na   superfície  do  oceano.     A  maneira  de  percepcionar  uma  vida  perfeita  é  permitir  pensar  melhor         Ver a vida como um mar potencialmente perfeito   Que  vantagens  vê  naquilo  que  acha  imperfeito?   Todas  as  situações  trazem  vantagens  e  é  isso  que  as  torna  perfeitas.     -­‐  Perguntas  Poderosas  para  trabalhar  perspectivas     .Que  vantagens  vê  neste  problema/situação?       .    Que  vantagens  uma  pessoa  positiva  vê  neste  problema/situação?       .  Se  houver  uma  lição  a  ser  aprendida,  qual  é?       .  Qual  a  mais  valia  inconsciente?       .  Existe  algo  nesta  situação/problema  pela  qual  se  sinta  grato?       .  O  que  é  que  pode  acontecer  se  mudar  de   perspectiva  em  relação  ao   problema/   situação?           .  Que  outra  perspectiva  poderia  resolver  satisfatoriamente  ao  problema/situação?     .  Exercício  de  Elasticidade  Perceptiva       Apresenta  uma  situação  e   descreve-­‐a  sob  três  perspectivas   diferentes.     Volta  à  situação  e  identifica  a   diferença  que  sentes  quando   pensas  nela.     Quais  os  pontos  de  atracção  e   aversão  em  cada  uma  das   perspectivas?  
  15. 15. 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa   Telefone: 96 612 5154 Geral: geral@ecit.pt     Curso  de    Coaching  Docente         Perspectiva e Alinhamento As Chaves de Ouro do Coaching - continuação     Resposta e Reacção     A resposta a uma situação resulta de uma decisão. Respondemos de modo a concretizar uma experiência que testemunha e dá realidade a um propósito – o propósito da consciência, nesse momento. A decisão de responder desta ou daquela forma, se não estivermos presentes, será determinada pelos estímulos interiores em auto gestão.   Dizemos que reagimos quando isso é determinado pelos interesses escondidos dos motores emocionais, pela tensão entre o ponto de atracção e o de aversão, sem a intervenção do nosso poder pessoal consciente.   Dizemos que respondemos quando assumimos a responsabilidade por nós, conscientemente, e assumimos o comando da nossa vida.   O questionamento constante pode ajudar-nos a desmontar perspectivas por trazer à consciência as incongruências interiores.               A  resposta   que  recebemos  do  outro  é  aquela   que   nos  dá  o  verdadeiro  feeAdp-­‐rbeasecnktaaacuemrcaasditouapçrãoopeósito   (consciente    ou    ndãeosc)  redvae-­‐anosossbatrêcos   npescrsiêpneciiiiavans  esse   momento.   diferentes.     Não  é  possível  recebVoelrtma  oà  ssiutumaaçãroesepidoestnatidfiocaoautro   que  não  seja  o  f   diferença  que  sentes  quando   que  lhe  enviámos,   eed-­‐back  de  algo   pensas  nela.   mesmo  que  de  forma  não  consciente.   Quais  os  pontos  de  atracção  e   aversão  em  cada  uma  das   perspectivas?         15
  16. 16.                                     .    Linguagem                                                            P            e        rspectivas    Limitadoras               Protecção   Reacção     Di7cil     Acusação         Dúvida           Baixa   Auto-­‐-­‐-­‐   EsAma       Medo     CríAca           Sem   Valor       .     Esforço               .    Linguagem       Perspectivas    Empoderadoras                         Contribuir     Respeito         Responder             Explorar     Verdade         .         Generosidade     Responsabilidade                       16     Acção         Confiança     Compromisso    
  17. 17. 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa Telefone: 96 612 5154 17     dessa  situação  e  a  sensação   Geral: geral@ecit.pt     Curso  de    Coaching  Docente         Perspectiva e Alinhamento As Chaves de Ouro do Coaching - continuação       -­‐  Perguntas  Poderosas  para  identificar  perspectivas   .   .  Partindo  do  princípio  que,  o  que  recebemos  responde  exactamente  ao  que   emitimos  (damos),  o  que  é  que  acha  que,  em  si,  criou  esta  resposta  exterior?           .  O  que  é  que  acha  que  pode  alterar  em  si  para  mudar  este  feed-­‐back?             .  O  que  é  que  pode  estar  a  projectar  para  fora  que  não  lhe  permite  ver  o  que  se   está  a  passar  de  si  para  si?             .  De  que  forma  é  que  essa  resposta  exterior  corresponde  à  resposta  que  se  dá  a   si  mesmo  nessa  ou  noutras  questões?                 F  e  e  d  -­‐  b  a  c  k   P  e  s  s  o  a  l             .  Exercício  de  resposta/reacção       Apresenta  uma  situação  e   descreve-­‐a  sob  três  perspectivas   Identifica  uma  situação  àdiqfeuraelntes.   costumas  reagir.   Volta  à  situação  e  identifica  a   difer D en e ç s a co q b u reee   s a e v n e t r e d s a q d u e ando   honestamente  porpednetsraássnela.     Quais  os  pontosqdueeatternasc.ção  e   aversão  em  cada  uma  das   perspectivas?  
