Bandeira e brasão de Maranhão e São Luís

1.726 visualizações

Publicada em

Simbologia da bandeira e brasão do Maranhão e de sua capital São Luís. Aspectos heráldicos, meta-históricos e mitológicos são abordados, como o Bequimão, a Sociedade das Plêiades, o poeta Sousândrade e vínculo com a origem franco-luso e a bandeira nacional.

Publicada em: Espiritual
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Bandeira e brasão de Maranhão e São Luís

  1. 1. kpmg 1 Simbologia do Maranhão e São Luís (Bandeira e Brasão) Reunião da Ordem do Ararat Eduardo Nunes de Carvalho (Eubiose - SI Santana SP/SP) Cel 11 988637878 encarvalho@ig.com.br www.vidaconsciencia.com.br São Luís-MA, 12 de setembro de 2010 Carolina-MA, 5 de fevereiro de 2011 São Luís-MA, 8 de agosto de 2011 Mar Grande-BA, 14 de setembro de 2011 São Lourenço-MG, 5 de fevereiro de 2012 São Paulo-SP, 27 de outubro de 2015
  2. 2. kpmg 2 Origem do nome “Maranhão” As teorias mais aceitas são as de que Maranhão era o nome dado ao Rio Amazonas pelos nativos da região antes de os navegantes europeus chegarem ou que tenha alguma relação com o Rio Marañón no Peru. Mas há outros possíveis significados, como: "grande mentira" ou "mexerico", segundo o português antigo. Outra hipótese seria pelo fato de o estado ter um "emaranhado" de rios. Também pode ser referente a "mar grande". Ou pode ter origem na língua tupi, onde significaria "mar que corre", por meio da junção dos termos pará ("mar") e nhan ("correr“). Para outros, o nome ter-se-ia originado da maranhas, topônimo de Minho (província de Portugal). Finalmente, outros procuram localizar o étimo do nome desse estado na expressão tupi- guarani mair-anhangá, que significa "espírito de mair". No contexto da história do Brasil, a primeira referência à região como sendo o Maranhão ocorreu na época das capitanias hereditárias, com a criação da Capitania do Maranhão, em 1535 pelo Rei Dom João III. Fonte: Wikipédia e Site Jangada Brasil.
  3. 3. kpmg 3 Bandeira do Maranhão
  4. 4. kpmg 4 Bandeira do Maranhão Instituída pelo Decreto 6, de 21/12/1889. Criada pelo poeta maranhanse Sousandrade, que sem dúvida se inspirou no pavilhão dos Estados Unidos, e desenhada por Antônio Frazão Catanhede. Suas listras representam a fusão racial que originou a etnia brasileira que são nas cores: Goles/vermelho - os índios; Argente/branco - os portugueses/europeus; Sable/preto - os africanos. A estrela branca, contida no retângulo azul (blau) no canto superior esquerdo, remete a Acrab (estrela beta da constelação de Escorpião), simboliza o Maranhão no céu do Brasil como Estado da Federação.
  5. 5. kpmg 5 A miscigenação é uma realidade A maior parte dos imigrantes portugueses era oriunda dos Açores e da região de Trás-os-Montes. No século XX o estado conta com a chegada de sírios e libaneses, refugiados do desmonte do Império Otomano. Os grupos indígenas remanescentes são os da etnia Gê, Kanela, Krikati e Guajajara, concentrados principalmente na pré- Amazônia, no Alto Mearim e no Barra do Corda e Grajaú. Cor/raça/etnia do estado do Maranhão Visão poética Séc XIX (%) Censo IBGE Séc XXI (%) Brancos 44,4% 24,9% Índios/Amarelos 33,3% 0,7% Negros 22,3% 5,5% Pardos - 68,8% Total 100,0% 100,0% Fonte: pt.wikipedia.org
  6. 6. kpmg 6 Bandeira do Brasil
  7. 7. kpmg 7 Integração republicana e simbólica A reprodução da estrela que representa o Maranhão no lábaro nacional em sua própria bandeira é uma afirmação de que os Valores da bandeira nacional vibram neste estado. Ou seja, os ideais republicanos (liberdade, igualdade e fraternidade); os ideais positivistas (ordem e progresso...); a luz vinda do Oriente para o Ocidente; a proteção do Globo Azul; a frutificação dos esforços da Nobreza Habsburgo- Bragança; o glorioso destino assinalado pelo Cruzeiro do Sul; o triângulo maçônico; e a grandeza do Brasil - nação do “porvir” estão representados na bandeira do Maranhão.
