SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 49
Baixar para ler offline
INGLÊS
TEXT I
“Childhood damaged” by over-testing, says poet laureate
Children in England's schools are being damaged by a culture of "incessant testing", says a group of academics and writers,
including poet laureate Carol Ann Duffy. They have written to The Times, warning that changes to the curriculum and targets
are harmful for children. The letter warns of "devastating consequences" for childhood.
A Department for Education spokesman said schools now had greater "freedom to innovate and inspire". The letter, with 198
signatories, argues that the increasing pressure to improve test results will create a narrowing education for children, with
teachers put in a "strait jacket" of targets.
The academics and writers call for a consensus among teachers, parents and politicians about the "future of education".
"Competition between children through incessant testing and labelling results is a public sense of failure for the vast majority,"
says the letter to the Times.
"These damaging developments must stop. If they go ahead, there will be devastating consequences for children's mental
health, for future opportunities and most importantly, for the quality of childhood itself."
The theme of getting the balance right between academic testing and children's well-being was also raised by Tim Hands,
chairman of the Headmasters' and Headmistresses' Conference (HMC), which is holding its annual conference. Mr Hands,
speaking on Monday, criticised political interference in education – "the long interfering arm and dead restraining hand of
government" – and said that the "principles of commercial accountability" had been applied to schools in a way that was
"flawed".
(Adaptado de http://www.bbc.com/news/education-24345834. Acesso em 18.04.2014)
01. O problema escolar apontado no texto refere-se à/ao:
A) modelo dos testes aplicados em sala.
B) excesso de tempo gasto para realizar as avaliações.
C) quantidade excessiva de testes realizados pelos estudantes.
D) realização de testes fora da sala de aula.
E) substituição dos testes por trabalhos.
02. Segundo os argumentos da carta enviada ao The Times, a pressão para a melhora dos resultados nos testes pode apresentar
como consequência:
A) ampliação dos conhecimentos dos estudantes.
B) desenvolvimento de novas metodologias de ensino.
C) aumento do tempo de estudo na escola.
D) educação mais restrita oferecida aos estudantes.
E) aumento das notas dos alunos.
03.
Responda às seguintes perguntas de acordo com a tirinha cômica acima.
A tirinha cômica sugere:
A) que ele não quer trabalhar.
B) ele tem livre acesso a qualquer coisa.
C) ele descobriu uma maneira de adquirir um trabalho fácil.
D) que precisava de ajuda para encontrar um trabalho fácil.
E) o seu amigo vai levá-lo para seu primeiro dia de trabalho.
2
04. Cartuns são produzidos com o intuito de satirizar comportamentos humanos e assim oportunizam a reflexão sobre nossos
próprios comportamentos e atitudes. Nesse cartum, a linguagem utilizada pelos personagens em uma conversa em inglês
evidencia que:
(http://www.energia.com.br/simulados/sim_enem_13)
A) independentemente de como os indivíduos se expressem, o diálogo é sempre possível.
B) a amizade vai além das diferenças existentes.
C) as diferenças não são pedras no caminho do estabelecimento de regras.
D) a adoção de uma língua universal viabilizaria a comunicação entre indivíduos de diferentes origens.
E) as palavras podem exercer diferentes funções dependendo do contexto em que são utilizadas.
TEXT II
Blowin' in the wind
How many roads must a man walk down
Before you can call him a man?
How many seas must a white dove sail
Before she can sleep in the sand?
Yes and how many times must cannonballs fly
Before they're forever banned?
The answer, my friend, is blowin' in the wind
The answer is blowin' in the wind
Yes and how many years can a mountain exist
Before it's washed to the sea
Yes and how many years can some people exist
Before they're allowed to be free?
Yes and how many times can a man turn his head
Pretend that he just doesn't see?
The answer, my friend, is blowin' in the wind
The answer is blowin' in the wind
Yeah and how many times must a man look up
Before he can see the sky?
Yes and how many ears must one man have
Before he can hear people cry?
Yes and how many deaths will it take till he knows
That too many people have died
The answer, my friend, is blowin' in the wind
The answer is blowin' in the wind?
(Bob Dylan)
05. Bob Dylan foi aclamado como o poeta da mídia de massa por suas canções de protesto que abordavam temas sociais e
culturais emergentes nos movimentos estudantis da década 1960 nos Estados Unidos. Muitos trechos de suas canções
transformaram-se em slogans de manifestações políticas e protestos de rua. Na canção Blowin'in the wind Bob Dylan se
refere:
A) à indignação da população Americana em relação à participação dos EUA em inúmeras guerras atribuídas à política
imperialista do governo americano.
B) à indiferença das pessoas aos males decorrentes de uma sociedade cruel e opressora.
C) à inevitável revolução cultural que se desencadeava no mundo.
D) à Guerra Fria nutrida por ideologias antagônicas até o final do século passado.
E) à destruição do hábitat de aves migratórias americanas.
(http://www.energia.com.br/simulados/sim_enem_13)
3
TEXT III
London: home and family
Women in the late 19th
century gave birth, on average, to 4.6 children during their lifetime. By the 1950s the average had
surprisingly fallen to 2.19 children per woman. By the end of the century it dropped to 1.76 children per woman and has kept
on falling dramatically so far. Family reduction was partly a consequence of women’s changing status. The 20th
century saw
women enter the workforce and enjoy more choices about their lives, including the choice not to marry and have children.
Contraception was another factor. The issue of birth control was firstly brought out into the open in 1921 by Marie Stopes.
Stopes' work dispelled some of the taboos surrounding birth control, but the real revolution occurred in the 1960s with the
arrival of the oral contraceptive pill. Smaller families and more choices for women also meant smaller households, more
people living alone, more one-parent families, and more unwed parents. By the 1990s, for example, a third of all households in
London were single-person households.
06. Responda à questão de acordo com o texto acima.
A sentença correta sobre o texto é:
A) As mulheres no fim do século 19 não tinham mais filhos que hoje.
B) Contracepção foi outro fator usado pelas mulheres como mudança de atitude no século 20.
C) Londrinos modernos buscam métodos contraceptivos não tão confiáveis.
D) As mulheres do século 20 se envolvem em relacionamentos profundamente comprometidos.
E) Métodos contraceptivos, por outro lado, nunca são responsáveis por redução de família.
07. Leia o cartum abaixo e marque a resposta que transmite a mesma ideia existente na tirinha.
A) A apólice do seguro cobre todos os sinistros, inclusive morte parcial.
B) Há cobertura parcial na apólice estendida a zumbis.
C) A apólice só funciona se a pessoa estiver morta.
D) Quem dá garantia de cobertura da apólice é a polícia.
E) Os clientes zumbis têm cobertura especial na apólice
08. Regionalismo é sempre assunto que gera discussão seja entre especialistas em línguas ou os meros usuários delas.
Baseando-se no texto abaixo, marque a alternativa correta.
The Dictionary of American Regional English
Joan Houston Hall, a lexicographer, is concerned about the use of regionalisms throughout
the country. She works in one of America’s most ambitious lexicographical projects,
which culminates with the publication of a dictionary by Harvard University Press, 50
years after the project was inaugurated by Frederic G. Cassidy.
Mr. Cassidy, who died in 2000, did not make it to the end of the alphabet. But to scholars
and language lovers the work he set in motion is an invaluable guide to the way
Americans not only speak but also live. The dictionary includes nearly 60,000 terms, many of them reflecting the country’s
rural and agricultural past. But among the pages and pages of names for wildflowers and farm implements, DARE, as the
dictionary is commonly known, includes enough newer terms to suggest that the state of regional English isn’t quite as bad
as may suggest the laments about the homogenizing forces of urbanization, mass media and the Internet.
4
Ms. Hall recognizes that the extremes of regional speech are disappearing; however, she is pleased to find out that there are
still lots of regional words. If it has become harder to find many different terms for outdated expressions, that’s partly
because people today are more likely to be talking about fast food or traffic. In fact, in the age of Twitter and Facebook,
linguists say, the interactions that most powerfully shape our speech are still local and face to face. In sum, American
English actually has more words for the same things than ever before.
A) O Dictionary of American Regional English é o resultado de um dos mais simples projetos lexicográficos da América.
B) O Dictionary of American Regional English não é conhecido como DARE.
C) O dicionário, que é um produto de um grupo de estudantes de Harvard, consiste em quase 60.000 termos.
D) Joan Houston Hall é a única responsável pelo dicionário lexicográfico publicado pela Universidade de Harvard.
E) A inclusão de termos mais recentes no Dictionary of American Regional English sugere que a situação de inglês
regional não é tão ruim.
09. No cartum abaixo, pai e filho dialogam sobre estudos. Marque a alternativa correta em relação ao diálogo do cartum.
“This college is very expensive, but when you graduate
they give you a diploma, house, car, wife, kids and a dog.”
A) A faculdade é barata e o aluno ganha prêmios.
B) A faculdade é cara, mas o Reitor dá vários prêmios aos formandos.
C) A faculdade é cara, porém com este diploma, consegue-se tudo na vida.
D) A faculdade nem é cara nem barata e os alunos não precisam estudar muito.
E) Não importa aprender, o que importa é ter um diploma.
10. A canção HAPPY tem sido executada por todo o mundo. Analise a letra desta canção e marque a alternativa que
corresponde à mensagem nela presente.
Happy
It might seem crazy what I'm about to say
Sunshine she's here, you can take a break
I'm a hot air balloon that could go to space
With the air, like I don't care baby by the way
Because I'm happy
Clap along if you feel like a room without a roof
Because I'm happy
Clap along if you feel like happiness is the truth
Because I'm happy
Clap along if you know what happiness is to you
Because I'm happy
Clap along if you feel like that's what you wanna do
Here come bad news talking this and that
Yeah, well, gimme all you got and don't hold back
Yeah, well I should probably warn you I'll be just fine
Yeah, no offense to you don't waste your time
Here's why…
(Pharrell Williams)
A) Os versos mostram uma visão sem esperança da vida.
B) A letra traz apenas problemas e negativismo.
C) A canção mostra como é simples viver e ser feliz.
D) A pessoa diz que vai ficar muito infeliz.
E) Um dos versos diz para as pessoas gastarem tempo com coisas importantes.
5
ESPANHOL
TEXTO I
Cocina de bichos
No es para sorprenderse, pero la Organización para la Agricultura y la Alimentación de Naciones Unidas trabaja en una
política para promover insectos como alimento en todo el mundo. Resulta que escarabajos, grillos y muchos otros insectos son
bastante nutritivos. Una ración de saltamontes pequeños, por ejemplo, contiene casi la misma cantidad de proteínas que la
carne molida. Y los insectos pueden criarse a menor precio y en extensiones pequeñas. Unas 1000 especies ya forman parte de
la dieta humana: los mexicanos licúan gusanos del maguey para hacer salsas, los tailandeses fríen en abundante aceite la
chinche acuática gigante y los aborígenes australianos comen hormigas que saben a limón.
Como la población mundial se acerca a 7 000 millones, la FAO (Organización para la Agricultura y la Alimentación) ve la
cría de insectos como una acción hacia la seguridad alimentaria, tema para su próxima conferencia sobre entomofagia, la
práctica de comer insectos. Crear platillos delicados en Occidente para tragarse la idea constituye el reto más grande, dice el
entomólogo Gene DeFoliart, que tiene inclinación por las termitas. “Es hora de tomar esto en serio”, dice.
Cuando lo hagamos, una mosca en tu sopa podría ser cortesía del chef.
(HOLLAND, Jennifer S. “Cocina de bichos”)
01. Muito se discute sobre o problema da alimentação no mundo e sempre buscando-se uma solução factível já que a
população mundial continua aumentando. Levando em consideração essa situação e tendo como base o texto, qual é a
posição da FAO sobre o assunto?
A) Afirma que todos os insetos são muito nutritivos.
B) Diz que a fome está aumentando no mundo.
C) Vê com bons olhos introduzir a ingestão de insetos na alimentação das pessoas.
D) Indica que os insetos devem ser comidos sempre moídos.
E) Mostra-se contrário quanto ao consumo de alguns insetos.
TEXTO II
Chile apoya acuerdo entre EE.UU y Rusia para destruir el arsenal químico sirio
El gobierno respaldó hoy el acuerdo entre Rusia y EE.UU. para destruir el arsenal químico sirio y dijo esperar que ayude a
generar las condiciones que conduzcan a una solución política del conflicto en Siria.
La cancillería llamó también a todas las partes involucradas en la guerra “a cumplir con los compromisos adquiridos y a
efectuar prontamente acciones concretas para lograr una solución pacífica”. Además, solicitó a Siria que garantice el libre
acceso a los inspectores de Naciones Unidas en su labor de supervisar la eliminación del armamento químico, cuyo uso –
resalta – “es absolutamente inadmisible” y “constituye una grave amenaza a la paz y la seguridad internacionales”.
02. Sobre a situação do arsenal químico sírio e levando em consideração o texto acima, fica clara a postura do governo chileno
que é:
A) intervir militarmente nos enfretamentos civis.
B) respaldar a decisão do Poder Executivo da Síria.
C) acabar com as exportações das armas químicas.
D) ajudar na geração de condições para que se chegue a uma solução na Síria.
E) apoiar a Síria em qualquer que seja seu posicionamento.
03. No segundo parrágrafo está exposto que o governo chileno se dirigiu:
A) aos inspetores das nações unidas.
B) às autoridades russas e estadunidenses.
C) às partes beligerantes.
D) aos fabricantes de armas massivas.
E) ao governo russo.
TEXTO III
Nicaragua relanzó la ciudad de Granada como destino turístico, tras realizar una inversión de 1,9 millones de dólares (1,4
millones de euros), informó en una nota de prensa “visitanicaragua.com”. Los fondos, según la vicepresidenta ejecutiva del
Instituto Nicaragüense de Turismo (INTUR), Anasha Campbell, provienen de un préstamo que realizó el Banco
Interamericano de Desarrollo (BID) al país. Para el relanzamiento se amplió la calle La Calzada, el Parque Azul, el
monumento a Rubén Darío y el malecón de Granada en su entorno. Además se trabajó en la iluminación de las calles, así como
en la construcción de un puente y de andenes peatonales, entre otras obras.
6
Noches de serenata
Las obras vienen a fortalecer a Granada como destino turístico, articulando lo que es el circuito urbano, con la unión del
Lago de Granada y la ciudad. El objetivo de este relanzamiento turístico de Granada es dar un salto cuantitativo y cualitativo
en la oferta turística actual, así como satisfacer las demandas de los turistas nacionales y extranjeros. Por su parte, la alcaldesa
de Granada, Julia Mena, anunció que realizarán las “Noches de Serenata”, cada 15 días, en diferentes destinos turísticos de
Granada, para promocionar la gastronomía, el arte y costumbres de “La Gran Sultana”, como se reconoce también a la ciudad.
04. Segundo a responsável do órgão nicaragüense dedicado ao turismo, em relação à promoção da cidade de Granada:
A) foi executada com recursos do município.
B) foi possível depois do pagamento dos credores.
C) depois de um ajuste das finanças do país se pode investir nessa cidade.
D) arrecadação através de festas noturnas.
E) foi viabilizada através de recursos recebidos do BID.
TEXTO IV
05. A charge mostra a violência contra a mulher no decorrer do tempo. Depois de observar os quatro quadros entende-se que os
diretos da mulher:
A) melhoraram durante um período da história.
B) continuam sem ser respeitados.
C) ganharam força na atualidade.
D) estão definidos desde sempre.
E) são iguais aos direitos dos homens.
TEXTO V
El presidente de Fedecámaras, el empresario J. Roig, hizo un nuevo llamado este martes al Gobierno Nacional para sentarse
a debatir sobre la situación económica del país, que en su opinión es la que está marcando la pauta en Venezuela. “La palabra
clave es la confianza, sin ella por más medidas y organismos que se creen no vamos a recuperar la senda para el crecimiento
económico (…) Reiteramos el llamado para sentarnos en una mesa, Venezuela así nos lo está reclamando”, manifestó.
El presidente de la Federación de Cámaras y Asociaciones de Comercio y Producción de Venezuela indicó que les
sorprendió la importación de 600 millones de dólares en alimentos desde Colombia, y apuntó que esa cantidad pudo haber sido
de provecho para la reactivación del aparato productivo en Venezuela.
Sobre las acusaciones de una guerra para desabastecer, Roig dijo: “Los empresarios no sabemos nada de guerra; lo que
sabemos es producir y queremos producir. Un empresario por naturaleza quiere crecer, tener mayor bienestar para sus
trabajadores; ninguno quiere estrangular la economía”.
(Disponível em: <http://www.el-nacional.com/economia/Roig-empresario-naturaleza-estrangular-economia_0_265773480.html>. Acesso em: 17 abr. 2014.
(Adaptado).)
06. A Venezuela tem passado por sérias crises no tocante à produção e venda de alimentos. Sobre este tema o texto menciona o
presidente da “Federación de Cámaras y Asociaciones de Comercio y Producción”, o mesmo , no primeiro parágrafo:
A) declina a solicitação do governo para negociar.
B) renova uma oferta de diálogo.
C) relativiza a importância da economia.
D) reativa as negociações paralizadas.
E) não crê que a crise seja preocupante.
7
07. Ao mencionar a importação de alimentos colombianos por parte da Venezuela, o empresário J. Roingg mencionou que essa
operação havia:
A) reativado o trabalho da federação.
B) impulsionado a economia venezuelana.
C) gerado surpresa para ele.
D) dado um resultado menor do que a demanda.
E) diminuído a crise no país.
TEXTO VI
UN RETRETE SOSTENIBLE
Uno de los hombres más ricos del mundo, Bill Gates, ha lanzado una iniciativa industrial para reinventar el retrete y
conseguir que un utensilio tan necesario para atender las necesidades del 40% de la población mundial que no tiene acceso al
agua, a la electricidad, ni a los sistemas de tratamiento de deshechos. “Los retretes – dice el propietario de Microsoft – son
extremadamente importantes para la salud pública. En el mundo hay 2.500 millones de personas sin acceso a una red sanitaria,
incluyendo 1.000 millones que defecan al aire libre y otros 1.000 millones que aún usan las letrinas. A parte de una cuestión de
dignidad humana, esto crea una barrera sanitaria y económica para las comunidades más pobres y daña el medio ambiente”.
Habrá que darle la razón.
Está por ver que las soluciones que patrocina Bill Gates cuajen en un modelo industrial utilizable en todo el mundo.
(PONTE, José Manuel. Un retrete sostenible. Disponível em: <http://www.farodevigo.es/opinion/2012/21/retrete-sostenible/675687.html>. Acesso em: 20 abr.
2014. (Adaptado).)
08. A estrutura sanitária ainda não realidade para toda população do planeta, ainda que seja necessária. O projeto de Bill Gates
tem como propósito:
A) promoção dos seus produtos.
B) modernizar a indústria.
C) economizar energia.
D) economizar água.
E) universalizar um bem.
09. A expressão: “ Habrá que darle la razón”, transmite que o autor, diante da proposta mencionada, reage com:
A) entusiasmo.
B) incredulidade.
C) conformidade.
D) desconfiança.
E) negatividade.
TEXTO VII
10. Observando a linguagem verbal e não verbal da charge, observa-se que a proposta feita pelo patrão:
A) procura melhorar as condições de trabalho do operário.
B) parte da constatação do abuso exercido pelos intermediários.
C) é feita de uma posição marcada de poder e autoridade.
D) tem como fundamento a insatisfação do trabalhador com os sindicatos.
E) é feita em pé de igualdade de direitos.
8
PORTUGUÊS
TEXTO
Por incrível que pareça, num mundo saturado de informações como o nosso, é comum ouvir alguém reclamar da falta de
tempo para ler. Na época das mídias sociais e do compartilhamento massivo de conteúdos – principalmente sob a forma escrita
– é praticamente impossível digerir tudo o que a vida digital nos oferece. Uma simples conferida no Twitter ou no Facebook,
por exemplo – seja no computador, tablet ou smartphone – já é suficiente para descobrirmos dúzias de links com leituras de
cuja existência não suspeitávamos até outro dia, tamanha é a circulação de textos a que a internet dá vazão.
– As pessoas não vão mais atrás das informações, é a informação que vai atrás delas. Você determina centros de interesse,
aquilo que você realmente quer ver, e essas informações chegam conforme vão sendo produzidas – explica Thales Schmalz
Toniolo, pós-graduado em Engenharia de Software e professor dos cursos de MBA da Fiap em São Paulo.
(MURANO, Eduardo. Para ler depois: aplicativos de leitura e agregadores de conteúdo ajudam a dar ordem no mar de informações da era digital. Revista
Língua Portuguesa. Ano 9, num. 101, mar. 2014, p. 21.)
11. As tecnologias de comunicação mais contemporâneas vêm alterando o modo como os indivíduos têm acesso aos objetos e
práticas de leitura. Segundo o texto, em nosso tempo, as informações são marcadas por duas particularidades:
A) a evidente saturação e a simplificação excessiva.
B) a superficialidade intelectual e a rapidez de circulação.
C) a expressiva quantidade e a possibilidade de escolha.
D) a suspeita sobre sua validade e a facilidade de acesso.
E) a antecipação aos leitores e a sincronia entre produção e recepção.
TEXTO
Se hoje a diversidade de variedades linguísticas põe em xeque o mito da unidade linguística brasileira – já que os diferentes
agrupamentos sociais que nos formam não falam exatamente o mesmo português –, pensar em tal unidade seria impossível
analisando os falares do nosso Brasil colônia.
A convivência entre falantes do português e falantes de diferentes línguas indígenas resultou no surgimento de línguas de
contato de base indígena, as chamadas línguas gerais, cuja formação é discutida na dissertação de Wagner Argolo: Introdução
à história das línguas gerais no Brasil: processos distintos de formação no período colonial [...]
Dentro do quadro plurilíngue do Brasil colônia, duas línguas gerais foram razoavelmente descritas: a Língua geral paulista
– falada na costa brasileira –, surgida em contexto de grande miscigenação entre brancos portugueses e índias tupinambás
(língua essa documentada por Anchieta), e a Língua Geral Amazônica, que resultou no nheegatu, idioma ainda falado no
município de São Gabriel da Cachoeira e entre grupos de índios munducurus, nas margens do Amazonas.
(MÓDOLO, Marcelo; BRAGA, Henrique. Em busca da língua perdida: mestrando da UFBA analisa formação e distribuição de línguas gerais no Brasil
colônia. Revista Língua Portuguesa. Ano 9, num. 102, mar. 2014, p. 30.)
12. As línguas gerais são uma realidade da história do Português Brasileiro. Sua comprovada presença em nossa história
linguística reforça a:
A) predominância da cultura do colonizador, que, desde sempre, silenciou os hábitos culturais dos colonizados.
B) evidente unidade histórica do português brasileiro, que, transplantado de Portugal, manteve-se coeso em nosso
território.
C) diferença entre as normas históricas do português brasileiro, que, de modo mais ou menos marcado, tenderam sempre
uma rigorosa aproximação do português europeu.
D) percepção da heterogeneidade constitutiva do português brasileiro, que, desde seus primeiros momentos, manifesta-se
em pluralidade.
E) força de duas normas linguísticas, que, no contexto do Brasil colonial, mantiveram-se como as únicas formas de
comunicação no território.
TEXTO
Por séculos, um desvio da norma gramatical foi considerado erro e ponto. A sociedade dividia-se, portanto, entre os que
sabiam falar a própria língua e os que não sabiam.
Com o advento da linguística evolutiva, da sociolinguística e sobretudo dos estudos de William Labov sobre variação, o
chamado erro gramatical passou a ser visto como um fato natural da linguagem. Remonta, por sinal, aos linguistas histórico-
comparativos do século 19 o lema de que o erro de hoje poderia ser a norma gramatical de amanhã.
No entanto, essa visão mais benevolente do desvio levou em alguns casos a uma confusão entre erro e evolução: o desvio
pode vir a tornar-se norma, mas não necessariamente se tornará. Como numa reação contra séculos de doutrinação gramatical e
estigmatização da fala dos menos instruídos, alguns teóricos passaram equivocadamente a supervalorizar o erro e a relativizar a
importância da língua padrão.
(BIZZOCHI, Aldo. A cultura da evolução livre. Revista Língua Portuguesa. Ano 9, num. 102, mar. 2014, p. 48.)
9
13. O advento dos estudos linguísticos produziu uma nova forma de perceber as questões de linguagem, especialmente aquelas
relacionadas à noção de erro. O impacto do olhar linguístico sobre os desvios da norma gramatical é caracterizado:
A) pelo reforço da segregação entre aqueles que sabem e aqueles que não sabem falar a língua.
B) pela compreensão de que os desvios do padrão são próprios e constitutivos da linguagem.
C) pela defesa de que o desvio da norma é uma prévia segura da realidade futura da língua.
D) pela associação entre as noções de erro e evolução no tratamento dos fatos de língua.
E) pelo excesso de valor atribuído ao erro e pelo desprezo das outras manifestações da língua.
TEXTO
Faz um bom tempo já que se firmou entre os pesquisadores da área da educação linguística a convicção de que a função
primordial da escola, no que diz respeito à pedagogia da língua materna, é promover o letramento de seus aprendizes. E para
essa promoção do letramento, as atividades fundamentais são a leitura e a escrita, com foco na diversidade de gêneros textuais
que circulam em sociedade.
Além da leitura e da escrita, também tem espaço em sala de aula para a reflexão sobre a língua e a linguagem. Essa
reflexão deve ser feita primordialmente através das chamadas atividades epilinguísticas, aquelas que não recorrem à
nomenclatura técnica (a metalinguagem), de modo a permitir o percurso uso → reflexão → uso. Isso, logo de saída, implica
que tais atividades só podem ser feitas a partir de textos autênticos, falados e escritos, dos quais se possa depreender o
funcionamento da língua na construção dos sentidos. O enfoque deve ser, portanto, essencialmente semântico-pragmático-
discursivo: as reflexões sobre os aspectos especificamente gramaticais precisam ser lançadas contra esse pano de fundo
semântico-pragmático-discursivo, de modo a conscientizar o aprendiz de que os recursos disponíveis na língua são ativados
essencialmente para a produção de sentido e a interação social.
(BAGNO, Marcos. Gramática Pedagógica do Português Brasileiro. São Paulo: Parábola, 20101. p. 19-20)
14. Em sua reflexão sobre a função da escola na pedagogia da língua materna, o linguista Marcos Bagno manifesta:
A) um pensamento comprometido com a supremacia da norma padrão sobre as outras realidades da língua.
B) uma ideologia associada à negação do ensino do padrão formal da língua nas escolas.
C) uma postura excessivamente normativa, que se pauta na repetida prática de diferenciar “certo” de “errado”.
D) um interesse pela articulação entre usos de linguagem e os usos e valores sociais.
E) uma negação da oralidade e um interesse mais imediato no registro escrito.
TEXTO
O texto eletrônico reintroduz na escrita algumas coisas das línguas formais que buscavam uma linguagem simbólica capaz
de representar adequadamente os procedimentos do pensamento. Era assim que Condorcet chamava a atenção, em Esquisse
d’um tableau historique des progrès de l’espirit humain (1988), para a necessidade de uma língua comum, apta a formalizar as
operações do entendimento e os raciocínios lógicos e que fosse traduzível em cada língua particular. Essa língua universal
deveria ser escrita mediante signos convencionais, símbolos, quadros e tabelas, todos esses “métodos técnicos” que permitem
captar as relações entre os objetos e as operações cognitivas (Chartier, 1996). Se Condorcet vinculava estreitamente o uso
dessa língua universal à invenção e à difusão da imprensa no mundo contemporâneo, é em relação com a textualidade
eletrônica que se esboça um novo idioma formal imediatamente decifrável por todos. É o caso da invenção dos símbolos, os
emoticons, como se diz em inglês, que utilizam de maneira pictórica alguns caracteres do teclado (parênteses, vírgula, ponto e
vírgula, dois pontos) para indicar o registro de significado das palavras: alegria :-) tristeza :-( ironia ;-) ira :-@... ilustram a
procura de uma linguagem não-verbal e que, por essa mesma razão, possa permitir a comunicação universal das emoções e o
sentido do discurso.
(CHARTIER, Roger. Os desafios da escrita. São Paulo: Editora UNESP, 2002. p.17)
15. Como é sabido, os emoticons são instrumentos de comunicação bastante produtivos nas interações linguísticas mediadas
pelas novas tecnologias. No dizer de Chartier, esses códigos podem ser pensados como uma:
A) ameaça ao código verbal, que, enfraquecido pelos emoticons, perde parte de seu poder de comunicação.
B) forma de comunicação que pode substituir determinadas diferenças linguísticas entre idiomas.
C) opção de comunicação para os que não passaram pelos processos formais de alfabetização e letramento.
D) possibilidade de interação mais geral, que pode ser significada e entendida também em contextos mais particulares.
E) ressignificação do código verbal e substituição dos sentidos que determinados símbolos produzem.
TEXTO
Fantástico mostra como é compra de vagas em faculdades de medicina
Os próprios pais negociam com as quadrilhas e pagam para que os filhos sejam aprovados nos vestibulares sem precisar
estudar.
Neste domingo (27), o Fantástico vai denunciar uma fraude escandalosa: alunos em todo o Brasil comprando vagas nas faculdades
de medicina.
Os criminosos chegam a pedir R$ 90 mil para garantir vagas a candidatos que estão prestando vestibular.
Os próprios pais negociam com as quadrilhas e pagam para que os filhos sejam aprovados nos vestibulares sem precisar estudar.
(Disponível em <http://g1.globo.com/fantastico/noticia/2013/01/fantastico-mostra-como-e-compra-de-vagas-em-universidades-de-medicina.html>.
Acesso em: 05 maio. 2014)
10
16. Considerando as características e a finalidade comunicativa do gênero, pode-se considerar que o uso da expressão “compra
de vagas”, formada por uma ação nominal (compra) e um termo de valor paciente (de vagas), tem, no contexto do texto em
questão, a finalidade de:
A) impedir a total apreensão da mensagem, já que, mesmo que se evidencie o paciente, o agente da ação está expresso.
B) garantir a coesão, uma vez que evita a repetição do termo “comprar”, verbo que origina o substantivo “compra”.
C) atrair o leitor para a leitura completa do texto, visto que expressa uma ação, mas não evidencia, em primeiro momento,
todas entidades envolvidas em sua realização.
D) reforçar a prudência constitutiva do fazer jornalístico, pois, como se sabe, não é correto fazer acusações quando os
agentes das ações não são conhecidos.
E) omitir a referência aos agentes da ação, por se considerar que tal informação é de pouca relevância para a construção do
texto.
TEXTO
Muitas obras gramaticais de perfil normativo trazem interessantes observações sobre fenômenos que representam
mudanças na norma-padrão e que já caracterizam o português escrito mais monitorado. Essas observações, no entanto,
aparecem qause sempre de forma muito tímida, em notas de rodapé, sem que o gramático ouse aplicar a elas os mesmos
