SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 80
Baixar para ler offline
Vamos falar de
Gestão de Produtos Digitais?
Em primeiro lugar,
Muito prazer, eu sou a Eluza.
Eu gosto de contar histórias e resolvi
fazer isso de uma forma pouco
convencional: estudando Desenho
Industrial. Pesquisei UX muito tempo e
agora trabalho diretamente com
desenvolvimento de produtos digitais,
atualmente sou Product Owner na
Conta Azul.
Primeiro, uma atividadezinha:
Vocês já conhecem o FCO, né? Vocês
também já devem ter elencado por aí,
algumas melhorias de qualquer natureza
para ele também, correto?
Vamos fazer o seguinte exercício:
- Peguem 15 melhorias e as coloquem
em uma lista com cinco linhas e três
melhorias em cada uma das linhas.
1.
2.
3.
4.
5.
Ondas
Em primeiro lugar, o que é produto?
Produto é definido como um “algo produzido pelo
trabalho ou esforço” ou como o “resultado de um ato
ou processo”, e tem origem no verbo produzir, do
latim prōdūce(re) (levar para a frente, conduzir,
produzir, criar).
Um produto é qualquer coisa que possa ser oferecido
a um mercado para satisfazer uma demanda ou
necessidade.
Fonte: Wikipedia
Vamos falar então de gestão de produtos?
Gestão de Produtos é a função responsável por
todos os aspectos de um produto digital, desde
os objetivos estratégicos até os detalhes de
experiência do usuário.
É a função responsável por fazer a conexão
entre a estratégia da empresa e o cliente por
meio do produto digital.
É basicamente entender sobre estratégia e
como tangibilizar essa estratégia de modo que o
triunvirato funcione:
Pessoas
Negócios Produtos
Fonte: Gestão de produtos/ The Product Book
E o que é uma estratégia?
É o conjunto de
princípios-guia para que
o que é delineado
baseado nos objetivos da
empresa, seja executado
conforme a melhor
estratégia de entregas de
valores.
Fonte: https://hackernoon.com/wtf-is-a-strategy-bcaa3fda9a31
E a quem cabe fazer isso?
Aos Product Managers, claro.
Eles ajudam no
direcionamento da visão, da
estratégia, do planejamento e
processo e finalmente da
execução do produto.
É importante que a
humanidade se
torne uma espécie
interplanetária.
Elon Musk
VISÃO ESTRATÉGIA
PLANEJAMENTO EXECUÇÃO
Sua margem é
minha oportunidade.
Jeff Bezos
Você tem que
trabalhar duro para ter
seus pensamentos
claros no objetivo de
fazer tudo simples.
Steve Jobs
Tudo que nós
fazemos é muito
foda.
Stewart Butterfield
Definição clássica:
É o link crítico entre
negócios, tecnologia e UX.
Definição mais contemporânea:
É o link crítico entre
negócios, time e clientes
TEAM
UX + TECH
CUSTOMER
Como a gente tangibiliza uma estratégia?
Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=ayaO26BmkPk
De volta ao exercício
Agora, ajustem as ondas de vocês para que elas sigam o objetivo da empresa
para esse quarter relacionado ao FCO, eficiência operacional.
Um jeito de pensar produto (como)
HIPÓTESE
Estratégia Execução
CONSTRUIR
MEDIR
APRENDER
Pensando produto
Faz parte do trabalho do PM entender quem faz uso dos seus produtos, suas necessidades e seus
problemas tendo certeza que o que vocês está construindo é certo, seja isso uma feature ou um novo
produto. No fim das contas, a maioria das empresas falham não por causa da sua tecnologia, mas
porque não entenderam as reais necessidades do consumidor e como isso interage com o mercado.
Pensando produto
O que é hipótese?
Uma hipótese basicamente é uma
predição testável. É o que esperar em
que vai acontecer em uma determinada
circunstância.
Atividade
Construir uma hipótese para nossa priorização de features do FCO.
Mas lembrem-se:
1- Vocês já tem um objetivo
2- Vocês já sabem, só de olhar, coisas que precisam ser melhoradas
3- Vocês já construíram personas para usar o produto, a hipótese de vocês
precisa contemplar elas
Como a gente sabe que uma hipótese deu certo?
Através de métricas.
Essas métricas podem incluir desde como os clientes terminam/se terminam as
tarefas, como algo pode afetar o produto, receita que está fazendo, se aumenta o
número de pessoas que usam.
Métricas são úteis porque elas aparecem junto com as hipóteses e mostram
como podemos prosseguir ou pivotar para fazer mudanças e atingir o sucesso
que esperamos relacionado ao produto.
Como a gente sabe que uma hipótese deu certo?
Elas são definidas pelos objetivos e pelas
estratégias. A maioria da empresas tem
métricas que medem seu sucesso em curto,
médio e longo prazo, definidas pelos valores
que são core para a empresa e para o
mercado. E sim, a gente pode ter métricas
para o produto, para a empresa, para os
times e para as features.
Como construir métricas
Através de OKRs
E porque usar OKRs?
Simples
Escalável
Ágil
Cultura orientada à resultados
Transparência
Foco
Atividade
Agora que vocês tem uma hipótese construída, um objetivo, montem dois
resultados chaves que vocês podem medir se estão alcançando o objetivo e
ajustem as ondas para que elas evidenciem essa escolha.
Analytics
Analytics nos ajudam nesse entendimento se estamos
capturando as métricas certas para o nosso produto.
Temos que entender em parte do ciclo de vida do produto
a gente está, quem a gente está medindo naquele
momento (nossos cohorts), qual o comportamento
influencia esses analytics ao longo do tempo.
Esse grupo de métricas (workflow) podem formar um funil
onde a gente entende como nossos usuários iniciam e
completam nossas análises.
Existem diversos frameworks que ajudam a montar
nossos workflows de métricas.
Pirate Métrics
Acquisition: Como o usuário chega no nosso
produto.
Activation: Como os usuários visitam nossos
produtos e tem sua primeira experiência feliz
Retention: O usuário gostou do nosso produto o
suficiente para voltar a usar.
Referral: O usuário gosta o suficiente para contar
para outra pessoa o quanto gosta dele (ou no
mínimo sobre o uso)
Revenue: O usuário acha que o produto vale a
pena a ponto de pagar por ele.
Transformando métricas em oportunidades
Como PMs, precisamos entender os produtos do ponto de
vista de quem usa o produto.
Gatilho (trigger) - o que acontece quando o usuário chega ao
produto?
Ação (action) - qual é a coisa mais simples que o usuário
precisa fazer no seu produto para ser recompensado?
Recompensa (reward) - como essa recompensa provê um
senso de complitude (fullfilment) e faça com que ele invista
mais tempo no seu produto.
Investimento (investment) - quais as próximas pequenas
ações que o usuário precisa fazer que vão levar ele a novos
gatilhos e retornar ao produto?
Fonte: The Hook Canvas - Nir Eyals
Validando hipóteses
Cada ideia que a gente tem, cada hipótese
testada tem o custo da oportunidade.
Quando a gente escolhe fazer A no lugar de
B, significa que acreditamos que A está
atendendo todas as necessidades imediatas
de negócio e dos clientes.
O jeito correto de validar uma hipótese
depende de cada situação em que ele está.
E como validamos?
Análise SWOT
Forças
Fraquezas
Oportunidades
Ameaças
E como validamos?
Validação interna
A oportunidade está em linha com a visão que foi montada para o produto?
Ele ajuda nas funções core do produto?
Funciona bem com nossa capacidade? (Ou pelo menos é factível com nossa expansão ou para encontrar
outras oportunidades?
Ela contribui com nossa métricas chave?
Temos dados suficientes (seja de analytics, surveys, bug reports) para ajudar nessa oportunidade?
Ela requer termos uma iniciativa crítica de negócios?
Ela contribui para o sucesso dos usuários?
Está em nosso roadmap, ou objetivos, mesmo que indiretamente?
Ela vai importar em dois anos? (para entender a priorização)
Todo mundo ganha? É para um nicho que o custo valha a pena?
Se funcionar, a gente dá conta?
E como validamos?
Contexto
No fim das contas, o que interessa é o usuário usar o produto, que ele ganhe com
isso. Por isso devemos entender os usuários e para isso precisamos tomar boas
decisões de produto.
No fim das contas, o que interessa é o usuário usar o produto, que ele ganhe com
isso. Por isso devemos entender os usuários e para isso precisamos tomar boas
decisões de produto.
E como validamos?
E como validamos?
Surveys - tentar entender através do ponto de vista da satisfação do usuário em
diversos pontos da cadeia de uso, dentro da sua própria base.
Entrevistas com os usuários - testar novas features, entender o que se passa na
cabeça do usuário. É importante que elas não sejam a base das primeiras
hipóteses porque tudo pode ser muito vago e a gente acabe tendenciando para
uma necessidade específica, não para o market fit.
Construção de personas/patronos - conhecer o público-alvo, suas necessidades,
impedimentos e principalmente suas motivações.
E como validamos?
Validações externas
A ideia é evitar viéses.
Customer Development - construa seu produto junto com o seu público-alvo.
Tenha no seu time pessoas de CS para te ajudarem a entender o que você não vê.
Entrevistas - toda a iteração com os produtos precisa de entrevistas com
usuários. Saber dores e o que ele gosta. Mas saber de verdade. As entrevistas
deixam o PM pronto para os trade-offs
E como validamos?
Experimentos
É preciso ter espaço, dentro da estratégia de produto, para as experimentações.
Elas ajudam a definir estratégias, pivotamentos, decisões simples e completas da
cadeia de desenvolvimento de produto.
Protótipos - testar ideias com prototipos de baixa/média fidelidade,
