SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Baixar para ler offline
SEMINÁRIO DE ACIDENTES DE TRÂNSITO
  NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO
  Informações sobre Acidentes e Vítimas de Trânsito
    Fatores de Risco e Vulnerabilidades no Trânsito



 Influência da violência do trânsito nos
  deslocamentos de alunos de escolas
  públicas da cidade do Rio de Janeiro


              Eloir de Oliveira Faria
        Secretaria Muncipal de Transportes
                                                      1
Quatro primeiras causas de óbitos na cidade do Rio de
  Janeiro - crianças e adolescentes de 2006 a 2010




                             2a




                    3a




           4a
                                                      2
                                           Fonte: DATASUS
O carro se transformou no
     PREDADOR
      de Crianças e
      Adolescentes




                            3
Óbitos de crianças e adolescentes por acidente de trânsito
       na cidade do Rio de Janeiro de 2006 a 2010
                                    (Fonte: DATASUS)

  100%


   75%


   50%


   25%


    0%
             1 a 4 anos             5 a 9 anos       10 a 14 anos      15 a 19 anos
   Pedestre ou ciclista (V01-V19)    Em Motocicleta (V20-V39)   Ocupante Veículo (V40-V79)
                                                                                      4
Pesquisa com Crianças e Adolescentes
  sobre o deslocamento casa-escola




          Jornal Nacional              5
         Pesquisa Eloir.AVI
6
7
8
9
As crianças devem andar sozinhas para a escola?


 É no deslocamento à pé que crianças e adolescentes
            encontram os maiores riscos
                           X
  A independência é pré-condição de vários aspectos do
             crescimento e da maturidade


 Proteção de adultos em excesso retarda a autonomia
Crianças que conseguem identificar lugares inseguros:
          Sem hábito de andar sozinhas – 20%
         Com hábito de andar sozinhas – 90%

    (Londres, Grécia e outras cidades da Europa; OCDE)
                                                         10
Reino Unido
         Excesso de viagens por automóvel
  Plano estratégico (em 10 anos) para aumentar as
             viagens a pé para a Escola
            Aumento da segurança viária
          Pais, escolas e governos locais

                     França
       Potencial de aumento de viagens à pé:
            10% a 15% todas as idades
              Até 40% para o primário
Pais querem mais segurança para fazer o trajeto a pé
                                                 11
A partir de qual idade a criança pode andar sozinha?


      A partir de 9 anos: maturidade psicomotora

     10 a 12 anos: Período de operações concretas
           Coordena diferentes pontos de vista
        Tira conclusões sobre as consequências
 Não raciocina sobre enunciados verbais e muito menos
                     sobre hipóteses
     Necessidade de autonomia e de assumir riscos
  Evolução não é linear: períodos de aquisições rápidas
seguidos de períodos de estagnação e até mesmo de uma
                     certa regressão

  Cada criança tem um ritmo pessoal de maturação
                                                    12
A PESQUISA




 OBJETIVO: estudar qualitativa e quantitativamente os
 deslocamentos de estudantes na jornada escolar para
    subsidiar Programas Educativos para o Trânsito

  Como as crianças se deslocam na jornada escolar?
             Sozinho ou acompanhado?
Quais os motivos que levam os pais a acompanhar seus
         filhos ou a deixá-los andar sozinhos?
 As condições do trânsito influenciam nesta escolha?
                                                        13
DADOS LEVANTADOS

                     Aluno:
     idade, sexo, classe escolar e endereço
                     Família:
profissão dos pais, renda familiar e propriedade de
                 carro de passeio
                     Viagem:
               distância percorrida
             tempo de deslocamento
               modo de transporte
            motivos da escolha modal
              acompanhada ou não
                                                      14
DADOS LEVANTADOS (Cont.)

    Motivos do modo de transporte escolhido:
- distância escola-casa
- infra-estrutura para bicicletas
- oferta e qualidade do serviço de transporte coletivo
- medos (assalto ou atropelamentos)


        Motivo das viagens acompanhadas:
- incapacidade da criança
- medos (assalto ou atropelamentos)
                                                         15
ONDE FOI REALIZADA A PESQUISA?



