O slideshow foi denunciado.

Diabetes 2015 eraldo

700 visualizações

Publicada em

A Sociedade Brasileira de Diabetes
(SBD) lança anualmente as Diretrizes
com o objetivo de acompanhar os novos
conhecimentos científicos na área
de Diabetologia e entregar à sociedade
médica o que há de mais atual no tema.

Publicada em: Saúde e medicina
  • Seja o primeiro a comentar

Diabetes 2015 eraldo

  1. 1. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS Maria de Lourdes Almeida Neto e Santos Docente da Cadeira de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da FTESM DIABETES MELLITUS
  2. 2. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS CONCEITO • Grupo de doenças metabólicas caracterizado por hiperglicemia resultante de defeito na secreção de insulina, ação da insulina ou ambos. • A hiperglicemia crônica associa-se ao comprometimento da micro e macrocirculação, gerando lesões, disfunções e falência de vários órgãos
  3. 3. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS 0 50 100 150 200 250 300 350 1985 1995 2002 2010 2030 Milhõesdehabitantes MAGNITUDE DO PROBLEMA
  4. 4. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS • 7,6% da população (30 – 69 anos) • 50% desconhecem o diagnóstico • 24% não recebem tratamento • 6ª causa de internação • contribui como fator causal em 30 – 50% cardiopatia isquêmica,insuficiência cardíaca, AVC , HA , colecistopatias • principal causa de amputações de MI e cegueira adquirida • 26% dos pacientes em programas de diálise são diabéticos MAGNITUDE DO PROBLEMA
  5. 5. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS - crescimento e ao envelhecimento populacional - maior urbanização e industrialização - crescente prevalência de obesidade e sedentarismo - maior sobrevida do paciente com DM FATORES ENVOLVIDOS
  6. 6. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS CLASSIFICAÇÃO ETIOLÓGICA DO DM* *ADA / OMS
  7. 7. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS PREVALÊNCIA ETIOLÓGICA DO DM DM2 AUTO-IMUNE OUTROS GESTACIONAL
  8. 8. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS DIABETES TIPO 1 5 a 10% dos casos Resulta da destruição das células β A - 95% Auto-imune • Deficiência absoluta de insulina • Cetoacidose  30% manifestação inicial • + jovens • Marcadores: anticorpos anti-insulina, antidescarboxilase do ác. glutâmico(GAD65),antitransportador de Zn(Znt), antitirosina-fosfatases. • Associação com gens do sistema HLA (antígeno leucocitário humano)
  9. 9. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS Resulta da destruição das células β B - 5% idiopático LADA – latent autoimmune diabetes in adults • Destruição lenta das células β  idade adulta • Diagnosticados por vezes como DM tipo 2 • Auto Ac contra células β ? não há marcadores • Sem associação ao sistema HLA • Graus variáveis de déficit insulina DIABETES TIPO 1 5 a 10% dos casos
  10. 10. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS OUTROS TIPOS ESPECÍFICOS DE DM
  11. 11. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS DEFEITOS GENÉTICOS NA FUNÇÃO DA CÉLULA β Diabetes do adulto de início no jovem (Maturity Onset Diabetes of the Young - MODY) • Defeito de secreção de insulina • Historia familiar de DM(padrão autossômico dominante) • < 25 anos • Não obesos • Hiperglicemia leve • Não propensos a CAD OUTROS TIPOS ESPECÍFICOS DE DM
  12. 12. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS • DEFEITOS GENÉTICOS NA FUNÇÃO DA CÉLULA β Diabetes associado com mutação do DNA Mitocondrial • Forma leve de diabetes, evolução lenta • Surdez e distrofia macular • Jovem, sem obesidade • Síndrome MELAS (miopatia,encefalopatia,acidose lática,AVC) • Cardiomiopatia • Doença renal OUTROS TIPOS ESPECÍFICOS DE DM
  13. 13. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS DIABETES TIPO 2 • Forma prevalente 80 % dos casos • Defeito na ação(resistência) e secreção da insulina • > 40 anos geralmente sobrepeso ou obesidade • Cetoacidose rara, ocorre associada a outras condições • Síndrome hiperosmolar hiperglicêmica não cetótica • Não dependentes de insulinoterapia exceto em condições para melhor controle metabólico • Ausência de marcadores específicos até o momento
  14. 14. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS OUTROS TIPOS ESPECÍFICOS DE DM • Constituem formas menos comuns de DM • Defeitos ou processos causadores podem ser identificados • Apresentações clinica variáveis,dependente da alteração de base • Incluídos nesta etiologia estão:
  15. 15. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS (Síndrome de Donohue) DIABETES RAROS
  16. 16. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS OUTROS TIPOS ESPECÍFICOS DE DM
  17. 17. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS OUTROS TIPOS ESPECÍFICOS DE DM
  18. 18. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS OUTROS TIPOS ESPECÍFICOS DE DM
  19. 19. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS OUTROS TIPOS ESPECÍFICOS DE DM
  20. 20. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS OUTROS TIPOS ESPECÍFICOS DE DM
  21. 21. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS OUTROS TIPOS ESPECÍFICOS DE DM
  22. 22. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS DIABETES GESTACIONAL • Intolerância a glicose durante a gravidez • Ocorre em 1 a 14% gestações • Pacientes de alto risco e que na 1ª consulta com critérios para DM fora gestação • Similar ao DM2: resistência + menor produção • Aumenta morbidade e mortalidade perinatais • Avaliação do DM gestacional: 4 a 6 semanas pós parto • Maioria dos casos reverte • 10 a 63% risco de DM2 em 5 a 16 anos
