Semio

1.272 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.272
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Semio

  1. 1. SEMIOLOGIA DO RECÉM-NASCIDO Disciplina de Propedêutica - 2012
  2. 2. Anamnese Idealmente consulta pré-natal com o pediatra Dados são obtidos da mãe, familiares próximos. Informações obtidas na carteira do pré-natal Conversa com o obstetra e anestesista Registros dos prontuários
  3. 3. Antecedentes maternos Paridade Problemas em gestações anteriores Tipagem sanguínea (mãe e pai) Doenças Drogas Tabagismo Álcool
  4. 4. Antecedentes Familiares Doenças genéticas Congênitas (ex cardiopatias) Consanguinidade Doenças em familiares próximos
  5. 5. História da gestação Pré-natal (quantas consultas, onde) Exames de rotina do pré-natal − Diabetes − Hipertensão − Uso de medicações, drogas, fumo, álcool − Infecção urinária − Hepatite, sífilis, toxo – primeiro e último trimestre Intercorrências, anormalidades
  6. 6. Dados do parto ou nascimento Tipo de parto Tempo de ruptura da bolsa (>18h associado >risco de infecção) Problemas, alterações na monitoração, hipotensão Apgar Necessidade de reanimação
  7. 7. Evolução do bebê até o momento da avaliação Comportamento Alimentação − Tipo de leite − Amamentação (avaliação detalhada) − Ganho de peso Eliminações Vômitos
  8. 8. Exame físico do RN Aspectos importantes Durante o período de internação após nascimento: - Exame inicial rápido – Sinais vitais, Apgar, malformações maiores, necessidade de reanimação - Exame completo após contato inicial com a mãe - Avaliação de alta: - Exame e verificações com atenção especial nas alterações que ocorrem nos dias seguintes (ex. icterícia, sopros, amamentação, descida do leite, eliminações, além de repetir avaliações para garantir que tenham sido realizadas)
  9. 9. DEFINIÇÕES IMPORTANTES
  10. 10. CURVA PESO/IDADE GESTACIONAL
  11. 11. DADOS ANTROPOMÉTRICOS PESO CORPORAL: 3300g - meninosPESO CORPORAL: 3300g - meninos 3100g - meninas3100g - meninas Perda de 5 a 8% do peso inicial nos primeiros 3 dias de vida Máximo: 10% - perda de água e reduzida ingestão Recupera peso nascimento entre 8º e 15º dia de vida
  12. 12. Exame do RN – Momento do exame Ambiente ideal Preferentemente na frente dos pais Ordem variável de acordo com estado de atividade do RN Alerta tranquilo Choroso Dormindo
  13. 13. Avaliação da idade gestacional Muito importante quando a idade gestacional obstétrica não é precisa Métodos usados em nosso hospital •Método de Capurro (bebês termo e prematuro tardio •Método de Ballard (características físicas e exame neurológico)
  14. 14. Método de Capurro Textura da pele Forma da orelha Glândula mamária Aréola Pregas plantares
  15. 15. Logo ao nascer - Sinais Vitais e Apgar 1 e 5 minutos  Está respirando (FR normal 30 – 60) − regular(2), gasping (1), apnéia (0)  Coração está batendo (pulso umbilical ou aulsculta – FC 90 – 160bpm) − Ausente (0), < 100 (1) e > 100 (2)  Cor - rosado (2), cianótico (0), pálido (0), cianose de extremidades (1)  Tônus – membros flexionados (2), parcialmente (1) e flácido (0)  Reatividade reflexa – resposta ao estímulo – reage intensamente (2), careta (1) e sem resposta (0) * itens sublinhados são os utilizados para decidir quanto a necessidade de intervenção
  16. 16. OBSERVAÇÃO GERAL A OBSERVAÇÃO ATENTA MUITO RICA EM INFORMAÇÕES  CARACTERÍSTICAS FACIAIS (FÁCIES TÍPICA OU ATÍPICA, FENDAS PALPEBRAIS, OLHOS, DISTÂNCIA ENTRE OS OLHOS, POSIÇÃO, FORMA E ROTAÇÃO DAS ORELHAS, FORMA DO CRÂNIO  POSTURA DO BEBÊ  ATIVIDADE  COR (CIANOSE, ACROCIANOSE, ROSADO, CORADO, HIPOCORADO)  PADRÃO RESPIRATÓRIO  MOVIMENTOS ANORMAIS
