Trabalho de biologia

24.154 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
6 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
24.154
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
49
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
1
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho de biologia

  1. 1. 2ºELD<br />Trabalho de Biologia<br />Nome:<br />Danilo Saito<br />Guilherme Ito<br />Luiz Felipe<br />Rogério Shakata<br />Victor Andrés<br />RA:<br />09047<br />09052<br />09060<br />09074<br />09076<br />Doenças<br />
  2. 2. O trabalho vai apresentar as seguintes doenças <br />Vírus <br />Bactéria<br />Poliomielite - [Slides 3-9]<br />Varicela (catapora) - [Slides 10-16]<br />Paroditite infecciosa (caxumba) – <br /> [Slides 17-23]<br /><ul><li>Cólera – [Slides 24-30]
  3. 3. Tuberculose – </li></ul> [Slides 31-37]<br /><ul><li>Acne – [Slides 38-44]
  4. 4. Gonorréia – </li></ul> [Slides 45-51]<br /><ul><li>Cistite – [Slides 52-58]</li></li></ul><li>Poliomielite<br /> A poliomielite é causada pelo poliovírus, um vírus não envelopado composto por RNA de cadeia simples, que ataca preferencialmente as células nervosas motoras.<br />Poliovírus<br />http://www.arquivomedico.hpg.ig.com.br/polioviruspoliomielite.htm<br />
  5. 5. Ciclo evolutivo<br /> A multiplicação inicial do poliovírus ocorre nos locais por onde penetra no organismo (garganta e intestinos). Em seguida dissemina-se pela corrente sangüínea e, então, infecta o sistema nervoso, onde a sua multiplicação pode ocasionar a destruição de células (neurônios motores), o que resulta em paralisia flácida. <br />
  6. 6. Sintomas<br /><ul><li>Em 90% dos casos não há sintomas.</li></ul>Quando há paralisia:<br /><ul><li>Deficiência motora
  7. 7. Febre
  8. 8. Paralisia
  9. 9. Flacidez muscular
  10. 10. diarréia</li></li></ul><li>Como é o vírus<br />É um vírus composto de cadeia simples de RNA, sem envoltório, esférico, de 24-30 nm de diâmetro, do gênero Enterovírus, da família Picornaviridae.<br />http://osseresvivos.blog.terra.com.br/files/2008/04/virus-poliomielite.jpg<br />
  11. 11. Contágio<br />Modo de transmissão: Fecal-oral<br />Ingestão de substâncias contaminados por fezes infectadas<br />Falta de higiene pessoal<br />Falta de saneamento na moradia<br />
  12. 12. Como diagnosticar e tratar<br />Exames:<br /> O diagnóstico é feito pelo isolamento e identificação do vírus nas fezes, preferencialmente nas primeiras duas semanas após a instalação da paralisia. <br />Tratamento:<br />Não há nenhuma droga que pode matar o poliovírus. São utilizados remédios em pessoas infectadas apenas com a intenção de amenizar a febre e dores musculares<br />
  13. 13. Sequelas<br />A complicação mais grave da poliomielite é a paralisia permanente. Embora a paralisia ocorra em menos de 1% dos casos, a debilidade permanente de um ou mais músculos é bastante frequente.<br />Pode haver também atrofia muscular, como mostra na foto a perna esquerda do menino.<br />http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/poliomielite/poliomielite-3.php<br />
  14. 14. Varicela<br /> Mais conhecida como “catapora”, a Varicela é uma doença infecciosa aguda, altamente transmissível, causada pelo vírus varicela-zóster. <br />http://static.hsw.com.br/gif/chickenpox-2.jpg<br />
  15. 15. Ciclo evolutivo<br />http://static.hsw.com.br/gif/chicken-pox-1.gif<br />
  16. 16. Sintomas<br />Febre.<br />Mal estar.<br />Falta de apetite.<br />Dor de cabeça.<br />Prurido (comichão).<br />Aparecimento de pequenas pápulas avermelhadas que evoluem rapidamente para pequenas vescículas com líquido cristalino.<br />
  17. 17. Como é o vírus <br /> Tem um tamanho de 150-200nm, possui um camada lipoprotéica e um núcleocapsídeo que envolve todo seu material genético<br />http://www.medicinapreventiva.com.ve/articulos/imagenes/varicela_zoster_virus.jpg<br />
