Concílio Ecumênico Vaticano IIUM DEBATE A SER FEITO       Mons. Brunero Gherardini                1ª edição              B...
© 2011 Editora Pinus                  www.editorapinus.com.br                  Todos os direitos reservados.              ...
Lembro-vos, irmãos, o Evangelho que vos preguei,         o qual recebestes, e no qual perseverais,                   pelo ...
ÍNDICE           Prefácio  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  . ...
Rev.mo e caro Professor,    Em um ato de grande cortesia, o senhor quis que eu lesse oconteúdo de sua elaborada meditação ...
O Concílio Ecumênico Vaticano II    a um “continuum fieri” no plano de uma “verdade” não mais conheci-    da e reconhecida...
Mons. Brunero Gherardinido Magistério: neste caso haveria um ensinamento que não é irre-formável e, certamente, não infalí...
O Concílio Ecumênico Vaticano II     conduzido com tal rigor e certamente com grande amor pela Igreja,     por sua Tradiçã...
Premissa ao volume do Prof . Mons . Brunero Gherardini    Desejo antes de tudo exprimir minha apreciação com relação àarti...
O Concílio Ecumênico Vaticano II     de novos desafios e respostas que tornam dinâmica e rica a própria     revelação divi...
Concílio Ecumênico Vaticano II                 UM DEBATE A SER FEITO                              PrefácioS        im, um ...
O Concílio Ecumênico Vaticano II     e nel diritto. 25 anni di studi critici, Libreria Editrice Vaticana 2002; e     princ...
Mons. Brunero Gherardini     Que não nos engane, pelo impressionante aparato no qual a obrase apóia, a Storia del Concilio...
O Concílio Ecumênico Vaticano II     apelo a seu ensinamento e para aplicá-lo e colocar em prática as suas     reformas. M...
Mons. Brunero Gherardini     Parece que, depois de quase meio século de tal linguagem, de in-censações de “três ductos dup...
O Concílio Ecumênico Vaticano II     sido obrigado a constatar que o catolicismo europeu está em um esta-     do de “apost...
Mons. Brunero Gherardinia serem confirmados – tenha havido até mesmo negligência e falta decontrole.     Uma afirmação des...
O Concílio Ecumênico Vaticano II     do momento era o desejo de que ela se tornasse um ponto de encon-     tro – mas isto ...
Mons. Brunero Gherardinide santificação e de verdade. Isso foi confirmado posteriormente comuma citação de UR 3/d: “As Igr...
O Concílio Ecumênico Vaticano II     insucesso; alguém foi além e questionou se um Concílio ecumênico     pode cometer err...
Mons. Brunero Gherardiniuma reinterpretação redutiva de verdades pertencentes ao patrimôniodogmático católico, e essas ver...
O Concílio Ecumênico Vaticano II          Visto que somente um mentecapto poderia propor-se a enfrentar     todo esse trab...
Mons. Brunero Gherardinialém de capacidades críticas incomuns. Pesa, todavia, sobre o conjun-to dessas publicações um prob...
O Concílio Ecumênico Vaticano II     nem a DH, nem a GS, nem outros documentos conciliares reformu-     lam sobre “coisas ...
Mons. Brunero Gherardini     OT= “Optatam Totius”, Decreto sobre a formação sacerdotal;     GE= “Gravissimum Educationis”,...
Concílio Ecumênico Vaticano II - Um debate a ser feito - Mons. Brunero Gherardini
Concílio Ecumênico Vaticano II - Um debate a ser feito - Mons. Brunero Gherardini
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Concílio Ecumênico Vaticano II - Um debate a ser feito - Mons. Brunero Gherardini

3.490 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.490
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
131
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Concílio Ecumênico Vaticano II - Um debate a ser feito - Mons. Brunero Gherardini

  1. 1. Concílio Ecumênico Vaticano IIUM DEBATE A SER FEITO Mons. Brunero Gherardini 1ª edição Brasília – DF 2011
  2. 2. © 2011 Editora Pinus www.editorapinus.com.br Todos os direitos reservados. Título Original: Concilio Ecumenico Vaticano II: um discorso da fare. Tradução: Fernanda Silva Rando Capa e diagramação: rosalis.com.brGherardini, Brunero. Concílio Ecumênico Vaticano II: um debatea ser feito / Mons. Brunero Gherardini; tradutora :Fernanda Silva Rando. ― 1. ed. ― Brasília :Ed. Pinus, 2011. 234. p. Tradução de: Concilio Ecumenico Vaticano II:un discorso da fare.ISBN 978-85-63176-07-3 1. Igreja Católica – Concílios. I. Rando, Fernanda Silva.III. Título. CDU 272/273-732.4VATII CDU 272/273-732.4”1962/1965”
  3. 3. Lembro-vos, irmãos, o Evangelho que vos preguei, o qual recebestes, e no qual perseverais, pelo qual sois também salvos, se o conservais como eu vo-lo preguei. (1Cor 15, 1,1)
  4. 4. ÍNDICE Prefácio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 I O Concílio Ecumênico Vaticano II . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 Uma rajada de ar fresco; O aggiornamento; O espírito do aggiornamento. II Valor e limites do Vaticano II . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 O que o Vaticano II disse de si; Os apelos à Sagrada Escritura, aos Concílios, à Tradição; O Vaticano II, um Concílio pastoral. III Para uma hermenêutica do Vaticano II . . . . . . . . . . . . . 61 Os critérios imanentistas; A hermenêutica teológica; A hermenêutica da continuidade. IV Avaliação global . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81 A tirania do relativo; No sentido do parcial e do experimental;E o ecumenismo? V A tradição no Vaticano II . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99 A tradição; A Tradição no Vaticano II; A Tradição, autoridade dogmático-normativa do Vaticano II? VI Vaticano II e Liturgia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121 Os princípios da reforma; Verdadeiramente inexplicável?; A reforma litúgica.VII O grande problema da liberdade religiosa . . . . . . . . . . 145 A declaração conciliar “Dignatis humanæ”; E antes?; E agora?VIII Ecumenismo ou sincretismo? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169 A UR e seu conteúdo; O ecumenismo no contexto do Vaticano II; Continuidade ou ruptura? IX A Igreja da Constituição dogmática LG . . . . . . . . . . . . . 197 O documento; A importância da LG no conjuntodo Vaticano II; “Latet anguis in herba”. Epílogo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 219 Súplica ao Santo Padre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 229