  18. 18. 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa Telefone: 96 612 5154 18     Geral: geral@ecit.pt     Curso  de    Coaching  Docente         Perspectiva e Alinhamento As Chaves de Ouro do Coaching - continuação         Detectar, Observar, Deixar Partir e Responder     .  Que  tipo  de  resposta  podes  escolher  da  próxima  vez  que  iss  o  acontecer?   .  Qua  l  o  ponto  de  atracçã  o  e  avers  ão?   -­‐  Cria  uma  nova  pers  pectiva.                                   F  e  e  d  -­‐  b  a  c  k   P  e  s  s  o  a  l  
  19. 19. 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa Telefone: 96 612 5154   Geral: geral@ecit.pt     Curso  de    Coaching  Docente           Alinhamento e responsabilidade / compromisso / motivação         Todo  o  alinhamento  promove  a  responsabilidade  e  o  compromisso.   Sem  alinhamento  interior  não  existe  compromisso  e  motivação.   A  motivação  resulta  do  fluir  natural  para  realizar  a  intenção.  O  fluir   natural  acontece  automaticamente   quando  não  existem  obstáculos   interiores  qie  bloqueiam  o  fluir.     Sempre  que  existe  desalinhamento  cria-­‐se  a  sensação  de  esforço  e   sacrifício,  de  luta  e  oposição.     A   auto   responsabilidade   conduz   à   liberdade,   pois   empodera   a   pessoa   e   dá-­‐lhe   a   possibilidade   de   mudar   ou   transpôr   as   sentinelas   interiores.           O  coach  deverá  certificar-­‐se  de  que  o  cliente  está  ciente  das  suas   responsabilidades  quanto  ao  programa  e  ao  que  lhe  será  pedido  para  fazer.     B  a  s  i  ca  m  e  nte      ex  i  ste  m      t  rê  s      q  u  e  stõ  e  s      q  u  e      e  nvo  l  ve  m      a   responsabilidade,  perante  uma  tarefa:     -­‐  O  que  é  que  o  cliente  vai  fazer?  Tarefa   -­‐  Quando  vai  fazer   -­‐  Como  é  que  o  coach  saberá  que  ele  a  vai  fazer?           Notas  :   Na  relação  Coach  cliente  é  muito   importante  que  cada  parte  aceite   total  responsabilidade  sobre  o   programa  acordado.                                                               19
  20. 20. 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa Telefone: 96 612 5154   Geral: geral@ecit.pt     Curso  de    Coaching  Docente             O Feed - back Eficaz         O  Feed-­‐back  cria  o  espaço  para  uma  nova  visão,  um  “insight”,   um  “Ah!  Ah!”,  abre  o  pensamento  e  expande  perspectivas.     O  feed-­‐back    representa  a  voz  do  cliente  ouvida  de  fora  para  dentro,  de   forma  consciente.  É  constituído  por  uma  ou  mais  frases  que  o  coach  devolve  para   facilitar  ao  cliente  um  “insight”.  Habitualmente  estamos  demasiado  perto  do  que   dizemos  para  sermos  observadores  das  nossas  próprias  palavras  e  do  que  elas   representam  sobre  o  que  se  passa  dentro.     Todo  o  propósito  procura  testemunhar-­‐se  e  realizar-­‐se  em  si  mesmo.  É  o   auto  reconhecimento.     Todas   as   palavras,   pensamentos/crenças,   situações,   imagens,   percepções  são  auto  expressões  dos  propósitos  escolhidos  pela  consciência  com  o   fim  de  se  dar  uma  determinada  experiência  que  consuma  o  propósito.     Porém,  esse  feed-­‐back  que  chega  a  nós,  é,  na  maioria  das  vezes,  ignorado  ou   não  reconhecido.  Em  vez  de  ser  feito  esse  reconhecimento,  a  reacção  habitual   é  a  de  repúdio  e  afastamento,  criando  a  ilusão  de  separação  entre  nós  (a   consciência)  e  mundo  exterior  (o  feed-­‐back).     Num  contexto  de  coaching  o  feed-­‐back,  quando  bem  feito,  é  directo  e   impossível  de  não  reconhecimento.  É  este  acto  de  “eco  reconhecido”  que  permite   ao   cliente   um   salto   de   consciência,   desfazendo   alguns   “nós”   ocultos   por   não   reconhecimento.     À  medida  que  o  feed-­‐back  é  correctamente  oferecido  ao  cliente,  novas   associações  dentro  do  banco  de  informações  armazenadas  nas  memórias,  são   permitidas  e  a  perspectiva  do  cliente  altera-­‐se  significativamente.     Todas   as   posições   que   tomamos   são   criadas   por   perspectivas   que   escolhem,  apenas,  os  dados  informadores  que  nos  permitem  realizar  o  propósito   da   consciência,   naquela   escolha/decisão.   