SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
O Efeito Fotoelétrico
       O efeito fotoelétrico teve sua descoberta por
Henrich Hertz entre 1886 e 1887, onde era explicado
pela física clássica. Porém, com o passar do tempo e
complexidade do fenômeno esses conceitos não foram
suficientes para continuar a explica-lo, dando então
oportunidade para Albert Einstein descrevê-lo através
de conceitos modernos propostos pelo mesmo em 1905.
A quantização da energia foi uma das propostas de
Einstein, a qual pode ser considerada semelhante à de
Max Planck que em 1900 trabalhando em outro
experimento, chamado corpo negro, postulou que a
energia era discreta ou quantizada, ou seja, E = h.f,
onde h é uma constante, a qual em sua homenagem é chamada de constante de Planck que
equivale a 6,6 x 10-34 J.s e f a frequência da luz em questão.

       Einstein defendia a tense de que para a ocorrência da ejeção imediata de elétrons da
superfície, a energia da radiação, ou seja, as ondas eletromagnéticas estariam concentradas
em pacotes, os chamados fótons e não distribuída sobre a onda, como previa o modelo
clássico. É interessante ressaltar que um fóton é um quantum, ou seja, partícula de energia
eletromagnética.

       O efeito fotoelétrico de fato é quando a luz incide sobre a superfície de um metal, e
elétrons são emitidos por ela. Os elétrons arrancados do metal não saem todos com a
mesma energia. Suas energias são distribuídas entre um valor mínimo e um máximo.
Einstein afirma que a taxa de emissão de fotoelétrons é diretamente proporcional à
intensidade da luz incidente. Os fotoelétrons devem adquirir energia suficiente para serem
ejetados, para que não fiquem fixos na superfície de um metal.
A equação de Einstein na forma adequada para a verificação experimental:

                                           E = hf – f.

       Neste caso, E é dado em volts, h em ev.s (Eletro Volts x Segundo), f em Hz (Hertz).
A partir da sua equação, Einstein fez a seguinte proposta para ser verificada
experimentalmente: variando-se a frequência, n, da luz incidente e plotando-se E versus n,
obtêm-se uma reta, cujo coeficiente angular deve ser h/e. Este foi o primeiro experimento
que demonstrou a universalidade da constante de Planck. Isto é, h é uma constante
independente do material irradiado.

       E baseado nessa experiência proposta por Albert Einstein foi que desenvolvemos o
nosso experimento.

       Utilizamos os seguintes valores na tabela abaixo que corresponde ao material que
fora proposto à equipe: Mercúrio (Lâmpada de Arco), para gerar dados que posteriormente
será aproveitado na obtenção do gráfico.


                           Mercúrio (Lâmpada de Arco)
                                      3126
                                      3131
                                      3650
                                      4047
                                      4358
                                      4916
                                      4960
                                      5461
                                      5770
                                      5791
                                      6152
                                      6232*

* Obs.: Através da obtenção dos dados percebemos que o valor 6232 não ocorre à emissão
do fóton, por ser um valor alto comparado com os outros.
Segue abaixo os dados obtidos a partir da simulação do efeito fotoelétrico (mostrada
na figura abaixo)




                                    Metal = Potássio
                      Comprimento de Onda          Potencial Vo
                               3126                    1.975
                               3131                    1.969
                               3650                    1.404
                               4047                     1.07
                               4358                    0.851
                               4916                    0.528
                               4960                    0.505
                               5461                    0.275
                               5770                    0.154
                               5791                    0.146
                               6152                   0.0194
                     Energia de arranque φ = -2.001
                     Constante de Planck h = 6.624.10-34 Js
Gráfico obtido a partir dos dados acima:




Calculamos a Energia de Arranque e a Constante de Planck a partir do gráfico obtido:

Obs.1: Através das nossas pesquisas, percebemos que energia de arranque dos elétrons do
metal, pode ser considerada como o valor obtido no gráfico do parâmetro b que fica na
parte superior da simulação.

