Apresentação

451 visualizações

Publicada em

Diabetes Gestacional

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
451
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
84
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação

  1. 1. DIABETES GESTACIONAL ACADÊMICA Emisa Papa Faculdade Ingá Maringá - 2015
  2. 2. O QUE É?  É uma forma de Diabetes que pode surgir durante a gestação, geralmente durante o segundo trimestre.
  3. 3.  Doença sistêmica que envolve alterações no metabolismo, envolvendo:
  4. 4.  É um processo patológico, que pode ou não persistir após a gestação.  Ocorre quando os açúcares não entram nas células e se acumulam no sangue. Caracteriza-se por deficiência na ação e secreção de insulina. Hiperglicemia
  5. 5.  Na gestação há um aumento da resistência periférica a insulina por presença de hormônios que bloqueiam os efeitos da insulina: Progesterona Cortisol Prolactina Lactogênio placentário
  6. 6.  A maioria das mulheres que têm diabetes gestacional podem ter bebês saudáveis.  No entanto, níveis de açúcar no sangue não controlados pode causar problemas para a mãe e o bebê.
  7. 7. RISCOS PARA A MÃE:  Pressão arterial elevada e excesso de proteína na urina após as 20 semanas de gestação. Não tratada, pode levar a pré-eclampsia grave ou até morte.  Parto prematuro  Cesareana.  Probabilidade de ter diabetes gestacional novamente na próxima gestação.  Aumenta a probabilidade de desenvolver tipo 2 após a gestação.
  8. 8. RISCOS PARA O BEBÊ:  Desequilíbrios químicos: como níveis baixos de cálcio e do magnesio.  Distúrbios respiratórios :Se o bebê for prematuro, vai necessitar de ajuda até à sua respiração se tornar mais forte.  Hipoglicemia: desenvolvem hipoglicemia logo após o nascimento, porque a sua própria produção de insulina é elevada.
  9. 9. CRESCIMENTO EXAGERADO  O excesso de glicose pode atravessar a placenta, o que desencadeia uma produção extra de insulina no pâncreas.  Isso pode causar o crescimento exagerado do bebê (macrossomia >4000g). Bebês muito grandes são mais suscetíveis a traumas no canal de parto.
  10. 10.  Icterícia: A coloração amarelada da pele e das escleróticas pode ocorrer quando o fígado do bebê não é o suficientemente maduro para quebrar a bilirrubina. A icterícia geralmente não é um motivo de preocupação, mas é importante uma cuidadosa monitorização.  Desenvolvimento de Diabetes tipo 2 mais tarde: Os bebês têm um maior risco de desenvolver obesidade e diabetes tipo 2 na vida.
  11. 11.  As malformações congênitas dependem da presença de hiperglicemia materna no início da gestação e da qualidade de seu controle, sendo mais comuns no diabetes prévio à gestação.
  12. 12. Sintomas:  Aumento da sede;  Polaciúria;  Fadiga;  Visão nublada;  Infecções de bexiga e pele. No entanto, para a maioria das mulheres, a diabetes gestacional não causa sintomas ou sinais perceptíveis.
  13. 13. FATORES DE RISCO:  IDADE: As mulheres com idade superior a 25 anos têm maior probabilidade de desenvolver diabetes gestacional.  PESO: Terá maiior probabilidades de desenvolver diabetes gestacional se tiver obesidade antes da gravidez.  HISTÓRIA FAMILIAR OU PESSOAL: O risco de desenvolver diabetes gestacional aumenta se tiver pré-diabetes, ou se um familiar próximo tiver diabetes.  RAÇA: Por razões que não são claras, as mulheres negras, hispânicas, índio- americanas ou asiáticas são mais susceptíveis de desenvolver diabetes gestacional do que as outras mulheres.
  14. 14. DIAGNÓSTICO  O diabetes gestacional é geralmente diagnosticado entre a 24ª e 28ª semanas de gravidez, quando a resistência à insulina geralmente começa.  Na maioria dos casos, o diabetes gestacional é descoberto com exames de rotina durante a gravidez, como glicemia de jejum, curva glicêmica e hemoglobina glicada.
