“O POETINHA” – Jornal do Centro Acadêmico de Letras Vinicius de Moraes - Aracaju – SE *Segunda-Feira* 25 de Abril de 2011O...
“O POETINHA” – Jornal do Centro Acadêmico de Letras Vinicius de Moraes - Aracaju – SE *Sexta-Feira* 20 de Maio de 2011Ediç...
“O POETINHA” – Jornal do Centro Acadêmico de Letras Vinicius de Moraes - Aracaju – SE *Sexta-Feira* 20 de Maio de 2011Ediç...
“O POETINHA” – Jornal do Centro Acadêmico de Letras Vinicius de Moraes - Aracaju – SE *Sexta-Feira* 20 de Maio de 2011Ediç...
“O POETINHA” – Jornal do Centro Acadêmico de Letras Vinicius de Moraes - Aracaju – SE *Sexta-Feira* 20 de Maio de 2011Ediç...
“O POETINHA” – Jornal do Centro Acadêmico de Letras Vinicius de Moraes - Aracaju – SE *Sexta-Feira* 20 de Maio de 2011Ediç...
“O POETINHA” – Jornal do Centro Acadêmico de Letras Vinicius de Moraes - Aracaju – SE *Sexta-Feira* 20 de Maio de 2011Ediç...
“O POETINHA” – Jornal do Centro Acadêmico de Letras Vinicius de Moraes - Aracaju – SE *Sexta-Feira* 20 de Maio de 2011Ediç...
“O POETINHA” – Jornal do Centro Acadêmico de Letras Vinicius de Moraes - Aracaju – SE *Sexta-Feira* 20 de Maio de 2011Ediç...
“O POETINHA” – Jornal do Centro Acadêmico de Letras Vinicius de Moraes - Aracaju – SE *Sexta-Feira* 20 de Maio de 2011Ediç...
“O POETINHA” – Jornal do Centro Acadêmico de Letras Vinicius de Moraes - Aracaju – SE *Sexta-Feira* 20 de Maio de 2011Ediç...
“O POETINHA” – Jornal do Centro Acadêmico de Letras Vinicius de Moraes - Aracaju – SE *Sexta-Feira* 20 de Maio de 2011Ediç...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O poetinha colorido n 1

689 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
689
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
41
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O poetinha colorido n 1

  1. 1. “O POETINHA” – Jornal do Centro Acadêmico de Letras Vinicius de Moraes - Aracaju – SE *Segunda-Feira* 25 de Abril de 2011O presidentedo CALVM,Ari Leal falasobre as metasdo órgãoestudantil.Pág. 4.ARACAJU – SE , SEXTA – FEIRA , 20 DE MAIO DE 2011 Edição nº1Acadêmicos do curso de letras soltam avoz e falam de suas expectativas emrelação ao curso, contribuindo com suasopiniões, críticas e sugestões. Pág. 12(79)8829-7331 opoetinha@live.com CALVMDA REDAÇÃOPrimeiras palavrasCom Ellen Oliveirapág. 2HERMES FONTES: UM GRANDEGÊNIO DA LITERATURASERGIPANAUma entrevista com o prof. JoséCultura SergipanaColuna do Prof. Marcos Vinícius.Pág.7Histórias &ContosCom Allan Tenório e LayannePág. 7ENTRETENIMENTO(pág. 8)Ping – Pong ( Com a diretoraCristiane)Música: Super – HeroiCaça – PalavrasCinema ou Teatro?Com Ellen Oliveira na pág.9Centro Acadêmico deLetras Vinicius deMoraes: Saiba comotudo começou napág..4.Confira o sucesso inaugural da I Exposição e LeituraCinematográfica na pág. 7RESENHAS E CRÍTICASRESENHAS E CRÍTICASRESENHAS E CRÍTICASRESENHAS E CRÍTICASEm Nome de Deus: o poder da Igreja Católica naIdade Média, com Valtemir na pág. 5O Que é ENADE ?Fique por dentro doassunto. Pág. 5DÚVIDAS DA LÍNGUA PORTUGUESAFique por dentro e fale sem errar ao utilizar alguns termosda língua Portuguesa, com Layanne Thays na pág. 5Palavras doPresidente !V Semana de LetrasConfira na íntegra umaentrevista com a profa. VilmaQuintela na pág. 3.Nosso Curso: Nossa HistóriaNosso Curso: Nossa HistóriaNosso Curso: Nossa HistóriaNosso Curso: Nossa História Pág. 03Pág. 03Pág. 03Pág. 03
  2. 2. “O POETINHA” – Jornal do Centro Acadêmico de Letras Vinicius de Moraes - Aracaju – SE *Sexta-Feira* 20 de Maio de 2011Edição nº1 Página 2REALIZAÇÃO:Primeiras PalavrasPor: Ellen dos Santos Oliveira / ellenletrinhas@hotmail.comHá aproximadamente seis meses nós, do Centro Acadêmico de Letras Vinícius de Moraes da FSLF, iniciamos aelaboração do projeto de nosso jornal. A cada idéia surgida, víamos brilhar uma luz através do olhar de cada idealizador doprojeto. Luz que expressava nitidamente a felicidade só em imaginar que brevemente todos estariam verdadeiramenteunidos através de um jornal, onde compartilharíamos informações, conhecimentos, anseios, criações, questionamentos,expectativas e também infinitos talentos.Mas sabíamos que para obtermos sucesso,seria importante a colaboração de todos, tanto no envio dematerial para ser publicado, como na participação ativa nacriação.Encontramos diversas dificuldades, em nossa luta paraconseguir concretizar Jornal “O Poetinha. Passamos essesúltimos dias atrás de informações, viramos noites trabalhando,estudando, absorvendo conhecimentos e apurando asinformações coletadas, mas com o apoio e a participação detodos, e um pouquinho de” jogo de cintura”, nós, do CentroAcadêmico de Letras Vinicius de Moraes (CALVM), professorese alunos do Curso de Letras da Faculdade São Luis de França,conseguimos alcançar mais esta conquista para nosso curso epara nossa história.Está pronta a nossa primeira edição, que apresenta uma riquezade conteúdos, participações com poesias, informações valiosase também opiniões, críticas e sugestões indispensáveis ámelhoria de nossa vida acadêmica. O que resta então é umsentimento de satisfação, conquista e vitória. Mas nãopararemos por aqui, afinal, a próxima edição precisa ser feita, eaí começa tudo de novo. Esperamos continuar contando com aparticipação de todos. Um forte abraço e até a próxima edição!DA REDAÇÃOAs matérias, os artigos e as colunas aqui publicadas são deinteira responsabilidade de seus respectivos autores.Queremos ouvir sua opinião. Mande sua mensagem com críticas,comentários e sugestões sobre o jornal para o email:opoetinha@live.comAGRADECIMENTOSO Centro Acadêmico de Letras Vinicius de Moraes agradecea todos que contribuíram para que esta primeira edição doJornal “O POETINHA” se concretizasse. Agradecemos àprofa. Cristiane Moraes pelo apoio, à profa. Vilma peloincentivo e pela paciência com a qual sempre nos orientou,à profa. Suely que está sempre disposta a nos ajudar, aoprof. Marcos Vinícius sempre presente com suas opiniões esugestões, ao prof. José Costa por dividir conosco seu ricoconhecimento sobre nossa Literatura, e aos acadêmicos quecontribuíram com o envio de textos. Então, a todos oCALVM diz: MUITO OBRIGADO!!!!FICHA EDITORIALGestão Acadêmica: Profa. Cristiane T. F. MoraesCoordenadora do curso e Conselheira Editorial:Profa. Vilma Mota Quintelavilmaquintela@yahoo.com.brRevisão: Profa. Suely Bragaprofa_suely@yahoo.com.brPresidente do CALVM: Ariosvaldo Leal de Jesusari.letras@gmail.comEditor Chefe: Ellen dos Santos Oliveiraellenletrinhas@hotmail.comREPORTAGEM:Elma RibeiroJasminemine.albuheis@hotmail.comLuiz Carlos Nascimento da Horacarlinhosaracaju-se@hotmail.comCorália Cirilo Cardosocoraliacardoso@hotmail.comFOTOGRAFIA: José Carlos da Silva JúniorCOLUNISTAS:Prof. José Costajosecosta_almeida@hotmail.comProf. Marcos Viníciusajumarcos@yahoo.com.brAriosvaldo Leal de Jesusari.letras@gmail.comLayanne Thays dos Santoslayannethays@hotmail.comProjeto, Diagramação e Arte Ellen dos Santos Oliveiraellenletrinhas@hotmail.comTiragem: 500 exemplares