                                    Rio     AP 3.1    AP 3.2 AP 2.2



 Rendimento médio em
 Salários Mínimos do chefe de         5,8       5,5      6,2      6,5
 família
 Anos de estudo do chefe de
                                      9,4      10,0     10,0     12,0
 família



Fonte: IPLAN (Pesquisa em domicílios particulares permanentes)

                                                                  16
ENTREVISTAS

                  ENTREVISTADOS:
 Pais e Alunos do 2º ao 4º ano do Ensino Fundamental


                     ESCOLAS:
  4 Escolas públicas de uma região representativa da
              cidade do Rio de Janeiro
  Situadas em vias com condições distintas de tráfego
     Ampla disponibilidade de modos de transporte
             Dois turnos (manhã e tarde)
Bairros: Riachuelo, Engenho Novo, Engenho de Dentro e
                      Água Santa                   17
OS ALUNOS



             500 alunos do 2º ao 4º ano

Amostragem: População infinita; Nível de confiança=95%;
    erro de estimação=5%; Distribuição Aleatória
                     estratificada

      Idade entre 6 e 14 anos (média 9,6 anos)

        Meninos (47,9%) e Meninas (52,1%)



                                                      18
A FAMÍLIA


                  174 pais


      Baixa qualificação profissional:
   mais de 3/4 são trabalhadores manuais,
           especializados ou não
            Baixa Escolaridade:
        mais de 2/3 não tem o 2º grau
               Renda Média:
mais de 3/4 ganha menos de 5 salários mínimos

                                                19
MODO DE TRANSPORTE



        5,9%   0,3%


16,2%

                              A pé
                              Ônibus
                              Carro de Passeio
                              Outros modos




                      77,6%

                                            20
POSSE DE CARRO DE PASSEIO



            1,8%


25,8%

                              Nenhum carro
                              1 Carro
                              2 carros ou +




                     72,4%


                                              21
MODO DE TRANSPORTE X DISTÂNCIA E TEMPO DE
                VIAGEM

                      1500                            25

                      1250                            20




                                                           de viagem (min)
    Distância média
    casa-escola (m)




                                                            Tempo médio
                      1000
                                                      15
                      750
                                                      10
                      500

                      250                             5

               0                                      0
modo de transporte           a pé    carro   ônibus
  Distância média
                             482,4   801,3   1366,8
  casa-escola (m)
  Tempo médio de
                             11,0    17,6     19,1
   viagem (min)
                                                              22
ESCOLHA DO MODO DE TRANSPORTE



Todas as famílias que possuem dois carros levam
     seus filhos para a escola por este modo


A viagem casa-escola por carro está associada à
      viagem casa-trabalho de 2/3 dos pais


  Mais de 2/3 dos alunos possui bicicleta, mas
    apenas 1 aluno a utiliza para ir à escola


                                                  23
24
AUTONOMIA PARA IR À ESCOLA (VIAGEM IDA E VOLTA)


                  100

                   80
% Independentes




                   60

                   40

                   20

                    0
                        6     7     8    9    10 11 12 13         14    15    16
                                                Idade (anos)
                  Viagem de Ida para a Escola (%)   Viagem de Volta para casa (%) 25
ALTO RISCO PARA OS ALUNOS MENORES




 14% do total de alunos de 7 e 8 anos deslocam-se
        sem acompanhamento de adultos
Exposição ao risco é reflexo das condições sócio-
             econômicas da família
 Quanto menor a escolaridade e a renda da família,
     mais os alunos são expostos ao trânsito
 10% dos pais não retornam para buscar seus filhos
                     menores

                                                     26
INSEGURANÇA NO TRÂNSITO

       Por que meu pai me acompanha na viagem para a
                           escola?
50%      45,1%
40%

30%                    26,9%
                                    22,0%
20%                                              18,0%

10%

0%
      Insegurança no Insegurança   Meus pais Outros motivos
          trânsito      pública  acham que não
                                 sou capaz de ir
                                    sozinho
                                                          27
INSEGURANÇA NO TRÂNSITO




O medo de ser atropelado, mais do que de ser
  assaltado:

1. Interfere bastante nos hábitos de pais e alunos
2. Impede o uso de bicicletas
3. Estimula o uso do carro de passeio
4. Atrasa o crescimento e a maturidade de 49% dos
   alunos maiores de 9 anos
5. Principal razão da dependência do aluno
                                                 28
PROPOSIÇÃO: PROGRAMA DE EDUCAÇÃO


 Pais: avaliar corretamente a habilidade de seus
  filhos, usar outros modos de transporte

 Alunos: segurança, cidadania e solidariedade
  Capacitá-los a reivindicar a segurança no trânsito

 Gestores: promover ambientes seguros e
  incentivar o uso de transporte não motorizado



                                                  29

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 5 influência da violência do trânsito nos deslocamentos de alunos de escolas públicas da cidade do rio de janeiro - smtr

Semelhante a 5 influência da violência do trânsito nos deslocamentos de alunos de escolas públicas da cidade do rio de janeiro - smtr (6)

Third week-UN
Third week-UNThird week-UN
Third week-UN
 
Redação da olimpíada de língua portuguesa
Redação da olimpíada de língua portuguesa Redação da olimpíada de língua portuguesa
Redação da olimpíada de língua portuguesa
 
Segurança viária
Segurança viáriaSegurança viária
Segurança viária
 
Semana Nacional do Trânsito
Semana Nacional do TrânsitoSemana Nacional do Trânsito
Semana Nacional do Trânsito
 
por-que-jovens-de-15-a-17-anos-estao-na-eja (1).pdf
por-que-jovens-de-15-a-17-anos-estao-na-eja (1).pdfpor-que-jovens-de-15-a-17-anos-estao-na-eja (1).pdf
por-que-jovens-de-15-a-17-anos-estao-na-eja (1).pdf
 
Cartilha final ene
Cartilha final eneCartilha final ene
Cartilha final ene
 

Mais de Elos da Saúde

Escola municipal josué de castro paternidade na escola
Escola municipal josué de castro   paternidade na escolaEscola municipal josué de castro   paternidade na escola
Escola municipal josué de castro paternidade na escolaElos da Saúde
 
Instituto Promundo: Você É Meu Pai
Instituto Promundo: Você É Meu Pai Instituto Promundo: Você É Meu Pai
Instituto Promundo: Você É Meu Pai Elos da Saúde
 
Sancler Correa: Boas Práticas de Valorização da Paternidade
Sancler Correa: Boas Práticas de Valorização da PaternidadeSancler Correa: Boas Práticas de Valorização da Paternidade
Sancler Correa: Boas Práticas de Valorização da PaternidadeElos da Saúde
 
Cláudia Regina Ribeiro: Masculinidades, Paternidades e Formação
Cláudia Regina Ribeiro: Masculinidades, Paternidades e FormaçãoCláudia Regina Ribeiro: Masculinidades, Paternidades e Formação
Cláudia Regina Ribeiro: Masculinidades, Paternidades e FormaçãoElos da Saúde
 
Eduardo Chakora: Paternidades, Singularidades e Políticas Públicas
Eduardo Chakora:  Paternidades, Singularidades e Políticas PúblicasEduardo Chakora:  Paternidades, Singularidades e Políticas Públicas
Eduardo Chakora: Paternidades, Singularidades e Políticas PúblicasElos da Saúde
 
Maria Luiza de Carvalho: Paternidade e Corpo
Maria Luiza de Carvalho: Paternidade e CorpoMaria Luiza de Carvalho: Paternidade e Corpo
Maria Luiza de Carvalho: Paternidade e CorpoElos da Saúde
 
Rachel Sarmento Reis: Paternidade na Atenção Primária
Rachel Sarmento Reis:  Paternidade na Atenção PrimáriaRachel Sarmento Reis:  Paternidade na Atenção Primária
Rachel Sarmento Reis: Paternidade na Atenção PrimáriaElos da Saúde
 
Viviane Manso Castello Branco: Valorização da Paternidade
Viviane Manso Castello Branco: Valorização da PaternidadeViviane Manso Castello Branco: Valorização da Paternidade
Viviane Manso Castello Branco: Valorização da PaternidadeElos da Saúde
 
33 surpresas saudáveis
33 surpresas saudáveis33 surpresas saudáveis
33 surpresas saudáveisElos da Saúde
 
