O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Aula 04 - Infodesign - Alfabeto-padrão

789 visualizações

Publicada em

A tipologia (ou tipografia) é um importante recurso visual. As escolhas relacionadas aos tipos de letras podem auxiliar na interpretação da mensagem.
Mais que signos que permitem a leitura verbal, as letras também proporcionam leituras visuais em função do design.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Aula 04 - Infodesign - Alfabeto-padrão

  1. 1. INFODESIGN Identidade visual Alfabeto Padrão Prof. Ms. Elizeu Silva
  2. 2. IDENTIDADE VISUAL: Alfabeto Padrão A tipologia (ou tipografia) é um importante recurso visual. As escolhas relacionadas aos tipos de letras podem auxiliar na interpretação da mensagem. Mais que signos que permitem a leitura verbal, as letras também proporcionam leituras visuais em função do design.
  3. 3. IDENTIDADE VISUAL: Alfabeto Padrão Por mais de 500 anos, a produção de fontes foi um processo industrial, com os tipos utilizados nas oficinas tipográficas moldados em chumbo.
  4. 4. IDENTIDADE VISUAL: Alfabeto Padrão Com o surgimento da fotocomposição nos anos 1960–1970 foram desenvolvidas fontes digitais. Contudo, estas exigiam equipamentos especiais para projeção e utilização nos projetos.
  5. 5. IDENTIDADE VISUAL: Alfabeto Padrão O surgimento dos computadores pessoais (microcomputadores) nos anos 1980 tornou mais acessível os processos de desenvolvimento de fontes. Multiplicam-se, dessa forma, na virada do século XX para o XXI, as “fundições tipográficas” digitais.
  6. 6. IDENTIDADE VISUAL: Alfabeto Padrão Os logotipos usam a tipografia para apresentar o nome da organização de modo singular e memorável. Os logotipos podem ser feitas com fontes existentes ou letras personalizadas. O logotipo (fonte-padrão) faz parte do programa de identidade da organização, e pode ser utilizado como uma linguagem viva e dinâmica – com possibilidade de sofrer alterações conforme as circunstâncias.
  7. 7. IDENTIDADE VISUAL: Alfabeto Padrão
  8. 8. IDENTIDADE VISUAL: Alfabeto Padrão No século XIX os impressores buscaram analogias entre a História da Arte e a herança de seu próprio ofício, desenvolvendo um sistema básico de classificação de tipos. LETRAS HUMANISTAS: ligadas à caligrafia e ao movimento da mão ao escrever.
  9. 9. IDENTIDADE VISUAL: Alfabeto Padrão TRANSICIONAIS e MODERNAS: Se diferenciam das humanistas por serem mais abstratas e menos orgânicas. TRANSICIONAIS: Quando as fontes de John Baskerville foram apresentadas, em meados do século XVIII, suas formas precisas e seu alto contraste foram considerados chocantes.
  10. 10. IDENTIDADE VISUAL: Alfabeto Padrão MODERNAS As fontes desenhadas por Giambattista Bodoni no final do século XVIII e início do XIX são radicalmente abstratas. As serifas são finas e retas. Há forte contraste entre traços grossos e finos.
  11. 11. IDENTIDADE VISUAL: Alfabeto Padrão EGÍPCIAS Fontes pesadas e decorativas. Foram adotadas no século XIX para utilização em propaganda. Possuem serifas pesadas e retangulares.
  12. 12. IDENTIDADE VISUAL: Alfabeto Padrão SANS SERIFAS HUMANISTAS Fontes sem serifas tornaram-se comuns no século XX. A Gill Sans, desenhada por Eric Gill em 1928, possui características humanistas.
  13. 13. INFODESIGN Bibliografia recomendada FARINA, Modesto. Psicodinâmica das cores em comunicação. 4ª edição, Ed. Edgard Blücher, São Paulo, 1990 KELLER, Kevin Lane. Gestão Estratégica de Marcas. São Paulo. Person Education do Brasil, 2006. STRUNCK, Gilberto. Como criar identidades visuais para marcas de sucesso. 4ª edição, Rio de Janeiro, Ed. Rio Books, 2012.

×