  8. 8. kpmg 8 Poeta Sousândrade I Joaquim de Sousa Andrade (Guimarães, 9 de julho de 1833 — São Luís, 21 de abril de 1902) foi um escritor e poeta brasileiro, formado Letras pela Sorbonne. Republicano convicto e militante, transfere-se, em 1870, para os Estados Unidos, onde publicou seu primeiro livro de poesia: Harpas Selvagens em 1857. Com a Proclamação da República, ele retorna ao Maranhão. Em 1890 foi presidente da Intendência Municipal de São Luís. Realizou a reforma do ensino, fundou escolas mistas e idealizou a bandeira do Estado e foi presidente da Comissão de preparação do projeto da Constituição do estado. Morreu em São Luís, abandonado, na miséria e considerado louco. Sua obra foi esquecida durante décadas.
  9. 9. kpmg 9 Sousândrade o “João Batista da poesia moderna” Em 1871 publicou a obra poética O Guesa, em que utiliza recursos expressivos, como a criação de neologismos e de metáforas vertiginosas. Lançada em 1962, pelos poetas Augusto e Haroldo de Campos, revelou-se uma das mais originais e instigantes do Romantismo. O poema discorre sobre uma lenda do povo “quichua”, onde há um ritual religioso que sacrifica o coração de um menino de 15 anos a ser ofertado ao Deus Sol. Um auto-retrato do poeta, conforme escrito dele em 1877: "Ouvi dizer já por duas vezes que o Guesa Errante será lido 50 anos depois; entristeci - decepção de quem escreve 50 anos antes".
  10. 10. kpmg 10 Brasão do Estado do Maranhão A forma do contorno da superfície do escudo será a mesma do escudo da Confederação Suíça e será limitada por molduras de estilo barroco amoldadas ao contorno; o campo do escudo está dividido em quatro partes - duas, em um dos lados, contendo as cores nacionais, verde e amarelo, e duas, do outro lado, contendo, a de cima, a bandeira do Estado reproduzida, e a de baixo o emblema da Instrução no meio de raios de luz (não é a toa que a capital tem o epíteto de “Atenas brasileira”); o escudo será encimado por uma coroa de louros e as molduras, ornatos e a coroa serão da cor dourada. O Escudo Estadual foi criado pelo Decreto nº 58, de 30/12/1905, baixado pelo 1º Vice-Governador em exercício Alexandre Colares Moreira Junior e mantido pela Lei nº 416, de 27/8/1906, sancionada pelo Governador Benedito Pereira Leite. O modelo original traz a assinatura do desenhista Lucílio. Fonte: http://www.brasilrepublica.com/masimbolos.htm
  11. 11. kpmg 11 Batalha pelas armas e letras “... percebemos que a empresa da conquista do Maranhão está inserida em uma ordem teológico política... ... “a expansão portuguesa, inscreve-se no sentido meta- histórico da história – a dilatação do reino de Deus – é não só querida e aprovada, mas até sobrenaturalmente apoiada pelas forças celestes.” Assim, os relatos de aparições de santos durante as batalhas com franceses e os apelos ao sagrado eram utilizados para explicar, justificar e legitimar a conquista do Maranhão, configurando uma batalha pelas armas e pelas letras...” Fonte: THOMAZ, Luís Filipe F.R.; ALVES, Jorge Santos. Da Cruzada ao Quinto Império. In. BETHENCOURT, F. CURTO, Diogo Ramada. A memória da nação. Lisboa: Livraria Sá da Costa Editora, 1991. p.122. In. “Os Escritos do Padre Luiz Figueira e a Fundação de São Luís no Maranhão”, Menezes, Aline Bezerra.
