Parte I - Avaliacao

5.808 visualizações

Publicada em

Parte I do curso de Avaliação Fisica em Academias e Treinamento Personalizado.

Publicada em: Saúde e medicina
3 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.808
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.209
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
3
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Parte I - Avaliacao

  1. 1. e‐saber
 Complementando
seu
conhecimento.
 apresenta Avaliação Física em Academias e Treinamento Personalizado
  2. 2. Avaliação Física em Academias e Treinamento Personalizado Conteúdo
Programá/co
 Parte
I
‐
Prof.
Me.
Rodrigo
Ferro
Magosso
 Avaliação
Cardiorrespiratória
 Currículo:
h<p://la<es.cnpq.br/5613324995577495


 Parte
II
‐
Prof.
Msd.
Guilherme
Fleury
Fina
SpereAa
 Avaliação
da
Composição
Corporal
 Currículo:
h<p://la<es.cnpq.br/4518946333094830

 Parte
III
‐
Prof.
Me.
Guilherme
B.
Pereira
 Avaliação
do
Treinamento
de
Força
 Currículo:
h<p://la<es.cnpq.br/0159911069166581


  3. 3. e-saber www.esaber.wordpress.com Adquira este material na íntegra Material na íntegra inclui: artigos científicos + apresentação com notas de rodapé explicativas + animações + vídeos Envie um email para esaber.edu@gmail.com e confira nossos preços, produtos e condições de pagamento. e-saber: Complementando o seu conhecimento.
  4. 4. Avaliação Física em Academias e Treinamento Personalizado Premissa
do
curso
 A
avaliação
será,
no
fim,
um
processo
interpretaNvo,
que
 dependerá
 do
 avaliador
 como
 pensador,
 no
 papel
 de
 transformar
os
dados
coletados
em
informações
valiosas
 e
 diretrizes
 para
 o
 programa
 de
 treinamento
 personalizado.
 Esta
 interpretação
 difere
 o
 personal
 trainer
 de
 um
 programa
 de
 treinamento
 generalizado,
 que
 pode
 ser
 encontrado
 até
 mesmo
 em
 revistas
 desNnadas
ao
público
comum.

  5. 5. Avaliação Física em Academias e Treinamento Personalizado Obje/vos
do
curso
 •  presentar
 a
 importância
 da
 avaliação
 no
 treinamento
 A personalizado.
 •  apacitar
o
profissional
para
realizar
diferentes
Npos
de
 C avaliações.
 •  ropor
 estratégias
 para
 melhorar
 o
 processo
 de
 P avaliação
Xsica.

  6. 6. Avaliação Física em Academias e Treinamento Personalizado Introdução
 Prof.
Me.
Rodrigo
Ferro
Magosso

  7. 7. TESTES, MEDIDAS e AVALIAÇÕES
 Definições Teste
 Instrumento,
procedimento
ou
técnica
usado
para
se
 obter
uma
informação.
(MARINS
e
GIANNICHI,
 2003)

 Instrumento
ou
procedimento
que
tráz
à
tona
uma
 resposta
observável
a
fim
de
fornecer
 informações
sobre
um
atributo
específico
de
uma
 ou
mais
pessoas.
(TRITSCHLER,
2003)

  8. 8. CONCEITOS   este: é um instrumento, procedimento ou técnica T usado para se obter uma informação;   edida: é o processo utilizado para coletar as M informações obtidas pelo teste, atribuindo um valor numérico aos resultados;   ormal: a pessoa sabe que irá ser testada; F  nformal: a pessoa não sabe que irá ser testada. I JOHNSON & NELSON, 1979.
  9. 9. AVA L I A Ç Ã O : d e t e r m i n a a importância ou o valor da informação coletada; Deve refletir a filosofia, as metas e os objetivos do profissional; MARINS & GIANNICHI, 2003.
  10. 10. e-knowledge Complementando o seu conhecimento.
  11. 11. Tipos de Avaliação Tipos de Avaliação   valiação diagnóstica: análise dos pontos fortes e A fracos do indivíduo, em relação a uma determinada característica;   valiação formativa: Informa sobre o progresso A no decorrer do processo;   valiação somativa: é a soma de todas as A avaliações realizadas no fim de cada unidade de planejamento, com o objetivo de obter um quadro geral da evolução do indivíduo.
  12. 12. APLICAÇÕES AO TREINAMENTO PERSONALIZADO Determinar o progresso do indivíduo Motivar Experiência Indivíduo/profissional
  13. 13. Avaliação Física em Academias e Treinamento Personalizado Avaliação
cardiorrespiratória
 Prof.
Me.
Rodrigo
Ferro
Magosso

  14. 14. Conteúdo
Programá/co
 ‐ Consumo
de
Oxigênio
(VO2)
 