adjetivos de “recomendável”, “correto” ou “exemplar” que usam para qualificar regras padronizadas que descrevem e
prescrevem. Ora, é preciso abandonar tais pruridos e escancarar o português brasileiro: dizer que as regras do nosso vernáculo
são certas e válidas, de modo claro e explícito, e não com observações em letra pequena ou em notas de rodapé. É preciso
escrever, preto no branco, por exemplo, que o uso do pronome ele como objeto direto não é crime, não é pecado, não é
imoralidade – é simplesmente uma regra gramatical da língua falada no Brasil por mais de 175 milhões de pessoas e que
também comparece em textos escritos mais monitorados!
O caso do pronome ele como objeto direto é um ótimo exemplo da atitude metodologicamente inconsistente dos gramáticos
normativos. Que esse uso aparece na literatura é fácil verificar. Alguns poucos exemplos:
1. “Antônio Balduíno, que antes estava com pena e achava ELA bonita, ficou com raiva” (Jorge Amado, Mar morto)
2. “Levava ELE pra sala/pra lugares mais bonitos, mais limpinhos/Ele não se importava” (Manuel Bandeira, Estrela da
vida inteira)
3. “Se sei quase tudo de Macabéa é que já peguei uma vez de relance o olhar de uma nordestina amarelada. Esse relance
me deu ELA de corpo inteiro” (Clarice Lispector, A hora da estrela)
(BAGNO, Marcos. A norma oculta: língua e poder na sociedade brasileira. São Paulo: Parábola, 2003. p. 164-5)
17. A transcrição de fragmentos de Jorge Amado, Manuel Bandeira e Clarice Lispector atende, na argumentação acima, ao
propósito de evidenciar:
A) o desinteresse dos grandes escritores por questões gramaticais.
B) a excessiva valorização dos usos coloquiais pela crítica literária.
C) a distância entre as prescrições da gramática normativa e a realidade concreta da língua.
D) a abertura dos gramáticos e dos literatos para os usos populares da língua.
E) a necessidade de os gramáticos tomarem sempre os usos literários como referência para suas prescrições.
TEXTO
5
O novo aliado dos cientistas para deter a leishmaniose visceral tem menos de um milímetro de comprimento, mas é capaz
de matar mosquitos que transmitem a doença antes que eles se reproduzam. Trata-se de um verme descoberto por
pesquisadores da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), que pode se tornar uma arma biológica contra o inseto.
O nematoide (tipo de verme cilíndrico, que ainda nem ganhou seu nome de espécie), foi encontrado pelos biólogos Paulo
Pimenta e Nagela Secundino, do Centro de Pesquisa René Rachou, em Belo Horizonte
(Verme pode ajudar a deter leishmaniose. Folha de São Paulo, 18 jan. 2003)
18. A respeito dos usos linguísticos do fragmento acima, é correto o que se afirma em:
A) “doença” (l. 2) é um hipônimo de “leishmaniose” (l. 1)
B) “eles” (l. 2) refere-se ao termo “pesquisadores da Fiocruz” (l. 3), antecipando-o.
C) A expressão definida “O nematoide” (l. 4) resgata o termo “o inseto” (l. 3)
D) “pesquisadores” (l. 3) e “biólogos” (l. 4) estabelecem, no contexto, uma relação de antonímia.
E) “O novo aliado” (l. 1), “um verme” (l. 2) e “uma arma biológica” (l. 3) referem-se ao mesmo termo.
11
TEXTO
O abismo entre dois Silvas
(Por Sylvia Debossan Moretzsohn em 29/04/2014 na edição 796)
5
10
Um era jovem, bonito, alegre e começava a fazer carreira na TV. O outro também era jovem, não exibia especiais atributos
físicos, era triste, tinha problemas mentais e teria vivido como um enjeitado se não tivesse sido acolhido por uma mulher que
se apiedou da situação dele. Os dois eram negros e foram mortos na semana passada, quando o supostamente “pacificado”
Pavão-Pavãozinho, favela em área nobre da Zona Sul carioca, explodiu num conflito que incluiu balas traçantes e interditou o
trânsito de Copacabana no início da noite da terça-feira (22/4).
Foi o assassinato de Douglas Rafael da Silva, durante uma perseguição policial a traficantes, que detonou os protestos.
Edilson Silva dos Santos, rebatizado de Mateus pela mãe adotiva porque ninguém sabia o nome dele na comunidade, não
passou de mais um: em meio ao fogo cruzado, levou uma bala na cabeça e morreu antes de chegar ao hospital.
Dançarino no programa dominical de Regina Casé, da TV Globo, Douglas, conhecido como DG, ganhou a mídia e as ruas.
Teve velório concorrido no cemitério São João Batista e homenagem de artistas globais na edição especial do Esquenta! de
domingo (27/4).
No mesmo cemitério, Edilson, ou Mateus, foi velado debaixo de um toldo por meia dúzia de pessoas.
(Disponível em <http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_ed796_o_abismo_entre_dois_silvas>. Acesso em: 05 maio. 2007)
19. O texto acima discute o problema da violência urbana no Brasil, a partir do confronto entre o tratamento dado à história
social de uma vítima “conhecida” e o tratamento dado à história de uma vítima “anônima”. Sobre seus usos linguísticos, é
correto afirmar que:
A) o termo “abismo”, que figura no título do texto, é negado, em uma relação de oposição de sentido, pelo quantificador
“dois”, que o sucede.
B) os adjetivos utilizados no primeiro período do termo reforçam as semelhanças entre os jovens, associando-os a
características positivas.
C) o numeral “dois” (l. 3), caracterizado pelo termo “negros” (l. 3), reforça as diferenças entre os jovens da cena.
D) as expressões “também era jovem”, “semana passada” e “No mesmo cemitério” reforçam que as aproximações
biográficas dos jovens geraram o tratamento semelhante que suas histórias receberam dos meios de comunicação.
E) as escolhas pelos termos “programa dominical”, “mídia” e “ruas” (no caso da referência a Douglas) e “debaixo de um
toldo” e “meia dúzia de pessoas” (na referência a Edilson) reforçam a oposição sinalizada no título do texto.
20.
O propósito comunicativo da peça publicitária acima é a sensibilização para a doação de sangue. Além dos elementos de
referenciação interna, como o pronome “ele”, há elementos linguísticos que apontam para referentes externos ao texto. Essa
referenciação exofórica produz:
A) um distanciamento entre a mensagem comunicada pelo emissor e a interpretação do leitor.
B) uma identificação do leitor com a biografia da figura humana que aparece no texto.
C) um efeito de convocação do leitor, que deve se sensibilizar e fazer o que se solicita.
D) uma especificação do público-alvo, a partir das características que são enunciadas.
E) um desenho específico do perfil das pessoas necessitadas do tipo de ajuda que se solicita do leitor.
12
21. (Enem - 2013) Querô
DELEGADO – Então desce ele. Vê o que arrancam desse sacana.
SARARÁ – Só que tem um porém. Ele é menor.
DELEGADO – Então vai com jeito. Depois a gente entrega pro juiz.
(Luz apaga no delegado e acende no repórter, que se dirige ao público.)
REPÓRTER – E o Querô foi espremido, empilhado, esmagado de corpo e alma num cubículo imundo, com outros
meninos. Meninos todos espremidos, empilhados, esmagados de corpo e alma, alucinados pelos seus desesperos, cegados
por muitas aflições. Muitos meninos, com seus desesperos e seus ódios, empilhados, espremidos, esmagados de corpo e
alma no imundo cubículo do reformatório. E foi lá que o Querô cresceu.
(MARCOS, P. Melhor teatro. São Paulo:. Global, 2003 (fragmento).)
No discurso do repórter, a repetição causa um efeito de sentido de intensificação, construindo a ideia de:
A) opressão física e moral, que gera rancor nos meninos.
B) repressão policial e social, que gera apatia nos meninos.
C) polêmica judicial e midiática, que gera confusão entre os meninos.
D) concepção educacional e carcerária, que gera comoção nos meninos.
E) informação crítica e jornalística, que gera indignação entre os meninos.
22. (ENEM, 2009) Páris, filho do rei de Troia, raptou Helena, mulher de um rei grego. Isso provocou um sangrento conflito de
dez anos, entre os séculos XIII e XII a.C.. Foi o primeiro choque entre o ocidente e o oriente. Mas os gregos conseguiram
enganar os troianos. Deixaram à porta de seus muros fortificados um imenso cavalo de madeira. Os troianos, felizes com o
presente, puseram-no para dentro. À noite, os soldados gregos, que estavam escondidos no cavalo, saíram e abriram as
portas da fortaleza para a invasão. Daí surgiu a expressão “presente de grego”.
(DUARTE, Marcelo. O guia dos curiosos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.)
Em “puseram-no”, a forma pronominal “no” refere-se:
A) ao termo “rei grego”.
B) ao antecedente “gregos”.
C) ao antecedente distante “choque”.
D) à expressão “muros fortificados”.
E) aos termos “presente” e “cavalo de madeira”.
23. Os fragmentos abaixo, embora distantes em quase três séculos, expressam o mesmo ideal de felicidade.
TEXTO I
Se o bem desta choupana pode tanto,
Que chega a ter mais preço e mais valia,
Que da cidade o lisonjeiro encanto;
(soneto LXII. Cláudio Manuel da Costa)
TEXTO II
Eu não troco meu ranchinho amarradinho de cipó
Por uma casa na cidade, nem que seja bangalô
(O Inhambu-xintã e o Xororó. Tonico e Tinoco)
De acordo com os versos do poema e da canção, o eu-lírico em ambos os textos:
A) lamenta sua saída da cidade para viver em meio a privações.
B) expressa desprezo pela rusticidade da"choupana" e do "ranchinho".
C) exalta o conforto de uma "casa na cidade" de "lisonjeiro encanto".
D) valoriza a vida simples no campo, numa moradia modesta mas cheia de paz.
E) ratifica a necessidade de uma casa no campo e outra na cidade.
24. Leia o poema de Francisco Otaviano e a canção de Vinícius de Moraes.
TEXTO I
Quem passou pela vida em branca nuvem,
E em plácido repouso adormeceu;
Quem não sentiu o frio da desgraça,
Quem passou pela vida e não sofreu;
Foi espectro de homem, não foi homem,
Só passou pela vida, não viveu.
(Ilusões da Vida. Francisco Otaviano)
13
TEXTO II
Quem já passou
Por esta vida e não viveu
Pode ser mais
Mas sabe menos do que eu
Porque a vida só se dá
Pra quem se deu
Pra quem amou
Pra quem chorou
Pra quem sofreu,
(Como dizia o poeta. Vinícius de Moraes)
Ambos falam do mesmo assunto e estão em conformidade com a estética romântica porque:
A) sugerem que o leitor seja feliz e viva a vida distante da realidade.
B) são explícitas as referências a evasão no tempo e no espaço.
C) expõem os problemas sociais que afetavam a sociedade da época.
D) sobressaem a vassalagem amorosa, isto é, o homem submisso à mulher.
E) destacam a importância de se viver todas as experiências intensamente.
25. O poema abaixo, de Cláudio Manuel da Costa, um representante importante do Arcadismo brasileiro. Dessa forma, leia-o
com atenção e responda ao que se pede.
Quando cheios de gosto e de alegria
Quando cheios de gosto, e de alegria
Estes campos diviso florescentes,
Então me vêm as lágrimas ardentes
Com mais ânsia, mais dor, mais agonia.
Aquele mesmo objeto, que desvia
Do humano peito as mágoas inclementes,
Esse mesmo em imagens diferentes
Toda a minha tristeza desafia.
Se das flores a bela contextura
Esmalta o campo na melhor fragrância,
Para dar uma ideia da ventura;
Como, ó Céus, para os ver terei constância,
Se cada flor me lembra a formosura
Da bela causadora de minha ânsia?
Com base nesse poema, sobretudo em se tratando das duas primeiras estrofes, constatamos uma nítida oposição entre:
A) as condições inerentes ao eu lírico e as condições da paisagem bucólica.
B) a paisagem campestre e o estado de exaltação à natureza do poeta.
C) o reconhecimento do poeta à natureza bela e o cenário exuberante.
D) a mágoa do poeta devido ao cenário natural e o meio campestre.
E) a bela e radiante paisagem e a devoção do poeta à foto paisagística
Baseando-se nas características que perfizeram o Romantismo, atenha-se a uma análise das produções literárias em
evidência, no intuito de responder à questão que a ela se refere:
O “adeus” de Teresa
A primeira vez que fitei Teresa
Como as plantas que arrasta a correnteza
A valsa nos levou nos giros seus...
E amamos juntos... E depois na sala
“Adeus” eu disse a tremer co´a fala
(Castro Alves)
14
Pálida inocência
Por que, pálida inocência,
Os olhos teus em dormência
A medo lanças em mim?
No aperto de minha mão
Que sonho do coração
Tremeu-te os seios assim?
E tuas falas divinas
E que amor lânguida afinas
Em que lânguido sonhar?
E dormindo sem receio
Por que geme no teu seio
Ansioso suspirar? Inocência!
(Álvares de Azevedo)
26. Tendo em vista a temática do amor, expressa em ambos os poemas, a expressão acerca do assunto que se pode registrar é:
A) Para Castro Alves, a figura feminina é um ser idealizado; já para Álvares de Azevedo, um ser materializado.
B) Castro Alves tem o desejo de respeitá-la e adorá-la, enquanto Álvares de Azevedo tem um contato mais íntimo.
C) O poeta da 3a
geração vê a mulher no prisma imaterial; o poeta da 2a
geração a vê na ótica real.
D) Castro Alves instiga o desejo de possuir o sexo feminino; Para Álvares de Azevedo, embora manifeste desejos, a figura
feminina está aquém de suas vontades.
E) O primeiro poeta fica somente nos sonhos, no plano onírico, enquanto o segundo traduz o relacionamento do eu lírico
por meio de um contato mais íntimo.
27.
“O amor é feio
Tem cara de vício
Anda pela estrada
Não tem compromisso
(...)
O amor é lindo
Faz o impossível
O amor é graça
Ele dá e passa.”
(Arnaldo Antunes, Carlinhos Brown, Marisa Monte)
“Amor é vida; é ter constantemente
Alma, sentidos, coração – abertos
Ao grande, ao belo; é ser capaz de extremos,
De altas virtudes, té capaz de crimes!
Compreender o infinito, a imensidade
E a natureza e Deus; gostar dos campos;
De aves, flores, murmúrios solitários;
Buscar tristeza, a soledade, o erro,
E ter o coração em riso e festa;
E à branda festa, ao riso da nossa alma
Fontes de pranto intercalar sem custo;
Conhecer o prazer e a desventura
No mesmo tempo, e ser no mesmo ponto
O ditoso, o misérrimo dos entes:
Isso é amor, e desse amor se morre!
(Gonçalves Dias)
O amor, independente de época, sempre foi um motivo temático bastante explorado nas mais variadas formas de expressão
artística. O diálogo estabelecido entre o primeiro e segundo textos permite afirmar que:
A) os respectivos autores fazem declarações que consideram o amor um sentimento complexo e paradoxal.
B) no texto de Gonçalves Dias, o amor é considerado como uma força que conduz o homem unicamente a realizações
grandiosas.
C) os autores conceituam o sentimento, considerando-o em sua objetividade, racionalidade e impessoalidade.
D) a canção reafirma o espírito amargo e desalentador, característico dos românticos da primeira geração poética.
E) a prevalência de elementos descritivos e narrativos aproxima os dois textos dos autores realistas.
15
28. O canto do guerreiro
“Aqui na floresta
Dos ventos batida,
Façanhas de bravos
Não geram escravos,
Que estimem a vida
Sem guerra e lidar.
— Ouvi-me, Guerreiros,
— Ouvi meu cantar.
Valente na guerra,
Quem há, como eu sou?
Quem vibra o tacape
Com mais valentia?
Quem golpes daria
Fatais, como eu dou?
— Guerreiros, ouvi-me;
— Quem há, como eu sou?”
(Gonçalves Dias)
Macunaíma
(Epílogo)
“Acabou-se a história e morreu a vitória. Não havia mais ninguém lá. Dera
tangolomângolo na tribo Tapanhumas e os filhos dela se acabaram de um em um.
Não havia mais ninguém lá. Aqueles lugares, aqueles campos, furos puxadouros
arrastadouros meios-barrancos, aqueles matos misteriosos, tudo era solidão do
deserto... Um silêncio imenso dormia à beira do rio Uraricoera. Nenhum
conhecido sobre a terra não sabia nem falar da tribo nem contar aqueles casos tão
pançudos. Quem podia saber do Herói?”
(Mário de Andrade)
Gonçalves Dias e Mário de Andrade – cada um em seu tempo – buscaram a afirmação do índio como exemplo do caráter
nacional, da identidade local, em contraposição ao elemento estrangeiro como se pode observar nos exemplos destacados.
A leitura comparativa dos dois textos acima escolhidos indica que:
A) ambos elegem a figura do indígena brasileiro como exemplo de realismo, heroísmo e símbolo máximo do nacionalismo
romântico.
B) a abordagem da temática adotada no primeiro texto é discriminatória em relação aos povos indígenas do Brasil.
C) os textos – romântico e modernista – abordam a extinção dos povos indígenas como resultado do processo de
colonização no Brasil.
D) os versos em primeira pessoa indicam que os indígenas podiam expressar-se liricamente, mas foram impedidos pelos
colonizadores conforme se demonstra na presença do narrador do texto 2.
E) as indagações “-Quem há, como eu sou?” (texto 1) e “Quem podia saber do Herói?” apontam para distintas visões da
vida indígena.
29. A bandeira nacional serviu como símbolo do patriotismo e de exaltação da nacionalidade na
cultura brasileira. No Romantismo, a literatura sempre expressou sua ligação com a política e, ao
lado da euforia da liberdade e do desejo de construção de uma pátria brasileira, surgiu, ainda, o
anseio de uma arte autenticamente nacional. Era o esforço de “brasilidade” que se revelou na
linguagem e na construção de uma natureza exuberante, resultado da paisagem local, como pode
ser visto nos seguintes versos:
A) “Minha terra tem palmares / Onde gorjeia o mar / Os passarinhos daqui não cantam como os de lá.”
B) “Amo-te, oh cruz, no vértice firmada de esplêndidas igrejas; Amo-te, quando à noite, sobre a campa, junto a cipreste
alvejas; / Amo-te sobre o altar, onde, entre incensos, as preces te rodeiam.”
C) “É um país majestoso / Essa terra de Tupã, / Desde o Amazonas ao Prata, / Do Rio Grande ao Pará, / – Tem serranias
gigantes / E tem bosques verdejantes, / Que repetem incessantes / Os cantos do sabiá.”
D) “Este sonhar acordado, este cismar poético diante dos sublimes espetáculos da natureza, é um dos prazeres grandes que
Deus concedeu às almas de certa têmpera.”
E) “Oh! Que saudades que tenho / Da aurora da minha vida, / Da minha infância querida / Que os anos não trazem mais.”
16
30. A canção do africano
(fragmentos)
Lá na úmida senzala,
Sentado na estreita sala,
Junto ao braseiro, no chão,
Entoa o escravo o seu canto,
E ao cantar correm-lhe em pranto
Saudades do seu torrão ...
De um lado, uma negra escrava
Os olhos no filho crava,
Que tem no colo a embalar...
E à meia voz lá responde
Ao canto, e o filhinho esconde, (Castro Alves)
Talvez pra não o escutar!
"Minha terra é lá bem longe,
Das bandas de onde o sol vem;
Esta terra é mais bonita,
Mas à outra eu quero bem
“Antônio Frederico de Castro Alves (Curralinho, 14 de março de 1847 – Salvador, 06 de julho de 1871) foi um poeta
brasileiro. Nasceu na fazenda Cabaceiras, a sete léguas (42 km) da vila de Nossa Senhora da Conceição de
"Curralinho", hoje Castro Alves, no estado da Bahia.”. O texto em evidência expõe uma linha temática de sua poesia
que:
A) é marcada por um intenso pessimismo, resultado do desespero existencial que caracterizou toda a sua geração.
B) rejeita o escapismo e assume uma postura de compromisso reformista ante a realidade social de sua época.
C) aponta para a necessidade de cultivar os valores nacionais, independente das preocupações humanitárias e sociais
observadas no estilo condoreiro.
D) é produto do sentimentalismo ultrarromântico, situando-o, na literatura brasileira, como o maior representante do “mal-
do-século”.
E) serve apenas pelo valor histórico e documental por conta da limitada qualidade literária de sua produção.
31. Saudades
“Foi por ti num sonho de ventura
A flor da mocidade consumi,
E às primaveras digo adeus tão cedo
E na cidade de amor envelheci!
Vinte anos! derramei-os gota a gota
Num abismo de dor e esquecimento...
De fogosas visões nutri meu peito...
Vinte anos!... não vivi um só momento!
Contudo no passado uma esperança
Tanto amor e ventura prometia,
E uma virgem tão doce, tão divina
Nos sonhos junto a mim adormecia!...”
(AZEVEDO, Álvares de. Lira dos Vinte Anos. São Paulo: FTD, 1994, p. 96 ( Coleção Grandes Leituras).)
O egocentrismo romântico atingiu seu ponto mais alto, no Brasil, com os poetas da segunda geração. Voltando-se
inteiramente para dentro de si mesmos, esses poetas expressaram em seus versos pessimistas um profundo desencanto pela
vida. O texto acima confirma a análise já que a voz poética:
A) superestima o sentimento amoroso nos planos carnal e espiritual.
B) procura recuperar o equilíbrio e a harmonia vivida no plano existencial.
C) valoriza a morte como solução para todos os conflitos existenciais.
D) mostra-se desiludido e certo de que sua existência é sinônimo de perda.
E) lamenta a enorme indiferença da mulher amada a seu apelo amoroso.
17
32. LUAR DO SERTÃO
Não há, ó gente, oh não
Luar como este do sertão...
Oh que saudade do luar da minha terra
Lá na serra branquejando
Folhas secas pelo chão
Esse luar cá da cidade tão escuro
Não tem aquela saudade
Do luar lá do sertão
Se a lua nasce por detrás da verde mata
Mais parece um sol de prata prateando a solidão
A gente pega na viola que ponteia
E a canção é a lua cheia
A nos nascer do coração
Se Deus me ouvisse
Com amor e caridade
Me faria essa vontade
O ideal do coração:
Era que a morte
A descontar me surpreendesse
E eu morresse numa noite
De luar do meu sertão
(CEARENSE, Catulo da Paixão & PERNAMBUCO, João. In: http://letras.terra.com.br/catullo-da-paixao-
cearense - consulta em 1/12/2010.)
Essa canção, composta em 1914, ilustra uma característica do Arcadismo, movimento artístico que aconteceu, no Brasil, no
século XVIII, que é:
A) idealização da natureza da terra natal.
B) cultivo de sentimentos universais.
C) oposição entre a vida no campo e a na cidade.
D) a busca do passado como fuga do presente.
E) contenção precisa dos sentimentos.
33.
Vem, oh, Marília, vem lograr comigo
Destes alegres campos a beleza
Destas copadas árvores o abrigo.
Deixa louvar da corte a vã nobreza;
Quando me agrada mais estar contigo,
Notando as perfeições da natureza.
Nesses versos:
A) o poeta encara o amor de forma negativa por causa da fugacidade do tempo.
B) a linguagem, altamente subjetiva, denuncia características pré-românticas do autor.
C) a emoção predomina sobre a razão, numa ânsia de se aproveitar o tempo presente.
D) o amor e a mulher são idealizados pelo poeta, portanto, inacessíveis a ele.
E) o poeta propõe, em linguagem clara, que se aproveite a vida de modo simples na natureza.
34. Uma das principais características do Romantismo é a idealização – quer do herói, quer da mulher. Tal procedimento
permanece, em nossa contemporaneidade, em textos como:
A) “Quero uma mulher que saiba lavar e cozinhar / Que de manhã cedo me acorde na hora de trabalhar / Só existe uma / E
sem ela eu não vivo em paz / Emília, Emília, Emília / Não posso mais”
(Wilson Batista & Haroldo Lobo)
B) “Eu quero essa mulher assim mesmo: / eu quero, eu quero, essa mulher assim mesmo: / baratinada, embriagada,
alucinada, intoxicada, descabelada, desafinada, despenteada, desentoada / eu quero essa mulher assi mesmo.”
(Caetano Veloso)
C) “Boneca de trapo, pedaço da vida / que vive perdida no mundo a rolar / Farrapo de gente, que inconsciente / peca só por
prazer, vive para pecar / Boneca eu te quero, com todo pecado / Com todos os vícios, com tudo afinal / Eu quero esse
corpo/ que a plebe deseja, / embora ele seja / prenúncio do mal”
(Adelino Moreira).
18
D) “Fonte de mel / Nos olhos de gueixa/ Kabuki, máscara / Choque entre o azul / E o cacho de acácias / Luz das acácias /
Você é mãe do sol / A sua coisa é toda tão certa / Beleza esperta / Você me deixa a rua deserta / Quando atravessa/ E
não olha pra trás”
(Caetano Veloso.)
E) “Maria, Maria / É um dom, uma certa magia / Uma força que nos alerta / Uma mulher que merece / Viver e amar /
Como outra qualquer / Do planeta / Maria, Maria / É o som, é a cor, é o suor / É a dose mais forte e lenta / De uma
gente que ri / Quando deve chorar/ E não vive, apenas aguenta”
(Milton Nascimento & Fernando Brant.)
35. (ENEM 2010)
Câncer 21/06 a 21/07
O eclipse em seu signo vai desencadear mudanças na sua autoestima e no seu modo de agir. O corpo indicará onde você
falha – se anda engolindo sapos, a área gástrica se ressentirá. O que ficou guardado virá à tona, pois este novo ciclo exige
uma “desintoxicação”. Seja comedida em suas ações, já que precisará de energia para se recompor. Há preocupação com
a família, e a comunicação entre os irmãos trava. Lembre-se: palavra preciosa é palavra dita na hora certa. Isso ajuda
também na vida amorosa, que será testada. Melhor conter as expectativas e ter calma, avaliando as próprias carências de
modo maduro. Sentirá vontade de olhar além das questões materiais – sua confiança virá da intimidade com os assuntos
da alma.
(Revista Cláudia. No
7, ano 48, jul. 2009.)
O reconhecimento dos diferentes gêneros textuais, seu contexto de uso, sua função específica, seu objetivo comunicativo e
seu formato mais comum relacionam-se aos conhecimentos construídos socioculturalmente. A análise dos elementos
constitutivos desse texto demonstra que sua função é:
A) vender um produto anunciado.
B) informar sobre astronomia.
C) ensinar os cuidados com a saúde.
D) expor a opinião de leitores em um jornal.
E) aconselhar sobre amor, família, saúde, trabalho.
36.
TEXTO
Diversas são as naturezas dos instrumentos de que dispõe o povo para participar efetivamente da sociedade em que vive.
Políticos, sociais ou jurisdicionais, todos eles destinam-se à mesma finalidade: submeter o administrador ao controle e à
aprovação do administrado. O sufrágio universal, por exemplo, é um mecanismo de controle de índole eminentemente
política — no Brasil, está previsto no art. 14 da Constituição Federal de 1988, que assegura ainda o voto direto e secreto e
de igual valor para todos —, que garante o direito do cidadão de escolher seus representantes e de ser escolhido pelos seus
pares.
Costuma-se dizer que a forma de sufrágio denuncia, em princípio, o regime político de uma sociedade. Assim, quanto mais
democrática a sociedade, maior a amplitude do sufrágio. Essa não é, entretanto, uma verdade absoluta. Um sistema eleitoral
pode prever condições legítimas a serem preenchidas pelo cidadão para se tornar eleitor, desde que não sejam
discriminatórias ou levem em consideração valores pessoais. Segundo José Afonso da Silva, considera-se, pois, universal o
sufrágio quando se outorga o direito de votar a todos os nacionais de um país, sem restrições derivadas de condições de
nascimento, de fortuna ou de capacidade especial. No Brasil, só é considerado eleitor quem preencher os requisitos da
nacionalidade, idade e capacidade, além do requisito formal do alistamento eleitoral. Todos requisitos legítimos e que não
tornam inapropriado o uso do adjetivo universal.
(Internet: <http://jus.com.br> (com adaptações).)
Considerando-se o gênero ao qual o texto pertence, é lícito dizer que:
A) trata-se de um texto informativo, haja vista que a única preocupação é com o assunto abordado e a transmissão de
ideias.
B) trata-se de um texto narrativo, afinal o teor inventivo/criativo é notório, predominando a ficção.
C) trata-se de um texto injuntivo, pois o autor deseja instruir/orientar o leitor na tentativa de torná-lo crítico socialmente.
D) trata-se de um texto descritivo, porque em todo o texto há evidências da forma de ser do povo brasileiro.
E) trata-se de um texto argumentativo, já que há aspectos que podem enquadrá-lo como opinativo, com presença de ponto
de vista.
19
O texto abaixo servirá de referência para responder às questões 37 a 39.
A nuvem
Fico admirado como é que você, morando nesta cidade, consegue escrever uma semana inteira sem reclamar, sem protestar,
sem espinafrar! E meu amigo falou da água, telefone, Light em geral, carne, batata, transporte, custo de vida, buracos na
rua, etc. etc. etc. Meu amigo está, como dizem as pessoas exageradas, grávido de razões. Mas que posso fazer? Até que
tenho reclamado muito isto e aquilo. Mas se eu for ficar rezingando todo dia, estou roubado: quem é que vai aguentar me
ler? Acho que o leitor gosta de ver suas queixas no jornal, mas em termos.
Além disso, a verdade não está apenas nos buracos das ruas e outras mazelas. Não é verdade que as amendoeiras neste
inverno deram um show luxuoso de folhas vermelhas voando no ar? E ficaria demasiado feio eu confessar que há uma
jovem gostando de mim? Ah, bem sei que esses encantamentos de moça por um senhor maduro duram pouco. São
caprichos de certa fase. Mas que importa? Esse carinho me faz bem; eu o recebo terna e gravemente; sem melancolia,
porque sem ilusão. Ele se irá como veio, leve nuvem solta na brisa, que se tinge um instante de púrpura sobre as cinzas de
meu crepúsculo.
E olhem só que tipo de frase estou escrevendo! Tome tenência, velho Braga. Deixe a nuvem, olhe para o chão - e seus
tradicionais buracos.
(Rubem Braga, Ai de ti, Copacabana)
37. É correto afirmar que, a partir da crítica que o amigo lhe dirige, o narrador cronista:
A) vê-se obrigado a escrever sobre assuntos exigidos pelo público.
B) inspira-se na relação contrária entre o mundo da literatura e o mundo da vida real.
C) reflete sobre alguns irrelevantes aspectos da vida e seu reflexo na literatura.
D) defende a ideia de que a crônica não pode ocupar-se com questões sociais.
E) sente que deve mudar seus temas, pois sua escrita não está acompanhando os novos tempos.
38. Em "E olhem só que tipo de frase estou escrevendo! Tome tenência, velho Braga", o narrador:
A) chama a atenção dos leitores para a beleza do estilo que empregou.
B) revela ter consciência de que cometeu excessos com a linguagem metafórica.
C) exalta o estilo por ele conquistado e convida-se a reverenciá-lo.
D) percebe que, por estar velho, seu estilo também envelheceu.
E) dá-se conta de que sua linguagem não será entendida pelo leitor comum.
39. Com relação ao gênero do texto, é correto afirmar que a crônica:
A) parte do assunto cotidiano e acaba por criar reflexões mais amplas.
B) tem como função informar o leitor sobre os problemas cotidianos.
C) apresenta uma linguagem distante da coloquial, afastando o público leitor.
D) tem um modelo fixo, com um diálogo inicial seguido de argumentação objetiva.
E) consiste na apresentação de situações pouco realistas, em linguagem metafórica.
40. (ENEM – adaptada)
TEXTO
Recenseamento
São Paulo vai se recensear. O governo quer saber quantas pessoas governa. A indagação atingirá a fauna e a flora
domesticadas. Bois, mulheres e algodoeiros serão reduzidos a números e invertidos em estatísticas. O homem do censo
entrará pelos bangalôs, pelas pensões, pelas casas de barro e de cimento armado, pelo sobradinho e pelo apartamento, pelo
cortiço e pelo hotel, perguntando:
— Quantos são aqui?
Pergunta triste, de resto. Um homem dirá:
— Aqui havia mulheres e criancinhas. Agora, felizmente, só há pulgas e ratos.
E outro:
— Amigo, tenho aqui esta mulher, este papagaio, esta sogra e algumas baratas. Tome nota dos seus nomes, se quiser.
Querendo levar todos, é favor… (…)
E outro:
— Dois, cidadão, somos dois. Naturalmente o sr. não a vê. Mas ela está aqui, está, está! A sua saudade jamais sairá de meu
quarto e de meu peito!
(Rubem Braga. Para gostar de ler. v. 3 São Paulo: Ática, 1998, p. 32-3 (fragmento).)
20
No fragmento anterior, há referência ao recenseamento e apresenta traços característicos do gênero crônica porque:
A) coloca o tema de modo obscuro, evocando imagens e buscando apresentar a ideia de uma coisa por meio de outra.
B) mantém-se fiel ao cotidiano, retratando os paisagens e situações em um só tempo e um só espaço.
C) conta história priorizando a solução de um enigma, construindo os personagens que se revelam pouco a pouco.
D) apela, de maneira satírica, para criticar a vida na cidade, visando transmitir ensinamentos práticos do cotidiano, para
manter as pessoas informadas.
E) utiliza-se de tema do cotidiano como ponto de partida para a construção do texto que recebe tratamento poético e
simbólico.
41.
Tenho fases
Fases de andar escondida,
fases de vir para a rua…
Perdição da minha vida!
Perdição da vida minha!
Tenho fases de ser tua,
tenho outras de ser sozinha.
Fases que vão e que vêm,
no secreto calendário
que um astrólogo arbitrário
inventou para meu uso.
E roda a melancolia
seu interminável fuso!
Não encontro com ninguém
(tenho fases, como a lua…)
No dia de alguém ser meu
não é dia de eu ser sua…
E, quando chega esse dia,
outro desapareceu…
(Lua Adversa – Cecília Meireles)
O verso entre parênteses relaciona dois elementos através de uma comparação. Dos versos a seguir transcritos, não se
constata o mesmo em:
A) “O meu olhar é nítido como um girassol” (Alberto Caeiro)
B) “Meu amor me ensinou a ser simples como um largo de igreja” (Oswald de Andrade)