  3. 3. “O POETINHA” – Jornal do Centro Acadêmico de Letras Vinicius de Moraes - Aracaju – SE *Sexta-Feira* 20 de Maio de 2011Edição nº1 Página 3A Faculdade São Luís de França nasceuem 1998 com o curso de Administraçãoatravés de uma propostainovadora: conciliarconhecimentos técnicosadquiridos, comconhecimentos de nósmesmos, enquantopessoas. Era umaproposta ousada, dianteda complexidade dosproblemas educacionaise sociais no cenárionacional.No entantoacreditamos que,somente melhorando ohomem podemos mudar o mundo. E esta éuma das palavras-chave para a nossainstituição: mudança, num contexto emque educação corresponde ao eixo centralatravés do qual se desenrolam osprocessos de transformação humana eprodução da vida material. O curso deLetras nasceu nesse contexto, depois debem estruturado os dois primeiros cursos(Administração e Pedagogia). Em 2009assumiu acoordenaçãodo curso aprofessoraVilma MotaQuintela,doutora emLetras pelaUniversidadeFederal daBahia (2005)com EstágionaUniversidadede Paris X. A faculdade vem seconsolidando nas áreas em que atua:educação e administração. Já obteve omelhor resultado do Estado no Enade(Exame nacional de desempenho deestudantes) com o Curso de Pedagogiaem 2005, e seprepara para repetir o feito com o Curso deLetras. Sua busca pelaexcelência no ensino desafia gestores eprofessores a melhorarem ainda mais ospróximos resultados. O projeto pedagógicocom enfoque holístico que sustenta a FSLFé um verdadeiro mar onde quatro barcosnavegam juntos, tentando fazer a rota maisequilibrada com destino ao conhecimento eao desenvolvimento dos alunos. Os barcossão: fazer, conhecer, conviver e ser. Osquatro pilares da educação. Os seuspassageiros são os alunos, e a grandefaçanha é conseguir que eles revezem debarco em barco até chegar aos seusdestinos. O como fazer isso depende doeducador que está guiando o navio e dadisposição em navegar dos tripulantes. Adireção da faculdade, nesta hora é apenasa correnteza, o vento que sopra nas águasdesse mar. E o curso de Letras navegatranquilo com todas as possibilidades debarco, transformar-se em umtransatlântico.Nosso Curso: Nossa HistóriaNosso Curso: Nossa HistóriaNosso Curso: Nossa HistóriaNosso Curso: Nossa HistóriaEntrevista com a profa. Vilma QuintelaEllen- Professora Vilma, gostaríamos que a senhora dissesse, em poucas palavras, em que consiste a SemanaAcadêmica de Letras e quais os objetivos do evento .Profa. Vilma - A Semana Acadêmica de Letras da FSLF é um evento acadêmico-científico destinado aos estudantes docurso de Letras da FSLF e ao público acadêmico externo. O evento disponibiliza ao público estudantil, palestras,apresentações de trabalhos acadêmicos, oficinas e outras atividades culturais formativas, destinadas a estudantes eprofessores da área de Letras. Os principais objetivos do projeto são o fomento da produção acadêmica e a sua divulgaçãono âmbito do curso. A organização do evento conta com a colaboração de uma comissão de estudantes, formada porrepresentantes voluntários de todos os períodos do curso. Como vocês sabem, este ano, estamos indo para a 5ª edição danossa Semana Acadêmica. A carga horária da V Semana Acadêmica de Letras será de 30 horas, que poderão seraproveitadas como carga horária de Atividades Complementares pelos estudantes da área. Parte da programação doevento vem sendo construída, no contexto das disciplinas em curso neste 1º semestre de 2011.Layanne - Quando surgiu a proposta do evento e quais as instâncias responsáveis pela sua realização?Profa. Vilma - A Semana Acadêmica de Letras da FSLF surgiu como um projeto de extensão, em 2009, tendo como responsáveis a Coordenação e oColegiado do curso. A primeira edição do evento, realizada em maio daquele ano, teve à frente a Profa. Fabília Aparecida Rocha de Carvalho, entãocoordenadora do curso. Já as demais edições da Semana foram realizadas em minha gestão, iniciada no segundo semestre de 2009.Ari - Como é feita a escolha dos temas desenvolvidos na Semana?Profa. Vilma - Os temas são, em primeira instância, discutidos no âmbito do Colegiado do curso, que conta também com a participação derepresentantes discentes. Nesta 5ª edição, esperamos uma grande contribuição do Centro Acadêmico de Letras da FSLF, que deverá conduzir umadiscussão entre os estudantes, que terá como fim a contribuição do corpo docente como um todo no processo de definição do tema da Semana. Este,necessariamente, deverá ser capaz de acolher todas as linhas de trabalho desenvolvidas no âmbito das disciplinas ofertadas neste semestre.Corália - A senhora poderia adiantar alguma coisa sobre a programação daV Semana?Profa. Vilma - A programação da V Semana trará ao público o resultado deprojetos investigativos e de extensão, realizados no âmbito das disciplinasofertadas neste semestre. A julgar pelas propostas de trabalho apresentadas aoColegiado, com certeza, podemos esperar para esta Semana muitas surpresasgratificantes.Carlos - Onde encontrar informações pormenorizadas sobre o evento?Profa. Vilma - Informações específicas sobre a Semana Acadêmica do curso deLetras podem ser encontradas no site da FSLF (http://www.fslf.com.br/) e noblog Fazendo Letras (http://fazendoletrasfslf.blogspot.com/), veículo informativodestinado à divulgação de todos os eventos do curso.V SEMANA DE LETRASFoto da comissão organizadora do IV Semana de Letras
