DIRETORIA DE ENSINOREGIÃO DE CAMPINAS OESTE          EDUCAÇÃO ESPECIAL                  FEVEREIRO/2013              PCNP -...
PAUTA   Público Alvo da Educação Especial   Definições:     Deficiência Intelectual     Autismo     Altas Habilidades...
PÚBLICO ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL1.   Deficientes:        Mentais (intelectuais)        Visuais ( cegos e visão subnorma...
DEFICIÊNCIA MENTAL: CONCEITO•   O estado de redução notável do funcionamento    intelectual significativamente inferior à ...
AUTISMO: CONCEITO•   Transtorno   Global                  ou             Invasivo    do    Desenvolvimento;•   Início Prec...
ALTAS HABILIDADES/SUPERDOTAÇÃO: CONCEITO Potencial superior:       Habilidade geral intelectual,       Aptidão acadêmic...
TDAH – TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO /             HIPERATIVIDADE: CONCEITO    • O TDA/H – Transtorno do Déficit de Ate...
DISLEXIA: CONCEITO Dificuldade de leitura e de escrita especificamente relacionada à  infância e a adolescência.     Tal...
DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE CAMPINAS OESTE                   EDUCAÇÃO ESPECIAL - SETEMBRO/ 2012       QUADRO DIAGNÓSTICO...
SALAS DE RECURSOS - Total 23DEFICIÊNCIA MENTAL ( 20 )1. EE Antonio Móbili                           10. José Carlos Noguei...
ITINERÂNCIA / INTERLOCUTORESITINERÂNCIA 20121. EE Antonio Pires Barbosa               4. Neli Helena A. Andrade2. EE Benev...
RECURSOS DISPONÍVEIS NA DIRETORIA Apoio de Professores Especializados em Deficiência  Mental e Deficiência Auditiva. Mat...
LAUDO MÉDICO•       Cadastro de Alunos             ( PRODESP )•       Avaliação Pedagógica    •    EQUIPE DA U.E. ( Direçã...
RELATÓRIO PEDAGÓGICOA - INTERAÇÃO AFETIVA, SOCIAL E FAMILIAR- Histórico do aluno- Relacionamento do aluno na escola- Relac...
TERMINALIDADE ESCOLAR               ESPECÍFICAEscolarização com finalidade definida, para os portadores de necessidadesesp...
REFERÊNCIAS:          • Orientações para o Planejamento          2013 – CAPE Núcleo de Apoio Pedagógico          Especiali...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ot p cs planejamento sylvia

785 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
785
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ot p cs planejamento sylvia

  1. 1. DIRETORIA DE ENSINOREGIÃO DE CAMPINAS OESTE EDUCAÇÃO ESPECIAL FEVEREIRO/2013 PCNP - SYLVIA R. SAPIENZA CAPEL SECRETARIA DA EDUCAÇÃO 1Coordenadoria de Gestão da Educação Básica
  2. 2. PAUTA Público Alvo da Educação Especial Definições:  Deficiência Intelectual  Autismo  Altas Habilidades/Superdotação  TDAH / Dislexia Salas de Recursos/Itinerância/Interlocutores Quadro Resumo dos alunos com NEE– Necessidades Educacionais Especiais Recursos Disponíveis Laudo Médico/Relatório Pedagógico Terminalidade Específica SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Slide Coordenadoria de Gestão da Educação Básica 2
  3. 3. PÚBLICO ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL1. Deficientes:  Mentais (intelectuais)  Visuais ( cegos e visão subnormal )  Auditivos  Físicos  Múltiplas deficiências2. TGD - Transtorno Global de Desenvolvimento (Autista )3. Altas habilidades e superdotados Não faz parte desse público: • alunos com dificuldade de aprendizagem ( explo: dislexia, discalculia, disortografia ) • alunos com distúrbios de conduta ou emocional ( explo: TDAH, quadros psiquiátricos ) Diretoria SECRETARIA de Campinas Oeste de Ensino Região DA EDUCAÇÃO 3 Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Núcleo Pedagógico
  4. 4. DEFICIÊNCIA MENTAL: CONCEITO• O estado de redução notável do funcionamento intelectual significativamente inferior à média, associado a limitações em pelo menos dois aspectos do funcionamento adaptativo: 1. Comunicação, 2. Cuidados pessoais, 3. Competência doméstica, 4. Habilidades sociais, 5. Utilização dos recursos comunitários, 6. Autonomia, 7. Saúde e segurança, 8. Aptidões escolares, 9. Lazer e trabalho Fonte: Associação Americana de Retardo Mental ( AAMR/2002) e Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM – IV/2002) Diretoria SECRETARIA de Campinas Oeste de Ensino Região DA EDUCAÇÃO 4 Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Núcleo Pedagógico
