Estagio 2 matematica-gabriela

613 visualizações

Publicada em

Relatóorio de estágio 2-aluna Gabriela,estágio supervisionado

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
613
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Estagio 2 matematica-gabriela

  1. 1. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA Relatório do estágio II do Curso de Licenciatura em Matemática, apresentado para o professor Claudinei Santana em cumprimento da disciplina Estágio supervisionado II, do VII Semestre do ano de 2011. VITÓRIA DA CONQUISTA - BAHIA Outubro de 2011
  2. 2. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA "Se fosse ensinar a uma criança a beleza da música não começaria com partituras, notas e pautas. Ouviríamos juntos as melodias mais gostosas e lhe contaria sobre os instrumentos que fazem a música. Aí, encantada com a beleza da música, ela mesma me pediria que lhe ensinasse o mistério daquelas bolinhas pretas escritas sobre cinco linhas. Porque as bolinhas pretas e as cinco linhas são apenas ferramentas para a produção da beleza musical. A experiência da beleza tem de vir antes". Rubem Alves
  3. 3. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA ÍNDICE 1 1 TRAJETÓRIA ESCOLAR: VIDA ACADÊMICA..............................................6 2 FICHA DE CADASTRO....................................................................................11 3 ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS....................................................................12 3.1 ATIVIDADES DOCENTES ANTERIORES...............................................12 3.2 ESTÁGIO SUPERVISIONADO I...............................................................15 3.2.1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO...........................................................15 3.2.2 HORÁRIO.............................................................................................16 3.3 ESTÁGIO SUPERVISIONADO II..............................................................16 3.3.1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO...........................................................16 3.3.2 DISTRIBUIÇÃO DO TEMPO..............................................................16 3.3.3 HORÁRIO.............................................................................................16 3.3.4 DADOS SOBRE A POPULAÇÃO-ALVO:.........................................17 3.3.5 PERÍODO DE OBSERVAÇÃO...........................................................17 4 REGISTRO DE COMPARECIMENTO NOS ESTÁGIOS...............................20 4.1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO I...............................................................20 4.2 ESTÁGIO SUPERVISIONADO II..............................................................23 5 PLANEJAMENTO DE UNIDADE....................................................................23 6 O ENSINO DA MATEMÁTICA........................................................................24 7 FICHA DE AUTO – AVALIAÇÃO...................................................................26 8 CONSIDERAÇÕES FINAIS..............................................................................28 9 REFERÊNCIAS..................................................................................................29 10 ANEXOS.............................................................................................................30 10.1 NOTAS DOS ALUNOS...........................................................................30 10.2 PROVAS E EXERCÍCIOS.......................................................................31 10.3 PLANOS DE AULA.................................................................................32
  4. 4. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE MATEMÁTICA PROFESSOR: CLAUDINEI SANTANA Assunto: Apresentação de Relatório Vitória da Conquista, Outubro de 2011 De ____________________________________________ À Coordenação do Estágio Supervisionado Em atendimento às determinações constantes do Plano de Estágio Supervisionado, submeto à apreciação de V, Sª o relatório das atividades observadas e desenvolvidas no período de Estágio de Matemática compreendido entre 01 de agosto a 07 de novembro do corrente ano no colégio Estadual Abdias Menezes nesta cidade. Atenciosamente, ____________________________________ Estagiário(a)