C) A casa dela é escura como a noite.
D) Ele é lerdo como uma lesma.
E) A tristeza é um barco imenso, perdido no oceano.
42. CANTIGA
Nas ondas da praia
Nas ondas do mar
Quero ser feliz
Quero me afogar.
Nas ondas da praia
Quem vem me beijar?
Quero a estrela-d’alva
Rainha do mar.
Quero ser feliz
Nas ondas do mar
Quero esquecer tudo
Quero descansar.
(Manuel Bandeira)
No poema, Manuel Bandeira empregou recursos da linguagem como:
A) Anáforas (repetições de palavras com terminações semelhantes no final dos versos).
B) Polissíndetos (omissão dos conetivos que ligam um verso a outro).
C) Assonâncias (reprodução de uma mesma vogal para obter sonoridade).
D) Aliterações (supressão das vírgulas).
E) Assíndetos (repetição de palavras no início dos versos).
21
43. (ENEM-2005) O termo (ou expressão) destacado que está empregado em seu sentido próprio, denotativo ocorre em
A) “(....)
É de laço e de nó
De gibeira o jiló
Dessa vida, cumprida a sol (....)”
(Renato Teixeira. Romaria. Kuarup Discos. setembro de 1992.)
B) “Protegendo os inocentes
é que Deus, sábio demais,
põe cenários diferentes
nas impressões digitais.”
(Maria N. S. Carvalho. Evangelho da Trova. /s.n.b.)
C) “O dicionário-padrão da língua
e os dicionários unilíngues são
os tipos mais comuns de
dicionários. Em nossos dias,
eles se tornaram um objeto de
consumo obrigatório para as
nações civilizadas e
desenvolvidas.”
(Maria T. Camargo Biderman. O dicionário-padrão da língua. Alfa (28), 2743, 1974 Supl.)
D) às vezes a bateria dele acaba.
E) “Humorismo é a arte de fazer cócegas
no raciocínio dos outros. Há duas
espécies de humorismo: o trágico e o
cômico. O trágico é o que não
consegue fazer rir; o cômico é o que é
verdadeiramente trágico para se fazer.”
(Leon Eliachar. www.mercadolivre.com.br. Acessado em julho de 2005.)
44. A QUESTÃO É COMEÇAR
Coçar e comer é só começar. Conversar e escrever também.
Na fala, antes de iniciar, mesmo numa livre conversação, é necessário quebrar o gelo. Em nossa civilização apressada, o
“bom dia”, o “boa tarde, como vai?” já não funcionam para engatar conversa. Qualquer assunto servindo, fala-se do tempo
ou de futebol. No escrever também poderia ser assim, e deveria haver para a escrita algo como conversa vadia, com que se
divaga até encontrar assunto para um discurso encadeado. Mas, à diferença da conversa falada, nos ensinaram a escrever e
na lamentável forma mecânica que supunha texto prévio, mensagem já elaborada. Escrevia-se o que antes se pensara.
Agora entendo o contrário: escrever para pensar, uma outra forma de conversar.
Assim fomos “alfabetizados”, em obediência a certos rituais. Fomos induzidos a, desde o início, escrever bonito e certo.
Era preciso ter um começo, um desenvolvimento e um fim predeterminados. Isso estragava, porque bitolava, o começo e
todo o resto. Tentaremos agora (quem? eu e você, leitor) conversando entender como necessitamos nos reeducar para fazer
do escrever um ato inaugural; não apenas transcrição do que tínhamos em mente, do que já foi pensado ou dito, mas
inauguração do próprio pensar.
“Pare aí”, me diz você. “O escrevente escreve antes, o leitor lê depois.” “Não!”, lhe respondo, “Não consigo escrever sem
pensar em você por perto, espiando o que escrevo. Não me deixe falando sozinho.”
Pois é; escrever é isso aí: iniciar uma conversa com interlocutores invisíveis, imprevisíveis, virtuais apenas, sequer
imaginados de carne e ossos, mas sempre ativamente presentes. Depois é espichar conversas e novos interlocutores surgem,
entram na roda, puxam assuntos. Termina-se sabe Deus onde.
(MARQUES, M.O. Escrever é Preciso, Ijuí, Ed. UNIJUÍ, 1997, p. 13).
Observe a seguinte afirmação feita pelo autor: “Em nossa civilização apressada, o ‘bom dia’, o ‘boa tarde’ já não
funcionam para engatar conversa. Qualquer assunto servindo, fala-se do tempo ou de futebol.” Tal afirmação se refere à
função da linguagem cuja meta é ‘quebrar o gelo’. Tal função é:
A) emotiva
B) referencial
C) fática
D) conativa
E) poética
22
45.
TEXTO
De gramática e de linguagem
E havia uma gramática que dizia assim:
“Substantivo (concreto) é tudo quanto indica
Pessoa, animal ou cousa: João, sabiá, caneta”.
Eu gosto é das cousas. As cousas, sim!...
As pessoas atrapalham. Estão em toda parte.
Multiplicam-se em excesso.
As cousas são quietas. Bastam-se. Não se metem
com ninguém.
Uma pedra. Um armário. Um ovo. (Ovo, nem sempre, Ovo pode estar choco: é inquietante…)
As cousas vivem metidas com as suas cousas.
E não exigem nada.
Apenas que não as tirem do lugar onde estão.
E João pode neste mesmo instante vir bater à nossa
porta.
Para quê? não importa: João vem!
E há de estar triste ou alegre, reticente ou falastrão.
Amigo ou adverso... João só será definitivo
Quando esticar a canela. Morre, João...
Mas o bom, mesmo, são os adjetivos,
Os puros adjetivos isentos de qualquer objeto.
Verde. Macio. Áspero. Rente. Escuro. Luminoso.
Sonoro. Lento. Eu sonho
Com uma linguagem composta unicamente de
adjetivos
Como decerto é a linguagem das plantas e dos
animais.
Ainda mais:
Eu sonho com um poema
Cujas palavras sumarentas escorram
Como a polpa de um fruto maduro em tua boca,
Um poema que te mate de amor
Antes mesmo que tu saibas o misterioso sentido:
Basta provares o seu gosto...
Observe os pares de versos:
“Substantivo (concreto) é tudo quanto indica
Pessoa, animal ou cousa: João, sabiá, caneta.”
“Antes mesmo que tu saibas o misterioso sentido:
Basta provares o seu gosto…”
Considerando-se o título e os sentidos propostos no poema, é correto afirmar sobre os versos que:
A) o primeiro par remete à ideia de gramática; o segundo, à ideia de linguagem. Neles predominam, respectivamente, a
função metalinguística e a apelativa.
B) ambos os pares remetem à ideia de gramática; portanto, neles predomina a função metalinguística.
C) o primeiro par remete à ideia de gramática; o segundo, à ideia de linguagem. Nos dois pares, predomina a função
referencial.
D) ambos os pares remetem à ideia de linguagem. No primeiro, a função é metalinguística; no segundo, referencial.
E) o primeiro par remete à ideia de linguagem; o segundo, à ideia de gramática. Em ambos os pares, estão presentes as
funções apelativa e referencial.
23
MATEMÁTICA
46. O contrato de trabalho de um autor com uma editora estabelece recebimento mensal fixo de R$ 500,00 mais uma parte
variável correspondente a 10% do total apurado pelos livros vendidos. Sabendo que o preço de cada livro vendido é de
R$ 15,00 e que em determinado mês o seu faturamento foi de R$ 650,00, o número de livros vendido nesse mês foi de :
A) 90
B) 95
C) 100
D) 105
E) 110
47. Um conjunto de dados numéricos tem todos os elementos iguais. Podemos concluir que:
A) a média dos elementos é igual a zero.
B) a mediana dos elementos é igual a zero.
C) a moda dos elementos é igual a zero.
D) o desvio padrão dos elementos é igual a zero.
E) todos os valores desse conjunto são iguais a zero.
48. Num determinado país, a população feminina representa 51% da população total. Sabendo-se que a idade média (média
aritmética das idades) da população feminina é de 38 anos e a da masculina é de 36 anos, a idade média da população é:
A) 37,02 anos
B) 37,00 anos
C) 37,20 anos
D) 36,60 anos
E) 37,05 anos
49. O mascote da próxima Copa do Mundo de Futebol, que será disputada no Brasil, é o Fuleco. Esse
mascote é um tatu-bola, mas antes da sua concepção houve a possibilidade do mascote ser uma
marca em forma de um polígono convexo, cujo número de diagonais é igual ao dobro do número de
lados. Se isso tivesse ocorrido, o símbolo da Copa do Mundo do Brasil seria um:
A) Quadrilátero
B) Pentágono
C) Hexágono
D) Heptágono
E) Octógono
50. Os anéis olímpicos podem ser analisados geometricamente como cinco
circunferências secantes duas a duas. Algumas empresas, empolgadas com a chegada
das Olimpíadas à cidade do Rio de Janeiro, resolveram criar marcas que fazem alusão
a esses anéis.
Uma dessas empresas, elaborou uma marca formada por duas circunferências distintas
e tangentes internamente, cuja distância entre seus centros é igual a 2 cm e a soma dos seus comprimentos igual a 16π cm.
Assim, o raio da circunferência maior dessa marca é igual a:
A) 6 cm
B) 7 cm
C) 4 cm
D) 5 cm
E) 3 cm
CÁLCULOS
24
51. Em duas ruas perpendiculares bastante movimentadas de uma determinada cidade existe um semáforo para regularizar o
trânsito. Devido ao desrespeito dos motoristas com a sinalização, constantemente acontecem acidentes graves nesse
cruzamento.
Pensando em minimizar esses acidentes, resolve-se colocar uma rotatória. Representando as ruas no plano cartesiano pelas
retas, o engenheiro coloca como o centro da rotatória a interseção das retas representadas no plano conforme figura abaixo.
As coordenadas de encontro desse ponto A será representada por:
A) (5/2; 5/2)
B) (3; 3)
C) (5/3; 5/3)
D) (2; 2)
E) (5/2; 5/3)
52. CIÊNCIAS BIOLÓGICAS – Profissionais dessa área utilizam modelagem matemática em suas atividades. E o que é
modelagem matemática? Resumidamente é determinar funções que se ajustem às variáveis reais que queremos estudar.
Dois atletas, A e B, fazem cooper numa pista retilínea, correndo (ambos) com velocidade constante. A distância que cada
um percorre é mostrada no gráfico:
As funções matemáticas que representam as distâncias percorridas pelos atletas, A e B respectivamente, em função do
tempo decorrido desde a largada serão representadas por:
A) d = 500t e d = 300t
B) d = 50t + 10 e d = 30t + 10
C) d = t + 500 e d = t + 300
D) d = 30t e d = 50t
E) d = 50t e d = 30t
CÁLCULOS
25
53. Um dado foi lançado 50 vezes. A tabela a seguir mostra os seis resultados possíveis e as suas respectivas frequências de
ocorrências:
A frequência relativa de aparecimento de um resultado ímpar foi de:
Resultado 1 2 3 4 5 6
Frequência 7 9 8 7 9 10
A)
5
2
B)
25
11
C)
25
12
D)
2
1
E)
25
13
54. A tabela traz as idades, em anos, dos filhos de 5 mães.
A idade modal desses 15 filhos é inferior, em anos, à idade média dos filhos de Heloísa em:
Mãe Ana Márcia Cláudia Lúcia Heloísa
Idade dos filhos 7; 10; 12 11; 15 8; 10; 12 12; 14 9; 12; 15; 16; 18
A) 5
B) 4
C) 3
D) 2
E) 1
55. Duas locadoras A e B de automóveis mantêm sistema de trabalho semelhante, apenas variando as tarifas. Ambas cobram
um valor de seguro do automóvel e mais o valor por quilômetro rodado.
Seguro (R$) km rodado
Locadora A 100,00 4,00
Locadora B 150,00 3,00
Sendo x o número de quilômetros rodados e y o valor pago pelo aluguel do veículo, temos:
A) a empresa A é sempre mais em conta que a empresa B.
B) a empresa B é sempre mais em conta que a empresa A.
C) andando 50 km, a empresa A é mais em conta que a empresa B.
D) andando 48 km, a empresa A é mais em conta que a empresa B.
E) andando 55 km, a empresa A e mais em conta que a empresa B.
56. O preço de determinado produto sofrerá, nos próximos anos, aumentos mensais de R$15,00. Sabendo que o preço atual do
produto é R$250,00, a função que representa o preço, em reais, em função do tempo, em anos é:
A) P = 15x + 250
B) P = 250x + 15
C) P = 150x + 250
D) P = 250x +180
E) P = 180x + 250
CÁLCULOS
26
57. As notas de um candidato em suas provas de um concurso foram: 8,4; 9,1; 7,2; 6,8; 8,7 e 7,2.
A nota média, a nota mediana e a nota modal desse aluno, são respectivamente:
A) 7,9; 7,8; 7,2
B) 7,2; 7,8; 7,9
C) 7,8; 7,8; 7,9
D) 7,2; 7,8; 7,9
E) 7,8; 7,9; 7,2
58. Uma torre vertical, de altura 12 metros, é vista sob um ângulo de 30° por uma pessoa que se encontra a uma distância x da
sua base, e cujos olhos estão no mesmo plano horizontal dessa base. O valor da distância x, em metros é:
Dado: tg 30° = 0,58.
A) 6,26
B) 15,68
C) 18,26
D) 19,68
E) 20,69
59. Uma pessoa encontra-se num ponto A, localizado na base de um prédio, conforme mostra a figura abaixo.
Se ela caminhar 90 metros em linha reta, chegará a um ponto B, de onde poderá ver o topo C do prédio, sob um ângulo de
60°. Quantos metros ela deverá se afastar do ponto A, andando em linha reta no sentido de A para B, para que possa
enxergar o topo do prédio sob um ângulo de 30°?
A) 150 m.
B) 180 m.
C) 270 m.
D) 300 m.
E) 310 m.
60. Uma curva numa linha férrea deve ser traçada em círculo para contornar um morro. O raio que deve ser dado ao círculo
para que os trilhos mudem 25º de direção numa distância de 40 π metros, percorrida sobre os trilhos, é igual a:
A) 308 m
B) 268 m
C) 258 m
D) 278 m
E) 288 m
CÁLCULOS
27
61. (ENEM) Jorge quer instalar aquecedores no seu salão de beleza para melhorar o conforto dos seus clientes no inverno. Ele
estuda a compra de unidades de dois tipos de aquecedores: modelo A, que consome 600 g/h (gramas por hora) de gás
propano e cobre 35 m2
de área, ou modelo B, que consome 750 g/h de gás propano e cobre 45 m2
de área. O fabricante
indica que o aquecedor deve ser instalado em um ambiente com área menor do que a da sua cobertura. Jorge vai instalar
uma unidade por ambiente e quer gastar o mínimo possível com gás. A área do salão que deve ser climatizada encontra-se
na planta seguinte (ambientes representados por três retângulos e um trapézio).
Avaliando-se todas as informações, serão necessários:
A) quatro unidades do tipo A e nenhuma unidade do tipo B.
B) três unidades do tipo A e uma unidade do tipo B.
C) duas unidades do tipo A e duas unidades do tipo B.
D) uma unidade do tipo A e três unidades do tipo B.
E) nenhuma unidade do tipo A e quatro unidades do tipo B.
62. Um prêmio em dinheiro foi dividido entre 3 pessoas: a primeira recebeu
4
1
do valor do prêmio, a segunda recebeu
3
1
e a
terceira ganhou R$ 1.000,00.
Então, o valor desse prêmio, em reais, era de:
A) 2.400
B) 2.200
C) 2.100
D) 1.800
E) 1.400
63. O dono de uma lanchonete compra caixas com 50 empadas a R$ 40,00 cada caixa. Se ele vende, em média, 115 empadas
por dia a R$ 1,10 cada empada, o lucro médio diário que ele obtém com a venda das empadas é, em reais, de:
A) 30,00
B) 32,40
C) 34,50
D) 38,40
E) 46,50
64. Considere as seguintes informações sobre o número de candidatos em um concurso aos cargos A e B, sabendo que ninguém
podia se candidatar simultaneamente aos dois cargos: 75% do total de candidatos escolheram o cargo A; 60% do total de
candidatos eram homens; 30% dos candidatos ao cargo B eram homens; 2.100 mulheres se candidataram ao cargo B. Com
base nesses dados, o número de homens que se candidataram ao cargo A foi de:
A) 7.200
B) 6.300
C) 5.040
D) 2.300
E) 900
CÁLCULOS
28
65. A geometria está presente no nosso dia a dia mais do que imaginamos. Um grande
exemplo que passa muitas vezes desapercebido aos nossos olhos são os logotipos de
automóveis, a exemplo da logo da Mercedes-Benz. Considere que essa marca seja
formada por uma circunferência de raio 5cm e três segmentos congruentes e
concorrentes no centro dessa circunferência.
Se as extremidades desses três segmentos dividem a circunferência em arcos
congruentes, então a bissetriz de um desses ângulos formados entre os segmentos
forma dois ângulos de:
A) 120°
B) 30°
C) 60°
D) 90°
E) 45°
66. A London Eye também conhecida como Millennium Wheel (Roda do Milênio),
é uma roda-gigante de observação. Situada na cidade de Londres, capital do Reino
Unido, foi inaugurada no ano de 1999 e é um dos pontos turísticos mais
disputados da cidade. Desde 2006, a roda-gigante deixou de ser a maior do
mundo, após a inauguração da Estrela de Nanchang (160 m), localizada na cidade
de Nanchang, China.
(Extraído de http://pt.wikipedia.org. Acesso em 10 de abril de 2014)
Suponha que o comprimento da circunferência da London Eye seja de 120 m,
adotando π = 3. Assim, a área limitada por essa circunferência é, em m2
:
A) 1200
B) 1000
C) 400
D) 600
E) 2400
67. A bandeira do estado de Minas Gerais possui um triângulo equilátero vermelho, sobreposto a um retângulo todo branco.
Numa bandeira desse estado que estava presa à janela de um automóvel que passava pela Savassi, em Belo Horizonte, tal
triângulo possuía perímetro de 36 cm. A altura desse triângulo que “passeava” pela Savassi, em cm, é:
A) 36
B) 6
C) 3
D) 12
E) 312
CÁLCULOS
29
68. A história do rádio
Os primeiros sinais de radiocomunicação através do ar foram enviados
pelo inventor italiano Guglielmo Marconi, em 1895, revolucionando os
meios de comunicação rápida a longa distância (o telégrafo e o telefone) que
utilizavam cabos.
A primeira emissão radiofônica brasileira fez parte das comemorações do
centenário da independência (1922), mas radiodifusão só se tornou efetiva
em 1923, quando foi ao ar a Rádio Sociedade do Rio de Janeiro.
O rádio já exerceu um papel tão importante no campo do entretenimento
quanto o desempenhado atualmente pela televisão. Da década de 20 à década
de 40, as pessoas se reuniam em volta de aparelhos de rádio todas as noites.
Esse período, chamado de fase áurea do rádio, terminou com a ascensão da
televisão na década de 50.
No entanto, o rádio, principalmente devido à sua maior agilidade, conseguiu sobreviver e, no Brasil, atualmente,
durante o dia, tem mais audiência que a televisão.
Supondo que a cidade de Jaguaquara-Ba possua duas emissoras de rádio. Uma pesquisa, realizada com toda a população,
apresentou o seguinte resultado: 20% da população ouve a emissora A, 24% ouve a emissora B e 6% ouve as duas
emissoras. Sabendo que a cidade tem 19000 ouvintes, o número de habitantes dessa cidade é de:
A) 35000
B) 40000
C) 45000
D) 50000
E) 55000
69. CUSTO BRASIL – O país está estruturalmente caro em razão da carga fiscal pesada e da infraestrutura deficiente. As
reduções tributárias foram tímidas, diante da carga total de 36% do PIB que pesa sobre o setor privado da economia, um
valor sem similares nos países em desenvolvimento. Ao mesmo tempo, as obras de infraestrutura custam a sair do papel. A
rodada de licitações de rodovias, ferrovias, portos e aeroportos, anunciada há um ano, ainda não foi executada. Assim, o
governo perdeu a oportunidade de atrair investidores quando a conjuntura externa e também a interna eram mais
favoráveis. Agora será mais difícil atraí-los.
(24 de julho, 2013 / Veja)
(Fontes: Credit Suise Hedging-Griffo e IBGE)
Suponha que a partir de 2012 o PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil comece a crescer baseado na função f(t) = at + b, em
que t = 0 corresponda ao ano de 2012, t = 1 corresponda ao ano de 2013 e assim sucessivamente. Baseado nessa suposição,
o PIB do Brasil em 2014 será de:
A) 3,1%
B) 3,7%
C) 4,0%
D) 4,9%
E) 5,1%
CÁLCULOS
30
70. Uma função de x em y, ou y = f(x), tem domínio e imagem reais, isto é, os valores de x e de y podem ser quaisquer
números reais que imaginarmos. Somente um dos gráficos seguintes pode representar essa função. Esse gráfico é:
A) D)
B) E)
C)
71. Uma pessoa corre em uma planície, com velocidade de 350 m/min, em direção a um penhasco, como mostra a figura
abaixo.
Em determinado ponto, avista o cume do penhasco sob um ângulo de 30º e, após correr durante 4 minutos, o avista sob um
ângulo de 45°. Com base nesses dados, a altura do penhasco, em metros, é igual a:
A) ( )13700 −
B) ( )13700 +
C) ( )12700 −
D) ( )12700 +
E) 700
CÁLCULOS
31
72. Em trigonometria (que estuda as relações quantitativas entre os lados e os ângulos agudos dos triângulos retângulos),
tangente é a proporção entre o cateto oposto e o cateto adjacente a um dos ângulos agudos de um triângulo retângulo. O
valor desta proporção é constante para cada valor dos ângulos agudos do triângulo retângulo. Logo a tangente do ângulo é:
A) inversamente proporcional ao seno do mesmo ângulo.
B) diretamente proporcional ao cosseno do mesmo ângulo.
C) diretamente proporcional ao seno e ao cosseno do mesmo ângulo.
D) inversamente proporcional ao seno e ao cosseno do mesmo ângulo.
E) diretamente proporcional ao seno e inversamente proporcional ao cosseno do mesmo ângulo.
73. Para a elaboração do novo logotipo da sua empresa de cosméticos, o pai de Luquita
pediu ao departamento de criação que trabalhasse suas ideias em cima do polígono
regular cuja medida do ângulo interno é igual ao dobro da medida do ângulo externo.
Dessa forma, o departamento de criação teve que trabalhar com base no:
A) quadrado
B) pentágono regular
C) hexágono regular
D) heptágono regular
E) triângulo equilátero
74. Antônio, Bernardo, Carlos e Deise estão representados na figura abaixo respectivamente pelas letra A, B, C e D. Sendo
,BCAC = a distância aproximada entre Deise e Carlos em unidade de comprimento é de:
A) 25 u.c.
B) 20 u.c.
C) 15 u.c.
D) 13 u.c.
E) 10 u.c.
75. (ENEM) Um forro retangular de tecido traz em sua etiqueta a informação de que encolherá após a primeira lavagem
mantendo, entretanto, seu formato. A figura a seguir mostra as medidas originais do forro e o tamanho do encolhimento (x)
no comprimento e (y) na largura. A expressão algébrica que representa a área do forro após ser lavado é (5 – x) (3 – y).
Nestas condições, a área perdida do forro, após a primeira lavagem, será expressa por:
A) 2xy
B) 15 – 3x
C) 15 – 5y
D) –5y – 3x
E) 5y + 3x – xy
CÁLCULOS
32
76. Sobrevoando áreas castigadas pelas fortes chuvas ocorridas no interior de Santa Catarina no início de 2014, um tenente da
aeronáutica deparou-se com uma praça que, vista do helicóptero no qual se
encontrava, tinha o seu contorno formando um polígono cuja soma dos ângulos
internos era igual ao triplo da soma dos seus ângulos externos. O polígono que
dá forma a essa praça é o:
A) quadrilátero.
B) pentágono.
C) hexágono.
D) heptágono.
E) octógono.
77. (ENEM) Ao morrer, o pai de João, Pedro e José deixou como herança um terreno retangular de 3 km x 2 km que contém
uma área de extração de ouro delimitada por um quarto de círculo de raio 1 km a partir do canto inferior esquerdo da
propriedade. Dado o maior valor da área de extração de ouro, os irmãos acordaram em repartir a propriedade de modo que
cada um ficasse com a terça parte da área de extração, conforme mostra a figura a seguir.
Em relação à partilha proposta, constata-se que a porcentagem da área do terreno que coube a João corresponde,
aproximadamente, a:
(Considere 58,0
3
3
= )
A) 50%
B) 43%
C) 37%
D) 33%
E) 19%
78. Festas de Largo
Na Salvador de antigamente, as praças serviam como pontos de encontro em dias de
santos e orixás. O nome “festa de largo” deve-se a esse costume, retrato da cultura
local. O ano começa com a procissão marítima de Bom Jesus dos Navegantes,
realizada sempre na manhã seguinte à virada do ano, e com a famosa Lavagem do
Bonfim, na quinta-feira que antecede o segundo domingo após o Dia de Reis (6 de
janeiro).
(Extraído de www.viajeaqui.abril.com.br. Acesso em 11 de abril de 2014)
Se dois triângulos que representam dois largos da cidade de Salvador são semelhantes, cuja razão de semelhança é igual a
2,5 e cuja área do menor é igual a 5 m2
, então a área do triângulo maior é igual a:
A) 12,25 m2
B) 30,5 m2
C) 35,75 m2
D) 31,25 m2
E) 35 m2
CÁLCULOS
33
79. (ENEM) Um experimento consiste em colocar certa quantidade de bolas de vidro idênticas em
um copo com água até certo nível e medir o nível da água, conforme ilustrado na figura ao lado.
Como resultado do experimento, concluiu-se que o nível da água é função do número de bolas de
vidro que são colocadas dentro do copo.
O quadro a seguir mostra alguns resultados do experimento realizado.
Número de bolas (x) Nível da água (y)
5 6,35 cm
10 6,70 cm
15 7,05 cm
(Disponível em: www.penta.ufrgs.br. Acesso em: 13 jan 2009 (adaptado).)
Qual a expressão algébrica que permite calcular o nível da água (y) em função do número de bolas (x)?
A) y = 30x
B) y = 25x + 20,2
C) y = 1,27x
D) y = 0,7x
E) y = 0,07x + 6
80. Pretende-se que, até o ano de 2020, 30% de toda a energia elétrica consumida num certo Estado brasileiro sejam de fonte
eólica, considerada uma das fontes energéticas que menos impacto causa ao meio ambiente. O gráfico dado pela reta,
representa uma previsão para o consumo total de energia no Estado em função do ano.
Da análise do gráfico, pode-se afirmar que, em 2020, a energia eólica necessária, em mil MW, para cumprir a meta
estipulada, é igual a:
A) 105
B) 100
C) 95
D) 90
E) 85
CÁLCULOS
34
81. (ENEM) Um grupo de 50 pessoas fez um orçamento inicial para organizar uma festa, que seria dividido entre elas em cotas
iguais. Verificou-se ao final que, para arcar com todas as despesas, faltavam R$ 510,00, e que 5 novas pessoas haviam
ingressado no grupo. No acerto foi decidido que a despesa total seria dividida em partes iguais pelas 55 pessoas. Quem não
havia ainda contribuído pagaria a sua parte, e cada uma das 50 pessoas do grupo inicial deveria contribuir com mais R$
7,00.
De acordo com essas informações, qual foi o valor da cota calculada no acerto final para cada uma das 55 pessoas?
A) R$ 14,00
B) R$ 17,00
C) R$ 22,00
D) R$ 32,00
E) R$ 57,00
82. (ENEM) Uma pousada oferece pacotes promocionais para atrair casais a se hospedarem por até oito dias. A hospedagem
seria em apartamento de luxo e, nos três primeiros dias, a diária custaria R$ 150,00, preço da diária fora da promoção. Nos
três dias seguintes, seria aplicada uma redução no valor da diária, cuja taxa média de variação, a cada dia, seria de R$
20,00. Nos dois dias restantes, seria mantido o preço do sexto dia. Nessas condições, um modelo para a promoção
idealizada é apresentado no gráfico a seguir, no qual o valor da diária é função do tempo medido em número de dias.
De acordo com os dados e com o modelo, comparando o preço que um casal pagaria pela hospedagem por sete dias fora da
promoção, um casal que adquirir o pacote promocional por oito dias fará uma economia de:
A) R$ 90,00
B) R$ 110,00
C) R$ 130,00
D) R$ 150,00
E) R$ 170,00
CÁLCULOS
35
83. BICICLETA, ENGRENAGENS E FUNÇÕES
Quadro de fibra de carbono ou de titânio, freios a disco, pedais antiderrapantes, assentos anatômicos, câmbio de 21
marchas... As bicicletas de hoje são um festival de alta tecnologia. No entanto, o princípio de transmissão de movimento do
pedal para as rodas continua exatamente o mesmo desde o século XIX, quando surgiram as primeiras e revoluncionárias
bicicletas com corrente: a pessoa pedala, gira uma engrenagem chamada coroa, uma correia se move e faz girar uma outra
engrenagem chamada catraca, ligada à roda; por fim, a roda gira e faz a bicicleta andar.
Há uma relação entre o número de voltas simultâneas da coroa e da catraca, que depende das medidas dos raios das
duas engrenagens. Se o raio da coroa for Rco e o raio da catraca for Rca, o resultado da divisão
ca
co
R
R
nos dará essa relação.
Estamos prontos para escrever uma função relacionando o número de voltas do pedal ao número de voltas simultâneas
da roda. Vamos chamar de x o número de voltas do pedal e de y o número de voltas da roda e escrever a equação dessa
função:
x
R
R
y
ca
co
=
Suponha que um ciclista gira o pedal de sua bicicleta à razão de 120 rotações por minuto(rpm), ou, em outras palavras,
numa frequência de 120 rpm. Se o diâmetro da catraca dessa bicicleta é 1,5 vezes menor do que o diâmetro da coroa que
gira com o pedal, a frequência da catraca é de:
A) 180 rpm
B) 170 rpm
C) 160 rpm
D) 150 rpm
E) 80 rpm
84. (ENEM) O jornal de certa cidade publicou em uma página inteira a
seguinte divulgação de seu caderno de classificados:
Para que a propaganda seja fidedigna à porcentagem da área que aparece
na divulgação, a medida do lado do retângulo que representa os 4%, deve
ser de aproximadamente:
A) 1 mm
B) 10 mm
C) 17 mm
D) 160 mm
E) 167 mm
CÁLCULOS
36
85. (ENEM) Uma empresa possui um sistema de controle de qualidade que classifica o seu desempenho financeiro anual, tendo
como base o do ano anterior. Os conceitos são: insuficiente, quando o crescimento é menor que 1%; regular, quando o
crescimento é maior ou igual a 1% e menor que 5%; bom, quando o crescimento é maior ou igual a 5% e menor que 10%;
ótimo, quando é maior ou igual a 10% e menor que 20%; e excelente, quando é maior ou igual a 20%. Essa empresa
apresentou lucro de R$ 132 000,00 em 2008 e de R$ 145 000,00 em 2009.
De acordo com esse sistema de controle de qualidade, o desempenho financeiro dessa empresa no ano de 2009 deve ser
considerado:
A) insuficiente.
B) regular.
C) bom.
D) ótimo.
E) excelente.
86. (ENEM) A figura a seguir apresenta dois gráficos com informações sobre as reclamações diárias recebidas e resolvidas
pelo Setor de Atendimento ao Cliente (SAC) de uma empresa, em uma dada semana. O gráfico de linha tracejada informa o
número de reclamações recebidas no dia, o de linha contínua é o número de reclamações resolvidas no dia. As reclamações
podem ser resolvidas no mesmo dia ou demorarem mais de um dia para serem resolvidas.
O gerente de atendimento deseja identificar os dias da semana em que o nível de eficiência pode ser considerado muito
bom, ou seja, os dias em que o número de reclamações resolvidas excede o número de reclamações recebidas.
(Disponível em: http://blog.bibliotecaunix.org. Acesso em: 21 jan. 2012 (adaptado).)
O gerente de atendimento pôde concluir, baseado no conceito de eficiência utilizado na empresa e nas informações do
gráfico, que o nível de eficiência foi muito bom na:
A) segunda e na terça-feira.
B) terça e na quarta-feira.
C) terça e na quinta-feira.
D) quinta-feira, no sábado e no domingo.
E) segunda, na quinta e na sexta-feira.
87. (ENEM) Uma pesquisa realizada por estudantes da Faculdade de Estatística mostra, em horas por dia, como os jovens entre
12 e 18 anos gastam seu tempo, tanto durante a semana (de segunda-feira a sexta-feira), como no fim de semana (sábado e
domingo). A seguinte tabela ilustra os resultados da pesquisa.
Rotina Juvenil Durante a semana No fim de semana
Assistir à televisão 3 3
Atividades domésticas 1 1
Atividades escolares 5 1
Atividades de lazer 2 4
Descanso, higiene e alimentação 10 12
Outras atividades 3 3
De acordo com esta pesquisa, quantas horas de seu tempo gasta um jovem entre 12 e 18 anos, na semana inteira (de
segunda-feira a domingo), nas atividades escolares?
A) 20
B) 21
C) 24
D) 25
E) 27
CÁLCULOS
37
88. A PRESSÃO NOS MERGULHOS
Em uma cidade ao nível do mar os moradores estão sujeitos à pressão de uma atmosfera, ou 1 atm. O agente causador
dessa pressão é a camada de ar que envolve a Terra. Cidades situadas em maiores altitudes, como Quito (no Peru) ou La
Paz (na Bolívia), estão sob pressões menores do que 1 atm. Quanto maior a altitude, menor a pressão. Mas essa relação não
é de proporcionalidade. Se a altitude de La Paz fosse o dobro do que é, sua pressão atmosférica não seria reduzida à
metade.
E ao mergulhar no mar, que pressão sofre o corpo? Um mergulhador, submerso na água do mar, está sujeito a dois tipos
de pressão: da água e, acima dele, do ar. A pressão afinal sobre o mergulhador será, portanto, a soma de dois valores.
Quem mergulha usa uma conversão simples: cada 10 metros de água, 1 atm de pressão. Quer dizer, ao afundar 10 m na
água do mar, a pressão sobre o mergulhador aumenta em 1 atm e ele está, nessa condição, sujeito a uma pressão de 2 atm:
1 atm do ar externo e 1 atm da água. E quanto maior a profundidade, maior a pressão. Essa relação pode ser descrita por
uma função afim.
Se 10 metros de água aumentam 1 atm na pressão, 20 metros aumentam 2 atm, 30 metros aumentam 3 atm e assim por
diante. Dessa forma, para calcular a pressão (P) em atmosferas num ponto a x metros de profundidade, basta escrever:
10
x
1P +=
Essa é a equação de uma função afim na qual o coeficiente angular é
10
1
e o coeficiente linear é igual a 1.
Em novembro de 2002 o petroleiro Prestige naufragou na costa da Espanha, causando
um grande desastre ecológico. Após partir-se em dois, o navio afundou levando consigo a
maior parte de sua carga – 77 mil litros de óleo – e atingiu o fundo do mar a 3 500 m da
superfície. Nessa profundidade a pressão é tão grande que foi preciso o auxílio de um
submarino especial para chegar até o navio e verificar o estrago.
O valor dessa pressão era de:
A) 251 atm
B) 271 atm
C) 291 atm
D) 341 atm
E) 351 atm
89. Analisando os gráficos abaixo, encontraremos como valor de f(g(5/2)) igual a:
A) – 5
B) 12
C) 4
D) 5/2
E) – 60
90. Sendo uma função definida por f(x) =
4
5x3 −
. Se na função inversa de f o domínio for – 2, sua imagem será de :
A) – 1
B) – 11/4
C) – 3
D) – 4
E) – 4/11
CÁLCULOS
Childhood testing concerns
Childhood testing concerns
Childhood testing concerns
Childhood testing concerns
Childhood testing concerns
Childhood testing concerns
Childhood testing concerns
Childhood testing concerns
Childhood testing concerns
Childhood testing concerns
Childhood testing concerns
Childhood testing concerns

