Aula sobre classificações de aptidão de uso das terras, preparada para o Curso de Agronomia da UFRGS

4.297 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.297
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
299
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula sobre classificações de aptidão de uso das terras, preparada para o Curso de Agronomia da UFRGS

  1. 1. CLASSIFICAÇÃO TÉCNICA OU INTERPRETATIVA Elvio Giasson UFRGS
  2. 2. CLASSIFICAÇÃO TÉCNICA OU INTERPRETATIVA >>> é o grupamento de solos em classes, baseado em características selecionadas, que condicionam a sua adaptabilidade para um determinado fim. ⇒ Usa informações dos relatórios de levantamentos ⇒ Usada para avaliar o potencial de uso do solo para diversas finalidades: - agricultura, urbanização, recreação, descarte de resíduos e outras. ⇒ Base para recomendar o melhor uso de um solo? → usada para interpretar suas características. → usada para avaliar suas limitações e sua adaptabilidade para a finalidade específica pretendida.
  3. 3. CLASSIFICAÇÃO TÉCNICA DAS TERRAS PARA FINS AGRÍCOLAS →Objetivos : →uso de mecanização →determinadas culturas →fins de irrigação →as classificações técnicas para fins agrícolas mais freqüentemente utilizadas são mais abrangentes e visam estabelecer: * a capacidade de uso da terra ou * a aptidão agrícola da terra
  4. 4. Requisitos básicos de um sistema de classificação da capacidade de uso das terras: Fácil entendimento Ampla aplicação Flexível Utilizável em etapas Permitir revisões e adaptações periódicas Aplicável a vários usos
  5. 5. Objetivos das classificações de aptidão agrícola das terras: 1) indicar as possibilidades de uso agrícola 2) recomendar as práticas de manejo necessárias para manter ou elevar a produtividade, sem degradação.
  6. 6. Estas classificações são fundamentais para o planejamento de: >programas de desenvolvimento regionais e estaduais; >planejamento de propriedades rurais; >planejamento de atividades agrícolas e de conservação do solo. → As classificação são baseiam-se: - na interpretação das características do solo; - na interpretação das características do ambiente; - no nível tecnológico do agricultor
  7. 7. →Caracterizando a terra, são identificados e avaliados os graus de limitação que ela apresenta para o uso agrícola, sendo previstos os seguintes tipos de limitações: - limitações que resultam de impedimentos ou dificuldades à execução das práticas de manejo do solo. - limitações relacionadas com riscos de degradação da terra. - limitações que comprometem a capacidade produtiva da terra. →OBS: Um critério importante na classificação da capacidade de uso das terras é que são consideradas apenas as limitações permanentes da terra, não-corrigíveis ou cuja correção é tão difícil que o agricultor não pode adotá-la.
  8. 8. O princípio básico na classificação da capacidade de uso das terras: - à medida em que aumentam as limitações permanentes da terra, diminui a intensidade de uso agrícola.
  9. 9. <<<< Aumento das limitações Refugio de flora e fauna 2 3 4 5 6 7 8 Muito intensa Intensa Moderada Limitada Intensa Moderada Limitada Silvicultura Aumento da intensidade de uso (mobilização do solo) >>>> Classe Pastagem Culturas de Cap. de Uso da Terra 1
  10. 10. → A ausência ou a presença, em menor ou maior grau, de limitações, é que serve de base para o enquadramento das terras em classes de aptidão ou de capacidade de uso agrícola. → Os parâmetros que definem cada classe são estabelecidos em tabelas chamadas quadros-guia.
  11. 11. Exemplo de quadro-guia considerando apenas a declividade. Declividade (%) 0 - 10 11 – 15 Classe A B ≥ 16 C Uso recomendado Terras próprias para culturas de ciclo curto Terras que só permitem uso ocasional com culturas de ciclo curto, devendo na maior parte do tempo ser utilizadas com culturas permanentes Terras aptas somente para culturas de ciclo longo
  12. 12. PROFUNDIDADE EFETIVA (cm) PROFUNDO > 100 FASES (%) RASO < 50 DRENAGEM DE DECLIVIDA DE POUCO PROFUNDO 100-50 BOA MOD. BOA MOD. BOA PERCENTAGEM DE ARGILA NO HORIZONTE-A (%) > 35 < 35 <35 <35 <35 <35 <35 PRESENÇA OU AUSÊNCIA DE GRADIENTE TEXTURAL S/GR S/GR C/GR C/GR S/GR C/GR S/GR S/GR SO (3-8) O (8-15) FO (15-30) FO1 (30-45) M+ (>45) OBSERVAÇÕES: Fases de declividade: SO= suave ondulado; O=ondulado; FO=forte ondulado FO1=forte ondulado 1 e Mt=igual ou mais que montanhoso. Drenagem : MOD = moderada. ARG-A % = porcentagem de argila no horizonte A. S/GR=solos sem gradiente textural acentuado; (B/A < 1,7). C/GR=solos com gradiente textural acentuado; (B/A > 1,7).
