SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Lei e diretrizes da educação
 Historicamente, o Ensino Médio no Brasil se
caracteriza pela dualidade estrutural, (propedêutico e
profissional).
 Na década de 1990, as reformas para o Ensino
Médio realizadas através da Lei de Diretrizes e Bases
da Educação – LDB (Lei 9.394/96) e do Decreto nº
2.208/97 do Governo Federal,novamente afirma-se a
superação da dualidade estrutural,
O Ensino Médio foi instituído no Brasil
pelos jesuítas no século XVI até o século XVIII.
O ensino brasileiro esteve ligado aos jesuítas até
1759, data que marca a expulsão destes da colônia
pelo rei de Portugal.
Até então não havia no Brasil um órgão
governamental responsável exclusivamente pela
educação. Foi apenas com a Revolução de 1930,
liderada por Getúlio Vargas
Em 1931 foi instituído o Decreto nº319.890
complementado pelo Decreto/Lei nº4. 244 de abril de
1942, a partir do qual foi criada a Lei Orgânica do
Ensino Secundário, que vigorou até 1971.
Com a lei n° 5.692/71 a estrutura do ensino foi
alterada, o ginásio e o primário foram unificados,
dando origem ao primeiro grau com oito anos
Ainda de acordo com essa lei, as escolas de segundo
grau deveriam garantir uma qualificação profissional,
fosse de nível técnico, quatro anos de duração, ou
auxiliar técnico, três anos. Esta resolução durou até
1982.
A redemocratização brasileira e Constituição Federal
de 1988 redesenharam a função da escola e do
ensino médio brasileiro, e introduziram novas diretrizes
que resultaram na consolidação das Leis de Diretrizes
Básicas para a Educação, de 1996,
Compreende-se como Ensino Médio a etapa final da
educação básica, que além do Ensino Médio engloba a
Educação Infantil e o Ensino Fundamental, com nove
anos de duração. É papel da educação básica a
garantia da formação comum
indispensável para o exercício da cidadania, a todos os
brasileiros, e fornecimento dos meios para a
progressão no trabalho e nos estudos posteriores.
Art. 2º Estas Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais
para a Educação Básica têm por objetivos:
I - sistematizar os princípios e as diretrizes gerais da
Educação Básica contidos na Constituição, na Lei de
Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) e
demais dispositivos legais, traduzindo-os em
orientações que contribuam para assegurar a
formação básica comum nacional, tendo como foco
os sujeitos que dão vida ao currículo e à escola;
REFERÊNCIAS CONCEITUAIS
Art. 4º As bases que dão sustentação ao projeto
nacional de educação responsabilizam o poder público,
a família, a sociedade e a escola pela garantia a todos
os educados de um ensino ministrado de acordo com os
princípios de:
O ensino médio é contemplado pela Lei de Diretrizes
e Bases da Educação Nacional (Lei nº 9.394, de 20
de dezembro de 1996) e é mencionado, inicialmente,
no Artigo 21, quando a norma legal afirma que a
educação básica é subdividida em educação infantil,
ensino fundamental e ensino médio.
Mais à frente há uma seção específica,
consubstanciada nos Artigos 35 e 36. Assim dizem os
textos:
“...Art. 35 - O ensino médio, etapa final da educação
básica, com duração mínima de três anos, terá como
finalidades: I - a consolidação e aprofundamento dos
conhecimentos adquiridos no ensino fundamental,
possibilitando o prosseguimento de estudos;
II - a preparação básica para o trabalho e a cidadania
do educando, para continuar aprendendo, de modo a
ser capaz de se adaptar com flexibilidade a novas
condições de ocupação ou aperfeiçoamento
posteriores;
III - o aprimoramento do educando como pessoa
humana, incluindo a formação ética e o
desenvolvimento da autonomia intelectual e do
pensamento crítico;
IV - a compreensão dos fundamentos científico-
tecnológicos dos processos produtivos, relacionando a
teoria com a prática, no ensino de cada disciplina. Art.
36 - O currículo do ensino médio observará o disposto
na Seção I deste Capítulo e as seguintes diretrizes I -
destacará a educação tecnológica básica, a
compreensão do significado da ciência, das letras e das
artes; o processo histórico de transformação da
sociedade e da cultura; a língua portuguesa como
instrumento de comunicação, acesso ao conhecimento
e exercício da cidadania;
II - adotará metodologias de ensino e de avaliação que
estimulem a iniciativa dos estudantes; III - será
incluída uma língua estrangeira moderna como
disciplina obrigatória, escolhida pela comunidade
escolar, e uma segunda, em caráter optativo, dentro
das disponibilidades da instituição.
§1º - Os conteúdos, as metodologias e as formas
de avaliação serão organizados de tal forma que
ao final do ensino médio o educando demonstre:
I - domínio dos princípios científicos e tecnológicos
que presidem a produção moderna;
II - conhecimento das formas contemporâneas de
linguagem;
III - domínio dos conhecimentos de Filosofia e
Sociologia necessários ao exercício da cidadania. §
2º - O ensino médio, atendida a formação geral do
educando, poderá prepará-lo para o exercício de
profissões técnicas.
§ 3º - Os cursos do ensino médio terão equivalência
legal e habilitarão ao prosseguimento de estudos.
§ 4º - A preparação geral para o trabalho e,
facultativamente, a habilitação profissional,
poderão ser desenvolvidas nos próprios
estabelecimentos de ensino médio ou em
cooperação com instituições especializadas em
educação profissional...”
O ensino médio deve ter anos letivos com pelo
menos 800 horas e 200 dias letivos. A carga
horária pode variar conforme o projeto pedagógico
entretanto não pode ser inferior a 2.400.
Segundo o Conselho Nacional de Educação que a
hora, para fins da lei, corresponde a 60 minutos, e
assim devem contemplar 144.000 minutos.
A escola pode dividir os tempos de aula em quantos
minutos quiser mas notando para que, no somatório
dos mesmos, os alunos tenham a carga supracitada, no
mínimo. Segundo a legislação as escolas possuem a
liberdade de estabelecer os seus projetos pedagógicos
e, com ele, definir os sistemas de séries, módulos ou
períodos.
Logo após a edição da LDB o Conselho Nacional de
Educação, por meio do Parecer nº 5, da Câmara de
Educação Básica, aprovado em 7 de maio de 1997,
propôs a regulamentação do tema.
Deste modo, pode ser entendido que quando o texto
se refere a hora, pura e simplesmente, trata do
período de 60 minutos. Portanto, quando obriga ao
mínimo de "oitocentas horas, distribuídas por um
mínimo de duzentos dias de efetivo trabalho escolar",
a lei está se referindo» a 860 horas de 60 minutos ou
seja, um total anual de 48.000 minutos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação Rejane
Apresentação RejaneApresentação Rejane
Apresentação Rejanejorgellss
 