  4. 4. “O POETINHA” – Jornal do Centro Acadêmico de Letras Vinicius de Moraes - Aracaju – SE *Sexta-Feira* 20 de Maio de 2011Edição nº1 Página 4Entre os dias 10 a 17 deJulho de 2010,acadêmicos do curso deLetras da FSLF,participaram do 31º ENEL(Encontro Nacional dosEstudantes de Letras).Que aconteceu naUniversidade Federal daParaíba UFPB, em JoãoPessoa /PB, e entre osacadêmicos presentes,encontravam-seAriosvaldo Leal de Jesus, Ellen dos Santos Oliveira e CarlosNascimento da Hora, os quais seriam os fundadores do CentroAcadêmico de Letras Vinicius de Moraes. Ao retornar ao convívioacadêmico, estes já cursando o segundo período de Letras, sãoincentivados pela professora Vilma Mota Quintela, coordenadora docurso de Letras da instituição, a criarem o órgão estudantil que iriarepresentar os estudantes de Letras. Os acadêmicos Ariosvaldo, Ellen eCarlos, não pensam duas vezes, aceitaram o desafio, e resolvem criaruma chapa, a “UnidosVenceremos” agregandonovos integrantes como:Corália Cirilo, ErivaldoMoraes, Elma Ribeiro,Layanne Thays dos Santos,Josenilma Santos deAndrade, Jasmine AlmeidaAlbuheis, e Eveline Silvado Bomfim. A única chapaformada foi a “UnidosVenceremos” do segundoperíodo de Letras da FSLF.Em Setembro de 2010,todos os acadêmicos docurso de Letras daFaculdade São Luís de França foram convidados a votar. Como a únicachapa formada era a “Unidos Venceremos”, os estudantes do cursodeveriam escolher se eram a favor ou contra a eleição da chapa.Centro Acadêmico de Letras Vinícius de Moraes: Como tudo começouDurante a eleição contamos com a participação da professora Vilma Quintela e do professor Marcos Vinicius para realizar a contagem dos votos.Os acadêmicos participaram e fizeram valer os seus direitos. Votando democraticamente, elegeram a chapa com 90,02% dos votos. Foi uma grandeconquista para o curso de Letras da FSLF. A chapa eleita promete honrar todos aqueles que acreditaram no lema “vamos juntos escrever a nossahistória”, e cumprirá seu mandato durante a gestão de 2011 a 2012.Enfim, o sonho de muitos estudantes e professores do curso de Letras da Faculdade São Luís de França, com acriação do Centro Acadêmico, concretizou-se no final do ano passado. A gestão eleita, junto com a coordenadorado Curso, a professora Vilma Mota Quintela, que contribuiu bastante para a fundação do órgão estudantil, estádiscutindo e planejando as metas para o ano letivo. Há muito trabalho pela frente, mas com o apoio de todos osprofessores e acadêmicos do curso iremos progredir.Palavra do PresidentePalavra do PresidentePalavra do PresidentePalavra do PresidenteConforme o PPC (Projeto Pedagógico do Curso), “Cabe-nos, pois,enquanto educadores, discentes e administradores acadêmicos atuarem função do processo de mudança social e pessoal.” E nós, comoCentro Acadêmico, devemos contribuir para essa mudança,promovendo a integração entre os estudantes, fomentando a cultura, odebate de idéias, desenvolvendo projetos como o do nosso jornal, quebusca trazer assuntos e conhecimentos que favoreçam resultadospositivos para a nossa formação.Com esses mesmos propósitos, também se encontra ativo o nossoblog, captando informações, eventos e matérias culturais de interessepara formação em Letras. Estamos todos trabalhando com muitoentusiasmo e com espírito de equipe, firmando um compromisso com aclasse estudantil, pois somente assim acreditamos que podemosrealmente avançar. O CALVM agora possui uma sala própria parareuniões, graças à valiosa colaboração da nossa Diretora e professoraCristiane Fonseca de Moraes. Neste semestre, muitos projetos já foramrealizados, outros estão em andamento e ainda há muito para serealizar. Destacamos, quanto a isso, o lançamento da primeira ediçãodo jornal O Poetinha, a I Exposição e Leitura Cinematográfica e aindaum festival cultural que acolherá várias manifestações artísticas -literárias, teatrais, cinematográficas, de dança e de música queenvolverão toda a comunidade acadêmica do curso. Desde já,esperamos novas sugestões, ideias, e que todos os estudantesparticipem, manifestem-se e vivam intensamente o nosso Curso deLetras.Por: Ariosvaldo Leal de JesusIntegrantes oficiais do CALVM
  5. 5. “O POETINHA” – Jornal do Centro Acadêmico de Letras Vinicius de Moraes - Aracaju – SE *Sexta-Feira* 20 de Maio de 2011Edição nº1 Página 5Em “Nome de Deus” :O Poder da Igreja Católica na Idade MédiaPor: *Valtemir Sá RochaNo filme “Em nome de Deus”, observa-se que na idade média aigreja católica (séc. V a XV), detinha grande poder e influenciavanas decisões políticas, ditando as regras na elaboração das leis(poder jurídico) e estabelecendo de forma imperativa os padrões docomportamento moral e ético para a sociedade (poder social).No decorrer de todo filme, verifica-se que a únicareligião oficial da idade média, era o cristianismocontrolado pela igreja católica que não permitiaopiniões e posições adversas as suas diretrizes pré-estabelecidas e aos seus dogmas (verdades absolutas).Qualquer cidadão que fosse de encontro às decisões daigreja católica era marcado e perseguido. O alto poderdo clero (Bispos, Arcebispos, cardeais), preocupava-secom as questões políticas e econômicas, não admitiaque seus próprios membros tomassem decisões decunho pessoal ou particular sem autorização da cúpulada igreja católica, sob pena de ser julgado e condenadoa exemplo do cônego tio de Heloisa (personagem datrama).A cultura e o comportamento da época foram influenciados pelos modelos da igrejacatólica que de forma decisiva ditava os modelos a serem seguidos. Desta formaverificamos a grande influência e poder que tinha a igreja católica.na idade média*Valtemir Sá Rocha é acadêmico do 3º período de Letras da FSLF.O Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), que integra oSistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) éfundamentado na Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004, com a portaria nº2.051que regulamenta o Sinaes e portaria nº 107 que regulamenta oEnade. O Enade é componente curricular obrigatório dos cursos degraduação, sendo inscrito no histórico escolar do estudante que esteja emsituação regular com relação a essa obrigação. Seu objetivo é avaliar odesempenho dos estudantes com relação aos conteúdos programáticosprevistos nas diretrizes curriculares dos cursos de graduação, odesenvolvimento de competências e habilidades necessárias aoaprofundamento da formação geral e profissional, e ao nível deatualização dos estudantes, relativamente à realidade brasileira emundial, integrando o Sinaes, juntamente com a avaliação institucional ea avaliação dos cursos de graduação. Os instrumentos básicos do Enadesão a prova, o questionário de impressões dos estudantes sobre a prova,o questionário do estudante, e o questionário do coordenador do(a)curso/habilitação. Estão habilitados a participar do Enade todos osestudantes em final de primeiro ano (ingressantes) e de último ano(concluintes) das áreas e cursos a serem avaliados. A inscrição doestudante habilitado ao Enade cabe exclusivamente à Instituição deEducação Superior (IES), conforme § 6º do art. 5º da Lei 10.861/2004 erespectivo regulamento. As provas são realizadas e aplicadas porinstituição ou consórcio de instituições contratadas pelo Inep quecomprovem capacidade técnica em avaliação e aplicação, segundo omodelo