  13. 13. SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO DE USO DAS TERRAS No Brasil são usados dois sistemas de classificação de uso das terras para fins agrícolas: • Sistema de avaliação da aptidão agrícola das terras (EMBRAPA) • Sistema de avaliação da capacidade de uso das terras (USDA)
  14. 14. Sistema de avaliação da aptidão agrícola das terras (“Sistema brasileiro”) →Desenvolvido para avaliar a aptidão agrícola de grandes extensões de terras; →Utiliza como base os levantamentos pedológicos de reconhecimento executados no Brasil. →É uma orientação para a utilização dos recursos da terra a nível de planejamento regional; →No caso de aplicação para pequenas glebas, ele deve ser ajustado às condições locais.
  15. 15. Estrutura do Sistema 3 sistemas de manejo: A, B e C Tipos de uso: lavoura, pastagem plantada, silvicultura, pastagem natural e refúgio de flora e fauna Limitações: fertilidade, disponibilidade de água, aeração, suscetibilidade à erosão e uso de equipamentos agrícolas
  16. 16. Estrutura do sistema A classificação da aptidão agrícola é feita em três níveis de manejo distintos (tecnologia, capital, mecanização, mão de obra, etc) →Nível de manejo A (primitivo): é raro no sul do Brasil. →Nível de manejo B (pouco desenvolvido): é comum na região colonial do RS e SC. →Nivel de manejo C (desenvolvido): Os tipos de utilização considerados no sistema são: → lavouras com culturas anuais (níveis A, B e C); → pastagem plantada e silvicultura (nível B); → pastagem natural (nível A); e → refúgio de flora e fauna.
  17. 17. ⇒As classes são estabelecidas considerando os seguintes fatores de limitação : →deficiência de fertilidade (f); →deficiência de água (h); →deficiência de oxigênio ou excesso de água (o); →suscetibilidade à erosão (e); →impedimentos à mecanização (m).
  18. 18. ⇒Na avaliação de cada fator limitante são considerados os seguintes graus de limitação: →nulo, →ligeiro, →moderado, →forte →muito forte. OBS: O enquadramento da classe de aptidão é feito pela comparação - dos graus de limitação que persistem (níveis B e C) - com os graus de limitação admissíveis para cada classe, - conforme o quadro-guia estabelecido para cada região climática do Brasil.
  19. 19. Graus de limitação Nulo Fatores de limitação Defic. de oxigênio* Suscetib. à erosão Sem deficiência; bem Não suscetível; relevo e excessivamente plano, 0-3% declive drenado Defic. de fertilidade Alta reserva de nutrientes; V≥ 80%; SB≥ 6cmol/kg; CE<4 dS/m Boa reserva de nutrientes; V≥ 50%; sat.Al<30%; SB≥ 3 cmol/kg; CE<4 dS/m; sat.Na<6% Defic. de água Sem deficiência Pouco acentuada, 3-5 meses Certa defiência na estação chuvosa; moderadamente drenado Pouco suscetível; relevo suave ondulado, 3-8% declive Moderado Limitada reserva de nutrientes; CE 4-8 dS/m; sat.Na 8-20% Deficiência na estação chuvosa; imperfeitamente drenado Forte Reserva mto limitada de nutrientes; CE 8-15 dS/m; sat.Na >15% Acentuada, 4-6 meses; precipitação (P) 700 a 1000 mm/ano Forte, 7-9 meses; P 500 a 700 mm/ano Moderadamente suscetível; relevo ondulado, 8-13% declive. Mudança textural abrupta, <8% declive Forte suscetibil.; relevo ondulado a forte ondulado, 13-20% declive Muito forte Mto mal provido de nutrientes;CE>15 dS/m; solos salinos, sódicos ou tiomórficos Ligeiro Severa, >9 meses; P<500 mm Séria deficiência; mal a mto mal drenado; sujeito à inundações freqüentes; demanda intenso trabalho para drenagem Idem anterior, com drenagem mais onerosa Relevo forte ondulado, 20-45% declive Imped. à mecanização Relevo plano, declive <3% Relevo suave ondulado, declive 3-8%; ou impedimentos: pedregosidade, profundidade, textura, restrição de drenagem Relevo mod. ondulado à ondulado, declive 8-20%; ou impedimentos (ver acima) ou drenagem imperfeita Relevo forte ondulado, declie 20-45%; ou impedimentos fortes (ver acima) ou má drenagem Relevo montanhoso, declive >45%; ou impedimentos mto fortes (ver acima) ou problemas de drenagem
  20. 20. Quadro 4- Quadro-guia de avaliação da aptidão agrícola das terras – Região subtropical. Aptidão agrícola Subgrupo Classe 1 1ABC 2 2abc Grupo 3 Graus de limitação das condições agrícolas das terras – Região subtropical Deficiência de fertilidade Deficiência de água Excesso de água Suscetibilidade à erosão Impedimentos à mecanização A C A B C N1 M L N A B C A B C A B C B Boa N/L N/L1 N1 L L L L L1 N2 Regular L L1 L2 M M M M L/M1 L2 M L1 N2/L1 M/F M L 3(abc) Restrita M L/M1 L2 M/F M/F M/F M/F M1 M2 F* M1 L2 F M/F M L/M N/L1 4P M F1 M/F1 M/F 4p Regular M/F1 M/F F1 F1 F Restrita F1 F MF MF F Boa M/F1 M L1 F1 Regular F1 M/F L1 F1 F 5(s) Restrita MF F M1 MF F 5N Boa M/F M M/F F MF 5n Regular F M/F F F MF 5(n) Restrita MF F MF F MF 6 Sem aptidão agrícola Lavouras M/F 5s 6 M1 5S 5 Boa 4(p) 4 Tipo de utilização indicado Grau de limitação: N – nulo L – ligeiro M – moderado - F – forte MF – muito forte / – intermediário - Pastagem plantada Silvicultura e/ou Pastagem natural Preservação da flora e da fauna
  21. 21. Classe de aptidão agrícola: - expressa a aptidão agrícola das terras de um determinado tipo de utilização, num nível de manejo definido. - o fator de limitação que impõe o maior grau de limitação é que determina a classe - a classe é expressa como: boa, regular, restrita ou inapta
  22. 22. As classes de aptidão consideradas no sistema são: →Classe boa: terras sem limitações significativas para a produção sustentada de um determinado tipo de utilização; →Classe regular: terras que apresentam limitações moderadas para a produção de um determinado tipo de utilização; →Classe restrita: terras que apresentam limitações fortes para a produção sustentada de um determinado tipo de utilização; →Classe inapta: terras que apresentam condições que excluem a produção sustentada do tipo de utilização em questão.