Introdução ao ensino superior. estrutura e funcionamento ppt
Introdução ao ensino superior. estrutura e funcionamento pptIntrodução ao ensino superior. estrutura e funcionamento ppt
Introdução ao ensino superior. estrutura e funcionamento pptDaniela Barroso
 
Política e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação BrasileiraPolítica e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação BrasileiraEdneide Lima
 
Estructura
EstructuraEstructura
Estructurakibutzzz
 
A estrutura e o funcionamento do ensino superior no brasil
A estrutura e o funcionamento do ensino superior no brasilA estrutura e o funcionamento do ensino superior no brasil
A estrutura e o funcionamento do ensino superior no brasilisraelfaifa
 
Políticas educacionais
Políticas educacionaisPolíticas educacionais
Políticas educacionaismkbariotto
 
Historia da educação
Historia da educaçãoHistoria da educação
Historia da educaçãoanakarolinee
 
Comparacao ldb e dcn
Comparacao ldb  e dcnComparacao ldb  e dcn
Comparacao ldb e dcnLena Medeiros
 
Legislao educacional-1230170987028816-2
Legislao educacional-1230170987028816-2Legislao educacional-1230170987028816-2
Legislao educacional-1230170987028816-2Jhosyrene Oliveira
 
Sistema.educacional.ensino.medio.inovador
Sistema.educacional.ensino.medio.inovadorSistema.educacional.ensino.medio.inovador
Sistema.educacional.ensino.medio.inovadorRoseli Aparecida
 