  5. 5. Rev.mo e caro Professor, Em um ato de grande cortesia, o senhor quis que eu lesse oconteúdo de sua elaborada meditação teológica sobre o ConcílioEcumênico Vaticano II antes mesmo de ser publicada pela editora“Casa Mariana Editrice”, com o título “Un Discorso da Fare” (“Umdebate a ser feito”). Eu a li com a mesma atenção com que recebi até o momento mui-tas de suas publicações, seus vários livros e artigos. O fio condutor detodos os seus escritos é sempre aquele que, liga por um enlace lógicoe diria mesmo férreo, a Verdade revelada e a verdade meditada pelo in-telecto humano iluminado pela fé, amparado pela Teologia dos Padresda Igreja, que foi sistematizada pela grande Teologia escolástica, transmi-tida ao longo dos séculos; sustentado pelo Ensinamento do Magistérioda Igreja, que nunca pode estar em contradição consigo próprio, que sópode ter um desenvolvimento homogêneo para nunca dizer “nova” (dou-trinas novas), mas no máximo “nove” (de uma maneira nova) (segundo aterminologia do “Commonitorium” de São Vicente de Lérins). Dou-me conta de que com essas expressões me refiro a uma con-cepção filosófica e, por conseguinte, também teológica (na medidaem que se dá atenção à Verdade revelada) que reconhece ao intelectohumano seu verdadeiro valor e sua verdadeira natureza, de forma aconsiderá-lo capaz de entender e aderir a uma verdade que é imutável,como imutável é o ser de todas as coisas, porque é do Ser Absoluto,daquele que É, que provem, por criação, a sua natureza. Porém, o in-telecto não cria a verdade, já que não cria o ser: o intelecto conhece averdade a partir do momento que conhece a essência (o quid est) dascoisas. Fora desse ponto de vista e dessa Filosofia, qualquer discussão so-bre a imutabilidade da verdade e sobre a continuidade da adesão dointelecto à mesma idêntica verdade não poderia mais ser sustentada.A única opção seria aceitar uma mutabilidade contínua do que o inte-lecto elabora, exprime e cria. Até mesmo um debate sobre o desenvolvimento homogêneo dodogma, ou do ensinamento da Igreja através dos séculos, no fluir dotempo e da história, não poderia mais ser realizado com a possibilida-de de ser compreendido, proposto e aceito. Seria necessário submeter
  6. 6. O Concílio Ecumênico Vaticano II a um “continuum fieri” no plano de uma “verdade” não mais conheci- da e reconhecida pelo intelecto, mas sim por ele elaborada com base no que parece e não no que é. É claro que esse discurso não é dirigido ao senhor; mas tendo lido sua meditação teológica da qual se emerge a necessidade de uma verdadeira “hermenêutica da continuidade” no que diz respeito ao ensinamento do Vaticano II, não pude ficar sem expressar e compar- tilhar o meu pensamento. Sua publicação mostra, com grande clareza de pensamento, que lhe é habitual, em virtude de sua perspicácia intelectual e também de sua lon- ga experiência como Docente, que na Igreja não pode existir senão a continuidade. O mero pensamento de que pudesse existir uma “revolu- ção, mudança radical, mutação substancial” quanto ao plano da verdade e da vida sobrenatural da Igreja já se distancia do são raciocínio teológico, visto que, como eu observei anteriormente, distancia-se também do são raciocínio filosófico. Não abala somente a fé, mas também a razão. Fala-se necessariamente de continuidade “in substantialibus”, não “in accidentalibus”, de continuidade de tudo que “in sua materia” a Igreja sempre acreditou, professou, ensinou e viveu em sua verdadei- ra realidade no decorrer dos séculos, desde seu início que é divino e não humano, e que pode ser acolhido somente por um intelecto iluminado pela fé, sustentado por uma vontade movida pela Graça divina. Seu debate, caro Professor, permite fazer uma profunda análise sobre o Vaticano II e sobre seu ensinamento, formulado em seus Do- cumentos, de tal maneira a levar a uma compreensão que mesmo em lugares onde a linguagem poderia conduzir a um pensamento sobre uma descontinuidade com o conteúdo teológico que se encontra em “toda a bagagem doutrinal da Igreja”, só pode existir um dizer “nove”, e não “nova”. E, portanto, não se pode submeter a “bagagem doutrinal da Igreja” a esta linguagem, mas ela deve ser interpretada de uma maneira que não se possa dizer “nova” a respeito da Tradição da Igreja. Contudo, dada a natureza do Concílio e a diversidade de natureza de seus Documentos, penso que se possa sustentar o fato de que se de uma hermenêutica teológica Católica emergisse que algumas passa- gens, ou algumas declarações ou asserções do Concílio, não dizem apenas “nove”, mas também “nova”, a respeito da Tradição perene da Igreja, não se estaria diante de um desenvolvimento homogêneo8
  7. 7. Mons. Brunero Gherardinido Magistério: neste caso haveria um ensinamento que não é irre-formável e, certamente, não infalível. Conforta-me muito ter lido recentemente o discurso do Santo Pa-dre à Plenária da Congregação para o Clero1. Ao falar sobre a forma-ção dos Sacerdotes, ele afirma: “A missão tem suas raízes, de maneiraespecial, em uma boa formação, desenvolvida em comunhão com aininterrupta Tradição eclesial, sem rupturas nem tentações de des-continuidade. Nesse sentido, é importante incentivar os Sacerdotes,principalmente as jovens gerações, a receberem corretamente os tex-tos do Concílio Ecumênico Vaticano II, interpretados à luz de todaa bagagem doutrinal da Igreja”. Diante de tal pensamento do Santo Padre, é cômodo pensar queele considerará positivamente a Súplica que, na conclusão de sua me-ditação teológica sobre o Vaticano II, o seu ânimo de devoto filho daIgreja quis formular ao Sucessor de Pedro, ao pedir do nível mais altodo Magistério “um grande e possivelmente definitivo esclarecimentosobre o último Concílio em todos os seus aspectos e conteúdos”, quetrate da sua verdadeira natureza, que indique o que significa que eletenha desejado se propor como um Concílio pastoral. Qual é, então,seu valor dogmático? Todos os seus documentos têm o mesmo valor,ou não? Todas as expressões apresentadas neles têm a mesma força ounão? Seu ensinamento é inteiramente irreformável? É verdade que algumas das respostas a essas questões podem já serdeduzidas por meio de seu trabalho e deveriam poder ser esclarecidascom base nos constantes critérios de juízo teológico que sempre fo-ram seguidos pela Igreja; porém, ninguém pode negar que em muitasproduções “teológicas” pós-conciliares a confusão a esse respeito sejafrequente e grande, como enorme é a incerteza doutrinal e pastoral. Por isso, permita-me, caro Professor e que me permita principal-mente o Santo Padre, unir-me “toto corde” a essa Súplica, enquantoformulo o auspício de que sua publicação suscite muita atenção e re-flexão dentro da Igreja, onde quer que se queira fazer uma verdadeirateologia, e que seja acolhida com o respeito devido a um trabalho1 Disponível em: http://www.vatican.va/holy_father/benedict_xvi/ speeches/2009/march/documents/hf_ben-xvi_spe_20090316_ plenaria-clero_po.html. Acesso em 17/10/11. 9