proposto para o Exame, e que atenda aos requisitos estabelecidosno projeto básico do Enade. Os estudantes ingressantes e concluintesserão submetidos à prova única, construída de modo a permitir a análisedo valor agregado em relação às competências e habilidades, aosconhecimentos gerais e conteúdos profissionais específicos durante a suaformação, orientando as instituições sobre a necessidade ou não de fazerajustes ou revisões curriculares. A prova é composta de 40 questões nototal, sendo 10 questões da parte de formação geral e 30 da formaçãoespecífica da área, contendo as duas partes questões discursiva e demúltipla escolha. O peso das partes da prova corresponde a 25% daformação geral e 75% de componente específico.DÚVIDAS DA LÍNGUA PORTUGUESAPor: Layanne Thays dos SantosEm nosso cotidiano, às vezes, nosdeparamos com situações de dúvidaquanto ao uso correto da nossa línguamaterna.Na sequência, seguemalgumas dúvidas frequentes quanto aobom uso da língua portuguesa, e asexplicações para determinados usos.PERDA ou PERCA?Não confunda perda com perca. Na linguagem vulgar,ouve-se perca, que é propriamente presente dosubjuntivo do verbo perder, em lugar do subjuntivoperda.FAZER UM PASSEIO ouDAR UM PASSEIO?Fazer passeio é a construção preferida do povo, mas temsabor françês. Machado de Assis escreveu:" Vamos dar um passeio."TER DE FAZER ouTER QUE FAZER?Ter de indica obrigatoriedade. Há quem condene ter que,se não se submetem a palavra algo. Segundo este critério,só é correto dizer como este: Tenho que fazer= Tenho(algo) que fazer.*Layanne Thays dos Santos é acadêmica do 3º período de Letras da FSLF.O Que é O ENADE?Por Dentro do AssuntoPor Dentro do AssuntoPor Dentro do AssuntoPor Dentro do AssuntoPoesia:a) Castro Alves;b) Manuel Bandeira;c) CarlosDrummond deAndrade;d) João Cabral deMello Neto;e) Mário deAndrade;f) Cecília Meireles;g) Jorge de Lima;h) Ana CristinaCésar;i) Camões (lírico);j) Fernando Pessoa;k) Baudelaire(As flores do mal).Prosa:a) José de Alencar – Senhora;b) Aluísio de Azevedo – O cortiço;c) Machado de Assis – Quincas Borba;d) Guimarães Rosa – Primeiras Histórias;e) Graciliano Ramos – Vidas secas;f) Clarice Lispector – Hora da Estrela;g) Jorge Amado – Capitães da Areia;h) Lygia Fagundes Telles – As horas nuas;i) Eça de Queiroz – Primo Basílio;j) José Saramago – Memorial doConvento;k) Gabriel García Márquez – O amor nostempos do cólera;l) Júlio Cortázar – Contos completos;m) Gustave Flaubert – Madame Bovary;n) Miguel de Cervantes – Dom Quixote;o) Émile Zola – Germinal;p) Pepetela (Artur Carlos Maurício Pestanados Santos) – Mayombe;Obras Literárias indicadas para oObras Literárias indicadas para oObras Literárias indicadas para oObras Literárias indicadas para o????????????????RESENHAS E CRÍTICASRESENHAS E CRÍTICASRESENHAS E CRÍTICASRESENHAS E CRÍTICAS
  6. 6. “O POETINHA” – Jornal do Centro Acadêmico de Letras Vinicius de Moraes - Aracaju – SE *Sexta-Feira* 20 de Maio de 2011Edição nº1 Página 6Prof. José CostaQuem houve falar o nome Hermes Fontes, logose lembra de uma das mais belas avenidas dacidade de Aracaju. Mas, o que nem todos sabemé que esse nome pertence a um grande poeta denossa Literatura. Hermes Floro BartolomeuMartins de Araújo Fontes nasceu em Boquim nointerior de Sergipe, em 28 de Agosto de 1888.Filho de Camponeses,perdeu a mãe aos oitoanos de idade, e nessaépoca muda-se paraAracaju carregando afama de meninoprodígio.Em 1908 é aprovado em 1º lugar em um concursopúblico adquirindo autonomia financeira. Nessa época conheceu váriascelebridades literárias e matricula-se no curso de direito da FaculdadeNacional de Direito bacharela-se com o costumeiro brilhantismo, comorelata o professor José Costa em seu livro de Antologias Poéticas deHermes Fontes.O Professor também enfatiza que a obra do poeta marcou a poesiabrasileira nas primeiras décadas do século XX, por seu arrojo formal e pelaconcepção estrutural inusitada de algumas de suas melhores obras. É donode alguns dos mais belos sonetos da literatura brasileira, e tambémdisseminou o uso regular do verso heterométrico que, em suas obras seaproxima do verso livre modernista. Sua obra influenciou muitos poetas desua geração e teve o merecido acolhimento popular. Foi um poetareconhecido em vida, mesmo não alcançando a felicidade como homem.Viveu com um grande sentimento de traição porparte de amores e amigos. Sentimentos esses,que influenciam em sua produção poética, atéinduzi-lo a cometer suicídio.O poeta sergipano foi autor de onze livros deobras poéticas: Apoteoses (1908), Gênese(1913), Mundo em chamas (1914), Ciclo de Perfeição (1914), Miragem doDeserto (1917), Epopéia da Vida (1917), Microcosmo (1919), O Despertar(1922), A Lâmpada Velada (1922), A Fonte da Mata (1930). Publicoutambém um livro em prosa: Juízos Efêmeros (1916).Luis Carlos - Qual o fator primordial queinduziu o senhor a publicar uma AntologiaPoética com as poesias de Hermes Fontes?Prof. José Costa – “Conheci alguns poemasde Hermes Fontes em livros didáticos e emantologias simbolistas e fiquei intrigado com adesproporção entre as qualidades de seuspoemas e o esquecimento a que era relegadosem sua própria terra. Então, resolvi estudarsua poesia e selecionar os poemas queconsiderava dignos de serem lidos eapreciados nos dias atuais.”Layanne Thays- Qual a importância do poetaH. F. para a nossa literatura, e especificamenteliteratura Sergipana?Prof. José Costa – “H. F. foi considerado umdos mais importantes poetas de sua geraçãoao lado de Augusto dos Anjos. Suas obrasiniciais tiveram enorme repercussão, fizeram-no famoso e prestigiado na então capital dopaís. Após sua morte, foi esquecido e suasobras não voltaram a ser publicadas. Grandeinjustiça!”Ari Leal - Quais as características literáriasque encontramos em sua poesia?Prof. José Costa – “A poesia de H. F. não seenquadra em nenhum estilo literário da época,de maneira integral. Foi consideradoparnasiano, simbolista e pré – modernista e hárazões para esses julgamentos.”Ellen Oliveira - Quais as temáticas abordadasna poesia de H. F. que o consagrou comopoeta?Prof. José Costa – H. F. define – se comomelhor poeta quando trata de assuntosinteriores, quando fala de amor e dasdesilusões pessoais.Corália Cirilo - Por que o senhor considerouem sua Antologia o livro “Mundo emchamas”, como o pior livro do poeta?Prof. José Costa – “O livro “mundo emchamas” foi encomendado para ser distribuídoem escolas e o tema também lhe foi imposto -A primeira guerra mundial. Ele desenvolveessa temática citando os países em guerra, efalando de seus