principalmente para validar ideias.
Testes A/B - principalmente para testar qual ideia pode ser mais interessante
para um grupo de usuários.
E como validamos?
MVP
Minimal Viable Product (Mínimo produto viável) - É a menor solução que permita
testar suas hipóteses e que ainda assim entregue valor aos usuários.
Atividade
Baseados no que vocês viram, façam uma análise swot das entregas que vocês
planejaram até o momento nas ondas.
Entendendo produtos
MVP
Entendendo produtos
MVP
Entendendo produtos
MVP
Entendendo produtos
Tipos de MVP
Smoke tests - mostre que seu produto existe. Um mockup em uma plataforma digital que tenha uma
interação mínima.
Release 1.0 - início do código, set mínimo de features, lançamentos frequentes, fazer coisas
manualmente, automatizar depois.
Concierge MVP - sair do convencional e resolver os primeiros problemas.
Não é um MVP - entrevistas com usuários, protótipos ou páginas “em breve” porque eles não trazem
valor para o cliente.
Entendendo produtos
MLP - Construir uma versão de produto que traga algo que os usuários amem.
Fonte:
https://medium.com/the-happy-startup-school/beyond-mvp-10-steps-to-make-your-product-minimum-loveable-51800164ae0c
Entendendo produtos
Fonte:
https://medium.com/the-happy-startup-school/beyond-mvp-10-steps-to-make-your-product-minimum-loveable-51800164ae0c
Entendendo produtos
Fonte:
https://medium.com/the-happy-startup-school/beyond-mvp-10-steps-to-make-your-product-minimum-loveable-51800164ae0c
Atividade
Ajustem as ondas para a entrega de um MLP.
Entendendo produtos
Conhecer bugs e features
Toda interação de um usuário com nosso produto mostra nossos erros e acertos relacionados as
escolhas que fazemos relacionadas à priorização.
Essas interações mostram também como podemos escolher as novas funcionalidades que podemos
incluir no nosso backlog e que podem se tornar a base de novas hipóteses.
Os bugs são um problema porque bloqueiam o usuário de ter sucesso em alguma jornada proposta
dentro de um produto. Apesar de todo o trabalho que temos para priorizar, entender e todas as entregas
de negócios que temos para fazer, o bug é prioritário em termos de desenvolvimento.
Atividade
Temos 3 bugs, um de alta, um de média e um de baixa complexidade.
Sem aumentar o número de ondas (as cinco possíveis entregas que trabalhamos
até agora), coloque os 3 bugs na sua priorização.
Lembrem-se:
- Bugs são prioritários, não podem estar na última onda
- Vocês só podem ter uma onda com 4 entregáveis
- O bug de alta complexidade só comporta uma entrega junto com ele
Entendendo produtos
Ideias do time
Entendendo
produtos
Canvas BMP
Fonte: https://www.businessmodelsinc.com/about-bmi/tools/business-model-canvas/
Entendendo produtos
Value
Model
Canvas
Entendendo produtos
PMM
Conta Azul
Entendendo produtos
Kano model
Basic features. O que o consumidor espera
do produto.
Performance features (satisfers). São as
features que os usuários olham antes de
comprar. Um diferencial competitivo na
satisfação do básico.
Excitement features (delighters).Features
Wow.
Atividade
Coloque suas funcionalidades dentro de um Kano Model e veja o quanto você
está entregando para os seus usuários.
Do papel pro mercado
Trabalhar com novas ideias
O papel de PM inclui antecipar quaisquer riscos relacionados ao produto. Uma
das principais razões para os produtos sofrerem na sua escalada não é, no geral,
técnica.
Geralmente esses problemas vão estar relacionados aos clientes não precisarem
do produto, a estratégia não ajudar a atingir o product market fit.
Do papel pro mercado
Trabalhar com novas ideias
Do papel pro mercado
Trabalhar hoje para o futuro
Fazer um release do produto - Montar como seria um product press release da
sua entrega. Você precisa pontuar o que vai entregar, para quem e como vai
funcionar de uma maneira que venda o seu produto. Ou um review para uma loja
de apps.
Fazer a escolha correta do MVP - entender a partir do que você vai entregar
como vai ser o comportamento dela dentro do mercado. Entender,
principalmente, os riscos.
Do papel pro mercado
Problem space x solution space
Fonte: The Lean Product Playbook
Do papel pro mercado
Cenários de usuários - escrever possíveis cenários de uso do produto para
validação.
Requisitos/ Features In-Out - Faz parte da lista do seu MVP, fica mais fácil de
visualizar cada um dos requisitos em termos de cenários, personas, adoção, uso
e retenção.
Design - até um sketch de uma possível solução que possa validar ou até
invalidar suas premissas.
Perguntas e Q&A - estar preparado para o que o mercado (usuários e outros
competidores podem perguntar/entender/não entender do seu produto.
Atividade
Faça um press release da sua primeira onda.
Lembre-se:
- Oprah speech
- Se tiver conserto de bugs, você pode e deve evidenciar
- É um press release para o Twitter então, no máximo 240 caracteres.
Trabalho em conjunto com o design
UX
Em termos muito simples, em termos de Gestão de Produtos, UX é como nós
interagimos e engajamos consumidores com o produto.
Porque fazer produtos é fundamentalmente sobre fazer novas experiências ou
fazer uma experiência que já existe melhor.
Trabalho em conjunto com o design
PM/PO x Designers
Um PM tem muitas responsabilidades e quase nenhum poder. Ele vai ajudar a
estabelecer quais as políticas de desenvolvimento de produto, ajudar a escolher
as metas, entender e trazer para o sistema, todo o contexto de negócios. Já o UX
tem a responsabilidade de ajudar o PM com as recomendações para que ele
possa tomar as decisões e planejar as melhores metas e entregas.
E como ele ajuda?
O processo de design em um contexto de produto
1. User research
2. Information architecture
3. Interaction design
4. Prototyping
5. Visual design
6. Content strategy
Validando feedbacks de design
As pessoas na empresa, o time e os clientes (na sua escala, claro) esperam que o
PM dê bons feedbacks das ajudas que ele recebe. Como a gente ajuda o nosso
PM nisso?
A gente estrutura como ele pode dar os feedbacks. Uma sugestão: os princípios
do bom design do Dieter Rams
Validando feedbacks de design
Good design is innovative. Inovação tecnológica é criar oportunidades de fazer novos e inovativos
projetos.
Good design is aesthetic. Não é sobre beleza, apesar de ser bonito.
Good design makes a product understandable. Um bom design pode ajudar no
entendimento/uso/engajamento do usuário ao produto.
Good design is unobtrusive. Produtos ajudam um usuário a se sentir ótimo porque ele atinge um
objetivo. Design é neutro e mantém o foco.
Good design is honest. Um bom design não ilude o usuário.
Good design is long-lasting. O bom design é atemporal.
Good design is thorough down to the last detail. Só quando todos os detalhes são pensados, é
possível uma real boa interação.
Good design is as little design as possible. Depois que está tudo pronto, o que se pode eliminar sem
que a essência se perca?
Como trabalha um PM
Dual Track
Como trabalha um PM
Discovery - Google Design Sprints
Como trabalha um PM
Delivery: Inceptions
Trabalhando com a engenharia
Se a gente entende que design é mais que pixel, a gente entende também que
engenharia é mais que código. A construção de um produto é algo coletivo e a
engenharia faz muito parte dessa coletividade.
Um PM precisa ser técnico?
Um PM que não faz código é respeitado?
Uma PM consegue manter o time coeso e buscando o melhor para o
produto?
Trabalhando com a engenharia
Metodologias de
Desenvolvimento:: Waterfall
Trabalhando com a engenharia
Metodologias de desenvolvimento - Scrum
Trabalhando com a engenharia
Metodologias de desenvolvimento - Kanban
Trabalhando com a engenharia
Waterfall x Agil
Trabalhando com a engenharia
Metodologias de desenvolvimento - Lean
Atividade
Revisem as dependências das features de vocês e rearrangem as ondas,
pensando em uma entrega baseada em desenvolvimento ágil.
Produto e mercado
Planejamento de lançamento
Planejamento de pré-lançamento: metas para o lançamento, entendimento da maturidade do produto
para isso.
Objetivos de lançamento - propósitos de lançamento: upgrade de produto, nova feature, etc.
Timing de lançamento: Produto está pronto? Testado e entendido? O mercado está no timing correto?
(evitar o MAYA)
Teste - planejar junto aos reais usuários o lançamento para que se possa ter e entender as métricas.
Produto e mercado
Usando framework de marketing
Produto e mercado
O ciclo de vida do usuário
Entregando o produto para o mercado
Roadmap Um roadmap é um statement de intenção.
É a direção de construção de uma estratégia
Entregando o produto para o mercado
Os objetivos que se quer alcançar:
Ex.: Redução de bugs + Eficiência
Operacional
As métricas que vão provar que
seu objetivos for alcançado:
Ex.: Redução de 35% de bugs
Tema: Entender, a partir dos chamados recebidos e das
justificativas de notas do NPS como melhorar e nos anteciparmos
sobre futuros erros da plataforma.
Entregando o produto para o mercado
Backlog
Entregando o produto para o mercado
Backlog
Sugestão de leitura
Dúvidas? Sugestões?
Muito Obrigada!
https://www.linkedin.com/in/eluzapinheiro/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teste sua ideia - Lean Startup
Teste sua ideia - Lean StartupTeste sua ideia - Lean Startup
Teste sua ideia - Lean StartupSocial Good Brasil
 
