SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
Baixar para ler offline
ADOLESCÊNCIA
 Segundo a Organização Mundial da
Saúde, a adolescência é um período da
vida, que começa aos 10 e vai até os 19
anos, e segundo o Estatuto da Criança e
do Adolescente começa aos 12 e vai até
os 18 anos.
 Adolescência, uma etapa maravilhosa da
vida, que muitos insistem em chamar de
“aborrescência”.
A puberdade é a fase inicial da
adolescência, caracterizada por alterações
físicas, hormonais, sexuais, é neste período
que o corpo torna-se maduro e os
“adolescentes” ficam capacitados para gerar
filhos.
Período da puberdade (entre 10 e 13 anos
entre as meninas e 12 e 14 entre os meninos)
que ocorre o desenvolvimento dos órgãos
sexuais.
PUBERDADE X ADOLESCÊNCIA
 A liberação dos hormônios sexuais gera
inúmeras transformações no corpo do
adolescente.
 A puberdade capacita homens e mulheres
para gerarem novas vidas.
 A partir das mudanças corporais é iniciado
o processo lento e progressivo de
desenvolvimento psíquico denominado
ADOLESCÊNCIA.
Diferença entre a Adolescência e
Puberdade
 Muitas pessoas confundem adolescência com
puberdade.
 Adolescência é uma etapa intermediária do
desenvolvimento humano. É nela que a pessoa
descobre sua identidade e define sua
personalidade, neste período o adolescente
passa por crises, na qual se reformulam os
valores adquiridos na infância e se assimilam
numa nova estrutura mais madura.
OS 3 LUTOS
É possível observar na adolescência a
elaboração de três lutos fundamentais:
 pelo corpo infantil
 pela identidade e papel infantil
 pelos pais da infância
 A adolescência é um período de vida que
merece atenção , pois esta transição entre
a infância e a idade adulta pode resultar
ou não em problemas futuros para o
desenvolvimento de um determinado
indivíduo.
 É nesta fase que surgem comportamentos
irreverentes e desafiantes com os
outros, o questionamento dos modelos e
padrões infantis que são necessários ao
próprio crescimento.
Adolescência provém do verbo
“adolescerê”, significa brotar, fazer-
se grande.
 Quando começam a crescer, o organismo
começa a se alterar, a cabeça
mudar, começam a ver diferente, querem
sair, namorar, dançar e nem ligam mais para
os brinquedos. Alguns pais não querem
isso, então iniciam as brigas entre
famílias, porque eles tentam mostrar que
mudaram e que não são mais crianças e a
família tenta mostrar que não é isto que eles
vêem.
 Os adolescentes procuram
criar uma identidade que
lhes permita a participação
no mundo adulto,
adquirindo confiança,
autonomia, iniciativa e
competência.
 É um processo de busca,
com encontros
imprevisíveis, como
paixões repentinas,
transitoriedade.
 A crise de identidade
deve-se a dois fatores:
 - a exigência social e a
insegurança pessoal.