aspectos históricos e culturais.São versos prosaicos, sem nenhuma inspiraçãopessoal e sem expressividade poética.”Elma Ribeiro - Dentre todos os poemas de H.F. qual o seu preferido?Prof. José Costa – “A taça.”HERMES FONTES: UM GRANDE GÊNIO DA LITERATURA SERGIPANAA TaçaPouco acima daquela alvíssima colunaQue é o seu pescoço, a boca é-lhe uma taça talQue, vendo-a, sem, na realidade, a ver,De espaço a espaço, o céu da boca se me enfunaDe beijos uns, sutis, em diáfano cristalLapidados na oficina do meu ser;Outros hóstias ideais dos meus anseios,E todos cheios, todos cheiosDo meu infinito amor...TaçaQue encerra,PorSuma graça,Tudo que a terraDe bomProduz!O dom possuisDe poresLoucaA minha boca!TaçaDe astros e flores,Na qualEsvoaçaMeu ideal!Taça cuja embriaguezNa via-láctea do sonho ao céu conduz!Que me enlouqueça mais... e, a mais, me dêsO teu delírio...a tua chama... a tua luz...Hermes Fontes“Sou o que amou, creu, esperou... E, umdia, viu que a Esperança mente; viu queé engodo a Fé; e viu que o amor só trazpesar.” (A lâmpada velada)Confira nacoluna abaixouma entrevistacom o professorJosé Costa queescreveu umaAntologiaPoética sobreHermes Fontes.Ao lado acadêmicosdo 3º período com oprof. José Costa
  7. 7. “O POETINHA” – Jornal do Centro Acadêmico de Letras Vinicius de Moraes - Aracaju – SE *Sexta-Feira* 20 de Maio de 2011Edição nº1 Página 7Prof. Marcos ViníciosOlá Sergipanos de nascimento e de coração,A partir de hoje iniciaremos um espaço para falar sobre aCultura Sergipana, especialmente sobre a cultura popular. Emnosso primeiro encontro é importante situar o significado decultura e de sua dimensão.O termo cultura vem do latim colere, que significa cultivar.Cultura é o modo de vida, os padrões de comportamento, as crenças e os valoresde cada sociedade. Podemos entender a Cultura da seguinte forma: CulturaMaterial - Vem a ser tudo que o homem cria e transforma da natureza para o seuuso: as cidades, a culinária, os transportes, o vestuário, a produção econômica, asciências, as artes. Enfim, tudo que é produzido materialmente pelo homem eCultura Espiritual- É a cultura criada pelo espírito humano, ela é abstrata, não sevê nem se toca, mas existe: as crenças, a moral, os valores, as leis, os sentimentos,os desejos, em suma, a mentalidade humana.Para melhor entender os tipos de cultura, dividimos em: Cultura de elite -Podemos dividir a cultura de elite, ou seja, de um pequeno número deprivilegiados financeiramente e/ou intelectualmente em duas ramificações: acultura científica e a cultura erudita.Cultura científica - São conhecimentosque exigem o rigor da ciência atravésdos métodos científicos com aobservação e a experiência. Com oavanço das ciências e das informações,o conhecimento científico foi sendodividido em ciências específicas, pois oseu nível de complexidade é imenso.A cultura erudita - Falar de erudito emRoma antiga era sinônimo de pessoareconhecidamente dotada de muitoconhecimento, ou seja, a culturasofisticada. O conhecimento eruditosempre esteve em oposição aoconhecimento da maioria da população,pois as diferenças sociais é uma dasformas de distanciar os pobres dosricos, pois as camadas populares nãotem oportunidade de participar dacultura erudita. Assim, observando acultura fica fácil de percebermos asdesigualdades existentes na sociedade.Outro tipo de cultura de grandeimportância é a popular - A culturapopular são as manifestações eexpressões produzidas pelo povo para opróprio povo, diferente do que éproduzido pelas elites. A culturapopular é o produto da criatividadepopular. Devemos salientar que,quando se fala em povo, refere-se àscamadas pobres, ou seja, aosassalariados do campo e da cidade queé a maior parte da população, e não é àtodo povo de um país ou de umaregião, no qual a elite e a classe médiaestão inseridas.A principal característica da culturapopular é o fato de ela ser produzidaem qualquer lugar, nas ruas, notrabalho, em casa, na igreja, na roça, napraça, no centro comunitário, na praia,na escola. Outra característica é que elaé quase sempre anônima, muitas vezesproduzida coletivamente.No século XIX com o desenvolvimento industrial, o crescimento urbano e acriação dos meios de comunicação surgiu a cultura de massa que é consideradacomo cultura de grande variedade de produtos que abrangem os setores: moda,lazer (cinema, esportes), comunicação social (jornais, revistas, rádio, tv,internet), espetáculos públicos, literatura, música, que influenciam o estilo devida da sociedade, algumas com o objetivo de obtenção de lucro. Por isso acultura de massa é também chamada de “indústria cultural” ou “cultura demercado”.É comum as pessoas confundirem a cultura de massa com a cultura popular,entretanto uma não é a outra. A cultura de massa é produzida pela indústria edivulgada pelos meios de comunicação para o consumo da sociedade visando aolucro, enquanto a outra é criada espontaneamente e consumida pelo própriopovo.Estudar e conhecer os tipos de cultura nos permite criar laços com nossastradições e raízes culturais. Estimular que os profissionais da educação transiteme ensinem aspectos da cultura sergipana é permitir que novas geraçõescompreendam o pertencimento e tenham a sergipanidade impregnada na alma.Até o nosso próximo encontro!NOSSA TERRA & NOSSAEstá sendo realizado pelo Centro Acadêmico de LetrasVinicius de Moraes (CALVM) da Faculdade São Luís deFrança (FSLF) a I Exposição e Leitura Cinematográfica. Oevento iniciou dia 02 de abril com a exposição do filme “AHora da Estrela”, com debate conduzido pela Profa. VilmaQuintela, na segunda exposição, no dia 09 de Abril, foiapresentado o filme “Caramuru”, e quem conduziu o debatefoi a profa. Martha Suzana.O evento foi aberto tanto para os acadêmicos da instituiçãocomo para o público externo. Durante meses os integrantesdo CALVM visitaram outras instituições de Ensino Superiordivulgando a I Exposição e Leitura cinematográfica. E oresultado foi fruto de muito esforço e dedicação. Assim, oprimeiro evento organizado pelo órgão estudantil conseguiureunir cerca de 200 estudantes, entre eles, acadêmicos daFSLF e de outras instituições de ensino superior do Estado deSergipe.Debates sobre exposições cinematográficas adaptadasde oito obras literáriasFoto do CALVM fazendo a abertura do eventoO evento segue seu roteiro programático com exposiçõesque finalizam no dia 28 de maio. Até lá muitas emoçõesnos aguardam durante os sábados em que viajamos nomundo cinematográfico inspirados pela literatura, quandoaprendemos e discutimos, saboreando pipoca e refrigerante.