  5. 5. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA TRAJETÓRIA ESCOLAR: VIDA ACADÊMICA Neste relatório irei compartilhar um pouco sobre a minha trajetória escolar em sala de aula, como aluna e como professora. Não tenho muitas experiências como educadora, porém, a pouca experiência que tive me ajudou a subir mais um degrau dessa escada,que é tão longa, a da maturidade no ensino, em enfrentar situações na sala de aula como procurar formas de cativar os alunos com o conteúdo ou conseguir fazer com que os mesmos produzam o conhecimento. Não poderei falar das minhas experiências sem antes falar um pouco de como eu sou. Meu nome é Gabriela Almeida Mello, nasci em 1990, e fui filha única na minha infância e não tive muito convívio com outras crianças para brincar, e eu acredito que por esse motivo, na minha infância, fui muito tímida, porém na minha adolescência com realizações de atividades na igreja eu perdi significativamente a timidez. Eu sou muito brincalhona com as pessoas que eu convívio, sou muito sorridente, porém, as vezes eu acho que esse meu jeito acaba, de uma certa forma, tornando-se um defeito pois muitas vezes eu não separo os momentos em que eu devo ser assim, principalmente na postura como professora. Pois bem, eu iniciei minha trajetória escolar na creche quando tinha três anos e sempre estudei em escola particular. Eu aprendi muito com meus professores, não apenas com os conteúdos mais como eles lidavam com certas situações em sala de aula. Como, por exemplo, a maneira de disciplinar os alunos eu me recordo do meu professor de matemática Jarbas, mais conhecido como “Jarbão”, que quando ele passava um exercício e alguns alunos não faziam ele mandava para coordenação, isso tem seus altos e baixos o bom é que força ou estimula os alunos a se comprometerem a resolver os exercícios, porém os alunos perdiam a correção, entretanto o objetivo desse professor era para que justamente os alunos não copiassem. Guardei algumas estratégias de como ensinar determinados assuntos de uma maneira mais simplificada para melhorar o entendimento do aluno. E até mesmo com os erros deles, pois na minha visão eu procuro não repeti-los. Por exemplo, eu tinha uma professora que era muito grossa na forma de falar com os alunos, acredito que foi a forma que ela encontrou para impor certa “autoridade” com a turma, porém eu acho desnecessária essa atitude com os
  6. 6. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA alunos principalmente por, como exemplo, deixá-los receosos para perguntar e tirar dúvidas (eu mesma ficava assim). O professor, assim como outras profissões, é necessário saber separar os problemas pessoais com o trabalho. Mesmo guardando essa vivência, nunca imaginei que um dia estaria compartilhando com eles a mesma profissão. No Ensino fundamental (do pré até a quarta série) eu estudei no colégio Adventista. Lembro que na quarta série um dia a minha professora, Patrícia, ensinou fração com uma gelatina, cortando em pedaços e distribuído entre os alunos. Eu lembro que ela era muito divertida. E com isso eu aprendi que o aluno percebe quando o professor esta satisfeito pelo que faz e essa situação ajuda ao professor conquistar o respeito pelos alunos. Já na quinta série até o segundo ano, eu estudei no Instituto São Tarcísio. Na quinta série eu não fui muito bem em matemática, tive um pouco de dificuldade e também eu não era muito estudiosa. Na sexta série, uma das atividades que eu me recordo foi o projeto Matemática divertida, foi como uma “feira de ciências” só que de matemática, que minha professora Claudia elaborou juntamente com os alunos, até camisa nós organizamos teve várias atividades apresentadas em estandes eu gostei muito. As vezes, por diversos motivos, os professores ficam desmotivados para elaborar uma atividade como essa ou talvez pensam que essas atividades são apenas para dar notas aos alunos, porem é esse tipo de disponibilidade de propor algo novo fora do modelo sala de aula, carteiras e quadro que faz a diferença. Eu comecei a me destacar mesmo em matemática foi na sétima série, com o conteúdo sistemas de equações eu não estudava muito em casa, porém, prestava atenção na aula e tirava boas notas. Outra matéria que eu me identifiquei muito foi com a geometria eu tinha gosto de fazer os exercícios até ensinava algumas amigas. No primeiro