  18. 18. Contágio<br /> É altamente contagiosa. A transmissão é via aérea, em gotas aerossolizadas de espirros ou tosse, ou pelo contato com pele infectada. A varicela é quase exclusivamente uma doença de crianças, enquanto a zóster é uma doença de idosos. <br />
  19. 19. Como diagnosticar e tratar<br /> O diagnóstico é por detecção do DNA viral; ou detecção dos antígenos virais ou anticorpos específicos por imunofluorescência.<br />O tratamento é dirigido ao abrandamento dos sintomas. A cura se faz por reação do próprio organismo.<br />
  20. 20. Sequelas<br /> Ela pode deixar sequelas neurológicas e causar morte e também pode deixar manchas vermelhas geradas durante o período em que o indivíduo esteve doente.<br />http://www.bicodocorvo.com.br/wp-content/uploads/2009/04/catapora-11.jpg<br />
  21. 21. Parotidite infecciosa<br /> A caxumba, também denominada papeira, parotidite infecciosa e parotidite endêmica; é uma doença viral cujo responsável pela infecção é o MyxovirusParotiditis pertencente a família Paramyxoviridae, gênero Rubulavírus. <br />MyxovirusParotiditis<br />http://fr.academic.ru/pictures/frwiki/82/Respiratory_Syncytial_Virus_%28RSV%29_EM_PHIL_2175_lores.jpg<br />
  22. 22. Ciclo evolutivo<br /> O vírus entra pela boca e alcança a parótida onde inicia sua multiplicação, invade a circulação sanguínea (viremia) tendo, então, a possibilidade de atingir outros órgãos como classicamente descritos: testículos (orqui-epididimite), ovários (ooforite), pâncreas (pancreatite), cérebro (encefalite). <br />
  23. 23. Inchaço e dor nas glândulas<br /> Dor de cabeça<br /> Dores musculares<br />Fraqueza<br />Febre, calafrios e dor ao engolir. <br />Em homens pode ocorrer inflamação nos testículos e nas mulheres inflamação nos ovários. <br />Sintomas<br />
  24. 24. Como é o vírus<br />http://www.adrenaline.com.br/forum/geral/142239-virus-desenhos-onde-achar.html<br />
  25. 25. Contágio<br /> É doença altamente contagiante, de transmissão preferentemente respiratória,. Os vírus se propagam por contato direto, gotículas aéreas (espirro ou tosse), objetos contaminados por saliva e provavelmente urina. O homem é o único hospedeiro natural. O vírus atravessa a placenta, não há relatos de malformação pelo vírus, mas é causa de abortamento espontâneo no primeiro trimestre da gravidez. O período de incubação (do contato até os primeiros sintomas) varia de 2 a 3 semanas<br />
  26. 26. Como diagnosticar e tratar<br /> O diagnóstico é feito pela titulagem de anticorpos que sobem cerca de 4 vezes o normal, pode haver aumento da amilase sangüínea. Devemos diferenciar a caxumba dos quadros de linfadenite cervical, parotidite supurada e parotidite recorrente<br />Não existe tratamento para a eliminação do vírus, sendo este visado apenas para aliviar os sintomas da doença. Assim, repouso e, em alguns casos, antitérmicos, analgésicos e compressas são indicados<br />
  27. 27. Sequelas<br /> Em alguns casos excepcionais surgem complicações, como a orqui-epididimite (inchamento dos testículos), ooforite (inchamento dos ovários), pancreatite, meningite e encefalite. <br />
  28. 28. Cólera<br /> A cólera é uma doença causada pela bactéria Vibriocholerae, que afeta somente o intestino dos seres humanos, produzindo uma toxina provocando diarréia intensa.<br />http://dhiez.files.wordpress.com/2008/05/cholera.jpg<br />
  29. 29. A incubação é de cerca de 5 dias. Após esse período começa abruptamente a diarréia aquosa. As perdas de água podem atingir os 20 litros por dia, com desidratação intensa e risco de morte, particularmente em crianças. Como são perdidos, na diarréia, sais assim como água, beber água doce ajuda mas não é tão eficaz como beber água com um pouco de sal. Todos os sintomas resultam da perda de água e eletrólitos. O risco de morte é de 50% se não tratada, sendo muito mais alto em crianças pequenas. <br />Ciclo evolutivo <br />
