Criatividade Tempos Crise

2.256 visualizações

Publicada em

A small presentation about fell books I bought and liked so much that inspired me. This is about creativity, inovation and time management ('cause we have to be organized -sort of- to be creative). I hope you all enjoy

Publicada em: Design
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.256
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
36
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
71
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Os anos 90 marcaram uma virada no mundo dos negócios (lá fora e aqui) causada pela convergência de vários fatores. O uso imaginativo da informação, que a tecnologia digital torna possível, foi a pólvora e o pavio da coisa. Por uso imaginativo entenda-se o emprego da tecnologia para ganhar dinheiro fora do molde usual. Inovação é sobre isso. Na década passada, o computador pessoal e a internet passaram a oferecer aos consumidores um poder de barganha inédito, o que acabou levando o consumo a uma mudança radical. Exemplo: a tradicionalíssima Enciclopédia Britânica (quase 300 anos) entrou em colapso no início da década. A IBM, ex-líder absoluta do universo da tecnologia, experimentou um tenebroso inferno astral no mesmo período (perdeu bilhões de dólares, demitiu milhares de pessoas e sua auto-estima foi para o brejo). Houve vários infernos, cada um com características próprias, mas os culpados foram os suspeitos de sempre: o PC e a rede. A IBM inovou para não morrer, transmutando-se rapidamente (mas não sem dor) em uma empresa de serviços mais do que de tecnologia, como sempre fora. A Britânica sofreu proporcionalmente mais. Quebrou. Arranjou casamento novo, foi abandonada pelo noivo e acabou reemergindo, também como algo completamente diferente, e já com um segundo novo dono. Ah, se o mundo empresarial abrisse os detalhes de seus casos de auto-estima destroçada...
  • Os anos 90 marcaram uma virada no mundo dos negócios (lá fora e aqui) causada pela convergência de vários fatores. O uso imaginativo da informação, que a tecnologia digital torna possível, foi a pólvora e o pavio da coisa. Por uso imaginativo entenda-se o emprego da tecnologia para ganhar dinheiro fora do molde usual. Inovação é sobre isso. Na década passada, o computador pessoal e a internet passaram a oferecer aos consumidores um poder de barganha inédito, o que acabou levando o consumo a uma mudança radical. Exemplo: a tradicionalíssima Enciclopédia Britânica (quase 300 anos) entrou em colapso no início da década. A IBM, ex-líder absoluta do universo da tecnologia, experimentou um tenebroso inferno astral no mesmo período (perdeu bilhões de dólares, demitiu milhares de pessoas e sua auto-estima foi para o brejo). Houve vários infernos, cada um com características próprias, mas os culpados foram os suspeitos de sempre: o PC e a rede. A IBM inovou para não morrer, transmutando-se rapidamente (mas não sem dor) em uma empresa de serviços mais do que de tecnologia, como sempre fora. A Britânica sofreu proporcionalmente mais. Quebrou. Arranjou casamento novo, foi abandonada pelo noivo e acabou reemergindo, também como algo completamente diferente, e já com um segundo novo dono. Ah, se o mundo empresarial abrisse os detalhes de seus casos de auto-estima destroçada...