C O N S E L H O E S T A D U A L D E E D U C AÇÃ O
C O N S E L H O  E S T A D U A L  D E  E D U C AÇÃ OC O N S E L H O  E S T A D U A L  D E  E D U C AÇÃ O
C O N S E L H O E S T A D U A L D E E D U C AÇÃ OSuzy Santana
 
LDB 2013 ATUALIZADA
LDB 2013 ATUALIZADALDB 2013 ATUALIZADA
LDB 2013 ATUALIZADAufmt
 
Caderno 1 - formação de professores do ensino médio - ensino médio e formação...
Caderno 1 - formação de professores do ensino médio - ensino médio e formação...Caderno 1 - formação de professores do ensino médio - ensino médio e formação...
Caderno 1 - formação de professores do ensino médio - ensino médio e formação...NTE RJ14/SEEDUC RJ
 
Web caderno-1
Web caderno-1Web caderno-1
Web caderno-1luci96
 

Mais procurados (18)

Nova lei do em
Nova lei do emNova lei do em
Nova lei do em
 
Apresentação Rejane
Apresentação RejaneApresentação Rejane
Apresentação Rejane
 
Introdução ao ensino superior. estrutura e funcionamento ppt
Introdução ao ensino superior. estrutura e funcionamento pptIntrodução ao ensino superior. estrutura e funcionamento ppt
Introdução ao ensino superior. estrutura e funcionamento ppt
 
Política e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação BrasileiraPolítica e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação Brasileira
 
Estructura
EstructuraEstructura
Estructura
 
A estrutura e o funcionamento do ensino superior no brasil
A estrutura e o funcionamento do ensino superior no brasilA estrutura e o funcionamento do ensino superior no brasil
A estrutura e o funcionamento do ensino superior no brasil
 
Políticas Educacionais
Políticas EducacionaisPolíticas Educacionais
Políticas Educacionais
 
Políticas educacionais
Políticas educacionaisPolíticas educacionais
Políticas educacionais
 
Simulado 2016-cespe
Simulado 2016-cespeSimulado 2016-cespe
Simulado 2016-cespe
 
Historia da educação
Historia da educaçãoHistoria da educação
Historia da educação
 
Comparacao ldb e dcn
Comparacao ldb  e dcnComparacao ldb  e dcn
Comparacao ldb e dcn
 
Legislao educacional-1230170987028816-2
Legislao educacional-1230170987028816-2Legislao educacional-1230170987028816-2
Legislao educacional-1230170987028816-2
 
Sistema.educacional.ensino.medio.inovador
Sistema.educacional.ensino.medio.inovadorSistema.educacional.ensino.medio.inovador
Sistema.educacional.ensino.medio.inovador
 
C O N S E L H O E S T A D U A L D E E D U C AÇÃ O
C O N S E L H O  E S T A D U A L  D E  E D U C AÇÃ OC O N S E L H O  E S T A D U A L  D E  E D U C AÇÃ O
C O N S E L H O E S T A D U A L D E E D U C AÇÃ O
 
LDB 2013 ATUALIZADA
LDB 2013 ATUALIZADALDB 2013 ATUALIZADA
LDB 2013 ATUALIZADA
 
Ldb
LdbLdb
Ldb
 
Caderno 1 - formação de professores do ensino médio - ensino médio e formação...
Caderno 1 - formação de professores do ensino médio - ensino médio e formação...Caderno 1 - formação de professores do ensino médio - ensino médio e formação...
Caderno 1 - formação de professores do ensino médio - ensino médio e formação...
 
Web caderno-1
Web caderno-1Web caderno-1
Web caderno-1
 

Semelhante a Lei e diretrizes do ensino médio

08 lei nº 9493-96 ldb 2ª parte
08 lei nº 9493-96  ldb 2ª parte08 lei nº 9493-96  ldb 2ª parte
08 lei nº 9493-96 ldb 2ª parteHernando Professor
 
Dilemas_e_desafios_para_consolidao_da_educao_bsica_Slides.pptx
Dilemas_e_desafios_para_consolidao_da_educao_bsica_Slides.pptxDilemas_e_desafios_para_consolidao_da_educao_bsica_Slides.pptx
Dilemas_e_desafios_para_consolidao_da_educao_bsica_Slides.pptxEversonLima23
 