Quem sou eu? A
crise da Identidade
Construção da Identidade
Nesta etapa, o adolescente prepara-se
para viver em maior plenitude e
autonomia. Até pouco tempo
dependiam em tudo ou quase tudo dos
pais e agora começam a pensar e agir
de forma pessoal e afirmativa.
Será que somos rebeldes?
 “Muitas vezes somos rebeldes sem querer”, sic.
 O adolescente sente necessidade de
experimentar coisas novas, de inovar, de ir além
do mundo que até então não conhecia, o desejo
de ser independente, descobre-se a beleza da
liberdade e o valor do respeito.
 Essa atitude vai, quase sempre contra as idéias
dos pais , na maioria das vezes sentem medo de
perder o controle da situação. Para os pais os
filhos são sempre crianças.
 Os adolescentes reclamam da falta de liberdade
e da falta de confiança dos pais.
 A convivência com os adolescentes é cheia de surpresas,
apresentam constantes alterações de humor, num
momento estão estonteantes de alegria por causa da
descoberta, no outro ficam profundamente frustrados por
causa da mesma descoberta.
 São indecisos e carentes, mas são rebeldes e defensivos.
 É necessário aprender a respeitar os limites.
 A compreensão é, sem dúvida, fundamental para que
sinta-se numa ambiente amigável e confiável para agir
de forma natural, espontânea e sensata.
Adolescência e religião
 Praticar os ideais da religião em casa. A
verdadeira religião implica na aceitação de si
próprio e de seu semelhante com profundo
respeito mútuo, não importa qual a sua religião
e sim ver “Deus” como universal.
 Adolescência é a fase de intenso misticismo ou
ateísmo absoluto, migrações para crenças
contrárias as dos pais, gerando conflitos.
A rebeldia do adolescente, com relação a religião,
ocorre muitas vezes, porque querem que cumpra
ou seja responsável por uma prática religiosa que
não vê em ninguém.
Existe 3 causas principais do abandono da fé pelos
adolescentes:
 - relação turbulenta entre estes e seus pais;
 -incoerência do discurso religioso com a prática religiosa;
 -novos conceitos formados sobre religião.
O adolescente precisa descobrir e construir sua
identidade religiosa.
Quem ensina religião deve viver o que ensina.
Família e o adolescente
 O Estatuto da Criança e do Adolescente,
em seu Capítulo III, Seção I, Artigo 19,
estabelece que:
 “ Toda criança ou adolescente tem direito
a ser criado e educado no seio da sua
família e, excepcionalmente em família
substituta, assegurada a convivência
familiar e comunitária...”
 Uma relação ideal entre o adolescente e a
família seria o mesmo que a relação entre
a mão e a água: “ se fecharmos muito a
mão, a água sai; se abrimos muito a mão,
a água também sai. Vamos tentar a mão
semi-aberta, em concha, e a água em
equilíbrio lá dentro”.
 A família e a sociedade impõe regras pelo
fato de não querer que os adolescentes
percam valores familiares adquiridos na
infância.
 Sabe-se portanto que a família é fundamental
nesta fase, é o alicerce para a formação do
adolescente e o diálogo deve ser um exercício
contínuo no dia a dia.
 “A adolescência é como um segundo
parto:
O filho nasce da família para entrar na
sociedade”
NA FAMÍLIA VIVE-SE. CONHECE-SE. RECONHECE-SE

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

PALESTRA : A energia transformadora do autoconhecimento e da auto estima -fai
PALESTRA : A energia transformadora do autoconhecimento e da auto estima -faiPALESTRA : A energia transformadora do autoconhecimento e da auto estima -fai
PALESTRA : A energia transformadora do autoconhecimento e da auto estima -faiEdson Salgado Ávella
 
Empatia - A arte de se colocar no lugar do outro
Empatia - A arte de se colocar no lugar do outroEmpatia - A arte de se colocar no lugar do outro
Empatia - A arte de se colocar no lugar do outroVera Lessa
 
A importancia familia
A importancia familia A importancia familia
A importancia familia Elsa Cristina
 
[c7s] Palestra para pais do Fundamental I 2011 - Quem me educa
[c7s] Palestra para pais do Fundamental I 2011 - Quem me educa[c7s] Palestra para pais do Fundamental I 2011 - Quem me educa
[c7s] Palestra para pais do Fundamental I 2011 - Quem me educa7 de Setembro
 
A família e a escola na formação integral
A família e a escola na formação integralA família e a escola na formação integral
A família e a escola na formação integralDianaricardo28
 
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescênciaPrevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescênciaLuciana França Cescon
 
Projeto escola de pais primeiro encontro - disciplina, limites e rotina
Projeto escola de pais primeiro encontro - disciplina, limites e rotinaProjeto escola de pais primeiro encontro - disciplina, limites e rotina
Projeto escola de pais primeiro encontro - disciplina, limites e rotinaAnaí Peña
 
A importância da Família no Processo de Educar
A importância da Família no Processo de EducarA importância da Família no Processo de Educar
A importância da Família no Processo de EducarClaudia Dutra
 
Gravidez na Adolescência
Gravidez na AdolescênciaGravidez na Adolescência
Gravidez na Adolescênciaportoseguro
 
Workshop emoções e afetos na educação
Workshop emoções e afetos na educaçãoWorkshop emoções e afetos na educação
Workshop emoções e afetos na educaçãoAnaí Peña
 

Mais procurados (20)

PALESTRA : A energia transformadora do autoconhecimento e da auto estima -fai
PALESTRA : A energia transformadora do autoconhecimento e da auto estima -faiPALESTRA : A energia transformadora do autoconhecimento e da auto estima -fai
PALESTRA : A energia transformadora do autoconhecimento e da auto estima -fai
 