 ‐ Conceito
de
VO2
e
VO2max
 
 ‐ Nível
de
apNdão
Xsica
em
mulheres
e
homens
 
 ‐ Estratégias
para
a
prescrição
e
controle
do
exercício
Xsico
 
 ‐ Testes
e
equações
para
determinar
o
VO2máx
 
 ‐ Indicações
Gerais
para
a
Interrupção
do
Teste
de
Esforço
 
 ‐ Critérios
para
um
protocolo
válido
de
avaliação
do
VO2max
 
 ‐ Protocolos
de
cicloergômetro

 
 ‐ Protocolos
de
esteira
 
 ‐ Protocolos
submáximos
dos
testes
indiretos

 

  15. 15. O VO2 é o volume de O2 captado em nível alveolar, transportado pela circulação sanguínea e consumido pelos tecidos, sendo que em intensidades de exercício no domínio severo o VO2 atinge seus valores máximos (VO2max)1,2,3. Consumo de Oxigênio Máximo VO2max
  16. 16. Consumo de Oxigênio Máximo VO2max Troca
pulmonar
 Ar
rico
em
oxigênio
 Sangue
pobre
em
O2
 Sangue
arterial
 Sangue
venoso
 oxigenado
 CO2
 Músculo
consome
o
oxigênio
 L/min ou mL(kg.min)-1
  17. 17. Consumo de Oxigênio Máximo VO2max VO2máx
=
5,0
L/min
 VO2máx
=
5,0
L/min
 Peso
=
70kg
 Peso
=
100kg
 VO2
relaNvo
=
71,4
ml.(kg.min)‐1
 VO2
relaNvo
=

50
ml.(kg.min)‐1

  18. 18. Como
u/lizar
o
VO2max
na
 prescrição
do
exercício

  19. 19. CLASSIFICAR
 AVALIAR
 VO2max
 PRESCREVER
 DIAGNÓSTICO
 O
VO2max
é
considerado
um
parâmetro
fisiológico
que
permite
avaliar
 o
 nível
 da
 capacidade
 funcional
 do
 sistema
 cardiorrespiratório
 e,
 portanto,
 tradicionalmente
 uNlizado
 como
 referência
 de
 potência
 aeróbia
 em
 avaliações
 diagnósNcas
 da
 função
 cardiovascular,
 bem
 como
para
prescrição
de
treinamento
Xsico.
 Referências:
1,
4,
5,
6,
7