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Avaliação diagnóstica 8º ano
Avaliação diagnóstica 8º anoAvaliação diagnóstica 8º ano
Avaliação diagnóstica 8º anoEscola
 
Apostila enem 2014 2° dia
Apostila enem 2014 2° diaApostila enem 2014 2° dia
Apostila enem 2014 2° diaLeciOne
 
Caderno rosa 2 dia 2014
Caderno rosa 2 dia 2014Caderno rosa 2 dia 2014
Caderno rosa 2 dia 2014Marcus Matozo
 
Prova de português Colégio Militar de fortaleza 2012 9ºano
Prova de português Colégio Militar de fortaleza 2012  9ºanoProva de português Colégio Militar de fortaleza 2012  9ºano
Prova de português Colégio Militar de fortaleza 2012 9ºanoElias de Lima Neto
 
Avaliação de língua portuguesa 9º ano
Avaliação de língua portuguesa 9º anoAvaliação de língua portuguesa 9º ano
Avaliação de língua portuguesa 9º anoRenata Volpe de Almeida
 
Avaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-6c2ba-ano
Avaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-6c2ba-anoAvaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-6c2ba-ano
Avaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-6c2ba-anoJosiane Leal
 
Avaliação diagnóstica 6º ano
Avaliação diagnóstica   6º anoAvaliação diagnóstica   6º ano
Avaliação diagnóstica 6º anoilcatansouza
 
Prova belem civ 2ano abril 2019 pm
Prova belem civ 2ano abril 2019 pmProva belem civ 2ano abril 2019 pm
Prova belem civ 2ano abril 2019 pmDiedNuenf
 
Atividade 9ano 06 a 10 julho
Atividade 9ano 06 a 10 julhoAtividade 9ano 06 a 10 julho
Atividade 9ano 06 a 10 julhoDenilza Willian
 
Cad enem 2014_dia_2_05_amarelo
Cad enem 2014_dia_2_05_amareloCad enem 2014_dia_2_05_amarelo
Cad enem 2014_dia_2_05_amareloDébora Martins
 
Caderno amarelo 2 dia 2014
Caderno amarelo 2 dia 2014Caderno amarelo 2 dia 2014
Caderno amarelo 2 dia 2014Marcus Matozo
 

Mais procurados (19)

Simulado portugues para 01 04 2019
Simulado portugues para 01 04 2019Simulado portugues para 01 04 2019
Simulado portugues para 01 04 2019
 
Avaliação diagnóstica 8º ano
Avaliação diagnóstica 8º anoAvaliação diagnóstica 8º ano
Avaliação diagnóstica 8º ano
 
Ava lingua inglesa_6ano
Ava lingua inglesa_6anoAva lingua inglesa_6ano
Ava lingua inglesa_6ano
 
Avaliação
AvaliaçãoAvaliação
Avaliação
 
Interpretando textos com gabarito
Interpretando textos com gabaritoInterpretando textos com gabarito
Interpretando textos com gabarito
 
Ava lingua inglesa_7ano
Ava lingua inglesa_7anoAva lingua inglesa_7ano
Ava lingua inglesa_7ano
 
Apostila enem 2014 2° dia
Apostila enem 2014 2° diaApostila enem 2014 2° dia
Apostila enem 2014 2° dia
 
Caderno rosa 2 dia 2014
Caderno rosa 2 dia 2014Caderno rosa 2 dia 2014
Caderno rosa 2 dia 2014
 
Prova de português Colégio Militar de fortaleza 2012 9ºano
Prova de português Colégio Militar de fortaleza 2012  9ºanoProva de português Colégio Militar de fortaleza 2012  9ºano
Prova de português Colégio Militar de fortaleza 2012 9ºano
 
Avaliação de língua portuguesa 9º ano
Avaliação de língua portuguesa 9º anoAvaliação de língua portuguesa 9º ano
Avaliação de língua portuguesa 9º ano
 
Avaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-6c2ba-ano
Avaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-6c2ba-anoAvaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-6c2ba-ano
Avaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-6c2ba-ano
 
Avaliação diagnóstica ingles 9°2013
Avaliação diagnóstica ingles 9°2013Avaliação diagnóstica ingles 9°2013
Avaliação diagnóstica ingles 9°2013
 
Avaliação diagnóstica 6º ano
Avaliação diagnóstica   6º anoAvaliação diagnóstica   6º ano
Avaliação diagnóstica 6º ano
 
Prova belem civ 2ano abril 2019 pm
Prova belem civ 2ano abril 2019 pmProva belem civ 2ano abril 2019 pm
Prova belem civ 2ano abril 2019 pm
 
Avaliação ingles 8° ano
Avaliação ingles  8° anoAvaliação ingles  8° ano
Avaliação ingles 8° ano
 
Avaliação2 lp 3 nm
Avaliação2 lp  3 nmAvaliação2 lp  3 nm
Avaliação2 lp 3 nm
 
Atividade 9ano 06 a 10 julho
Atividade 9ano 06 a 10 julhoAtividade 9ano 06 a 10 julho
Atividade 9ano 06 a 10 julho
 
Cad enem 2014_dia_2_05_amarelo
Cad enem 2014_dia_2_05_amareloCad enem 2014_dia_2_05_amarelo
Cad enem 2014_dia_2_05_amarelo
 
Caderno amarelo 2 dia 2014
Caderno amarelo 2 dia 2014Caderno amarelo 2 dia 2014
Caderno amarelo 2 dia 2014
 

Destaque

Simulado Bahiana 2015.1
Simulado Bahiana 2015.1Simulado Bahiana 2015.1
Simulado Bahiana 2015.1emanuel
 
Noções de Histologia
Noções de HistologiaNoções de Histologia
Noções de Histologiaemanuel
 
AV1 de ciências humanas e naturais - Colégio Sartre COC
AV1 de ciências humanas e naturais - Colégio Sartre COCAV1 de ciências humanas e naturais - Colégio Sartre COC
AV1 de ciências humanas e naturais - Colégio Sartre COCemanuel
 
Lista de Histologia Animal
Lista de Histologia AnimalLista de Histologia Animal
Lista de Histologia Animalemanuel
 
Gabarito s4 sim_teste_2014
Gabarito s4 sim_teste_2014Gabarito s4 sim_teste_2014
Gabarito s4 sim_teste_2014emanuel
 
Fundamentos da bioquimica
Fundamentos da bioquimicaFundamentos da bioquimica
Fundamentos da bioquimicaemanuel
 
3º simulado enem - ciencias humanas e naturais
3º simulado enem -  ciencias humanas e naturais3º simulado enem -  ciencias humanas e naturais
3º simulado enem - ciencias humanas e naturaisemanuel
 
Revisão bahiana 2ª etapa
Revisão bahiana 2ª etapaRevisão bahiana 2ª etapa
Revisão bahiana 2ª etapaemanuel
 
Caderno enem2012 dom_cinza
Caderno enem2012 dom_cinzaCaderno enem2012 dom_cinza
Caderno enem2012 dom_cinzatiago200202
 
Exercicios antiguidadeclassica1[1]
Exercicios antiguidadeclassica1[1]Exercicios antiguidadeclassica1[1]
Exercicios antiguidadeclassica1[1]Lúcia Texeira
 
Interpretação de texto iii
Interpretação de texto iiiInterpretação de texto iii
Interpretação de texto iiiHélio Araújo
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino moneraemanuel
 
The cell - Introdução a citologia
The cell - Introdução a citologiaThe cell - Introdução a citologia
The cell - Introdução a citologiaemanuel
 
Treinamento consultec introdução citologia
Treinamento consultec   introdução citologiaTreinamento consultec   introdução citologia
Treinamento consultec introdução citologiaemanuel
 
Treinamento para a AV1 - II bimestre
Treinamento para a AV1 - II  bimestreTreinamento para a AV1 - II  bimestre
Treinamento para a AV1 - II bimestreemanuel
 
Treinamento para AV2 - Biologia
Treinamento para AV2 - BiologiaTreinamento para AV2 - Biologia
Treinamento para AV2 - Biologiaemanuel
 
Biomoleculas
BiomoleculasBiomoleculas
Biomoleculasemanuel
 

Destaque (20)

Simulado Bahiana 2015.1
Simulado Bahiana 2015.1Simulado Bahiana 2015.1
Simulado Bahiana 2015.1
 
Noções de Histologia
Noções de HistologiaNoções de Histologia
Noções de Histologia
 
AV1 de ciências humanas e naturais - Colégio Sartre COC
AV1 de ciências humanas e naturais - Colégio Sartre COCAV1 de ciências humanas e naturais - Colégio Sartre COC
AV1 de ciências humanas e naturais - Colégio Sartre COC
 
Lista de Histologia Animal
Lista de Histologia AnimalLista de Histologia Animal
Lista de Histologia Animal
 
Gabarito s4 sim_teste_2014
Gabarito s4 sim_teste_2014Gabarito s4 sim_teste_2014
Gabarito s4 sim_teste_2014
 
Fundamentos da bioquimica
Fundamentos da bioquimicaFundamentos da bioquimica
Fundamentos da bioquimica
 
3º simulado enem - ciencias humanas e naturais
3º simulado enem -  ciencias humanas e naturais3º simulado enem -  ciencias humanas e naturais
3º simulado enem - ciencias humanas e naturais
 
Revisão bahiana 2ª etapa
Revisão bahiana 2ª etapaRevisão bahiana 2ª etapa
Revisão bahiana 2ª etapa
 
CADERNO ENEM 2012 AZUL DOMINGO
CADERNO ENEM 2012 AZUL DOMINGOCADERNO ENEM 2012 AZUL DOMINGO
CADERNO ENEM 2012 AZUL DOMINGO
 
Caderno enem2012 dom_cinza
Caderno enem2012 dom_cinzaCaderno enem2012 dom_cinza
Caderno enem2012 dom_cinza
 
Ano 3 unidade_6_miolo
Ano 3 unidade_6_mioloAno 3 unidade_6_miolo
Ano 3 unidade_6_miolo
 
Exercicios antiguidadeclassica1[1]
Exercicios antiguidadeclassica1[1]Exercicios antiguidadeclassica1[1]
Exercicios antiguidadeclassica1[1]
 
Portugues6em
Portugues6emPortugues6em
Portugues6em
 
Interpretação de texto iii
Interpretação de texto iiiInterpretação de texto iii
Interpretação de texto iii
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
The cell - Introdução a citologia
The cell - Introdução a citologiaThe cell - Introdução a citologia
The cell - Introdução a citologia
 
Treinamento consultec introdução citologia
Treinamento consultec   introdução citologiaTreinamento consultec   introdução citologia
Treinamento consultec introdução citologia
 
Treinamento para a AV1 - II bimestre
Treinamento para a AV1 - II  bimestreTreinamento para a AV1 - II  bimestre
Treinamento para a AV1 - II bimestre
 
Treinamento para AV2 - Biologia
Treinamento para AV2 - BiologiaTreinamento para AV2 - Biologia
Treinamento para AV2 - Biologia
 