  8. 8. “O POETINHA” – Jornal do Centro Acadêmico de Letras Vinicius de Moraes - Aracaju – SE *Sexta-Feira* 20 de Maio de 2011Edição nº1 Página 8MANIFESTAÇÃO DELIRANTEPor:*Allan Tenório Bastos de Oliveira“Enquanto os monarcas querem dominar muitos, os anarquistasquerem apenas dominar a si mesmos”. (Autoria desconhecida)Na última manifestação de caráter anarquista¹ ocorridacontra a corrupção de um governo hipócrita e devastador, nossasbandeiras negras² estavam erguidas e tremulavam com a brisa dosventos. Gritos de revoltas davam para serem ouvidos por palavrasde protesto saídas com extremo ódio da boca dos trabalhadoresexplorados ou desempregados, e lá, lá estava um dos delegadoslibertários³ lutando ao lado do povo.Muitos dos que faziam parte do povo de nadacompreendiam sobre os ideais anárquicos, pronunciando palavrasde deboche e a idolatrar aquele político devastador do próprio povoque o idolatrava, postado naquele instante em cima de um trioelétrico, pronunciando suas velhas falcatruas que apenas serviam deilusão para leigos.Também estavam presentes naquele dia os partidos ditossocialistas e comunistas exibindo sua grande propaganda partidária.Os anarquistas foram de encontro aos partidários que sediziam socialistas ou comunistas e com a presença da polícia, omassacre dera início.O delegado anarquista desviou um momento o seu olharpara o lado e a viu, aquela garota de pele morena com 1,60 de alturae de olhos pretos tocantes como ameixas, parada em um dos lados,fazendo com que o coração do indivíduo batesse forte ao tercruzado seu olhar puro e celestial.Diante de toda a repressão, a polícia combatia comcassetetes e jogavam bombas de gás lacrimogêneo por todos oslados. As pessoas corriam apavoradas e muitos caiam ao chãodevido ao tumulto, dando lugar ao caos que acabara de nascer, etomara conta do que outrora era considerada uma festa. Porém,quando os libertários estavam se dando por vencido, aqueledelegado pareceu ganhar mais força e energia quando o nome damoreninha de origem francesa é pronunciado, dando-lhe energiapara a continuidade na luta de uma manifestação delirante.Notas do Autor:____________¹ Anarquista – termo que designa um participante do anarquismo, ou seja, aqueleque busca a liberdade, lutando contra qualquer forma de autoridade, qualquerforma de governo, e de repressão, defendendo a ideia do autodomínio. Paraqualquer sistema de governo, seja ele de caráter monárquico, socialista, oucapitalista, o anarquista é considerado um desordeiro, quando na verdade não é.(Nota do autor)² Bandeira Negra – uma bandeira que possui o símbolo da anarquia, o famoso Adentro de um círculo. Teoriza a liberdade para o mundo inteiro. (Nota do autor)³ Delegado Libertário – termo que designa um organizador do movimentoanarquista.* Allan Tenório Bastos de Oliveira é acadêmico do 2º Período de letras –FSLF.Amizade X LiderançaPor: *Layanne Thays dos SantosHavia em uma livraria dois grandes amigos, Carlos Henriquee Pedro, eles eram vendedores, aliás, eram os melhoresvendedores daquela loja de livros. Carlos Henrique tinhaapenas 19 anos, magro alto, e muito sonhador. Já Pedro eraum pouco mais velho, tinha 28 anos, não era tão magro comoseu amigo, e também não era gordo, era baixo e tinhagrandes objetivos para sua vida. Eram amigos inseparáveis,saiam juntos, conversavam sobre tudo, e um sabia que podiacontar sempre com o outro.Certo dia ouviram os boatos que a livraria estava semgerente, pois o antigo havia sido demitido. Os olhos dos doisbrilharam, quando ouviram a notícia, então na mesma hora osdois almejaram ao cargo, e aguardavam ansiosos que o chefeos chamassem para uma entrevista. Porém os dias sepassaram e o nada de o chefe os chamar, esse só viviaobservando os dois que naquele mês vendiam como nunca.Um dia Pedro falou pra Henrique que iria procurar o chefe ecandidatar-se ao cargo de gerente. Então, Henrique nãopensou duas vezes, e quando o amigo se retirou, foiimediatamente falar com o patrão e pediu – lhe o cargo. Ochefe sem saber o que dizer, o contratou como gerente, poisesse era um ótimo funcionário como o amigo, porém,acreditava que Antunes não se interessava pelo cargo, poisnão havia o procurado. Henrique saiu do escritório do chefe,pulando de felicidade, e foi procurar o amigo e disse-lhe que ochefe havia o chamado em particular e ofereceu – lhe ocargo. O amigo surpreso parabenizou-o.Os dias se passaram e Henrique era um bom gerente, sesentia muito orgulhoso, mas já não era o mesmo. Agia comose fosse o dono da livraria e não ouvia a opinião de ninguém.Certo dia ele marcou uma reunião para arrumação eorganização dos livros, Pedro sugeriu que mudasse algumasprateleiras e fizesse algumas alterações na ordem dos livros,e justificou que esses estavam mau distribuídos o queimpedia uma boa visualização para o cliente. Henrique tantonão aceitou a idéia, como acusou Pedro de querer de tomarseu lugar na loja, pois ele viu a sugestão do amigo como umaordem. Pedro ficou muito surpreso e indignado com amudança de Henrique. Questionava-se como pode um cargode liderança mudar tanto uma pessoa. Muito triste ele nãofalou mais nada, e decidiu que não daria mais nenhumaopinião, apenas cumpriria seu trabalho que era vender livros.A partir daí a amizade dos dois não era mais a mesma, oumelhor dizendo, não havia mais amizade entre eles, e simuma relação de chefe e empregado.Como todo mundo erra, um dia Henrique cometeu um errogravíssimo, e foi demitido. E como ninguém é insubstituível, odono da livraria procurou Pedro para ser o novo gerente, eeste recusou, pois já havia recebido o convite para sergerente em uma outra livraria muito mais reconhecida do queàquela e com um salário três vezes maior.Então quando Pedro foi ao setor pessoal pra dar entrada nasua demissão encontrou com Henrique, os dois seentreolharam fixos por alguns segundos, e não há comodefinir se o que foi maior foi o tempo em que estavam aliparados um em frente ao outro, ou o silêncio que havia entreos dois. Henrique queria falar algo mas não conseguiu, aslembranças das humilhações que fez seu amigo passarbloqueou sua voz, Pedro desviando o olhar, deu as costas efoi embora.*Layanne Thays dos Santos é acadêmica do 3º período deLetraHistórias & Contos