Comunicação não-violenta
Comunicação não-violentaComunicação não-violenta
Comunicação não-violenta
 
Empatia - A arte de se colocar no lugar do outro
Empatia - A arte de se colocar no lugar do outroEmpatia - A arte de se colocar no lugar do outro
Empatia - A arte de se colocar no lugar do outro
 
A importancia familia
A importancia familia A importancia familia
A importancia familia
 
Emoções
EmoçõesEmoções
Emoções
 
Sexualidade infantil
Sexualidade  infantilSexualidade  infantil
Sexualidade infantil
 
Emoções
EmoçõesEmoções
Emoções
 
[c7s] Palestra para pais do Fundamental I 2011 - Quem me educa
[c7s] Palestra para pais do Fundamental I 2011 - Quem me educa[c7s] Palestra para pais do Fundamental I 2011 - Quem me educa
[c7s] Palestra para pais do Fundamental I 2011 - Quem me educa
 
A família e a escola na formação integral
A família e a escola na formação integralA família e a escola na formação integral
A família e a escola na formação integral
 
Ser mulher.pptx
Ser mulher.pptxSer mulher.pptx
Ser mulher.pptx
 
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescênciaPrevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
 
Trabalho Infantil
Trabalho InfantilTrabalho Infantil
Trabalho Infantil
 
Empatia slide share
Empatia slide shareEmpatia slide share
Empatia slide share
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
Projeto escola de pais primeiro encontro - disciplina, limites e rotina
Projeto escola de pais primeiro encontro - disciplina, limites e rotinaProjeto escola de pais primeiro encontro - disciplina, limites e rotina
Projeto escola de pais primeiro encontro - disciplina, limites e rotina
 
A importância da Família no Processo de Educar
A importância da Família no Processo de EducarA importância da Família no Processo de Educar
A importância da Família no Processo de Educar
 
Gravidez na Adolescência
Gravidez na AdolescênciaGravidez na Adolescência
Gravidez na Adolescência
 
A relação família-escola
A relação família-escolaA relação família-escola
A relação família-escola
 
18 de maio
18 de maio18 de maio
18 de maio
 
Workshop emoções e afetos na educação
Workshop emoções e afetos na educaçãoWorkshop emoções e afetos na educação
Workshop emoções e afetos na educação
 

Destaque

Tux portinari-brincadeiras-inf.v
Tux portinari-brincadeiras-inf.vTux portinari-brincadeiras-inf.v
Tux portinari-brincadeiras-inf.vmiranda_verinha
 
Projeto brinquedo e brincadeiras
Projeto brinquedo e brincadeirasProjeto brinquedo e brincadeiras
Projeto brinquedo e brincadeirasRenata Médici
 
Projeto brinquedos e brincadeiras
Projeto brinquedos e brincadeirasProjeto brinquedos e brincadeiras
Projeto brinquedos e brincadeirasDaila Riva Brocker
 
Brinquedos e Brincadeiras do Ontem
Brinquedos e Brincadeiras do OntemBrinquedos e Brincadeiras do Ontem
Brinquedos e Brincadeiras do OntemProfrochedo
 
Resgatando Jogos e Brincadeiras na escola
Resgatando Jogos e Brincadeiras na escolaResgatando Jogos e Brincadeiras na escola
Resgatando Jogos e Brincadeiras na escolaMaria Vanderlan Rahal
 
Pieter Brueghel e as brincadeiras tradicionais
Pieter Brueghel e as brincadeiras tradicionaisPieter Brueghel e as brincadeiras tradicionais
Pieter Brueghel e as brincadeiras tradicionaisTatiDS
 
Saúde do Adolescente - sexualidade e gravidez
Saúde do Adolescente - sexualidade e gravidezSaúde do Adolescente - sexualidade e gravidez
Saúde do Adolescente - sexualidade e gravidezandressadede
 
Educação Para A Saúde - Sexualidade
Educação Para A Saúde - SexualidadeEducação Para A Saúde - Sexualidade
Educação Para A Saúde - Sexualidadedulcemarr
 