Criando funcionalidades que realmente importam - Tá Safo Conf 2015
Criando funcionalidades que realmente importam - Tá Safo Conf 2015Criando funcionalidades que realmente importam - Tá Safo Conf 2015
Criando funcionalidades que realmente importam - Tá Safo Conf 2015Marcell Almeida
 
UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA LEAN STARTUP PARA CRIAÇÃO DE UMA STARTUP: Anál...
UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA LEAN STARTUP PARA CRIAÇÃO DE UMA STARTUP: Anál...UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA LEAN STARTUP PARA CRIAÇÃO DE UMA STARTUP: Anál...
UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA LEAN STARTUP PARA CRIAÇÃO DE UMA STARTUP: Anál...Marcelo Linhares
 
Transformational Design Thinking - Aula 8
Transformational Design Thinking - Aula 8Transformational Design Thinking - Aula 8
Transformational Design Thinking - Aula 8Lu Terceiro
 
Lean Startup - Introdução
Lean Startup - IntroduçãoLean Startup - Introdução
Lean Startup - IntroduçãoJuliano Padilha
 
Transformational Design Thinking - Aula 9
Transformational Design Thinking - Aula 9Transformational Design Thinking - Aula 9
Transformational Design Thinking - Aula 9Lu Terceiro
 
Lean startup, o tsunami que afundará o movimento ágil
Lean startup, o tsunami que afundará o movimento ágilLean startup, o tsunami que afundará o movimento ágil
Lean startup, o tsunami que afundará o movimento ágilRafael Lima
 
Transformational Design Thinking - Aula 7
Transformational Design Thinking - Aula 7Transformational Design Thinking - Aula 7
Transformational Design Thinking - Aula 7Lu Terceiro
 
Análise de Negócios aplicada ao desenvolvimento de produto
Análise de Negócios aplicada ao desenvolvimento de produtoAnálise de Negócios aplicada ao desenvolvimento de produto
Análise de Negócios aplicada ao desenvolvimento de produtoDiana Corrêa, CSPO / CSM
 
Resumo Eureca! - The Lean Startup
Resumo Eureca! - The Lean StartupResumo Eureca! - The Lean Startup
Resumo Eureca! - The Lean StartupEureca!
 