  23. 23. Quadro 2. Simbologia correspondente às classes de aptidão agrícola das terras, de acordo com o tipo de utilização. Tipo de utilização Classes de aptidão agrícola Boa Regular Restrita Inapta Lavoura A A a (a) B B b (b) Pastagem C C c (c) Nível de manejo B P p (p) Silvicultura Pastagem natural B S s (s) A N n (n)
  24. 24. Quadro 3. Identificação do grupo de aptidão agrícola. Grupo 1 2 3 4 5 6 Tipos de utilização mais intensiva Aptidão boa para lavoura Aptidão regular para lavoura Aptidão restrita para lavoura Aptidão para pastagem plantada e silvicultura Aptidão para pastagem natural Inapto para qualquer tipo de exploração agrícola. Serve para refúgio de flora e fauna ou para fins de recreação
  25. 25. Subgrupo de aptidão agrícola: é o conjunto das classes de aptidão que indicam o uso mais intensivo possível para cada nível de manejo. Ex.: – 2ab(c) – 1ABC
  26. 26. Quadro 6. Exemplos de grupos, subgrupos e classes de aptidão representados nos mapas de aptidão agrícola das terras. GRUPO 1 1 SUBGRUPO ABC (a)bC 2 bc 4 P 4 (p) 5 Sn 5 n 6 CLASSE DE APTIDÃO Terras pertencentes à classe de aptidão boa para lavoura, nos níveis de manejo A, B e C Terras com aptidão restrita para lavouras nos níveis A, regular no nível e B e boa no nível C Terras com aptidão regular para lavoura nos níveis B e C e inapta no nível A Terras inaptas para lavoura e com aptidão boa para pastagem plantada Terras inaptas para lavoura e com aptidão restrita para pastagem plantada Terras inaptas para lavoura e pastagem plantada, com aptidão boa para silvicultura e regular para pastagem natural Terras inaptas para lavoura, pastagem plantada e silvicultura, com aptidão regular para pastagem natural Terras sem aptidão para uso agrícola
  27. 27. Sistema de classificação de capacidade de uso das terras (“Land capability classification”) → originalmente proposto nos EUA → agrupa solos (já mapeados detalhadamente) em classes de capacidade de uso para programas de planejamento agrícola (propriedade rural), com enfoque conservacionista → pressupõe ainda a existência de um único nível tecnológico avançado, onde as práticas de cultivo se baseiam em motomecanização. ⇒ O sistema agrupa os solos em oito classes divididas em três grupos:
  28. 28. A - Terras cultiváveis Classe I - ...sem problemas especiais de conservação; Classe II - ...problemas simples de conservação; Classe III - ...problemas complexos de conservação; Classe IV - ...apenas ocasionalmente ou em extensão limitada, com sérios problemas de conservação. B – Terras cultiváveis apenas em casos especiais de algumas culturas permanentes e adaptadas, em geral, para pastagem ou reflorestamento Classe V - ... sem necessidades especiais de conservação; Classe VI - ...com problemas especiais de conservação; Classe VII - ...com problemas complexos de conservação. C – Terras impróprias para vegetação produtiva e próprias para preservação permanente Classe VIII
  29. 29. ⇒ O sistema prevê ainda sub-classes, que agrupam as terras que apresentam os mesmos tipos de limitações quanto ao uso agrícola, definidas pelos seguintes tipos de limitações: e – limitações por riscos de erosão; a - limitações por presença de umidade excessiva; s – limitações do solo (profundidade, toxidez, salinidade, etc.); c – limitações climáticas. ⇒ O sistema prevê ainda unidades de capacidade de uso: Exemplos: IIIe1, IIIe2

×