Vida e obra…
 Nascido a 13 de Junho de 1888, em Lisboa 
 Vivia com o pai, a mãe, a avó (doente 
mental) e duas criadas 
 Foi batizad...
 O primeiro pseudónimo de Pessoa, Chevalier 
de Pas aparece nesta altura 
 Ainda no mesmo ano cria o seu primeiro 
poema...
 Em África, Pessoa viria a demonstrar possuir 
desde cedo habilidades para a literatura 
 A mãe tinha que dividir a sua ...
 Em Durban recebe uma educação 
britânica 
 Com excepção de Mensagem, os 
únicos livros publicados em vida são 
os das c...
 Cria o pseudónimo Alexander Search 
 Após o falecimento da irmã, Pessoa e 
a sua família voltam a Portugal, onde 
escre...
 escreve poesia e prosa em inglês e surgem 
os heterónimos Charles Robert Anon e H. 
M. F. Lecher 
 Encerra os seus bem ...
 Deixando a família em Durban, regressou 
definitivamente à capital portuguesa, em 
1905 
 Continua a produção de poemas...
 Em 1908, dedica-se à tradução de 
correspondência comercial 
 Inicia a sua actividade de crítico literário com a 
publi...
 No dia 30 de Novembro morre aos 47 anos 
(associada a uma cirrose hepática provocada 
pelo óbvio excesso de álcool ao lo...
 Podemos dizer que a vida do poeta foi 
dedicada a criar e que, de tanto criar, criou 
outras vidas através dos seus hete...
 O poeta e crítico brasileiro Frederico Barbosa 
declara que Fernando Pessoa foi "o enigma em 
pessoa“ 
 Nas próprias pa...
 Sobre Fernando Pessoa, o poeta mexicano 
galardoado com o Nobel da Literatura, Octavio 
Paz, diz que "os poetas não têm ...
 Possuía ligações com o ocultismo e o 
misticismo, salientando-se a Maçonaria e a 
Rosa-Cruz 
 O seu poema hermético mai...
 A obra ortónima de Pessoa passou por 
diferentes fases, mas envolve basicamente a 
procura de um certo patriotismo perdi...
Álvaro de Campos 
Entre todos os heterónimos, Campos foi o único a 
manifestar fases poéticas diferentes ao longo da sua 
...
Ricardo Reis 
O heterónimo Ricardo Reis é descrito como sendo um 
médico que se definia como latinista e monárquico. De 
c...
Alberto Caeiro 
Caeiro, por seu lado, nascido em Lisboa teria vivido 
quase toda a vida como camponês, quase sem estudos 
...
 Numa tarde em que José Régio tinha 
combinado encontrar-se com Pessoa, este 
apareceu, como de costume, com algumas 
hor...
 Pessoa media 1,73 m de altura, de acordo com 
o seu Bilhete de Identidade 
 O assento de óbito de Pessoa indica como ca...
O poeta é um fingidor. 
Finge tão completamente 
Que chega a fingir que é dor 
A dor que deveras sente. 
E os que lêem o q...
Auto + psico + grafia 
Auto: de si próprio 
Psico: intimo/sentimental 
Grafia: escrita
1ª estrofe – o poeta sente uma dor, mas só 
passado algum tempo é que passa para o 
papel. Logo, há 1 transfiguração da do...
2ªestrofe – o leitor só tem acesso à dor que o 
poeta nos quer fazer sentir 
1º verso – o leitor não sente a dor real, 
po...
3ª estrofe – é a conclusão explica o papel do 
coração (do sentimento) e da inteligência (da 
razão). 
2-coração- vai entr...
 Análise formal do poema 
Neste poema, a estrutura externa pode ser 
explicada da seguinte forma: estamos 
perante um poe...
 Figuras de estilo 
Hipérbato – consiste na separação de palavras 
que pertencem ao mesmo segmento por outras 
palavras n...
 Figuras de estilo 
Perífrase – consiste em utilizar uma expressão 
composta por vários elementos em vez do 
emprego de u...
 Figuras de estilo 
Metáfora – consiste em igualar ou aproximar 
dois termos que pertencem à mesma categoria 
sintáctica ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Fernando pessoa 2

652 visualizações

Publicada em

fernando pessoa

Publicada em: Negócios
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Fernando pessoa 2