Portanto:

A Energia de arranque φ = -2.001

Obs.2: Seguindo as nossas pesquisas, a inclinação da reta, pode ser tomada como base o
valor do parâmetro a (que fica na parte superior da simulação) e mede o cociente entre as
constantes fundamentais h/e, onde h é a constante de Planck e e é a carga do elétron.
Portanto:

h/e = 0.414

h = a.1.6.10-19 /1014 Js

h = (0.414.1.6. 10-19)/1014

h = 6.624.10-20 /1014

h = 6.624.10-34 Js (A nossa Constante de Planck a partir dos nossos dados)

       Comparando o nosso valor encontrado com o verdadeiro valor da constante de
Planck que é de h = 6.63 10-34 Js, percebemos que os valores são praticamente idênticos,
apenas diferentes por questões de aproximação.
Referências:

http://www.fisica.ufs.br/egsantana/cuantica/fotoelectrico/fotoelectrico.htm

http://www.fis.ufba.br/~edmar/fis101/roteiros/Fotoeletrico.pdf

http://www.if.ufrgs.br/einstein/efeitofotoeletricoindex.html

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pratica 2 - Carga específica do Elétron
Pratica 2 - Carga específica do ElétronPratica 2 - Carga específica do Elétron
Pratica 2 - Carga específica do ElétronElissandro Mendes
 
Efeito fotoelétrico
Efeito fotoelétricoEfeito fotoelétrico
Efeito fotoelétricoNuno Santos
 
Teste chama espectroscopia
Teste chama espectroscopiaTeste chama espectroscopia
Teste chama espectroscopiaTuany Mariah
 
www.aulasdefisicaapoio.com - Física – Potencial Elétrico
www.aulasdefisicaapoio.com - Física – Potencial Elétricowww.aulasdefisicaapoio.com - Física – Potencial Elétrico
www.aulasdefisicaapoio.com - Física – Potencial ElétricoVideoaulas De Física Apoio
 
lei gauss - questões resolvidas
lei gauss - questões resolvidaslei gauss - questões resolvidas
lei gauss - questões resolvidasNíkolas Marques
 
Segunda Lei da Termodinâmica e Máquinas Térmicas
Segunda Lei da Termodinâmica e Máquinas TérmicasSegunda Lei da Termodinâmica e Máquinas Térmicas
Segunda Lei da Termodinâmica e Máquinas TérmicasCarlos Alberto Alves
 
Chap1 intro to-accelerators_final
Chap1 intro to-accelerators_finalChap1 intro to-accelerators_final
Chap1 intro to-accelerators_finalSanjay Dubey
 
Sommerfeld corrections to Bohr model.pdf
Sommerfeld corrections to Bohr model.pdfSommerfeld corrections to Bohr model.pdf
Sommerfeld corrections to Bohr model.pdfSaiKalyani11
 
Efeito Fotoelétrico
Efeito FotoelétricoEfeito Fotoelétrico
Efeito FotoelétricoPibid Física
 
Fisica 02 - Ondas I
Fisica 02 - Ondas IFisica 02 - Ondas I
Fisica 02 - Ondas IWalmor Godoi
 
Relatório Radiação de corpo negro
Relatório Radiação de corpo negro Relatório Radiação de corpo negro
Relatório Radiação de corpo negro Marcelo Alexandre
 
2017 aula fisica atomica e nuclear i
2017 aula fisica atomica e nuclear i2017 aula fisica atomica e nuclear i
2017 aula fisica atomica e nuclear iIPEN - CNEN / SP
 
Problemas selecionados de eletricidade - PROFESSOR HELANDERSON SOUSA
Problemas selecionados de eletricidade - PROFESSOR HELANDERSON SOUSAProblemas selecionados de eletricidade - PROFESSOR HELANDERSON SOUSA
Problemas selecionados de eletricidade - PROFESSOR HELANDERSON SOUSADayanne Sousa
 

Mais procurados (20)

Pratica 2 - Carga específica do Elétron
Pratica 2 - Carga específica do ElétronPratica 2 - Carga específica do Elétron
Pratica 2 - Carga específica do Elétron
 
Volumetria de neutralizacao
Volumetria de neutralizacaoVolumetria de neutralizacao
Volumetria de neutralizacao
 
Efeito fotoelétrico
Efeito fotoelétricoEfeito fotoelétrico
Efeito fotoelétrico
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
 
Teste chama espectroscopia
Teste chama espectroscopiaTeste chama espectroscopia
Teste chama espectroscopia
 
Pêndulo físico
Pêndulo físicoPêndulo físico
Pêndulo físico
 
www.aulasdefisicaapoio.com - Física – Potencial Elétrico
www.aulasdefisicaapoio.com - Física – Potencial Elétricowww.aulasdefisicaapoio.com - Física – Potencial Elétrico
www.aulasdefisicaapoio.com - Física – Potencial Elétrico
 
lei gauss - questões resolvidas
lei gauss - questões resolvidaslei gauss - questões resolvidas
lei gauss - questões resolvidas
 