  • "De um lado, um sem-número de caminhões brancos do Wal-Mart descarregam caixas de mercadorias de milhares de fornecedores diferentes. Caixas de todos os tamanhos são depositadas em esteiras rolantes em cada ponto de carregamento, e as esteiras menores desembocam todas noutra maior. Pequenos afluentes de um grande rio. Vinte e quatro horas por dia, sete dias por semana, os caminhões dos fornecedores abastecem os 20 quilômetros de esteiras secundárias que, por sua vez, alimentam o grande rio principal de caixas cheias de produtos. Mas isso é só metade do espetáculo. Enquanto o rio do Wal-Mart corre, uma célula elétrica lê os códigos de barras de todas as caixas. Chegando ao outro extremo do prédio, o volumoso caudal volta a dividir-se em uma centena de regatos, nos quais braços elétricos separam as caixas conforme as lojas de destino, e conduzem cada uma para sua respectiva esteira rolante; esta transportará aqueles produtos até o caminhão que os espera para levá-los para as prateleiras de um Wal-Mart em alguns pontos dos EUA. Lá, um cliente vai pegar um desses produtos e levá-lo para a caixa, onde seu código de barras será lido por uma leitora ótica; neste exato momento será gerado um sinal, que vai atravessar toda a rede do Wal-Mart e chegará ao fornecedor daquele artigo - quer ele se localize no Maine ou no litoral da China. O sinal vai piscar na tela do computador do fornecedor, dizendo-lhe que fabrique outro item daquele e o envie pela cadeia de fornecimento, reiniciando todo o processo outra vez. Assim, basta o cliente tirar o produto de uma prateleira do Wal-Mart e passá-lo pela caixa para outro braço mecânico começar a fabricar seu substituto em algum lugar do mundo. É uma verdadeira sinfonia Wal-Mart em vários movimentos - só que sem um finale. A sinfonia vai se repetindo, repetindo, repetindo, 24 horas por dia, sete dias por semana, 365 dias por ano: entrega, seleção, embalagem, distribuição, compra, fabricação, novo pedido, entrega, seleção, embalagem..."
  • "De um lado, um sem-número de caminhões brancos do Wal-Mart descarregam caixas de mercadorias de milhares de fornecedores diferentes. Caixas de todos os tamanhos são depositadas em esteiras rolantes em cada ponto de carregamento, e as esteiras menores desembocam todas noutra maior. Pequenos afluentes de um grande rio. Vinte e quatro horas por dia, sete dias por semana, os caminhões dos fornecedores abastecem os 20 quilômetros de esteiras secundárias que, por sua vez, alimentam o grande rio principal de caixas cheias de produtos. Mas isso é só metade do espetáculo. Enquanto o rio do Wal-Mart corre, uma célula elétrica lê os códigos de barras de todas as caixas. Chegando ao outro extremo do prédio, o volumoso caudal volta a dividir-se em uma centena de regatos, nos quais braços elétricos separam as caixas conforme as lojas de destino, e conduzem cada uma para sua respectiva esteira rolante; esta transportará aqueles produtos até o caminhão que os espera para levá-los para as prateleiras de um Wal-Mart em alguns pontos dos EUA. Lá, um cliente vai pegar um desses produtos e levá-lo para a caixa, onde seu código de barras será lido por uma leitora ótica; neste exato momento será gerado um sinal, que vai atravessar toda a rede do Wal-Mart e chegará ao fornecedor daquele artigo - quer ele se localize no Maine ou no litoral da China. O sinal vai piscar na tela do computador do fornecedor, dizendo-lhe que fabrique outro item daquele e o envie pela cadeia de fornecimento, reiniciando todo o processo outra vez. Assim, basta o cliente tirar o produto de uma prateleira do Wal-Mart e passá-lo pela caixa para outro braço mecânico começar a fabricar seu substituto em algum lugar do mundo. É uma verdadeira sinfonia Wal-Mart em vários movimentos - só que sem um finale. A sinfonia vai se repetindo, repetindo, repetindo, 24 horas por dia, sete dias por semana, 365 dias por ano: entrega, seleção, embalagem, distribuição, compra, fabricação, novo pedido, entrega, seleção, embalagem..."