PNAIC - Projeto Revivendo as Brincadeiras de Antigamente - Prof. Ireny
PNAIC - Projeto Revivendo as Brincadeiras de Antigamente - Prof. IrenyPNAIC - Projeto Revivendo as Brincadeiras de Antigamente - Prof. Ireny
PNAIC - Projeto Revivendo as Brincadeiras de Antigamente - Prof. IrenyElieneDias
 
Projeto anual jogos e brincadeiras
Projeto anual jogos e brincadeirasProjeto anual jogos e brincadeiras
Projeto anual jogos e brincadeirasShirley Costa
 
Projeto Brinquedos e Brincadeiras na Educação Infantil
Projeto Brinquedos e Brincadeiras na Educação InfantilProjeto Brinquedos e Brincadeiras na Educação Infantil
Projeto Brinquedos e Brincadeiras na Educação Infantiljanainasantosborba
 
Projeto brincadeira de criança
Projeto brincadeira de criançaProjeto brincadeira de criança
Projeto brincadeira de criançadanizinha_blog
 
ADOLESCÊNCIA E AS TRANSFORMAÇÕES DO CORPO
ADOLESCÊNCIA E AS TRANSFORMAÇÕES DO CORPOADOLESCÊNCIA E AS TRANSFORMAÇÕES DO CORPO
ADOLESCÊNCIA E AS TRANSFORMAÇÕES DO CORPOveronicasilva
 
A sexualidade na adolescência
A sexualidade na adolescênciaA sexualidade na adolescência
A sexualidade na adolescênciaLilia Braga
 

Destaque (20)

Tux portinari-brincadeiras-inf.v
Tux portinari-brincadeiras-inf.vTux portinari-brincadeiras-inf.v
Tux portinari-brincadeiras-inf.v
 
Projeto brinquedo e brincadeiras
Projeto brinquedo e brincadeirasProjeto brinquedo e brincadeiras
Projeto brinquedo e brincadeiras
 
Projeto brinquedos e brincadeiras
Projeto brinquedos e brincadeirasProjeto brinquedos e brincadeiras
Projeto brinquedos e brincadeiras
 
Brinquedos e Brincadeiras do Ontem
Brinquedos e Brincadeiras do OntemBrinquedos e Brincadeiras do Ontem
Brinquedos e Brincadeiras do Ontem
 
Resgatando Jogos e Brincadeiras na escola
Resgatando Jogos e Brincadeiras na escolaResgatando Jogos e Brincadeiras na escola
Resgatando Jogos e Brincadeiras na escola
 
Pieter Brueghel e as brincadeiras tradicionais
Pieter Brueghel e as brincadeiras tradicionaisPieter Brueghel e as brincadeiras tradicionais
Pieter Brueghel e as brincadeiras tradicionais
 
Atps educacao ludica (1)
Atps educacao ludica (1)Atps educacao ludica (1)
Atps educacao ludica (1)
 
Projeto
ProjetoProjeto
Projeto
 
Saúde do Adolescente - sexualidade e gravidez
Saúde do Adolescente - sexualidade e gravidezSaúde do Adolescente - sexualidade e gravidez
Saúde do Adolescente - sexualidade e gravidez
 
Educação Para A Saúde - Sexualidade
Educação Para A Saúde - SexualidadeEducação Para A Saúde - Sexualidade
Educação Para A Saúde - Sexualidade
 
PNAIC - Projeto Revivendo as Brincadeiras de Antigamente - Prof. Ireny
PNAIC - Projeto Revivendo as Brincadeiras de Antigamente - Prof. IrenyPNAIC - Projeto Revivendo as Brincadeiras de Antigamente - Prof. Ireny
PNAIC - Projeto Revivendo as Brincadeiras de Antigamente - Prof. Ireny
 
Projeto anual jogos e brincadeiras
Projeto anual jogos e brincadeirasProjeto anual jogos e brincadeiras
Projeto anual jogos e brincadeiras
 
Hpv
HpvHpv
Hpv
 
Projeto Brinquedos e Brincadeiras na Educação Infantil
Projeto Brinquedos e Brincadeiras na Educação InfantilProjeto Brinquedos e Brincadeiras na Educação Infantil
Projeto Brinquedos e Brincadeiras na Educação Infantil
 
Projeto brincadeira de criança
Projeto brincadeira de criançaProjeto brincadeira de criança
Projeto brincadeira de criança
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
 
