SlideShare uma empresa Scribd logo

Personalidade: Trilhando os Caminhos entre o Normal e o Patológico - Análise do Comportamento/ Behaviorismo Radical

O documento discute a abordagem comportamental da personalidade, definindo-a como um conjunto de padrões de pensamento, emoção e comportamento que caracterizam o estilo de uma pessoa. Apresenta diferentes perfis de personalidade analisados segundo esta abordagem e fatores que podem contribuir para seu desenvolvimento, como genética, aprendizagem e ambiente.

1 de 52
Baixar para ler offline
Esequias Caetano
Especialista em Psicologia Clínica
Fone: (34) 8406-8181/ 3061-7043
Mail: ecaetano@institutocrescer.com
Dizer que alguém “tem” personalidade é geralmente
considerado um elogio.
Latim persona, que significa “máscara utilizada pelos
atores gregos que tinha função de caracterizar um
personagem e amplificar a voz”. No dicionário, é
definida como o “conjunto dos elementos psíquicos e
comportamentais que constituem a singularidade de
um sujeito”.
“A personalidade pode ser definida como os padrões
distintivos e
característicos de pensamento, emoção e
comportamento que
definem o estilo pessoal de interação de uma pessoa
com o
ambiente físico e social” (Atkinson, Atkinson, Smith, Bem
& Nolen-
“Em concordância com
muitas abordagens da
Psicologia, a Análise do
Comportamento reconhece
que os comportamentos de
todos os indivíduos
apresentam algumas
características – ou, como
preferimos, padrões
bastante regulares. (...)
frequentemente usamos
adjetivos para descrever
pessoas ao nosso redor”
(Banaco & cols., 2012).
Interpretação
Tradicional
Interpretação
Comportamental
Ele não fala em público
porque é ansioso.
Ele não fala em público e
é ansioso.
Ele não sai do quarto
porque está depressivo
Ele não sai do quarto e
está depressivo
Ele está delirando
porque é esquizofrênico
Ele é esquizofrênico e
está delirando

Recomendados

Transtornos da personalidade
Transtornos da personalidadeTranstornos da personalidade
Transtornos da personalidadeLu1zFern4nando
 
Transtornos da personalidade (2)
Transtornos da personalidade (2)Transtornos da personalidade (2)
Transtornos da personalidade (2)Miriam Gorender
 
Transtornos de personalidade
Transtornos de personalidadeTranstornos de personalidade
Transtornos de personalidadegfolive
 
Transtornos de personalidade - neuropsicologia
Transtornos de personalidade - neuropsicologia Transtornos de personalidade - neuropsicologia
Transtornos de personalidade - neuropsicologia amamikoi
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoaisLílian Cilza
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trantorno de personalidade grupo b
Trantorno de personalidade   grupo bTrantorno de personalidade   grupo b
Trantorno de personalidade grupo bArlete Souza
 
Atração Interpessoal
Atração InterpessoalAtração Interpessoal
Atração Interpessoalalicecanuto
 
Relações Interpessoais De Atracção
Relações Interpessoais De AtracçãoRelações Interpessoais De Atracção
Relações Interpessoais De AtracçãoJoão Marrocano
 
Personalidade limitrofe
Personalidade limitrofePersonalidade limitrofe
Personalidade limitrofeTânia collyer
 
Perturbações psicológicas na adolescência
Perturbações psicológicas na adolescênciaPerturbações psicológicas na adolescência
Perturbações psicológicas na adolescênciaSapphire Spell
 
Manejo do adolescente com transtorno de conduta
Manejo do adolescente com transtorno de condutaManejo do adolescente com transtorno de conduta
Manejo do adolescente com transtorno de condutaCláudio Costa
 
Aula desobediência patológica
Aula desobediência patológicaAula desobediência patológica
Aula desobediência patológicaCláudio Costa
 
Relações Interpessoais
Relações InterpessoaisRelações Interpessoais
Relações InterpessoaisJorge Barbosa
 
Catarina cruz -_power_point_brutal
Catarina cruz -_power_point_brutalCatarina cruz -_power_point_brutal
Catarina cruz -_power_point_brutalguest4f2f68
 
