Aula 02 arte pré histórica e egípcia

1.059 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.059
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
66
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 02 arte pré histórica e egípcia

  1. 1. Arte e EstéticaAula 2 – Arte Pré-Histórica Prof. Ms. Elizeu N. Silva
  2. 2. Para Piet Mondrian (1872–1944) a arte não passava deuma compensação para o equilíbrio deficiente dasociedade atual. “A arte desaparecerá na medida em quea vida adquirir mais equilíbrio”.• Por que a nossa própria existência não nos basta?• Por que, no teatro, damos tanta atenção a algo quesabemos ser fictício, por que sentimos tanto prazer com amúsica – de existência tão efêmera –, por que sentimosprazer contemplando uma pintura, mesmo sem acompreender totalmente?
  3. 3. A arte é o meio indispensável para a união do indivíduocom o todo; reflete a infinita capacidade humana para aassociação, para a circulação de ideias e experiências.Afinal, a ideia de ser um indivíduo nunca bastou ao serhumano. O desejo de plenitude força-o a viver emsociedade e a considerar como suas as experiênciasalheias e que potencialmente lhe concernem.A arte, como criação do espírito, possibilita compartilharsentimentos individuais como se fossem os sentimentosda coletividade.
  4. 4. Aristóteles vê no drama o efeito de catarse, cuja descargaemocional purificaria a alma.A razão de ser da arte nunca permanece inteiramente amesma.Toda arte é condicionada pelo seu tempo e representa ahumanidade consonante com as ideias e aspirações, asnecessidades e as esperanças de uma situação históricaparticular.
  5. 5. Ao mesmo tempo, a arte supera esta limitação e de dentrodo momento histórico, cria também um momento dehumanidade – o que nos leva a admirar, por exemplo, aarte egípcia produzida desde 3.000 a.C.Não se pode tomar a arte como uma descrição clínica doreal. “A arte é necessária para que o homem se tornecapaz de conhecer e mudar o mundo. Mas a arte tambémé necessária em virtude da magia que lhe é inerente”.Fischer.
  6. 6. Primeiros registros: PaleolíticoIgnora-se quando o homem começou a produzir registrospictóricos e quando começou a se interessar pela arte.Homem paleolítico produziu imagens com propósitos demagia. Por meio delas, procurava atuar sobre a natureza.Considerava-as tão reais como as forças da natureza. Naverdade, ele usava as imagens, ao invés de apenascontemplá-las.
  7. 7. Primeiros registros:Paleolítico VÊNUS DE LAUSSEL: Mulher com corno. Laussel, França. 22000 a 26000 a.C.
  8. 8. Primeiros registros: PaleolíticoPINTURA RUPESTRE: Animais (bisão) pintados no teto e em paredes decavernas. Altamira, Espanha. 15000–10000 a.C.
  9. 9. Primeiros registros: PaleolíticoPintura Rupestre: Do francês rupestre, o termo designagravação, traçado e pintura sobre suporte rochoso,qualquer que seja a técnica empregada. PINTURA RUPESTRE: Cavalo. Lascaux, França. 15000– 10000 a.C.
  10. 10. Primeiros registros: Paleolítico PINTURA RUPESTRE: Gruta em Lascaux, França. 15000– 10000 a.C.
  11. 11. Primeiros registros: PaleolíticoDatação: exemplos mais remotos localizam-se naAustrália (Carpenters Gap, Kimberley), datados entre 30mil e 40 mil anos.Características: pinturas e gravações (gravuras, pelaretirada de matérias ou incisões), sendo que as primeirassão as mais antigas. Os traços são feitos com os dedosou com ferramentas.Coloração: carvão (preto), óxido de ferro (vermelho,amarelo), às vezes cera de abelha.
  12. 12. Primeiros registros: PaleolíticoTemas: Linhas e traços circulares,mãos e pés, pegadas de animais,ziguezagues, grafismos, formasgeométricas.Nas pinturas mais antigasprevalecem formas humanas eanimais.