Saúde e Prevenção nas Escolas: Prevenção de DST/Aids
Saúde e Prevenção nas Escolas: Prevenção de DST/AidsSaúde e Prevenção nas Escolas: Prevenção de DST/Aids
Saúde e Prevenção nas Escolas: Prevenção de DST/AidsElos da Saúde
 
Saúde e Prevenção nas Escolas: Adolescências, Juventudes e Participação
Saúde e Prevenção nas Escolas: Adolescências, Juventudes e ParticipaçãoSaúde e Prevenção nas Escolas: Adolescências, Juventudes e Participação
Saúde e Prevenção nas Escolas: Adolescências, Juventudes e ParticipaçãoElos da Saúde
 
Saúde e Prevenção nas Escolas: Sexualidades e Saúde Reprodutiva
Saúde e Prevenção nas Escolas: Sexualidades e Saúde ReprodutivaSaúde e Prevenção nas Escolas: Sexualidades e Saúde Reprodutiva
Saúde e Prevenção nas Escolas: Sexualidades e Saúde ReprodutivaElos da Saúde
 
Saúde e Prevenção nas Escolas: Metodologia de Educação entre Pares
Saúde e Prevenção nas Escolas: Metodologia de Educação entre ParesSaúde e Prevenção nas Escolas: Metodologia de Educação entre Pares
Saúde e Prevenção nas Escolas: Metodologia de Educação entre ParesElos da Saúde
 
Saúde e Prevenção nas Escolas: Gêneros
Saúde e Prevenção nas Escolas: GênerosSaúde e Prevenção nas Escolas: Gêneros
Saúde e Prevenção nas Escolas: GênerosElos da Saúde
 
Saúde e Prevenção nas Escolas: Diversidades Sexuais
Saúde e Prevenção nas Escolas: Diversidades SexuaisSaúde e Prevenção nas Escolas: Diversidades Sexuais
Saúde e Prevenção nas Escolas: Diversidades SexuaisElos da Saúde
 
Saúde e Prevenção nas Escolas: Ácool e Outras Drogas
Saúde e Prevenção nas Escolas: Ácool e Outras DrogasSaúde e Prevenção nas Escolas: Ácool e Outras Drogas
Saúde e Prevenção nas Escolas: Ácool e Outras DrogasElos da Saúde
 
Saúde e Prevenção nas Escolas: Raça e Etnia
Saúde e Prevenção nas Escolas: Raça e EtniaSaúde e Prevenção nas Escolas: Raça e Etnia
Saúde e Prevenção nas Escolas: Raça e EtniaElos da Saúde
 
Educação para o Trânsito - Ações da CET-SP
Educação para o Trânsito - Ações da CET-SPEducação para o Trânsito - Ações da CET-SP
Educação para o Trânsito - Ações da CET-SPElos da Saúde
 
4 dossiê trânsito 2012 - cálculo do índice de severidade dos acidentes de t...
4   dossiê trânsito 2012 - cálculo do índice de severidade dos acidentes de t...4   dossiê trânsito 2012 - cálculo do índice de severidade dos acidentes de t...
4 dossiê trânsito 2012 - cálculo do índice de severidade dos acidentes de t...Elos da Saúde
 

Mais de Elos da Saúde (20)

Diretrizes Nacionais
Diretrizes NacionaisDiretrizes Nacionais
Diretrizes Nacionais
 
Escola municipal josué de castro paternidade na escola
Escola municipal josué de castro   paternidade na escolaEscola municipal josué de castro   paternidade na escola
Escola municipal josué de castro paternidade na escola
 
Instituto Promundo: Você É Meu Pai
Instituto Promundo: Você É Meu Pai Instituto Promundo: Você É Meu Pai
Instituto Promundo: Você É Meu Pai
 
Sancler Correa: Boas Práticas de Valorização da Paternidade
Sancler Correa: Boas Práticas de Valorização da PaternidadeSancler Correa: Boas Práticas de Valorização da Paternidade
Sancler Correa: Boas Práticas de Valorização da Paternidade
 