  5. 5. AUTISMO: CONCEITO• Transtorno Global ou Invasivo do Desenvolvimento;• Início Precoce, antes dos 3 anos;• Comprometimentos qualitativos: 1. Na comunicação; 2. Na interação social; 3. No uso da imaginação;• Padrões restritos e repetitivos de comportamento. Diretoria SECRETARIA de Campinas Oeste de Ensino Região DA EDUCAÇÃO 5 Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Núcleo Pedagógico
  6. 6. ALTAS HABILIDADES/SUPERDOTAÇÃO: CONCEITO Potencial superior:  Habilidade geral intelectual,  Aptidão acadêmica específica,  Criatividade,  Liderança,  Artes e/ou habilidade psicomotora. Aqueles que apresentam grande facilidade de aprendizagem, levando-os a dominar rapidamente conceitos, procedimentos e atitudesFonte: Resolução CNE/CEB no. 2/2001 das Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica
  7. 7. TDAH – TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO / HIPERATIVIDADE: CONCEITO • O TDA/H – Transtorno do Déficit de Atenção / Hiperatividade é definido como uma “síndrome neurológica caracterizada por certa facilidade para distração, baixa tolerância a frustração e ao aborrecimento e impulsividade e hiperatividade.” • O DSM IV define o Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade como um “problema de Saúde Mental considerando-o como distúrbio de atenção, impulsividade e hiperatividade”. • O CID 10 o descreve no grupo dos Transtornos Hipercinéticos caracterizado por “comportamento hiperativo e pobremente modulado, com marcada desatenção e falta de persistência nas tarefas, em especial as escolares”7 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica
  8. 8. DISLEXIA: CONCEITO Dificuldade de leitura e de escrita especificamente relacionada à infância e a adolescência. Tal dificuldade está circunscrita no âmbito dos transtornos de aprendizagem e, por conseguinte, explicada como conseqüência de anormalidades subjacentes ao processamento cognitivo, como, por exemplo, déficits na percepção visual, distúrbios de atenção, problemas de memória, alterações nos processos lingüísticos ou, ainda, uma combinação desses fatores. A dislexia pode estar associada a transtornos da matemática, manifestando-se, geralmente, nos anos escolares iniciais, em crianças que freqüentam entre a primeira e a quarta série. Fonte: Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais SECRETARIA DA EDUCAÇÃO (DSM – IV/2002) Coordenadoria de Gestão da Educação Básica
  9. 9. DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE CAMPINAS OESTE EDUCAÇÃO ESPECIAL - SETEMBRO/ 2012 QUADRO DIAGNÓSTICO - TOTAL GERAL DE ALUNOS COM NEE (com e sem atendimento na SR ) NATUREZA DA NECESSIDADE EDUCACIONAL ESPECIAL SETORES CEG V TOTALNº DA DF CAD DM O SUB AUT SUP DIS TDAH DUNLOP 2 (3 sr DM/ 1 sr DA /1 8 10 3 62 1 3 1 2 0 9 99 1 it)2 DUNLOP 1 7 15 4 17 0 10 2 0 1 11 673 NOVA APARECIDA (2 sr DM ) 8 14 3 34 0 8 1 0 1 4 73 AMOREIRAS (2 sr DM/ 1 sr DA/4 9 5 1 38 0 2 2 6 1 8 72 1 It ) STA BARBARA / BOA VISTA ( 25 1 2 0 16 0 0 1 0 0 0 20 sr DM)6 DIC 1 (1 sr DM e 1 it ) 4 3 1 27 0 1 1 0 0 3 407 DIC 2 ( 2 sr DM e 1 it) 2 15 2 38 0 3 0 0 0 2 628 DIC 3 ( 3 sr DM) 3 17 7 46 0 9 2 0 0 3 879 SANTOS DUMONT 1 (1 sr DM) 3 6 5 22 0 0 1 0 0 6 4310 SANTOS DUMONT 2 (1 sr DM) 1 12 3 23 0 2 0 1 0 2 44 OLIVEIRAS/MARIETA ( 2 sr11 12 6 7 44 1 4 4 1 3 23 105 DM / 1 it)12 VINHEDO 2 4 1 11 0 1 0 1 0 0 2013 VALINHOS ( 1 sr DA ) 6 1 0 2 0 4 0 1 1 5 20 TOTAL 2012 66 110 37 380 2 47 15 12 7 76 752 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO 9 Coordenadoria de Gestão da Educação Básica
  10. 10. SALAS DE RECURSOS - Total 23DEFICIÊNCIA MENTAL ( 20 )1. EE Antonio Móbili 10. José Carlos Nogueira, Rev.2. EE Carlos C. Zink 11. José dos Santos, Pe3. EE Cecília G. Camargo 12. Luis Tadeu Faccion4. EE Celeste P. Mello (duas) 13. Mário Junqueira (duas)5. EE Celestino de Campos 14. Neli Helena A. Andrade6. EE Conceição Ribeiro 15. Procópio Ferreira7. EE Conj. Vida Nova III (duas) 16. Ruy Rodriguez8. EE Idalina C.S. Pereira 17. Therezina F. Pares9. EE João Fiorelo Reginato DEFICIÊNCIA AUDITIVA ( 3 ) 1. EE Cyro de Barros Rezende 3. EE Ruy Rodriguez 2. EE José dos Santos, Pe Diretoria SECRETARIA de Campinas Oeste de Ensino Região DA EDUCAÇÃO 10 Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Núcleo Pedagógico
