Instituto de educação carlos pasquale

232 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
232
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Instituto de educação carlos pasquale

  1. 1. Também denominada Teoria da Geração espontânea. Aristóteles (384 a 322 a.C.)  acreditava que um princípio ativo ouvital teria a capacidade de transformar a matéria bruta em um ser vivo. “Todos os seres vivos originam-se espontaneamente da matéria bruta.” A vida poderia aparecer da matéria não viva, desde que a matériabruta entrasse em contato com um princípio ativo; O calor, a umidade e o lodo poderiam constituir-se em elementosfundamentais para a “ativação” da matéria bruta, imprimindo-lhe adinâmica da vida.
  2. 2. Questionou evidência a favor da abiogênese: Surgimento espontâneo de vermes na carne em decomposição. Hipótese formulada e testada por Redi  vermes surgiam de ovos colocadospor moscas atraídas pela carne podre; Vermes seriam larvas que surgem no ciclo de vida das moscas.
  3. 3. Utilizando microscópios construídos porele, descreveu, entre 1673 e 1723, organismos que nãopodem ser vistos a olho nu (microscópicos); Adeptos da abiogênese ficaram empolgados; Achavam que micróbios só poderiam surgir por geraçãoespontânea.
  4. 4. Por volta de 1860, conseguiu provar definitivamente que os seres vivos só se originam de outros pré-existentes.
  5. 5. A ausência de microorganismos nos frascos do tipo “pescoço de cisne” mantidosintactos mostraram que o ar contém microorganismos e que estes, ao entrarem emcontato com o líquido nutritivo, proliferam: No balão intacto, os microorganismos do ar não conseguiram chegar até o líquidonutritivo e estéril; Nicroorganismos ficaram retidos pelas gotículas de água condensada durante oresfriamento  funcionou como um filtro; Quando o pescoço dos frascos foi quebrado, os micróbios do ar conseguirampenetrar e entraram em contato com o líquido nutritivo  proliferação.
  6. 6. Esses experimentos de Pasteur mostraram que: Um líquido, ao ser fervido, não perde a força vital, como defendiamos adeptos da abiogênese; O líquido fervido não leva à formação de um ar viciado e nemimpróprio para a vida: O líquido fervido continuou em contato com o ar atmosféricoatravés do pescoço do balão; As gotículas de água condensadas funcionaram como umfiltro, retendo os micróbios do ar.
  7. 7. No século XVII Francesco Redi, naturalista epoeta, pôs em causa as ideias deAristóteles, negando a existência do princípioactivo e defendendo que todos os organismosvivos surgiam a partir de inseminação por ovose nunca por geração espontânea.
  8. 8. Para demonstrar a veracidade da sua teoria, Redi realizou umaexperiência que se tornou célebre pelo facto de ser a primeira, registada, autilizar um controlo. Colocou carne em 8 frascos. Selou 4 deles e deixou osrestantes 4 abertos, em contacto com o ar. Em poucos dias verificou que os frascos abertos estavam cheios demoscas e de outros vermes, enquanto que os frascos selados se encontravamlivres de contaminação.
  9. 9. No século XVIII Needham utilizou várias infusões, quecolocou em frascos. Esses frascos foram aquecidos e deixadosao ar durante alguns dias. Observou que as infusõesrapidamente eram invadidas por uma multitude demicrorganismos. Interpretou estes resultados pela geraçãoespontânea de microrganismos, por acção do princípio activode Aristóteles.
  10. 10. Spallanzani usou nas suas experiências 16 frascos. Ferveudurante uma hora diversas infusões e colocou-as emfrascos. Dos 16 frascos, 4 foram selados, 4 fortementerolhados, 4 tapados com algodão e 4 deixados abertos aoar. Verificou que a proliferação de microrganismos eraproporcional ao contacto com o ar. Interpretou estesresultados com o facto de o ar conter ovos dessesorganismos, logo toda a Vida proviria de outra, pré-existente.

×