  12. 12. kpmg 12 Brasão e bandeira de São Luís - MA Criada pelo Decreto Municipal 13 de 31/12/1926, Prefeito Jayme Tavares. A coroa mural de oito torres ameadas (três de fundo invisíveis) em ouro, simbolizando se tratar do brasão de uma capital de estado. As portas dos castelos indicam estarem abertas, ou seja, cidade receptiva. Ramos de louro sugerem a intrepidez e virtude do povo maranhense. A bandeira da cidade reproduz o brasão sobre fundo dourado, podendo indicar o desejo popular de que as glórias passadas se reproduzem no futuro. Fonte: MEIRELES, Mário M. O Brasão d'armas de São Luís do Maranhão - Editora Alcântara, 1983.
  13. 13. kpmg 13 Brasão e bandeira de São Luís - MA Na esfera central, uma tríade de flores de lis em jalne (ouro), símbolo sacro francês e nome da cidade em homenagem a Luís XIII. Além da simbologia sagrada que encerra a tríade no alto sob mar sinople (verde). A tríade também representa as naus francesas Regente, Charlotte e Saint’Anne da expedição de La Ravardiàre de 1612. Uma cruz contendo cinco quinas em blau (azuis), símbolo português sob fundo prata (branco), indicando a Paz como propósito fim e a influência desta nação sobre a História da cidade.
  14. 14. kpmg 14 Posição de São Luís no Estado Escudo francês, por regras heráldicas, representando o estado do Maranhão em campo blau (azul) provavelmente representando o firmamento literário. O escudete representa a ilha de São Luís em posição equivalente ao do mapa.
  15. 15. kpmg 15 Plêiade Sociedade Literária - Atenas Brasileira Gonçalves Dias João Lisboa Odorico Mendes Gomes de Sousa Sotero dos Reis Henriques Leal Belarmino de Matos.
  16. 16. kpmg 16 1685 e o Herói “Bequimão” 1682 – Para aumentar o comércio na região, foi criada a Companhia do Comércio do Maranhão, devendo suprir mensalmente escravos africanos, alimentos e produtos europeus com preços tabelados (monopólio do Estanco). Para compensar, a região deveria contribuir anualmente, enviando um navio a Lisboa com produtos locais. 1684 – O descumprimento das promessas por parte da Companhia gerou protestos locais e resultou na Revolta de Beckman. O líder da mobilização, Manuel Beckman, e os demais revoltados, questionavam os altos valores dos produtos e a desorganização no fornecimento de escravos. Os atos foram violentos e os protestantes aprisionaram o capitão-mor de São Luis, Francisco de Sá de Meneses e outras autoridades. 1685 – Após um ano à frente do Estado, Manuel Beckman enviou o irmão Tomás a Lisboa para esclarecer à Corte as reivindicações dos colonos e convencer o rei de extinguir a Companhia e os jesuítas, mas a Coroa reagiu e enviou ao estado o governante Gomes Freire de Andrade, que condenou Manuel à forca em praça pública (2/11).
  17. 17. kpmg 17 Brasão SL na versão de 1674 Fonte: MEIRELES, Mário M. O Brasão d'armas de São Luís do Maranhão - Editora Alcântara, 1983.
  18. 18. kpmg 18 Antigo brasão de São Luís Painel cerâmico B da maranhense Dileusa Dinis Rodrigues (Dila Rodrigues) em exposição no Aeroporto Internacional Marechal Cunha Machado em São Luís-MA.
  19. 19. kpmg 19 A Lenda da Serpente O Maranhão é rico em lendas importantes. Vamos apreciar uma das mais conhecidas. Diz a lenda (a mais famosa entre os ludovicenses) que uma serpente encantada de proporção descomunal vive debaixo de São Luís. O gigantesco animal crescerá sem parar até o dia que sua cabeça e sua calda se encontrarem levando para o fundo do mar a Ilha, provocando seu completo desaparecimento. Recentemente, em homenagem a São Luís, a Beija-Flor levou para a Marquês de Sapucaí o enredo “São Luís; o poema encantado do Maranhão”. Durante o desfile, a comissão de frente da escola tentou mostrar um pouco desta lenda. Já na capital, no meio da Lagoa da Jansen, hoje existem apenas partes da serpente feita pelo artista plástico Jesus Santos, escultura que fazia alusão à lenda. lenda. Fonte: http://pt.slideshare.net/JooVictor291/lendas-da-cidade-de-so-lus-49578389 Seria o Ouroboros adaptado ao Hemisfério Sul?

×