  8. 8. O Concílio Ecumênico Vaticano II conduzido com tal rigor e certamente com grande amor pela Igreja, por sua Tradição perene, por seu Magistério, para o fiel conhecimento e transmissão do qual o senhor trabalhou durante a sua longa ativida- de como Docente da Sagrada Teologia. Albenga, 19 de março de 2009. Solenidade de São José, Patrono da Igreja Universal Mario Oliveri, Bispo.10
  9. 9. Premissa ao volume do Prof . Mons . Brunero Gherardini Desejo antes de tudo exprimir minha apreciação com relação àarticulação temática que caracteriza esse estudo de Mons. BruneroGherardini sobre os textos do Concílio Vaticano II. Essa iniciativa ga-nha um grande valor especialmente no contexto hodierno, marcadopor um debate sobre o significado dos ensinamentos conciliares, prin-cipalmente à luz da chave hermenêutica proposta e valorizada peloPapa Bento XVI, a da continuidade de tais ensinamentos dentro daTradição eclesial. Basta rememorar aqui uma passagem do célebrediscurso do Papa na Cúria Romana no dia 22 de dezembro de 2005:“Por que a recepção do Concílio, em grandes partes da Igreja, até ago-ra teve lugar de modo tão difícil? Pois bem, tudo depende da justainterpretação do Concílio ou - como diríamos hoje - da sua corretahermenêutica, da justa chave de leitura e de aplicação. Os problemasde recepção derivaram do fato de que duas hermenêuticas contráriasse embateram e disputaram entre si. Uma causou confusão, a outra,silenciosamente, mas de modo cada vez mais visível, produziu frutos.Por um lado, existe uma interpretação que gostaria de definir “herme-nêutica da descontinuidade e da ruptura”; não raro, ela pode valer-seda simpatia dos mass media e também de uma parte da teologia mo-derna. Por outro lado, há a “hermenêutica da reforma”, da renovaçãona continuidade do único sujeito-Igreja, que o Senhor nos concedeu;é um sujeito que cresce no tempo e se desenvolve, permanecendo, po-rém, sempre o mesmo, único sujeito do Povo de Deus a caminho”. A história da Igreja é profundamente marcada por vinte e umConcílios. Por essa razão o Vaticano II deve ser visto como parte dessahistória e não como algo totalmente novo. E temos total consciênciade que cada um desses Concílios procurou interpretar, guiado peloEspírito Santo, a doutrina e o ensinamento moral e disciplinar da Igre-ja em vários contextos, levando assim ao âmago da Tradição eclesialum rico patrimônio teológico-espiritual. Cremos que por meio deleso Senhor, arquiteto da história, continua a inspirar a vida humana emum processo de diálogo entre a sua palavra revelada e os contextospolítico-sociais, mutáveis ao longo do tempo, provocando uma série
  10. 10. O Concílio Ecumênico Vaticano II de novos desafios e respostas que tornam dinâmica e rica a própria revelação divina. Por isso, todos os Concílios se tornam um momento de pausa e de reflexão com base na rica herança doutrinal da Igreja e na abertura de novas vias de expressão das verdades reveladas. Esse processo interpretativo é uma impagável riqueza, especialmente em relação às leituras limitadas ou parciais, como por exemplo, a consi- deração da revelação divina em uma perspectiva que leva em conta só a Escritura. Aliás, alguns teólogos protestantes apreciaram essa visão católica da revelação de Deus como uma posição que não limita a li- berdade de ação do Senhor e que reverencia o processo de contínua encarnação divina na vida humana. Por esse motivo o Concílio Vaticano II se torna um ponto de che- gada e também de partida, sem necessariamente considerá-lo como uma ruptura com a tradição precedente. Avaliar a história dos Concí- lios e sua contribuição ao processo de revelação contínua do Senhor à Igreja se trata de um inegável enriquecimento para nós. Por isso todas as reflexões aprofundadas sobre os documentos do Vaticano II são de suma utilidade e importância. Apesar de todas as críticas, não há dúvidas de que o Vaticano II tenha sido uma verdadeira graça para toda a Igreja. Da mesma ma- neira que é natural que após cada Concílio – atual ou antigo – haja abalos mais ou menos fortes, assim como não permaneçam inaltera- dos todos os seus resultados, é normal também que tais abalos estejam destinados a, posteriormente, acalmarem-se por meio de um olhar mais pacífico e sereno em relação ao que aconteceu. Agora estamos vivenciando essa fase de ajuste em relação à recepção do Vaticano II. E somos, por isso, verdadeiramente gratos ao Papa Bento XVI pela contribuição que ele oferece com a finalidade de ler com um olhar objetivo os grandes ensinamentos desse último Concílio. Quero congratular o Autor dessa obra. Desejo que seja uma con- tribuição que favoreça a serena apreciação desse evento tão significa- tivo para nós, à luz de tudo que constitui a herança da Igreja nos dois milênios de sua história. Albert Malcolm Ranjith. Arcebispo Secretário da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos.12
  11. 11. Concílio Ecumênico Vaticano II UM DEBATE A SER FEITO PrefácioS im, um debate a ser feito, pois ainda não o foi. Ou não com- pletamente. Falou-se muito e mesmo demais sobre o último Concílio. Masnão, ou pelo menos não sempre nem principalmente, de forma cor-reta. Até hoje deu-se vida somente a uma grandiosa e ininterruptacelebração de tal acontecimento. Desde aquela realizada nos “postosavançados” e nas “retaguardas” do ministério apostólico, àquela, sole-ne, pomposa e revestida de caráter oficial, das cátedras universitáriasou, em determinadas ocasiões, das comemorações, dos encontros, dasmesas-redondas e das publicações prestigiosas. Não podia faltar a vozdos repetidores: a “magna comitante caterva” de quem ressoa sempre,acompanha sempre, conforma-se sempre. De fato, a Santa Sé e o Episcopado católico nunca se cansaramde reportar-se aos documentos conciliares tanto em circunstânciasde particular relevância, quanto na cotidianidade do serviço pastoral,com uma insistência tal que legitima a impressão, aliás a suspeita, deuma intenção exclusivista. “Pôr o Concílio em prática” foi e é a palavrade ordem. Em certos momentos pareceu efetivamente que tudo tives-se tido início com o Vaticano II e que os mais de vinte séculos anterio-res da história eclesiástica tivessem sido extintos. Sendo, no entanto,impossível desprezar os monumentos inelimináveis de uma históriamais que bimilenária, reservava-se a eles o direito apenas de umamenção passageira, como se isso fosse suficiente para admitir a cons-tante e perene atualidade da Igreja. Quase nunca eles foram intencio-nalmente destacados; quase nunca as discussões e as análises sobre oassunto evidenciaram a base que o Magistério Eclesiástico preceden-te deu ao Vaticano II. Encontro uma louvável exceção no ensaio doEx.mo e Rev.mo Mons. Agostino Marchetto (Chiesa e Papato nella storia