Cláudia Regina Ribeiro: Masculinidades, Paternidades e Formação
Cláudia Regina Ribeiro: Masculinidades, Paternidades e FormaçãoCláudia Regina Ribeiro: Masculinidades, Paternidades e Formação
Cláudia Regina Ribeiro: Masculinidades, Paternidades e Formação
 
Eduardo Chakora: Paternidades, Singularidades e Políticas Públicas
Eduardo Chakora:  Paternidades, Singularidades e Políticas PúblicasEduardo Chakora:  Paternidades, Singularidades e Políticas Públicas
Eduardo Chakora: Paternidades, Singularidades e Políticas Públicas
 
Maria Luiza de Carvalho: Paternidade e Corpo
Maria Luiza de Carvalho: Paternidade e CorpoMaria Luiza de Carvalho: Paternidade e Corpo
Maria Luiza de Carvalho: Paternidade e Corpo
 
Rachel Sarmento Reis: Paternidade na Atenção Primária
Rachel Sarmento Reis:  Paternidade na Atenção PrimáriaRachel Sarmento Reis:  Paternidade na Atenção Primária
Rachel Sarmento Reis: Paternidade na Atenção Primária
 
Viviane Manso Castello Branco: Valorização da Paternidade
Viviane Manso Castello Branco: Valorização da PaternidadeViviane Manso Castello Branco: Valorização da Paternidade
Viviane Manso Castello Branco: Valorização da Paternidade
 
33 surpresas saudáveis
33 surpresas saudáveis33 surpresas saudáveis
33 surpresas saudáveis
 
Saúde e Prevenção nas Escolas: Prevenção de DST/Aids
Saúde e Prevenção nas Escolas: Prevenção de DST/AidsSaúde e Prevenção nas Escolas: Prevenção de DST/Aids
Saúde e Prevenção nas Escolas: Prevenção de DST/Aids
 
Saúde e Prevenção nas Escolas: Adolescências, Juventudes e Participação
Saúde e Prevenção nas Escolas: Adolescências, Juventudes e ParticipaçãoSaúde e Prevenção nas Escolas: Adolescências, Juventudes e Participação
Saúde e Prevenção nas Escolas: Adolescências, Juventudes e Participação
 
Saúde e Prevenção nas Escolas: Sexualidades e Saúde Reprodutiva
Saúde e Prevenção nas Escolas: Sexualidades e Saúde ReprodutivaSaúde e Prevenção nas Escolas: Sexualidades e Saúde Reprodutiva
Saúde e Prevenção nas Escolas: Sexualidades e Saúde Reprodutiva
 
Saúde e Prevenção nas Escolas: Metodologia de Educação entre Pares
Saúde e Prevenção nas Escolas: Metodologia de Educação entre ParesSaúde e Prevenção nas Escolas: Metodologia de Educação entre Pares
Saúde e Prevenção nas Escolas: Metodologia de Educação entre Pares
 
Saúde e Prevenção nas Escolas: Gêneros
Saúde e Prevenção nas Escolas: GênerosSaúde e Prevenção nas Escolas: Gêneros
Saúde e Prevenção nas Escolas: Gêneros
 
Saúde e Prevenção nas Escolas: Diversidades Sexuais
Saúde e Prevenção nas Escolas: Diversidades SexuaisSaúde e Prevenção nas Escolas: Diversidades Sexuais
Saúde e Prevenção nas Escolas: Diversidades Sexuais
 
Saúde e Prevenção nas Escolas: Ácool e Outras Drogas
Saúde e Prevenção nas Escolas: Ácool e Outras DrogasSaúde e Prevenção nas Escolas: Ácool e Outras Drogas
Saúde e Prevenção nas Escolas: Ácool e Outras Drogas
 
Saúde e Prevenção nas Escolas: Raça e Etnia
Saúde e Prevenção nas Escolas: Raça e EtniaSaúde e Prevenção nas Escolas: Raça e Etnia
Saúde e Prevenção nas Escolas: Raça e Etnia
 
Educação para o Trânsito - Ações da CET-SP
Educação para o Trânsito - Ações da CET-SPEducação para o Trânsito - Ações da CET-SP
Educação para o Trânsito - Ações da CET-SP
 
4 dossiê trânsito 2012 - cálculo do índice de severidade dos acidentes de t...
4   dossiê trânsito 2012 - cálculo do índice de severidade dos acidentes de t...4   dossiê trânsito 2012 - cálculo do índice de severidade dos acidentes de t...
4 dossiê trânsito 2012 - cálculo do índice de severidade dos acidentes de t...
 