  17. 17. CRÂNIO-FACE: - Fontanela: tamanho, tensão em nível, suturas, crâniotabes, conformação, perímetro cefálico, facies - Olhos: hemorragia subconjuntival, turvação de córnea, reflexos luminosos, catarata - Ouvidos: mal posição e mal formação, otoscopia - Nariz: patência das narinas, coanas, secreção - Boca: palato, língua, faringe
  18. 18. Exame da pele  Deve ser inspecionada para verificar a integridade, a presença de lesões e coloração.  Deve-se reconhecer alterações comuns e normais da pele  Deve-se conhecer as alterações da pele relacionadas à idade gestacional RN à termo - Sedosa, rósea, úmida, com turgor e elasticidadeRN à termo - Sedosa, rósea, úmida, com turgor e elasticidade normais – em RN apropriado para idade gestacional e com boanormais – em RN apropriado para idade gestacional e com boa nutrição intra-úteronutrição intra-útero Pré-termo – coberta com vérnix caseoso, lanugoPré-termo – coberta com vérnix caseoso, lanugo Pós-termo – descamação difusa, pele secaPós-termo – descamação difusa, pele seca
  19. 19. Aparelho Respiratório Freqüência normal: 30 – 40 no RNT e 30 – 60 no RNPT Ritmo: padrão respiratório, expansibilidade, esforço, tiragens, batimentos, apnéia, respiração periódica. Aulsculta: entrada de ar, simetria, ruídos adventícios (crepitações, roncos, sibilos, estridor, gemidos)
  20. 20. ACV: FC normal: 90 a 160bpm (pode ser mais - choro) Ictus impulsões, sopros, bulhas (fonese e desdobramentos), pulsos radial, femoral e pedioso, cianose central, sinais de ICC ABDÔMEN: Volume e tensão (escavado, plano, distendido), excesso de salivação, fígado, baço, massas, peristaltismo, hérnias, diastase de retos, coto umbilical
  21. 21. COMPRIMENTO 1. Medir o RN em posição deitada 2. Utilizar régua graduada em centímetros com extremidade fixa e outra móvel (Cursor). 3. Média: 50 cm
  22. 22. GENITÁLIA: Características sexuais, testículos, secreção vaginal. Averiguar se tamanho do pênis e clitóris são normais. ÂNUS: Patência (descartar imperfuração anal), posição. EXTREMIDADES: - Mal formações, coxofemural, tocotraumatismos (fraturas, paralisias), mielomeningocele, limitações articulares, Ortolani e Barlow para exclusão de luxação de quadril.
  23. 23. PERIMETRO CEFÁLICO (PC) É definido como a medida da circunferência do crânio em centímetros. Técnica de aferição: Passar fita métrica bem esticada no crânio objetivando-se medir a circunferência máxima do mesmo. Ponto de referência posterior: Protuberância do osso occipital Ponto de referência anterior: Borda supra-orbitária do osso frontal Valor médio: 34 cm É o maior perímetro ao nascimento.
  24. 24. PERIMETRO CEFÁLICO (PC) É definido como a medida da circunferência do crânio em centímetros. Técnica de aferição: Passar fita métrica bem esticada no crânio objetivando-se medir a circunferência máxima do mesmo. Ponto de referência posterior: Protuberância do osso occipital Ponto de referência anterior: Borda supra-orbitária do osso frontal Valor médio: 34 cm É o maior perímetro ao nascimento.
  25. 25. Exame neurológico  Avaliação do tônus, reflexos próprios do RN, avaliação de funções superiores muito difícil  Testar sustentação cervical (tônus), presença dos reflexos (preensão palmar e plantar, sucção, moro, marcha reflexa, reptação, fuga a asfixia). Reflexos desaparecem nos meses que seguem. Reflxo cutâneo plantar em extensão até 1 ano.  Pode-se testar reflexos tendinosos e pares cranianos.