  12. 12. O Concílio Ecumênico Vaticano II e nel diritto. 25 anni di studi critici, Libreria Editrice Vaticana 2002; e principalmente Il Concilio Ecumenico Vaticano II. Contrappunto per la sua storia, Libreria Editrice Vaticana 2005): “rara”, aliás, “rarissima avis”, especialmente porque não se compara a nenhuma das poucas obras que, com características e enfoques diferentes, haviam-no precedido. Refiro- -me particularmente ao Getsemani (Roma 1980) do Em.mo Card. Giuse- ppe Siri, ao conhecido Jota unum (Nápoles 1985) de Romano Amerio e também às obras de um teólogo e filólogo de reconhecido valor, Johannes Dörmann, que fazem mais alusão a João Paulo II que propriamente ao último Concílio Ecumênico. Na realidade, sobre o Magistério anterior, com uma espantosa superficialidade, foi estendido um véu – e por vezes um manto fune- rário – que impede o observador de evidenciar o passado e identificar nele a Tradição que é constitutiva da Igreja e que é a linha mestra do Cristianismo. Existia – devia existir – somente o Concílio Ecu- mênico Vaticano II. E apenas uma maneira prática (mesmo se não formalmente determinada) de analisá-lo, o que retirava do panora- ma qualquer outro ponto de referência. Essa não foi – gostaria de dizer obviamente, mas me limito aos discursos e talvez também aos propósitos – a conclusão do Encontro Internacional para A Atualização do Concílio Ecumênico Vaticano II, realizado no Vaticano no início de 2000, o qual considerou “decididamente equivocada a concepção de que o Concílio quisesse romper os vínculos com o passado ao invés de dedicar-se à Fé de sempre”. Mas também nesse caso, não se foi além de uma declamação puramente teórica. A intelligentia católica deu e está dando um certificado de credibi- lidade à ininterrupta celebração em relação à cotidianidade pastoral. As Universidades e os centros acadêmicos dirigidos por Autoridades eclesiásticas ou inspirados nos seus preceitos, a imprensa católica em toda a sua extensão operativa, as publicações oficiais, as iniciativas dos tipos mais variados, que podem ser tanto interdependentes e interli- gadas, quanto sem ligação entre si, todo, enfim, o complexo mundo católico, todas as suas legítimas estruturas têm favorecido uma cele- bração sem pausa e sem fim do Vaticano II. Surgiu uma vulgata inter- pretativa que, privada muitas vezes de uma elaboração crítica, deu e impôs o tom à interpretação vigente.14
  13. 13. Mons. Brunero Gherardini Que não nos engane, pelo impressionante aparato no qual a obrase apóia, a Storia del Concilio Vaticano II (5 voll. a.c. de Giuseppe Al-berigo, Il Mulino-Bologna 1995-2001): uma construção monumental,sim, e não isenta da devida atenção às fontes, que ela, porém, interpre-ta com base em uma única ideia: o Concílio-evento, com a intenção desuperar o conflito entre a Igreja pré-conciliar e a modernidade. Comose dissesse que toda a diversificada cultura moderna tem agora seulugar na Igreja católica, cuja modernização teve início com o VaticanoII. Com ele, aliás, iniciou-se uma nova Igreja. A máquina celebrativa, à qual me referia, deixou a sua marcaprincipalmente em algumas festividades: no décimo aniversário doConcílio, no seu vigésimo quinto, nos aniversários de cada um dosdocumentos conciliares e em várias outras circunstâncias, ainda quesem ligação particular com o “evento” ocorrido de 1962 a 1965. Narealidade, qualquer ocasião servia para dizer e repetir em todas as to-nalidades e em todas as línguas o fato de que se tratou de um Concílioincomparável aos outros, único por sua originalidade, pelas suas dimen-sões e pela eficácia da sua reforma eclesiástica, pelos temas abordados,pelo grande número (2.540) de Padres conciliares, pela marca deixadapela sua passagem, pela influência mundial e epocal da sua mensagem. São quase cinquenta anos que, com frequência cada vez maior,tudo isso vem sendo repetido em todos os níveis. O hábito com que sediz e escuta isso explica a falta de páthos2 que já circunda a lembran-ça do acontecimento. O falar sobre esse assunto tornou-se um rito,no sentido pejorativo com que várias pessoas, atualmente, usam essetermo. E quem fala sobre ele dá frequentemente a nítida impressão deestar recitando um texto decorado. O rito, exatamente no sentido aludido acima, acaba sempre emuma fumosa e grandiosa incensação: pode-se dizer com “três ductosduplos”3. Dominante não é o desejo de entender para se fazer enten-der de acordo com uma abordagem crítico-analítica dos textos, maso que domina é o já monótono refrão de fidelidade ao Concílio, do2 Páthos: palavra grega que significa paixão, sentimento. (N.d.e.).3 A incensação com “três ductos duplos” é a incensação litúrgica devida ao Santíssimo Sacramento e ao sacerdote, que representa Nosso Senhor Jesus Cristo de maneira íntima. (N.d.e.). 15
  14. 14. O Concílio Ecumênico Vaticano II apelo a seu ensinamento e para aplicá-lo e colocar em prática as suas reformas. Muitas vezes não há nem mesmo a preocupação de especifi- cá-lo como Vaticano II: é o Concílio por antonomásia. E a incensação encontra aqui a sua justificativa. Compreendo o leitor que esteja com dificuldade em encontrar um nexo entre o Vaticano II e a incensação. O ato de incensar faz parte do cerimonial litúrgico e não parece ser atribuível, pelo menos di- retamente, ao âmbito conciliar, apesar de na ocasião ter sido usado bastante incenso durante as liturgias que precediam ou que acompa- nhavam os trabalhos. Não se incensava, porém, o Concílio; mas sim o altar, o lecionário e Aquele em nome do qual o Concílio se celebrava. Portanto, quando falo em incensação em relação ao Vaticano II, dou à palavra um sentido metafórico. Transfiro por analogia e aplico ao Va- ticano II um sentido que se relaciona propriamente com o ato litúrgico e que diz respeito somente a ele. Faço, em suma, uma transferência de sentido, de uma maneira extensiva e analógica: do rito ao qual aquele sentido pertence, ao Vaticano II que não é um rito. E, como no rito, pessoas (celebrante, assistentes, povo de Deus) e coisas (altar, cálice, oferendas) são incensadas pela dignidade que revestem e pela função que exercem, dessa mesma forma, incensa-se o Vaticano II pela im- portância que lhe é atribuída e pela eficiência das suas decisões. Não quero nem pensar em uma incensação bajuladora, mesmo não podendo excluir completamente essa intenção de alguns incensa- dores/bajuladores. Incensadores que talvez não o façam com prazer, mas com muito interesse. A carreira vale muito bem uma incensação! Isso me leva a refletir sobre outro argumento. Todos os dias, em contextos não eclesiais, é possível presenciar o uso impróprio, não so- mente analógico, mas também depreciativo, de termos pertences ao vocabulário sagrado. Além da referência ao rito, há também referên- cia recorrente à palavra muito próxima liturgia (ou também ladainha) . É uma linguagem justificada pela repetição, às vezes de forma gratuita, outras vezes com um tom escarnecedor. A repetição é, efetivamente, ago- ra uma récita: e repetitiva é a reiterada menção ao Vaticano II, o fato de celebrar os seus méritos acriticamente, de conferir-lhe uma importância além dos limites do devido, de declarar sua excelência incomparável a todos os outros Concílios, de transformá-lo em um prontuário de receitas para a solução de problemas de todas as ordens e de todos os tipos.16