  11. 11. ITINERÂNCIA / INTERLOCUTORESITINERÂNCIA 20121. EE Antonio Pires Barbosa 4. Neli Helena A. Andrade2. EE Benevenuto Torres 5. Residencial São José3. EE Idalina C.S. Pereira PROFESSOR INTERLOCUTOR ( LIBRAS ) 2013 1. EE Conjunto Vida Nova 4. EE José Leme do Prado 2. EE Cyro de Barros Rezende 5. EE Ruy Rodriguez ( 2 ) 3. EE Israel Schoba 6. EE Dona Veneranda A Siqueira ( 2 ) Diretoria SECRETARIA de Campinas Oeste de Ensino Região DA EDUCAÇÃO 11 Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Núcleo Pedagógico
  12. 12. RECURSOS DISPONÍVEIS NA DIRETORIA Apoio de Professores Especializados em Deficiência Mental e Deficiência Auditiva. Material ampliado e/ou em Braille. Aquisição de mobiliário adaptado, recursos pedagógicos e equipamentos específicos. Convênio com Instituições. Professor Interlocutor de LIBRAS. Kits escolares adaptados para alunos com deficiência visual e física. Cuidador para alunos com Deficiência Física que necessitam de apoio para alimentação, locomoção e higiene. Diretoria SECRETARIA de Campinas Oeste de Ensino Região DA EDUCAÇÃO 12 Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Núcleo Pedagógico
  13. 13. LAUDO MÉDICO• Cadastro de Alunos ( PRODESP )• Avaliação Pedagógica • EQUIPE DA U.E. ( Direção, Coordenação e Professor da Sala Regular ) • PROFESSOR ESPECIALISTA DA SALA DE RECURSOS ( da própria U.E ou da U.E. mais próxima ) Diretoria SECRETARIA de Campinas Oeste de Ensino Região DA EDUCAÇÃO 13 Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Núcleo Pedagógico
  14. 14. RELATÓRIO PEDAGÓGICOA - INTERAÇÃO AFETIVA, SOCIAL E FAMILIAR- Histórico do aluno- Relacionamento do aluno na escola- Relacionamento do aluno com o professor especialista- Relacionamento com seu grupo socialB – AVALIAÇÃO PELO PROFESSOR ESPECIALISTA - interesse - atenção - concentração - execução da atividade - resistência à fadiga - compreensão e atendimento a ordens - desenvolvimento de habilidades para a vida autônoma - habilidade sensório-motora - percepção e memória visual - percepção e memória auditiva - percepção de diferenças e semelhanças - orientação temporal - orientação espacial - linguagem e comunicação oral - linguagem e comunicação escrita - raciocínio lógico-matemático Fonte: Resolução SE 11 – 31/01/2008 Dispõe sobre a educação escolar de alunos com necessidades educacionais especiais nas escolas da rede estadual de ensino. SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica
  15. 15. TERMINALIDADE ESCOLAR ESPECÍFICAEscolarização com finalidade definida, para os portadores de necessidadesespeciais com deficiência mental grave ou múltipla, adotandoprocedimentos de avaliação pedagógica, certificação e encaminhamento paraalternativas educacionais que concorram para ampliar as possibilidadesprodutivas e de inclusão dessa pessoa. Essas alternativas, geralmente, se dãoem termos de encaminhamento para cursos e atividades profissionalizantes.Certificação de Terminalidade EspecíficaDocumentação fornecida - certificação de conclusão de curso - pela instituiçãoeducacional, ao portador de deficiência mental grave ou múltipla, para fins deencaminhamento a cursos de profissionalização ou semelhante, emfunção da impossibilidade de continuidade de desenvolvimentointelectual em escolas regulares; deve ser acompanhado de históricoescolar, avaliação circunstanciada, assinada pela direção e pelo supervisor doestabelecimento. Fonte: Portaria Conjunta CENP/COGSP/ CEI de 06/07/2009 Dispõe sobre a Terminalidade Escolar Específica de alunos com necessidadeseducacionais especiais na área da deficiência mental, das escolas da rede estadual de ensino e dá providências correlatas. SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica
  16. 16. REFERÊNCIAS: • Orientações para o Planejamento 2013 – CAPE Núcleo de Apoio Pedagógico Especializado ( pg 131 à 146 ) • Filme: “A Cor do Paraíso” ( Programa Currículo é Cultura ) • Vídeo: Ariel – Síndrome de Down http://www.youtube.com/watch?v=bHNTPdy0CIM Obrigado! Equipe Educação Especial Mônica Hanl Supervisora Educação Especial Sylvia R. Sapienza Capel PCNP Educação Especial SECRETARIA DA EDUCAÇÃO 16Coordenadoria de Gestão da Educação Básica

×