Empresa de Resultado, Manutenção Integrada

582 visualizações

Publicada em

Leia o artigo sobre Empresa de Resultado, Manutenção Integrada; por Júlio Nascif.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
582
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Empresa de Resultado, Manutenção Integrada

  1. 1. ARTIGO
  2. 2. EMPRESA DE RESULTADOS, MANUTENÇÃO INTEGRADA Empresa de Resultados, Manutenção Integrada Júlio Nascif Xavier - Diretor da TECÉM Para que um time de futebol seja de fato uma boa equipe deve existir harmonia entre as suas linhas, isto é, a defesa, o meio de campo e o ataque devem jogar em conjunto. Afinal todos formam uma equipe com objetivos comuns. A estratégia de jogo do time é do conhecimento de todos e o objetivo comum é ganhar. Analogamente a um time de futebol também nas empresas deve haver harmonia entre suas linhas que são representadas pelos seus departamentos ou unidades de negócios. Analisando as atividades que mais se relacionam com a manutenção, podemos afirmar que essas áreas são a engenharia e suprimentos. Todos concordam que quanto mais essas áreas interagirem entre si, melhor serão os resultados para cada uma delas e , mais importante, para a empresa. No entanto, é muito comum existir uma falta de entrosamento ou de interação entre essas atividades em um grande número de empresas. Não nos deteremos na análise do porque isso acontece mas no que devemos fazer para melhorar essa situação. Para exemplificar suponhamos que uma indústria esteja se preparando para uma ampliação em sua planta, que será a instalação de um determinado sistema. As fases que ocorrem na instalação de um sistema são: Especificação; Projeto básico; Concorrência; Análise de Propostas; Projeto da Instalação (detalhamento ); Fabricação, Testes e Ensaios; Transporte; Armazenamento; Montagem, Instalação e Testes; Operação. Em uma empresa onde não haja interação entre as suas áreas, possivelmente cada uma dessas fases ocorrerá de um modo estanque dentro do departamento responsável. Não haverá troca de idéias nem se agregará experiências que contribuiriam para um melhor resultado final. A Manutenção TEM QUE participar de algumas dessas fases, como mostrado abaixo:Rua João Dornas, 60 - Centro Cep 35680-335 - Itaúna - MG - www.engecompany.com.br
  3. 3. EMPRESA DE RESULTADOS, MANUTENÇÃO INTEGRADA Vejamos o porque dessa participação em algumas fases: A Manutenção tem experiência e vivência com os equipamentos; conhece os equipamentos e características dos fabricantes; é capaz de fornecer detalhes importante; está mais do que ninguém preocupada com os aspectos de manutenibilidade; é capaz de solicitar ou definir testes e ensaios importantes para a aceitação dos equipamentos; sabe melhor que outras áreas os sobressalentes que serão realmente necessários. O pessoal da manutenção é capaz de fornecer detalhes importantíssimos sobre facilidades de acesso, aspectos de manutenibilidade e outros detalhes que profissionais de outras áreas ou empresas externas não seriam capazes de prever. Quando o projeto não contempla esses aspectos, isso recai diretamente sobre os serviços da manutenção e em última análise sobre a disponibilidade dos equipamentos. A participação do pessoal de manutenção nessas duas fases permite que eles se familiarizem com os equipamentos e sistemas que estão por chegar, nos quais eles farão manutenção amanhã. Desse modo, quando acontecerem as fases de comissionamento e entrada em operação, a manutenção estará pronta e capacitada para atuar adequadamente. O gráfico a seguir dá uma noção do que ocorre com os custos à medida que se avança nas etapas da instalação de um sistema. DECISÕES TOMADAS NOS PRIMEIROS ESTÁGIOS COMO ESPECIFICAÇÃO E PROJETO TÊM UM EFEITO SIGNIFICATIVO NOS CUSTOS. QUANTO MAIS TARDE MAIOR O DISPÊNDIO. Na economia globalizada, com empresas que têm alta competitividade; as mudanças ocorrendo em um rítimo veloz, não há mais lugar para arranjos, jeitinhos, gambiarras ou improvisos. É necessário ter competência, criatividade, flexibilidade e muito trabalho em equipe. A Manutenção tem que estar integrada ao processo produtivo, contribuindo decisivamente para que a empresa caminhe rumo à excelência. Júlio Nascif é Co-autor do livro "Manutenção Função Estratégica" e “Manutenção Orientada para Resultados”. Coordenador e professor de cursos de Pós-Graduação de Engenharia de Manutenção na IEC- PUC-MG, e professor nos cursos de pós graduação em engenharia de Manutenção na PUC-RS, INPG- Joinville-SC, IBMEC-BH, Unileste-MG e instrutor de diversos cursos nas áreas de Manutenção. Artigo cedido pelo autor: Site: http://www.tecem.com.br/downloads_arquivos.asp?tipo=1&pasta=artigos Mais informações acesse: www.engeman.com.brRua João Dornas, 60 - Centro Cep 35680-335 - Itaúna - MG - www.engecompany.com.br

×