ano, eu lembro como se fosse hoje, um dia que meu professor de matemática em uma aula de conjuntos tinha acabado de fazer uma explicação e eu fiquei sem entender, ele sempre perguntava aos alunos se entenderam e como os alunos, na maioria das vezes, não perguntavam o professor olhava para as suas fisionomias, e ele percebeu pela minha “cara” que eu não tinha acompanhado o raciocínio, logo me perguntou meio que já afirmando se eu não tinha entendido e disse o seguinte: “O tia Almeida eu vou te explicar sem dizer uma palavra” e ele fez mímica usando alguns estojos de pano vazio um dentro do outro. Eu não lembro qual foi a minha dúvida mais eu lembro que eu entendi na mesma hora sem precisar que
  7. 7. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA ele dissesse alguma coisa, isso me marcou bastante e também me fez refletir para que eu tenha, como ele, essa preocupação de estar sempre perguntando se os alunos têm alguma dúvida para não deixar prosseguir com contudo e, por sua vez, criar uma dúvida maior. Em 2007 quando eu estava no terceiro ano eu mudei para o Colégio Opção, eu senti muita falta dos meus colegas e das pessoas que trabalhavam no colégio os professores, o porteiro, as “tias” do corredor, em fim, eu tinha criado um laço muito forte. No terceiro teve um foco mais direcionado ao vestibular aquela pressão para que curso escolher e “num piscar de olhos” o ano acabou. Quando fui fazer a inscrição para o vestibular eu fiquei em dúvida entre dois cursos o de matemática e ciências da computação, eu olhei a concorrência, o turno de cada curso e a grade, porém, eu não tinha gosto por programação, e não sabia se ser professora era o que eu queria. Além disso, eu tinha uma certeza de que eu não iria passar no vestibular, pois no terceiro ano eu não tinha ido muito bem com os estudos. Tanto que quando saiu o resultado eu nem olhei no site, foi uma colega minha que me deu a notícia que eu tinha passado. Em agosto de 2008 começou as aulas e eu acredito que boa parte de meus colegas, como eu, imaginavam que o curso seria algo voltado para os conteúdos do ensino básico, porém aprofundados. Bem, não demorou muito para “cair a ficha”. Para mim o primeiro desafio foi fazer física 1, no segundo semestre, sem ter visto calculo 1, pois cálculo 1 é pré-requisito para física. E outra dificuldade foi ver que boa parte dos meus colegas desistiram da matéria, mesmo com o professor passando para agente os conceitos básicos do cálculo necessários para a aula dele. Uma das coisas que me ajudou a estar regular no curso foi essa persistência eu poderia estar com a nota baixa que fosse eu ia até o fim. Outra ajuda que eu tive foi a minha fé em Deus, pedi muita sabedoria e força e sem Ele não teria conseguido. E eu não posso deixar de dizer de algo que eu aprendi no curso e que me ajudou muito pra chegar até aqui, foi o estudo em grupo. Eu e meus colegas marcávamos horários para estudar freqüentávamos a UESB em turnos opostos, ou íamos à casa de algum deles. Outro fator que me fortaleceu foi o incentivo de minha família. No começo do curso eu trabalhava no comércio de minha família e me prejudicou um pouco com os estudos eu chegava atrasada, não conseguia estudar enquanto estava trabalhando. Em 2010 eu não trabalhei e dediquei mais no curso e minhas notas melhoraram significativamente. Uma das dificuldades enfrentadas pelos alunos do curso de
  8. 8. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA matemática é ter a necessidade de trabalhar, e como o curso é vespertino, boa parte não encontra trabalho de um turno e muitos ou desistem do curso ou trancam temporariamente. Durante o curso eu tive facilidade principalmente nas matérias de geometria como geometria elementar e geometria euclidiana, nessa ultima eu tive mais dificuldade, pois essa é uma matéria que exige não apenas calcular mais fazer a demonstração, em outras palavras, provar o porquê de cada assunto que usa uma linguagem nova, até então desconhecida, que acaba causando um “baque” aos alunos. Outras matérias que eu me identifiquei foram as de álgebra. Acredito que toda essa afinidade já vem desde quando eu era mais nova, pois quando eu citei que na sétima série eu fui bem com especialmente o conteúdo de sistemas de equação que faz parte da álgebra e da geometria que eu sempre tive paixão, no sentido de gostar muito da matéria. Entretanto