PROFUNCIONÁRIO - 1 ENCONTRO PRESENCIAL-Prof. Noe Assunção
PROFUNCIONÁRIO - 1 ENCONTRO PRESENCIAL-Prof. Noe AssunçãoPROFUNCIONÁRIO - 1 ENCONTRO PRESENCIAL-Prof. Noe Assunção
PROFUNCIONÁRIO - 1 ENCONTRO PRESENCIAL-Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Boa revisão ECA LDB CONST 205 a 214.ppt
Boa revisão ECA LDB CONST 205 a 214.pptBoa revisão ECA LDB CONST 205 a 214.ppt
Boa revisão ECA LDB CONST 205 a 214.pptClipaA
 
REGIMENTO ESCOLAR DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CUBATÃO
REGIMENTO ESCOLAR DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CUBATÃOREGIMENTO ESCOLAR DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CUBATÃO
REGIMENTO ESCOLAR DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CUBATÃOconseduccubatao
 
Diretrizes curriculares nacionais para o ensino médio
Diretrizes curriculares nacionais para o ensino médioDiretrizes curriculares nacionais para o ensino médio
Diretrizes curriculares nacionais para o ensino médioNTE RJ14/SEEDUC RJ
 
REFORMA-DO-ENSINO-MEDIO-Estudo-Sinteps-Set2018.ppt
REFORMA-DO-ENSINO-MEDIO-Estudo-Sinteps-Set2018.pptREFORMA-DO-ENSINO-MEDIO-Estudo-Sinteps-Set2018.ppt
REFORMA-DO-ENSINO-MEDIO-Estudo-Sinteps-Set2018.pptJoseCarlosOzorioOzor
 
1 introdução práticas 1º ano cn
1 introdução práticas 1º ano cn1 introdução práticas 1º ano cn
1 introdução práticas 1º ano cnclaudiaandre
 
1 introdução práticas 1º ano cn
1 introdução práticas 1º ano cn1 introdução práticas 1º ano cn
1 introdução práticas 1º ano cnclaudiaandre
 
Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio
Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino MédioDiretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio
Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino MédioVictor Alisson
 
Reforma do Ensino Médio
Reforma do Ensino MédioReforma do Ensino Médio
Reforma do Ensino Médioeduardosoares68
 
Rceb002 12
Rceb002 12Rceb002 12
Rceb002 12luci96
 
Conselho nacional de educação cne
Conselho nacional de educação cneConselho nacional de educação cne
Conselho nacional de educação cneMarcelo S. Ruderal
 

Semelhante a Lei e diretrizes do ensino médio (20)

LDB 9394-96.pdf
LDB 9394-96.pdfLDB 9394-96.pdf
LDB 9394-96.pdf
 
08 lei nº 9493-96 ldb 2ª parte
08 lei nº 9493-96  ldb 2ª parte08 lei nº 9493-96  ldb 2ª parte
08 lei nº 9493-96 ldb 2ª parte
 
Políticas Públicas Educacionais
Políticas Públicas EducacionaisPolíticas Públicas Educacionais
Políticas Públicas Educacionais
 
Dilemas_e_desafios_para_consolidao_da_educao_bsica_Slides.pptx
Dilemas_e_desafios_para_consolidao_da_educao_bsica_Slides.pptxDilemas_e_desafios_para_consolidao_da_educao_bsica_Slides.pptx
Dilemas_e_desafios_para_consolidao_da_educao_bsica_Slides.pptx
 
LDB e ECA.ppt
LDB e ECA.pptLDB e ECA.ppt
LDB e ECA.ppt
 
PROFUNCIONÁRIO - 1 ENCONTRO PRESENCIAL-Prof. Noe Assunção
PROFUNCIONÁRIO - 1 ENCONTRO PRESENCIAL-Prof. Noe AssunçãoPROFUNCIONÁRIO - 1 ENCONTRO PRESENCIAL-Prof. Noe Assunção
PROFUNCIONÁRIO - 1 ENCONTRO PRESENCIAL-Prof. Noe Assunção
 
Boa revisão ECA LDB CONST 205 a 214.ppt
Boa revisão ECA LDB CONST 205 a 214.pptBoa revisão ECA LDB CONST 205 a 214.ppt
Boa revisão ECA LDB CONST 205 a 214.ppt
 
DO PRIMÁRIO AO FUNDAMENTAL.doc
DO PRIMÁRIO AO FUNDAMENTAL.docDO PRIMÁRIO AO FUNDAMENTAL.doc
DO PRIMÁRIO AO FUNDAMENTAL.doc
 