5 influência da violência do trânsito nos deslocamentos de alunos de escolas públicas da cidade do rio de janeiro - smtr

  • 1. SEMINÁRIO DE ACIDENTES DE TRÂNSITO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO Informações sobre Acidentes e Vítimas de Trânsito Fatores de Risco e Vulnerabilidades no Trânsito Influência da violência do trânsito nos deslocamentos de alunos de escolas públicas da cidade do Rio de Janeiro Eloir de Oliveira Faria Secretaria Muncipal de Transportes 1
  • 2. Quatro primeiras causas de óbitos na cidade do Rio de Janeiro - crianças e adolescentes de 2006 a 2010 2a 3a 4a 2 Fonte: DATASUS
  • 3. O carro se transformou no PREDADOR de Crianças e Adolescentes 3
  • 4. Óbitos de crianças e adolescentes por acidente de trânsito na cidade do Rio de Janeiro de 2006 a 2010 (Fonte: DATASUS) 100% 75% 50% 25% 0% 1 a 4 anos 5 a 9 anos 10 a 14 anos 15 a 19 anos Pedestre ou ciclista (V01-V19) Em Motocicleta (V20-V39) Ocupante Veículo (V40-V79) 4
  • 5. Pesquisa com Crianças e Adolescentes sobre o deslocamento casa-escola Jornal Nacional 5 Pesquisa Eloir.AVI
  • 6. 6
  • 7. 7
  • 8. 8
  • 9. 9
  • 10. As crianças devem andar sozinhas para a escola? É no deslocamento à pé que crianças e adolescentes encontram os maiores riscos X A independência é pré-condição de vários aspectos do crescimento e da maturidade Proteção de adultos em excesso retarda a autonomia Crianças que conseguem identificar lugares inseguros: Sem hábito de andar sozinhas – 20% Com hábito de andar sozinhas – 90% (Londres, Grécia e outras cidades da Europa; OCDE) 10
  • 11. Reino Unido Excesso de viagens por automóvel Plano estratégico (em 10 anos) para aumentar as viagens a pé para a Escola Aumento da segurança viária Pais, escolas e governos locais França Potencial de aumento de viagens à pé: 10% a 15% todas as idades Até 40% para o primário Pais querem mais segurança para fazer o trajeto a pé 11
  • 12. A partir de qual idade a criança pode andar sozinha? A partir de 9 anos: maturidade psicomotora 10 a 12 anos: Período de operações concretas Coordena diferentes pontos de vista Tira conclusões sobre as consequências Não raciocina sobre enunciados verbais e muito menos sobre hipóteses Necessidade de autonomia e de assumir riscos Evolução não é linear: períodos de aquisições rápidas seguidos de períodos de estagnação e até mesmo de uma certa regressão Cada criança tem um ritmo pessoal de maturação 12
  • 13. A PESQUISA OBJETIVO: estudar qualitativa e quantitativamente os deslocamentos de estudantes na jornada escolar para subsidiar Programas Educativos para o Trânsito Como as crianças se deslocam na jornada escolar? Sozinho ou acompanhado? Quais os motivos que levam os pais a acompanhar seus filhos ou a deixá-los andar sozinhos? As condições do trânsito influenciam nesta escolha? 13
  • 14. DADOS LEVANTADOS Aluno: idade, sexo, classe escolar e endereço Família: profissão dos pais, renda familiar e propriedade de carro de passeio Viagem: distância percorrida tempo de deslocamento modo de transporte motivos da escolha modal acompanhada ou não 14
  • 15. DADOS LEVANTADOS (Cont.) Motivos do modo de transporte escolhido: - distância escola-casa - infra-estrutura para bicicletas - oferta e qualidade do serviço de transporte coletivo - medos (assalto ou atropelamentos) Motivo das viagens acompanhadas: - incapacidade da criança - medos (assalto ou atropelamentos) 15