  • Nenhuma empresa, de nenhum setor, pode deixar de prestar tributo à deusa inovação - uma deusa vingativa e carente. Se você não a reverenciar, está fora do jogo. O problema é a variedade de seitas que se propõem a cultuá-la. Como navegar nesse emaranhado de opções? Como escolher a inovação certa para sua empresa? Ouvir gurus pode ser perigoso, pois você corre o risco de ficar travado, em pânico, bombardeado por todo lado. É que vão confundi-lo, entoando todo tipo de mantra relacionado à criatividade. Vão exortá-lo a pensar fora da caixa. Vão dizer que você tem de se "reinventar". Vão confrontá-lo com exemplos de grandes inovadores do mundo dos negócios (Bill Gates, Henry Ford) só para lembrá-lo de que você jamais será como eles. Pior: tentarão convencê-lo de que inovação é sobre o carisma de "pessoas especiais", ou que tem a ver com executivos que se inspiram em monges (ou algo assim, não li o livro), em "líderes servidores" (também não li, sem chance). Se esse negócio de inovação tem alguma importância (e tem), então não podemos ficar apenas nessa contemplação voyeurista do sucesso de outros. Temos de estudar essa coisa. Estudar para praticar, como se estuda medicina, engenharia, direito. Temos de aprender a fazer inovação. Para poder ser aprendida por pessoas comuns (não pelos "especiais" e "carismáticos", que só servem para nos humilhar). Inovação, como qualquer coisa, tem de poder ser codificada. Precisa ser transformada em disciplina.
  • A bissociação é a quebra de nossas expectativas de associação normal, sendo substituída pelo inusitado, surpresa ou choque. Isso gera uma situação engraçada e seria fonte do humor. Peça de Philippe Starck.
  • U ma construção em Guadalajara (sede da empresa), era um milagre. Engarrafamentos, estradas péssimas, compradores que não podiam receber na hora em que disseram que poderiam, tudo fazia com que a taxa de entregas no tempo certo fosse de menos de 35%. Para piorar: cada remessa não dura mais que 90 minutos no cilindro rotativo do caminhão. A Cemex promete entregar concreto mais rápido que pizza. Seus executivos estudaram a Federal Express, em Memphis, uma operação montada em torno da entrega de produtos perecíveis em qualquer lugar do mundo. Ficaram maravilhados com a utilização precisa de sistemas de informação. Foram visitar a central de atendimento do corpo de bombeiros em Houston. Os bombeiros respondiam a casos de ataque cardíaco, incêndios, alarmes falsos e emergências de toda sorte. Sempre havia um número adequado de ambulâncias e paramédicos para cada local da cidade. O pessoal da Cemex concluiu que o sistema funcionava porque, apesar de imprevisíveis individualmente, as emergências permitiam que fosse planejado um padrão de atendimento. Resolveram adotar o lema "se não chegar na hora, você não paga". A mesma promessa da Domino Pizza. É o cliente que fixa o prazo de entrega. Os caminhões ficam liberados para rodar por toda a cidade, gerenciados por um sistema de informações que cruza sua localização com os pedidos e o lugar em que a encomenda deve ser entregue, tudo levando em conta as condições do tráfego. Eles foram equipados com transmissores e receptores conectados a um sistema de localização por satélite. Informação precisa disponível para todos os motoristas e despachantes, que podem decidir o que fazer, direcionando o pedido para o caminhão mais bem posicionado para fazer a entrega. Os caminhões ficam liberados para rodar por toda a cidade, gerenciados por um sistema de informações que cruza sua localização com os pedidos e o lugar em que a encomenda deve ser entregue, tudo levando em conta as condições do tráfego.
  • "O tempo de montagem de um Boeing 737, que hoje é de 11 dias, era de 28 há poucos anos. Usando um software francês, os engenheiros russos (trabalhando na Rússia) colaboram com seus colegas da Boeing America - localizados em três cidades: Seattle,Wichita e Kansas - em projetos de aviões, auxiliados por computador. A empresa montou um dia de trabalho de 24 horas, composto por dois turnos em Moscou e um nos EUA. Desenhos são transmitidos para lá e para cá, por meio de alta tecnologia especializada. Há salas de videoconferência em todos os andares do escritório da Boeing em Moscou. Os engenheiros não dependem de e-mails quando têm de resolver alguma pendência técnica com seus colegas americanos".