  1. 1. Vida e obra…
  2. 2.  Nascido a 13 de Junho de 1888, em Lisboa  Vivia com o pai, a mãe, a avó (doente mental) e duas criadas  Foi batizado em 21 de Julho, no chiado.  do nome Fernando António encontra-se relacionada a Santo António  No dia 24 de Julho, o seu pai morre com 43 anos vítima de tuberculose
  3. 3.  O primeiro pseudónimo de Pessoa, Chevalier de Pas aparece nesta altura  Ainda no mesmo ano cria o seu primeiro poema,” À Minha Querida Mamã”  A sua mãe casa-se pela segunda vez em 1895, com o comandante João Miguel Rosa  Após o casamento, Pessoa e a sua família foram viver para a África do sul em Durban
  4. 4.  Em África, Pessoa viria a demonstrar possuir desde cedo habilidades para a literatura  A mãe tinha que dividir a sua atenção com os filhos e o padrasto, Pessoa isola-se, o que lhe propiciava momentos de reflexão
  5. 5.  Em Durban recebe uma educação britânica  Com excepção de Mensagem, os únicos livros publicados em vida são os das colectâneas dos seus poemas ingleses  Fez o curso primário na escola de freiras irlandesas da West Street
  6. 6.  Cria o pseudónimo Alexander Search  Após o falecimento da irmã, Pessoa e a sua família voltam a Portugal, onde escreve a poesia Quando ela passa  Fernando Pessoa permanece em Lisboa enquanto todos regressam para Durban volta a juntar-se a família em 1903
  7. 7.  escreve poesia e prosa em inglês e surgem os heterónimos Charles Robert Anon e H. M. F. Lecher  Encerra os seus bem sucedidos estudos na África do Sul após realizar na Universidade o «Intermediate Examination in Arts», adquirindo bons resultados
  8. 8.  Deixando a família em Durban, regressou definitivamente à capital portuguesa, em 1905  Continua a produção de poemas em inglês  Em 1906 matricula-se no Curso Superior de Letras  Em Agosto de 1907, morre a sua avó Dionísia, deixando-lhe uma pequena herança
  9. 9.  Em 1908, dedica-se à tradução de correspondência comercial  Inicia a sua actividade de crítico literário com a publicação, em 1912, na revista «Águia», do artigo «A nova poesia portuguesa sociologicamente considerada»  Pessoa é internado no dia 29 de Novembro de 1935, no Hospital de São Luís dos Franceses, com diagnóstico de "cólica hepática"
  10. 10.  No dia 30 de Novembro morre aos 47 anos (associada a uma cirrose hepática provocada pelo óbvio excesso de álcool ao longo da sua vida)  Nos últimos momentos da sua vida pede os óculos e clama pelos seus heterónimos. A sua última frase é escrita no idioma no qual foi educado, o inglês: I know not what tomorrow will bring ("Eu não sei o que o amanhã trará").
  11. 11.  Podemos dizer que a vida do poeta foi dedicada a criar e que, de tanto criar, criou outras vidas através dos seus heterónimos  Alguns críticos questionam se Pessoa realmente teria transparecido o seu verdadeiro eu, ou se tudo não tivesse passado de mais um produto da sua vasta criação
  12. 12.  O poeta e crítico brasileiro Frederico Barbosa declara que Fernando Pessoa foi "o enigma em pessoa“  Nas próprias palavras do poeta, ditas pelo heterónimo Bernardo Soares, "minha pátria é a língua portuguesa “  Ou então, através de um poema: “Tenho o dever de me fechar em casa no meu espírito e trabalhar Quanto possa e em tudo quanto possa, para o progresso da Civilização e o alargamento da consciência da humanidade.”
  13. 13.  Sobre Fernando Pessoa, o poeta mexicano galardoado com o Nobel da Literatura, Octavio Paz, diz que "os poetas não têm biografia, a sua obra é a sua biografia"  Na comemoração do centenário do seu nascimento em 1988, o seu corpo foi transladado para o Mosteiro dos Jerónimos, confirmando o reconhecimento que não teve em vida.
  14. 14.  Possuía ligações com o ocultismo e o misticismo, salientando-se a Maçonaria e a Rosa-Cruz  O seu poema hermético mais conhecido e apreciado entre os estudantes de esoterismo intitula-se "No Túmulo de Christian Rosenkreutz"  Tinha o hábito de fazer consultas astrológicas para si mesmo
  15. 15.  A obra ortónima de Pessoa passou por diferentes fases, mas envolve basicamente a procura de um certo patriotismo perdido  O ortónimo foi profundamente influenciado, em vários momentos, por doutrinas religiosas  A principal obra de "Pessoa ele-mesmo" é Mensagem, uma colectânea de poemas sobre os grandes personagens históricos portugueses