A   grande   maioria   das   vezes   esse   processo  é  inconsciente.     O   feed-­‐back,   quando   bem   feito,   pode   abrir   campos   de   possibilidades   fantásticos,  criando  um  espaço  de  não  julgamento,  absolutamente  neutro,  onde  a   informação  dada  pelo  cliente  lhe  é  devolvida,  na  integra,  através  da  voz  do  coach.         Aquilo   que   os   outros   nos   dizem  constitui  um  feed-­‐back  contínuo   daquilo   que   a   consciência   onde   estamos,  num  determinado   momento,   nos  está  a  querer  mostrar.     Quando  o  reconhecimento   de   um  propósito  é  feito,  muitas  respostas   ou   soluções   ficam   disponíveis.   O   primeiro   passo   na   reconquista   do   poder  pessoal  foi  dado.     Notas  :                   20
  21. 21. 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa Telefone: 96 612 5154   Geral: geral@ecit.pt     Curso  de    Coaching  Docente           Feed Back - continuação               Exemplos  de  Feed  -­‐  back:     -­‐  Reparo  que  está  muito  insatisfeito  com  esta  situação.  Quer  falar  mais  um   pouco  sobre  isso?   -­‐  Soa-­‐me  a  que  você  sente  ….   -­‐  Parece-­‐me  que  se  sente  zangado  …..   -­‐  Gostaria  de  ouvir  outra  perspectiva?   -­‐  Posso  partilhar  consigo  o  que  percebo  desta  situação?     O  coach  dá  SEMPRE  a  oportunidade  ao  seu  cliente  de  confirmar  ou   não  o  que  recebem  como  seu  feed-­‐back  emocional.     Quando  a  informação  não  é  suficiente,  podemos  perguntar  ao  cliente:     -­‐  Fale-­‐me  mais  sobre  isso.   -­‐  Diga-­‐me  mais  acerca  de  …   -­‐  E  sobre  ….?   -­‐  Já  pensou  sobre  ou  acerca  de  ….   -­‐  Quer  dizer  mais  alguma  coisa  acerca  de  ….   -­‐  Como  é  que  isso  se  relaciona  com  o  que  temos  vindo  a  falar?   -­‐  Para  si,  qual  é  o  passo  seguinte?   -­‐  O  que  é  que  vai  fazer  entre  esta  sessão  e  a  próxima  para  resolver  isso?     Os  clientes  esperam  ouvir  um  feed-­‐Back  eficaz  do  seu  coach.  É  para  isso  que   contratam  os  seus  serviços!     Características  do  Feed-­‐Back     -­‐  É  SEMPRE  neutro  e  objectivo   -­‐  É  baseado  em  factos   -­‐  Foi  permitido  pelo  cliente.   -­‐  Feito  SEMPRE  de  forma  a  empoderar  o  cliente,  nunca  a  diminuí-­‐lo.   -­‐  Nunca  se  mistura  com  a  opinião  pessoal  do  coach   -­‐  Apenas  reflecte,  de  volta  para  o  cliente,  as  suas  próprias  palavras.   -­‐  O  Feed-­‐Back  é  sempre  uma  oportunidade  tanto  para  o  cliente  como  para  o   coach.     Regras  para  um  Fee-­‐Back  Eficaz     -­‐  Pedir  SEMPRE  permissão  ao  cliente   -­‐O  coach  deve  assumir  total  responsabilidade  pelo  que  diz  e  como  faz  o  feed-­‐   back.     20 a)
  22. 22. 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa Telefone: 96 612 5154   Geral: geral@ecit.pt     Curso  de    Coaching  Docente       Escutar o Cliente       Escutar   é  um  acto  de  Presença   total.     O  coach  escuta  80%  e  fala  20%  do  tempo.   É  através  des  te  escutar  que  o  coach  aprende  a  perceber  os  desejos  ,   os  quereres  e  as  possibilidades  do  cliente.     É  preciso  que  o  coach  compreenda  o  que  es  tá  a  ser  dito  e  que   sobretudo   ca  pte  o  que  NÃO  está  a  ser  dito.     O  coa  ch  pode  ta  mbém  pedir  Feed-­‐Back  ao  cliente  da  sua  ses  são,   fa  zendo  perg  untas  do  género:     .  O  que  é  que  recebeu  d  esta  sessão  ?   .  Como  é  qu  e  vai  usar  isso  ?  o  u   .  Como  é  qu  e  o  q  ue  rec  ebeu  o  vai  ajudar?   .  Prec  isa  de  mais  al  guma  c  oisa  p  ara  se  senti  r  c  omplet  o  nest  e  assu  nto  ?         O  que  é  qu  e  o  coach  quer  en  con  trar  q  uand  o  esc  uta  o  clien  te     .  O  que  o  cli  ente  q  uer  dizer,  n  um  det  erminad  o  moment  o,  sobre  a  quest  ão  ;   .  O  que  o  cli  ente  n  ão  está  a  di  zer…   .  Como  é  qu  e  o  está  a  dizer.  (Ident  ifica  sen  saçõ  es  e  emoç  ões  que  est  ão   a  ser  exp  ressadas);   .  O  que  o  cli  ente  est  á  a  refer  ir-­‐se  correspon  de  a  causas  ou  sin  tomas?   .  A  quem/ou  o  q  ue  é  q  ue  ele  e  st  á  a  respo  nsab  ili  zar/acusar?   .  Aquil  o  qu  e  ver  dadeiram  en  te  i  nspira,  empo  dera  e  entu  si  asma  o  seu   client  e;   .  Pro  cura  encon  trar  e  id  enti  fi  car  os  rec  urso  s  e  os  o  bstácul  os;   .  Id  en  tifi  ca  as  emoçõ  es  que  mo  tivam,  o  seu  to  m  de  voz  e  o  qu  e  está   por  detrás  do  que  p  arece  estar  a  ser  d  ito  ;     N  o  t  a  s                                                   21