Lean Startup - Agile Tour 2011 Poços de Caldas
Lean Startup - Agile Tour 2011 Poços de CaldasLean Startup - Agile Tour 2011 Poços de Caldas
Lean Startup - Agile Tour 2011 Poços de CaldasWebgoal
 
Workshop 101: Concebendo produtos de forma ágil (e divertida) - Scrum Gathe...
  Workshop 101: Concebendo produtos de forma ágil (e divertida) - Scrum Gathe...  Workshop 101: Concebendo produtos de forma ágil (e divertida) - Scrum Gathe...
Workshop 101: Concebendo produtos de forma ágil (e divertida) - Scrum Gathe...Diana Corrêa, CSPO / CSM
 
Meu cliente: Milhões de usuários desconhecidos.
Meu cliente: Milhões de usuários desconhecidos.Meu cliente: Milhões de usuários desconhecidos.
Meu cliente: Milhões de usuários desconhecidos.Diana Corrêa, CSPO / CSM
 
interaction South America 2011 — Workshop
interaction South America 2011  — Workshopinteraction South America 2011  — Workshop
interaction South America 2011 — WorkshopPaulo Floriano
 
Startup Sorocaba: Palestra Sebrae "Conexão com Especialistas" - MVP
Startup Sorocaba: Palestra Sebrae "Conexão com Especialistas" - MVP Startup Sorocaba: Palestra Sebrae "Conexão com Especialistas" - MVP
Startup Sorocaba: Palestra Sebrae "Conexão com Especialistas" - MVP Startup Sorocaba
 
Startup Sorocaba: 8 lições que sua empresa pode aprender com as startups
Startup Sorocaba: 8 lições que sua empresa pode aprender com as startupsStartup Sorocaba: 8 lições que sua empresa pode aprender com as startups
Startup Sorocaba: 8 lições que sua empresa pode aprender com as startupsStartup Sorocaba
 
Caderno Temático sobre Validações Iniciais
Caderno Temático sobre Validações IniciaisCaderno Temático sobre Validações Iniciais
Caderno Temático sobre Validações IniciaisThiago Ribeiro
 

Mais procurados (20)

Teste sua ideia - Lean Startup
Teste sua ideia - Lean StartupTeste sua ideia - Lean Startup
Teste sua ideia - Lean Startup
 
Criando funcionalidades que realmente importam - Tá Safo Conf 2015
Criando funcionalidades que realmente importam - Tá Safo Conf 2015Criando funcionalidades que realmente importam - Tá Safo Conf 2015
Criando funcionalidades que realmente importam - Tá Safo Conf 2015
 
UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA LEAN STARTUP PARA CRIAÇÃO DE UMA STARTUP: Anál...
UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA LEAN STARTUP PARA CRIAÇÃO DE UMA STARTUP: Anál...UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA LEAN STARTUP PARA CRIAÇÃO DE UMA STARTUP: Anál...
UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA LEAN STARTUP PARA CRIAÇÃO DE UMA STARTUP: Anál...
 
Transformational Design Thinking - Aula 8
Transformational Design Thinking - Aula 8Transformational Design Thinking - Aula 8
Transformational Design Thinking - Aula 8
 
Lean Startup - Introdução
Lean Startup - IntroduçãoLean Startup - Introdução
Lean Startup - Introdução
 
Transformational Design Thinking - Aula 9
Transformational Design Thinking - Aula 9Transformational Design Thinking - Aula 9
Transformational Design Thinking - Aula 9
 
Lean startup, o tsunami que afundará o movimento ágil
Lean startup, o tsunami que afundará o movimento ágilLean startup, o tsunami que afundará o movimento ágil
Lean startup, o tsunami que afundará o movimento ágil
 
A Startup Enxuta
A Startup EnxutaA Startup Enxuta
A Startup Enxuta
 
Transformational Design Thinking - Aula 7
Transformational Design Thinking - Aula 7Transformational Design Thinking - Aula 7
Transformational Design Thinking - Aula 7
 
Análise de Negócios aplicada ao desenvolvimento de produto
Análise de Negócios aplicada ao desenvolvimento de produtoAnálise de Negócios aplicada ao desenvolvimento de produto
Análise de Negócios aplicada ao desenvolvimento de produto
 
Resumo Eureca! - The Lean Startup
Resumo Eureca! - The Lean StartupResumo Eureca! - The Lean Startup
Resumo Eureca! - The Lean Startup
 
Lean Startup - Agile Tour 2011 Poços de Caldas
Lean Startup - Agile Tour 2011 Poços de CaldasLean Startup - Agile Tour 2011 Poços de Caldas
Lean Startup - Agile Tour 2011 Poços de Caldas
 
Workshop 101: Concebendo produtos de forma ágil (e divertida) - Scrum Gathe...
  Workshop 101: Concebendo produtos de forma ágil (e divertida) - Scrum Gathe...  Workshop 101: Concebendo produtos de forma ágil (e divertida) - Scrum Gathe...
Workshop 101: Concebendo produtos de forma ágil (e divertida) - Scrum Gathe...
 
Meu cliente: Milhões de usuários desconhecidos.
Meu cliente: Milhões de usuários desconhecidos.Meu cliente: Milhões de usuários desconhecidos.
Meu cliente: Milhões de usuários desconhecidos.
 
Construindo Proposta de Valor com Canvas
Construindo Proposta de Valor com CanvasConstruindo Proposta de Valor com Canvas
Construindo Proposta de Valor com Canvas
 
interaction South America 2011 — Workshop
interaction South America 2011  — Workshopinteraction South America 2011  — Workshop
interaction South America 2011 — Workshop
 
Startup Sorocaba: Palestra Sebrae "Conexão com Especialistas" - MVP
Startup Sorocaba: Palestra Sebrae "Conexão com Especialistas" - MVP Startup Sorocaba: Palestra Sebrae "Conexão com Especialistas" - MVP
Startup Sorocaba: Palestra Sebrae "Conexão com Especialistas" - MVP
 
Validação na prática
Validação na práticaValidação na prática
Validação na prática
 
Startup Sorocaba: 8 lições que sua empresa pode aprender com as startups
Startup Sorocaba: 8 lições que sua empresa pode aprender com as startupsStartup Sorocaba: 8 lições que sua empresa pode aprender com as startups
Startup Sorocaba: 8 lições que sua empresa pode aprender com as startups
 
Caderno Temático sobre Validações Iniciais
Caderno Temático sobre Validações IniciaisCaderno Temático sobre Validações Iniciais
Caderno Temático sobre Validações Iniciais
 

Semelhante a Aula lumus

Levantamento Ágil de Requisitos
Levantamento Ágil de RequisitosLevantamento Ágil de Requisitos
Levantamento Ágil de RequisitosPaulo Furtado
 
[Product Starter] Marcell Almeida - Mindset de entrega vs Mindset de Resultado
[Product Starter] Marcell Almeida - Mindset de entrega vs Mindset de Resultado[Product Starter] Marcell Almeida - Mindset de entrega vs Mindset de Resultado
[Product Starter] Marcell Almeida - Mindset de entrega vs Mindset de ResultadoProduct Camp Brasil
 
Planejamento e Gestão Em Mídias Digitais - Aula 02
Planejamento e Gestão Em Mídias Digitais - Aula 02Planejamento e Gestão Em Mídias Digitais - Aula 02
Planejamento e Gestão Em Mídias Digitais - Aula 02Caio Oliveira
 