ADOLESCÊNCIA E AS TRANSFORMAÇÕES DO CORPO
ADOLESCÊNCIA E AS TRANSFORMAÇÕES DO CORPOADOLESCÊNCIA E AS TRANSFORMAÇÕES DO CORPO
ADOLESCÊNCIA E AS TRANSFORMAÇÕES DO CORPO
 
A sexualidade na adolescência
A sexualidade na adolescênciaA sexualidade na adolescência
A sexualidade na adolescência
 
Chegou a adolescência
Chegou a adolescênciaChegou a adolescência
Chegou a adolescência
 
Sexualidade powerpoint
Sexualidade  powerpointSexualidade  powerpoint
Sexualidade powerpoint
 

Semelhante a Adolescer

Semelhante a Adolescer (20)

Adolescência
Adolescência  Adolescência
Adolescência
 
Adolescência
Adolescência Adolescência
Adolescência
 
10º (a.inf) adolescente (1)
10º (a.inf) adolescente (1)10º (a.inf) adolescente (1)
10º (a.inf) adolescente (1)
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
 
Sexualidade powerpoint
Sexualidade powerpointSexualidade powerpoint
Sexualidade powerpoint
 
Adolescência
AdolescênciaAdolescência
Adolescência
 
Infância...
Infância...Infância...
Infância...
 
Puberdade .pptx;d
Puberdade .pptx;dPuberdade .pptx;d
Puberdade .pptx;d
 
7º ano reda cem - 7.15
7º ano   reda cem - 7.157º ano   reda cem - 7.15
7º ano reda cem - 7.15
 
Be045
Be045Be045
Be045
 
Bncc.pdf
Bncc.pdfBncc.pdf
Bncc.pdf
 
As mudanças na adolescência
As mudanças na adolescênciaAs mudanças na adolescência
As mudanças na adolescência
 
Infância...
Infância...Infância...
Infância...
 
O que é adolescência
O que é adolescênciaO que é adolescência
O que é adolescência
 
Sexo na adolescência
Sexo na adolescênciaSexo na adolescência
Sexo na adolescência
 
A gravidez na adolescencia
A gravidez na adolescenciaA gravidez na adolescencia
A gravidez na adolescencia
 
Slides infanto completo
Slides infanto completoSlides infanto completo
Slides infanto completo
 
Adolescência significado evolutivo
Adolescência significado evolutivo Adolescência significado evolutivo
Adolescência significado evolutivo
 
OS CICLOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO
OS CICLOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANOOS CICLOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO
OS CICLOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO
 
Adolescencia
AdolescenciaAdolescencia
Adolescencia
 

Mais de Eliana Graça

CERIMÔNIA DE FORMATURA
CERIMÔNIA DE FORMATURA CERIMÔNIA DE FORMATURA
CERIMÔNIA DE FORMATURA Eliana Graça
 
Exploração do trabalho infantil
Exploração do trabalho infantilExploração do trabalho infantil
Exploração do trabalho infantilEliana Graça
 
Gravidez na adolescência e Aborto
Gravidez na adolescência e Aborto Gravidez na adolescência e Aborto
Gravidez na adolescência e Aborto Eliana Graça
 
Exploração do trabalho infantil
Exploração do trabalho infantilExploração do trabalho infantil
Exploração do trabalho infantilEliana Graça
 
EXPLORAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL
EXPLORAÇÃO DO TRABALHO INFANTILEXPLORAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL
EXPLORAÇÃO DO TRABALHO INFANTILEliana Graça
 
Apresentação formatura
Apresentação formaturaApresentação formatura
Apresentação formaturaEliana Graça
 
Reflexão sobre drogas
Reflexão sobre drogasReflexão sobre drogas
Reflexão sobre drogasEliana Graça
 
Atividade socioeducativa drogas set 2012
Atividade socioeducativa drogas    set 2012Atividade socioeducativa drogas    set 2012
Atividade socioeducativa drogas set 2012Eliana Graça
 
Reflexão sobre drogas
Reflexão sobre drogasReflexão sobre drogas
Reflexão sobre drogasEliana Graça
 
Jingle esportes sim ! drogas não!
Jingle esportes sim ! drogas não!Jingle esportes sim ! drogas não!
Jingle esportes sim ! drogas não!Eliana Graça
 