Bullying para se usar em reuniões na escola
Bullying para se usar em reuniões na escola Bullying para se usar em reuniões na escola
Bullying para se usar em reuniões na escola Joseph Romacoj
 
Os indivíduos e os grupos
Os indivíduos e os gruposOs indivíduos e os grupos
Os indivíduos e os gruposAna Isabel
 
Transtorno de Conduta
Transtorno de CondutaTranstorno de Conduta
Transtorno de CondutaCassia Dias
 
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeAroldo Gavioli
 
Estudo Aprofundado sobre o Bullying
Estudo Aprofundado sobre o BullyingEstudo Aprofundado sobre o Bullying
Estudo Aprofundado sobre o BullyingHerbert Santana
 

Mais procurados (20)

Trantorno de personalidade grupo b
Trantorno de personalidade   grupo bTrantorno de personalidade   grupo b
Trantorno de personalidade grupo b
 
Atração Interpessoal
Atração InterpessoalAtração Interpessoal
Atração Interpessoal
 
Relações Interpessoais De Atracção
Relações Interpessoais De AtracçãoRelações Interpessoais De Atracção
Relações Interpessoais De Atracção
 
A atracção interpessoal
A atracção interpessoalA atracção interpessoal
A atracção interpessoal
 
Personalidade limitrofe
Personalidade limitrofePersonalidade limitrofe
Personalidade limitrofe
 
Perturbações psicológicas na adolescência
Perturbações psicológicas na adolescênciaPerturbações psicológicas na adolescência
Perturbações psicológicas na adolescência
 
Manejo do adolescente com transtorno de conduta
Manejo do adolescente com transtorno de condutaManejo do adolescente com transtorno de conduta
Manejo do adolescente com transtorno de conduta
 
Aula desobediência patológica
Aula desobediência patológicaAula desobediência patológica
Aula desobediência patológica
 
A atracção interpessoal
A atracção interpessoalA atracção interpessoal
A atracção interpessoal
 
Relações Interpessoais
Relações InterpessoaisRelações Interpessoais
Relações Interpessoais
 
Catarina cruz -_power_point_brutal
Catarina cruz -_power_point_brutalCatarina cruz -_power_point_brutal
Catarina cruz -_power_point_brutal
 
Bullying para se usar em reuniões na escola
Bullying para se usar em reuniões na escola Bullying para se usar em reuniões na escola
Bullying para se usar em reuniões na escola
 
Os indivíduos e os grupos
Os indivíduos e os gruposOs indivíduos e os grupos
Os indivíduos e os grupos
 
Transtorno de Conduta
Transtorno de CondutaTranstorno de Conduta
Transtorno de Conduta
 
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
 
Projeto bullying
Projeto bullyingProjeto bullying
Projeto bullying
 
Bullying marcelo
Bullying marceloBullying marcelo
Bullying marcelo
 
Estudo Aprofundado sobre o Bullying
Estudo Aprofundado sobre o BullyingEstudo Aprofundado sobre o Bullying
Estudo Aprofundado sobre o Bullying
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Intimidade & amor
Intimidade & amorIntimidade & amor
Intimidade & amor
 

Semelhante a Personalidade: Trilhando os Caminhos entre o Normal e o Patológico - Análise do Comportamento/ Behaviorismo Radical

Personalidade na organização
Personalidade na organizaçãoPersonalidade na organização
Personalidade na organizaçãoLiliane Ennes
 
Transtorno de personalidade
Transtorno de personalidadeTranstorno de personalidade
Transtorno de personalidadeLuisa Sena
 
Género e Diversidade nas Escolas
Género e Diversidade nas EscolasGénero e Diversidade nas Escolas
Género e Diversidade nas EscolasMichele Pó
 
5-Pert.-personalidade.pptx
5-Pert.-personalidade.pptx5-Pert.-personalidade.pptx
5-Pert.-personalidade.pptxlioMiltonPires1
 
Terapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da Personalidade
Terapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da PersonalidadeTerapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da Personalidade
Terapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da PersonalidadeEduardo Moreira
 
Transtorno de Personalidade.pptx
Transtorno de Personalidade.pptxTranstorno de Personalidade.pptx
Transtorno de Personalidade.pptxAlerKing
 