  15. 15. Mons. Brunero Gherardini Parece que, depois de quase meio século de tal linguagem, de in-censações de “três ductos duplos”, de celebrações intempestivas, nãosolicitadas e contraproducentes, tenha finalmente chegado o momen-to de virar a página. Tenho a impressão, aliás, de que “acabadas asfestas no templo” e concluída a fase exaltante, há atualmente a necessi-dade de uma reflexão histórico-crítica sobre os textos conciliares queinvestigue as ligações – caso existam efetivamente – com a continui-dade da Tradição católica. Julgo tudo isso como um dos deveres maisurgentes do Magistério eclesiástico, dos bispos e dos centros culturaiscatólicos para o bem da Igreja; une-se a esse dever o direito do povode Deus de que lhe seja explicitado com clareza e objetividade o quefoi de fato o Vaticano II no plano histórico, ético e dogmático. Taldireito decorre da Fé e do autêntico testemunho cristão. Percebe-se também, nas entrelinhas ou em denúncias explícitas,mesmo em algumas respeitáveis intervenções, que nem tudo, quantoa isso, seja límpido e transparente como a água. Ninguém pode ter es-quecido a angústia e quase assombro com que Paulo VI, de veneradamemória, revelou em 1972, apenas dez anos após o início do VaticanoII, a presença contaminadora da “fumaça de satanás” dentro da Igreja.Respeitável foi também a citação do então Prefeito da Congregaçãopara a Doutrina da Fé e atual Pontífice f.r., que denunciou em umfamoso livro-entrevista – Rapporto sulla Fede, ed. paoline, CiniselloBalsamo/Milano 1985 (19983) – a prejudicial presença de um espíritoanti: presença do “inimicus homo” e da discórdia por ele semeada amancheia nos sulcos da Igreja conciliar e pós-conciliar para dificul-tar o discernimento segundo a Fé e dissolvê-lo no possibilismo, norelativismo, no imanentismo do pensamento moderno. Pouco antesde ocupar a cadeira de Pedro, foi ainda o cardeal Ratzinger, no me-morável e dramático texto da “Via Crucis” da Sexta-Feira Santa de2005, que falou sobre “a sujeira... na Igreja, mesmo entre aqueles que,no sacerdócio, deveriam pertencer completamente a” Deus, sobre “so-berba... autossuficiência... e falta de Fé”, e concluiu com uma prece dearrepiar: “Senhor, muitas vezes a vossa Igreja parece um barco prestes aafundar, um barco cheio de água por todas as partes” (J. RATZINGER,Via Crucis, Tip. Vatic. 2005, p. 63, 65). O seu antecessor não disse me-nos quando, apesar de todo seu otimismo tipicamente “conciliar”, havia 17
  16. 16. O Concílio Ecumênico Vaticano II sido obrigado a constatar que o catolicismo europeu está em um esta- do de “apostasia silenciosa”. Diante do espírito anti não se ergueu o antemuro da verdade re- velada: o quadro das certezas indiscutíveis foi abandonado, e o leque do discutível foi aberto. A quem o propunha como a quintessência da mensagem cristã não se respondeu com a devida firmeza: as pou- cas vezes em que se tentou tomar essa iniciativa (penso nos casos de Schillebeeckx, Küng, Segundo, Boff e de alguns outros), não faltou a intimidação de alguns eminentíssimos protetores, e as palavras, tar- diamente pronunciadas, pareciam ter medo de si mesmas. O mal se arraigou muito mais velozmente e profundamente do que se podia prever, e a razão parecia estar em estado de catalepsia, não por causa de uma perversa vontade enfeitiçada por encontrar satisfações lucife- rinas no minar o tesouro das verdades reveladas, mas pela levianda- de com que não se cuidou do terreno minado. Fecharam-se os olhos diante do discutível, arregalando-os, no entanto, perante o pluralismo, o múltiplo, o diferente, o contraditório come se se tratasse de enri- quecimentos providenciais. Essa operação, em ato já há vários anos, foi completamente acolhida na aula conciliar. E de lá extravasou nos anos seguintes. Não quero dizer com isso que os documentos do Vaticano II te- nham sido intencionalmente realizados como um cavalo de Tróia para destruir a fortaleza da Fé e da sã teologia. Referi-me acima à levian- dade; poderia acrescentar o otimismo irreflexivo e infundado, a in- versão de perspectiva (não mais do alto para baixo, mas o contrário), a confiança sem limites no homem, o ofuscamento do sagrado, o ire- nismo falso e perigoso, o bom-mocismo, a dessacralização da criatura e a contemporânea adoração de alguns aspectos dela – a liberdade acima de qualquer outro. O Cavalo de Tróia não foi necessariamente o conjunto dos documentos conciliares, mas a ideia que alguns gru- pos de pressão conseguiram infiltrar na aula conciliar, determinando o progressivo amadurecer da linha que culminou depois na cultura pós-conciliar. Portanto, a “culpa” dos Padres conciliares, pelo menos na sua grande maioria, não foi aquela formal, com “plena advertência e pleno consentimento deliberado”, mas sim material, pela “não aten- ção”, pela leviandade, por um otimismo superficial e exagerado, pela boa fé subjetiva. Talvez, pelo menos em alguns casos – sempre, porém,18