Biomoleculas
BiomoleculasBiomoleculas
Biomoleculas
 

Semelhante a Childhood testing concerns

Atividades de-lc3adngua-portuguesa-3c2ba-ano-ensino-mc3a9dio-com-descritores
Atividades de-lc3adngua-portuguesa-3c2ba-ano-ensino-mc3a9dio-com-descritoresAtividades de-lc3adngua-portuguesa-3c2ba-ano-ensino-mc3a9dio-com-descritores
Atividades de-lc3adngua-portuguesa-3c2ba-ano-ensino-mc3a9dio-com-descritoresJucelino Carvalho
 
Caderno amarelo 2 dia 2014
Caderno amarelo 2 dia 2014Caderno amarelo 2 dia 2014
Caderno amarelo 2 dia 2014Marcus Matozo
 
1º prova do 1º ano em básico
1º prova do 1º ano em básico1º prova do 1º ano em básico
1º prova do 1º ano em básicoingchris
 
AULÃO ENEM 2012 - PROFESSOR ANDERSON FELICIANO
AULÃO ENEM 2012 - PROFESSOR ANDERSON FELICIANOAULÃO ENEM 2012 - PROFESSOR ANDERSON FELICIANO
AULÃO ENEM 2012 - PROFESSOR ANDERSON FELICIANOAnderson Feliciano
 
4° simulado Enem(28-09) - Gabarito
 4° simulado Enem(28-09) - Gabarito 4° simulado Enem(28-09) - Gabarito
4° simulado Enem(28-09) - Gabaritoemanuel
 
Exercicio variacao linguistica_1
Exercicio variacao linguistica_1Exercicio variacao linguistica_1
Exercicio variacao linguistica_1Isabella Silva
 
4º c leni apresentação ar
4º c  leni   apresentação ar4º c  leni   apresentação ar
4º c leni apresentação aremefjbonifacio
 
Análise de Textos - Ensino Fundamental e Ensino Médio
Análise de Textos - Ensino Fundamental e Ensino MédioAnálise de Textos - Ensino Fundamental e Ensino Médio
Análise de Textos - Ensino Fundamental e Ensino MédioMarcia Oliveira
 
Avaliaçãode línguaportuguesa3ºano (4) 2014-romaria
Avaliaçãode línguaportuguesa3ºano (4) 2014-romariaAvaliaçãode línguaportuguesa3ºano (4) 2014-romaria
Avaliaçãode línguaportuguesa3ºano (4) 2014-romariaRomaria Ferraz Ferraz Porto
 
Enem slides
Enem slidesEnem slides
Enem slidesnayalves
 
Texto argumentativo dissertação escolar..ppt
Texto argumentativo dissertação escolar..pptTexto argumentativo dissertação escolar..ppt
Texto argumentativo dissertação escolar..pptRITADECASSIARODRIGUE20
 
Texto argumentativo dissertação escolar..pptx
Texto argumentativo dissertação escolar..pptxTexto argumentativo dissertação escolar..pptx
Texto argumentativo dissertação escolar..pptxGiselma Alves
 
Texto argumentativo dissertação escolar. (1)
Texto argumentativo dissertação escolar. (1)Texto argumentativo dissertação escolar. (1)
Texto argumentativo dissertação escolar. (1)CharlesMarlon1
 
_Class - READING STRATEGIES- inglês.pptx
_Class - READING STRATEGIES- inglês.pptx_Class - READING STRATEGIES- inglês.pptx
_Class - READING STRATEGIES- inglês.pptxcoisasescolaresparas
 
Ingles 5ª série vol 1
Ingles 5ª série vol 1Ingles 5ª série vol 1
Ingles 5ª série vol 1nicholasfavaro
 
Segunda aplicação do enem 2014, Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do enem 2014, Aspectos gramaticaisSegunda aplicação do enem 2014, Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do enem 2014, Aspectos gramaticaisma.no.el.ne.ves
 

Semelhante a Childhood testing concerns (20)

Atividades de-lc3adngua-portuguesa-3c2ba-ano-ensino-mc3a9dio-com-descritores
Atividades de-lc3adngua-portuguesa-3c2ba-ano-ensino-mc3a9dio-com-descritoresAtividades de-lc3adngua-portuguesa-3c2ba-ano-ensino-mc3a9dio-com-descritores
Atividades de-lc3adngua-portuguesa-3c2ba-ano-ensino-mc3a9dio-com-descritores
 
enem 2019.pdf
enem 2019.pdfenem 2019.pdf
enem 2019.pdf
 
Caderno amarelo 2 dia 2014
Caderno amarelo 2 dia 2014Caderno amarelo 2 dia 2014
Caderno amarelo 2 dia 2014
 
Prova, ENEM 2014, caderno amarelo
Prova, ENEM 2014, caderno amareloProva, ENEM 2014, caderno amarelo
Prova, ENEM 2014, caderno amarelo
 
Enem 2011 2º dia
Enem 2011 2º diaEnem 2011 2º dia
Enem 2011 2º dia
 
1º prova do 1º ano em básico
1º prova do 1º ano em básico1º prova do 1º ano em básico
1º prova do 1º ano em básico
 
Ufbagab ingles2013
Ufbagab ingles2013Ufbagab ingles2013
Ufbagab ingles2013
 
AULÃO ENEM 2012 - PROFESSOR ANDERSON FELICIANO
AULÃO ENEM 2012 - PROFESSOR ANDERSON FELICIANOAULÃO ENEM 2012 - PROFESSOR ANDERSON FELICIANO
AULÃO ENEM 2012 - PROFESSOR ANDERSON FELICIANO
 
4° simulado Enem(28-09) - Gabarito
 4° simulado Enem(28-09) - Gabarito 4° simulado Enem(28-09) - Gabarito
4° simulado Enem(28-09) - Gabarito
 
Exercicio variacao linguistica_1
Exercicio variacao linguistica_1Exercicio variacao linguistica_1
Exercicio variacao linguistica_1
 
4º c leni apresentação ar
4º c  leni   apresentação ar4º c  leni   apresentação ar
4º c leni apresentação ar
 
Análise de Textos - Ensino Fundamental e Ensino Médio
Análise de Textos - Ensino Fundamental e Ensino MédioAnálise de Textos - Ensino Fundamental e Ensino Médio
Análise de Textos - Ensino Fundamental e Ensino Médio
 
Avaliaçãode línguaportuguesa3ºano (4) 2014-romaria
Avaliaçãode línguaportuguesa3ºano (4) 2014-romariaAvaliaçãode línguaportuguesa3ºano (4) 2014-romaria
Avaliaçãode línguaportuguesa3ºano (4) 2014-romaria
 
Enem slides
Enem slidesEnem slides
Enem slides
 
Texto argumentativo dissertação escolar..ppt
Texto argumentativo dissertação escolar..pptTexto argumentativo dissertação escolar..ppt
Texto argumentativo dissertação escolar..ppt
 
Texto argumentativo dissertação escolar..pptx
Texto argumentativo dissertação escolar..pptxTexto argumentativo dissertação escolar..pptx
Texto argumentativo dissertação escolar..pptx
 
Texto argumentativo dissertação escolar. (1)
Texto argumentativo dissertação escolar. (1)Texto argumentativo dissertação escolar. (1)
Texto argumentativo dissertação escolar. (1)
 
_Class - READING STRATEGIES- inglês.pptx
_Class - READING STRATEGIES- inglês.pptx_Class - READING STRATEGIES- inglês.pptx
_Class - READING STRATEGIES- inglês.pptx
 
Ingles 5ª série vol 1
Ingles 5ª série vol 1Ingles 5ª série vol 1
Ingles 5ª série vol 1
 
Segunda aplicação do enem 2014, Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do enem 2014, Aspectos gramaticaisSegunda aplicação do enem 2014, Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do enem 2014, Aspectos gramaticais
 

Mais de emanuel

Revisão ENEM EVOLUÇÃO
Revisão ENEM EVOLUÇÃORevisão ENEM EVOLUÇÃO
Revisão ENEM EVOLUÇÃOemanuel
 
Revisão de Ecologia
Revisão de Ecologia   Revisão de Ecologia
Revisão de Ecologia emanuel
 
Noções de Biotecnologia
Noções de BiotecnologiaNoções de Biotecnologia
Noções de Biotecnologiaemanuel
 
Noções de Cladistica
Noções de CladisticaNoções de Cladistica
Noções de Cladisticaemanuel
 
Sistema digestório e circulatório
Sistema digestório e circulatórioSistema digestório e circulatório
Sistema digestório e circulatórioemanuel
 
2º simulado Enem- Ciências Humanas e Naturais
2º simulado Enem- Ciências Humanas e Naturais2º simulado Enem- Ciências Humanas e Naturais
2º simulado Enem- Ciências Humanas e Naturaisemanuel
 
1º simulado Enem Compacto
1º simulado   Enem Compacto 1º simulado   Enem Compacto
1º simulado Enem Compacto emanuel
 
1º simulado ENEM - Humanas e Naturais
1º simulado ENEM - Humanas e Naturais1º simulado ENEM - Humanas e Naturais
1º simulado ENEM - Humanas e Naturaisemanuel
 
Ecologia - Níveis de organização
Ecologia - Níveis de organizaçãoEcologia - Níveis de organização
Ecologia - Níveis de organizaçãoemanuel
 
Câncer ( arquivo atualizado)
Câncer ( arquivo atualizado)Câncer ( arquivo atualizado)
Câncer ( arquivo atualizado)emanuel
 
Reino Monera 2015
Reino Monera 2015Reino Monera 2015
Reino Monera 2015emanuel
 
Aula dica 2014
Aula dica 2014Aula dica 2014
Aula dica 2014emanuel
 
Aula Dica 2014 - Lâminas
Aula Dica 2014 - Lâminas Aula Dica 2014 - Lâminas
Aula Dica 2014 - Lâminas emanuel
 
Bioquímica - Enem compacto
Bioquímica - Enem compactoBioquímica - Enem compacto
Bioquímica - Enem compactoemanuel
 
AV1 - ciências humanas e naturais- II bimestre
AV1  - ciências humanas e naturais- II bimestreAV1  - ciências humanas e naturais- II bimestre
AV1 - ciências humanas e naturais- II bimestreemanuel
 
Simulado Bahiana de medicina - SartreCOC
Simulado Bahiana de medicina - SartreCOCSimulado Bahiana de medicina - SartreCOC
Simulado Bahiana de medicina - SartreCOCemanuel
 
Genética e doenças
Genética e doençasGenética e doenças
Genética e doençasemanuel
 
Origem da vida e evolução - ENEM compacto
Origem da vida e evolução - ENEM compactoOrigem da vida e evolução - ENEM compacto
Origem da vida e evolução - ENEM compactoemanuel
 
Simulado ENEM - linguagens e matemática (27.04.14)
Simulado ENEM -  linguagens e matemática (27.04.14)Simulado ENEM -  linguagens e matemática (27.04.14)
Simulado ENEM - linguagens e matemática (27.04.14)emanuel
 
Simulado ENEM - Humanas e naturais (26.04.14)
Simulado ENEM - Humanas e naturais (26.04.14)Simulado ENEM - Humanas e naturais (26.04.14)
Simulado ENEM - Humanas e naturais (26.04.14)emanuel
 

Mais de emanuel (20)

Revisão ENEM EVOLUÇÃO
Revisão ENEM EVOLUÇÃORevisão ENEM EVOLUÇÃO
Revisão ENEM EVOLUÇÃO
 
Revisão de Ecologia
Revisão de Ecologia   Revisão de Ecologia
Revisão de Ecologia
 
Noções de Biotecnologia
Noções de BiotecnologiaNoções de Biotecnologia
Noções de Biotecnologia
 
Noções de Cladistica
Noções de CladisticaNoções de Cladistica
Noções de Cladistica
 
Sistema digestório e circulatório
Sistema digestório e circulatórioSistema digestório e circulatório
Sistema digestório e circulatório
 
2º simulado Enem- Ciências Humanas e Naturais
2º simulado Enem- Ciências Humanas e Naturais2º simulado Enem- Ciências Humanas e Naturais
2º simulado Enem- Ciências Humanas e Naturais
 
1º simulado Enem Compacto
1º simulado   Enem Compacto 1º simulado   Enem Compacto
1º simulado Enem Compacto
 
1º simulado ENEM - Humanas e Naturais
1º simulado ENEM - Humanas e Naturais1º simulado ENEM - Humanas e Naturais
1º simulado ENEM - Humanas e Naturais
 
Ecologia - Níveis de organização
Ecologia - Níveis de organizaçãoEcologia - Níveis de organização
Ecologia - Níveis de organização
 
Câncer ( arquivo atualizado)
Câncer ( arquivo atualizado)Câncer ( arquivo atualizado)
Câncer ( arquivo atualizado)
 
Reino Monera 2015
Reino Monera 2015Reino Monera 2015
Reino Monera 2015
 
Aula dica 2014
Aula dica 2014Aula dica 2014
Aula dica 2014
 
Aula Dica 2014 - Lâminas
Aula Dica 2014 - Lâminas Aula Dica 2014 - Lâminas
Aula Dica 2014 - Lâminas
 
Bioquímica - Enem compacto
Bioquímica - Enem compactoBioquímica - Enem compacto
Bioquímica - Enem compacto
 
AV1 - ciências humanas e naturais- II bimestre
AV1  - ciências humanas e naturais- II bimestreAV1  - ciências humanas e naturais- II bimestre
AV1 - ciências humanas e naturais- II bimestre
 
Simulado Bahiana de medicina - SartreCOC
Simulado Bahiana de medicina - SartreCOCSimulado Bahiana de medicina - SartreCOC
Simulado Bahiana de medicina - SartreCOC
 
Genética e doenças
Genética e doençasGenética e doenças
Genética e doenças
 
Origem da vida e evolução - ENEM compacto
Origem da vida e evolução - ENEM compactoOrigem da vida e evolução - ENEM compacto
Origem da vida e evolução - ENEM compacto
 
Simulado ENEM - linguagens e matemática (27.04.14)
Simulado ENEM -  linguagens e matemática (27.04.14)Simulado ENEM -  linguagens e matemática (27.04.14)
Simulado ENEM - linguagens e matemática (27.04.14)
 
Simulado ENEM - Humanas e naturais (26.04.14)
Simulado ENEM - Humanas e naturais (26.04.14)Simulado ENEM - Humanas e naturais (26.04.14)
Simulado ENEM - Humanas e naturais (26.04.14)
 

Último

PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasCasa Ciências
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfdottoor
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 

Último (20)

PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 

Childhood testing concerns

  • 1. INGLÊS TEXT I “Childhood damaged” by over-testing, says poet laureate Children in England's schools are being damaged by a culture of "incessant testing", says a group of academics and writers, including poet laureate Carol Ann Duffy. They have written to The Times, warning that changes to the curriculum and targets are harmful for children. The letter warns of "devastating consequences" for childhood. A Department for Education spokesman said schools now had greater "freedom to innovate and inspire". The letter, with 198 signatories, argues that the increasing pressure to improve test results will create a narrowing education for children, with teachers put in a "strait jacket" of targets. The academics and writers call for a consensus among teachers, parents and politicians about the "future of education". "Competition between children through incessant testing and labelling results is a public sense of failure for the vast majority," says the letter to the Times. "These damaging developments must stop. If they go ahead, there will be devastating consequences for children's mental health, for future opportunities and most importantly, for the quality of childhood itself." The theme of getting the balance right between academic testing and children's well-being was also raised by Tim Hands, chairman of the Headmasters' and Headmistresses' Conference (HMC), which is holding its annual conference. Mr Hands, speaking on Monday, criticised political interference in education – "the long interfering arm and dead restraining hand of government" – and said that the "principles of commercial accountability" had been applied to schools in a way that was "flawed". (Adaptado de http://www.bbc.com/news/education-24345834. Acesso em 18.04.2014) 01. O problema escolar apontado no texto refere-se à/ao: A) modelo dos testes aplicados em sala. B) excesso de tempo gasto para realizar as avaliações. C) quantidade excessiva de testes realizados pelos estudantes. D) realização de testes fora da sala de aula. E) substituição dos testes por trabalhos. 02. Segundo os argumentos da carta enviada ao The Times, a pressão para a melhora dos resultados nos testes pode apresentar como consequência: A) ampliação dos conhecimentos dos estudantes. B) desenvolvimento de novas metodologias de ensino. C) aumento do tempo de estudo na escola. D) educação mais restrita oferecida aos estudantes. E) aumento das notas dos alunos. 03. Responda às seguintes perguntas de acordo com a tirinha cômica acima. A tirinha cômica sugere: A) que ele não quer trabalhar. B) ele tem livre acesso a qualquer coisa. C) ele descobriu uma maneira de adquirir um trabalho fácil. D) que precisava de ajuda para encontrar um trabalho fácil. E) o seu amigo vai levá-lo para seu primeiro dia de trabalho.
  • 2. 2 04. Cartuns são produzidos com o intuito de satirizar comportamentos humanos e assim oportunizam a reflexão sobre nossos próprios comportamentos e atitudes. Nesse cartum, a linguagem utilizada pelos personagens em uma conversa em inglês evidencia que: (http://www.energia.com.br/simulados/sim_enem_13) A) independentemente de como os indivíduos se expressem, o diálogo é sempre possível. B) a amizade vai além das diferenças existentes. C) as diferenças não são pedras no caminho do estabelecimento de regras. D) a adoção de uma língua universal viabilizaria a comunicação entre indivíduos de diferentes origens. E) as palavras podem exercer diferentes funções dependendo do contexto em que são utilizadas. TEXT II Blowin' in the wind How many roads must a man walk down Before you can call him a man? How many seas must a white dove sail Before she can sleep in the sand? Yes and how many times must cannonballs fly Before they're forever banned? The answer, my friend, is blowin' in the wind The answer is blowin' in the wind Yes and how many years can a mountain exist Before it's washed to the sea Yes and how many years can some people exist Before they're allowed to be free? Yes and how many times can a man turn his head Pretend that he just doesn't see? The answer, my friend, is blowin' in the wind The answer is blowin' in the wind Yeah and how many times must a man look up Before he can see the sky? Yes and how many ears must one man have Before he can hear people cry? Yes and how many deaths will it take till he knows That too many people have died The answer, my friend, is blowin' in the wind The answer is blowin' in the wind? (Bob Dylan) 05. Bob Dylan foi aclamado como o poeta da mídia de massa por suas canções de protesto que abordavam temas sociais e culturais emergentes nos movimentos estudantis da década 1960 nos Estados Unidos. Muitos trechos de suas canções transformaram-se em slogans de manifestações políticas e protestos de rua. Na canção Blowin'in the wind Bob Dylan se refere: A) à indignação da população Americana em relação à participação dos EUA em inúmeras guerras atribuídas à política imperialista do governo americano. B) à indiferença das pessoas aos males decorrentes de uma sociedade cruel e opressora. C) à inevitável revolução cultural que se desencadeava no mundo. D) à Guerra Fria nutrida por ideologias antagônicas até o final do século passado. E) à destruição do hábitat de aves migratórias americanas. (http://www.energia.com.br/simulados/sim_enem_13)
  • 3. 3 TEXT III London: home and family Women in the late 19th century gave birth, on average, to 4.6 children during their lifetime. By the 1950s the average had surprisingly fallen to 2.19 children per woman. By the end of the century it dropped to 1.76 children per woman and has kept on falling dramatically so far. Family reduction was partly a consequence of women’s changing status. The 20th century saw women enter the workforce and enjoy more choices about their lives, including the choice not to marry and have children. Contraception was another factor. The issue of birth control was firstly brought out into the open in 1921 by Marie Stopes. Stopes' work dispelled some of the taboos surrounding birth control, but the real revolution occurred in the 1960s with the arrival of the oral contraceptive pill. Smaller families and more choices for women also meant smaller households, more people living alone, more one-parent families, and more unwed parents. By the 1990s, for example, a third of all households in London were single-person households. 06. Responda à questão de acordo com o texto acima. A sentença correta sobre o texto é: A) As mulheres no fim do século 19 não tinham mais filhos que hoje. B) Contracepção foi outro fator usado pelas mulheres como mudança de atitude no século 20. C) Londrinos modernos buscam métodos contraceptivos não tão confiáveis. D) As mulheres do século 20 se envolvem em relacionamentos profundamente comprometidos. E) Métodos contraceptivos, por outro lado, nunca são responsáveis por redução de família. 07. Leia o cartum abaixo e marque a resposta que transmite a mesma ideia existente na tirinha. A) A apólice do seguro cobre todos os sinistros, inclusive morte parcial. B) Há cobertura parcial na apólice estendida a zumbis. C) A apólice só funciona se a pessoa estiver morta. D) Quem dá garantia de cobertura da apólice é a polícia. E) Os clientes zumbis têm cobertura especial na apólice 08. Regionalismo é sempre assunto que gera discussão seja entre especialistas em línguas ou os meros usuários delas. Baseando-se no texto abaixo, marque a alternativa correta. The Dictionary of American Regional English Joan Houston Hall, a lexicographer, is concerned about the use of regionalisms throughout the country. She works in one of America’s most ambitious lexicographical projects, which culminates with the publication of a dictionary by Harvard University Press, 50 years after the project was inaugurated by Frederic G. Cassidy. Mr. Cassidy, who died in 2000, did not make it to the end of the alphabet. But to scholars and language lovers the work he set in motion is an invaluable guide to the way Americans not only speak but also live. The dictionary includes nearly 60,000 terms, many of them reflecting the country’s rural and agricultural past. But among the pages and pages of names for wildflowers and farm implements, DARE, as the dictionary is commonly known, includes enough newer terms to suggest that the state of regional English isn’t quite as bad as may suggest the laments about the homogenizing forces of urbanization, mass media and the Internet.
  • 4. 4 Ms. Hall recognizes that the extremes of regional speech are disappearing; however, she is pleased to find out that there are still lots of regional words. If it has become harder to find many different terms for outdated expressions, that’s partly because people today are more likely to be talking about fast food or traffic. In fact, in the age of Twitter and Facebook, linguists say, the interactions that most powerfully shape our speech are still local and face to face. In sum, American English actually has more words for the same things than ever before. A) O Dictionary of American Regional English é o resultado de um dos mais simples projetos lexicográficos da América. B) O Dictionary of American Regional English não é conhecido como DARE. C) O dicionário, que é um produto de um grupo de estudantes de Harvard, consiste em quase 60.000 termos. D) Joan Houston Hall é a única responsável pelo dicionário lexicográfico publicado pela Universidade de Harvard. E) A inclusão de termos mais recentes no Dictionary of American Regional English sugere que a situação de inglês regional não é tão ruim. 09. No cartum abaixo, pai e filho dialogam sobre estudos. Marque a alternativa correta em relação ao diálogo do cartum. “This college is very expensive, but when you graduate they give you a diploma, house, car, wife, kids and a dog.” A) A faculdade é barata e o aluno ganha prêmios. B) A faculdade é cara, mas o Reitor dá vários prêmios aos formandos. C) A faculdade é cara, porém com este diploma, consegue-se tudo na vida. D) A faculdade nem é cara nem barata e os alunos não precisam estudar muito. E) Não importa aprender, o que importa é ter um diploma. 10. A canção HAPPY tem sido executada por todo o mundo. Analise a letra desta canção e marque a alternativa que corresponde à mensagem nela presente. Happy It might seem crazy what I'm about to say Sunshine she's here, you can take a break I'm a hot air balloon that could go to space With the air, like I don't care baby by the way Because I'm happy Clap along if you feel like a room without a roof Because I'm happy Clap along if you feel like happiness is the truth Because I'm happy Clap along if you know what happiness is to you Because I'm happy Clap along if you feel like that's what you wanna do Here come bad news talking this and that Yeah, well, gimme all you got and don't hold back Yeah, well I should probably warn you I'll be just fine Yeah, no offense to you don't waste your time Here's why… (Pharrell Williams) A) Os versos mostram uma visão sem esperança da vida. B) A letra traz apenas problemas e negativismo. C) A canção mostra como é simples viver e ser feliz. D) A pessoa diz que vai ficar muito infeliz. E) Um dos versos diz para as pessoas gastarem tempo com coisas importantes.
  • 5. 5 ESPANHOL TEXTO I Cocina de bichos No es para sorprenderse, pero la Organización para la Agricultura y la Alimentación de Naciones Unidas trabaja en una política para promover insectos como alimento en todo el mundo. Resulta que escarabajos, grillos y muchos otros insectos son bastante nutritivos. Una ración de saltamontes pequeños, por ejemplo, contiene casi la misma cantidad de proteínas que la carne molida. Y los insectos pueden criarse a menor precio y en extensiones pequeñas. Unas 1000 especies ya forman parte de la dieta humana: los mexicanos licúan gusanos del maguey para hacer salsas, los tailandeses fríen en abundante aceite la chinche acuática gigante y los aborígenes australianos comen hormigas que saben a limón. Como la población mundial se acerca a 7 000 millones, la FAO (Organización para la Agricultura y la Alimentación) ve la cría de insectos como una acción hacia la seguridad alimentaria, tema para su próxima conferencia sobre entomofagia, la práctica de comer insectos. Crear platillos delicados en Occidente para tragarse la idea constituye el reto más grande, dice el entomólogo Gene DeFoliart, que tiene inclinación por las termitas. “Es hora de tomar esto en serio”, dice. Cuando lo hagamos, una mosca en tu sopa podría ser cortesía del chef. (HOLLAND, Jennifer S. “Cocina de bichos”) 01. Muito se discute sobre o problema da alimentação no mundo e sempre buscando-se uma solução factível já que a população mundial continua aumentando. Levando em consideração essa situação e tendo como base o texto, qual é a posição da FAO sobre o assunto? A) Afirma que todos os insetos são muito nutritivos. B) Diz que a fome está aumentando no mundo. C) Vê com bons olhos introduzir a ingestão de insetos na alimentação das pessoas. D) Indica que os insetos devem ser comidos sempre moídos. E) Mostra-se contrário quanto ao consumo de alguns insetos. TEXTO II Chile apoya acuerdo entre EE.UU y Rusia para destruir el arsenal químico sirio El gobierno respaldó hoy el acuerdo entre Rusia y EE.UU. para destruir el arsenal químico sirio y dijo esperar que ayude a generar las condiciones que conduzcan a una solución política del conflicto en Siria. La cancillería llamó también a todas las partes involucradas en la guerra “a cumplir con los compromisos adquiridos y a efectuar prontamente acciones concretas para lograr una solución pacífica”. Además, solicitó a Siria que garantice el libre acceso a los inspectores de Naciones Unidas en su labor de supervisar la eliminación del armamento químico, cuyo uso – resalta – “es absolutamente inadmisible” y “constituye una grave amenaza a la paz y la seguridad internacionales”. 02. Sobre a situação do arsenal químico sírio e levando em consideração o texto acima, fica clara a postura do governo chileno que é: A) intervir militarmente nos enfretamentos civis. B) respaldar a decisão do Poder Executivo da Síria. C) acabar com as exportações das armas químicas. D) ajudar na geração de condições para que se chegue a uma solução na Síria. E) apoiar a Síria em qualquer que seja seu posicionamento. 03. No segundo parrágrafo está exposto que o governo chileno se dirigiu: A) aos inspetores das nações unidas. B) às autoridades russas e estadunidenses. C) às partes beligerantes. D) aos fabricantes de armas massivas. E) ao governo russo. TEXTO III Nicaragua relanzó la ciudad de Granada como destino turístico, tras realizar una inversión de 1,9 millones de dólares (1,4 millones de euros), informó en una nota de prensa “visitanicaragua.com”. Los fondos, según la vicepresidenta ejecutiva del Instituto Nicaragüense de Turismo (INTUR), Anasha Campbell, provienen de un préstamo que realizó el Banco Interamericano de Desarrollo (BID) al país. Para el relanzamiento se amplió la calle La Calzada, el Parque Azul, el monumento a Rubén Darío y el malecón de Granada en su entorno. Además se trabajó en la iluminación de las calles, así como en la construcción de un puente y de andenes peatonales, entre otras obras.
  • 6. 6 Noches de serenata Las obras vienen a fortalecer a Granada como destino turístico, articulando lo que es el circuito urbano, con la unión del Lago de Granada y la ciudad. El objetivo de este relanzamiento turístico de Granada es dar un salto cuantitativo y cualitativo en la oferta turística actual, así como satisfacer las demandas de los turistas nacionales y extranjeros. Por su parte, la alcaldesa de Granada, Julia Mena, anunció que realizarán las “Noches de Serenata”, cada 15 días, en diferentes destinos turísticos de Granada, para promocionar la gastronomía, el arte y costumbres de “La Gran Sultana”, como se reconoce también a la ciudad. 04. Segundo a responsável do órgão nicaragüense dedicado ao turismo, em relação à promoção da cidade de Granada: A) foi executada com recursos do município. B) foi possível depois do pagamento dos credores. C) depois de um ajuste das finanças do país se pode investir nessa cidade. D) arrecadação através de festas noturnas. E) foi viabilizada através de recursos recebidos do BID. TEXTO IV 05. A charge mostra a violência contra a mulher no decorrer do tempo. Depois de observar os quatro quadros entende-se que os diretos da mulher: A) melhoraram durante um período da história. B) continuam sem ser respeitados. C) ganharam força na atualidade. D) estão definidos desde sempre. E) são iguais aos direitos dos homens. TEXTO V El presidente de Fedecámaras, el empresario J. Roig, hizo un nuevo llamado este martes al Gobierno Nacional para sentarse a debatir sobre la situación económica del país, que en su opinión es la que está marcando la pauta en Venezuela. “La palabra clave es la confianza, sin ella por más medidas y organismos que se creen no vamos a recuperar la senda para el crecimiento económico (…) Reiteramos el llamado para sentarnos en una mesa, Venezuela así nos lo está reclamando”, manifestó. El presidente de la Federación de Cámaras y Asociaciones de Comercio y Producción de Venezuela indicó que les sorprendió la importación de 600 millones de dólares en alimentos desde Colombia, y apuntó que esa cantidad pudo haber sido de provecho para la reactivación del aparato productivo en Venezuela. Sobre las acusaciones de una guerra para desabastecer, Roig dijo: “Los empresarios no sabemos nada de guerra; lo que sabemos es producir y queremos producir. Un empresario por naturaleza quiere crecer, tener mayor bienestar para sus trabajadores; ninguno quiere estrangular la economía”. (Disponível em: <http://www.el-nacional.com/economia/Roig-empresario-naturaleza-estrangular-economia_0_265773480.html>. Acesso em: 17 abr. 2014. (Adaptado).) 06. A Venezuela tem passado por sérias crises no tocante à produção e venda de alimentos. Sobre este tema o texto menciona o presidente da “Federación de Cámaras y Asociaciones de Comercio y Producción”, o mesmo , no primeiro parágrafo: A) declina a solicitação do governo para negociar. B) renova uma oferta de diálogo. C) relativiza a importância da economia. D) reativa as negociações paralizadas. E) não crê que a crise seja preocupante.
  • 7. 7 07. Ao mencionar a importação de alimentos colombianos por parte da Venezuela, o empresário J. Roingg mencionou que essa operação havia: A) reativado o trabalho da federação. B) impulsionado a economia venezuelana. C) gerado surpresa para ele. D) dado um resultado menor do que a demanda. E) diminuído a crise no país. TEXTO VI UN RETRETE SOSTENIBLE Uno de los hombres más ricos del mundo, Bill Gates, ha lanzado una iniciativa industrial para reinventar el retrete y conseguir que un utensilio tan necesario para atender las necesidades del 40% de la población mundial que no tiene acceso al agua, a la electricidad, ni a los sistemas de tratamiento de deshechos. “Los retretes – dice el propietario de Microsoft – son extremadamente importantes para la salud pública. En el mundo hay 2.500 millones de personas sin acceso a una red sanitaria, incluyendo 1.000 millones que defecan al aire libre y otros 1.000 millones que aún usan las letrinas. A parte de una cuestión de dignidad humana, esto crea una barrera sanitaria y económica para las comunidades más pobres y daña el medio ambiente”. Habrá que darle la razón. Está por ver que las soluciones que patrocina Bill Gates cuajen en un modelo industrial utilizable en todo el mundo. (PONTE, José Manuel. Un retrete sostenible. Disponível em: <http://www.farodevigo.es/opinion/2012/21/retrete-sostenible/675687.html>. Acesso em: 20 abr. 2014. (Adaptado).) 08. A estrutura sanitária ainda não realidade para toda população do planeta, ainda que seja necessária. O projeto de Bill Gates tem como propósito: A) promoção dos seus produtos. B) modernizar a indústria. C) economizar energia. D) economizar água. E) universalizar um bem. 09. A expressão: “ Habrá que darle la razón”, transmite que o autor, diante da proposta mencionada, reage com: A) entusiasmo. B) incredulidade. C) conformidade. D) desconfiança. E) negatividade. TEXTO VII 10. Observando a linguagem verbal e não verbal da charge, observa-se que a proposta feita pelo patrão: A) procura melhorar as condições de trabalho do operário. B) parte da constatação do abuso exercido pelos intermediários. C) é feita de uma posição marcada de poder e autoridade. D) tem como fundamento a insatisfação do trabalhador com os sindicatos. E) é feita em pé de igualdade de direitos.
  • 8. 8 PORTUGUÊS TEXTO Por incrível que pareça, num mundo saturado de informações como o nosso, é comum ouvir alguém reclamar da falta de tempo para ler. Na época das mídias sociais e do compartilhamento massivo de conteúdos – principalmente sob a forma escrita – é praticamente impossível digerir tudo o que a vida digital nos oferece. Uma simples conferida no Twitter ou no Facebook, por exemplo – seja no computador, tablet ou smartphone – já é suficiente para descobrirmos dúzias de links com leituras de cuja existência não suspeitávamos até outro dia, tamanha é a circulação de textos a que a internet dá vazão. – As pessoas não vão mais atrás das informações, é a informação que vai atrás delas. Você determina centros de interesse, aquilo que você realmente quer ver, e essas informações chegam conforme vão sendo produzidas – explica Thales Schmalz Toniolo, pós-graduado em Engenharia de Software e professor dos cursos de MBA da Fiap em São Paulo. (MURANO, Eduardo. Para ler depois: aplicativos de leitura e agregadores de conteúdo ajudam a dar ordem no mar de informações da era digital. Revista Língua Portuguesa. Ano 9, num. 101, mar. 2014, p. 21.) 11. As tecnologias de comunicação mais contemporâneas vêm alterando o modo como os indivíduos têm acesso aos objetos e práticas de leitura. Segundo o texto, em nosso tempo, as informações são marcadas por duas particularidades: A) a evidente saturação e a simplificação excessiva. B) a superficialidade intelectual e a rapidez de circulação. C) a expressiva quantidade e a possibilidade de escolha. D) a suspeita sobre sua validade e a facilidade de acesso. E) a antecipação aos leitores e a sincronia entre produção e recepção. TEXTO Se hoje a diversidade de variedades linguísticas põe em xeque o mito da unidade linguística brasileira – já que os diferentes agrupamentos sociais que nos formam não falam exatamente o mesmo português –, pensar em tal unidade seria impossível analisando os falares do nosso Brasil colônia. A convivência entre falantes do português e falantes de diferentes línguas indígenas resultou no surgimento de línguas de contato de base indígena, as chamadas línguas gerais, cuja formação é discutida na dissertação de Wagner Argolo: Introdução à história das línguas gerais no Brasil: processos distintos de formação no período colonial [...] Dentro do quadro plurilíngue do Brasil colônia, duas línguas gerais foram razoavelmente descritas: a Língua geral paulista – falada na costa brasileira –, surgida em contexto de grande miscigenação entre brancos portugueses e índias tupinambás (língua essa documentada por Anchieta), e a Língua Geral Amazônica, que resultou no nheegatu, idioma ainda falado no município de São Gabriel da Cachoeira e entre grupos de índios munducurus, nas margens do Amazonas. (MÓDOLO, Marcelo; BRAGA, Henrique. Em busca da língua perdida: mestrando da UFBA analisa formação e distribuição de línguas gerais no Brasil colônia. Revista Língua Portuguesa. Ano 9, num. 102, mar. 2014, p. 30.) 12. As línguas gerais são uma realidade da história do Português Brasileiro. Sua comprovada presença em nossa história linguística reforça a: A) predominância da cultura do colonizador, que, desde sempre, silenciou os hábitos culturais dos colonizados. B) evidente unidade histórica do português brasileiro, que, transplantado de Portugal, manteve-se coeso em nosso território. C) diferença entre as normas históricas do português brasileiro, que, de modo mais ou menos marcado, tenderam sempre uma rigorosa aproximação do português europeu. D) percepção da heterogeneidade constitutiva do português brasileiro, que, desde seus primeiros momentos, manifesta-se em pluralidade. E) força de duas normas linguísticas, que, no contexto do Brasil colonial, mantiveram-se como as únicas formas de comunicação no território. TEXTO Por séculos, um desvio da norma gramatical foi considerado erro e ponto. A sociedade dividia-se, portanto, entre os que sabiam falar a própria língua e os que não sabiam. Com o advento da linguística evolutiva, da sociolinguística e sobretudo dos estudos de William Labov sobre variação, o chamado erro gramatical passou a ser visto como um fato natural da linguagem. Remonta, por sinal, aos linguistas histórico- comparativos do século 19 o lema de que o erro de hoje poderia ser a norma gramatical de amanhã. No entanto, essa visão mais benevolente do desvio levou em alguns casos a uma confusão entre erro e evolução: o desvio pode vir a tornar-se norma, mas não necessariamente se tornará. Como numa reação contra séculos de doutrinação gramatical e estigmatização da fala dos menos instruídos, alguns teóricos passaram equivocadamente a supervalorizar o erro e a relativizar a importância da língua padrão. (BIZZOCHI, Aldo. A cultura da evolução livre. Revista Língua Portuguesa. Ano 9, num. 102, mar. 2014, p. 48.)
  • 9. 9 13. O advento dos estudos linguísticos produziu uma nova forma de perceber as questões de linguagem, especialmente aquelas relacionadas à noção de erro. O impacto do olhar linguístico sobre os desvios da norma gramatical é caracterizado: A) pelo reforço da segregação entre aqueles que sabem e aqueles que não sabem falar a língua. B) pela compreensão de que os desvios do padrão são próprios e constitutivos da linguagem. C) pela defesa de que o desvio da norma é uma prévia segura da realidade futura da língua. D) pela associação entre as noções de erro e evolução no tratamento dos fatos de língua. E) pelo excesso de valor atribuído ao erro e pelo desprezo das outras manifestações da língua. TEXTO Faz um bom tempo já que se firmou entre os pesquisadores da área da educação linguística a convicção de que a função primordial da escola, no que diz respeito à pedagogia da língua materna, é promover o letramento de seus aprendizes. E para essa promoção do letramento, as atividades fundamentais são a leitura e a escrita, com foco na diversidade de gêneros textuais que circulam em sociedade. Além da leitura e da escrita, também tem espaço em sala de aula para a reflexão sobre a língua e a linguagem. Essa reflexão deve ser feita primordialmente através das chamadas atividades epilinguísticas, aquelas que não recorrem à nomenclatura técnica (a metalinguagem), de modo a permitir o percurso uso → reflexão → uso. Isso, logo de saída, implica que tais atividades só podem ser feitas a partir de textos autênticos, falados e escritos, dos quais se possa depreender o funcionamento da língua na construção dos sentidos. O enfoque deve ser, portanto, essencialmente semântico-pragmático- discursivo: as reflexões sobre os aspectos especificamente gramaticais precisam ser lançadas contra esse pano de fundo semântico-pragmático-discursivo, de modo a conscientizar o aprendiz de que os recursos disponíveis na língua são ativados essencialmente para a produção de sentido e a interação social. (BAGNO, Marcos. Gramática Pedagógica do Português Brasileiro. São Paulo: Parábola, 20101. p. 19-20) 14. Em sua reflexão sobre a função da escola na pedagogia da língua materna, o linguista Marcos Bagno manifesta: A) um pensamento comprometido com a supremacia da norma padrão sobre as outras realidades da língua. B) uma ideologia associada à negação do ensino do padrão formal da língua nas escolas. C) uma postura excessivamente normativa, que se pauta na repetida prática de diferenciar “certo” de “errado”. D) um interesse pela articulação entre usos de linguagem e os usos e valores sociais. E) uma negação da oralidade e um interesse mais imediato no registro escrito. TEXTO O texto eletrônico reintroduz na escrita algumas coisas das línguas formais que buscavam uma linguagem simbólica capaz de representar adequadamente os procedimentos do pensamento. Era assim que Condorcet chamava a atenção, em Esquisse d’um tableau historique des progrès de l’espirit humain (1988), para a necessidade de uma língua comum, apta a formalizar as operações do entendimento e os raciocínios lógicos e que fosse traduzível em cada língua particular. Essa língua universal deveria ser escrita mediante signos convencionais, símbolos, quadros e tabelas, todos esses “métodos técnicos” que permitem captar as relações entre os objetos e as operações cognitivas (Chartier, 1996). Se Condorcet vinculava estreitamente o uso dessa língua universal à invenção e à difusão da imprensa no mundo contemporâneo, é em relação com a textualidade eletrônica que se esboça um novo idioma formal imediatamente decifrável por todos. É o caso da invenção dos símbolos, os emoticons, como se diz em inglês, que utilizam de maneira pictórica alguns caracteres do teclado (parênteses, vírgula, ponto e vírgula, dois pontos) para indicar o registro de significado das palavras: alegria :-) tristeza :-( ironia ;-) ira :-@... ilustram a procura de uma linguagem não-verbal e que, por essa mesma razão, possa permitir a comunicação universal das emoções e o sentido do discurso. (CHARTIER, Roger. Os desafios da escrita. São Paulo: Editora UNESP, 2002. p.17) 15. Como é sabido, os emoticons são instrumentos de comunicação bastante produtivos nas interações linguísticas mediadas pelas novas tecnologias. No dizer de Chartier, esses códigos podem ser pensados como uma: A) ameaça ao código verbal, que, enfraquecido pelos emoticons, perde parte de seu poder de comunicação. B) forma de comunicação que pode substituir determinadas diferenças linguísticas entre idiomas. C) opção de comunicação para os que não passaram pelos processos formais de alfabetização e letramento. D) possibilidade de interação mais geral, que pode ser significada e entendida também em contextos mais particulares. E) ressignificação do código verbal e substituição dos sentidos que determinados símbolos produzem. TEXTO Fantástico mostra como é compra de vagas em faculdades de medicina Os próprios pais negociam com as quadrilhas e pagam para que os filhos sejam aprovados nos vestibulares sem precisar estudar. Neste domingo (27), o Fantástico vai denunciar uma fraude escandalosa: alunos em todo o Brasil comprando vagas nas faculdades de medicina. Os criminosos chegam a pedir R$ 90 mil para garantir vagas a candidatos que estão prestando vestibular. Os próprios pais negociam com as quadrilhas e pagam para que os filhos sejam aprovados nos vestibulares sem precisar estudar. (Disponível em <http://g1.globo.com/fantastico/noticia/2013/01/fantastico-mostra-como-e-compra-de-vagas-em-universidades-de-medicina.html>. Acesso em: 05 maio. 2014)