nas matérias de matemática aplicada não me identifiquei muito, como os cálculos, matemática financeira. Os cálculos eu concluir o ultimo no VI semestre, são quatro, porém fiz mais pela obrigação e não pelo prazer. Já financeira tentei adiantar a matéria duas vezes, pois essa será oferecida regular no 8º semestre da minha turma, Porém eu tenho dificuldade nessa área, matemática aplicada, e para piorar quando eu fiz eu estava muito sobrecarregada com 7 matérias no semestre e ainda fazendo um curso a noite, que não tinha ligação com a graduação. eu não estudei e fui até o final mais não passei e na outra vez e preferir desistir da matéria para pegar quando fosse oferecida. Outras matérias que eu não tive muita ligação foram as da área de educação, no sentido de ir a fundo para fazer um mestrado ou alguma pós-graduação não optaria por essa área, porém reconheço a necessidade delas no curso. Alguns dos meus professores dessa área eles próprios não valorizavam a matéria, como por exemplo, faltavam muito às aulas, passava trabalhos para serem apresentados durante todo o semestre, em fim, os alunos que davam aula, e quando, esse tipo de professor, davam aula era, na maioria das vezes, lendo slides. E a conseqüência disso é que não colocam em prática, com nós alunos, o que eles ensinam que é como lidar com situações em sala de aula. Entretanto esse perfil de professores muitas vezes é preferível, por nós alunos, por eles não exigirem muito de nós. Porém tive professores que se diferenciavam, como por exemplo, uma professora de prática curricular que sempre levava pra sala de aula sugestões de atividades, fazia discussões de textos relacionados a situações em sala de aula e
  9. 9. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA também passava trabalhos, porém sua aula não se resumia nos alunos apresentando trabalhos, era um momento de compartilhar conhecimentos. Com a passagem pelo estágio, que estar detalhado mais a frente, eu vi a importância de ter uma conexão entre os professores coordenadores, os regentes aos estagiários, porque quando estamos começando não sabemos como tratar os alunos como lidar com as situações como trabalhar o conteúdo de forma mais clara, e os professores com suas respectivas experiências nos mostram os caminhos que podemos seguir, as possibilidades, mostram quando estamos exagerando ou quando precisamos dar mais de nós. É sim de fundamental importância, e mesmo assim o curso, por si só, não nos prepara 100% para sala de aula, acredito que estagiar é diferente de assumir uma matéria por um ano completo e com várias turmas, é algo que realmente agente só aprende vivenciando. É importante a nossa preparação aprofundando no conhecimento de matemática pura, porém eu sinto falta de os professores, de alguma maneira, fazer-nos entender como esses assuntos podem ajudar com os do ensino fundamental/médio ou quais as ligações. Para alguns conteúdos é claro perceber essa ligação, mais nem todos. As práticas têm o papel fundamental de nos preparar para o estágio, porém, é como eu disse anteriormente depende do professor de como ele trabalhar de ter preocupação de compartilhar sugestões de atividades entre outras. Nos estágios eu fiz algumas atividades diferenciadas como bingo, elaboração de cartazes, jogos em equipe com brindes com a característica maior de revisão, mais as atividades preponderantes foram resolução de exercícios e correção. Porém eu acredito que eu deveria ter elaborado algo mais diferenciado como fazer algum tipo de atividade fora da sala de aula. Mais também depende muito do conteúdo não é qualquer atividade que proporciona um aprendizado tem que ser pensado para que venha ter bons efeitos. Eu estou gostando muito do curso, me identifico com a área de exatas e mesmo se eu não seguir a carreira de professora tenho certeza que essa bagagem que eu adquirir no curso de conhecimento de conteúdos e de experiências vividas com professores, colegas e alunos me ajudarão no futuro. Hoje eu tenho uma nova visão do mundo, às vezes eu me pego pensando, questionando e observando situações do dia a dia mais relacionado á geometria aos porquês de determinadas coisas que antes
  10. 10. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA eu nem me atentava. Para muitas pessoas isso pode ser besteira, mais é algo que foi “plantado” em mim e eu gosto dessa reflexão.