Segunda Lei da Termodinâmica e Máquinas Térmicas
Segunda Lei da Termodinâmica e Máquinas TérmicasSegunda Lei da Termodinâmica e Máquinas Térmicas
Segunda Lei da Termodinâmica e Máquinas Térmicas
 
Chap1 intro to-accelerators_final
Chap1 intro to-accelerators_finalChap1 intro to-accelerators_final
Chap1 intro to-accelerators_final
 
Gases e transformações
Gases  e transformaçõesGases  e transformações
Gases e transformações
 
Sommerfeld corrections to Bohr model.pdf
Sommerfeld corrections to Bohr model.pdfSommerfeld corrections to Bohr model.pdf
Sommerfeld corrections to Bohr model.pdf
 
Efeito Fotoelétrico
Efeito FotoelétricoEfeito Fotoelétrico
Efeito Fotoelétrico
 
Ondas Eletromagnéticas
Ondas EletromagnéticasOndas Eletromagnéticas
Ondas Eletromagnéticas
 
Fisica 02 - Ondas I
Fisica 02 - Ondas IFisica 02 - Ondas I
Fisica 02 - Ondas I
 
Relatório Radiação de corpo negro
Relatório Radiação de corpo negro Relatório Radiação de corpo negro
Relatório Radiação de corpo negro
 
2017 aula fisica atomica e nuclear i
2017 aula fisica atomica e nuclear i2017 aula fisica atomica e nuclear i
2017 aula fisica atomica e nuclear i
 
Efeito estufa
Efeito estufaEfeito estufa
Efeito estufa
 
Introduction to DFT Part 1
Introduction to DFT Part 1 Introduction to DFT Part 1
Introduction to DFT Part 1
 
Problemas selecionados de eletricidade - PROFESSOR HELANDERSON SOUSA
Problemas selecionados de eletricidade - PROFESSOR HELANDERSON SOUSAProblemas selecionados de eletricidade - PROFESSOR HELANDERSON SOUSA
Problemas selecionados de eletricidade - PROFESSOR HELANDERSON SOUSA
 

Destaque

Relatorio_3_DSC_Leite_IR
Relatorio_3_DSC_Leite_IRRelatorio_3_DSC_Leite_IR
Relatorio_3_DSC_Leite_IRpdfup2k14
 
01 rad corpo_negro_-_exercicios
01 rad corpo_negro_-_exercicios01 rad corpo_negro_-_exercicios
01 rad corpo_negro_-_exerciciosRaquel Pereira
 
Efeito fotoelétrico
Efeito fotoelétricoEfeito fotoelétrico
Efeito fotoelétricoNilce Backes
 
Teoria De Planck Para A Radia O Do Corpo Negro
Teoria De Planck Para A Radia O Do Corpo NegroTeoria De Planck Para A Radia O Do Corpo Negro
Teoria De Planck Para A Radia O Do Corpo NegroCristiane Tavolaro
 
Aula 5 - Introdução à Quântica
Aula 5 -  Introdução à QuânticaAula 5 -  Introdução à Quântica
Aula 5 - Introdução à QuânticaNewton Silva
 
Planck E A Radiacao Do Corpo Negro
Planck E A Radiacao Do Corpo NegroPlanck E A Radiacao Do Corpo Negro
Planck E A Radiacao Do Corpo NegroCristiane Tavolaro
 
Radiação de Corpo Negro
Radiação de Corpo NegroRadiação de Corpo Negro
Radiação de Corpo NegroPibid Física
 
Física Moderna para o Vestibular e o ENEM (Word) - Conteúdo vinculado ao blog...
Física Moderna para o Vestibular e o ENEM (Word) - Conteúdo vinculado ao blog...Física Moderna para o Vestibular e o ENEM (Word) - Conteúdo vinculado ao blog...
Física Moderna para o Vestibular e o ENEM (Word) - Conteúdo vinculado ao blog...Rodrigo Penna
 

Destaque (15)

Relatorio_3_DSC_Leite_IR
Relatorio_3_DSC_Leite_IRRelatorio_3_DSC_Leite_IR
Relatorio_3_DSC_Leite_IR
 
01 rad corpo_negro_-_exercicios
01 rad corpo_negro_-_exercicios01 rad corpo_negro_-_exercicios
01 rad corpo_negro_-_exercicios
 