Direito ter direito[1]
Direito ter direito[1]Direito ter direito[1]
Direito ter direito[1]Eliana Graça
 
Direito ter direito[1]
Direito ter direito[1]Direito ter direito[1]
Direito ter direito[1]Eliana Graça
 

Mais de Eliana Graça (20)

Formatura 2013
Formatura 2013Formatura 2013
Formatura 2013
 
CERIMÔNIA DE FORMATURA
CERIMÔNIA DE FORMATURA CERIMÔNIA DE FORMATURA
CERIMÔNIA DE FORMATURA
 
Exploração do trabalho infantil
Exploração do trabalho infantilExploração do trabalho infantil
Exploração do trabalho infantil
 
Gravidez na adolescência e Aborto
Gravidez na adolescência e Aborto Gravidez na adolescência e Aborto
Gravidez na adolescência e Aborto
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Exploração do trabalho infantil
Exploração do trabalho infantilExploração do trabalho infantil
Exploração do trabalho infantil
 
Adolescencia
AdolescenciaAdolescencia
Adolescencia
 
Rotina
RotinaRotina
Rotina
 
EXPLORAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL
EXPLORAÇÃO DO TRABALHO INFANTILEXPLORAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL
EXPLORAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL
 
Apresentação formatura
Apresentação formaturaApresentação formatura
Apresentação formatura
 
Reflexão sobre drogas
Reflexão sobre drogasReflexão sobre drogas
Reflexão sobre drogas
 
Reflexão
Reflexão Reflexão
Reflexão
 
Atividade socioeducativa drogas set 2012
Atividade socioeducativa drogas    set 2012Atividade socioeducativa drogas    set 2012
Atividade socioeducativa drogas set 2012
 
Reflexão sobre drogas
Reflexão sobre drogasReflexão sobre drogas
Reflexão sobre drogas
 
Eca criancas
Eca criancasEca criancas
Eca criancas
 
Jingle esportes sim ! drogas não!
Jingle esportes sim ! drogas não!Jingle esportes sim ! drogas não!
Jingle esportes sim ! drogas não!
 
Drogas e escola
Drogas e escolaDrogas e escola
Drogas e escola
 
Direito ter direito
Direito ter direitoDireito ter direito
Direito ter direito
 
Direito ter direito[1]
Direito ter direito[1]Direito ter direito[1]
Direito ter direito[1]
 
Direito ter direito[1]
Direito ter direito[1]Direito ter direito[1]
Direito ter direito[1]
 