2021.1 - Aula 2 - Ferramentas de Criatividade (1).pptx
2021.1 - Aula 2 - Ferramentas de Criatividade (1).pptx2021.1 - Aula 2 - Ferramentas de Criatividade (1).pptx
2021.1 - Aula 2 - Ferramentas de Criatividade (1).pptxLuis Hilário Tobler Garcia
 
Design Sprint e Lean Inception se complementam. Como?
Design Sprint e Lean Inception se complementam. Como?Design Sprint e Lean Inception se complementam. Como?
Design Sprint e Lean Inception se complementam. Como?Mayra de Souza
 
ESTRATÉGIA E NEGÓCIOS PARA PRODUTOS DIGITAIS — PRODUTOS PARA HUMANOS.pdf
ESTRATÉGIA E NEGÓCIOS PARA PRODUTOS DIGITAIS — PRODUTOS PARA HUMANOS.pdfESTRATÉGIA E NEGÓCIOS PARA PRODUTOS DIGITAIS — PRODUTOS PARA HUMANOS.pdf
ESTRATÉGIA E NEGÓCIOS PARA PRODUTOS DIGITAIS — PRODUTOS PARA HUMANOS.pdfPaulo Floriano
 
Definindo métricas para seu produto
Definindo métricas para seu produtoDefinindo métricas para seu produto
Definindo métricas para seu produtoAugusto Rückert
 
A Experiência do Cliente: Benefícios. Melhores Práticas. Verdades.
A Experiência do Cliente: Benefícios. Melhores Práticas. Verdades.A Experiência do Cliente: Benefícios. Melhores Práticas. Verdades.
A Experiência do Cliente: Benefícios. Melhores Práticas. Verdades.Mike Wittenstein
 
Palestra Model Canvas
Palestra Model Canvas Palestra Model Canvas
Palestra Model Canvas Weber Rangel
 
Palestra MVP living lab ms
Palestra MVP   living lab msPalestra MVP   living lab ms
Palestra MVP living lab msBonoBee
 
Desenvolvimento de Negócios Inovadores
Desenvolvimento de Negócios InovadoresDesenvolvimento de Negócios Inovadores
Desenvolvimento de Negócios InovadoresSoraia Gomes
 
Lean Inception Remota.pdf
Lean Inception Remota.pdfLean Inception Remota.pdf
Lean Inception Remota.pdfalga20
 
Workshop Inception Enxuta em Joinville na ContaAzul
Workshop Inception Enxuta em Joinville na ContaAzulWorkshop Inception Enxuta em Joinville na ContaAzul
Workshop Inception Enxuta em Joinville na ContaAzulMayra de Souza
 
Gestão Ágil de Produtos na Transformação Digital
Gestão Ágil de Produtos na Transformação DigitalGestão Ágil de Produtos na Transformação Digital
Gestão Ágil de Produtos na Transformação DigitalGustavo Candido
 
Empreendedorismo UFMG - Design Sprint
Empreendedorismo UFMG - Design SprintEmpreendedorismo UFMG - Design Sprint
Empreendedorismo UFMG - Design SprintAna Paula Batista
 

Semelhante a Aula lumus (20)

Levantamento Ágil de Requisitos
Levantamento Ágil de RequisitosLevantamento Ágil de Requisitos
Levantamento Ágil de Requisitos
 
[Product Starter] Marcell Almeida - Mindset de entrega vs Mindset de Resultado
[Product Starter] Marcell Almeida - Mindset de entrega vs Mindset de Resultado[Product Starter] Marcell Almeida - Mindset de entrega vs Mindset de Resultado
[Product Starter] Marcell Almeida - Mindset de entrega vs Mindset de Resultado
 
UX Culture
UX Culture UX Culture
UX Culture
 
Planejamento e Gestão Em Mídias Digitais - Aula 02
Planejamento e Gestão Em Mídias Digitais - Aula 02Planejamento e Gestão Em Mídias Digitais - Aula 02
Planejamento e Gestão Em Mídias Digitais - Aula 02
 
Aula 03 empreendedorismo
Aula 03 empreendedorismoAula 03 empreendedorismo
Aula 03 empreendedorismo
 
2021.1 - Aula 2 - Ferramentas de Criatividade (1).pptx
2021.1 - Aula 2 - Ferramentas de Criatividade (1).pptx2021.1 - Aula 2 - Ferramentas de Criatividade (1).pptx
2021.1 - Aula 2 - Ferramentas de Criatividade (1).pptx
 
Curso tenho uma ideia de startup, como começar?
Curso   tenho uma ideia de startup, como começar?Curso   tenho uma ideia de startup, como começar?
Curso tenho uma ideia de startup, como começar?
 
Design Sprint e Lean Inception se complementam. Como?
Design Sprint e Lean Inception se complementam. Como?Design Sprint e Lean Inception se complementam. Como?
Design Sprint e Lean Inception se complementam. Como?
 
ESTRATÉGIA E NEGÓCIOS PARA PRODUTOS DIGITAIS — PRODUTOS PARA HUMANOS.pdf
ESTRATÉGIA E NEGÓCIOS PARA PRODUTOS DIGITAIS — PRODUTOS PARA HUMANOS.pdfESTRATÉGIA E NEGÓCIOS PARA PRODUTOS DIGITAIS — PRODUTOS PARA HUMANOS.pdf
ESTRATÉGIA E NEGÓCIOS PARA PRODUTOS DIGITAIS — PRODUTOS PARA HUMANOS.pdf
 
Lean inception
Lean inceptionLean inception
Lean inception
 
Definindo métricas para seu produto
Definindo métricas para seu produtoDefinindo métricas para seu produto
Definindo métricas para seu produto
 
A Experiência do Cliente: Benefícios. Melhores Práticas. Verdades.
A Experiência do Cliente: Benefícios. Melhores Práticas. Verdades.A Experiência do Cliente: Benefícios. Melhores Práticas. Verdades.
A Experiência do Cliente: Benefícios. Melhores Práticas. Verdades.
 
Palestra Model Canvas
Palestra Model Canvas Palestra Model Canvas
Palestra Model Canvas
 
Palestra MVP living lab ms
Palestra MVP   living lab msPalestra MVP   living lab ms
Palestra MVP living lab ms
 
Desenvolvimento de Negócios Inovadores
Desenvolvimento de Negócios InovadoresDesenvolvimento de Negócios Inovadores
Desenvolvimento de Negócios Inovadores
 
Lean Inception Remota.pdf
Lean Inception Remota.pdfLean Inception Remota.pdf
Lean Inception Remota.pdf
 
Workshop Inception Enxuta em Joinville na ContaAzul
Workshop Inception Enxuta em Joinville na ContaAzulWorkshop Inception Enxuta em Joinville na ContaAzul
Workshop Inception Enxuta em Joinville na ContaAzul
 
Gestão Ágil de Produtos na Transformação Digital
Gestão Ágil de Produtos na Transformação DigitalGestão Ágil de Produtos na Transformação Digital
Gestão Ágil de Produtos na Transformação Digital
 
Empreendedorismo UFMG - Design Sprint
Empreendedorismo UFMG - Design SprintEmpreendedorismo UFMG - Design Sprint
Empreendedorismo UFMG - Design Sprint
 
Institucional FLOWDE
Institucional FLOWDEInstitucional FLOWDE
Institucional FLOWDE
 