  16. 16. Álvaro de Campos Entre todos os heterónimos, Campos foi o único a manifestar fases poéticas diferentes ao longo da sua obra. Era um engenheiro de educação inglesa e origem portuguesa, mas sempre com a sensação de ser um estrangeiro em qualquer parte do mundo. Começa a sua trajectória como um decadentista (influenciado pelo Simbolismo), mas logo adere ao Futurismo. Após uma série de desilusões com a existência, assume uma veia Intimista/Pessimista, expressa naquele que é considerado um dos poemas mais conhecidos e influentes da língua portuguesa, Tabacaria.
  17. 17. Ricardo Reis O heterónimo Ricardo Reis é descrito como sendo um médico que se definia como latinista e monárquico. De certa maneira, simboliza a herança clássica na literatura ocidental, expressa na simetria, harmonia, um certo bucolismo, com elementos epicuristas e estóicos. O fim inexorável de todos os seres vivos é uma constante na sua obra, clássica, depurada e disciplinada. Segundo Pessoa, Reis mudou-se para o Brasil em protesto à proclamação da República em Portugal e não se sabe o ano de sua morte.
  18. 18. Alberto Caeiro Caeiro, por seu lado, nascido em Lisboa teria vivido quase toda a vida como camponês, quase sem estudos formais, teve apenas a instrução primária, mas é considerado o mestre entre os heterónimos (pelo ortónimo, inclusive). Morreram-lhe o pai e a mãe, e ele deixou-se ficar em casa com uma tia-avó, vivendo de modestos rendimentos. Morreu de tuberculose. Dos principais heterónimos de Fernando Pessoa, Caeiro foi o único a não escrever em prosa. Alegava que somente a poesia seria capaz de dar conta da realidade.
  19. 19.  Numa tarde em que José Régio tinha combinado encontrar-se com Pessoa, este apareceu, como de costume, com algumas horas de atraso, declarando ser Álvaro de Campos, pedindo perdão por Pessoa não ter podido aparecer ao encontro.
  20. 20.  Pessoa media 1,73 m de altura, de acordo com o seu Bilhete de Identidade  O assento de óbito de Pessoa indica como causa da morte "bloqueio intestinal"  A Universidade Fernando Pessoa (UFP), com sede no Porto, foi criada em homenagem ao poeta
  21. 21. O poeta é um fingidor. Finge tão completamente Que chega a fingir que é dor A dor que deveras sente. E os que lêem o que escreve, Na dor lida sentem bem, Não as duas que ele teve, Mas só a que eles não têm. E assim nas calhas de roda Gira, a entreter a razão, Esse comboio de corda Que se chama coração.
  22. 22. Auto + psico + grafia Auto: de si próprio Psico: intimo/sentimental Grafia: escrita
  23. 23. 1ª estrofe – o poeta sente uma dor, mas só passado algum tempo é que passa para o papel. Logo, há 1 transfiguração da dor sentida, numa dor que é já pensada 1º verso - é a partir deste verso que o poema se vai desenrolar Fingidor - para Pessoa, fingidor não e aquele que engana: é aquele que cria/transfigura.
  24. 24. 2ªestrofe – o leitor só tem acesso à dor que o poeta nos quer fazer sentir 1º verso – o leitor não sente a dor real, porque esta pertence ao poeta 2º verso – não sente a dor imaginária porque esta pertence ao seu criador 3º verso – ele sente que ele próprio sentiu 4º verso – o leitor só sente a dor lida
  25. 25. 3ª estrofe – é a conclusão explica o papel do coração (do sentimento) e da inteligência (da razão). 2-coração- vai entreter a razão
  26. 26.  Análise formal do poema Neste poema, a estrutura externa pode ser explicada da seguinte forma: estamos perante um poema de versificação tradicional (feita através de quadras) regular, e composto por três quadras  Esquema rimático: ABABCDCDEFEF -rima cruzada  Métrica:”o| poe|ta| é| um| fin|gi|dor” -Redondilha maior
  27. 27.  Figuras de estilo Hipérbato – consiste na separação de palavras que pertencem ao mesmo segmento por outras palavras não pertencentes a este lugar: “E assim nas calhas de roda Gira, a entreter a razão, Esse comboio de corda Que se chama coração”
  28. 28.  Figuras de estilo Perífrase – consiste em utilizar uma expressão composta por vários elementos em vez do emprego de um só termo: “Os que lêem o que escreve”
  29. 29.  Figuras de estilo Metáfora – consiste em igualar ou aproximar dois termos que pertencem à mesma categoria sintáctica mas cujos traços se excluem mutuamente. “Gira, a entreter a razão/Esse comboio de corda”

×