  23. 23. 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa Telefone: 96 612 5154   Geral: geral@ecit.pt     Curso  de    Coaching  Docente           Role - Playing               Como  se  explica:     -­‐  Quando  o  cliente  tem  algumas  dificuldades  de  interacção  com  alguém.   -­‐  Quando  o  cliente  tem  medo  de  interagir  com  algo  ou  algém.     Exemplo:   -­‐  Cliente  faz  de  coach  e  o  coach  faz  de  «problema»   -­‐  Coach  faz  de  cliente  e  o  cliente  faz  de  «problema»         Quando   o   cliente   representa   o   seu   próprio   papel   e   o   coach   representa   «a   situação/problema/pessoa»,   pode   reconhecer   alguns   aspectos  novos,  bem  como  as  suas  próprias  dificuldades.   Quando   os   papéis   se   trocam,   uma   mudança   significativa   pode   ocorrer.  O  Coach  e  o  cliente  trocam  de  papéis.  Quando  o  cliente  assiste  ao   desempenho  do  coach  (  em  sua  representação)  pode  alterar  perspectivas  e   encontrar  recursos  internos  para  resolver  a  situação.                             Notas:   _________________________________________   _________________________________________   _________________________________________   _________________________________________   _________________________________________   _________________________________________   _________________________________________               21 a)
  24. 24. 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa Telefone: 96 612 5154 Geral: geral@ecit.pt       Curso  de    Coaching  Docente       Backtracking e Articulação           À  medida  que  o  feed-­‐back  vai  acontecendo  é  importante  fazer   pequenos  resumos  para  reafirmar  os  pontos-­‐chave  usando  as  próprias   palavras  do  cliente.     O  backtracking  espelha  o  outro,  principalmente  em  relação  aos   seus  valores,  mas  nunca  usando  palavras  diferentes  ainda  que  pareçam   ser  a  mesma  coisa.       cliente.   Nunca  sabemos  qual  o  significado  das  nossas  palavras  para  o     Tal  como  no  feed-­‐back,  o  backtracking  serve  para:     -­‐  Resumir   -­‐  Dar  destaque  ao  que  é  mais  importante   -­‐  Tornar  o  cliente  consciente  de  si  mesmo   -­‐  Mostrar  ao  cliente  que  o  coach  está  presente  e  envolvido     Articulação     Neste  processo  o  coach  resume  o  que  ouviu  do  cliente  e  pede-­‐   lhe  autorização  para  lhe  dar  a  sua  própria  percepção  da  situação     Pode  perguntar  ao  cliente:   -­‐  Aceita  que  eu  lhe  dê  a  minha  visão  sobre  isto?     Neste  processo  o  coach  sabe  que  é  mais  importante  ser  eficaz   do  que  “simpático”.     Às  vezes  é  preciso  clarificar  e  dissolver  os  estados  confusos  e   desalinhados  do  cliente  e  nem  sempre  isso  é  tarefa  fácil.     É  bom  dizer  ao  cliente  que  vai  directo  ao  assunto  e  que  a  sua   intervenção  visa  oferecer  a  verdade  ao  cliente  tal  como  o  coach  a  vê.             D  ú  v  i  d  a  s  :                             22
  25. 25. 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa Telefone: 96 612 5154 Geral: geral@ecit.pt       Curso  de    Coaching  Docente       Estimular a Auto-Confiança e a Auto-Motivação         O  coa  ch  deve  tratar  o  seu  cliente  como  capaz  de  f  azer  ou  alcança  r   o  que  deseja  .  Não  ba  sta  pens  ar  que  ele  é  capaz  .     O  coaching  é  um  equilíbrio  entre  conduzir  e  acompanhar.     Lembrar  ao  cliente  de  que  ele  é  maior  do  que  os  seus  estados  emocionais   é  a  tarefa  do  coach  qua  ndo  o  cliente  se  desmora  liza.   O  coa  ch  precisa  de  estar  a  o  la  do  do  seu  cliente  e  reafirma  r  a  sua   certez  a  nos  seus  recurs  os  e  capacidades.     Check-­‐  list   para  uma  s  es  são  de  Coaching     .  O  que  é  que  o  cliente  quer?   .  A  identidade,  a  visão  e  os  valores  do  cliente   .  O  propósito   do  seu  objectivo   .  M  otores  emocionais  e  s  entinelas  identificadas   .  