  9. 9. “O POETINHA” – Jornal do Centro Acadêmico de Letras Vinicius de Moraes - Aracaju – SE *Sexta-Feira* 20 de Maio de 2011Edição nº1 Página 9Grupo Cultural: Literatura &outras artesEssa é mais umaorganização do CALVM,que abrange váriasmanifestações artísticas,tais como: literatura, teatro,cinema, dança e música.Todos os acadêmicos docurso de Letras receberão aficha de inscrição através dopróprio e-mail e deverãopreenchê-la e enviá-la ao e-mail:grupocultural@hotmail.com.brCada candidato deveráescolher a categoria em quedesejará atuar,comprometendo-se acumprir o que se propuser afazer. Por isso é importanteque a função escolhida,corresponda à capacidade,e à disponibilidade docandidato.Esta iniciativa só demonstrao compromisso que oCALVM tem com asdiversas manifestaçõesartísticas, promovendo avalorização do talentoindividual.Então, participe, mostrandoseu talento artístico!!A Cartomante(O Filme)O CALVM está produzindo o filme: “ACartomante”, baseado na obra deMachado de Assis. O curta metragem,dirigida por Ellen S. Oliveira, seráexibido em evento organizado peloCALVM, na FSLF com data e horário adefinir.Fazem parte do elenco: Ellen S.Oliveira, como a cartomante, JúniorComo Camilo, Michelle como Rita eCarlos N. da Hora como Vilela. O filmetambém contará com os talentos deAriosvaldo Leal e Erivaldo Moraes nasfilmagens, além do empenho deCorália Cardoso na organização doCenário.O filme ainda está sendo gravado,mais promete ser um sucesso!Cinema ou Teatro?Por: Ellen dos Santos OliveiraÉ comum que muitas pessoas tenham esta dúvida, pois todossabem como é bom assistir a um filme no cinema, ou prestigiaruma apresentação teatral. Porém o que muita gente não sabe équal escolher quando tiver que escolher somente um.Há pessoas que preferem cinema, por causa dos efeitosespeciais, e suas produções fantásticas. Mas também, háaqueles que não perdem uma apresentação teatral,contemplando outros atributos artísticos, sem esquecer que naplateia tem-se o gostinho de estar bem próximo ao elenco, o quecontribui para a emoção natural de se ver tudo ao vivo. Mas nãopodemos nos esquecer dos indecisos, ou seja, os que têmdúvidas entre os dois.Seja lá qual for a preferência, o que importa é aproveitar cadaminuto quando prestigiamos cada cena, seja nas telonas docinema ou no palco de um teatro.*Ellen dos Santos Oliveira é acadêmica do 3º período do curso de Letras da FSLF.Sugestões de FilmesEVANGELHO SEGUNDO SÃOMATEUSAMAR VERBO INTRASITIVOMEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁSCUBASHAMLETMACUNAÍMAO GRANDE DESAFIOA COR PÚRPURAO NOME DA ROSAVIDAS SECASA HORA DA ESTRELAMENTES BRILHANTESEM NOME DE DEUSO PREÇO DO DESAFIOSOCIEDADE DOS POETAS MORTOSO PAGADOR DE PROMESSASProgramação TeatralPeça Procura-se um HomemPeríodo: 31/03 a 28/05 de 2011Na Casa Rua da Cultura iniciou-se a temporada deapresentações da peça Procura-se um homem,encenada pelo grupo teatral Acesso, formado porjovens vindos do projeto homônimo, desenvolvidona Casa Rua da Cultura, comandado pela Cia. deTeatro Stultífera Navis do diretor LindembergMonteiro.A peça Procura-se um Homem, que tem comoautora a diretora e atriz principal Gilzanira Bastos éuma comédia que tem grande interação com opúblico, deixando os espectadores totalmenteenvolvidos com os personagens e com a história.Um ótimo programa para seu fim de semana, já quea peça será apresentada todos os sábados de Abril eMaio às 19h. Não deixem de conferir!* Data: Início dia 31/03/2011* Horário: 19h* Local: Casa Rua da Cultura,Praça Camerino 210* Valor: R$10,00 (inteira) R$5,oo (meia)* Pontos de venda:Casa Rua da CulturaI Sarau Poético da Literatura Clássica Portuguesa: Poesias líricas de CamõesSerá apresentado durante a V Semana de Letras, o I Sarau Poético da Literatura Clássica Portuguesa com aspoesias Líricas de Luis Vaz de Camões, organizado pelo Centro Acadêmico de Letras Vinicius de Moraes,com a participação de acadêmicos do curso de Letras que participarão declamando poemas do poeta líricoportuguês. Os que desejarem participar deverão procurar os integrantes do CALVM na sala 5.
  10. 10. “O POETINHA” – Jornal do Centro Acadêmico de Letras Vinicius de Moraes - Aracaju – SE *Sexta-Feira* 20 de Maio de 2011Edição nº1 Página 10Seus olhos negros acalmam-meDesperta - me um mistério profundoOlhá-los-ei no fundoOlhos que me hipnotizam, seduzem-meSeus lábios rosados fascinam-meLábios carnudos e ousadosComo lábios de sereia, molhadosLábios que me atraem, encantam-meSua voz é uma linda melodiaTão meiga, tão doce, tão calmaOuvi-la abranda a minha almaÉ música em perfeita harmoniaContemplar-lhe-ei eternamenteMinha Musa e Diva perfeitaEntre todas, tu és minha eleitaPor ser tão linda, simplesmenteEllen dos Santos Oliveira,3º período.EleitaO que é uma Nação?Uma nação não éuma raça,uma língua,um aglomerado de pessoas.não é um limite entre montanhas,nem entre os rios que cortam e correm.Pois, as montanhas transpõem os limitesE une os povos.Os rios correm eno encontro das águas,unem os povos em seus usos,costumes e crenças.Uma nação não se fazcom escravidão religiosa,Não aniquila a memória do passado.Uma nação amigo,É a alma,o corpoo espírito,Daqueles que transpuseram montanhas,Imergiram-se nas águase seguiram o percurso dos rios.Uma nação,É o passado, o presente e o futuroDaqueles que a fazem com suas línguas,usos e costumes,Vivem-na e a defendem,sem arrogância e prepotênciaVera Norma Araújo Guarino Silveira,3º período.PROFESSORSou um código contínuoDe infinitos verbos a transitarNo alpendre lilás de conquistasVezes pálidasVezes movediçasComo um enorme painel de possibilidades...Escalando diariamente incontáveis montanhasNa crença sagrada de parir pontes ontológicasQue unem Sophia e logosNa indescritível arte de ensinar.Suzy Dayse Vasconcelos,6º períodoSuzy Dayse Vasconcelos,6º períodoSuzy Dayse Vasconcelos,6º períodoSuzy Dayse Vasconcelos,6º períodoAMOR SEM REGRASAmo-teÉ sinônimo de erudiçãoTe amoÉ sonoro e forteE chega livre ao coraçãoRosângela Leite,6º períodoSe desejar ter uma poesia sua publicada aqui envie-a para o e-mail: opoetinha@live.com