  17. 17. Mons. Brunero Gherardinia serem confirmados – tenha havido até mesmo negligência e falta decontrole. Uma afirmação desse tipo, se por um lado isenta os Padres da res-ponsabilidade direta e prevista dos subsequentes desvios, por outro nãopode colocá-los todos em um idêntico plano de boa fé e boa intenção. Oespírito antirromano de alguns grupos se disfarçou de anticurialismo,e isso se estendeu à maior parte dos Padres conciliares, ainda que deformas variadas e com medidas diferentes. Todos, porém, contribu-íram para silenciar a Cúria romana, para diminuir o prestígio dela,para denunciar seus defeitos, os bloqueios e os atrasos dela em relaçãoàs expectativas dos novos tempos; todos, por esse motivo, são corres-ponsáveis – no sentido antes explicado – pela “revolução copernica-na” operada pelo Vaticano II e pelas suas imediatas aplicações. Isso não significa que a Cúria, enquanto tal, detivesse – ou dete-nha – o depósito da verdade e a totalidade dos poderes; ela é, no en-tanto, a “longa manus”4 do Papa, e assim todas as atitudes anticuriaissão de alguma maneira também antipapais. Houve uma confirmaçãodisso desde o início dos trabalhos conciliares não só com a nítidarecusa dos esquemas preparados pela comissão antepreparatória, naqual os homens da Cúria detinham posições de preeminência, mastambém com sucessivas disposições anticuriais e com uma “política”que, sem atingir diretamente as prerrogativas papais, diminuía o pesodelas sobre o episcopado e sobre a própria Igreja. Chamaram-na entãode “política da alcachofra”: cai uma folha hoje, cai uma folha amanhã.Não que da alcachofra permanecesse somente o talo, mas porque setornava disponível o espaço em que cada componente eclesial – todoo complexo dos “ordenados”, o leigo, a mulher, o povo de Deus – sain-do da segregação, estava mais presente na vida e no próprio governoda Igreja. Talvez pesasse sobre a Cúria a responsabilidade de algumaintemperança; mas não com o seu punitivo silêncio seriam resolvidosos problemas dos quais ninguém tem o conhecimento que possui ummembro da Cúria , especialmente os de alto nível. A lógica pós-conciliar levou à reforma da Cúria, reforma inspi-rada pelo ideal de exautoração. Recordo-me de que o “Leit-Motiv”4 A Cúria Romana é a longa manus do Papa enquanto ela é o seu principal instrumento de governo. (N.d.e.). 19
  18. 18. O Concílio Ecumênico Vaticano II do momento era o desejo de que ela se tornasse um ponto de encon- tro – mas isto se dizia em francês: um “carrefour” – de experiências eclesiais, a ser considerado à luz do Vaticano II. De 1965 em diante o Vaticano II ficou, assim, com a parte do leão: entrou, determinante, em todos os problemas, ousaria dizer em todos os setores, indepen- dentemente do valor de seus documentos, citados, queridos e impos- tos unicamente porque eram a expressão do Vaticano II. Um exemplo desse comportamento – não o único, pois de modo próprio cada Di- castério se dirigiu pelo mesmo caminho – pode ser evidenciado na atividade do ex-Santo Ofício, rebatizado pela reforma com o nome de Congregação para a Doutrina da Fé, que há pouco tempo reuniu suas contribuições pós-conciliares em um belo volume: Documenta inde a Concilio Vaticano Secundo expleto edita (1966-2005, Libreria Editrice Vaticana, Città del Vaticano 2006). O título é por si próprio sintomático e o conteúdo é a comprovação disso: não existe contribuição que não se baseie no Vaticano II. E a consequência é uma colossal tautologia. Ainda com relação a isso, em 10 de julho de 2007 a acima referida Congregação publicou um documento que suscitou as mais contras- tantes reações: de entusiasmo e de decepção. A Congregação respon- dia com ele a algumas perguntas relacionadas às principais dúvidas que hoje atormentam a consciência católica e aos problemas que des- de o imediato pós-concílio, serpearam livremente pela Igreja. O docu- mento, assinado pelo Prefeito da Congregação e contra-assinado pelo seu Secretário, apresenta um evidente erro de método: responde com o Vaticano II – e só com ele – aos insurgentes quesitos referentes ao Vaticano II. Apóia-se em LG 8/b no que toca à questão do “subsistit in” e encontra a sua solução com as mesmas palavras do Concílio; e só considerando essas palavras declara que “a Igreja de Cristo é presen- te e operante nas Igrejas e nas Comunidades eclesiais não ainda em plena comunhão com a Igreja católica, graças aos (múltiplos) elemen- tos de santificação e de verdade presentes nelas”. Vem de certa forma confirmada a impressão de que a Igreja Católica e a Igreja de Cristo não são uma única e idêntica realidade; entre uma e outra, de fato, existiriam outras Igrejas e outras Comunidades eclesiais que, embo- ra não estejam em plena comunhão com Roma, são afirmadas como fontes puras de graça, de verdade e de salvação por uma capacidade intrínseca delas, devida aos múltiplos elementos, acima recordados,20
  19. 19. Mons. Brunero Gherardinide santificação e de verdade. Isso foi confirmado posteriormente comuma citação de UR 3/d: “As Igrejas e Comunidades separadas, emboracreiamos que tenham defeitos, de forma alguma estão despojadas desentido e de significação no mistério da salvação. Pois o Espírito deCristo não recusa servir-se delas como de meios de salvação”. Tambémnas respostas seguintes, para comprovar que as cristandades orientaise ocidentais separadas de Roma merecem o título de Igrejas e de Igre-jas irmãs, a base demonstrativa é tirada, implicitamente, quando nãoexplicitamente, de LG e UR. E me calo sobre o fato de o documentoreconhecer o pluralismo das Igrejas, apesar de ter sido promulgadopara esclarecer a questão da unicidade salvífica da Igreja Católica. Re-sumindo, e aqui está o defeito de fundo, o problema foi resolvido como problema. Um absurdo. Deixo bem claro. O que eu disse e o que tenho intenção de dizernão derivam nem de uma preconcebida aversão, nem de desestimaquanto ao Vaticano II. Não serei eu a falar em “brigandage du Vati-can II” (latrocínio do Vaticano II), nem me perguntarei se ele possaou deva ser posto em discussão – ou até mesmo banido – por causade suas irregularidades ou de sua acrítica adaptação ao pensamentomoderno, como foi sustentado por alguém (AA.VV., Penser VaticanII –Quarante ans après, ed. Courrier de Rome, Roma 2004). Ninguémdever ser tão cego ao ponto de não ver, nem tão prevenido para negaro caráter extraordinário do último Concílio Ecumênico, as suas di-mensões nunca antes atingidas, a sua vontade de responder não a um,mas a todos os problemas mais cruciais que o mundo contemporâneopõe à Igreja. Até a sua espetacularidade deixou marcas. E tem mais. Um cristão, principalmente se padre e ainda mais seteólogo, não pode considerar um Concílio ecumênico segundo osmesmo parâmetros de todos os outros acontecimentos históricos. UmConcílio, na realidade, destaca-se das sobreposições e dos entrecru-zamentos dos acontecimentos sócio-políticos e transcende todos emrazão da sua origem remota e do seu alento sobrenatural: o EspíritoSanto o promove e o guia. Isso não exclui o fato de a ação do EspíritoSanto poder encontrar resistência, formal ou material, na liberdadedos homens que dão vida ao momento conciliar. Dessa possibilidadesurge o grande risco que se projeta no pano de fundo do Concílio – ede cada Concílio enquanto tal – isto é, a possibilidade mesma de seu 21