  • 10. 10 16. Considerando as características e a finalidade comunicativa do gênero, pode-se considerar que o uso da expressão “compra de vagas”, formada por uma ação nominal (compra) e um termo de valor paciente (de vagas), tem, no contexto do texto em questão, a finalidade de: A) impedir a total apreensão da mensagem, já que, mesmo que se evidencie o paciente, o agente da ação está expresso. B) garantir a coesão, uma vez que evita a repetição do termo “comprar”, verbo que origina o substantivo “compra”. C) atrair o leitor para a leitura completa do texto, visto que expressa uma ação, mas não evidencia, em primeiro momento, todas entidades envolvidas em sua realização. D) reforçar a prudência constitutiva do fazer jornalístico, pois, como se sabe, não é correto fazer acusações quando os agentes das ações não são conhecidos. E) omitir a referência aos agentes da ação, por se considerar que tal informação é de pouca relevância para a construção do texto. TEXTO Muitas obras gramaticais de perfil normativo trazem interessantes observações sobre fenômenos que representam mudanças na norma-padrão e que já caracterizam o português escrito mais monitorado. Essas observações, no entanto, aparecem qause sempre de forma muito tímida, em notas de rodapé, sem que o gramático ouse aplicar a elas os mesmos adjetivos de “recomendável”, “correto” ou “exemplar” que usam para qualificar regras padronizadas que descrevem e prescrevem. Ora, é preciso abandonar tais pruridos e escancarar o português brasileiro: dizer que as regras do nosso vernáculo são certas e válidas, de modo claro e explícito, e não com observações em letra pequena ou em notas de rodapé. É preciso escrever, preto no branco, por exemplo, que o uso do pronome ele como objeto direto não é crime, não é pecado, não é imoralidade – é simplesmente uma regra gramatical da língua falada no Brasil por mais de 175 milhões de pessoas e que também comparece em textos escritos mais monitorados! O caso do pronome ele como objeto direto é um ótimo exemplo da atitude metodologicamente inconsistente dos gramáticos normativos. Que esse uso aparece na literatura é fácil verificar. Alguns poucos exemplos: 1. “Antônio Balduíno, que antes estava com pena e achava ELA bonita, ficou com raiva” (Jorge Amado, Mar morto) 2. “Levava ELE pra sala/pra lugares mais bonitos, mais limpinhos/Ele não se importava” (Manuel Bandeira, Estrela da vida inteira) 3. “Se sei quase tudo de Macabéa é que já peguei uma vez de relance o olhar de uma nordestina amarelada. Esse relance me deu ELA de corpo inteiro” (Clarice Lispector, A hora da estrela) (BAGNO, Marcos. A norma oculta: língua e poder na sociedade brasileira. São Paulo: Parábola, 2003. p. 164-5) 17. A transcrição de fragmentos de Jorge Amado, Manuel Bandeira e Clarice Lispector atende, na argumentação acima, ao propósito de evidenciar: A) o desinteresse dos grandes escritores por questões gramaticais. B) a excessiva valorização dos usos coloquiais pela crítica literária. C) a distância entre as prescrições da gramática normativa e a realidade concreta da língua. D) a abertura dos gramáticos e dos literatos para os usos populares da língua. E) a necessidade de os gramáticos tomarem sempre os usos literários como referência para suas prescrições. TEXTO 5 O novo aliado dos cientistas para deter a leishmaniose visceral tem menos de um milímetro de comprimento, mas é capaz de matar mosquitos que transmitem a doença antes que eles se reproduzam. Trata-se de um verme descoberto por pesquisadores da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), que pode se tornar uma arma biológica contra o inseto. O nematoide (tipo de verme cilíndrico, que ainda nem ganhou seu nome de espécie), foi encontrado pelos biólogos Paulo Pimenta e Nagela Secundino, do Centro de Pesquisa René Rachou, em Belo Horizonte (Verme pode ajudar a deter leishmaniose. Folha de São Paulo, 18 jan. 2003) 18. A respeito dos usos linguísticos do fragmento acima, é correto o que se afirma em: A) “doença” (l. 2) é um hipônimo de “leishmaniose” (l. 1) B) “eles” (l. 2) refere-se ao termo “pesquisadores da Fiocruz” (l. 3), antecipando-o. C) A expressão definida “O nematoide” (l. 4) resgata o termo “o inseto” (l. 3) D) “pesquisadores” (l. 3) e “biólogos” (l. 4) estabelecem, no contexto, uma relação de antonímia. E) “O novo aliado” (l. 1), “um verme” (l. 2) e “uma arma biológica” (l. 3) referem-se ao mesmo termo.
  • 11. 11 TEXTO O abismo entre dois Silvas (Por Sylvia Debossan Moretzsohn em 29/04/2014 na edição 796) 5 10 Um era jovem, bonito, alegre e começava a fazer carreira na TV. O outro também era jovem, não exibia especiais atributos físicos, era triste, tinha problemas mentais e teria vivido como um enjeitado se não tivesse sido acolhido por uma mulher que se apiedou da situação dele. Os dois eram negros e foram mortos na semana passada, quando o supostamente “pacificado” Pavão-Pavãozinho, favela em área nobre da Zona Sul carioca, explodiu num conflito que incluiu balas traçantes e interditou o trânsito de Copacabana no início da noite da terça-feira (22/4). Foi o assassinato de Douglas Rafael da Silva, durante uma perseguição policial a traficantes, que detonou os protestos. Edilson Silva dos Santos, rebatizado de Mateus pela mãe adotiva porque ninguém sabia o nome dele na comunidade, não passou de mais um: em meio ao fogo cruzado, levou uma bala na cabeça e morreu antes de chegar ao hospital. Dançarino no programa dominical de Regina Casé, da TV Globo, Douglas, conhecido como DG, ganhou a mídia e as ruas. Teve velório concorrido no cemitério São João Batista e homenagem de artistas globais na edição especial do Esquenta! de domingo (27/4). No mesmo cemitério, Edilson, ou Mateus, foi velado debaixo de um toldo por meia dúzia de pessoas. (Disponível em <http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_ed796_o_abismo_entre_dois_silvas>. Acesso em: 05 maio. 2007) 19. O texto acima discute o problema da violência urbana no Brasil, a partir do confronto entre o tratamento dado à história social de uma vítima “conhecida” e o tratamento dado à história de uma vítima “anônima”. Sobre seus usos linguísticos, é correto afirmar que: A) o termo “abismo”, que figura no título do texto, é negado, em uma relação de oposição de sentido, pelo quantificador “dois”, que o sucede. B) os adjetivos utilizados no primeiro período do termo reforçam as semelhanças entre os jovens, associando-os a características positivas. C) o numeral “dois” (l. 3), caracterizado pelo termo “negros” (l. 3), reforça as diferenças entre os jovens da cena. D) as expressões “também era jovem”, “semana passada” e “No mesmo cemitério” reforçam que as aproximações biográficas dos jovens geraram o tratamento semelhante que suas histórias receberam dos meios de comunicação. E) as escolhas pelos termos “programa dominical”, “mídia” e “ruas” (no caso da referência a Douglas) e “debaixo de um toldo” e “meia dúzia de pessoas” (na referência a Edilson) reforçam a oposição sinalizada no título do texto. 20. O propósito comunicativo da peça publicitária acima é a sensibilização para a doação de sangue. Além dos elementos de referenciação interna, como o pronome “ele”, há elementos linguísticos que apontam para referentes externos ao texto. Essa referenciação exofórica produz: A) um distanciamento entre a mensagem comunicada pelo emissor e a interpretação do leitor. B) uma identificação do leitor com a biografia da figura humana que aparece no texto. C) um efeito de convocação do leitor, que deve se sensibilizar e fazer o que se solicita. D) uma especificação do público-alvo, a partir das características que são enunciadas. E) um desenho específico do perfil das pessoas necessitadas do tipo de ajuda que se solicita do leitor.
  • 12. 12 21. (Enem - 2013) Querô DELEGADO – Então desce ele. Vê o que arrancam desse sacana. SARARÁ – Só que tem um porém. Ele é menor. DELEGADO – Então vai com jeito. Depois a gente entrega pro juiz. (Luz apaga no delegado e acende no repórter, que se dirige ao público.) REPÓRTER – E o Querô foi espremido, empilhado, esmagado de corpo e alma num cubículo imundo, com outros meninos. Meninos todos espremidos, empilhados, esmagados de corpo e alma, alucinados pelos seus desesperos, cegados por muitas aflições. Muitos meninos, com seus desesperos e seus ódios, empilhados, espremidos, esmagados de corpo e alma no imundo cubículo do reformatório. E foi lá que o Querô cresceu. (MARCOS, P. Melhor teatro. São Paulo:. Global, 2003 (fragmento).) No discurso do repórter, a repetição causa um efeito de sentido de intensificação, construindo a ideia de: A) opressão física e moral, que gera rancor nos meninos. B) repressão policial e social, que gera apatia nos meninos. C) polêmica judicial e midiática, que gera confusão entre os meninos. D) concepção educacional e carcerária, que gera comoção nos meninos. E) informação crítica e jornalística, que gera indignação entre os meninos. 22. (ENEM, 2009) Páris, filho do rei de Troia, raptou Helena, mulher de um rei grego. Isso provocou um sangrento conflito de dez anos, entre os séculos XIII e XII a.C.. Foi o primeiro choque entre o ocidente e o oriente. Mas os gregos conseguiram enganar os troianos. Deixaram à porta de seus muros fortificados um imenso cavalo de madeira. Os troianos, felizes com o presente, puseram-no para dentro. À noite, os soldados gregos, que estavam escondidos no cavalo, saíram e abriram as portas da fortaleza para a invasão. Daí surgiu a expressão “presente de grego”. (DUARTE, Marcelo. O guia dos curiosos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.) Em “puseram-no”, a forma pronominal “no” refere-se: A) ao termo “rei grego”. B) ao antecedente “gregos”. C) ao antecedente distante “choque”. D) à expressão “muros fortificados”. E) aos termos “presente” e “cavalo de madeira”. 23. Os fragmentos abaixo, embora distantes em quase três séculos, expressam o mesmo ideal de felicidade. TEXTO I Se o bem desta choupana pode tanto, Que chega a ter mais preço e mais valia, Que da cidade o lisonjeiro encanto; (soneto LXII. Cláudio Manuel da Costa) TEXTO II Eu não troco meu ranchinho amarradinho de cipó Por uma casa na cidade, nem que seja bangalô (O Inhambu-xintã e o Xororó. Tonico e Tinoco) De acordo com os versos do poema e da canção, o eu-lírico em ambos os textos: A) lamenta sua saída da cidade para viver em meio a privações. B) expressa desprezo pela rusticidade da"choupana" e do "ranchinho". C) exalta o conforto de uma "casa na cidade" de "lisonjeiro encanto". D) valoriza a vida simples no campo, numa moradia modesta mas cheia de paz. E) ratifica a necessidade de uma casa no campo e outra na cidade. 24. Leia o poema de Francisco Otaviano e a canção de Vinícius de Moraes. TEXTO I Quem passou pela vida em branca nuvem, E em plácido repouso adormeceu; Quem não sentiu o frio da desgraça, Quem passou pela vida e não sofreu; Foi espectro de homem, não foi homem, Só passou pela vida, não viveu. (Ilusões da Vida. Francisco Otaviano)
  • 13. 13 TEXTO II Quem já passou Por esta vida e não viveu Pode ser mais Mas sabe menos do que eu Porque a vida só se dá Pra quem se deu Pra quem amou Pra quem chorou Pra quem sofreu, (Como dizia o poeta. Vinícius de Moraes) Ambos falam do mesmo assunto e estão em conformidade com a estética romântica porque: A) sugerem que o leitor seja feliz e viva a vida distante da realidade. B) são explícitas as referências a evasão no tempo e no espaço. C) expõem os problemas sociais que afetavam a sociedade da época. D) sobressaem a vassalagem amorosa, isto é, o homem submisso à mulher. E) destacam a importância de se viver todas as experiências intensamente. 25. O poema abaixo, de Cláudio Manuel da Costa, um representante importante do Arcadismo brasileiro. Dessa forma, leia-o com atenção e responda ao que se pede. Quando cheios de gosto e de alegria Quando cheios de gosto, e de alegria Estes campos diviso florescentes, Então me vêm as lágrimas ardentes Com mais ânsia, mais dor, mais agonia. Aquele mesmo objeto, que desvia Do humano peito as mágoas inclementes, Esse mesmo em imagens diferentes Toda a minha tristeza desafia. Se das flores a bela contextura Esmalta o campo na melhor fragrância, Para dar uma ideia da ventura; Como, ó Céus, para os ver terei constância, Se cada flor me lembra a formosura Da bela causadora de minha ânsia? Com base nesse poema, sobretudo em se tratando das duas primeiras estrofes, constatamos uma nítida oposição entre: A) as condições inerentes ao eu lírico e as condições da paisagem bucólica. B) a paisagem campestre e o estado de exaltação à natureza do poeta. C) o reconhecimento do poeta à natureza bela e o cenário exuberante. D) a mágoa do poeta devido ao cenário natural e o meio campestre. E) a bela e radiante paisagem e a devoção do poeta à foto paisagística Baseando-se nas características que perfizeram o Romantismo, atenha-se a uma análise das produções literárias em evidência, no intuito de responder à questão que a ela se refere: O “adeus” de Teresa A primeira vez que fitei Teresa Como as plantas que arrasta a correnteza A valsa nos levou nos giros seus... E amamos juntos... E depois na sala “Adeus” eu disse a tremer co´a fala (Castro Alves)
  • 14. 14 Pálida inocência Por que, pálida inocência, Os olhos teus em dormência A medo lanças em mim? No aperto de minha mão Que sonho do coração Tremeu-te os seios assim? E tuas falas divinas E que amor lânguida afinas Em que lânguido sonhar? E dormindo sem receio Por que geme no teu seio Ansioso suspirar? Inocência! (Álvares de Azevedo) 26. Tendo em vista a temática do amor, expressa em ambos os poemas, a expressão acerca do assunto que se pode registrar é: A) Para Castro Alves, a figura feminina é um ser idealizado; já para Álvares de Azevedo, um ser materializado. B) Castro Alves tem o desejo de respeitá-la e adorá-la, enquanto Álvares de Azevedo tem um contato mais íntimo. C) O poeta da 3a geração vê a mulher no prisma imaterial; o poeta da 2a geração a vê na ótica real. D) Castro Alves instiga o desejo de possuir o sexo feminino; Para Álvares de Azevedo, embora manifeste desejos, a figura feminina está aquém de suas vontades. E) O primeiro poeta fica somente nos sonhos, no plano onírico, enquanto o segundo traduz o relacionamento do eu lírico por meio de um contato mais íntimo. 27. “O amor é feio Tem cara de vício Anda pela estrada Não tem compromisso (...) O amor é lindo Faz o impossível O amor é graça Ele dá e passa.” (Arnaldo Antunes, Carlinhos Brown, Marisa Monte) “Amor é vida; é ter constantemente Alma, sentidos, coração – abertos Ao grande, ao belo; é ser capaz de extremos, De altas virtudes, té capaz de crimes! Compreender o infinito, a imensidade E a natureza e Deus; gostar dos campos; De aves, flores, murmúrios solitários; Buscar tristeza, a soledade, o erro, E ter o coração em riso e festa; E à branda festa, ao riso da nossa alma Fontes de pranto intercalar sem custo; Conhecer o prazer e a desventura No mesmo tempo, e ser no mesmo ponto O ditoso, o misérrimo dos entes: Isso é amor, e desse amor se morre! (Gonçalves Dias) O amor, independente de época, sempre foi um motivo temático bastante explorado nas mais variadas formas de expressão artística. O diálogo estabelecido entre o primeiro e segundo textos permite afirmar que: A) os respectivos autores fazem declarações que consideram o amor um sentimento complexo e paradoxal. B) no texto de Gonçalves Dias, o amor é considerado como uma força que conduz o homem unicamente a realizações grandiosas. C) os autores conceituam o sentimento, considerando-o em sua objetividade, racionalidade e impessoalidade. D) a canção reafirma o espírito amargo e desalentador, característico dos românticos da primeira geração poética. E) a prevalência de elementos descritivos e narrativos aproxima os dois textos dos autores realistas.
  • 15. 15 28. O canto do guerreiro “Aqui na floresta Dos ventos batida, Façanhas de bravos Não geram escravos, Que estimem a vida Sem guerra e lidar. — Ouvi-me, Guerreiros, — Ouvi meu cantar. Valente na guerra, Quem há, como eu sou? Quem vibra o tacape Com mais valentia? Quem golpes daria Fatais, como eu dou? — Guerreiros, ouvi-me; — Quem há, como eu sou?” (Gonçalves Dias) Macunaíma (Epílogo) “Acabou-se a história e morreu a vitória. Não havia mais ninguém lá. Dera tangolomângolo na tribo Tapanhumas e os filhos dela se acabaram de um em um. Não havia mais ninguém lá. Aqueles lugares, aqueles campos, furos puxadouros arrastadouros meios-barrancos, aqueles matos misteriosos, tudo era solidão do deserto... Um silêncio imenso dormia à beira do rio Uraricoera. Nenhum conhecido sobre a terra não sabia nem falar da tribo nem contar aqueles casos tão pançudos. Quem podia saber do Herói?” (Mário de Andrade) Gonçalves Dias e Mário de Andrade – cada um em seu tempo – buscaram a afirmação do índio como exemplo do caráter nacional, da identidade local, em contraposição ao elemento estrangeiro como se pode observar nos exemplos destacados. A leitura comparativa dos dois textos acima escolhidos indica que: A) ambos elegem a figura do indígena brasileiro como exemplo de realismo, heroísmo e símbolo máximo do nacionalismo romântico. B) a abordagem da temática adotada no primeiro texto é discriminatória em relação aos povos indígenas do Brasil. C) os textos – romântico e modernista – abordam a extinção dos povos indígenas como resultado do processo de colonização no Brasil. D) os versos em primeira pessoa indicam que os indígenas podiam expressar-se liricamente, mas foram impedidos pelos colonizadores conforme se demonstra na presença do narrador do texto 2. E) as indagações “-Quem há, como eu sou?” (texto 1) e “Quem podia saber do Herói?” apontam para distintas visões da vida indígena. 29. A bandeira nacional serviu como símbolo do patriotismo e de exaltação da nacionalidade na cultura brasileira. No Romantismo, a literatura sempre expressou sua ligação com a política e, ao lado da euforia da liberdade e do desejo de construção de uma pátria brasileira, surgiu, ainda, o anseio de uma arte autenticamente nacional. Era o esforço de “brasilidade” que se revelou na linguagem e na construção de uma natureza exuberante, resultado da paisagem local, como pode ser visto nos seguintes versos: A) “Minha terra tem palmares / Onde gorjeia o mar / Os passarinhos daqui não cantam como os de lá.” B) “Amo-te, oh cruz, no vértice firmada de esplêndidas igrejas; Amo-te, quando à noite, sobre a campa, junto a cipreste alvejas; / Amo-te sobre o altar, onde, entre incensos, as preces te rodeiam.” C) “É um país majestoso / Essa terra de Tupã, / Desde o Amazonas ao Prata, / Do Rio Grande ao Pará, / – Tem serranias gigantes / E tem bosques verdejantes, / Que repetem incessantes / Os cantos do sabiá.” D) “Este sonhar acordado, este cismar poético diante dos sublimes espetáculos da natureza, é um dos prazeres grandes que Deus concedeu às almas de certa têmpera.” E) “Oh! Que saudades que tenho / Da aurora da minha vida, / Da minha infância querida / Que os anos não trazem mais.”
  • 16. 16 30. A canção do africano (fragmentos) Lá na úmida senzala, Sentado na estreita sala, Junto ao braseiro, no chão, Entoa o escravo o seu canto, E ao cantar correm-lhe em pranto Saudades do seu torrão ... De um lado, uma negra escrava Os olhos no filho crava, Que tem no colo a embalar... E à meia voz lá responde Ao canto, e o filhinho esconde, (Castro Alves) Talvez pra não o escutar! "Minha terra é lá bem longe, Das bandas de onde o sol vem; Esta terra é mais bonita, Mas à outra eu quero bem “Antônio Frederico de Castro Alves (Curralinho, 14 de março de 1847 – Salvador, 06 de julho de 1871) foi um poeta brasileiro. Nasceu na fazenda Cabaceiras, a sete léguas (42 km) da vila de Nossa Senhora da Conceição de "Curralinho", hoje Castro Alves, no estado da Bahia.”. O texto em evidência expõe uma linha temática de sua poesia que: A) é marcada por um intenso pessimismo, resultado do desespero existencial que caracterizou toda a sua geração. B) rejeita o escapismo e assume uma postura de compromisso reformista ante a realidade social de sua época. C) aponta para a necessidade de cultivar os valores nacionais, independente das preocupações humanitárias e sociais observadas no estilo condoreiro. D) é produto do sentimentalismo ultrarromântico, situando-o, na literatura brasileira, como o maior representante do “mal- do-século”. E) serve apenas pelo valor histórico e documental por conta da limitada qualidade literária de sua produção. 31. Saudades “Foi por ti num sonho de ventura A flor da mocidade consumi, E às primaveras digo adeus tão cedo E na cidade de amor envelheci! Vinte anos! derramei-os gota a gota Num abismo de dor e esquecimento... De fogosas visões nutri meu peito... Vinte anos!... não vivi um só momento! Contudo no passado uma esperança Tanto amor e ventura prometia, E uma virgem tão doce, tão divina Nos sonhos junto a mim adormecia!...” (AZEVEDO, Álvares de. Lira dos Vinte Anos. São Paulo: FTD, 1994, p. 96 ( Coleção Grandes Leituras).) O egocentrismo romântico atingiu seu ponto mais alto, no Brasil, com os poetas da segunda geração. Voltando-se inteiramente para dentro de si mesmos, esses poetas expressaram em seus versos pessimistas um profundo desencanto pela vida. O texto acima confirma a análise já que a voz poética: A) superestima o sentimento amoroso nos planos carnal e espiritual. B) procura recuperar o equilíbrio e a harmonia vivida no plano existencial. C) valoriza a morte como solução para todos os conflitos existenciais. D) mostra-se desiludido e certo de que sua existência é sinônimo de perda. E) lamenta a enorme indiferença da mulher amada a seu apelo amoroso.
  • 17. 17 32. LUAR DO SERTÃO Não há, ó gente, oh não Luar como este do sertão... Oh que saudade do luar da minha terra Lá na serra branquejando Folhas secas pelo chão Esse luar cá da cidade tão escuro Não tem aquela saudade Do luar lá do sertão Se a lua nasce por detrás da verde mata Mais parece um sol de prata prateando a solidão A gente pega na viola que ponteia E a canção é a lua cheia A nos nascer do coração Se Deus me ouvisse Com amor e caridade Me faria essa vontade O ideal do coração: Era que a morte A descontar me surpreendesse E eu morresse numa noite De luar do meu sertão (CEARENSE, Catulo da Paixão & PERNAMBUCO, João. In: http://letras.terra.com.br/catullo-da-paixao- cearense - consulta em 1/12/2010.) Essa canção, composta em 1914, ilustra uma característica do Arcadismo, movimento artístico que aconteceu, no Brasil, no século XVIII, que é: A) idealização da natureza da terra natal. B) cultivo de sentimentos universais. C) oposição entre a vida no campo e a na cidade. D) a busca do passado como fuga do presente. E) contenção precisa dos sentimentos. 33. Vem, oh, Marília, vem lograr comigo Destes alegres campos a beleza Destas copadas árvores o abrigo. Deixa louvar da corte a vã nobreza; Quando me agrada mais estar contigo, Notando as perfeições da natureza. Nesses versos: A) o poeta encara o amor de forma negativa por causa da fugacidade do tempo. B) a linguagem, altamente subjetiva, denuncia características pré-românticas do autor. C) a emoção predomina sobre a razão, numa ânsia de se aproveitar o tempo presente. D) o amor e a mulher são idealizados pelo poeta, portanto, inacessíveis a ele. E) o poeta propõe, em linguagem clara, que se aproveite a vida de modo simples na natureza. 34. Uma das principais características do Romantismo é a idealização – quer do herói, quer da mulher. Tal procedimento permanece, em nossa contemporaneidade, em textos como: A) “Quero uma mulher que saiba lavar e cozinhar / Que de manhã cedo me acorde na hora de trabalhar / Só existe uma / E sem ela eu não vivo em paz / Emília, Emília, Emília / Não posso mais” (Wilson Batista & Haroldo Lobo) B) “Eu quero essa mulher assim mesmo: / eu quero, eu quero, essa mulher assim mesmo: / baratinada, embriagada, alucinada, intoxicada, descabelada, desafinada, despenteada, desentoada / eu quero essa mulher assi mesmo.” (Caetano Veloso) C) “Boneca de trapo, pedaço da vida / que vive perdida no mundo a rolar / Farrapo de gente, que inconsciente / peca só por prazer, vive para pecar / Boneca eu te quero, com todo pecado / Com todos os vícios, com tudo afinal / Eu quero esse corpo/ que a plebe deseja, / embora ele seja / prenúncio do mal” (Adelino Moreira).
  • 18. 18 D) “Fonte de mel / Nos olhos de gueixa/ Kabuki, máscara / Choque entre o azul / E o cacho de acácias / Luz das acácias / Você é mãe do sol / A sua coisa é toda tão certa / Beleza esperta / Você me deixa a rua deserta / Quando atravessa/ E não olha pra trás” (Caetano Veloso.) E) “Maria, Maria / É um dom, uma certa magia / Uma força que nos alerta / Uma mulher que merece / Viver e amar / Como outra qualquer / Do planeta / Maria, Maria / É o som, é a cor, é o suor / É a dose mais forte e lenta / De uma gente que ri / Quando deve chorar/ E não vive, apenas aguenta” (Milton Nascimento & Fernando Brant.) 35. (ENEM 2010) Câncer 21/06 a 21/07 O eclipse em seu signo vai desencadear mudanças na sua autoestima e no seu modo de agir. O corpo indicará onde você falha – se anda engolindo sapos, a área gástrica se ressentirá. O que ficou guardado virá à tona, pois este novo ciclo exige uma “desintoxicação”. Seja comedida em suas ações, já que precisará de energia para se recompor. Há preocupação com a família, e a comunicação entre os irmãos trava. Lembre-se: palavra preciosa é palavra dita na hora certa. Isso ajuda também na vida amorosa, que será testada. Melhor conter as expectativas e ter calma, avaliando as próprias carências de modo maduro. Sentirá vontade de olhar além das questões materiais – sua confiança virá da intimidade com os assuntos da alma. (Revista Cláudia. No 7, ano 48, jul. 2009.) O reconhecimento dos diferentes gêneros textuais, seu contexto de uso, sua função específica, seu objetivo comunicativo e seu formato mais comum relacionam-se aos conhecimentos construídos socioculturalmente. A análise dos elementos constitutivos desse texto demonstra que sua função é: A) vender um produto anunciado. B) informar sobre astronomia. C) ensinar os cuidados com a saúde. D) expor a opinião de leitores em um jornal. E) aconselhar sobre amor, família, saúde, trabalho. 36. TEXTO Diversas são as naturezas dos instrumentos de que dispõe o povo para participar efetivamente da sociedade em que vive. Políticos, sociais ou jurisdicionais, todos eles destinam-se à mesma finalidade: submeter o administrador ao controle e à aprovação do administrado. O sufrágio universal, por exemplo, é um mecanismo de controle de índole eminentemente política — no Brasil, está previsto no art. 14 da Constituição Federal de 1988, que assegura ainda o voto direto e secreto e de igual valor para todos —, que garante o direito do cidadão de escolher seus representantes e de ser escolhido pelos seus pares. Costuma-se dizer que a forma de sufrágio denuncia, em princípio, o regime político de uma sociedade. Assim, quanto mais democrática a sociedade, maior a amplitude do sufrágio. Essa não é, entretanto, uma verdade absoluta. Um sistema eleitoral pode prever condições legítimas a serem preenchidas pelo cidadão para se tornar eleitor, desde que não sejam discriminatórias ou levem em consideração valores pessoais. Segundo José Afonso da Silva, considera-se, pois, universal o sufrágio quando se outorga o direito de votar a todos os nacionais de um país, sem restrições derivadas de condições de nascimento, de fortuna ou de capacidade especial. No Brasil, só é considerado eleitor quem preencher os requisitos da nacionalidade, idade e capacidade, além do requisito formal do alistamento eleitoral. Todos requisitos legítimos e que não tornam inapropriado o uso do adjetivo universal. (Internet: <http://jus.com.br> (com adaptações).) Considerando-se o gênero ao qual o texto pertence, é lícito dizer que: A) trata-se de um texto informativo, haja vista que a única preocupação é com o assunto abordado e a transmissão de ideias. B) trata-se de um texto narrativo, afinal o teor inventivo/criativo é notório, predominando a ficção. C) trata-se de um texto injuntivo, pois o autor deseja instruir/orientar o leitor na tentativa de torná-lo crítico socialmente. D) trata-se de um texto descritivo, porque em todo o texto há evidências da forma de ser do povo brasileiro. E) trata-se de um texto argumentativo, já que há aspectos que podem enquadrá-lo como opinativo, com presença de ponto de vista.
  • 19. 19 O texto abaixo servirá de referência para responder às questões 37 a 39. A nuvem Fico admirado como é que você, morando nesta cidade, consegue escrever uma semana inteira sem reclamar, sem protestar, sem espinafrar! E meu amigo falou da água, telefone, Light em geral, carne, batata, transporte, custo de vida, buracos na rua, etc. etc. etc. Meu amigo está, como dizem as pessoas exageradas, grávido de razões. Mas que posso fazer? Até que tenho reclamado muito isto e aquilo. Mas se eu for ficar rezingando todo dia, estou roubado: quem é que vai aguentar me ler? Acho que o leitor gosta de ver suas queixas no jornal, mas em termos. Além disso, a verdade não está apenas nos buracos das ruas e outras mazelas. Não é verdade que as amendoeiras neste inverno deram um show luxuoso de folhas vermelhas voando no ar? E ficaria demasiado feio eu confessar que há uma jovem gostando de mim? Ah, bem sei que esses encantamentos de moça por um senhor maduro duram pouco. São caprichos de certa fase. Mas que importa? Esse carinho me faz bem; eu o recebo terna e gravemente; sem melancolia, porque sem ilusão. Ele se irá como veio, leve nuvem solta na brisa, que se tinge um instante de púrpura sobre as cinzas de meu crepúsculo. E olhem só que tipo de frase estou escrevendo! Tome tenência, velho Braga. Deixe a nuvem, olhe para o chão - e seus tradicionais buracos. (Rubem Braga, Ai de ti, Copacabana) 37. É correto afirmar que, a partir da crítica que o amigo lhe dirige, o narrador cronista: A) vê-se obrigado a escrever sobre assuntos exigidos pelo público. B) inspira-se na relação contrária entre o mundo da literatura e o mundo da vida real. C) reflete sobre alguns irrelevantes aspectos da vida e seu reflexo na literatura. D) defende a ideia de que a crônica não pode ocupar-se com questões sociais. E) sente que deve mudar seus temas, pois sua escrita não está acompanhando os novos tempos. 38. Em "E olhem só que tipo de frase estou escrevendo! Tome tenência, velho Braga", o narrador: A) chama a atenção dos leitores para a beleza do estilo que empregou. B) revela ter consciência de que cometeu excessos com a linguagem metafórica. C) exalta o estilo por ele conquistado e convida-se a reverenciá-lo. D) percebe que, por estar velho, seu estilo também envelheceu. E) dá-se conta de que sua linguagem não será entendida pelo leitor comum. 39. Com relação ao gênero do texto, é correto afirmar que a crônica: A) parte do assunto cotidiano e acaba por criar reflexões mais amplas. B) tem como função informar o leitor sobre os problemas cotidianos. C) apresenta uma linguagem distante da coloquial, afastando o público leitor. D) tem um modelo fixo, com um diálogo inicial seguido de argumentação objetiva. E) consiste na apresentação de situações pouco realistas, em linguagem metafórica. 40. (ENEM – adaptada) TEXTO Recenseamento São Paulo vai se recensear. O governo quer saber quantas pessoas governa. A indagação atingirá a fauna e a flora domesticadas. Bois, mulheres e algodoeiros serão reduzidos a números e invertidos em estatísticas. O homem do censo entrará pelos bangalôs, pelas pensões, pelas casas de barro e de cimento armado, pelo sobradinho e pelo apartamento, pelo cortiço e pelo hotel, perguntando: — Quantos são aqui? Pergunta triste, de resto. Um homem dirá: — Aqui havia mulheres e criancinhas. Agora, felizmente, só há pulgas e ratos. E outro: — Amigo, tenho aqui esta mulher, este papagaio, esta sogra e algumas baratas. Tome nota dos seus nomes, se quiser. Querendo levar todos, é favor… (…) E outro: — Dois, cidadão, somos dois. Naturalmente o sr. não a vê. Mas ela está aqui, está, está! A sua saudade jamais sairá de meu quarto e de meu peito! (Rubem Braga. Para gostar de ler. v. 3 São Paulo: Ática, 1998, p. 32-3 (fragmento).)
  • 20. 20 No fragmento anterior, há referência ao recenseamento e apresenta traços característicos do gênero crônica porque: A) coloca o tema de modo obscuro, evocando imagens e buscando apresentar a ideia de uma coisa por meio de outra. B) mantém-se fiel ao cotidiano, retratando os paisagens e situações em um só tempo e um só espaço. C) conta história priorizando a solução de um enigma, construindo os personagens que se revelam pouco a pouco. D) apela, de maneira satírica, para criticar a vida na cidade, visando transmitir ensinamentos práticos do cotidiano, para manter as pessoas informadas. E) utiliza-se de tema do cotidiano como ponto de partida para a construção do texto que recebe tratamento poético e simbólico. 41. Tenho fases Fases de andar escondida, fases de vir para a rua… Perdição da minha vida! Perdição da vida minha! Tenho fases de ser tua, tenho outras de ser sozinha. Fases que vão e que vêm, no secreto calendário que um astrólogo arbitrário inventou para meu uso. E roda a melancolia seu interminável fuso! Não encontro com ninguém (tenho fases, como a lua…) No dia de alguém ser meu não é dia de eu ser sua… E, quando chega esse dia, outro desapareceu… (Lua Adversa – Cecília Meireles) O verso entre parênteses relaciona dois elementos através de uma comparação. Dos versos a seguir transcritos, não se constata o mesmo em: A) “O meu olhar é nítido como um girassol” (Alberto Caeiro) B) “Meu amor me ensinou a ser simples como um largo de igreja” (Oswald de Andrade) C) A casa dela é escura como a noite. D) Ele é lerdo como uma lesma. E) A tristeza é um barco imenso, perdido no oceano. 42. CANTIGA Nas ondas da praia Nas ondas do mar Quero ser feliz Quero me afogar. Nas ondas da praia Quem vem me beijar? Quero a estrela-d’alva Rainha do mar. Quero ser feliz Nas ondas do mar Quero esquecer tudo Quero descansar. (Manuel Bandeira) No poema, Manuel Bandeira empregou recursos da linguagem como: A) Anáforas (repetições de palavras com terminações semelhantes no final dos versos). B) Polissíndetos (omissão dos conetivos que ligam um verso a outro). C) Assonâncias (reprodução de uma mesma vogal para obter sonoridade). D) Aliterações (supressão das vírgulas). E) Assíndetos (repetição de palavras no início dos versos).