Mais de Eluza Pinheiro

Cultura de produto: transformar contexto para transformar tudo
Cultura de produto: transformar contexto para transformar tudoCultura de produto: transformar contexto para transformar tudo
Cultura de produto: transformar contexto para transformar tudoEluza Pinheiro
 
Kingscross dinamica com atendimento
Kingscross   dinamica com atendimentoKingscross   dinamica com atendimento
Kingscross dinamica com atendimentoEluza Pinheiro
 
Precisamos falar sobre a diferença de projetizar e produtizar
Precisamos falar sobre a diferença de projetizar e produtizarPrecisamos falar sobre a diferença de projetizar e produtizar
Precisamos falar sobre a diferença de projetizar e produtizarEluza Pinheiro
 
A fina (e excruciante) arte de montar um roadmap quando a gente quer entregar...
A fina (e excruciante) arte de montar um roadmap quando a gente quer entregar...A fina (e excruciante) arte de montar um roadmap quando a gente quer entregar...
A fina (e excruciante) arte de montar um roadmap quando a gente quer entregar...Eluza Pinheiro
 
Apresentação Fundatec
Apresentação FundatecApresentação Fundatec
Apresentação FundatecEluza Pinheiro
 
Discovery e priorização
Discovery e priorizaçãoDiscovery e priorização
Discovery e priorizaçãoEluza Pinheiro
 
Apresentação Tecno talks - UX e Empatia
Apresentação Tecno talks - UX e EmpatiaApresentação Tecno talks - UX e Empatia
Apresentação Tecno talks - UX e EmpatiaEluza Pinheiro
 
Apresentacao Ladytalks -
Apresentacao Ladytalks - Apresentacao Ladytalks -
Apresentacao Ladytalks - Eluza Pinheiro
 
Apresentação jornada do consumidor
Apresentação jornada do consumidorApresentação jornada do consumidor
Apresentação jornada do consumidorEluza Pinheiro
 

Mais de Eluza Pinheiro (9)

Cultura de produto: transformar contexto para transformar tudo
Cultura de produto: transformar contexto para transformar tudoCultura de produto: transformar contexto para transformar tudo
Cultura de produto: transformar contexto para transformar tudo
 
Kingscross dinamica com atendimento
Kingscross   dinamica com atendimentoKingscross   dinamica com atendimento
Kingscross dinamica com atendimento
 
Precisamos falar sobre a diferença de projetizar e produtizar
Precisamos falar sobre a diferença de projetizar e produtizarPrecisamos falar sobre a diferença de projetizar e produtizar
Precisamos falar sobre a diferença de projetizar e produtizar
 
A fina (e excruciante) arte de montar um roadmap quando a gente quer entregar...
A fina (e excruciante) arte de montar um roadmap quando a gente quer entregar...A fina (e excruciante) arte de montar um roadmap quando a gente quer entregar...
A fina (e excruciante) arte de montar um roadmap quando a gente quer entregar...
 
Apresentação Fundatec
Apresentação FundatecApresentação Fundatec
Apresentação Fundatec
 
Discovery e priorização
Discovery e priorizaçãoDiscovery e priorização
Discovery e priorização
 
Apresentação Tecno talks - UX e Empatia
Apresentação Tecno talks - UX e EmpatiaApresentação Tecno talks - UX e Empatia
Apresentação Tecno talks - UX e Empatia
 
Apresentacao Ladytalks -
Apresentacao Ladytalks - Apresentacao Ladytalks -
Apresentacao Ladytalks -
 
Apresentação jornada do consumidor
Apresentação jornada do consumidorApresentação jornada do consumidor
Apresentação jornada do consumidor
 