Adolescer

  • 2.  Segundo a Organização Mundial da Saúde, a adolescência é um período da vida, que começa aos 10 e vai até os 19 anos, e segundo o Estatuto da Criança e do Adolescente começa aos 12 e vai até os 18 anos.  Adolescência, uma etapa maravilhosa da vida, que muitos insistem em chamar de “aborrescência”.
  • 3. A puberdade é a fase inicial da adolescência, caracterizada por alterações físicas, hormonais, sexuais, é neste período que o corpo torna-se maduro e os “adolescentes” ficam capacitados para gerar filhos. Período da puberdade (entre 10 e 13 anos entre as meninas e 12 e 14 entre os meninos) que ocorre o desenvolvimento dos órgãos sexuais. PUBERDADE X ADOLESCÊNCIA
  • 4.  A liberação dos hormônios sexuais gera inúmeras transformações no corpo do adolescente.  A puberdade capacita homens e mulheres para gerarem novas vidas.  A partir das mudanças corporais é iniciado o processo lento e progressivo de desenvolvimento psíquico denominado ADOLESCÊNCIA.
  • 5. Diferença entre a Adolescência e Puberdade  Muitas pessoas confundem adolescência com puberdade.  Adolescência é uma etapa intermediária do desenvolvimento humano. É nela que a pessoa descobre sua identidade e define sua personalidade, neste período o adolescente passa por crises, na qual se reformulam os valores adquiridos na infância e se assimilam numa nova estrutura mais madura.
  • 6. OS 3 LUTOS É possível observar na adolescência a elaboração de três lutos fundamentais:  pelo corpo infantil  pela identidade e papel infantil  pelos pais da infância
  • 7.  A adolescência é um período de vida que merece atenção , pois esta transição entre a infância e a idade adulta pode resultar ou não em problemas futuros para o desenvolvimento de um determinado indivíduo.  É nesta fase que surgem comportamentos irreverentes e desafiantes com os outros, o questionamento dos modelos e padrões infantis que são necessários ao próprio crescimento.
  • 8. Adolescência provém do verbo “adolescerê”, significa brotar, fazer- se grande.  Quando começam a crescer, o organismo começa a se alterar, a cabeça mudar, começam a ver diferente, querem sair, namorar, dançar e nem ligam mais para os brinquedos. Alguns pais não querem isso, então iniciam as brigas entre famílias, porque eles tentam mostrar que mudaram e que não são mais crianças e a família tenta mostrar que não é isto que eles vêem.
  • 9.  Os adolescentes procuram criar uma identidade que lhes permita a participação no mundo adulto, adquirindo confiança, autonomia, iniciativa e competência.  É um processo de busca, com encontros imprevisíveis, como paixões repentinas, transitoriedade.  A crise de identidade deve-se a dois fatores:  - a exigência social e a insegurança pessoal.  Quem sou eu? A crise da Identidade
  • 10. Construção da Identidade Nesta etapa, o adolescente prepara-se para viver em maior plenitude e autonomia. Até pouco tempo dependiam em tudo ou quase tudo dos pais e agora começam a pensar e agir de forma pessoal e afirmativa.
  • 11. Será que somos rebeldes?  “Muitas vezes somos rebeldes sem querer”, sic.  O adolescente sente necessidade de experimentar coisas novas, de inovar, de ir além do mundo que até então não conhecia, o desejo de ser independente, descobre-se a beleza da liberdade e o valor do respeito.  Essa atitude vai, quase sempre contra as idéias dos pais , na maioria das vezes sentem medo de perder o controle da situação. Para os pais os filhos são sempre crianças.  Os adolescentes reclamam da falta de liberdade e da falta de confiança dos pais.
  • 12.  A convivência com os adolescentes é cheia de surpresas, apresentam constantes alterações de humor, num momento estão estonteantes de alegria por causa da descoberta, no outro ficam profundamente frustrados por causa da mesma descoberta.  São indecisos e carentes, mas são rebeldes e defensivos.  É necessário aprender a respeitar os limites.  A compreensão é, sem dúvida, fundamental para que sinta-se numa ambiente amigável e confiável para agir de forma natural, espontânea e sensata.
  • 13. Adolescência e religião  Praticar os ideais da religião em casa. A verdadeira religião implica na aceitação de si próprio e de seu semelhante com profundo respeito mútuo, não importa qual a sua religião e sim ver “Deus” como universal.  Adolescência é a fase de intenso misticismo ou ateísmo absoluto, migrações para crenças contrárias as dos pais, gerando conflitos.
  • 14. A rebeldia do adolescente, com relação a religião, ocorre muitas vezes, porque querem que cumpra ou seja responsável por uma prática religiosa que não vê em ninguém. Existe 3 causas principais do abandono da fé pelos adolescentes:  - relação turbulenta entre estes e seus pais;  -incoerência do discurso religioso com a prática religiosa;  -novos conceitos formados sobre religião. O adolescente precisa descobrir e construir sua identidade religiosa. Quem ensina religião deve viver o que ensina.
  • 15. Família e o adolescente  O Estatuto da Criança e do Adolescente, em seu Capítulo III, Seção I, Artigo 19, estabelece que:  “ Toda criança ou adolescente tem direito a ser criado e educado no seio da sua família e, excepcionalmente em família substituta, assegurada a convivência familiar e comunitária...”
  • 16.  Uma relação ideal entre o adolescente e a família seria o mesmo que a relação entre a mão e a água: “ se fecharmos muito a mão, a água sai; se abrimos muito a mão, a água também sai. Vamos tentar a mão semi-aberta, em concha, e a água em equilíbrio lá dentro”.  A família e a sociedade impõe regras pelo fato de não querer que os adolescentes percam valores familiares adquiridos na infância.
  • 17.  Sabe-se portanto que a família é fundamental nesta fase, é o alicerce para a formação do adolescente e o diálogo deve ser um exercício contínuo no dia a dia.  “A adolescência é como um segundo parto: O filho nasce da família para entrar na sociedade” NA FAMÍLIA VIVE-SE. CONHECE-SE. RECONHECE-SE