  20. 20. Nível de aptidão física do American Heart Association para mulheres VO2max ml/kg/-1min-1 Faixa Muito Fraca Regular Boa Excelente etária fraca 20-29 < 24 24-30 31-37 38-48 > 49 30-39 < 20 20-27 28-33 34-44 > 45 40-49 < 17 17-23 24-30 31-41 > 42 50-59 < 15 15-20 21-27 28-37 > 38 60-69 < 13 13-17 18-23 24-34 > 35 ACSM, 2000
  21. 21. Nível de aptidão física do American Heart Association para homens VO2max ml/kg/-1min-1 Faixa Muito Fraca Regular Boa Excelente etária fraca 20-29 < 25 25-33 34-42 43-52 > 53 30-39 < 23 23-30 31-38 39-48 > 49 40-49 < 20 20-26 27-35 36-44 > 45 50-59 < 18 18-24 25-33 34-42 > 43 60-69 < 16 16-22 31-40 > 41 ACSM, 2000
  22. 22. Conteúdo Programático - Consumo de Oxigênio (VO2) - Conceito de VO2 e VO2max - Nível de aptidão física em mulheres e homens - Estratégias para a prescrição e controle do exercício físico - Testes e equações para determinar o VO2máx - Indicações Gerais para a Interrupção do Teste de Esforço - Critérios para um protocolo válido de avaliação do VO2max - Protocolos de cicloergômetro - Protocolos de esteira - Protocolos submáximos dos testes indiretos
  23. 23. Necessidade de manter o teste por 12 minutos (8-15 minutos) Incrementos diferentes para os diversos níveis de aptidão física Antes da realização do Teste -  ermo de consentimento T -  valiação (PA, FC, ECG, A hemograma) Power e Howley, 2005
  24. 24. Indicações Gerais para a Interrupção do Teste de Esforço Físico para Adultos Aparentemente Saudáveis 1. Início de angina ou sintomas anginosos. 2. Queda significativa (20 mmHg) da PAS ou falha na elevação da PAS c/ aumento na intensidade de exercício. 3. Aumento excessivo da PA: PAS > 260mmHg ou PAD >115 mmHg. 4. Sinais de má perfusão: tontura, confusão, palidez, cianose, náuseas ou pele fria e úmida. 5. Não-aumento da frequência cardíaca com o aumento da intensidade de exercício. 6. Alterações perceptíveis do ritmo cardíaco. 7. Solicitação da interrupção do teste pelo indivíduo. 8. Manifestações físicas ou verbais de fadiga severa. 9. Falha no equipamento. ACSM, 2000
  25. 25. Critérios para um protocolo válido de avaliação do VO2max CRITÉRIO DESCRIÇÃO Protocolo Duração do teste 8-12 minutos Duração do estágio Rampa ou 1-3 minutos Intensidade do aumento Baseada na duração do estágio e na aptidão cardiorrespiratória do avaliado. Modo Especificidade do indivíduo na base do treinamento, estado de doenças e considerações musculoesqueléticas. Interpretação dos dados Platô no VO2 Basset e Howley, 2000 critério para estabelecer o R > 1,1 VO2max versus VO2pico Fcmax < 10 b/min da prevista
  26. 26. TESTES MÁXIMOS Protocolo de Ciclo ergômetro: -  alke e Ware (1959) B Protocolos de Esteira: - Bruce et al. (1973) -  omem cardiopata, sedentário e ativo, H mulher - Kusumi e Hosmer (1973) - Balke e Ware (1959) - Ellestad (1986)
  27. 27. Carga máxima permite estimar o VO2máx Acréscimo de 25 W Conduzir o teste Critérios de interrupção Estágios de 2 minutos VO2máx (ml/Kg-1/min-1) = 200 + (12 . W) / PC (kg) Incremento de 25 watts para não atletas e 50 watts para atletas ou indivíduos bem treinados.
  28. 28. Exemplo 300 W Peso corporal 80 kg Estágios de 2 minutos Qual é o VO2max estimado VO2máx (ml/Kg-1/min-1) = 200 + (12 . W) / PC (kg) VO2máx = 47,5 ml/Kg-1/min-1
  29. 29. •  Velocidade da esteira fixa 5,4 Km/h (90 m/min) •  Sem apoio das mãos na esteira Incremento 1% na inclinação VO2máx estimado a partir do tempo de teste (minutos) Estágios de 1 minuto VO2max ml/kg-1/min-1 = 14,909 + (1,444 x tempo de duração)
  30. 30. •  10% de inclinação inicial •  Velocidades: 3-4-5,5-7-8-9-10 km/h Incremento 2 % na inclinação VO2máx estimado a partir do tempo de teste (minutos) Estágios de 3 minutos e-saber O seu conhecimento a um clique.
  31. 31. TESTES PARA PREDIZER O VO2max Protocolo de Bruce et al. (1973) - esteira Homem cardiopata: VO2max= (2,327 x tempo) + 9,48 Homem sedentário: VO2max= (3,288 x tempo) + 4,07 Homem ativo: VO2max= (3,778 x tempo) + 0,19 Mulher: VO2max= (3,36 x tempo) + 1,06 VO2max expresso em ml/kg-1/min-1
  32. 32. Tempo Velocidade Inclinação VO2max ml/kg-1/min-1 Protocolo de Bruce Minutos Km/h % Homem Mulher Cardíacos METs 1 3 10 12,4 ± 2,2 9,0 ± 1,7 10,5 ± 2,4 3,0 2 16,7 ± 1,8 15,4 ± 1,5 15,8 ± 3,1 4,6 3 17,74 ± 1,4 16,9 ± 1,5 17,8 ± 2,7 5,0 4 4 12 19,6 ± 2,1 19,2± 2,0 19,9± 3,7 6,0 5 24,1 ± 1,2 21,7 ± 1,7 22,1 ± 2,6 6,5 6 24,8 ± 2,1 23,2 ± 1,8 23,1 ± 2,9 6,8 7 5,5 14 28,6 ± 2,4 25,8 ± 1,8 25,4 ± 2,1 7,6 8 32,6 ± 2,4 29,9 ± 2,8 30,2 ± 3,0 8,8 9 34,3 ± 3,3 32,2 ± 3,2 31,8 ± 2,3 9,4 10 7 16 38,3 ± 3,6 39,0 ± 4,2 35,0 ± 3,0 10,7 11 42,3 ± 1,9 46,1 ± 6,2 12 43,8 ± 4,0 49,1 ± 5,4 13 8 18 14 15 56,9 ± 16 9 20 17 18 68,2 ± 19 10 22 20 Leite, 1993
  33. 33. PROTOCOLO DE COOPER •  Percorrer a máxima distância em 12 min.; •  Orientar o avaliado - cadência da corrida; •  Demarcar distância (s/ pista de atletismo); •  Resultado: Distância percorrida; •  VO2max = (d-504)/45
  34. 34. NÍVEL DA CAPACIDADE AERÓBIA Fonte: Marins e Giannichi, 2003
  35. 35. PROTOCOLOS SUBMÁXIMOS DOS TESTES INDIRETOS •  Controlar: – PE (percepção de esforço); – Frequência cardíaca (frequencímetro); – Pressão arterial (indireto). •  Antes, durante e depois do teste.
  36. 36. Protocolos submáximos em esteira •  Sedentários 2 minutos de aquecimento F.C. estabilizada entre 130 e 180 bpm Máximo de 12 minutos de duração VO2máx.= 54,07 + 7,062 x G – 0,1938 x MC + 4,47 x V – 0,1453 x FC 35 anos: multiplicar por 0,87 (diminuir 0,3 a cada 5 anos)
  37. 37. e-saber www.esaber.wordpress.com Adquira este material na íntegra Material na íntegra inclui: artigos científicos + apresentação com notas de rodapé explicativas + animações + vídeos Envie um email para esaber.edu@gmail.com e confira nossos preços, produtos e condições de pagamento. e-saber: Complementando o seu conhecimento.

×