  • O negócio de entregas de encomendas em geral é muito mal estruturado. A maior parte das empresas é de pequeno porte e compete só por preço. Recebe pedidos por telefone e os passa para um expedidor, que envia uma mensagem de rádio para localizar algum entregador livre. A idéia da inglesa eCourier é fazer tudo online. O cliente entra no site da empresa com os endereços de coleta e entrega, e o pedido é automaticamente direcionado para o mensageiro mais bem colocado para fazer o trabalho. Cemex? Não, eu disse eCourier, mas é a mesma coisa. Os clientes podem acompanhar o progresso do veículo de entrega em seu computador. A entrega é confirmada por e-mail. Os mensageiros usam GPS e computadores de mão para manter o sistema atualizado.
  • U ma construção em Guadalajara (sede da empresa), era um milagre. Engarrafamentos, estradas péssimas, compradores que não podiam receber na hora em que disseram que poderiam, tudo fazia com que a taxa de entregas no tempo certo fosse de menos de 35%. Para piorar: cada remessa não dura mais que 90 minutos no cilindro rotativo do caminhão. A Cemex promete entregar concreto mais rápido que pizza. Seus executivos estudaram a Federal Express, em Memphis, uma operação montada em torno da entrega de produtos perecíveis em qualquer lugar do mundo. Ficaram maravilhados com a utilização precisa de sistemas de informação. Foram visitar a central de atendimento do corpo de bombeiros em Houston. Os bombeiros respondiam a casos de ataque cardíaco, incêndios, alarmes falsos e emergências de toda sorte. Sempre havia um número adequado de ambulâncias e paramédicos para cada local da cidade. O pessoal da Cemex concluiu que o sistema funcionava porque, apesar de imprevisíveis individualmente, as emergências permitiam que fosse planejado um padrão de atendimento. Resolveram adotar o lema "se não chegar na hora, você não paga". A mesma promessa da Domino Pizza. É o cliente que fixa o prazo de entrega. Os caminhões ficam liberados para rodar por toda a cidade, gerenciados por um sistema de informações que cruza sua localização com os pedidos e o lugar em que a encomenda deve ser entregue, tudo levando em conta as condições do tráfego. Eles foram equipados com transmissores e receptores conectados a um sistema de localização por satélite. Informação precisa disponível para todos os motoristas e despachantes, que podem decidir o que fazer, direcionando o pedido para o caminhão mais bem posicionado para fazer a entrega. Os caminhões ficam liberados para rodar por toda a cidade, gerenciados por um sistema de informações que cruza sua localização com os pedidos e o lugar em que a encomenda deve ser entregue, tudo levando em conta as condições do tráfego.
  • ...mas se ainda não se achar pronto, nós te ajudamos a começar, fazendo algo parecido com o que o mercado já oferece. Lembre-se, Benchmark também é parte da criação e inovação! Por anos os japoneses imitaram os americanos, em fitas VHS e carros, até os superarem...
  • ...mas se ainda não se achar pronto, nós te ajudamos a começar, fazendo algo parecido com o que o mercado já oferece. Lembre-se, Benchmark também é parte da criação e inovação! Por anos os japoneses imitaram os americanos, em fitas VHS e carros, até os superarem...
  • ...mas se ainda não se achar pronto, nós te ajudamos a começar, fazendo algo parecido com o que o mercado já oferece. Lembre-se, Benchmark também é parte da criação e inovação! Por anos os japoneses imitaram os americanos, em fitas VHS e carros, até os superarem...
  • ...mas se ainda não se achar pronto, nós te ajudamos a começar, fazendo algo parecido com o que o mercado já oferece. Lembre-se, Benchmark também é parte da criação e inovação! Por anos os japoneses imitaram os americanos, em fitas VHS e carros, até os superarem...
  • ...mas se ainda não se achar pronto, nós te ajudamos a começar, fazendo algo parecido com o que o mercado já oferece. Lembre-se, Benchmark também é parte da criação e inovação! Por anos os japoneses imitaram os americanos, em fitas VHS e carros, até os superarem...
  • ...mas se ainda não se achar pronto, nós te ajudamos a começar, fazendo algo parecido com o que o mercado já oferece. Lembre-se, Benchmark também é parte da criação e inovação! Por anos os japoneses imitaram os americanos, em fitas VHS e carros, até os superarem...