Resolução 2873
Resolução 2873Resolução 2873
Resolução 2873
 
REGIMENTO ESCOLAR DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CUBATÃO
REGIMENTO ESCOLAR DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CUBATÃOREGIMENTO ESCOLAR DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CUBATÃO
REGIMENTO ESCOLAR DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CUBATÃO
 
Diretrizes curriculares nacionais para o ensino médio
Diretrizes curriculares nacionais para o ensino médioDiretrizes curriculares nacionais para o ensino médio
Diretrizes curriculares nacionais para o ensino médio
 
Ldb sintese
Ldb sinteseLdb sintese
Ldb sintese
 
REFORMA-DO-ENSINO-MEDIO-Estudo-Sinteps-Set2018.ppt
REFORMA-DO-ENSINO-MEDIO-Estudo-Sinteps-Set2018.pptREFORMA-DO-ENSINO-MEDIO-Estudo-Sinteps-Set2018.ppt
REFORMA-DO-ENSINO-MEDIO-Estudo-Sinteps-Set2018.ppt
 
1 introdução práticas 1º ano cn
1 introdução práticas 1º ano cn1 introdução práticas 1º ano cn
1 introdução práticas 1º ano cn
 
1 introdução práticas 1º ano cn
1 introdução práticas 1º ano cn1 introdução práticas 1º ano cn
1 introdução práticas 1º ano cn
 
Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio
Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino MédioDiretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio
Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio
 
Reforma do Ensino Médio
Reforma do Ensino MédioReforma do Ensino Médio
Reforma do Ensino Médio
 
Rceb002 12
Rceb002 12Rceb002 12
Rceb002 12
 
639
639639
639
 
Conselho nacional de educação cne
Conselho nacional de educação cneConselho nacional de educação cne
Conselho nacional de educação cne
 