Pontos  de  atra  cção  e  a  versão   .  Incongruência  s/alinhamentos   .  Identif  icar  o  enqua  dramento   de  pers  pectivas   (os  8  pass  os  des  critos  adia  nte)     Ferramentas    disponíveis    a  usar   na  sessão  de  Coaching     .  Perg  untas  poderosa  s   .  Feed-­‐back   .  A  linhamento   .  E  stratégia  conjunta   .  Planos  de  Acçã  o             N  o  t  a  s         Frases  como  estas  podem  ajudar!     Você  está  infeliz  em  rela  ção  a  ...  mas  isso  pode  ser  mudado.   Eu  sei  que  você  pode  e  você  também  sa  be.   Há  alg  um  tempo  atrá  s  você  diss  e  que  se  a  chava  capaz  ...  lembra-­‐s  e?   Você  está  cada  vez  ma  is  perto  ...   Você  nã  o  é  as  suas  emoções  ...   As  suma  o  comando,  volte  a  o  posto  de  observador.   Foque-­‐s  e  no  destino.  O  resto  é  processo...   Podemos  eliminar  essa  sens  ação.  Que  tal  ag  ora?           23
  26. 26. 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa Telefone: 96 612 5154 24     Geral: geral@ecit.pt     Curso  de    Coaching  Docente       Estimular a Auto-Confiança e a Auto-Motivação - continuação         A  falta  de  alinhamento/congruência   entre  a  Identidade,  a  Vis  ão  e  os   Valores  é  uma  das  grandes  caus  as  pelas  quais  o  cliente  ainda  não   alcançou  o  que  queria.     Se  a  Identidade  e  a  Visã  o  forem  muito  limita  doras  podem  não   comporta  r  as  metas  es  ta  belecidas.  Ness  e  ca  so  há  que  ajuda  r  o  cliente   a  mudar  a  s  ua  pers  pectiva  relativamente  à  s  ua  identida  de,  à  vis  ão  e   aos  seus  valores.     Para  criar  alinhamento  interior  o  coach  precis  a  de  ajudar  o  seu   cliente  a  mudar  perspectivas  ,  níveis  de  aceitação  e  dis  ponibilidade   e  diss  olver  s  entinelas  emocionais  .       Reenquadrar  Pers  pectiv  as     Compromisso    vs  tentativa   Responsabilida  de  vs  vítima   Ass  umir  vs  Acusar   Confiança  vs  dúvida   Responder  vs  rea  gir   Res  peitar  vs  invalidar   Ser  verda  deiro  vs  mentir  ou  esconder   Agir  vs  protelar     .  Dissolver  tensões  dos  pontos  de  atracçã  o  e  avers  ão   .  Resss  ignificar/reenqua  dra  r  de  conceitos  e  situações   .  Â  ncoras   .  Role-­‐Playing       O  que  o  Coach  precisa  de  verificar     .  As  decisões  e  escolhas  estão  alinha  da  s  com  a  Identidade,   a  Visão  e  os  Valores?   .  Que  Recursos  e  Obstáculos  estão  a  favor  e  contra  da   rea  lização  da  meta?   .  Identificar  a  s  linhas  de  tensão,  motores  e  sentinelas  emociona  is.   .  Estabelecer  Planos  de  Acção  exterior  e  interior.   .  Reestruturar  as  prioridades  em  função  de  a  linhamentos   acorda  dos  e  aceites.           N  o  t  a  s  
  27. 27. 25 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa Telefone: 96 612 5154 Geral: geral@ecit.pt         Curso  de    Coaching  Docente       A Ressignificação/ Reenquadramento de Perspectivas         O  que  é  reenquadrar   ou  ressignificar?     Toda  a  experiência   precisa  de  ter  um  contexto  para  ter  um  significado.   O  significado  é  atribuído  de  acordo  com  os  nossos  filtros  de   percepção  constituídos  pelos  motores  emocionais,   padrões,  hábitos  e   fundamentalmente   pelo  propósito  activo  na  consciência,  num  dado   momento.     Mudando  a  linguagem  à  volta  de  um  evento,  alteramos  o  seu             N  o  t  a  s   significado,  porque  a  percepção  é  feita  através  de  novos  elementos         de  informação  com  significado  diferente.   Por  exemplo:   .  Você  tem  aqui  uma  situação  complicada.   .  Temos  aqui  uma  situação  complicada   .  Infelizmente  você  irá  para  fora   .  Por  sorte  você  irá  para  fora       -­‐  A  moldura  corresponde  à  maneira  como  interpretamos  o  evento.   -­‐  As  perguntas  poderosas  conduzem  a  um  reenquadramento  das   situações  e  experiências  do  cliente.     Podemos  dizer  que  as  perguntas  são  formas  de  pôr  novas  molduras   à  volta  dos  eventos  ou  situações.     Na  verdade  a  ressignificação  usa  a  linguagem,  as  palavras  para  alterar   a  forma  como  alguém  percebe  um  evento.     Quando  o  significado  muda,  a  pessoa  altera  também  a  sua  reacção  a  ele.          