Pratica5
Pratica5Pratica5
Pratica5
 
Pratica 4 - Corpo Negro
Pratica 4 - Corpo NegroPratica 4 - Corpo Negro
Pratica 4 - Corpo Negro
 
5 Efeito Fotoeletrico1
5 Efeito Fotoeletrico15 Efeito Fotoeletrico1
5 Efeito Fotoeletrico1
 
Efeito fotoelétrico
Efeito fotoelétricoEfeito fotoelétrico
Efeito fotoelétrico
 
Teoria De Planck Para A Radia O Do Corpo Negro
Teoria De Planck Para A Radia O Do Corpo NegroTeoria De Planck Para A Radia O Do Corpo Negro
Teoria De Planck Para A Radia O Do Corpo Negro
 
Aula 5 - Introdução à Quântica
Aula 5 -  Introdução à QuânticaAula 5 -  Introdução à Quântica
Aula 5 - Introdução à Quântica
 
6 Efeito Fotoeletrico2
6 Efeito Fotoeletrico26 Efeito Fotoeletrico2
6 Efeito Fotoeletrico2
 
Efeito fotoeletrico
Efeito fotoeletricoEfeito fotoeletrico
Efeito fotoeletrico
 
Planck E A Radiacao Do Corpo Negro
Planck E A Radiacao Do Corpo NegroPlanck E A Radiacao Do Corpo Negro
Planck E A Radiacao Do Corpo Negro
 
Radiação de Corpo Negro
Radiação de Corpo NegroRadiação de Corpo Negro
Radiação de Corpo Negro
 
Max planck
Max planckMax planck
Max planck
 
Física Moderna para o Vestibular e o ENEM (Word) - Conteúdo vinculado ao blog...
Física Moderna para o Vestibular e o ENEM (Word) - Conteúdo vinculado ao blog...Física Moderna para o Vestibular e o ENEM (Word) - Conteúdo vinculado ao blog...
Física Moderna para o Vestibular e o ENEM (Word) - Conteúdo vinculado ao blog...
 
Pp Da 1ª Aula 10º Ano
Pp Da 1ª Aula 10º AnoPp Da 1ª Aula 10º Ano
Pp Da 1ª Aula 10º Ano
 

Mais de eletrofisica

Relatório luana lima, maria júlia, ramom freitas e uendeo luz
Relatório   luana lima, maria júlia, ramom freitas e uendeo luzRelatório   luana lima, maria júlia, ramom freitas e uendeo luz
Relatório luana lima, maria júlia, ramom freitas e uendeo luzeletrofisica
 
Relatório de fisica(1)
Relatório de fisica(1)Relatório de fisica(1)
Relatório de fisica(1)eletrofisica
 
R elatório de fisica
R elatório de fisicaR elatório de fisica
R elatório de fisicaeletrofisica
 
Entrevista com weber ofciial2
Entrevista com weber  ofciial2Entrevista com weber  ofciial2
Entrevista com weber ofciial2eletrofisica
 
Entrevista com oerested ok
Entrevista com oerested okEntrevista com oerested ok
Entrevista com oerested okeletrofisica
 
Entrevista com hertz
Entrevista com hertzEntrevista com hertz
Entrevista com hertzeletrofisica
 

Mais de eletrofisica (8)

Relatório luana lima, maria júlia, ramom freitas e uendeo luz
Relatório   luana lima, maria júlia, ramom freitas e uendeo luzRelatório   luana lima, maria júlia, ramom freitas e uendeo luz
Relatório luana lima, maria júlia, ramom freitas e uendeo luz
 
Relatório de fisica(1)
Relatório de fisica(1)Relatório de fisica(1)
Relatório de fisica(1)
 
R elatório de fisica
R elatório de fisicaR elatório de fisica
R elatório de fisica
 
Entrevista com weber ofciial2
Entrevista com weber  ofciial2Entrevista com weber  ofciial2
Entrevista com weber ofciial2
 
Entrevista com oerested ok
Entrevista com oerested okEntrevista com oerested ok
Entrevista com oerested ok
 
Biografia 2 blog
Biografia 2 blogBiografia 2 blog
Biografia 2 blog
 
Biografia 2 blog
Biografia 2 blogBiografia 2 blog
Biografia 2 blog
 
Entrevista com hertz
Entrevista com hertzEntrevista com hertz
Entrevista com hertz
 