  26. 26. MEDIDAS DE UM RECÉM-NASCIDO A TERMO
  27. 27. MEDIDA DO COMPRIMENTO EM RN
  28. 28. BNLago beatrizmedpuc@pucrs.br Descamação da pele por pós-datismo
  29. 29. BNLago beatrizmedpuc@pucrs.br Vernix caseoso
  30. 30. BNLago beatrizmedpuc@pucrs.br
  31. 31. ERITEMA TÓXICO
  32. 32. BNLago beatrizmedpuc@pucrs.br
  33. 33. BNLago beatrizmedpuc@pucrs.br
  34. 34. LOCALIZAÇÃO DAS HEMORRAGIAS
  35. 35. CIANOSECIANOSE Acrocianose - localizada (extremidades ou perioral) em RNAcrocianose - localizada (extremidades ou perioral) em RN normais desaparece em poucos dias.normais desaparece em poucos dias. Pode ser precipitada por hipotermia.Pode ser precipitada por hipotermia. Generalizada: cardiopatia congênita, insuficiênciaGeneralizada: cardiopatia congênita, insuficiência respiratória, apnéia, infecção grave, convulsões, alteraçõesrespiratória, apnéia, infecção grave, convulsões, alterações metabólicasmetabólicas
  36. 36. PETÉQUIAS E PÚRPURASPETÉQUIAS E PÚRPURAS Atrito da pele contra o canal do parto pode provocar estaseAtrito da pele contra o canal do parto pode provocar estase aguda sanguínea e congestão capilaraguda sanguínea e congestão capilar Máscara equimótica– apresentações de face e circulares deMáscara equimótica– apresentações de face e circulares de cordãocordão
  37. 37. MANCHA MONGÓLICAMANCHA MONGÓLICA Cor marrom-azulada, ocorre principalmente naCor marrom-azulada, ocorre principalmente na região sacral.região sacral.
  38. 38. CUTIS MARMORATACUTIS MARMORATA Achado comum em recém-nascidos normais.Achado comum em recém-nascidos normais. A aparência de uma fina trama reticulada é devida àA aparência de uma fina trama reticulada é devida à instabilidade vasomotora que é mais comumenteinstabilidade vasomotora que é mais comumente vista em prematuros.vista em prematuros.
  39. 39. ICTERÍCIAICTERÍCIA 50% dos RN à termo, normais50% dos RN à termo, normais apresentam icterícia clínica entre 2° eapresentam icterícia clínica entre 2° e 5º dia de vida5º dia de vida Progressão sentido crânio-caudalProgressão sentido crânio-caudal (anotar época do aparecimento).(anotar época do aparecimento).
  40. 40. BNLago beatrizmedpuc@pucrs.br Eritema tóxico
  41. 41. BNLago beatrizmedpuc@pucrs.br Lesões vesiculares originadas pelo acúmulo de suorLesões vesiculares originadas pelo acúmulo de suor devido à obstrução dos ductos sudoríferosdevido à obstrução dos ductos sudoríferos
  42. 42. DESORDENS VASCULARESDESORDENS VASCULARES HemangiomaHemangioma macular – mancha salmão – manchasmacular – mancha salmão – manchas avermelhadas nas pálpebras superiores e regiãoavermelhadas nas pálpebras superiores e região occipital – desaparecem até os 2 anos.occipital – desaparecem até os 2 anos.
  43. 43. TESTE DO REFLEXO VERMELHO
  44. 44. BNLago beatrizmedpuc@pucrs.br Omfalite por stafilococo
  45. 45. PALPAÇÃO DO ABDOMEN
  46. 46. BNLago beatrizmedpuc@pucrs.br
  47. 47. BNLago beatrizmedpuc@pucrs.br
  48. 48. BNLago beatrizmedpuc@pucrs.br
  49. 49. PESQUISAR LUXAÇÃO CONGÊNITA DO QUADRIL
  50. 50. OBSERVAR O DORSO E A COLUNA VERTEBRAL
  51. 51. Transiluminação
  52. 52. PÉ TORTO POSICIONAL PÉ TORTO CONGÊNITO BNLago beatrizmedpuc@pucrs.br
  53. 53. TOCOTRAUMATISMO
  54. 54. BNLago beatrizmedpuc@pucrs.br
  55. 55. REFLEXO DE MORO
  56. 56. REFLEXO DE REPTAÇÃO
  57. 57. AVALIAÇÃO DO TÔNUS DO RN
  58. 58. FIM

×