  20. 20. O Concílio Ecumênico Vaticano II insucesso; alguém foi além e questionou se um Concílio ecumênico pode cometer erros relativos à Fé e à Moral. Os pareceres são diver- gentes, mas se deveria univocamente concordar ao menos com a possí- vel prevalência da perversa liberdade humana sobre a ação do Espírito Santo. Minha opinião é que isso possa de fato acontecer, mas no exato momento em que acontece, o Concílio ecumênico deixa de ser tal. Todavia, ainda que o erro em matéria de Fé e Moral deva ser formalmente excluso completamente das possibilidades de um Con- cílio autêntico, ninguém por princípio pode excluir uma formulação menos feliz e mesmo não totalmente de acordo com aquelas da vene- rável Tradição eclesiástica. Isso se verifica quando se experimentam novos caminhos, em virtude da sedução da sereia das novidades e do progresso. Deve, então, considerar-se devidamente a natureza de cada um dos Concílios ecumênicos juntamente com suas finalidades imedia- tas. Se a todos os Concílios se deve respeito religioso e adesão genero- sa, não se segue que cada um tenha uma mesma eficácia vinculante. A de um Concílio rigorosamente dogmático nem é discutida: depende da sua infalibilidade e imutabilidade e vincula, portanto, toda a Igreja em cada componente seu. É da mesma forma evidente a ausência de tal eficácia em um Concílio não rigorosamente dogmático. Aqueles estritamente disciplinares, reformistas, ou ligados às circunstâncias da época – pode pensar-se nas Cruzadas – podem também referir-se a indiscutíveis dogmas de fé, mas não por isso elevam-se à dignidade de Concílios dogmáticos. Quando, então, um Concílio inclue-se a si mesmo, o seu conteúdo e a razão de seus documentos na categoria da pastoralidade, autoqualificando-se como pastoral, exclui dessa manei- ra toda intenção definitória. Ele, por isso, não pode pleitear a quali- ficação de dogmático, e ninguém pode lhe conferir esse título. Nem mesmo se, no seu interior, ressoe algum apelo aos dogmas do passado e desenvolva um discurso teológico. Teológico não é necessariamente sinônimo de dogmático. É essa a “ratio” que guiou, do início ao fim, o Vaticano II. Quem, ao mencioná-lo, equipara-o ao Concílio de Trento e até mesmo ao Vaticano I, dando-lhe uma força normativa e vinculante que ele por si próprio não possui, comete um ilícito e, em última análise, não respeita o Concílio. Se, além disso, a exaltação do Concílio tiver por objeto22
  21. 21. Mons. Brunero Gherardiniuma reinterpretação redutiva de verdades pertencentes ao patrimôniodogmático católico, e essas verdades passam por um crivo de exigên-cias extrínsecas à “analogia da Fé” (Rom 12, 6), sendo despojadas deseu evidente contraste com ela (analogia da fé) e abrandadas segundoexpectativas e simpatias estranhas a ela (à analogia da fé) – como é ocaso, p. ex., do “diálogo” – então a própria categoria da pastoralidadeé adulterada e a definição de “dogmático” se torna um absurdo. Alguém dirá que nunca ninguém definiu como dogmático o Va-ticano II, e de certa maneira, isso é verdade. É, porém, igualmenteverdade e incontestável que o Magistério, a teologia e os operadorespastorais fizeram do Vaticano II um absoluto. Um erro de fundo, emcima do qual se construiu o edifício pós-conciliar e contra o qual épreciso finalmente reagir. Não é o caso de esquecer o último Concílioe muito menos de liquidá-lo daquela forma um pouco irônica, apesarde não infundada, que relatou há um tempo G. SCALESE, Senza pelisulla lingua, em “Querculanus” e “Archivio blog” 2009 (36); trata-seapenas de respeitar a natureza, o que foi dito, as finalidades e a pasto-ralidade que ele próprio reivindica. Ao dizer que sonho e desejo isso, sei que não posso presumir demim mesmo. Uma obra de revisão e de reavaliação como aquela quehá anos está me solicitando poderia ser realizada somente por um boaquantidade de especialistas. Conheço os meus limites e tenho plenaconsciência de que, mesmo se me dedicasse exclusivamente ao âmbitoeclesiológico no qual creio poder mover-me um pouco mais à vonta-de, ainda assim daria um passo maior que a minha perna. Portanto,se já é difícil o agir em terreno no qual se tem o domínio, torna-seimpossível, para um autor apenas, aventurar-se em terrenos alheios.Os dezesseis documentos do Vaticano II requerem não dezesseis, masdezenas e dezenas de autores altamente especializados, para confron-tar com a devida competência as temáticas abordadas por cada do-cumento. Essa observação é suficiente para entender não só o quantoveleidosa e superficial foi até agora a atenção dada ao Vaticano II, mastambém o quanto é de necessária urgência uma consideração diferentedo evento, o quanto imprescindível e inevitável é a elaboração de umaséria análise crítica dos seus documentos e o quanto disso tirariam van-tagem a ciência sagrada, sua tradição pastoral e a própria Igreja. 23
  22. 22. O Concílio Ecumênico Vaticano II Visto que somente um mentecapto poderia propor-se a enfrentar todo esse trabalho sozinho, está absolutamente fora de todas as mi- nhas intenções enfocar cada um dos documentos conciliares e toda a sua temática. Muito mais modestamente, o texto que segue se limitará a discutir alguns dos problemas mais espinhosos abertos pelo Vatica- no II e pela vulgata que dele foi imposta pelo pós-concílio. Apesar de, nesse momento, tratar sozinho dos problemas acima mencionados, está igualmente fora das minhas intenções a pretensão de um julga- mento irrefutável e de soluções categóricas. Sei, aliás, que até mesmo um seleto grupo de trabalho deveria abster-se disso. A única palavra que pode realmente colocar tudo em suas devidas dimensões e tra- zer o Vaticano II ao quadro de uma autêntica hermenêutica teológica é aquela do Papa, especialmente se ela é expressa em um dos seus documentos mais solenes. Humildemente, mas intensamente, peço e imploro um tal documento, principalmente porque o Papa, nos pri- mórdios do pontificado (22 de dezembro de 2005), manifestou uma viva sensibilidade ao problema do Vaticano II e fixou o critério da sua correta interpretação na hermenêutica da continuidade. O fato de o discurso que elucidava tal critério ter sido reapresentado depois por meio do “Osservatore Romano” (25 de janeiro de 2009, p.5) é um claro sintoma de que o problema existe e de que o primeiro a considerá-lo foi o Sumo Pontífice. Para completar essa sucinta descrição introdutória julgo oportu- no pelo menos mencionar algumas tentativas realizadas no que toca àquela revisão e discussão crítica que me ajudaram a quebrar o si- lêncio e principalmente a romper com a incensação de “três ductos duplos”. Alguém, antes de mim, caminhou no mesmo sentido, mas talvez – digo com todo o devido respeito – não com o pé direito . Um pouco acima recordei o volume composto por vários autores Penser Vatican II quarante ans après. Não é o único. Há de fato diversos ou- tros, todos acordados em um mesmo diapasão, como: Église et Contre- Église au Concile Vatican II, Ed. Courrier de Rome, Roma 1996; La tentation de l’Oecuménisme, Ed. Courrier de Rome, Roma 1998 ; Les crises dans l’Église. Les causes, effets e remèdes, Ed. Courrier de Rome, Roma 2007. Trabalhos, como disse, de vários autores. Alguns auto- res que publicaram nesses livros as suas contribuições revelam uma forte personalidade teológica, uma formação digna de todo respeito,24