  • 16. ONDE FOI REALIZADA A PESQUISA? Rio AP 3.1 AP 3.2 AP 2.2 Rendimento médio em Salários Mínimos do chefe de 5,8 5,5 6,2 6,5 família Anos de estudo do chefe de 9,4 10,0 10,0 12,0 família Fonte: IPLAN (Pesquisa em domicílios particulares permanentes) 16
  • 17. ENTREVISTAS ENTREVISTADOS: Pais e Alunos do 2º ao 4º ano do Ensino Fundamental ESCOLAS: 4 Escolas públicas de uma região representativa da cidade do Rio de Janeiro Situadas em vias com condições distintas de tráfego Ampla disponibilidade de modos de transporte Dois turnos (manhã e tarde) Bairros: Riachuelo, Engenho Novo, Engenho de Dentro e Água Santa 17
  • 18. OS ALUNOS 500 alunos do 2º ao 4º ano Amostragem: População infinita; Nível de confiança=95%; erro de estimação=5%; Distribuição Aleatória estratificada Idade entre 6 e 14 anos (média 9,6 anos) Meninos (47,9%) e Meninas (52,1%) 18
  • 19. A FAMÍLIA 174 pais Baixa qualificação profissional: mais de 3/4 são trabalhadores manuais, especializados ou não Baixa Escolaridade: mais de 2/3 não tem o 2º grau Renda Média: mais de 3/4 ganha menos de 5 salários mínimos 19
  • 20. MODO DE TRANSPORTE 5,9% 0,3% 16,2% A pé Ônibus Carro de Passeio Outros modos 77,6% 20
  • 21. POSSE DE CARRO DE PASSEIO 1,8% 25,8% Nenhum carro 1 Carro 2 carros ou + 72,4% 21
  • 22. MODO DE TRANSPORTE X DISTÂNCIA E TEMPO DE VIAGEM 1500 25 1250 20 de viagem (min) Distância média casa-escola (m) Tempo médio 1000 15 750 10 500 250 5 0 0 modo de transporte a pé carro ônibus Distância média 482,4 801,3 1366,8 casa-escola (m) Tempo médio de 11,0 17,6 19,1 viagem (min) 22
  • 23. ESCOLHA DO MODO DE TRANSPORTE Todas as famílias que possuem dois carros levam seus filhos para a escola por este modo A viagem casa-escola por carro está associada à viagem casa-trabalho de 2/3 dos pais Mais de 2/3 dos alunos possui bicicleta, mas apenas 1 aluno a utiliza para ir à escola 23
  • 24. 24
  • 25. AUTONOMIA PARA IR À ESCOLA (VIAGEM IDA E VOLTA) 100 80 % Independentes 60 40 20 0 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 Idade (anos) Viagem de Ida para a Escola (%) Viagem de Volta para casa (%) 25
  • 26. ALTO RISCO PARA OS ALUNOS MENORES 14% do total de alunos de 7 e 8 anos deslocam-se sem acompanhamento de adultos Exposição ao risco é reflexo das condições sócio- econômicas da família Quanto menor a escolaridade e a renda da família, mais os alunos são expostos ao trânsito 10% dos pais não retornam para buscar seus filhos menores 26
  • 27. INSEGURANÇA NO TRÂNSITO Por que meu pai me acompanha na viagem para a escola? 50% 45,1% 40% 30% 26,9% 22,0% 20% 18,0% 10% 0% Insegurança no Insegurança Meus pais Outros motivos trânsito pública acham que não sou capaz de ir sozinho 27
  • 28. INSEGURANÇA NO TRÂNSITO O medo de ser atropelado, mais do que de ser assaltado: 1. Interfere bastante nos hábitos de pais e alunos 2. Impede o uso de bicicletas 3. Estimula o uso do carro de passeio 4. Atrasa o crescimento e a maturidade de 49% dos alunos maiores de 9 anos 5. Principal razão da dependência do aluno 28
  • 29. PROPOSIÇÃO: PROGRAMA DE EDUCAÇÃO  Pais: avaliar corretamente a habilidade de seus filhos, usar outros modos de transporte  Alunos: segurança, cidadania e solidariedade Capacitá-los a reivindicar a segurança no trânsito  Gestores: promover ambientes seguros e incentivar o uso de transporte não motorizado 29