Física relatório - o efeito fotoelétrico

  • 1. O Efeito Fotoelétrico O efeito fotoelétrico teve sua descoberta por Henrich Hertz entre 1886 e 1887, onde era explicado pela física clássica. Porém, com o passar do tempo e complexidade do fenômeno esses conceitos não foram suficientes para continuar a explica-lo, dando então oportunidade para Albert Einstein descrevê-lo através de conceitos modernos propostos pelo mesmo em 1905. A quantização da energia foi uma das propostas de Einstein, a qual pode ser considerada semelhante à de Max Planck que em 1900 trabalhando em outro experimento, chamado corpo negro, postulou que a energia era discreta ou quantizada, ou seja, E = h.f, onde h é uma constante, a qual em sua homenagem é chamada de constante de Planck que equivale a 6,6 x 10-34 J.s e f a frequência da luz em questão. Einstein defendia a tense de que para a ocorrência da ejeção imediata de elétrons da superfície, a energia da radiação, ou seja, as ondas eletromagnéticas estariam concentradas em pacotes, os chamados fótons e não distribuída sobre a onda, como previa o modelo clássico. É interessante ressaltar que um fóton é um quantum, ou seja, partícula de energia eletromagnética. O efeito fotoelétrico de fato é quando a luz incide sobre a superfície de um metal, e elétrons são emitidos por ela. Os elétrons arrancados do metal não saem todos com a mesma energia. Suas energias são distribuídas entre um valor mínimo e um máximo. Einstein afirma que a taxa de emissão de fotoelétrons é diretamente proporcional à intensidade da luz incidente. Os fotoelétrons devem adquirir energia suficiente para serem ejetados, para que não fiquem fixos na superfície de um metal.
  • 2. A equação de Einstein na forma adequada para a verificação experimental: E = hf – f. Neste caso, E é dado em volts, h em ev.s (Eletro Volts x Segundo), f em Hz (Hertz). A partir da sua equação, Einstein fez a seguinte proposta para ser verificada experimentalmente: variando-se a frequência, n, da luz incidente e plotando-se E versus n, obtêm-se uma reta, cujo coeficiente angular deve ser h/e. Este foi o primeiro experimento que demonstrou a universalidade da constante de Planck. Isto é, h é uma constante independente do material irradiado. E baseado nessa experiência proposta por Albert Einstein foi que desenvolvemos o nosso experimento. Utilizamos os seguintes valores na tabela abaixo que corresponde ao material que fora proposto à equipe: Mercúrio (Lâmpada de Arco), para gerar dados que posteriormente será aproveitado na obtenção do gráfico. Mercúrio (Lâmpada de Arco) 3126 3131 3650 4047 4358 4916 4960 5461 5770 5791 6152 6232* * Obs.: Através da obtenção dos dados percebemos que o valor 6232 não ocorre à emissão do fóton, por ser um valor alto comparado com os outros.
  • 3. Segue abaixo os dados obtidos a partir da simulação do efeito fotoelétrico (mostrada na figura abaixo) Metal = Potássio Comprimento de Onda Potencial Vo 3126 1.975 3131 1.969 3650 1.404 4047 1.07 4358 0.851 4916 0.528 4960 0.505 5461 0.275 5770 0.154 5791 0.146 6152 0.0194 Energia de arranque φ = -2.001 Constante de Planck h = 6.624.10-34 Js
  • 4. Gráfico obtido a partir dos dados acima: Calculamos a Energia de Arranque e a Constante de Planck a partir do gráfico obtido: Obs.1: Através das nossas pesquisas, percebemos que energia de arranque dos elétrons do metal, pode ser considerada como o valor obtido no gráfico do parâmetro b que fica na parte superior da simulação. Portanto: A Energia de arranque φ = -2.001 Obs.2: Seguindo as nossas pesquisas, a inclinação da reta, pode ser tomada como base o valor do parâmetro a (que fica na parte superior da simulação) e mede o cociente entre as constantes fundamentais h/e, onde h é a constante de Planck e e é a carga do elétron.
  • 5. Portanto: h/e = 0.414 h = a.1.6.10-19 /1014 Js h = (0.414.1.6. 10-19)/1014 h = 6.624.10-20 /1014 h = 6.624.10-34 Js (A nossa Constante de Planck a partir dos nossos dados) Comparando o nosso valor encontrado com o verdadeiro valor da constante de Planck que é de h = 6.63 10-34 Js, percebemos que os valores são praticamente idênticos, apenas diferentes por questões de aproximação.