  15. 15. Curva glicêmica  O exame de curva glicêmica mede a velocidade com que o corpo absorve a glicose após a ingestão.  O paciente ingere 75g de glicose e é feita a medida das quantidades da substância em seu sangue em jejum, uma hora e duas horas após a ingestão.
  16. 16. VALORES DE REFERÊNCIA:  Em jejum: abaixo de 92mg/dl  Após 1h: abaixo de 180mg/dl  Após 2 horas: abaixo de 153 mg/dl  Qualquer dosagem aleatória de glicemia maior que 200 mg/dl já é diagnóstico de diabetes. Esse é o principal exame para verificar a presença de diabetes gestacional.
  17. 17. Glicemia de jejum  A glicemia de jejum é um exame que mede o nível de açúcar no sangue naquele momento.  Os valores de referência ficam entre 65 a 92 miligramas de glicose por decilitro de sangue (mg/dL).
  18. 18. Resultados anormais:  Resultados entre 92 mg/dL e 100 mg/dL são considerados anormais próximos ao limite e devem ser repetidos em uma outra ocasião.  Valores acima de 100 mg/dL já são bastante suspeitos de diabetes, mas também devendo ser repetido em uma outra ocasião. A glicemia de jejum é um exame feito para confirmar os resultados da curva glicêmica e para acompanhar os níveis de glicose no sangue durante o dia ou após as refeições.
  19. 19. TRATAMENTO  Controlar o nível de açúcar no sangue é essencial para manter o bebé saudável e evitar complicações durante o parto.  Verificar o nível de açúcar no sangue 4-5 x/dia para ter certeza que o açúcar no sangue esta dentro de uma faixa saudável.
  20. 20. DIETA  Ingerir mais frutas, legumes e grãos inteiros.  Ingerir alimentos que são nutritivos e de baixo teor de gorduras e calorias.  Ingerir menos produtos de origem animal e doces.
  21. 21. EXERCÍCIOS:  Reduz o nível de açúcar no sangue por ajudar no transporte de açúcar para as células, permitindo obter energia.  Aumenta a sensibilidade à insulina, o que significa que o organismo necessita de menos insulina para o transporte de açúcar para a célula.
  22. 22.  O exercício regular pode ajudar a evitar alguns dos desconfortos da gravidez, tais como dor nas costas, cãibras musculares, edema, obstipação e dificuldade em dormir.  Também pode ajudar na preparação para o parto
  23. 23. MEDICAÇÃO  Se dieta e exercícios não são suficientes, injeções de insulina podem ser usados para baixar o nível de açúcar no sangue.  Medicação via oral.
  24. 24. MONITORIZAÇÃO DO BEBÊ  O médico pode monitorar o crescimento e desenvolvimento do bebê com: Ultrassom fetal Monitoramento dos batimentos cardíacos do bebê
  25. 25. PREVENÇÃO  Escolha alimentos ricos em fibras e pobres em gordura e calorias.  Coma mais frutas, legumes e grãos integrais.  Exercício antes e durante a gravidez pode ajudar a proteger contra o desenvolvimento de diabetes gestacional.  Perder os quilos em excesso antes da gravidez.
  26. 26. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  Miranda PAC, Reis R. Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia; 2006.Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia  Rudge MVC, Calderon IMP, Ramos MD, Suetake H, Peraçoli JC. Investigação diagnóstica do diabetes na gestação. Ver Bras Ginecol Obstet 1996;18:21-6.  Diabete e hipertensão na gravidez: manual de orientação. FEBRASGO. Rudge MVC,Amaral MJ, eds. vol. III. São Paulo: Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia; 2004.  Silva MR, Calderon IM, Gonçalves LC, Aragon FF, Padovani CR, Pimenta WP. Ocorrência de diabetes melito em mulheres com hiperglicemia em gestação prévia. Rev Saúde Pública 2003;37:345- 50.

×