Aula endo tme obturação (blog)

7.760 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.760
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.887
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
171
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula endo tme obturação (blog)

  1. 1. UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CAMPUS CACHOEIRA DO SUL CURSO DE ODONTOLOGIA DISCIPLINA DE ENDODONTIA IOBTURAÇÃO DOS CANAIS RADICULARES Prof. Charles da Cunha Pereira
  2. 2. OBJETIVOS  Selar o canal radicular sanificado emodelado, impedindo a infecção ou reinfecçãodo mesmo;  Favorecer o processo de reparo apical eperiapical.
  3. 3. MOMENTO OPORTUNO NB EI CO RP OU  Modelagem completa PL UP  Canal radicular seco, livre de exsudatos LE PC ET  Ausência de sintomatologia dolorosa CO TM  Selamento provisório íntegro OI MA I A
  4. 4. LIMITE APICAL IDEALDEVE SER O MESMO DA MODELAGEM
  5. 5. MATERIAIS USADOS NA OBTURAÇÃO – Estado Sólido – Cones de Guta-PerchaCONES PRINCIPAIS CONES ACESSÓRIOS
  6. 6. MATERIAIS USADOS NA OBTURAÇÃO – Estado Plástico – CIMENTO ENDODÔNTICO FUNCIONA COMO AGENTE DE UNIÃO
  7. 7. PROPRIEDADES IDEAIS DE UM CIMENTO ENDODÔNTICO Prinz, 1912; Grossman, 1958; Branstetter, 19821. Não devem ser agentes putrefativos;2. Devem ter qualidades anti-sépticas permanentes;3. Devem ser de fácil introdução no canal;4. Devem ser biocompatíveis;5. Não devem descolorir as estrutura dentais;6. Não devem ser porosos e devem manter-se estáveis dimensionalmente;7. Devem ser de fácil remoção do interior do canal;
  8. 8. 8.  Devem obturar hermeticamente os canalículos dentinários e o forame apical contra a invasão bacteriana;9.  Devem ser radiopacos;10.  Devem apresentar boa adesividade com as paredes do canal;11. Devem possibilitar uma consistência satisfatória.
  9. 9. Cimento a base de Óxido de Zn e Eugenol (Grossman)
  10. 10. TÉCNICAS DE OBTURAÇÃODEVEM REUNIR QUALIDADE E PRATICIDADE Técnica da Condensação Lateral Técnica da Condensação Vertical Técnica da Compactação Termodinâmica Técnicas da guta-percha termoplastificada
  11. 11. TÉCNICA DACONDENSAÇÃO LATERAL
  12. 12. TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 1. TOALETE FINAL EDTA 17% - 3 a 5 min Remoção da Smear Layer
  13. 13. TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 2. SECAGEM DO CANAL RADICULAR Calibre da última lima
  14. 14. TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 3. DESINFECÇÃO DOS CONES DE GUTA-PERCHA Hipoclorito de Sódio 5% - 1 min
  15. 15. TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 4. SELEÇÃO DO CONE PRINCIPAL CRITÉRIOS  Percorrer o CRT  Apresentar travamento
  16. 16. E SE O CONE NÃO PERCORRER O CRT ?
  17. 17. TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 4. SELEÇÃO DO CONE PRINCIPAL
  18. 18. E SE O CONE NÃO TRAVAR ?
  19. 19. TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 4. SELEÇÃO DO CONE PRINCIPAL
  20. 20. TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 4. SELEÇÃO DO CONE PRINCIPAL Radiografia Conométrica
  21. 21. TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 5. PREPARO DO CIMENTO ENDODÔNTICO
  22. 22. TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 6. INSERÇÃO DO CIMENTO ENDODÔNTICO
  23. 23. TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 7. CONDENSAÇÃO LATERAL
  24. 24. TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 8. RADIOGRAFIA DA QUALIDADE DA OBTURAÇÃO
  25. 25. TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 9. CORTE DA OBTURAÇÃO E CONDENSAÇÃO VERTICAL
  26. 26. TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 10. LIMPEZA DA CÂMARA PULPAR Álcool 96%
  27. 27. TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 11. SELAMENTO CORONÁRIO E RADIOGRAFIA FINAL
  28. 28. E quando o dente apresenta mais deum canal radicular ?
  29. 29. “Podemos dizer que o tratamentoendodôntico só termina quando aregião apical neutraliza o transtornoproduzido pelo tratamento ou reparauma lesão pré-existente.” MAISTO, 1967

×