  30. 30. Sintomas<br />Diarréia volumosa e aquosa,tipo água de arroz, sempre sem sangue ou muco.<br />Dores abdominais.<br />Náuseas e vômitos.<br />Hipotensão com risco de choque hipovolêmico fatal, é a principal causa de morte na cólera.<br />Taquicardia.<br />Anúria.<br />Hipotermia.<br />
  31. 31. Como é a bactéria<br /> A bactéria Vibriocholeraeé um bastonete comcerca de 1-2 micrometros, Gram-negativa vivem em águas oceânicas e se locomove por flagelo, porém o número de bactérias é tão pequeno que não causam infecções.<br />http://www.trasancos.net/departamentos/bioxeo/images/bacterias/vibrio_cholerae.jpg<br />
  32. 32. Contágio<br /> Sua transmissão ocorre quando a pessoa consome dejetos fecais de doentes, principalmente em água contaminada. São necessários ao menos 100 milhões de víbrios para se infeccionar, já que eles não são resistentes a acidez gástrica e morrem em grande números.<br />
  33. 33. Como diagnosticar e tratar<br />O diagnóstico é por meio especializado alcalino de amostras fecais. A identificação é por microscópio. <br />O tratamento imediato é o soro caseiro para repor a água e os sais minerais. No hospital, é administrado de emergência por via intravenosa solução salina. Medicamentos anti-diarreicos não são indicados, já que facilitam a multiplicação da bactéria por diminuírem o peristaltismo intestinal.<br />
  34. 34. Sequelas<br /> A cólera é curável e não deixa sequelas nas pessoas. O risco de morte é de 50% se não tratada, sendo muito mais alto em crianças pequenas. A morte é particularmente impressionante: o doente fica por vezes completamente mirrado pela desidratação, enquanto a pele fica cheia de coágulos verde-azulados devido à ruptura dos capilares cutâneos.<br />
  35. 35. Tuberculose<br /> É uma infecção causada por um microorganismo chamado Mycobacteriumtuberculosis, também conhecido por bacilo de Koch.<br />http://www2.cnrs.fr/sites/en/image/tuberculose_photo.jpg<br />
  36. 36. Ciclo evolutivo<br />http://www.nature.com/nm/journal/v6/n12/images/nm1200_1327_F1.gif<br />
  37. 37. Sintomas<br />A doença costuma afetar os pulmões mas pode, também, ocorrer em outros órgãos do corpo, mesmo sem causar dano pulmonar. <br />tosse persistente que pode estar associada à produção de escarro<br />(pode ter sangue no escarro ou tosse com sangue puro).<br />Febre<br />suor excessivo à noite<br />perda de peso<br />perda do apetite<br />Fraqueza<br />
  38. 38. Como é a bactéria<br /> Ela é um bacilo, fino e encurvado, imóvel, pode resistir a desinfetantes fracos e ao ácido gástrico e pode sobreviver em estado latente por semanas e só se desenvolve dentro de um organismo. Não cora pelo Gram, embora tenha uma parede similar à das bactérias Gram-negativa. A sua parede é rica em lípidos.<br />http://static.hsw.com.br/gif/tuberculose-bacilo-de-koch.jpg<br />
  39. 39. Contágio<br /> A doença é transmitida pelo ar contaminado eliminado pelo indivíduo infectado. A pessoa sadia inala gotículas, dispersas no ar, de secreção respiratória do indivíduo doente.<br />
  40. 40. Como diagnosticar e tratar<br /> Existe um teste chamado PPD - que indica contato com o bacilo. Após 2 a 10 semanas de contaminação, a injeção de um antígeno tuberculínico na pele do antebraço provoca uma reação porque os linfócitos da pessoa contaminada cercam o antígeno. O PPD positivo significa contato com o bacilo da tuberculose, mas não necessariamente a presença de doença ativa.<br />O tratamento da tuberculose dura no mínimo seis meses, e na maioria dos casos não é necessária a hospitalização. Os principais medicamentos utilizados no tratamento da tuberculose são a izoniazida, rifampicina e pirazinamida. <br />