  • ...mas se ainda não se achar pronto, nós te ajudamos a começar, fazendo algo parecido com o que o mercado já oferece. Lembre-se, Benchmark também é parte da criação e inovação! Por anos os japoneses imitaram os americanos, em fitas VHS e carros, até os superarem...
  • Criatividade Tempos Crise

    1. 1. Emanuel Campos Diretor do C. de Treinamentos 11 4332-2894 | 118272-3660 www.rstreinamentos.com.br Inovação
    2. 2. <ul><li>Inove ou Morra; </li></ul><ul><li>Metodologia da inovação; </li></ul><ul><li>Gestão do tempo para ser criativo; </li></ul><ul><li>É preciso ser organizado para ser criativo; </li></ul><ul><li>O que são softinnovations; </li></ul><ul><li>Cases; </li></ul>Agenda
    3. 3. Quais os gênios atuais? Steve Jobs - Apple Bill Gates - Microsoft
    4. 4. Quem são estes senhores? Criador do Cirque du Soleil, Guy Laliberté Sam Walton – WallMart
    5. 5. Como se tornar um gênio! E aqui é onde treinamos nossos funcionários a pensarem fora da caixa...
    6. 6. <ul><li>A sociedade industrial com sua ênfase na produção a qualquer custo nos estimulou a pensar e atuar racional; </li></ul><ul><li>Esta excluía toda e qualquer emoção a não ser a satisfação pelos triunfos obtidos vistos geralmente como lucros; </li></ul><ul><li>Acontece que quando tomamos decisões, estas poderão ser feitas de forma inteligente racional mas inevitavelmente também as emoções estarão presentes. – Gestalt; necessidade de diferencial! </li></ul>Entendendo o momento
    7. 7. <ul><li>Anos 90 foram os anos da virada do mundo dos negócios; </li></ul><ul><li>Uso imaginativo da informação, i.é, ganhar dinheiro fora do molde usual; </li></ul><ul><li>Computadores e internet deram grande poder de decisão e barganha ao consumidor; </li></ul>Inove ou Morra!
    8. 8. <ul><li>A enciclopédia Britânica, com 300 anos, faliu, mudou de dono e foi abandonada novamente, para finalmente voltar como serviços; </li></ul><ul><li>A IBM passou por inferno astral no mesmo período até reinventar-se como empresa de serviços; </li></ul>Inove ou Morra!
    9. 9. <ul><li>Empresas .com surgiram e morreram aos borbotões; </li></ul><ul><li>Quem sobreviveu ao Darwnismo digital, virou case: Yahoo, e-Bay, Amazon, Submarino; </li></ul>Inove ou Morra!
    10. 10. <ul><li>Grandes inovadores: Nokia,em telefonia; Toyota (há tempos), Wall-Mart no varejo; </li></ul><ul><li>No Brasil temos as Casas Bahia – crédito para baixa renda, GOL – serviço enxutos, passagens baratas; Itaú – maior banco do hemisfério Sul; </li></ul>Inove ou Morra!
    11. 11. Business Innovation...
    12. 12. Saturação de mídias 1940 1950 1960 1970 1980 1990 Revistas Revistas Revistas 1960 + 1970 + 1980 + Jornal Jornal Jornais Satélites CD Pay-per-View Teatro Teatro Teatros Outdoors PC CD-ROM Cartazes Cartazes Cartazes Apple DAT TriVision Rádio Rádio Rádios VT TV Estéreo DCC Cinema Cinema Cinemas Casas noturnas VCR VDO Disco Vinil Disco de Vinil Video Clips Backlight DVD Luminosos Luminosos Walkman Fax Internet Televisão Televisão Video - Games Pager Shows/eventos TV a Cabo Fitas Cassetes Real audio, etc
    13. 13. <ul><li>A inovação tem que gerar dinheiro (a deusa inovação é interesseira, além de carente); </li></ul><ul><li>Tem que representar uma quebra do molde estabelecido (IBM, DuPont (NyLon), Apple etc); </li></ul><ul><li>90% transpiração, 10% inspiração; </li></ul><ul><li>Conhecer bem as minúcias de cada elo envolvido; </li></ul><ul><li>Pensar aplicada e disciplinarmente sobre como eliminar gargalos em cada elo; </li></ul>Em fatos...