Último

HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 

Lei e diretrizes do ensino médio

  • 1. Lei e diretrizes da educação
  • 2.  Historicamente, o Ensino Médio no Brasil se caracteriza pela dualidade estrutural, (propedêutico e profissional).  Na década de 1990, as reformas para o Ensino Médio realizadas através da Lei de Diretrizes e Bases da Educação – LDB (Lei 9.394/96) e do Decreto nº 2.208/97 do Governo Federal,novamente afirma-se a superação da dualidade estrutural,
  • 3. O Ensino Médio foi instituído no Brasil pelos jesuítas no século XVI até o século XVIII. O ensino brasileiro esteve ligado aos jesuítas até 1759, data que marca a expulsão destes da colônia pelo rei de Portugal. Até então não havia no Brasil um órgão governamental responsável exclusivamente pela educação. Foi apenas com a Revolução de 1930, liderada por Getúlio Vargas
  • 4. Em 1931 foi instituído o Decreto nº319.890 complementado pelo Decreto/Lei nº4. 244 de abril de 1942, a partir do qual foi criada a Lei Orgânica do Ensino Secundário, que vigorou até 1971. Com a lei n° 5.692/71 a estrutura do ensino foi alterada, o ginásio e o primário foram unificados, dando origem ao primeiro grau com oito anos
  • 5. Ainda de acordo com essa lei, as escolas de segundo grau deveriam garantir uma qualificação profissional, fosse de nível técnico, quatro anos de duração, ou auxiliar técnico, três anos. Esta resolução durou até 1982. A redemocratização brasileira e Constituição Federal de 1988 redesenharam a função da escola e do ensino médio brasileiro, e introduziram novas diretrizes que resultaram na consolidação das Leis de Diretrizes Básicas para a Educação, de 1996,
  • 6. Compreende-se como Ensino Médio a etapa final da educação básica, que além do Ensino Médio engloba a Educação Infantil e o Ensino Fundamental, com nove anos de duração. É papel da educação básica a garantia da formação comum indispensável para o exercício da cidadania, a todos os brasileiros, e fornecimento dos meios para a progressão no trabalho e nos estudos posteriores.
  • 7. Art. 2º Estas Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica têm por objetivos: I - sistematizar os princípios e as diretrizes gerais da Educação Básica contidos na Constituição, na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) e demais dispositivos legais, traduzindo-os em orientações que contribuam para assegurar a formação básica comum nacional, tendo como foco os sujeitos que dão vida ao currículo e à escola;
  • 8. REFERÊNCIAS CONCEITUAIS Art. 4º As bases que dão sustentação ao projeto nacional de educação responsabilizam o poder público, a família, a sociedade e a escola pela garantia a todos os educados de um ensino ministrado de acordo com os princípios de:
  • 9. O ensino médio é contemplado pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996) e é mencionado, inicialmente, no Artigo 21, quando a norma legal afirma que a educação básica é subdividida em educação infantil, ensino fundamental e ensino médio.
  • 10. Mais à frente há uma seção específica, consubstanciada nos Artigos 35 e 36. Assim dizem os textos: “...Art. 35 - O ensino médio, etapa final da educação básica, com duração mínima de três anos, terá como finalidades: I - a consolidação e aprofundamento dos conhecimentos adquiridos no ensino fundamental, possibilitando o prosseguimento de estudos;
  • 11. II - a preparação básica para o trabalho e a cidadania do educando, para continuar aprendendo, de modo a ser capaz de se adaptar com flexibilidade a novas condições de ocupação ou aperfeiçoamento posteriores; III - o aprimoramento do educando como pessoa humana, incluindo a formação ética e o desenvolvimento da autonomia intelectual e do pensamento crítico;
  • 12. IV - a compreensão dos fundamentos científico- tecnológicos dos processos produtivos, relacionando a teoria com a prática, no ensino de cada disciplina. Art. 36 - O currículo do ensino médio observará o disposto na Seção I deste Capítulo e as seguintes diretrizes I - destacará a educação tecnológica básica, a compreensão do significado da ciência, das letras e das artes; o processo histórico de transformação da sociedade e da cultura; a língua portuguesa como instrumento de comunicação, acesso ao conhecimento e exercício da cidadania;
  • 13. II - adotará metodologias de ensino e de avaliação que estimulem a iniciativa dos estudantes; III - será incluída uma língua estrangeira moderna como disciplina obrigatória, escolhida pela comunidade escolar, e uma segunda, em caráter optativo, dentro das disponibilidades da instituição.
  • 14. §1º - Os conteúdos, as metodologias e as formas de avaliação serão organizados de tal forma que ao final do ensino médio o educando demonstre: I - domínio dos princípios científicos e tecnológicos que presidem a produção moderna; II - conhecimento das formas contemporâneas de linguagem;
  • 15. III - domínio dos conhecimentos de Filosofia e Sociologia necessários ao exercício da cidadania. § 2º - O ensino médio, atendida a formação geral do educando, poderá prepará-lo para o exercício de profissões técnicas. § 3º - Os cursos do ensino médio terão equivalência legal e habilitarão ao prosseguimento de estudos.
  • 16. § 4º - A preparação geral para o trabalho e, facultativamente, a habilitação profissional, poderão ser desenvolvidas nos próprios estabelecimentos de ensino médio ou em cooperação com instituições especializadas em educação profissional...”
  • 17. O ensino médio deve ter anos letivos com pelo menos 800 horas e 200 dias letivos. A carga horária pode variar conforme o projeto pedagógico entretanto não pode ser inferior a 2.400. Segundo o Conselho Nacional de Educação que a hora, para fins da lei, corresponde a 60 minutos, e assim devem contemplar 144.000 minutos.
  • 18. A escola pode dividir os tempos de aula em quantos minutos quiser mas notando para que, no somatório dos mesmos, os alunos tenham a carga supracitada, no mínimo. Segundo a legislação as escolas possuem a liberdade de estabelecer os seus projetos pedagógicos e, com ele, definir os sistemas de séries, módulos ou períodos.
  • 19. Logo após a edição da LDB o Conselho Nacional de Educação, por meio do Parecer nº 5, da Câmara de Educação Básica, aprovado em 7 de maio de 1997, propôs a regulamentação do tema. Deste modo, pode ser entendido que quando o texto se refere a hora, pura e simplesmente, trata do período de 60 minutos. Portanto, quando obriga ao mínimo de "oitocentas horas, distribuídas por um mínimo de duzentos dias de efetivo trabalho escolar", a lei está se referindo» a 860 horas de 60 minutos ou seja, um total anual de 48.000 minutos.