  23. 23. Mons. Brunero Gherardinialém de capacidades críticas incomuns. Pesa, todavia, sobre o conjun-to dessas publicações um problema sério: o espírito polêmico que asinspira e que, justamente por isso, ao menos em parte, as desqualifica.Dito em outros termos, a crítica não deve ser nunca preconcebida,nunca pré-determinada, e as conclusões devem nascer não no início,mas ao fim da pesquisa e da reflexão. Se as publicações mencionadasnão apresentassem esses defeitos de método e de conteúdo, uma parteconsiderável do trabalho que o autor deseja poder-se-ia considerarconcluída. Talvez não me fosse perdoado o silêncio quanto a M. L. LAMB-M.LEVERING, Vatican II. Renewal within Tradition, University Press,Oxford 2008, p. 462, só porque o volume ainda não chegou às minhasmãos. Com efeito, sua ampla apresentação no “L’Osservatore Roma-no” (10 de janeiro de 2009, p.4) oferece os elementos de base para umjulgamento nada superficial. Vinte e dois estudiosos norte-america-nos, orientados por um decano e um professor da faculdade de teo-logia da “Ave Maria University” - Florida, examinam os documentosconciliares para afirmar a “renovação no sulco da Tradição”. Uma res-posta prévia à minha iniciativa? De forma alguma. Aliás, exatamenteo contrário dela. Partindo, de fato, do discurso à Cúria romana de 22de dezembro de 2005, mediante o qual Bento XVI abordou o Vatica-no II não segundo uma hermenêutica de ruptura, mas segundo uma“hermenêutica da reforma, da renovação na continuidade do únicosujeito-Igreja que o Senhor nos concedeu”, a obra se baseia no seguin-te princípio: as verdades da Tradição, na qualidade de verdade desseúnico sujeito-Igreja, não mudam, nem se obscurecem até perder a suarelevância em contato com a cultura moderna; devem, porém, ser di-ferentemente expressas para enfrentar os desafios dessa mesma cul-tura. Isso não significa romper com a Tradição, mas abrir a Tradiçãomesma à novidade e inscrever esta na plurissecular trajetória da Tra-dição como um desenvolvimento da verdade, não como uma negação.Segundo essa obra, então, todos os documentos do Vaticano II, aindaque não todos univocamente, contribuem com o dito desenvolvimen-to e coloca a Igreja em harmonia com a cultura dos novos tempos.Seria isso realmente verdade? Tenho as minhas dúvidas, e por sinalelas não são infundadas. O Papa havia solicitado, como possível oucomo necessária a reformulação magisterial de “coisas contingentes”: 25
  24. 24. O Concílio Ecumênico Vaticano II nem a DH, nem a GS, nem outros documentos conciliares reformu- lam sobre “coisas contingentes”. Os documentos mesmos não podem ser tidos por contingentes. Se, então, o olhar se fixar sobre “a liberdade religiosa” ou sobre “a colegialidade” como dúplice e igualitário domínio da mesma ple- na e universal jurisdição eclesiástica, ou sobre a Revelação que obri- ga de forma limitada somente às verdades salutares, percebe-se que a inovação, já durante o Concílio, andou bem além da fronteira do contingente. Se essa inovação se identifica com a cultura moderna e contemporânea – aquela que se iniciou com o Iluminismo e encon- tra hoje expressão no “pensamento fraco”, no existencialismo ateu, no “laicismo”, no materialismo, ou no indiferentismo e no relativismo – tudo se torna absurdo e do ponto de vista da Fé não desprovido de responsabilidade moral o simples fato de pensar que tudo isso seja um desenvolvimento natural da antiga Tradição. É, então, muito estranho que esses novos confessores da Tradição nunca se preocupem, depois de ter confirmado a continuidade, em mostrar as relações entre o mo- derno e o antigo e em prová-las criticamente. Apesar de tudo isso, ou melhor, diante de tudo isso, o meu projeto não perde sua urgência. Para a comodidade do leitor advirto que as citações bíblicas apre- sentadas no decorrer do livro estão reduzidas ao essencial e indicadas segundo as abreviações costumeiras. Refiro-me a cada um dos docu- mentos do Vaticano II com as maiúsculas correspondentes às duas primeiras letras do seu título, como elencado abaixo, segundo a or- dem cronológica das respectivas discussões e aprovações conciliares: SC= “Sacrosanctum Concilium”, Constituição sobre a Sagrada Liturgia; IM= “Inter Mirifica”, Decreto sobre os meios de comunicação social; LG = “Lumen Gentium”, Constituição dogmática sobre a Igreja; OE = “Orientalium Ecclesiarium”, Decreto sobre as Igrejas católi- cas orientais; UR= “Unitatis Redintegratio”, Decreto sobre o ecumenismo; CD= “Christus Dominus”, Decreto sobre o múnus pastoral dos Bispos na Igreja; PC= “Perfectæ Caritatis”, Decreto sobre a renovação da vida religiosa;26
  25. 25. Mons. Brunero Gherardini OT= “Optatam Totius”, Decreto sobre a formação sacerdotal; GE= “Gravissimum Educationis”, Decreto sobre a educação cristã; NAe= “Nostra Aetate”, Decreto sobre a relação da Igreja com asreligiões não cristãs; DV= “Dei Verbum”, Constituição dogmática sobre a divina Reve-lação; AA= “Apostolicam Actualitatem”, Decreto sobre o apostolado dosleigos; DH= “Dignitatis Humanæ”, Decreto sobre a liberdade religiosa; AdG= “Ad Gentes”, Decreto sobre a atividade missionária da Igreja; PO= “Presbyterorum Ordinis”, Decreto sobre o ministério e a vidados presbíteros; GS= “Gaudium et Spes”, Constituição pastoral sobre a Igreja nomundo contemporâneo; Ademais: NT/NA= Novo e Antigo Testamento ASS/AAS= Acta Sanctæ Sedis/Acta Apostolicæ Sedis SOeCV II-CDD= Sacrosanctum Oecumenicum Concilium Vati-canum II, Constitutiones-Decreta-Declarationes DS= Enchiridion Symbolorum, ed. 35a, a.c. de H. Denzinger e A.Schönmetzer EC= Enciclopédia Católica DThC= Dictionnaire de Théologie Catholique WCC= Conselho Mundial de Igrejas RGG3= Die Religion in Geschichte und Gegenwart, terceiraedição CEI= Conferência Episcopal Italiana f.r.= felizmente reinante de v.m.= de venerada memória p. ex.= por exemplo 27

×