  13. 13. Primeiros registros: PaleolíticoNo paleolítico as pinturas e esculturas são naturalistas. Ocaçador e coletor paleolítico procura reproduzirexatamente o que vê.Sobreposição de pinturas em determinadas áreas dascavernas (geralmente escuras e inacessíveis) reforçam atese da pintura com propósito mágico. “Era precisamente o propósito mágico dessa arte que a forçava a ser naturalista. A pintura que não apresentasse semelhança com o objeto era não apenas defeituosa, mas carecia também de sentido e finalidade”. Hauser.
  14. 14. Primeiros registros: PaleolíticoPINTURA RUPESTRE: Sobreposição de pinturas em Altamira,Espanha. 15000–10000 a.C.
  15. 15. Primeiros registros: NeolíticoNo neolítico (10.000 a 3.000 a.C., aproximadamente)ocorre a primeira grande mudança estilística.Em lugar da pintura naturalista, o homem neolítico prefereestilização geométrica.Em lugar da experiênciaconcreta do cotidiano, aideia, o conceito, asubstância das coisas.Símbolos, ao invés doobjeto.
  16. 16. Primeiros registros: Neolítico
  17. 17. Primeiros registros: Neolítico
  18. 18. Primeiros registros: NeolíticoDiferentemente do homem paleolítico, coletor e caçador,o homem neolítico aprende a produzir os própriosalimentos. Esta mudança representa um fantástico pontode mutação geral na trajetória cultural e civilizatória dahumanidade.• Organização do trabalho• Divisão de funções.• Comunidades sedentárias.• Ritos religiosos e atos de culto tomam o lugar da magia e da feitiçaria.
  19. 19. Primeiros registros: Neolítico ARTE SUMÉRIA: Mosaico “Estandarte de Ur”, cerca de 3.500 a.C.
  20. 20. Primeiros registros: NeolíticoO camponês neolíticonão precisa mais dossentidos aguçados docaçador. Perde,portanto, algumashabilidades esensibilidades, adquireoutras: desenvolve acapacidade daabstração e dopensamento racional.
  21. 21. Primeiros registros: NeolíticoA vida estável se manifesta numa arte esquemática, deformas sólidas, estáveis, simétricas.
  22. 22. Primeiros registros:NeolíticoARTE EGEIA: Mulherde Cicládica. Cerca de3.000 a.C.
  23. 23. Primeiros registros: Arte EgípciaA arte egípcia tem importância fundamental para ahistoriografia da arte ocidental porque somente elapermite identificar uma linha direta de transmissão deinfluências desde 5 mil anos atrás no vale do Nilo, até osdias atuais.Tais registros devem-se inicialmente aos gregos,fortemente impressionados com a arte e a culturaegípcias.
  24. 24. Primeiros registros: Arte EgípciaPirâmides de Gizé. Antigo Império, IV Dinastia (2570 a 2450 a.C.)
  25. 25. Primeiros registros: Arte EgípciaCabeça. Período Protodinástico, II Máscara mortuária de Tutankhamon.Dinastia. (2920 a 2670 a.C.) Novo Império, XVIII Dinastia (1.550 a 1076 a.C.)
  26. 26. Primeiros registros: Arte EgípciaMulher egípcia no toucador. Novo Império, XVIII Dinastia. (1550 a 1076 a.C.)
  27. 27. Primeiros registros: Arte Egípcia Jardim de Nebamun. Novo Império, XVIII Dinastia. (1550 a 1076 a.C.)
  28. 28. Primeiros registros: Arte EgípciaArte canônica: O artista egípcio produzia sob regras pré-estabelecidas.Cânones refletem a supremacia de uma ordem coletivasobre a individualidade. Revelam, também, o domínioabsoluto exercido pelas classes dirigentes sobre aspossibilidades pessoais de expressão.Objetivamente, buscavam registros com a maior clarezapossível. Objetos e corpos eram representados no ânguloque melhor favorecesse a compreensão.
  29. 29. Primeiros registros: Arte EgípciaRetrato de Hesire. Cerca de Tutankhamon e sua esposa. Cerca de 13302.700 a.C. Período a.C. Novo Império, XVIII Dinastia. (1550 a 1076Protodinástico, II Dinastia. a.C.)(2920 a 2670 a.C.)
  30. 30. BibliografiaFISCHER, Ernst. A necessidade da arte. Rio de Janeiro, 9ª ed.,Guanabara Koogan, 2002GOMBRICH, E.H. A história da arte. Rio de Janeiro, 16ª edição, LTCEditora, 1999HAUSER, Arnold. História social da arte e da literatura. São Paulo,Martins Fontes, 2000SILIOTTI, Alberto. Egito. Coleção Grandes Civilizações do Passado.Barcelona, Ed. Folio, 2006Enciclopédias Itaú Cultural. http://www.itaucultural.com.br/

×