    14. 14. <ul><li>Criatividade </li></ul>
    15. 15. <ul><li>Existem diversas receitas no mercado, mas como escolher a inovação certa para sua empresa? Qual guru ouvir? </li></ul><ul><li>Pensar fora da caixa, reinventar você, todos os grandes gênios que você nunca será: Bill Gates, Henry Ford, Steve Jobs... </li></ul><ul><li>A inovação deve ser codificada, como qualquer disciplina, não pelos “especiais” que só fazem nos humilhar, nem cultuada de forma “voyerista”; </li></ul>Qual a receita da inovação?
    16. 16. <ul><li>Vá/volte ao/do trabalho por caminhos diferentes; </li></ul><ul><li>Almoce em lugares diferentes; </li></ul><ul><li>Pensamento lateral (Tenha um tempo para você); </li></ul><ul><li>Faça associações livres que busquem solucionar seu problema (bissociação); </li></ul><ul><li>Boa parte dos problemas são resolvidos no nosso momento de repouso – banho, sono etc. Se dê esse momento; </li></ul><ul><li>Faça novas atividades; </li></ul>Princípios básicos
    17. 17. <ul><li>1 – Preparação </li></ul><ul><li>2 – Geração de idéias </li></ul><ul><li>3 – Seleção de idéias </li></ul><ul><li>4 – A perfeição faz a prática </li></ul><ul><li>Ferramentas </li></ul><ul><li>BrainStorm & WritingStorm </li></ul><ul><li>Avaliação FISP </li></ul><ul><li>SWAT (ou FOFA) </li></ul><ul><li>Analogias </li></ul><ul><li>Análise Morfológica </li></ul>Ferramentas p/ criatividade
    18. 18. Inspiração Preparação Incubação Iluminação Verificação Princípios básicos
    19. 19. <ul><li>psico-afetivas, familiares, sexuais, anatômicas, espirituais, econômicas, culturais, tecnológicas, políticas etc.; </li></ul><ul><li>mentais, corporais, emocionais, espirituais; </li></ul><ul><li>existe a possibilidade de modelar nossas emoções, comportamentos e projetos de vida; </li></ul>Gestalt
    20. 20. <ul><li>1. Descrição precisa do problema; </li></ul><ul><li>2. Identificação de cada classe/variável; </li></ul><ul><li>As soluções possíveis são procuradas nas combinações entre classes; </li></ul><ul><li>Exemplo: desenvolvimento de cadeira giratória com 48 combinações; </li></ul>Análise Morfológica Variáveis Classe 1 Classe 2 Classe 3 Mecanismo de levantamento Mecânica À gás Espuma Laminada Injetada Revestimento Tecido Napa Altura do encosto Baixa Média Alta Braços Sem braços Com braços
    21. 21. <ul><li>M odifique </li></ul><ul><li>E limine </li></ul><ul><li>S ubstitua </li></ul><ul><li>C ombine </li></ul><ul><li>R earranje </li></ul><ul><li>A dapte </li></ul><ul><li>I nverta </li></ul>MESCRAI
    22. 22. <ul><li>Case Psion Série 3: </li></ul>MESCRAI & Morfológica
    23. 23. + = Bissociação & P. lateral
    24. 24. <ul><li>O bom uso destas ferramentas permite que mesmo produtos que não sejam um sucesso de funcionalidade se tornem sucesso de mercado, o consumidor gosta e se identifica com produtos que lembrem seu estilo de vida, que o façam parecer diferenciado e destacar-se, de novo, mesmo que estes produtos não sejam tão funcionais quanto seus equivalentes “sem graça”. </li></ul><ul><li>Alguns cases: </li></ul>Ferramentas de controle
    25. 25. Cases
    26. 26. Cases
    27. 27. Cases
    28. 28. <ul><li>Gestão do tempo </li></ul>
    29. 29. <ul><li>Problemas não solucionados; </li></ul><ul><li>Falta de tempo para projetos pessoais e família; </li></ul><ul><li>Falta de método; </li></ul><ul><li>Correria do trabalho; </li></ul>Nós ouvimos vozes...