  41. 41. Sequelas<br /> A doença pode causar o desenvolvimento de cavidades nos pulmões e em outros tecidos, levando a uma variedade de sintomas, incluindo-se tosse severa (às vezes com sangue), febre e perda de peso, e podendo ser fatal.<br />
  42. 42. Acne<br /> Acne é uma doença dermatológica que se manifesta com maior freqüência nosso pelas glândula adolescentes. É causada pelo aumento da produção de sebo pelas glândulas sebáceas , que, com a atuação da bactéria Propinybacterium acnes, infeccionam a pele, formando lesões avermelhadas e pustulentas. <br />http://www.agencia.fapesp.br/fotos/2004/31/foto_dentro2231_0.jpg<br />
  43. 43. Ciclo evolutivo<br /> A acne se apresenta nos seguintes graus:<br />Grau 1: Apenas cravos, sem lesões inflamatórias;<br />Grau 2: Cravos, pequenas espinhas e pústulas;<br />Grau 3: Surgem lesões mais profundas e avermelhadas, ou cistos.<br />Grau 4: Surgem grandes lesões císticas, comunicantes, muito inflamadas e com aspecto desfigurante.<br />
  44. 44. Sintomas<br /> A doença se manifesta principalmente no tronco e na face, áreas ricas em glândulas sebáceas, e começa na forma de comedões e cravos, podendo ou não aumentar de intensidade. <br />http://media.clinicaladvisor.com/Images/2009/10/23/feature1004-acne_fig1_76071.jpg<br />
  45. 45. Como é a bactéria<br /> A Propinybacterium acnes é uma bactéria anerobia e gram-positiva, que se alimenta da secreção produzida pelas glândulas sebáceas, que, quando entram em contato com os poros epiteliais, inflamam folículos pilosos, causa a acne. Ela vive em ácidos graxos e sebo secretados pela pele humana. Ela também pode viver no trato gastroentestinal de humanos e alguns e<br />http://ryortho.com/images/upload_images/article_images/2009-08-27_Propionibacterium_Acne.jpg<br />
  46. 46. Contágio<br /> Não existe uma forma de contágio específica, pois a doença ocorre a partir de uma predisposição genética, pois, além da puberdade, fatores ambientais, genéticos e até mesmo pessoais podem influenciar no surgimento da acne.<br />
  47. 47. Como diagnosticar e tratar<br /> O diagnóstico é apenas clínico, requerindo opinião de especialistas apenas em casos mais específicos<br /> O tratamento pode ser feito através de esfoliação da pele, antibióticos tópicos e orais, tratamento hormonal, retinóides tópicos e orais, além de alguns agentes básicos. <br />
  48. 48. Sequelas<br /> Se não tratada, a acne pode acarretar em profundas lesões epidérmicas, causando até mesmo desfiguração em alguns casos. A acne pode também causar danos psicológicos, levando a pessoa com a doença a se isolar devido a sua condição. Portanto, tratamento psicológico é recomendado em alguns casos.<br />
  49. 49. È uma doença sexualmente transmissível causada pela bactéria Neisseriagonorrhoeae, ou gonococo, também conhecida como blenorragia ou esquentamento . Quando vista ao microscópio, essa bactéria apresenta a forma de diplococos, e se aloja em lugares quentes e úmidos, como o útero, na mulher, ou na uretra, em homens e mulheres.<br />Gonorréia<br />http://3.bp.blogspot.com/_64ubLUv_CdY/SScQlEMF7CI/AAAAAAAAABw/QHBvulK1WtM/s400/SOA-gonorroe.jpg<br />
  50. 50. Ciclo evolutivo<br /> Após o contágio, o tempo de incubação da doença pode ser de 2 a 10 dias, e, em casos extremamente raros, até 30 dias, após esse período, os sintomas começam a aparecer.<br />
  51. 51. Sintomas<br />Ardência ao urinar;<br />Incontinência urinária;<br />Corrimento turvo e denso do pênis ou vagina;<br />Dor de estômago (Nas mulheres);<br />Sangramento menstrual anormal;<br />Dor nos testículos;<br />Inflamação na garganta após sexo oral, e no ânus após sexo oral;<br />