Transtorno de personalidade histriônica
Transtorno de personalidade histriônicaTranstorno de personalidade histriônica
Transtorno de personalidade histriônicaMaria Clara Teixeira
 
competencias_socioemocionais_teoria_big_five.ppsx
competencias_socioemocionais_teoria_big_five.ppsxcompetencias_socioemocionais_teoria_big_five.ppsx
competencias_socioemocionais_teoria_big_five.ppsxPatriciaRegina25
 
Gestao de conflitos.ppt
Gestao de conflitos.pptGestao de conflitos.ppt
Gestao de conflitos.pptFtfmatta
 
O coordenador Pedagógico e os problemas Comportamentais
O coordenador Pedagógico e os problemas ComportamentaisO coordenador Pedagógico e os problemas Comportamentais
O coordenador Pedagógico e os problemas ComportamentaisRenataFariasDias
 
sadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdf
sadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdfsadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdf
sadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdfKarlaejobson
 
Violência em meio escolar
Violência em meio escolarViolência em meio escolar
Violência em meio escolarprojectopes
 
Violnciaemmeioescolar 150918234327-lva1-app6892 (2)
Violnciaemmeioescolar 150918234327-lva1-app6892 (2)Violnciaemmeioescolar 150918234327-lva1-app6892 (2)
Violnciaemmeioescolar 150918234327-lva1-app6892 (2)Almerinda Nunes
 
2020 07 -_arley_perfis_comportamentais
2020 07 -_arley_perfis_comportamentais2020 07 -_arley_perfis_comportamentais
2020 07 -_arley_perfis_comportamentaisThayane Victoriano
 
Coordenador Pedagogico_funçoes etc.pptx
Coordenador Pedagogico_funçoes etc.pptxCoordenador Pedagogico_funçoes etc.pptx
Coordenador Pedagogico_funçoes etc.pptxThaisJussara
 
12. ESTILOS EDUCATIVOS PARENTAIS.pptx
12. ESTILOS EDUCATIVOS PARENTAIS.pptx12. ESTILOS EDUCATIVOS PARENTAIS.pptx
12. ESTILOS EDUCATIVOS PARENTAIS.pptxIsaahLima3
 

Semelhante a Personalidade: Trilhando os Caminhos entre o Normal e o Patológico - Análise do Comportamento/ Behaviorismo Radical (20)

Personalidade na organização
Personalidade na organizaçãoPersonalidade na organização
Personalidade na organização
 
Transtorno de personalidade
Transtorno de personalidadeTranstorno de personalidade
Transtorno de personalidade
 
Género e Diversidade nas Escolas
Género e Diversidade nas EscolasGénero e Diversidade nas Escolas
Género e Diversidade nas Escolas
 
5-Pert.-personalidade.pptx
5-Pert.-personalidade.pptx5-Pert.-personalidade.pptx
5-Pert.-personalidade.pptx
 
Terapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da Personalidade
Terapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da PersonalidadeTerapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da Personalidade
Terapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da Personalidade
 
Transtorno de Personalidade.pptx
Transtorno de Personalidade.pptxTranstorno de Personalidade.pptx
Transtorno de Personalidade.pptx
 
Transtorno de personalidade histriônica
Transtorno de personalidade histriônicaTranstorno de personalidade histriônica
Transtorno de personalidade histriônica
 
competencias_socioemocionais_teoria_big_five.ppsx
competencias_socioemocionais_teoria_big_five.ppsxcompetencias_socioemocionais_teoria_big_five.ppsx
competencias_socioemocionais_teoria_big_five.ppsx
 
Gestao de conflitos.ppt
Gestao de conflitos.pptGestao de conflitos.ppt
Gestao de conflitos.ppt
 
O coordenador Pedagógico e os problemas Comportamentais
O coordenador Pedagógico e os problemas ComportamentaisO coordenador Pedagógico e os problemas Comportamentais
O coordenador Pedagógico e os problemas Comportamentais
 
sadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdf
sadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdfsadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdf
sadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdf
 
Violência em meio escolar
Violência em meio escolarViolência em meio escolar
Violência em meio escolar
 