Aula lumus

  • 1. Vamos falar de Gestão de Produtos Digitais?
  • 2. Em primeiro lugar, Muito prazer, eu sou a Eluza. Eu gosto de contar histórias e resolvi fazer isso de uma forma pouco convencional: estudando Desenho Industrial. Pesquisei UX muito tempo e agora trabalho diretamente com desenvolvimento de produtos digitais, atualmente sou Product Owner na Conta Azul.
  • 3. Primeiro, uma atividadezinha: Vocês já conhecem o FCO, né? Vocês também já devem ter elencado por aí, algumas melhorias de qualquer natureza para ele também, correto? Vamos fazer o seguinte exercício: - Peguem 15 melhorias e as coloquem em uma lista com cinco linhas e três melhorias em cada uma das linhas. 1. 2. 3. 4. 5. Ondas
  • 4. Em primeiro lugar, o que é produto? Produto é definido como um “algo produzido pelo trabalho ou esforço” ou como o “resultado de um ato ou processo”, e tem origem no verbo produzir, do latim prōdūce(re) (levar para a frente, conduzir, produzir, criar). Um produto é qualquer coisa que possa ser oferecido a um mercado para satisfazer uma demanda ou necessidade. Fonte: Wikipedia
  • 5. Vamos falar então de gestão de produtos? Gestão de Produtos é a função responsável por todos os aspectos de um produto digital, desde os objetivos estratégicos até os detalhes de experiência do usuário. É a função responsável por fazer a conexão entre a estratégia da empresa e o cliente por meio do produto digital. É basicamente entender sobre estratégia e como tangibilizar essa estratégia de modo que o triunvirato funcione: Pessoas Negócios Produtos Fonte: Gestão de produtos/ The Product Book
  • 6. E o que é uma estratégia? É o conjunto de princípios-guia para que o que é delineado baseado nos objetivos da empresa, seja executado conforme a melhor estratégia de entregas de valores. Fonte: https://hackernoon.com/wtf-is-a-strategy-bcaa3fda9a31
  • 7. E a quem cabe fazer isso? Aos Product Managers, claro. Eles ajudam no direcionamento da visão, da estratégia, do planejamento e processo e finalmente da execução do produto. É importante que a humanidade se torne uma espécie interplanetária. Elon Musk VISÃO ESTRATÉGIA PLANEJAMENTO EXECUÇÃO Sua margem é minha oportunidade. Jeff Bezos Você tem que trabalhar duro para ter seus pensamentos claros no objetivo de fazer tudo simples. Steve Jobs Tudo que nós fazemos é muito foda. Stewart Butterfield
  • 8. Definição clássica: É o link crítico entre negócios, tecnologia e UX.
  • 9. Definição mais contemporânea: É o link crítico entre negócios, time e clientes TEAM UX + TECH CUSTOMER
  • 10. Como a gente tangibiliza uma estratégia? Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=ayaO26BmkPk
  • 11. De volta ao exercício Agora, ajustem as ondas de vocês para que elas sigam o objetivo da empresa para esse quarter relacionado ao FCO, eficiência operacional.
  • 12. Um jeito de pensar produto (como) HIPÓTESE Estratégia Execução CONSTRUIR MEDIR APRENDER
  • 13. Pensando produto Faz parte do trabalho do PM entender quem faz uso dos seus produtos, suas necessidades e seus problemas tendo certeza que o que vocês está construindo é certo, seja isso uma feature ou um novo produto. No fim das contas, a maioria das empresas falham não por causa da sua tecnologia, mas porque não entenderam as reais necessidades do consumidor e como isso interage com o mercado.
  • 15. O que é hipótese? Uma hipótese basicamente é uma predição testável. É o que esperar em que vai acontecer em uma determinada circunstância.
  • 16. Atividade Construir uma hipótese para nossa priorização de features do FCO. Mas lembrem-se: 1- Vocês já tem um objetivo 2- Vocês já sabem, só de olhar, coisas que precisam ser melhoradas 3- Vocês já construíram personas para usar o produto, a hipótese de vocês precisa contemplar elas
  • 17. Como a gente sabe que uma hipótese deu certo? Através de métricas. Essas métricas podem incluir desde como os clientes terminam/se terminam as tarefas, como algo pode afetar o produto, receita que está fazendo, se aumenta o número de pessoas que usam. Métricas são úteis porque elas aparecem junto com as hipóteses e mostram como podemos prosseguir ou pivotar para fazer mudanças e atingir o sucesso que esperamos relacionado ao produto.
  • 18. Como a gente sabe que uma hipótese deu certo? Elas são definidas pelos objetivos e pelas estratégias. A maioria da empresas tem métricas que medem seu sucesso em curto, médio e longo prazo, definidas pelos valores que são core para a empresa e para o mercado. E sim, a gente pode ter métricas para o produto, para a empresa, para os times e para as features.
  • 20. E porque usar OKRs? Simples Escalável Ágil Cultura orientada à resultados Transparência Foco
  • 21. Atividade Agora que vocês tem uma hipótese construída, um objetivo, montem dois resultados chaves que vocês podem medir se estão alcançando o objetivo e ajustem as ondas para que elas evidenciem essa escolha.
  • 22. Analytics Analytics nos ajudam nesse entendimento se estamos capturando as métricas certas para o nosso produto. Temos que entender em parte do ciclo de vida do produto a gente está, quem a gente está medindo naquele momento (nossos cohorts), qual o comportamento influencia esses analytics ao longo do tempo. Esse grupo de métricas (workflow) podem formar um funil onde a gente entende como nossos usuários iniciam e completam nossas análises. Existem diversos frameworks que ajudam a montar nossos workflows de métricas.
  • 23. Pirate Métrics Acquisition: Como o usuário chega no nosso produto. Activation: Como os usuários visitam nossos produtos e tem sua primeira experiência feliz Retention: O usuário gostou do nosso produto o suficiente para voltar a usar. Referral: O usuário gosta o suficiente para contar para outra pessoa o quanto gosta dele (ou no mínimo sobre o uso) Revenue: O usuário acha que o produto vale a pena a ponto de pagar por ele.
  • 24. Transformando métricas em oportunidades Como PMs, precisamos entender os produtos do ponto de vista de quem usa o produto. Gatilho (trigger) - o que acontece quando o usuário chega ao produto? Ação (action) - qual é a coisa mais simples que o usuário precisa fazer no seu produto para ser recompensado? Recompensa (reward) - como essa recompensa provê um senso de complitude (fullfilment) e faça com que ele invista mais tempo no seu produto. Investimento (investment) - quais as próximas pequenas ações que o usuário precisa fazer que vão levar ele a novos gatilhos e retornar ao produto? Fonte: The Hook Canvas - Nir Eyals
  • 25. Validando hipóteses Cada ideia que a gente tem, cada hipótese testada tem o custo da oportunidade. Quando a gente escolhe fazer A no lugar de B, significa que acreditamos que A está atendendo todas as necessidades imediatas de negócio e dos clientes. O jeito correto de validar uma hipótese depende de cada situação em que ele está.
  • 26. E como validamos? Análise SWOT Forças Fraquezas Oportunidades Ameaças
  • 27. E como validamos? Validação interna A oportunidade está em linha com a visão que foi montada para o produto? Ele ajuda nas funções core do produto? Funciona bem com nossa capacidade? (Ou pelo menos é factível com nossa expansão ou para encontrar outras oportunidades? Ela contribui com nossa métricas chave? Temos dados suficientes (seja de analytics, surveys, bug reports) para ajudar nessa oportunidade? Ela requer termos uma iniciativa crítica de negócios? Ela contribui para o sucesso dos usuários? Está em nosso roadmap, ou objetivos, mesmo que indiretamente? Ela vai importar em dois anos? (para entender a priorização) Todo mundo ganha? É para um nicho que o custo valha a pena? Se funcionar, a gente dá conta?
  • 28. E como validamos? Contexto No fim das contas, o que interessa é o usuário usar o produto, que ele ganhe com isso. Por isso devemos entender os usuários e para isso precisamos tomar boas decisões de produto. No fim das contas, o que interessa é o usuário usar o produto, que ele ganhe com isso. Por isso devemos entender os usuários e para isso precisamos tomar boas decisões de produto.
  • 30. E como validamos? Surveys - tentar entender através do ponto de vista da satisfação do usuário em diversos pontos da cadeia de uso, dentro da sua própria base. Entrevistas com os usuários - testar novas features, entender o que se passa na cabeça do usuário. É importante que elas não sejam a base das primeiras hipóteses porque tudo pode ser muito vago e a gente acabe tendenciando para uma necessidade específica, não para o market fit. Construção de personas/patronos - conhecer o público-alvo, suas necessidades, impedimentos e principalmente suas motivações.
  • 31. E como validamos? Validações externas A ideia é evitar viéses. Customer Development - construa seu produto junto com o seu público-alvo. Tenha no seu time pessoas de CS para te ajudarem a entender o que você não vê. Entrevistas - toda a iteração com os produtos precisa de entrevistas com usuários. Saber dores e o que ele gosta. Mas saber de verdade. As entrevistas deixam o PM pronto para os trade-offs