  23. 23. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS QUADRO CLINICO E DIAGNÓSTICO • Assintomático - Achado em exames periódicos, admissionais, pré-operatórios - Pacientes de alto risco em consulta clinica de rotina: clinica médica, oftamologia e dermatologia
  24. 24. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS • Poliúria, polidpsia polifagia • Nictúria • Perda de peso com apetite normal ou aumentado • Visão borrada • Parestesia • Cetoacidose QUADRO CLINICO E DIAGNÓSTICO DM1
  25. 25. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS • Poliúria, polidipsia, polifagia • Alterações visuais • Parestesia • Fadiga • Infecções crônicas da pele,infecções urinarias de repetição • Sintomas de vaginite • Impotência • Distribuição de gordura andróide • Coma hiperosmolar(EHH) e CAD QUADRO CLINICO E DIAGNÓSTICO DM2
  26. 26. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS AVALIAÇÃO INICIAL DO PACIENTE DIABÉTICO  Peso, altura e cintura.  Crescimento e Maturação sexual (diabetes tipo 1).  Tireóide.  ACV: pulsos periféricos, pressão arterial,ausculta  Fundo de olho  Pés  Pele.  Neurológico. IMC =Peso / Altura²
  27. 27. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS DIAGNÓSTICO COMPLEMENTAR DM - Hemograma - Glicemia - Ureia + creatinina - Lipidograma - Função hepática
  28. 28. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS DIAGNÓSTICO COMPLEMENTAR DM2 TOG Diretrizes da Sociedade Brasileira de diabetes-2009
  29. 29. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS • CETOACIDOSE DIABÉTICA (CAD) • ESTADO HIPERGLICÊMICO HIPEROSMOLAR (EHH) • HIPOGLICEMIA EMERGÊNCIAS NO DIABETES
  30. 30. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS • Cetoacidose Diabética (CAD) e Estado Hiperosmolar Hiperglicêmico (EHH) são as duas complicações agudas mais graves que podem ocorrer na evolução DM. • CAD está presente em 25 a 30% dos casos no momento do diagnóstico do DM 1 • CAD e EHH são causas importante de morbimortalidade entre os pacientes diabéticos EMERGÊNCIAS HIPERGLICÊMICAS
  31. 31. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS Diferem entre si de acordo com a presença de cetoácidos e com o grau de hiperglicemia. • Cetoacidose diabética – Produção de ácidos graxos (lipólise) no fígado e produção de corpos cetônicos e beta-hidroxibutirato. Há cetonemia e acidose metabólica. • Estado hiperosmolar hiperglicêmico – Há produção mínima de insulina, mas essa quantidade é suficiente para inibir a produção de corpos cetônicos. Há hiperglicemias acentuadas. – Não há cetonemia, mas pode ocorrer cetonúria leve. EMERGÊNCIAS HIPERGLICÊMICAS
  32. 32. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS EMERGÊNCIAS HIPERGLICÊMICAS
  33. 33. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS GLICEMIA (mg/dl) >250 >250 >250 >600 pH arterial 7,25-7,30 7,00-7,24 <7,00 >7,30 Bicarbonato sérico (mEq/L) 15-18 10-14,9 <10 >15 Cetonúria Positiva Positiva Positiva Fracamente positiva Cetonemia Positiva Positiva Positiva Fracamente positiva Osmolalidade efetiva Variável Variável Variável >320 Anion Gap >10 >12 >12 Variável Nível de Consciência Alerta Alerta ou sonolento Esturpor ou coma Esturpor ou coma EMERGÊNCIAS HIPERGLICÊMICAS
  34. 34. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS
  35. 35. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS Conceito • Glicemia capilar < 60mg/dL • Tríade de Whipple : - Hipoglicemia - Sintomas de hipoglicemia - Melhora dos sintomas após administração de glicose HIPOGLICEMIA
  36. 36. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS Sintomas de hipoglicemia • Sudorese, mal-estar • Taquicardia • Sensação de desmaio • Confusão mental, alterações de personalidade • Alterações visuais e sinais neurológicos focais • Convulsão, estupor, coma HIPOGLICEMIA
  37. 37. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS - A frequência do diabetes mellitus esta assumindo proporções epidêmicas na maioria dos países - Na maioria dos países em desenvolvimento, o aumento da incidência do diabetes mellitus ocorre com maior intensidade nos grupos etários mais jovens - A incidência do diabetes tipo 1 esta aumentando,particularmente na população infantil com menos de cinco anos de idade - As estatísticas de mortalidade e de hospitalizações por diabetes subestimam sua real contribuição CONCLUSÕES
  38. 38. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS - As doenças cardiovasculares e cerebrovasculares são as principais causas de óbito de portadores de diabetes - A parcela importante de óbitos em indivíduos com diabetes é prematura, ocorrendo quando ainda contribuem economicamente para a sociedade - Na atualidade, a prevenção primaria do diabetes tipo 1 não tem uma base racional que se possa aplicar a população geral - Intervenções no estilo de vida, com ênfase em alimentação saudável e pratica regular de atividade física,reduzem a incidência de diabetes tipo 2 CONCLUSÕES
  39. 39. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS - Intervenções no controle da obesidade, hipertensão arterial, dislipidemia e sedentarismo, além de prevenir o surgimento do diabetes, também previnem doenças cardiovasculares - O bom controle metabólico do diabetes previne o surgimento ou retarda a progressão de suas complicações crônicas, particularmente as microangiopáticas - Medidas de combate ao tabagismo auxiliam no controle do diabetes e na prevenção da hipertensão arterial e de doença cardiovascular CONCLUSÕES
  40. 40. SEMIOLOGIA DO DIABETES MELLITUS E AÍ, VAMOS MUDAR HÁBITOS ?

×