  11. 11. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA 2 FICHA DE CADASTRO 1- NOME GABRIELA ALMEIDA MELLO 2- ENDEREÇO AV. ROSA CRUZ Nº 17, CANDEIAS 3- TELEFONE (77) 8804-2077 / 3421-5425 4- E-MAIL MATEMÁTICA.GABI@GMAIL.COM 5- INSTITUIÇÃO ONDE REALIZOU O ESTÁGIO: COLÉGIO ESTADUAL ABDIAS MENEZES 6- ENDEREÇO DA INSTITUIÇÃO AV. ROSA CRUZ S/N, CANDEIAS 7- NOME DO DIRETOR ANDRÉA CLEONI DE ANDRADE SILVA FONSECA 8- NOME PROFESSOR(A) REGENTE: MÁRCIA AZEVEDO 8- INÍCIO DA OBSERVAÇÃO 01/ 08/2011 10-INÍCIO DA CO-PARTICIPAÇÃO 05/08/2011 11- INÍCIO DA REGÊNCIA 29/08/2011 12- TÉRMINO DO ESTÁGIO 07/11/2011 Atividades realizadas no estágio Horas previstas Horas realizadas Observação 8 7 Co-participação 8 8 Regência de turma (aulas dadas) 35 37 Total de horas 51 52
  12. 12. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS ATIVIDADES DOCENTES ANTERIORES Até o 5º semestre eu não tive contato com alunos como professora. A maioria de meus colegas universitários já tinham experiências em sala de aula, e sempre que eles comentavam como é estar lecionando eu dizia que tinha “medo” talvez de não saber lidar com certas situações fora e dentro do conteúdo, como por exemplo, algum aluno fazer uma pergunta e eu não saber responder. Mesmo afirmando ser muito cansativo, meus colegas sempre me incentivaram a enfrentar esse “medo” me dizendo que as melhores aulas que eles “deram” foi quando os alunos questionavam bastante. E mesmo quando eles não souberam responder, tiveram humildade de dizer que não sabiam para procurar saber e levar na outra aula. Mesmo sabendo que o curso é licenciatura eu evitei como pude para lecionar, talvez, pela falta de conhecimento, experiência. Não peguei monitoria, recebi propostas para substituir professor e recusei até que em 2010 comecei participar do P.I.B.I.D. do ensino médio, que é um Programa Institucional de Bolsa de Iniciação a Docência. Nessa bolsa juntamente com meus colegas e meu coordenador, Flaulles, desenvolvemos projetos para aplicar em dois colégios, foi quando eu tive meu primeiro contato em sala de aula. Eu gostei muito por ter começado a quebrar essa barreira de ser professora. Através de um evento de matemática denominado por OficiMat. Foi elaborado pelo PIBID no colégio Militar e no CETEP que tinha como objetivo apresenta várias oficinas e mini-cursos de matemática. Eu apresentei um mini-curso cujo tema era Curiosidades na História da matemática. Foram abordados resumidamente vários conteúdos, mais teve como principal a matemática Egípcia. Foram feitas atividades sobre os numerais egípcios mostrando aos alunos as diferenças com a nossa base decimal que é posicional, outra atividade foi um desafio de frações, que os egípcios se depararam com o desafio de dividir dez pães para nove pessoas de maneira que cada uma receba pedaços cortados iguais e qual a melhor forma. Foi falado sobre a área do círculo e do volume da pirâmide mostrando o
  13. 13. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA porquê da sua fórmula. E todas essas atividades foram acompanhadas do documentário BBC História da matemática, dublado. Quando cheguei no 6º semestre fiz o estágio I e esse foi meu segundo momento que tive contato em sala de aula. Foi uma experiência muito marcante e cansativa, pois comecei a lecionar no Fernando Spínola numa turma de 6º ano da II unidade, em pouco tempo o colégio fechou para fazer reforma e fui continuar o estágio no Adelmário Pinheiro, Como La já estava acabando a unidade, lecionei em três turmas de 7º ano para cumprir com a carga horária. Eu não fiquei muito satisfeita, pois me senti sobrecarregada e também não tive como conhecer meus alunos direito pois foram aproximadamente duas semanas. Dessas três turmas uma o comportamento era muito bom, a outra era mais ou menos e a ultima era uma loucura. Teve um dia que eu fui aplicar um teste nessa turma mais a maioria dos alunos estavam gritando e imitando barulho de animais, literalmente, fazendo a maior bagunça, e eu já tinha pedido umas 3 vezes para eles pararem mais não adiantou, com isso eu fui chamar a diretora e quando eu voltei eles continuaram e a própria diretora presenciou o que estava acontecendo, eu mostrei para ela os alunos que não estavam atrapalhando a aula e