Triste fim de policarpo quaresma - Sobre a Obra By: Elayne Farias!

4.143 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.143
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
148
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Triste fim de policarpo quaresma - Sobre a Obra By: Elayne Farias!

  1. 1. Lima Barreto Afonso Henriques de Lima Barretonasceu em 13 de maio de 1881. LimaBarreto estudou em várias escolas echegou a ingressar na EscolaPolitécnica do Rio de Janeiro. Dedicou-se ao jornalismo. Lima Barreto morreuem 1922, por problemas no coração.
  2. 2. Policarpo Quaresma Nacionalismo exacerbado Nas palavras do autor: “um homempequeno, magro, que usava pincenez,olhava sempre baixo, mas, quando fitavaalguém ou alguma cousa, os seus olhostomavam, por detrás das lentes, um fortebrilho de penetração, e era como se elequisesse ir à alma da pessoa”. Policarpo vestia-se sempre de fraque, “eera raro que não se cobrisse com umacartola de abas curtas e muito alta, feitasegundo um figurino antigo”.
  3. 3. Imagem extraída do livro O risteFim de Policarpo Quaresma
  4. 4. Personagens Adelaide (Irmã) Ricardo Coração dos Outros Olga (Afilhada) Vicente Coleoni (Compadre) Isménia (Vizinha) Anastácio Amando Borges General Albernaz
  5. 5. Características do PréModernismo RUPTURA COM O PASSADO REGIONALISMO LITERATURA-DENÚNCIA CONTEMPORANEIDADE
  6. 6. Primeira Parte Busca saídas políticas, econômicas eculturais para o Brasil. Decide aprender a tocar violão. Contrata Ricardo Coração dos Outros paraensinar-lhe violão. Parte em busca das tradições indígenas. Sugeri à assembleia legislativa republicanaa adoção do tupi como língua oficial.
  7. 7. RIO DE JANEIRO1893ADELAIDE:__Policarpovocê precisatomar juízo! Umhomem de idade,com posição,respeitavél comovocê, andarmetido com esseseresteiro.
  8. 8. O aprendizado do tupileva Policarpo a seuprotagonista de algunsmomentos cômicos comoele recebe a afilhada e ocompadre aos prantos.
  9. 9. Segunda Parte Policarpo vende sua casa e compra um sítio nafictícia cidade de Curuzu, denominado Sossego. Tenta provar a decantada fertilidade do solobrasileiro. Ajudar o crescimento economico do Brasil com aagricultura. O solo não era tão fertil quanto pensava. Policarpo viu-se envolvido, involuntariamente, naluta política da cidade tudo por causa de suasuspeita neutralidade. Ao saber sobre a Revolta da Armada, segue parao Rio de Janeiro para dar apoio ao regime. Sugeri reformas que mudassem a situação agrária.
  10. 10. A morte de Isménia pordecepção, por ter sidoiludida pelo noivo, quefugiu um mês antes docasamento.
  11. 11. Terceira Parte Policarpo é bem recebido por Floriano Peixoto,que, no entanto, dá pouca atenção às suaspropostas de reforma. Decidido a lutar pela República, Policarpo éincorporado a um batalhão, o "Cruzeiro do Sul",com o posto de major. Encarregado de um pelotão de artilhariaimprovisado com voluntariados à força. A revolta criava ao mesmo tempo tensão - devidoa prisões e violências arbitrárias - e oportunidadesde ascensão social e empregatícia a puxa-sacos.
  12. 12.  Policarpo, desilude quando tendo entradoem combate, acaba por matar um dosrevoltosos. Finda a revolta e encarregado de cuidar deum grupo de prisioneiros, Policarpo chegaà conclusão de que a pátria, era umailusão. Preso, acusado de traição. Ricardo Coração dos Outros, pede ajudapara salvar Policarpo.
  13. 13. No final do livro, Policarpo,devido às suas críticas, épreso e condenado aofuzilamento, por ordem dopresidente Floriano Peixotosob a acusação de traição.
  14. 14. REGIONALISMO “No serviço, na hora do lanche, reunia os colegase falava sobre as incríveis riquezas nacionais quedescobria nos estudos. O petróleo encontrado naBahia, uma nova espécie de árvore de borrachaque crescia no Mato Grosso, um sábio ou algumacelebridade internacional que tivesse parentescocom algum brasileiro. Gostava, em particular, defalar dos rios, que amava mais que as montanhas,talvez por elas não serem muito altas no Brasil.”(BARRETO, Lima. Triste Fim de Policarpo Quaresma. 1881-1922. Cap. I pag.11)
  15. 15. LITERATURA / DENÚNCIA “Foram doze os escolhidos ao acasopara serem fuzilados, e Policarpoficou pensando por que ele estava alipara assistir e participar daquelacrueldade que tinha o objetivo defortalecer o governo que ele tantoqueria apoiar.”(BARRETO, Lima. Triste Fim de Policarpo Quaresma.1881- 1922. Cap. XIV pag.58)
  16. 16. CONTEMPORANEIDADE Tenente: “__Aqui a gente vive mesmo éde política – disse o tenente. __ Agoratemos a eleição para deputado , e ocandidato do governo, o doutorCastrioto, moço honesto, bom orador,vai ter que enfrentar um tal de Neves,indicado pelo senador Guariba, quebrigou com o governador. O que oSenhor acha?” (BARRETO, Lima. Triste Fim de Policarpo Quaresma. 1881-1922. Cap. VI pag. 36)
  17. 17. REFERENCIAS Lima Barreto, Afonso Henriques dee,1881-1922. Porto Alegre; 2003. http://www.jayrus.art.br/Apostilas/LiteraturaBrasileira/PreModernismo/Lima_Barreto_TRISTE_FIM_DE_POLICARPO_QUARESMA.htm

×