Violnciaemmeioescolar 150918234327-lva1-app6892 (2)
Violnciaemmeioescolar 150918234327-lva1-app6892 (2)Violnciaemmeioescolar 150918234327-lva1-app6892 (2)
Violnciaemmeioescolar 150918234327-lva1-app6892 (2)
 
Marina
MarinaMarina
Marina
 
TP_Borderline_TE.pptx
TP_Borderline_TE.pptxTP_Borderline_TE.pptx
TP_Borderline_TE.pptx
 
2020 07 -_arley_perfis_comportamentais
2020 07 -_arley_perfis_comportamentais2020 07 -_arley_perfis_comportamentais
2020 07 -_arley_perfis_comportamentais
 
Coordenador Pedagogico_funçoes etc.pptx
Coordenador Pedagogico_funçoes etc.pptxCoordenador Pedagogico_funçoes etc.pptx
Coordenador Pedagogico_funçoes etc.pptx
 
PPT Mód. II - Atendimento
PPT Mód. II - AtendimentoPPT Mód. II - Atendimento
PPT Mód. II - Atendimento
 
12. ESTILOS EDUCATIVOS PARENTAIS.pptx
12. ESTILOS EDUCATIVOS PARENTAIS.pptx12. ESTILOS EDUCATIVOS PARENTAIS.pptx
12. ESTILOS EDUCATIVOS PARENTAIS.pptx
 
Bullying.pptx
Bullying.pptxBullying.pptx
Bullying.pptx
 

Personalidade: Trilhando os Caminhos entre o Normal e o Patológico - Análise do Comportamento/ Behaviorismo Radical