ela chamou o restante da turma para se retirar até a sala dela e ela deu suspensão para todos, foram cerca de doze alunos No primeiro colégio tive mais tempo com os alunos e eu elaborei uma atividade diferente para fazer com eles, com o objetivo de avaliar o conhecimento deles. Foi um bingo, foi formado grupos e cada grupo recebeu uma cartela o que eu sorteava eram as cartelas com as perguntas de multiplicação, e eles tinham que marcar as respostas nas cartelas, o prêmio foi uma caixa de chocolate. Para fazer essa atividade tive dificuldade na hora de formar os grupos, pois alguns alunos não quiseram formar mais com muita insistência eu conseguir e outra dificuldade foi a bagunça na hora de entregar o prêmio, pois eu tinha levado um caixa a mais para dividir com os grupos que tivessem perdido e ai foi uma confusão os alunos em pé me rodeando querendo chocolate. Nas outras aulas eu trabalhava mais com exercícios. Também utilizei essa metodologia no segundo colégio porém tentei fazer uma brincadeira com os alunos, e pela falta de tempo só conseguir fazer em uma turma. Eu dividir a turma em grupos, o que também deu trabalho pois tinha alguns alunos que não queriam, e cada grupo recebeu uma ficha com questões de marcar relacionadas ao conteúdo, conferir as respostas, escrevendo uma tabela no quadro, e
  14. 14. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA no final o grupo que acertou mais ganhou e recebeu o prêmio que eram balas e chocolates. Eu não me senti muito satisfeita com essa atividade, pois não deu tempo para eu fazer a correção das questões para os alunos verem em que errou ou acertou e tirarem suas dúvidas. Em resumo o problema maior foi a falta de tempo, eu acredito que um das maneiras eficazes de fixar certo conteúdo é quando erramos, e nessa atividade, que eu elaborei, como eu não pude corrigir eu não tive como avaliá- los como perceber as dúvidas e dificuldades. A professora coordenadora ela me auxiliou com material, que era bem melhor do que o adotado pela escola, porém eu usava os dois. O que os alunos não tinham eu usava para passar exercícios no quadro e as vezes elaborava lista de exercícios xerocada com as questões do livro. No estágio II eu fui para o Colégio Estadual Abdias Meneses, em uma turma de 7ª série - 8º ano. A disciplina dessa turma era muito difícil, era mais ou menos assim: eles se dividiam em 3 partes, sentavam de um lado os que conversavam muito e alto, do outro lado os que não conversavam muito, porém não prestavam atenção. No centro da sala sentavam os que praticamente não “abriam a boca pra nada”, porém não eram atentos. Não faziam exercícios passados para casa, falavam palavrões durante a aula, ouviam música alta, entre outras coisas. Procurei sempre conquistar á atenção deles os chamando pelo nome, organizando a sala em fila, algumas vezes, porém tinham dias que eles estavam ótimos mais normalmente estavam sempre agitados. Entretanto eu gostei muito da turma eu me preocupava com eles, uma vez eu marquei uma aula de reforço, sem compromisso com o estágio, no turno vespertino alguns alunos foram e eu percebi o aprendizado e a diferença nas notas eu percebi que por essa turma dar trabalho muitos professores não “gostavam” deles e eles percebiam, teve uma aula que eu já tinha acabado e outra professora entrou quando pedi para ela se eu poderia ficar sentada em uma cadeira enquanto eu colocasse na caderneta as faltas e as presenças dos alunos que eu não tinha feito e ela deixou e ela falou brincando “pode ficar aqui se quiser pode dar outra aula”, na mesma hora uma aluna disse: “É! só Gabriela gosta da gente”. E realmente por mais que a turma deu trabalho eu tive uma relação com eles muito boa e eu notei que eles perceberam isso. Minha aula era normalmente conteúdo e resolução de exercícios, porém uma vez eu elaborei uma atividade diferente, na aula tinha aproximadamente 20 alunos presentes. Foram formados 4 grupos com mais ou menos 5 alunos em cada. Desses quatro grupos apenas 2 participaram da atividade e do restante apenas dois alunos de