    30. 30. <ul><li>Você chega ao trabalho super criativo; </li></ul><ul><li>... Então seu telefone toca; </li></ul><ul><li>... Aquele e-mail não enviado é cobrado; </li></ul><ul><li>... Sua caixa postal lhe toma muito tempo; </li></ul>Nós ouvimos vozes...
    31. 31. <ul><li>Identifique seu período mais criativo do dia; </li></ul><ul><li>Descubra o seu método de criar e de produzir; </li></ul><ul><li>Mantenha sua rotina; </li></ul><ul><li>Se precisar, acorde mais cedo! </li></ul>Nós ouvimos vozes...
    32. 32. <ul><li>Aprenda a dizer não, delegue mais; </li></ul><ul><li>Definir seu objetivos; (quem não sabe onde quer ir, não chegará a lugar nenhum nunca); </li></ul><ul><li>Cumprir seus compromissos e planejar o futuro; </li></ul><ul><li>Tenha uma missão pessoal, além da empresa; </li></ul>Nós ouvimos vozes...
    33. 33. <ul><li>Planeja 75% da sua semana; </li></ul><ul><li>Tenha uma lista de tarefas; </li></ul><ul><li>Siga o modelo GTD (Get Things Done); </li></ul><ul><li>Faça planejamento da semana toda semana (ou na sexta anterior ou na segunda pela manhã); </li></ul>Nós ouvimos vozes...
    34. 34. Consiga as coisas feitas!
    35. 35. Marcas
    36. 36. Invente seu próprio iPhone...
    37. 37. <ul><li>“ No passado eram as maiores empresas que ganhavam das menores, hoje são as mais rápidas que ganham das mais lentas”~ John Chambers, presidente da Cisco Enterprise </li></ul><ul><li>“ Toda manhã na África, acorda uma gazela, e ela sabe que deve correr, ou o leão irá devorá-la. Toda manhã, na África acorda um leão, e ele sabe que deve correr, ou sua presa irá escapar. Não importa se você é caça ou caçador, o importante é estar correndo!” ~ anônimo. </li></ul><ul><li>Emanuel Campos – Diretor do Centro de Treinamentos </li></ul><ul><li>www.rstreinamentos.com.br | 11 4332-2894 | 11 8272 3660 </li></ul><ul><li>[email_address] </li></ul>Duvidas?
    38. 38. <ul><li>OECH, Roger; Um TOC na cuca ; Editorade Cultura; </li></ul><ul><li>GOLDRATT, Eliyahum; A META ; Editora Nobel; </li></ul><ul><li>ROSENZWEIG, Phil; Derrubando Mitos ; Editora Globo; </li></ul><ul><li>BAXTER, Mike R.; PROJETO DE PRODUTO : GUIA PRÁTICO PARA O DESIGN DE NOVOS PRODUTOS , 2ª edição, São Paulo, blucher, 2000; </li></ul><ul><li>Artigo Época, INOVE ou MORRA, Clemente Nóbrega, http://epocanegocios.globo.com/Revista/Epocanegocios/0,,EDR77221-8382,00.html , 10/11/2008 </li></ul><ul><li>Palestra “Construa e eles virão”; Michel Lentz; http://www.slideshare.net/mlent68/palestra-mackenzie-24102006 - 14/11/2008, 14:00 </li></ul><ul><li>Palestra “Um “toc” na cuca”; Universidade UNICAMPS; </li></ul><ul><li>Palestra “Time Management for creative people” http://wishful.fileburst.com/creativetime.pdf 18/11/2008 </li></ul>Bibliografia
    39. 39. Obrigado!

    ×