  • 1. Esequias Caetano Especialista em Psicologia Clínica Fone: (34) 8406-8181/ 3061-7043 Mail: ecaetano@institutocrescer.com
  • 2. Dizer que alguém “tem” personalidade é geralmente considerado um elogio.
  • 3. Latim persona, que significa “máscara utilizada pelos atores gregos que tinha função de caracterizar um personagem e amplificar a voz”. No dicionário, é definida como o “conjunto dos elementos psíquicos e comportamentais que constituem a singularidade de um sujeito”.
  • 4. “A personalidade pode ser definida como os padrões distintivos e característicos de pensamento, emoção e comportamento que definem o estilo pessoal de interação de uma pessoa com o ambiente físico e social” (Atkinson, Atkinson, Smith, Bem & Nolen-
  • 5. “Em concordância com muitas abordagens da Psicologia, a Análise do Comportamento reconhece que os comportamentos de todos os indivíduos apresentam algumas características – ou, como preferimos, padrões bastante regulares. (...) frequentemente usamos adjetivos para descrever pessoas ao nosso redor” (Banaco & cols., 2012).
  • 6. Interpretação Tradicional Interpretação Comportamental Ele não fala em público porque é ansioso. Ele não fala em público e é ansioso. Ele não sai do quarto porque está depressivo Ele não sai do quarto e está depressivo Ele está delirando porque é esquizofrênico Ele é esquizofrênico e está delirando
  • 7.  Uma proposta Analítico Comportamental de explicação do Comportamento baseia-se em três pilares: Ontogênes e CulturaGenética
  • 8. A Abordagem Comportamental adota um modelo explicativo Funcionalista/ Relacional Ambiente Organismo
  • 9.  De que forma o longo tempo sem encontrar a namorada contribuiu para que João sentisse saudade?  De que forma a proximidade do vestibular contribuiu para que José, que já reprovou três vezes na prova, se sentisse ansioso?  Maria, ao ficar com Júlio, recebeu muita atenção e carinho, coisas das quais ela estava privada há um tempo. Isso aumenta ou reduz as chances dela sentir vontade de voltar a ficar com ele?
  • 10.  Quando você vai à casa de uma pessoa e encontra um monte de “coisas legais”, aumentam ou reduzem as chances de você voltar lá (ou sentir vontade de voltar lá)?  Quando você tem aula com um professor “reclamão”, que além de não explicar direito, te critica quando você faz perguntas, aumentam ou reduzem as chances de você gostar da aula dele?
  • 13. T: Uhum... Imagino como deve ter sido ruim. O que te veio à cabeça logo que descobriu a traição? C: Nossa!! Eu fiquei com vontade de sumir no mundo. Parece que tudo o que vivemos de bom não valeu nada! T: Entendo. Você pensou: “tudo o que vivemos de bom não valeu nada”. Foi isso? C: Sim... Isso mesmo T: E sentiu vontade de desaparecer C: Sim! Não queria ver ninguém.
  • 17. Sucção Lacrimejar Espirrar Suor Sobressalto ExcitaçãoPalpitação Ansiedade Tremor Dilatação Pupilar Excreção
  • 23. Modelo / Reforço Imitação Punição Esquiva
  • 24. Costumes e Hábitos Crenças e Valores Autoconhecimento
  • 27. Um Perfil de Personalidade corresponde um “sistema de respostas funcionalmente unificado” (Skinner, 1953/ 2003), relativamente frequente, no repertório do indivíduo.
  • 28. Paranóide Esquizóide Antissocial Borderline Histriônica Narcisista Dependente Esquiva Obsessivo Compulsiva Passivo-Agressiva
  • 29. Tendência a interpretar as intenções dos outros como humilhantes ou ameaçadoras.
  • 30.  As pesquisas, até o momento, indicam que as seguintes contingências contribuem para o desenvolvimento do perfil:  Propensão genética;  Abuso Verbal;  Conflito com pais;  Negligência Emocional;  Negligência de Supervisão
  • 31.  Ausência de relacionamentos interpessoais significativos ou indiferenças em relação a eles.  Retraídos ou Solitários;  Restrição na manifestação de afeto;  Fala lenta, monotônica e pouco expressiva;  Raras alterações de humor.
  • 32.  As pesquisas, até o momento, indicam que as seguintes contingências contribuem para o desenvolvimento do perfil:  Propensão Genética: baixa sensibilidade;  Ambiente pouco denso em afeto;  Ambiente pouco denso em reforço social  Exposição a contingências aversivas;  Comunidade verbal empobrecida;
  • 33.  Padrão comportamento pouco sensível ao outro, frequentemente irresponsável e ameaçador, com pouco respeito às regras sociais.  Histórico de Transtorno de Conduta na adolescência;  Envolvimento frequente em brigas, vandalismo e atos ilícitos;  Habilidades de persuasão e sedução bem desenvolvidas.
  • 34.  As pesquisas, até o momento, indicam que as seguintes contingências contribuem para o desenvolvimento do perfil:  Propensão Genética: pouco empático;  Ambiente sem regras ou com regras inconsistentes;  Punição ou supervisão inconsistente;  Abuso físico, verbal ou sexual;
  • 35.  A personalidade histriônica é caracterizada por excessiva emotividade e busca de atenção.  Preocupação excessiva com atratividade física;  Geralmente são sedutores;  Hipérboles;  Comportamento reativo e intenso;  Frequentes e irracionais explosões de raiva;  Facilmente excitáveis e exigentes.