  15. 15. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA um grupo tentaram resolver.Todos os alunos sentaram em grupo, porém quase 10 alunos ficaram conversando e não quiseram fazer a atividade. Eu chamei a atenção várias vezes. Apenas duas equipes conseguiram fazer toda atividade e terminaram no mesmo tempo, e ambas tiveram um só erro. A correção foi feita no quadro. O prêmio, que era uma caixa de chocolate, foi dividido entre as duas equipes. Eu fiquei tão chateada que eu dei ponto extra pra quem fez, fiz questão de avisar na sala para todos ouvirem. depois eu cobrei nos testes e na avaliação questões parecidas com a da atividade e muitos alunos não souberam fazer. As aulas de estágio com os coordenadores foram, em gera,l dinâmicas utilizando recursos que até então eu não tinha contato como o Google DOCS, nele os alunos tinham que comentar todo dia após aula, em todo o período (observação, co- participação e regência) seguimos um roteiro para estar sempre comentando quais atividades foram desenvolvidas, as metas, objetivos, relatando com detalhes os questionamentos dos alunos, dificuldades e os aspectos positivos e negativos. Outro recurso foi o MOODLE, que eu já tive contato com outra matéria do curso, informática na educação matemática, utilizando para discussões sobre estágio entre os colegas e professores (coordenadores e regentes) e também para postar materiais como vídeos e textos. Eu gostei muito dessa inovação e da preocupação de inovar juntamente com esse acompanhamento mais intenso, pois não era todo dia que tínhamos aula e assim tivemos como estar sempre tirando dúvidas e compartilhando experiências entre os colegas, com situações constrangedoras como o enfretamento de alunos e como reagir perante essas situações. Eu poderia ter feito mais por meus alunos, como por exemplo, exigir mais deles, talvez agir como meu professor, levando os alunos que não fizeram o exercício para a coordenação, só que eu não fiz isso. Apesar de tudo valeu a experiência. No final do estágio eles e a professora regente fizeram uma despedida para mim. Eu fiquei muito feliz, um dos alunos dedicou uma música para mim cantou na sala, outra aluna disse que normalmente os alunos quando saem da escola esquecem-se dos professorem que tiveram mais que ela nunca se esqueceria de mim. Eu dei uma lembrança para eles e no final me deram um abraço coletivo.
  16. 16. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA ESTÁGIO SUPERVISIONADO I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Escola COLÉGIO ESTADUAL FERNANDO SPÍNOLA Série 5ª turma “C” Disciplina Matemática Período 01/04/2011 a 24/05/2011 Escola COLÉGIO ESTADUAL ADELMÁRIO PINHEIRO Série 6ª turma “A” ,“B” e “C” Disciplina Matemática Período 01/06/2011 a 21/06/2011 HORÁRIO HORÁRIO SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA 07:15 – 08:05 5ª C 08:05 – 08:55 5ª C 08:55 – 09:05 Intervalo 09:05 – 09:55 5ª C 09:55 – 10:50 10:50 – 11:30 5ª C HORÁRIO SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA 13:00-13:50 6ª B 6ªB 6ªB 13:50-14:40 6ª A 6ªA 6ªB 14:40-15:30 6ª A 6ªA 15:40-16:30 6ªC 6ªC 16:30-17:20 6ªC 6ªC ESTÁGIO SUPERVISIONADO II
  17. 17. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Escola COLÉGIO ESTADUAL ABDIAS MENEZES Série 7ª turma “D” Disciplina Matemática Período 01/08/2011 a 07/11/2011 DISTRIBUIÇÃO DO TEMPO Nº de horas/aulas semanais 4 Nº de horas/aulas na unidade 48 HORÁRIO Horário Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado 7:20- 8:30 8:30- 9:20 DADOS SOBRE A POPULAÇÃO-ALVO: Nº de Alunos:.25 Masculino16 Feminino. 9 PERÍODO DE OBSERVAÇÃO A partir das observações feitas na sala de aula, faça uma síntese considerando alguns aspectos importantes para você Ficha de observação de atividades Conteúdo: Bem Planejado: ( * ) Sim ( ) Não Por quê? E quais? Metodologia: Adequada ao conteúdo: ( * ) Sim ( ) Não Satifaz a clientela: ( ) Sim ( * ) Não Por quê? Os alunos eram muito desinteressados