  • 21. 21 43. (ENEM-2005) O termo (ou expressão) destacado que está empregado em seu sentido próprio, denotativo ocorre em A) “(....) É de laço e de nó De gibeira o jiló Dessa vida, cumprida a sol (....)” (Renato Teixeira. Romaria. Kuarup Discos. setembro de 1992.) B) “Protegendo os inocentes é que Deus, sábio demais, põe cenários diferentes nas impressões digitais.” (Maria N. S. Carvalho. Evangelho da Trova. /s.n.b.) C) “O dicionário-padrão da língua e os dicionários unilíngues são os tipos mais comuns de dicionários. Em nossos dias, eles se tornaram um objeto de consumo obrigatório para as nações civilizadas e desenvolvidas.” (Maria T. Camargo Biderman. O dicionário-padrão da língua. Alfa (28), 2743, 1974 Supl.) D) às vezes a bateria dele acaba. E) “Humorismo é a arte de fazer cócegas no raciocínio dos outros. Há duas espécies de humorismo: o trágico e o cômico. O trágico é o que não consegue fazer rir; o cômico é o que é verdadeiramente trágico para se fazer.” (Leon Eliachar. www.mercadolivre.com.br. Acessado em julho de 2005.) 44. A QUESTÃO É COMEÇAR Coçar e comer é só começar. Conversar e escrever também. Na fala, antes de iniciar, mesmo numa livre conversação, é necessário quebrar o gelo. Em nossa civilização apressada, o “bom dia”, o “boa tarde, como vai?” já não funcionam para engatar conversa. Qualquer assunto servindo, fala-se do tempo ou de futebol. No escrever também poderia ser assim, e deveria haver para a escrita algo como conversa vadia, com que se divaga até encontrar assunto para um discurso encadeado. Mas, à diferença da conversa falada, nos ensinaram a escrever e na lamentável forma mecânica que supunha texto prévio, mensagem já elaborada. Escrevia-se o que antes se pensara. Agora entendo o contrário: escrever para pensar, uma outra forma de conversar. Assim fomos “alfabetizados”, em obediência a certos rituais. Fomos induzidos a, desde o início, escrever bonito e certo. Era preciso ter um começo, um desenvolvimento e um fim predeterminados. Isso estragava, porque bitolava, o começo e todo o resto. Tentaremos agora (quem? eu e você, leitor) conversando entender como necessitamos nos reeducar para fazer do escrever um ato inaugural; não apenas transcrição do que tínhamos em mente, do que já foi pensado ou dito, mas inauguração do próprio pensar. “Pare aí”, me diz você. “O escrevente escreve antes, o leitor lê depois.” “Não!”, lhe respondo, “Não consigo escrever sem pensar em você por perto, espiando o que escrevo. Não me deixe falando sozinho.” Pois é; escrever é isso aí: iniciar uma conversa com interlocutores invisíveis, imprevisíveis, virtuais apenas, sequer imaginados de carne e ossos, mas sempre ativamente presentes. Depois é espichar conversas e novos interlocutores surgem, entram na roda, puxam assuntos. Termina-se sabe Deus onde. (MARQUES, M.O. Escrever é Preciso, Ijuí, Ed. UNIJUÍ, 1997, p. 13). Observe a seguinte afirmação feita pelo autor: “Em nossa civilização apressada, o ‘bom dia’, o ‘boa tarde’ já não funcionam para engatar conversa. Qualquer assunto servindo, fala-se do tempo ou de futebol.” Tal afirmação se refere à função da linguagem cuja meta é ‘quebrar o gelo’. Tal função é: A) emotiva B) referencial C) fática D) conativa E) poética
  • 22. 22 45. TEXTO De gramática e de linguagem E havia uma gramática que dizia assim: “Substantivo (concreto) é tudo quanto indica Pessoa, animal ou cousa: João, sabiá, caneta”. Eu gosto é das cousas. As cousas, sim!... As pessoas atrapalham. Estão em toda parte. Multiplicam-se em excesso. As cousas são quietas. Bastam-se. Não se metem com ninguém. Uma pedra. Um armário. Um ovo. (Ovo, nem sempre, Ovo pode estar choco: é inquietante…) As cousas vivem metidas com as suas cousas. E não exigem nada. Apenas que não as tirem do lugar onde estão. E João pode neste mesmo instante vir bater à nossa porta. Para quê? não importa: João vem! E há de estar triste ou alegre, reticente ou falastrão. Amigo ou adverso... João só será definitivo Quando esticar a canela. Morre, João... Mas o bom, mesmo, são os adjetivos, Os puros adjetivos isentos de qualquer objeto. Verde. Macio. Áspero. Rente. Escuro. Luminoso. Sonoro. Lento. Eu sonho Com uma linguagem composta unicamente de adjetivos Como decerto é a linguagem das plantas e dos animais. Ainda mais: Eu sonho com um poema Cujas palavras sumarentas escorram Como a polpa de um fruto maduro em tua boca, Um poema que te mate de amor Antes mesmo que tu saibas o misterioso sentido: Basta provares o seu gosto... Observe os pares de versos: “Substantivo (concreto) é tudo quanto indica Pessoa, animal ou cousa: João, sabiá, caneta.” “Antes mesmo que tu saibas o misterioso sentido: Basta provares o seu gosto…” Considerando-se o título e os sentidos propostos no poema, é correto afirmar sobre os versos que: A) o primeiro par remete à ideia de gramática; o segundo, à ideia de linguagem. Neles predominam, respectivamente, a função metalinguística e a apelativa. B) ambos os pares remetem à ideia de gramática; portanto, neles predomina a função metalinguística. C) o primeiro par remete à ideia de gramática; o segundo, à ideia de linguagem. Nos dois pares, predomina a função referencial. D) ambos os pares remetem à ideia de linguagem. No primeiro, a função é metalinguística; no segundo, referencial. E) o primeiro par remete à ideia de linguagem; o segundo, à ideia de gramática. Em ambos os pares, estão presentes as funções apelativa e referencial.
  • 23. 23 MATEMÁTICA 46. O contrato de trabalho de um autor com uma editora estabelece recebimento mensal fixo de R$ 500,00 mais uma parte variável correspondente a 10% do total apurado pelos livros vendidos. Sabendo que o preço de cada livro vendido é de R$ 15,00 e que em determinado mês o seu faturamento foi de R$ 650,00, o número de livros vendido nesse mês foi de : A) 90 B) 95 C) 100 D) 105 E) 110 47. Um conjunto de dados numéricos tem todos os elementos iguais. Podemos concluir que: A) a média dos elementos é igual a zero. B) a mediana dos elementos é igual a zero. C) a moda dos elementos é igual a zero. D) o desvio padrão dos elementos é igual a zero. E) todos os valores desse conjunto são iguais a zero. 48. Num determinado país, a população feminina representa 51% da população total. Sabendo-se que a idade média (média aritmética das idades) da população feminina é de 38 anos e a da masculina é de 36 anos, a idade média da população é: A) 37,02 anos B) 37,00 anos C) 37,20 anos D) 36,60 anos E) 37,05 anos 49. O mascote da próxima Copa do Mundo de Futebol, que será disputada no Brasil, é o Fuleco. Esse mascote é um tatu-bola, mas antes da sua concepção houve a possibilidade do mascote ser uma marca em forma de um polígono convexo, cujo número de diagonais é igual ao dobro do número de lados. Se isso tivesse ocorrido, o símbolo da Copa do Mundo do Brasil seria um: A) Quadrilátero B) Pentágono C) Hexágono D) Heptágono E) Octógono 50. Os anéis olímpicos podem ser analisados geometricamente como cinco circunferências secantes duas a duas. Algumas empresas, empolgadas com a chegada das Olimpíadas à cidade do Rio de Janeiro, resolveram criar marcas que fazem alusão a esses anéis. Uma dessas empresas, elaborou uma marca formada por duas circunferências distintas e tangentes internamente, cuja distância entre seus centros é igual a 2 cm e a soma dos seus comprimentos igual a 16π cm. Assim, o raio da circunferência maior dessa marca é igual a: A) 6 cm B) 7 cm C) 4 cm D) 5 cm E) 3 cm CÁLCULOS
  • 24. 24 51. Em duas ruas perpendiculares bastante movimentadas de uma determinada cidade existe um semáforo para regularizar o trânsito. Devido ao desrespeito dos motoristas com a sinalização, constantemente acontecem acidentes graves nesse cruzamento. Pensando em minimizar esses acidentes, resolve-se colocar uma rotatória. Representando as ruas no plano cartesiano pelas retas, o engenheiro coloca como o centro da rotatória a interseção das retas representadas no plano conforme figura abaixo. As coordenadas de encontro desse ponto A será representada por: A) (5/2; 5/2) B) (3; 3) C) (5/3; 5/3) D) (2; 2) E) (5/2; 5/3) 52. CIÊNCIAS BIOLÓGICAS – Profissionais dessa área utilizam modelagem matemática em suas atividades. E o que é modelagem matemática? Resumidamente é determinar funções que se ajustem às variáveis reais que queremos estudar. Dois atletas, A e B, fazem cooper numa pista retilínea, correndo (ambos) com velocidade constante. A distância que cada um percorre é mostrada no gráfico: As funções matemáticas que representam as distâncias percorridas pelos atletas, A e B respectivamente, em função do tempo decorrido desde a largada serão representadas por: A) d = 500t e d = 300t B) d = 50t + 10 e d = 30t + 10 C) d = t + 500 e d = t + 300 D) d = 30t e d = 50t E) d = 50t e d = 30t CÁLCULOS
  • 25. 25 53. Um dado foi lançado 50 vezes. A tabela a seguir mostra os seis resultados possíveis e as suas respectivas frequências de ocorrências: A frequência relativa de aparecimento de um resultado ímpar foi de: Resultado 1 2 3 4 5 6 Frequência 7 9 8 7 9 10 A) 5 2 B) 25 11 C) 25 12 D) 2 1 E) 25 13 54. A tabela traz as idades, em anos, dos filhos de 5 mães. A idade modal desses 15 filhos é inferior, em anos, à idade média dos filhos de Heloísa em: Mãe Ana Márcia Cláudia Lúcia Heloísa Idade dos filhos 7; 10; 12 11; 15 8; 10; 12 12; 14 9; 12; 15; 16; 18 A) 5 B) 4 C) 3 D) 2 E) 1 55. Duas locadoras A e B de automóveis mantêm sistema de trabalho semelhante, apenas variando as tarifas. Ambas cobram um valor de seguro do automóvel e mais o valor por quilômetro rodado. Seguro (R$) km rodado Locadora A 100,00 4,00 Locadora B 150,00 3,00 Sendo x o número de quilômetros rodados e y o valor pago pelo aluguel do veículo, temos: A) a empresa A é sempre mais em conta que a empresa B. B) a empresa B é sempre mais em conta que a empresa A. C) andando 50 km, a empresa A é mais em conta que a empresa B. D) andando 48 km, a empresa A é mais em conta que a empresa B. E) andando 55 km, a empresa A e mais em conta que a empresa B. 56. O preço de determinado produto sofrerá, nos próximos anos, aumentos mensais de R$15,00. Sabendo que o preço atual do produto é R$250,00, a função que representa o preço, em reais, em função do tempo, em anos é: A) P = 15x + 250 B) P = 250x + 15 C) P = 150x + 250 D) P = 250x +180 E) P = 180x + 250 CÁLCULOS
  • 26. 26 57. As notas de um candidato em suas provas de um concurso foram: 8,4; 9,1; 7,2; 6,8; 8,7 e 7,2. A nota média, a nota mediana e a nota modal desse aluno, são respectivamente: A) 7,9; 7,8; 7,2 B) 7,2; 7,8; 7,9 C) 7,8; 7,8; 7,9 D) 7,2; 7,8; 7,9 E) 7,8; 7,9; 7,2 58. Uma torre vertical, de altura 12 metros, é vista sob um ângulo de 30° por uma pessoa que se encontra a uma distância x da sua base, e cujos olhos estão no mesmo plano horizontal dessa base. O valor da distância x, em metros é: Dado: tg 30° = 0,58. A) 6,26 B) 15,68 C) 18,26 D) 19,68 E) 20,69 59. Uma pessoa encontra-se num ponto A, localizado na base de um prédio, conforme mostra a figura abaixo. Se ela caminhar 90 metros em linha reta, chegará a um ponto B, de onde poderá ver o topo C do prédio, sob um ângulo de 60°. Quantos metros ela deverá se afastar do ponto A, andando em linha reta no sentido de A para B, para que possa enxergar o topo do prédio sob um ângulo de 30°? A) 150 m. B) 180 m. C) 270 m. D) 300 m. E) 310 m. 60. Uma curva numa linha férrea deve ser traçada em círculo para contornar um morro. O raio que deve ser dado ao círculo para que os trilhos mudem 25º de direção numa distância de 40 π metros, percorrida sobre os trilhos, é igual a: A) 308 m B) 268 m C) 258 m D) 278 m E) 288 m CÁLCULOS
  • 27. 27 61. (ENEM) Jorge quer instalar aquecedores no seu salão de beleza para melhorar o conforto dos seus clientes no inverno. Ele estuda a compra de unidades de dois tipos de aquecedores: modelo A, que consome 600 g/h (gramas por hora) de gás propano e cobre 35 m2 de área, ou modelo B, que consome 750 g/h de gás propano e cobre 45 m2 de área. O fabricante indica que o aquecedor deve ser instalado em um ambiente com área menor do que a da sua cobertura. Jorge vai instalar uma unidade por ambiente e quer gastar o mínimo possível com gás. A área do salão que deve ser climatizada encontra-se na planta seguinte (ambientes representados por três retângulos e um trapézio). Avaliando-se todas as informações, serão necessários: A) quatro unidades do tipo A e nenhuma unidade do tipo B. B) três unidades do tipo A e uma unidade do tipo B. C) duas unidades do tipo A e duas unidades do tipo B. D) uma unidade do tipo A e três unidades do tipo B. E) nenhuma unidade do tipo A e quatro unidades do tipo B. 62. Um prêmio em dinheiro foi dividido entre 3 pessoas: a primeira recebeu 4 1 do valor do prêmio, a segunda recebeu 3 1 e a terceira ganhou R$ 1.000,00. Então, o valor desse prêmio, em reais, era de: A) 2.400 B) 2.200 C) 2.100 D) 1.800 E) 1.400 63. O dono de uma lanchonete compra caixas com 50 empadas a R$ 40,00 cada caixa. Se ele vende, em média, 115 empadas por dia a R$ 1,10 cada empada, o lucro médio diário que ele obtém com a venda das empadas é, em reais, de: A) 30,00 B) 32,40 C) 34,50 D) 38,40 E) 46,50 64. Considere as seguintes informações sobre o número de candidatos em um concurso aos cargos A e B, sabendo que ninguém podia se candidatar simultaneamente aos dois cargos: 75% do total de candidatos escolheram o cargo A; 60% do total de candidatos eram homens; 30% dos candidatos ao cargo B eram homens; 2.100 mulheres se candidataram ao cargo B. Com base nesses dados, o número de homens que se candidataram ao cargo A foi de: A) 7.200 B) 6.300 C) 5.040 D) 2.300 E) 900 CÁLCULOS
  • 28. 28 65. A geometria está presente no nosso dia a dia mais do que imaginamos. Um grande exemplo que passa muitas vezes desapercebido aos nossos olhos são os logotipos de automóveis, a exemplo da logo da Mercedes-Benz. Considere que essa marca seja formada por uma circunferência de raio 5cm e três segmentos congruentes e concorrentes no centro dessa circunferência. Se as extremidades desses três segmentos dividem a circunferência em arcos congruentes, então a bissetriz de um desses ângulos formados entre os segmentos forma dois ângulos de: A) 120° B) 30° C) 60° D) 90° E) 45° 66. A London Eye também conhecida como Millennium Wheel (Roda do Milênio), é uma roda-gigante de observação. Situada na cidade de Londres, capital do Reino Unido, foi inaugurada no ano de 1999 e é um dos pontos turísticos mais disputados da cidade. Desde 2006, a roda-gigante deixou de ser a maior do mundo, após a inauguração da Estrela de Nanchang (160 m), localizada na cidade de Nanchang, China. (Extraído de http://pt.wikipedia.org. Acesso em 10 de abril de 2014) Suponha que o comprimento da circunferência da London Eye seja de 120 m, adotando π = 3. Assim, a área limitada por essa circunferência é, em m2 : A) 1200 B) 1000 C) 400 D) 600 E) 2400 67. A bandeira do estado de Minas Gerais possui um triângulo equilátero vermelho, sobreposto a um retângulo todo branco. Numa bandeira desse estado que estava presa à janela de um automóvel que passava pela Savassi, em Belo Horizonte, tal triângulo possuía perímetro de 36 cm. A altura desse triângulo que “passeava” pela Savassi, em cm, é: A) 36 B) 6 C) 3 D) 12 E) 312 CÁLCULOS
  • 29. 29 68. A história do rádio Os primeiros sinais de radiocomunicação através do ar foram enviados pelo inventor italiano Guglielmo Marconi, em 1895, revolucionando os meios de comunicação rápida a longa distância (o telégrafo e o telefone) que utilizavam cabos. A primeira emissão radiofônica brasileira fez parte das comemorações do centenário da independência (1922), mas radiodifusão só se tornou efetiva em 1923, quando foi ao ar a Rádio Sociedade do Rio de Janeiro. O rádio já exerceu um papel tão importante no campo do entretenimento quanto o desempenhado atualmente pela televisão. Da década de 20 à década de 40, as pessoas se reuniam em volta de aparelhos de rádio todas as noites. Esse período, chamado de fase áurea do rádio, terminou com a ascensão da televisão na década de 50. No entanto, o rádio, principalmente devido à sua maior agilidade, conseguiu sobreviver e, no Brasil, atualmente, durante o dia, tem mais audiência que a televisão. Supondo que a cidade de Jaguaquara-Ba possua duas emissoras de rádio. Uma pesquisa, realizada com toda a população, apresentou o seguinte resultado: 20% da população ouve a emissora A, 24% ouve a emissora B e 6% ouve as duas emissoras. Sabendo que a cidade tem 19000 ouvintes, o número de habitantes dessa cidade é de: A) 35000 B) 40000 C) 45000 D) 50000 E) 55000 69. CUSTO BRASIL – O país está estruturalmente caro em razão da carga fiscal pesada e da infraestrutura deficiente. As reduções tributárias foram tímidas, diante da carga total de 36% do PIB que pesa sobre o setor privado da economia, um valor sem similares nos países em desenvolvimento. Ao mesmo tempo, as obras de infraestrutura custam a sair do papel. A rodada de licitações de rodovias, ferrovias, portos e aeroportos, anunciada há um ano, ainda não foi executada. Assim, o governo perdeu a oportunidade de atrair investidores quando a conjuntura externa e também a interna eram mais favoráveis. Agora será mais difícil atraí-los. (24 de julho, 2013 / Veja) (Fontes: Credit Suise Hedging-Griffo e IBGE) Suponha que a partir de 2012 o PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil comece a crescer baseado na função f(t) = at + b, em que t = 0 corresponda ao ano de 2012, t = 1 corresponda ao ano de 2013 e assim sucessivamente. Baseado nessa suposição, o PIB do Brasil em 2014 será de: A) 3,1% B) 3,7% C) 4,0% D) 4,9% E) 5,1% CÁLCULOS
  • 30. 30 70. Uma função de x em y, ou y = f(x), tem domínio e imagem reais, isto é, os valores de x e de y podem ser quaisquer números reais que imaginarmos. Somente um dos gráficos seguintes pode representar essa função. Esse gráfico é: A) D) B) E) C) 71. Uma pessoa corre em uma planície, com velocidade de 350 m/min, em direção a um penhasco, como mostra a figura abaixo. Em determinado ponto, avista o cume do penhasco sob um ângulo de 30º e, após correr durante 4 minutos, o avista sob um ângulo de 45°. Com base nesses dados, a altura do penhasco, em metros, é igual a: A) ( )13700 − B) ( )13700 + C) ( )12700 − D) ( )12700 + E) 700 CÁLCULOS
  • 31. 31 72. Em trigonometria (que estuda as relações quantitativas entre os lados e os ângulos agudos dos triângulos retângulos), tangente é a proporção entre o cateto oposto e o cateto adjacente a um dos ângulos agudos de um triângulo retângulo. O valor desta proporção é constante para cada valor dos ângulos agudos do triângulo retângulo. Logo a tangente do ângulo é: A) inversamente proporcional ao seno do mesmo ângulo. B) diretamente proporcional ao cosseno do mesmo ângulo. C) diretamente proporcional ao seno e ao cosseno do mesmo ângulo. D) inversamente proporcional ao seno e ao cosseno do mesmo ângulo. E) diretamente proporcional ao seno e inversamente proporcional ao cosseno do mesmo ângulo. 73. Para a elaboração do novo logotipo da sua empresa de cosméticos, o pai de Luquita pediu ao departamento de criação que trabalhasse suas ideias em cima do polígono regular cuja medida do ângulo interno é igual ao dobro da medida do ângulo externo. Dessa forma, o departamento de criação teve que trabalhar com base no: A) quadrado B) pentágono regular C) hexágono regular D) heptágono regular E) triângulo equilátero 74. Antônio, Bernardo, Carlos e Deise estão representados na figura abaixo respectivamente pelas letra A, B, C e D. Sendo ,BCAC = a distância aproximada entre Deise e Carlos em unidade de comprimento é de: A) 25 u.c. B) 20 u.c. C) 15 u.c. D) 13 u.c. E) 10 u.c. 75. (ENEM) Um forro retangular de tecido traz em sua etiqueta a informação de que encolherá após a primeira lavagem mantendo, entretanto, seu formato. A figura a seguir mostra as medidas originais do forro e o tamanho do encolhimento (x) no comprimento e (y) na largura. A expressão algébrica que representa a área do forro após ser lavado é (5 – x) (3 – y). Nestas condições, a área perdida do forro, após a primeira lavagem, será expressa por: A) 2xy B) 15 – 3x C) 15 – 5y D) –5y – 3x E) 5y + 3x – xy CÁLCULOS
  • 32. 32 76. Sobrevoando áreas castigadas pelas fortes chuvas ocorridas no interior de Santa Catarina no início de 2014, um tenente da aeronáutica deparou-se com uma praça que, vista do helicóptero no qual se encontrava, tinha o seu contorno formando um polígono cuja soma dos ângulos internos era igual ao triplo da soma dos seus ângulos externos. O polígono que dá forma a essa praça é o: A) quadrilátero. B) pentágono. C) hexágono. D) heptágono. E) octógono. 77. (ENEM) Ao morrer, o pai de João, Pedro e José deixou como herança um terreno retangular de 3 km x 2 km que contém uma área de extração de ouro delimitada por um quarto de círculo de raio 1 km a partir do canto inferior esquerdo da propriedade. Dado o maior valor da área de extração de ouro, os irmãos acordaram em repartir a propriedade de modo que cada um ficasse com a terça parte da área de extração, conforme mostra a figura a seguir. Em relação à partilha proposta, constata-se que a porcentagem da área do terreno que coube a João corresponde, aproximadamente, a: (Considere 58,0 3 3 = ) A) 50% B) 43% C) 37% D) 33% E) 19% 78. Festas de Largo Na Salvador de antigamente, as praças serviam como pontos de encontro em dias de santos e orixás. O nome “festa de largo” deve-se a esse costume, retrato da cultura local. O ano começa com a procissão marítima de Bom Jesus dos Navegantes, realizada sempre na manhã seguinte à virada do ano, e com a famosa Lavagem do Bonfim, na quinta-feira que antecede o segundo domingo após o Dia de Reis (6 de janeiro). (Extraído de www.viajeaqui.abril.com.br. Acesso em 11 de abril de 2014) Se dois triângulos que representam dois largos da cidade de Salvador são semelhantes, cuja razão de semelhança é igual a 2,5 e cuja área do menor é igual a 5 m2 , então a área do triângulo maior é igual a: A) 12,25 m2 B) 30,5 m2 C) 35,75 m2 D) 31,25 m2 E) 35 m2 CÁLCULOS
  • 33. 33 79. (ENEM) Um experimento consiste em colocar certa quantidade de bolas de vidro idênticas em um copo com água até certo nível e medir o nível da água, conforme ilustrado na figura ao lado. Como resultado do experimento, concluiu-se que o nível da água é função do número de bolas de vidro que são colocadas dentro do copo. O quadro a seguir mostra alguns resultados do experimento realizado. Número de bolas (x) Nível da água (y) 5 6,35 cm 10 6,70 cm 15 7,05 cm (Disponível em: www.penta.ufrgs.br. Acesso em: 13 jan 2009 (adaptado).) Qual a expressão algébrica que permite calcular o nível da água (y) em função do número de bolas (x)? A) y = 30x B) y = 25x + 20,2 C) y = 1,27x D) y = 0,7x E) y = 0,07x + 6 80. Pretende-se que, até o ano de 2020, 30% de toda a energia elétrica consumida num certo Estado brasileiro sejam de fonte eólica, considerada uma das fontes energéticas que menos impacto causa ao meio ambiente. O gráfico dado pela reta, representa uma previsão para o consumo total de energia no Estado em função do ano. Da análise do gráfico, pode-se afirmar que, em 2020, a energia eólica necessária, em mil MW, para cumprir a meta estipulada, é igual a: A) 105 B) 100 C) 95 D) 90 E) 85 CÁLCULOS
  • 34. 34 81. (ENEM) Um grupo de 50 pessoas fez um orçamento inicial para organizar uma festa, que seria dividido entre elas em cotas iguais. Verificou-se ao final que, para arcar com todas as despesas, faltavam R$ 510,00, e que 5 novas pessoas haviam ingressado no grupo. No acerto foi decidido que a despesa total seria dividida em partes iguais pelas 55 pessoas. Quem não havia ainda contribuído pagaria a sua parte, e cada uma das 50 pessoas do grupo inicial deveria contribuir com mais R$ 7,00. De acordo com essas informações, qual foi o valor da cota calculada no acerto final para cada uma das 55 pessoas? A) R$ 14,00 B) R$ 17,00 C) R$ 22,00 D) R$ 32,00 E) R$ 57,00 82. (ENEM) Uma pousada oferece pacotes promocionais para atrair casais a se hospedarem por até oito dias. A hospedagem seria em apartamento de luxo e, nos três primeiros dias, a diária custaria R$ 150,00, preço da diária fora da promoção. Nos três dias seguintes, seria aplicada uma redução no valor da diária, cuja taxa média de variação, a cada dia, seria de R$ 20,00. Nos dois dias restantes, seria mantido o preço do sexto dia. Nessas condições, um modelo para a promoção idealizada é apresentado no gráfico a seguir, no qual o valor da diária é função do tempo medido em número de dias. De acordo com os dados e com o modelo, comparando o preço que um casal pagaria pela hospedagem por sete dias fora da promoção, um casal que adquirir o pacote promocional por oito dias fará uma economia de: A) R$ 90,00 B) R$ 110,00 C) R$ 130,00 D) R$ 150,00 E) R$ 170,00 CÁLCULOS
  • 35. 35 83. BICICLETA, ENGRENAGENS E FUNÇÕES Quadro de fibra de carbono ou de titânio, freios a disco, pedais antiderrapantes, assentos anatômicos, câmbio de 21 marchas... As bicicletas de hoje são um festival de alta tecnologia. No entanto, o princípio de transmissão de movimento do pedal para as rodas continua exatamente o mesmo desde o século XIX, quando surgiram as primeiras e revoluncionárias bicicletas com corrente: a pessoa pedala, gira uma engrenagem chamada coroa, uma correia se move e faz girar uma outra engrenagem chamada catraca, ligada à roda; por fim, a roda gira e faz a bicicleta andar. Há uma relação entre o número de voltas simultâneas da coroa e da catraca, que depende das medidas dos raios das duas engrenagens. Se o raio da coroa for Rco e o raio da catraca for Rca, o resultado da divisão ca co R R nos dará essa relação. Estamos prontos para escrever uma função relacionando o número de voltas do pedal ao número de voltas simultâneas da roda. Vamos chamar de x o número de voltas do pedal e de y o número de voltas da roda e escrever a equação dessa função: x R R y ca co = Suponha que um ciclista gira o pedal de sua bicicleta à razão de 120 rotações por minuto(rpm), ou, em outras palavras, numa frequência de 120 rpm. Se o diâmetro da catraca dessa bicicleta é 1,5 vezes menor do que o diâmetro da coroa que gira com o pedal, a frequência da catraca é de: A) 180 rpm B) 170 rpm C) 160 rpm D) 150 rpm E) 80 rpm 84. (ENEM) O jornal de certa cidade publicou em uma página inteira a seguinte divulgação de seu caderno de classificados: Para que a propaganda seja fidedigna à porcentagem da área que aparece na divulgação, a medida do lado do retângulo que representa os 4%, deve ser de aproximadamente: A) 1 mm B) 10 mm C) 17 mm D) 160 mm E) 167 mm CÁLCULOS
  • 36. 36 85. (ENEM) Uma empresa possui um sistema de controle de qualidade que classifica o seu desempenho financeiro anual, tendo como base o do ano anterior. Os conceitos são: insuficiente, quando o crescimento é menor que 1%; regular, quando o crescimento é maior ou igual a 1% e menor que 5%; bom, quando o crescimento é maior ou igual a 5% e menor que 10%; ótimo, quando é maior ou igual a 10% e menor que 20%; e excelente, quando é maior ou igual a 20%. Essa empresa apresentou lucro de R$ 132 000,00 em 2008 e de R$ 145 000,00 em 2009. De acordo com esse sistema de controle de qualidade, o desempenho financeiro dessa empresa no ano de 2009 deve ser considerado: A) insuficiente. B) regular. C) bom. D) ótimo. E) excelente. 86. (ENEM) A figura a seguir apresenta dois gráficos com informações sobre as reclamações diárias recebidas e resolvidas pelo Setor de Atendimento ao Cliente (SAC) de uma empresa, em uma dada semana. O gráfico de linha tracejada informa o número de reclamações recebidas no dia, o de linha contínua é o número de reclamações resolvidas no dia. As reclamações podem ser resolvidas no mesmo dia ou demorarem mais de um dia para serem resolvidas. O gerente de atendimento deseja identificar os dias da semana em que o nível de eficiência pode ser considerado muito bom, ou seja, os dias em que o número de reclamações resolvidas excede o número de reclamações recebidas. (Disponível em: http://blog.bibliotecaunix.org. Acesso em: 21 jan. 2012 (adaptado).) O gerente de atendimento pôde concluir, baseado no conceito de eficiência utilizado na empresa e nas informações do gráfico, que o nível de eficiência foi muito bom na: A) segunda e na terça-feira. B) terça e na quarta-feira. C) terça e na quinta-feira. D) quinta-feira, no sábado e no domingo. E) segunda, na quinta e na sexta-feira. 87. (ENEM) Uma pesquisa realizada por estudantes da Faculdade de Estatística mostra, em horas por dia, como os jovens entre 12 e 18 anos gastam seu tempo, tanto durante a semana (de segunda-feira a sexta-feira), como no fim de semana (sábado e domingo). A seguinte tabela ilustra os resultados da pesquisa. Rotina Juvenil Durante a semana No fim de semana Assistir à televisão 3 3 Atividades domésticas 1 1 Atividades escolares 5 1 Atividades de lazer 2 4 Descanso, higiene e alimentação 10 12 Outras atividades 3 3 De acordo com esta pesquisa, quantas horas de seu tempo gasta um jovem entre 12 e 18 anos, na semana inteira (de segunda-feira a domingo), nas atividades escolares? A) 20 B) 21 C) 24 D) 25 E) 27 CÁLCULOS
  • 37. 37 88. A PRESSÃO NOS MERGULHOS Em uma cidade ao nível do mar os moradores estão sujeitos à pressão de uma atmosfera, ou 1 atm. O agente causador dessa pressão é a camada de ar que envolve a Terra. Cidades situadas em maiores altitudes, como Quito (no Peru) ou La Paz (na Bolívia), estão sob pressões menores do que 1 atm. Quanto maior a altitude, menor a pressão. Mas essa relação não é de proporcionalidade. Se a altitude de La Paz fosse o dobro do que é, sua pressão atmosférica não seria reduzida à metade. E ao mergulhar no mar, que pressão sofre o corpo? Um mergulhador, submerso na água do mar, está sujeito a dois tipos de pressão: da água e, acima dele, do ar. A pressão afinal sobre o mergulhador será, portanto, a soma de dois valores. Quem mergulha usa uma conversão simples: cada 10 metros de água, 1 atm de pressão. Quer dizer, ao afundar 10 m na água do mar, a pressão sobre o mergulhador aumenta em 1 atm e ele está, nessa condição, sujeito a uma pressão de 2 atm: 1 atm do ar externo e 1 atm da água. E quanto maior a profundidade, maior a pressão. Essa relação pode ser descrita por uma função afim. Se 10 metros de água aumentam 1 atm na pressão, 20 metros aumentam 2 atm, 30 metros aumentam 3 atm e assim por diante. Dessa forma, para calcular a pressão (P) em atmosferas num ponto a x metros de profundidade, basta escrever: 10 x 1P += Essa é a equação de uma função afim na qual o coeficiente angular é 10 1 e o coeficiente linear é igual a 1. Em novembro de 2002 o petroleiro Prestige naufragou na costa da Espanha, causando um grande desastre ecológico. Após partir-se em dois, o navio afundou levando consigo a maior parte de sua carga – 77 mil litros de óleo – e atingiu o fundo do mar a 3 500 m da superfície. Nessa profundidade a pressão é tão grande que foi preciso o auxílio de um submarino especial para chegar até o navio e verificar o estrago. O valor dessa pressão era de: A) 251 atm B) 271 atm C) 291 atm D) 341 atm E) 351 atm 89. Analisando os gráficos abaixo, encontraremos como valor de f(g(5/2)) igual a: A) – 5 B) 12 C) 4 D) 5/2 E) – 60 90. Sendo uma função definida por f(x) = 4 5x3 − . Se na função inversa de f o domínio for – 2, sua imagem será de : A) – 1 B) – 11/4 C) – 3 D) – 4 E) – 4/11 CÁLCULOS