  • 36.  As pesquisas, até o momento, indicam que as seguintes contingências contribuem para o desenvolvimento do perfil:  Modelos de comportamento histriônico;  Reforço de relatos de superioridade e competitividade;  Baixa densidade de reforço social livre;  Reforço de comportamento “ de exagero”;  Baixa densidade de afeto;  Poucas regras sobre “respeito ao
  • 37.  Caracterizada por frequentes falas auto engrandecedoras e busca ativa de status;  Competitividade;  Pouco respeito às regras sociais e morais;  Intolerância à frustração;  Preocupação com como o outro o vê;  Pouco sensíveis ao outro;  Dificuldade para estabelecer relacionamentos íntimos;
  • 38.  As pesquisas, até o momento, indicam que as seguintes contingências contribuem para o desenvolvimento do perfil:  Pais desatentos, mas “materialmente generosos”;  Reforço social da competitividade;  Valorização social da beleza em detrimento dos outros;  Baixa densidade de reforço livre;  Disciplina inconsistente.
  • 39.  Caracterizada por uma necessidade global e excessiva de ser cuidado (a), comportamento submisso, apego excessivo e ansiedade de separação.  Dificuldades para tomar decisões simples;  Inassertividade;  Dificuldades para iniciar projetos por conta própria;  Busca de relacionamentos como “ponto de apoio”
  • 40.  As pesquisas, até o momento, indicam que as seguintes contingências contribuem para o desenvolvimento do perfil:  Reforço de comportamento passivo;  Baixa densidade de reforço social e reforço livre;  Punição do comportamento assertivo;  Pais “superprotetores”;  Modelos de dependência
  • 41.  Caracterizada por relutância no contato com o outro, ansiedade social elevada e visão de si como inadequado.  Evita situações nas quais existe risco de crítica;  Mostra-se reservado a relacionamentos interpessoais;  Hipersensível à avaliação negativa e à rejeição;  Padrão de comportamento inassertivo;
  • 42.  As pesquisas, até o momento, indicam que as seguintes contingências contribuem para o desenvolvimento do perfil:  Pais ausentes, muito exigentes ou pouco afetivos;  Pais abusivos física ou emocionalmente;  Baixa densidade de reforço social e reforço livre;  Poucas oportunidades de exposição a situações sociais;  Modelos de evitação social;
  • 43.  Suas características incluem atenção aos detalhes, autodisciplina, controle emocional, perseverança e polidez.  Rigidez;  Perfeccionismo;  Ruminação;  Moralismo;  Inflexibilidade;
  • 44.  As pesquisas, até o momento, indicam que as seguintes contingências contribuem para o desenvolvimento do perfil:  Modelos de comportamento obsessivo;  Ambiente exigente e punitivo;  Ambiente com baixa densidade de reforço livre;  Poucas oportunidades de desenvolvimento de H. S.
  • 45.  É caracterizada por um padrão de resistência a demandas sociais e ocupacionais  Resistência a cumprir rotinas e regras;  Queixas de injustiça e incompreensão do outro;  Propensão a discussões;  Resistência a autoridades;  Inveja e ressentimento a pessoas afortunadas;
  • 46.  As pesquisas, até o momento, indicam que as seguintes contingências contribuem para o desenvolvimento do perfil:  Ambiente pobre em reforçamento social;  Rotina inconsistente e mudanças frequentes;  Exposição crônica a estimulação aversiva moderada;  Reforço por burlar regras;  Pais ausentes ou pouco afetuosos.
  • 47.  Caracteriza-se por notável instabilidade em vários aspectos da vida, incluindo autoimagem, afeto e comportamento.  Esforços frenéticos para evitar um abandono, real ou não;  Relações Interpessoais instáveis e intensas;  Impulsividade;  Recorrência de comportamento autoagressivo;  Sentimentos crônicos de vazio;  Raiva inadequada ou dificuldade de controlá-la;  Ideação paranóide.
  • 48.  As pesquisas, até o momento, indicam que as seguintes contingências contribuem para o desenvolvimento do perfil:  Abuso sexual, físico ou emocional na infância;  Pais com problemas psiquiátricos graves;  Pais negligentes;  Baixa densidade de reforço social e reforço livre;
  • 49. “Uma personalidade pode se restringir a um tipo particular de ocasião – quando um sistema de respostas se organiza ao redor de um dado estímulo discriminativo. Tipos de Comportamentos que são eficazes ao conseguir reforço em uma ocasião A são mantidos juntos e distintos daqueles eficazes na ocasião B” (Skinner, 1953/ 2003)
  • 50. A. Um padrão persistente de vivência íntima ou comportamento que se desvia acentuadamente das expectativas da cultura do indivíduo. Este padrão manifesta-se em duas (ou mais) das seguintes áreas: (1) cognição (2) afetividade (3) funcionamento interpessoal (4) controle dos impulsos
  • 51. Paranóide Esquizóide Antissocial Borderline Histriônica Narcisista Dependente Esquiva Obsessivo Compulsiva Passivo-Agressiva Formem duplas. Cada dupla deverá representar um dos perfis de personalidade através de uma mini peça de teatro.
  • 52. Esequias Caetano – Psicólogo CRP 04/ 35023 Telefone - (34) 3061-7043/ 8406-8181/ 9999-98-54 E-mail: neto@institutocrescer.com www.facebook.com/institutocrescer / www.institutocrescer.com