O imaginário na obra de clarice lispector

446 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
446
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O imaginário na obra de clarice lispector

  1. 1. O IMAGINÁRIO NA OBRA DE CLARICE LISPECTOR: a contribuição na formação do cidadão contemporâneo. Professora Especialista: Eloí de Oliveira Batista Coordenadora Pedagógica da UNOPAR PALESTRA APRESENTADA NA CASA DO POETA SANTIAGO/RS 2011
  2. 2. A reconstituição do imaginário na tentativa de concretizar o subjacente na imagem, nas tensões, nas sensações da obra, busca criar e preencher lacunas pelas representações do leitor.
  3. 3. Investigar, ampliar o campo de leitura, divulgar a obra de Clarice Lispector.
  4. 4. Analisar pontos de fuga, entrelaçamentos, transfigurações que perpassam nos textos estabelecendo relações de fio condutor da obra para adultos, com a infantil e entre os contos de modo geral.
  5. 5. EPIFANIA DE CLARICE Sensibilizar, encantar. Clarice estabelece um diálogo meigo e encantador com o leitor na medida em que é autor/narrador em diversos trechos de contos.
  6. 6. O Imaginário faz parte do cotidiano, cresce, evolui e ganha importância no desenvolvimento intelectual de cada sujeito, na nossa cultura mediado pelo mundo da mídia e dos recursos tecnológicos, traçando relações combinatórios, significados, contribuindo para o enriquecimento do processo criativo.
  7. 7. Drumond (2001), denuncia o perigo tríplice para a geração contemporânea quando a imagem sufoca o imaginário, nivela valores do grupo e poderes constitutivos da sociedade são erodidos por uma revolução civilizacional que escapa ao seu controle.
  8. 8. O mesmo autor afirma: é preciso priorizar a imagem literária sobre qualquer outra, uma vez que a literatura tem um caráter enriquecedor do imaginário, socializador do grupo e culturalmente estimulador da criatividade, do pensamento crítico e da linguagem.
  9. 9. Escrita é uma atividade individual. Leitura é uma atividade social, depende da interação do leitor com a obra e suas (do sujeito) estratégias para apreensão do imaginário e por sua vez criar as relações (conhecimento prévios) e com isso, dar os significados.
  10. 10. O Imaginário, na construção do cidadão contemporâneo = sinônimo de conhecimento processual. As informações processadas em conhecimentos conceituais vão fomentar a ampliação de horizontes de mundo, a compreensão, extrapolação, preenchendo as indeterminações da obra, tornando-se, dessa forma, o processo criativo do sujeito que apreende.
  11. 11. TRANFIGURAÇÃO/EPIFANIA COISA/SER
  12. 12. Na obra, o imaginário ganha sentido quando nos envolvemos com construções linguística da autora, de uma estrutura sintática peculiar capaz de envolver e manter o leitor no universo poético e mítico, repleto de altos e baixos, encantamentos, revelações pelas ações das personagens (epifania), questões existenciais, temáticas da sociedade, voltadas para opressão da mulher, subordinação, traduzidas nesses momentos de conforto com essas VERDADES.
  13. 13. A leitura clariciana, pela força do imaginário, desperta e conduz o leitor levando a participar da história da sociedade, das tramas/transfigurações, pois os personagens são levados a divindades, seres com pensamentos, “ apesar de burrinhas”...( CONTO). Nesse sentido, destaca-se a importância da leitura na construção cidadã, o jovem atual muito ligado às tecnologias, às redes sociais, às comunicações virtuais, ao mundo globalizado cada vez mais em evidência.
  14. 14. Montenegro (2001) As explicações, pois, para existência da epifania, da transfiguração, da divinização, da deificação, da contaminação e do remorso é que Clarice Lispector de apaixona por seus personagens [...] Ela nasce, ama, sofre e morre com seus personagens, pois contamina-se perdidamente de cada um quando os cria.
  15. 15. Renda-se, como eu me rendi. Mergulhe no que você não conhece como eu mergulhei. Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento. Clarice Lispector
  16. 16. REFERÊNCIAS LEITURAS DA OBRA DE CLARICE LISPECTOR MIGUEZ, Fátima.Nas Arte-manhas do Imaginário Infantil: o lugar da Literatura nala de aula.RJ.Singular, 2009. SANCHO, Juana Maria...[et al].Tecnologias para transformar a Educação. Tradução: Valério Campos.POA:Artmed. 2006. Sites sobre o tema e sobre a autora Clarice.

×