  28. 28. 26 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa Telefone: 96 612 5154 Geral: geral@ecit.pt         Curso  de    Coaching  Docente         Âncoras e Estruturas           As  âncoras  são  memórias  que  actuam  como  g  atilhos  de  sensações   quando  activadas.  A  maior  parte  do  nosso  tempo  estamos  em  piloto   automático  o  que  significa  que  estamos  sob  o  efeito  de  memórias   que  se  reciclam,  recriando  estados  emocionais  que  sequestram  a   capacidade  de  reflectir  e  alterar  as  nossas  atitudes  automatizadas.     O  papel  do  coach  está  em  identificar    “memórias”    ou  “âncoras”   indesejáv  eis  e  ajudar   o  cliente  a  dissolvê-­‐las    ao  mesmo  tempo  que   ensina  o  cliente  a  criar  novas  ancoras  que  o  ajudarão   de  forma   construtiva.     As  âncoras  podem  ser  qualquer  coisa  que  esteja  associada  a  uma   determinada  experiência  emocional,   como  por  exemplo:  uma  peça   de  roupa,  um  candeeiro,  uma  cadeira,  uma  fotog  rafia,  uma  viag  em,   um  encontro,  um  sorriso,  uma  musica,  uma  conversa,  etc.     As  âncoras  construtiv  as  são  conhecidas  por  Estruturas.     A  capacidade  de  cria  r  âncora  s  empoderadoras  deve  ser  partilha  da  com  o   cliente,  a  través  de  perg  untas  ta  is  como:     .  O  que  é  que  você  pode  fazer  para  o  a  judar  a  lembra  r-­‐  se  de....   (tarefa  que  tem  pa  ra  f  azer,  mudança  de   hábitos,  exercitar  a  lgo,  etc?   .  Como  é  que  eu,  como  s  eu  coach,  pos  so  acompa  nhar  os  s  eus  progres  sos?   O  que  é  que  me  mostrará  que  você  está  a  f  azer  o  que  combinámos?   .  O  que  é  que  pode  f  azer  para  se  lembra  r  de  faz  er  essa  taref  a?     .  M  udar  o  toque  do  telemóvel   .  M  udar  a  cor  da  es  cova  de  dentes       Exemplos   de  Estruturas     Programar   o  computador  ou  o   telemóvel,  agenda  ou  relógio;   Ler  um  script  construído   pelo  coach;     Colocar  um  objecto  na  mesa  de   cabeceira  ou  no  escritório;     Escrever  pequenas  notas  e   colá-­‐las;   Marcar  no  calendário;   Ouvir  um  determinado   tipo   de  música;         N  o  t  a  s  
  29. 29. 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa Telefone: 96 612 5154   Geral: geral@ecit.pt     Curso  de    Coaching  Docente         Lidando com Metas/Objectivos           Ideias     Plano/Estratégia     Acção         Requis  itos  para  atingir  objectiv  os     -­‐  Es  tabelecer   Planos   e  Estratégia    de  Acção  exterior   e  interior     Para  ajudar   o  cliente  a  atingir  o  seu  objectivo,  o  coach  tem  que  seguir   determina  dos  pass  os  na  sua  a  cção  de  coaching:     1.       Es  ta  belecer  de  forma  clara  e  nítida  o  objectivo   2.       Alinhar  o  objectivo   com  a  Identidade,  a  visão  e  os  valores   3.       Sub  dividir  o  objectivo  em  partes  se  for  necess  ário   4.       Es  colher  com  o  cliente  o  sub  objectivo  a  alcançar   5.       Entusia  smar  e  motivar  o  cliente  para  se  focar  no  objectivo   (pedir  ao  cliente  que  enumere  as  vantagens   e  as  mais  valia  s   do  objectiv  o  e  o  que  isso  o  fa  z  s  entir)   6.       Dis  solver  obstá  culos  e  acorda  r  recurs  os  a  dormecidos   e   reforça  r  os  já  existentes.   7.       Reenquadrar    perspectivas   8.       Es  ta  belecer  níveis  de  res  ponsabilida  de  s  obre  os  compromissos   as  sumidos  com  o  coach  através  de  pergunta  s  tais  como:       .  Se  não  houvesse  outra  oportunidade  sentiria  algum  remorso  por   não  ter  feito  isto?   .  O  que  faria  se  estivesse  cheio  de  coragem?   .  Por  quantos  mais  anos  quer  manter  nessa  zona  de  conforto?   .  A  quem  pertence  essa  zona  de  conforto?  Será  que  essa  zona  de   conforto  é  sua  ou  das  memórias  e  motores  emocionais?   .  Como  observador  da  história  que  parece  ser  sua,  qual  o  seu  interesse   em  manter  essas  dificuldades?   .  O  que  é  que  é  mais  importante  para  si,  manter  o  aparente  conforto   ou  o  desafio  de  ser  livre  dessa  limitação?     N  o  t  a  s       Como estabelecer metas/objectivos   .  E  scolher  o  que  se  quer,   nã  o  o  que  nã  o  se  quer,  isto  é:  O  que  é  que   isto   me  dará?   .  E  scolha  a  lgo  que  você   acredite  que  é  atingível.   .  E  scolha  a  lgo  que  você   consig  a  a  creditar  que  pode  influenciar   pa  ra  obter   os  resulta  dos.   .  E  stabeleça   um  sis  tema  para  monitorar   os  progress  os  .   .  T  ome  cons  ciência  dos  s  eus  recursos  .   .  Inventarie   a  s  mudança  s  necessá  rias  para  acomodar  a  realiz  ação  des  se   objectivo.   .  Reveja  o  seu  plano  de  acção  regularmente.   27
  30. 30. 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa Telefone: 96 612 5154 28     Geral: geral@ecit.pt     Curso  de    Coaching  Docente         Lidando com Metas/Objectivos       Metas  Profundas  da  Consciência     São  as  metas  que  realizam  o  seu  plano  de  auto  realização  ao  longo   da  vida.     -­‐  Perguntas   poderosas   para  estabelecer   Metas  Profundas     .  O  que  é  que  você  quer  ver  no  final  da  sua  vida,  ao  olhar  para  trás?         .  O  que  é  que  foi  importante  na  sua  vida  até  hoje?       .  O  que  é  que  quer  que  seja  importante  daqui  para  a  frente         .  De  que  forma  essas  metas  a  longo  prazo  que  você  acalenta  servem   estes  propósitos?         .  Que  aspectos  da  sua  vida  estão  em  perfeita  sintonia  com  a  sua  visão   e  identidade?         .  De  que  forma  é  que  essas  metas  a  longo  prazo  se  encaixam  e  alinham   com  a  v  isão  e  os  valores  que  tem?         .  Numa  escala  de  1  a  10  qual  o  grau  de  importância  de  cada  uma  dessas   metas  em  relação  ao  seu  propósito  profundo  de  vida  (visão)?   N  o  t  a  s            
  31. 31. 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa Telefone: 96 612 5154 29     Geral: geral@ecit.pt     Curso  de    Coaching  Docente         Lidando com Metas/Objectivos       Separar  o  trigo  do  joio     .  O  que  é  que  deseja  alcançar?   .  Para  isso  o  que  quer  preservar?  (ponto  de  atracção)   .  O  que  ac  eita  eliminar?  (ponto  de  aversão)   .  O  que  é  que  quer  receber/obter  com  essa  meta?  (ponto  de  atracção)   .  O  que  é  que  quer  evitar?(ponto  de  aversão)     -­‐  Perguntas  Poderosas  para  o  Coach  fazer  ao  seu  cliente  relativamente   ao  objectivo  escolhido     .  O  que  é  que  este  objectivo  lhe  tr  ará?       .  Acho  que  isso  é  atingível  para  si?       .  O  que  é  que  você  pode  fazer  para  atingir  essa  meta?       .  Quando  é  que  vai  chegar  à  meta?         .  Como  saberá  que  está  no  caminho  certo?       .  Que  recursos  tenho  para  atingir  a  meta?       .  Que  mudanças  tenho  que  per  mitir  para  alcançar  esta  meta?       .  Qual  o  preço,  isto  é,  o  que  é  que  vou  ter  de  deixar  partir  par  a  incluir  esta   nova  realidade  na  minha  vida?       .  O  que  é  que  ou  quem  é  que  da  minha  vida  ac  tual  terá  de  viver  com   esta  mudança?       .  Como  é  que  eu  conseguirei  lidar  com  essa  tr  ansformação?       .  O  que  é  que  eu  estou  disposto  a  fazer/mudar/deixar  partir  par  a  alcançar   esta  meta?   N  o  t  a  s  