  • 32. E como validamos? Experimentos É preciso ter espaço, dentro da estratégia de produto, para as experimentações. Elas ajudam a definir estratégias, pivotamentos, decisões simples e completas da cadeia de desenvolvimento de produto. Protótipos - testar ideias com prototipos de baixa/média fidelidade, principalmente para validar ideias. Testes A/B - principalmente para testar qual ideia pode ser mais interessante para um grupo de usuários.
  • 33. E como validamos? MVP Minimal Viable Product (Mínimo produto viável) - É a menor solução que permita testar suas hipóteses e que ainda assim entregue valor aos usuários.
  • 34. Atividade Baseados no que vocês viram, façam uma análise swot das entregas que vocês planejaram até o momento nas ondas.
  • 38. Entendendo produtos Tipos de MVP Smoke tests - mostre que seu produto existe. Um mockup em uma plataforma digital que tenha uma interação mínima. Release 1.0 - início do código, set mínimo de features, lançamentos frequentes, fazer coisas manualmente, automatizar depois. Concierge MVP - sair do convencional e resolver os primeiros problemas. Não é um MVP - entrevistas com usuários, protótipos ou páginas “em breve” porque eles não trazem valor para o cliente.
  • 39. Entendendo produtos MLP - Construir uma versão de produto que traga algo que os usuários amem. Fonte: https://medium.com/the-happy-startup-school/beyond-mvp-10-steps-to-make-your-product-minimum-loveable-51800164ae0c
  • 42. Atividade Ajustem as ondas para a entrega de um MLP.
  • 43. Entendendo produtos Conhecer bugs e features Toda interação de um usuário com nosso produto mostra nossos erros e acertos relacionados as escolhas que fazemos relacionadas à priorização. Essas interações mostram também como podemos escolher as novas funcionalidades que podemos incluir no nosso backlog e que podem se tornar a base de novas hipóteses. Os bugs são um problema porque bloqueiam o usuário de ter sucesso em alguma jornada proposta dentro de um produto. Apesar de todo o trabalho que temos para priorizar, entender e todas as entregas de negócios que temos para fazer, o bug é prioritário em termos de desenvolvimento.
  • 44. Atividade Temos 3 bugs, um de alta, um de média e um de baixa complexidade. Sem aumentar o número de ondas (as cinco possíveis entregas que trabalhamos até agora), coloque os 3 bugs na sua priorização. Lembrem-se: - Bugs são prioritários, não podem estar na última onda - Vocês só podem ter uma onda com 4 entregáveis - O bug de alta complexidade só comporta uma entrega junto com ele
  • 49. Entendendo produtos Kano model Basic features. O que o consumidor espera do produto. Performance features (satisfers). São as features que os usuários olham antes de comprar. Um diferencial competitivo na satisfação do básico. Excitement features (delighters).Features Wow.
  • 50. Atividade Coloque suas funcionalidades dentro de um Kano Model e veja o quanto você está entregando para os seus usuários.
  • 51. Do papel pro mercado Trabalhar com novas ideias O papel de PM inclui antecipar quaisquer riscos relacionados ao produto. Uma das principais razões para os produtos sofrerem na sua escalada não é, no geral, técnica. Geralmente esses problemas vão estar relacionados aos clientes não precisarem do produto, a estratégia não ajudar a atingir o product market fit.
  • 52. Do papel pro mercado Trabalhar com novas ideias
  • 53. Do papel pro mercado Trabalhar hoje para o futuro Fazer um release do produto - Montar como seria um product press release da sua entrega. Você precisa pontuar o que vai entregar, para quem e como vai funcionar de uma maneira que venda o seu produto. Ou um review para uma loja de apps. Fazer a escolha correta do MVP - entender a partir do que você vai entregar como vai ser o comportamento dela dentro do mercado. Entender, principalmente, os riscos.
  • 54. Do papel pro mercado Problem space x solution space Fonte: The Lean Product Playbook
  • 55. Do papel pro mercado Cenários de usuários - escrever possíveis cenários de uso do produto para validação. Requisitos/ Features In-Out - Faz parte da lista do seu MVP, fica mais fácil de visualizar cada um dos requisitos em termos de cenários, personas, adoção, uso e retenção. Design - até um sketch de uma possível solução que possa validar ou até invalidar suas premissas. Perguntas e Q&A - estar preparado para o que o mercado (usuários e outros competidores podem perguntar/entender/não entender do seu produto.
  • 56. Atividade Faça um press release da sua primeira onda. Lembre-se: - Oprah speech - Se tiver conserto de bugs, você pode e deve evidenciar - É um press release para o Twitter então, no máximo 240 caracteres.
  • 57. Trabalho em conjunto com o design UX Em termos muito simples, em termos de Gestão de Produtos, UX é como nós interagimos e engajamos consumidores com o produto. Porque fazer produtos é fundamentalmente sobre fazer novas experiências ou fazer uma experiência que já existe melhor.
  • 58. Trabalho em conjunto com o design PM/PO x Designers Um PM tem muitas responsabilidades e quase nenhum poder. Ele vai ajudar a estabelecer quais as políticas de desenvolvimento de produto, ajudar a escolher as metas, entender e trazer para o sistema, todo o contexto de negócios. Já o UX tem a responsabilidade de ajudar o PM com as recomendações para que ele possa tomar as decisões e planejar as melhores metas e entregas.
  • 59. E como ele ajuda? O processo de design em um contexto de produto 1. User research 2. Information architecture 3. Interaction design 4. Prototyping 5. Visual design 6. Content strategy
  • 60. Validando feedbacks de design As pessoas na empresa, o time e os clientes (na sua escala, claro) esperam que o PM dê bons feedbacks das ajudas que ele recebe. Como a gente ajuda o nosso PM nisso? A gente estrutura como ele pode dar os feedbacks. Uma sugestão: os princípios do bom design do Dieter Rams
  • 61. Validando feedbacks de design Good design is innovative. Inovação tecnológica é criar oportunidades de fazer novos e inovativos projetos. Good design is aesthetic. Não é sobre beleza, apesar de ser bonito. Good design makes a product understandable. Um bom design pode ajudar no entendimento/uso/engajamento do usuário ao produto. Good design is unobtrusive. Produtos ajudam um usuário a se sentir ótimo porque ele atinge um objetivo. Design é neutro e mantém o foco. Good design is honest. Um bom design não ilude o usuário. Good design is long-lasting. O bom design é atemporal. Good design is thorough down to the last detail. Só quando todos os detalhes são pensados, é possível uma real boa interação. Good design is as little design as possible. Depois que está tudo pronto, o que se pode eliminar sem que a essência se perca?
  • 62. Como trabalha um PM Dual Track
  • 63. Como trabalha um PM Discovery - Google Design Sprints
  • 64. Como trabalha um PM Delivery: Inceptions
  • 65. Trabalhando com a engenharia Se a gente entende que design é mais que pixel, a gente entende também que engenharia é mais que código. A construção de um produto é algo coletivo e a engenharia faz muito parte dessa coletividade. Um PM precisa ser técnico? Um PM que não faz código é respeitado? Uma PM consegue manter o time coeso e buscando o melhor para o produto?
  • 66. Trabalhando com a engenharia Metodologias de Desenvolvimento:: Waterfall
  • 67. Trabalhando com a engenharia Metodologias de desenvolvimento - Scrum
  • 68. Trabalhando com a engenharia Metodologias de desenvolvimento - Kanban
  • 69. Trabalhando com a engenharia Waterfall x Agil
  • 70. Trabalhando com a engenharia Metodologias de desenvolvimento - Lean
  • 71. Atividade Revisem as dependências das features de vocês e rearrangem as ondas, pensando em uma entrega baseada em desenvolvimento ágil.
  • 72. Produto e mercado Planejamento de lançamento Planejamento de pré-lançamento: metas para o lançamento, entendimento da maturidade do produto para isso. Objetivos de lançamento - propósitos de lançamento: upgrade de produto, nova feature, etc. Timing de lançamento: Produto está pronto? Testado e entendido? O mercado está no timing correto? (evitar o MAYA) Teste - planejar junto aos reais usuários o lançamento para que se possa ter e entender as métricas.
  • 73. Produto e mercado Usando framework de marketing
  • 74. Produto e mercado O ciclo de vida do usuário
  • 75. Entregando o produto para o mercado Roadmap Um roadmap é um statement de intenção. É a direção de construção de uma estratégia
  • 76. Entregando o produto para o mercado Os objetivos que se quer alcançar: Ex.: Redução de bugs + Eficiência Operacional As métricas que vão provar que seu objetivos for alcançado: Ex.: Redução de 35% de bugs Tema: Entender, a partir dos chamados recebidos e das justificativas de notas do NPS como melhorar e nos anteciparmos sobre futuros erros da plataforma.
  • 77. Entregando o produto para o mercado Backlog
  • 78. Entregando o produto para o mercado Backlog