  52. 52. Como é a bactéria<br /> A bactéria Neisseriagonorrhoeae, é uma bactéria gram-negativa enão-flagelada.Como visto na imagem, tem um formato semelhante a um rim. Devido a seus pilos e proteínas, ela pode aderir-se as paredes do trato urinário e resistir ao jato de urina. <br />http://www.nature.com/emboj/journal/v21/n4/images/about_cover.jpg<br />
  53. 53. Contágio<br />Contato com o pênis, vagina ou ânus da pessoa infectada;<br />Relacionamento sexual com alguém infectado;<br />Objetos de higiene íntima;<br />Transmitida ao recém nascido durante o parto, caso a mãe esteja infectada; <br />
  54. 54. Como diagnosticar e tratar<br /> O diagnóstico é feito através de análises do corrimento da uretra do pênis, no caso do homem, ou do colo do útero, no caso da mulher. Em ambos os casos, existe a possibilidade da análise da urina. <br />O tratamento é feito através de antibióticos ministrados via oral ou por injeções. Atualmente, se faz uso da Ampicilina e de Probenecida. <br />
  55. 55. Sequelas<br />o não seja tratada, a gonorréia pode causar, nas mulheres, doença inflamatória pélvica, que, conseqüentemente, pode danificar os tubos de falópio, causando infertilidade ou aumnetando o risco de gravidez ectópia.<br />Nos homens, a gonorréia pode causar epididimite, uma condição nos testículos que pode causar infertilidade se não tratada.<br />A doença pode se espalhar pelo sangue e articulações, aumentando o risco de contração do HIV<br />
  56. 56. Cistite<br /> A Cistite é causada pela bactéria EscherichiaColi, sendo ele transmitido por intermédio da falta de higiene nas regiões genitais. <br />http://www.lbl.gov/Publications/Currents/Archive/view-assets/Mar-05-2004/E-coli.jpg<br />
  57. 57. Ciclo evolutivo<br /> A EscherichiaColi muitas vezes se encontrando nas fezes, migra contaminando a região perineal, após a multiplicação, a bactéria pode invadir a uretra e se localizar na bexiga , causando uma cistite infecciosa.<br />
  58. 58. Como é a bactéria<br /> Muitas de suas cepas não são patogênicas.São classificados como bastonetes retos, Gram negativos, não formadores de esporos, podem possuir mobilidade através de flagelos ou ser imóveis .<br />http://farm3.static.flickr.com/2245/2125064794_22287e74cf.jpg<br />
  59. 59. Contágio<br /> A bactéria EscherichiaColi pode ser encontrada nas fezes, e ocorre cistite quando ela invade a uretra. As mulheres têm maior probabilidade de desenvolver cistite porque sua uretra é menor, então a bactéria não precisa viajar tanto para entrar na bexiga, e também devido à distância relativamente pequena entre a abertura da uretra e o ânus. <br />
  60. 60. Sintomas<br />Pressão no pélvis inferior.<br />Necessidade de urinar freqüente ou urgente.<br />Necessidade de urinar durante a noite.<br /> Cor anormal da urina, similar a infecção no trato urinário.<br />Sangue na urina.<br />Odor forte da urina. <br />
  61. 61. Como diagnosticar e tratar<br /> O exame mais importante que o paciente deve fazer é a urocultura com antibiograma, pois esse exame é o único que fará o diagnóstico entre uma cistite infecciosa e uma não infecciosa. Se a urocultura apontar ausência de germes, o diagnóstico de cistite não infecciosa é o mais provável. <br />Para controlar a infecção bacteriana são utilizados antibióticos. É vital que o tratamento com antibióticos, uma vez começado, seja completado. A escolha do antibiótico é preferencialmente guiada pelo resultado da cultura da urina. O monitoramento da cistite inclui culturas de urina para certificar que a bactéria não está mais presente na urina.<br />
  62. 62. Sequelas<br />Infecção no trato urinário crônica ou recorrente.<br />Pielonefrite (infecção do trato urinário ascendente que atingiu a pelve do rim).<br />Insuficiência renal aguda<br />
  63. 63. Créditos<br />Danilo – Cistite/ Poliomielite<br />Guilherme – Cólera<br />Luís Felipe – Gonorréia/ Acne<br />Rogério – Varicela/ slides<br />Victor Andrés – Caxumba/Tuberculose <br />

×