O fariseu e o publicano

1.875 visualizações

Publicada em

mensagem na Pib em Santa Fé do Sul, 2013

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.875
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
94
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O fariseu e o publicano

  1. 1. O FARISEU E O PUBLICANO! – (O CARA QUE SE ACHAVA, E O QUE SE CONHECIA!)
  2. 2. A alguns que confiavam em sua própria justiça e desprezavam os outros, Jesus contou esta parábola: "Dois homens subiram ao templo para orar; um era fariseu e o outro, publicano. O fariseu, em pé, orava no íntimo: „Deus, eu te agradeço porque não sou como os outros homens: ladrões, corruptos, adúlteros; nem mesmo como este publicano. Jejuo duas vezes por semana e dou o dízimo de tudo quanto ganho‟. "Mas o publicano ficou à distância. Ele nem ousava olhar para o céu, mas batendo no peito, dizia: „Deus, tem misericórdia de mim, que sou pecador‟. "Eu lhes digo que este homem, e não o outro, foi para casa justificado diante de Deus. Pois quem se exalta será humilhado, e quem se humilha será exaltado". Lucas 18:9-14
  3. 3. FARISEU PUBLICANO - sua oração foi um - sua oração foi uma comentário pessoal, uma confissão objetiva; lista de ações; - orou para impressionar Deus - expressou orgulho pessoal - disse: “olha pra mim” - orou para encontrar Deus; - expressou uma necessidade - suplicou: “me perdoa” - ostentou: “eu sou uma bênção para Deus” - clamou: “eu preciso da misericórdia de Deus” - se viu: “eu sou demais”! - se via: “eu não sou (a) ninguém” (diante de Deus) (b) "lex orandi, lex credendi = o que se ora, é o que se crê".
  4. 4. O melhor negócio no mundo seria comprar os homens pelo preço que valem e vendê-los pelo preço que acham que valem. (E. Percy Ellis) Eu sei que não sou o que devo ser, mas pela graça de Deus, eu sei que já não sou o que eu era. (Martinho Lutero)
  5. 5. O que levou Jesus a contar essa história? Ele está conversando sobre a justiça divina, no Reino de Deus, Começa confrontando os que confiavam em “sua própria justiça” (v.9) e encerra dizendo de apenas um que voltou “justificado diante de Deus” (v.14). Essa história é o resumo do Evangelho de Lucas : “não entram no Reino de Deus os que acham que tem esse direito, mas sim os que sabem que não o tem. Recebe-se o Reino de Deus por misericórdia (v.14), por graça de Deus, assim como uma criança recebe um presente (v.17). É como deve ser o nosso relacionamento com Deus, somente pela fé (v.8) “quando o Filho do Homem vier, encontrará fé na Terra?”
  6. 6. Como estamos tentando se aproximar e agradar a Deus? Será do tipo “faça você mesmo?” - pessoas que confiam em si e naquilo que fazem, na religião que professam, na igreja que frequentam, Como o fariseu? Do tipo de pessoas que acham estar bem com Deus por causa do que fazem?
  7. 7. Paulo enfatiza: “Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus”; Romanos 3:23 O velho apóstolo João, quase no fim de sua vida, mesmo sendo o discípulo mais próximo de Cristo confessa: Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós. Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça. Se dissermos que não pecamos, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós. 1 João 1:8-10
  8. 8. - O publicano, outro personagem da história , é marcado por sua sinceridade. - Fica distante, sequer levanta o rosto para o céu (não encara Deus), bate no próprio peito (como quem dizendo: meu maior problema está em mim), e, só conseguia clamar: “Deus, tem misericórdia de mim que sou pecador”! Sim, Jesus não negou que ele o era, e nem ele.
  9. 9. Quais os sintomas de uma vida presunçosa? 1. Você se torna confiante em si mesmo. Começa a sentir que Deus é um privilegiado por ter você como um seguidor. 2. Você começa a condenar os outros. A comparação com outros, e a fácil constatação de estão errados e em pecado é um sinal de que você está pensando que é melhor do que realmente é. 3. Você se torna satisfeito com os aspectos exteriores. “Jejuo, dou o dízimo, vou a igreja...” Não há nada de errado com esses fatos externos. O problema é quando eles se tornam tudo o que você tem para apresentar. Os ornamentos da religiosidade não são mais importantes que a integridade do coração
  10. 10. Quais os sintomas de uma vida presunçosa? 1. Você se torna confiante em si mesmo. Começa a sentir que Deus é um privilegiado por ter você como um seguidor. 2. Você começa a condenar os outros. A comparação com outros, e a fácil constatação de estão errados e em pecado é um sinal de que você está pensando que é melhor do que realmente é. 3. Você se torna satisfeito com os aspectos exteriores. “Jejuo, dou o dízimo, vou a igreja...” Não há nada de errado com esses fatos externos. O problema é quando eles se tornam tudo o que você tem para apresentar. Os ornamentos da religiosidade não são mais importantes que a integridade do coração
  11. 11. Qual o remédio para essa enfermidade espiritual, que nos distancia do relacionamento verdadeiro com Deus?
  12. 12. 1.Ser humilde diante de Deus (v.14). 2. Confie inteiramente e tão somente em Deus. Bemaventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus; "Não se perturbe o coração de vocês. Creiam em Deus; creiam também em mim. João 14:1 Mateus 5:3 - O “perturbar” aqui faz referencia as águas agitadas na tempestade. Quando a tempestade chegar – confie nele (Mc 4.35-41)
  13. 13. 3. Aceite alegremente o convite gracioso de Jesus: "Venham a mim, todos os que estão cansados e sobrecarregados, e eu lhes darei descanso. Tomem sobre vocês o meu jugo e aprendam de mim, pois sou manso e humilde de coração, e vocês encontrarão descanso para as suas almas. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve". Mateus 11:28-30

×