  11. 11. “O POETINHA” – Jornal do Centro Acadêmico de Letras Vinicius de Moraes - Aracaju – SE *Sexta-Feira* 20 de Maio de 2011Edição nº1 Página 11Encontreos nomesdosliteratosbrasileiros:ManuelBandeira,Vinicius deMoraes,Machadode Assis,ClariceLispectro,ÁlvaroCardoso.Não quero imitarDeus ou coisa assimSó quero encontrarO que é melhor em mimSer mais do que alguémQue sai no jornalMais do que um rostoNo comercialE não é fácil viver assimSe eu quiser chorarNão ter que fingirSei que posso errarE é humano se ferirParece absurdoMas tente aceitarQue os heróisTambém podem sangrarPosso estar confusoMas vou me lembrarQue os heróis tambémPodem chorarE não é fácil viver assimM A N U E L B R R E LA l V A R O A D H C IC R S A N C N O B I SH A E C S H D S M R PA C I M F O E O A A ED A M L O K I M P L CO D E A S R R A D C TB H C A S V A T G G RE U M R D S R E C E OX V I N I C I U S D MC L A C A F J S E O UNome: Cristiane Tavares Fonseca de Moraes NunesApelido: CrisAniversário- 06/07Idade: 39 anosSigno: CâncerProfissão: ProfessoraComida: Filé com fritasMúsica: ItalianaLivro: Porque coisas ruins acontecem a pessoas boasFilme:TitanicPrograma de TV: FantásticoUm lugar marcante: EspanhaUma pessoa especial: São muitas. Marido, filhos, pais,tia, irmãos, meus alunos, professores, funcionários daFaculdade São Luis. Gente que me faz gente.Descreva-se em duas palavras: Prática e objetiva.Uma frase: “Nunca cuspa no prato que você comeu.”PingPingPingPing––––PongPongPongPongENTRETENIMENSeja como forAgora eu seiQue o meu papelNão é ser herói no céuMas na terraQue eu vou viverEu não sei voarIsso é ilusãoNinguém pode andarCom os pés fora do chãoSou só mais alguémQuerendo encontrarA minha própria estrada pratrilharSou só mais alguémQuerendo encontrarA minha própria forma deamarMúsica: Super – HeróiLetra: Sandy Leah e Junior LimaQuem sou eu?“ Virgília me amava tanto que preferiu casar-se comLobo Neves a unir-se a mim. Durante minhaadolescência, Marcela amou-me durante 11 contos deréis. Mas elas não me afetam. Antes cair das nuvensque do segundo andar. Além disso, fui feliz por nãoter tido filhos, sou fácil, não?Brás Cubas, de Memórias Póstumas de Brás Cubas.CAÇA -PALAVRASSONETO DE FIDELIDADEDe tudo, ao meu amor serei atentoAntes, e com tal zelo, e sempre, e tantoQue mesmo em face do maior encantoDele se encante mais meu pensamento.Quero vivê-lo em cada vão momentoE em seu louvor hei de espalhar meu cantoE rir meu riso e derramar meu prantoAo seu pesar ou seu contentamento.E assim, quando mais tarde me procureQuem sabe a morte, angústia de quem viveQuem sabe a solidão, fim de quem amaEu possa me dizer do amor (que tive):Que não seja imortal, posto que é chamaMas que seja infinito enquanto dure.Vinicius de Moraes : “ O POETINHA”
  12. 12. “O POETINHA” – Jornal do Centro Acadêmico de Letras Vinicius de Moraes - Aracaju – SE *Sexta-Feira* 20 de Maio de 2011Edição nº1 Página 12AUAUAUAUTTTTO DA BARCA DO INFERNOO DA BARCA DO INFERNOO DA BARCA DO INFERNOO DA BARCA DO INFERNOSerá executada, em maio do corrente, no contexto daprogramação da V Semana de Letras da FSLF, a segundaversão do Auto da Barca do Inferno, texto do dramaturgoportuguês Gil Vicente, montado originalmente no século XVI. Aobra, concebida em português arcaico, teve uma inusitadaversão no dialeto "nordestinês", na II Semana de Letras,realizada em novembro de 2009. O projeto de extensão,proposto pela professora Vilma Mota Quintela, do curso deLetras da FSLF, para a disciplina Literatura Portuguesa I, temcomo realizadores os acadêmicos inscritos na disciplina,responsáveis pela produção, adaptação e montagem da peça.Ver reportagem sobre a primeira montagem da peça em:http://semanadeletrasfslf.blogspot.com/.CARPE DIEMO Carpe Diem: Projeto Educacional Fazendo Letras, surgido noprimeiro semestre de 2010, terá a sua segunda versão nosemestre corrente. Projeto de extensãovinculado ao NUPEX e à disciplina EstágioSupervisionado do Curso de Letras da FSLF, oCarpe Diem tem como propósito prepararestudantes do Ensino Médio de escolas públicas do nossoentorno social para o ingresso ao curso superior, oferecendo-lhes aulas sobreconteúdos de línguaportuguesa e literaturacobrados nosvestibulares. O projeto,idealizado pela prof.Vilma Mota Quintela,responsável pela primeiraedição, e realizado poracadêmicos voluntáriosinscritos na disciplinaEstágio Supervisionado,terá como gestora, em2011, a professora Suely Braga.Ver mais a respeito da 1ª edição do projeto emhttp://fazendoletrasfslf.blogspot.com/2010/04/projeto-do-curso-de-letras-da-fslf.Acadêmicos do curso de letras soltam a voz e falam de suasexpectativas em relação ao curso, contribuindo com suas opiniões,críticas e sugestões. Confira ai abaixo:“Eu estou gostando muito do curso, e sugiro que o CALVM Continuerealizando projetos que incluam a participação de todos.”Daniel, 1º período“O curso de Letras é realmente o que eu esperava, estou gostando doCentro Acadêmico pela iniciativa e todas as atividades desenvolvidas.”Suelma de Lima Ramos, 5º período“Estou gostando do curso, o centro acadêmico tem me surpreendidobastante, pois estão atendendo às minhas expectativas e promovendo aintegração não só do curso de Letras, mas em geral. Parabéns pelobelíssimo trabalho.”Eveline Silva, 5º período“Eu adoro a instituição, o curso é excelente, sou apaixonada porLetras, é um curso que indico a outras pessoas. O Centro Acadêmicoestá de parabéns pelos projetos desenvolvidos.”Jaqueline Tavares de Mendonça, 5º períodoNOS BASTIDORES DA NOTÍCIANOS BASTIDORES DA NOTÍCIANOS BASTIDORES DA NOTÍCIANOS BASTIDORES DA NOTÍCIARevista do Curso de LetrasRevista do Curso de LetrasRevista do Curso de LetrasRevista do Curso de LetrasEstá prevista para setembro de 2011 a primeiraedição da Revista Científica do Curso Letras daFSLF. De acordo com informações fornecidas pelacoordenadora do Curso, a prof. Dra. Vilma MotaQuintela, a revista contará com um corpoeditorial avalizado e terá como propósito adivulgação de textos científicos, na área deLetras, de relevância para o meio acadêmico. Apublicação estará aberta a graduandos, pós-graduandos, mestres, doutores e pesquisadoresFoto da 1ªversão dapeça,realizadapelosacadêmicosdo Curso em2009Acadêmicos lecionam na primeiraedição do Projeto Carpe Diem32° ENEL – Não fique de fora!O Centro Acadêmico de Letras Vinicius de Moraes daFSLF está organizando uma excursão que levará osestudantes ao 32º ENEl (Encontro Nacional dosEstudantes de Letras).O ENEL é o grande evento anual de integração discente da área deLetras no Brasil. Nele, a partir de um foco fundamentalmente político,discutem-se as condições dos estudantes em geral, e, maisespecificamente, de Letras do país, bem como as futuras condições dostrabalhadores em educação no ensino de línguas e literaturas, levando emconta as transversalidades e as multidisciplinaridades. Aqueles quedesejarem participar deverão procurar o CALVM, para reservar já a suavaga.

×