  32. 32. 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa Telefone: 96 612 5154 30     Geral: geral@ecit.pt     Curso  de    Coaching  Docente     Estabelecer Tarefas: Alavancas para a Auto-Motivação e a Auto-Confiança       No  coaching  a  s  tarefas  sã  o  sempre  eficaz  es  e  úteis  porque  o  que  está  em   causa  não  é  o  resultado,  mas  sim  o  feed-­‐back  to  cliente.   Todo  o  feed-­‐back  repres  enta  uma  aprendiza  gem  e  um  cres  cimento.     O  Objectivo  das  tarefa  s  consis  te  em  ajuda  r  o  cliente  a  mudar  a  percepção  e   a  que  ele  tome  consciência  dos  imensos  recurs  os  que  tem  e  que  nã  o  sabia.     As  tarefas  empoderam   o  cliente  e  s  ão   alavancas  de  motiv  ação  e  auto  confiança.     As  tarefas  dev  em  ser   .  A  cordadas  com  o  cliente   .  A  ceites  com  o  compromiss  o  de  serem  cumpridas   .  E  specíf  icas  e  claras  :  p.exemplo:  O  que  ....  quando....  onde....  com  quem....   .  T  êm  uma  da  ta  ,  um  prazo  para  serem  realizadas       Três  protocolos  de  aceitação   no  process  o  das  metas   .  Sã  o  pos  síveis  para  si?  Poss  ibilidade   .  T  enho  os  recursos  que  necessito?  Sou  capaz?  Capacidade   .Mereço  alca  nçar  a  meta?  Merecimento     -­‐  Perguntas  Poderos  as  sobre  os  protocolos     .  O  que  poderia  impedi-­‐  lo  de  alcançar  es  ta  meta?         .  Desde  quando  acredita  nis  so?       .  Como  é  que  você  se  sente  ou  trata  quando  acredita  niss  o?         .  O  que  é  que  es  sa  crença  lhe  dá?       .  Quem  s  eria  você  s  em  essa  crença?       .  Que  outra  crença  poderia  substituir  es  sa?         .  O  que  seria  necessá  rio  muda  r  em  si  para  nã  o  precisa  r  des  sa  crença?       N  o  t  a  s  
  33. 33. 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa Telefone: 96 612 5154   Geral: geral@ecit.pt     Curso  de    Coaching  Docente           Perspectiva e Alinhamento As Chaves de Ouro     ToolBox da Consciência   . Comprometimento  vs  Tentativa   .  Responsabilidade  vs  Acusação   .  Confiança  vs  Dúvida   .  Responder  vs  Reacção   .  Respeitar  vs  Invalidar   .  Verdade  vs  Ilusão/Mentira   .  Acção  vs  Indecisão       -­‐  Respeitar  e  Invalidar   O  respei  to  que  t  emo  s  por  n  ós  é  emit  ido  para  o  mundo  ext  erio  r  at  ravés  d  e   sin  ai  s  silen  ciosos  que  o  inc  onsci  en  te  d  os  ou  tro  s  capta.  A  sua  r  esp  osta  a  n  ós   rep  resent  a  o  feed-­‐b  ac  k  c  orr  espon  dente.     So  mos   nós  que  e  st  abel  ecemos   os  l  imi  tes  e  as  front  eiras   d  o  n  osso  terri  tó  ri  o  p  esso  al.       -­‐  Perguntas  Poderosas     . Que  tipo  de  frases/atitudes  ouviste  ou  viveste  no  passado  que  te  fizeram  sentir  desrespeitado  ou   invalidado?           . Em  que  aspectos  da  tua  vida  não  te  sentes  respeitado?       ..  De  que  forma  é  que  isso  reflecte  a  falta  de  respeito  por  ti  mesmo?           ..  Quais  são  os  teus  limites?             .  Exercício  de  auto-­‐respeito           Pensa  em  alguém  ou  em  algo   sobre  essa  pessoa  ao  qual   não  costumas  dar  muito   valor.     Lista  os  teus  julgamentos   sobre  essa  pessoa  ou  sobre   esse  aspecto  dela.                       -­‐-­‐  Perguntas  Poderosas     .   Como  podes  transformar  isso?         .  .  Quais  os  pontos  de  aversão/atracção?         .  .  Que  motores  emocionais  identificaste?   .       .   .  Comunica-­‐los  aos  outros?       .  Como  é  que  os  teus  pensamentos,  palavras  e  acções  representam  sinais  para  os  outros   informando-­‐os  acerca  dos  teus  limites?     .  Exercício  de  auto-­‐consciência         .  Em  que  aspectos  da  tua  vida  é  que  achas  que  tens  de  estabelecer  fronteiras  mais  fortes  e   definidas?   Faz  uma  lista  de  3  actos  de   auto-­‐respeito   e   de   3   actos   de  auto-­‐invalidação.       31
  34. 34. 2009, ECIT Avenida Júlio Dinis, n.º 14, 3º A, Campo Pequeno - Lisboa Telefone: 96 612 5154   Geral: geral@ecit.pt     Curso  de    Coaching  Docente             Momento de Integração         Reflexões Gerais sobre a Formação                           A  mente  é  como  um  pára-­‐quedas.   Trabalha  melhor  quando  está  aberta!!!   Pensamentos     .  Na  medida  em  que  reconheces,  és   reconhecido.       .  .  Na  medida  de  que  te  amas,  és   amado.       .  .  Na  medida  do  que  dás,  recebes.   .                     Mestre  é  aquele  que  nos   mostra  o  que  queremos   aprender  sobre  nós.     Isabel  Ferreira     32

×