  18. 18. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA Materiais utilizados: Seleção Adequada: ( * ) Sim ( ) Não Utilização correta: ( * ) Sim ( ) Não Utiliza apenas o quadro de giz ( * ) Sim ( ) Não Utiliza outros: ( ) Sim ( * ) Não Quais? Avaliação: No final da unidade ( * ) Durante a unidade – processual ( * ) Qualitativa ( * ) Quantitativa ( * ) Não houve ( ) Integração: O professor pergunta: A toda a classe ( * ) Individualmente ( ) A apenas alguns alunos ( ) O professor é: Alegre e satisfeito ( ) Dinâmico e ativo ( ) Nervoso (grita muito) ( ) Cansado e queixoso ( * ) Apático e passivo ( ) O professor: Procura gratificar os alunos ( * ) Pune os alunos com repreensões ( * ) Os alunos: Agressivos ( * ) Desinteressados ( * ) Irrequietos ( * ) Dóceis ( ) Interessados ( ) Participantes ( ) Observações: Esse tipo de avaliação não da pra ser tão preciso, por exemplo, a professora não se queixava muito mais eu percebia mesmo um cansaço. 3 Objetivos pretendidos no seu planejamento de estágio? Sim ( * ) Não ( ) Por quê? Em relação aos conteúdos, porém em relação a compreensão dos alunos, por diversos fatores, muitos não atingiram o meu objetivo. 1- Sentiu-se seguro (a) no manejo da classe? Sim ( ) Não ( * ) Por quê? Na maioria das vezes não, porque é algo muito complexo dizer se sim ou não, eu não fui 100%, mais em algumas situações eu fui bem sim. Principalmente no sentido dos alunos prestarem atenção. 2- Como avaliaria as suas atividades? Boa ( ) Preciso melhorar ( *) Deficiente ( )
  19. 19. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA 3- Assinale os tipos de atividades que surtiam mais no processo ensino- aprendizagem durante o estágio. Observação direta ( ) Entrevista ( ) Discussão ( * ) Trabalho individual ( * ) Trabalho em grupo ( * ) 4- tive a oportunidade de dar alguma colaboração ao departamento de sua área ou escola onde você estagiou? Qual? Não. 5- A orientação que você recebeu durante o estágio foi: Boa ( * ) Deficiente ( ) Regular ( ) 6- Que pontos positivos e negativos você apontaria neste estágio? Positivos: Experiência Negativos: Desgasto(tinha dia que eu saia da sala muito triste, pela bagunça dos alunos)
  20. 20. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA 4 REGISTRO DE COMPARECIMENTO NOS ESTÁGIOS 4.1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO I Data Etapa Atividade Tempo Conteúdo trabalhado Assinatura da professora regente 01/04/11 Observação Revisão do conteúdo e exercício. 02 Aulas Sistema de numeração decimal 05/04/11 Observação Correção e elaboração de exercício. 01 aula Valor posicional do algarismo 06/04/11 Observação Continuação da correção e elaboração dos exercícios 01 aula Valor posicional dos números naturais e 08/04/11 Observação Visto, correção e leitura. 01 aula (1ª aula) Lendo e escrevendo um número natural 08/04/11 Co-participação Exercícios e correção 01 aula (2ª aula) Operações com números naturais: idéias de adição e subtração 08/04/11 Co-participação Exercícios 01 aula Operações com números naturais 12/04/11 Co-participação Correção do exercício da aula anterior 01 aula Desafio “quadrado mágico” 15/04/11 Co-participação Aplicação da prova 02 aulas Operações com números naturais e seus valores posicionais. TOTAL 10 aulas
  21. 21. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA Data Etapa Atividade Tempo Conteúdo trabalhado Assinatura da professora regente 19/04/11 Regência Bingo 01 Aula Multiplicação com números naturais 26/04/11 Regência Elaboração e correção de exercícios 01 aula Multiplicação com números naturais 27/04/11 Regência Elaboração e correção de exercícios 01 aula Multiplicação com números naturais Adição de parcelas iguais 29/04/11 Regência Elaboração e correção de exercícios 02 aulas Multiplicação com números naturais: Combinação e Proporcionalidade 03/04/11 Regência Elaboração de exercícios para revisão do teste 01 aula Multiplicação com números naturais 06/05/11 Regência Correção de exercícios para revisão do teste 02 aulas Multiplicação com números naturais 10/05/11 Regência Teste 01 aula Multiplicação com números naturais 13/05/11 Regência Correção do teste 02 aulas Multiplicação com números naturais 17/05/11 Regência Conteúdo 01 aula Divisão com números naturais 18/05/11 ESCOLA FECHOU PARA REFORMA TOTAL 12
  22. 22. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA Data Etapa Atividade Tempo Conteúdo trabalhado Assinatura da professora regente 01/06/11 Regência Revisão do conteúdo para o teste. 02 Aulas Soma Algébrica com números inteiros. 02/06/11 Regência Teste 05 aulas Soma Algébrica com números inteiros. 07/06/11 Regência Conteúdo 05 aulas Multiplicação com números inteiros. 08/06/11 Regência Exercícios e correção 02 aulas Multiplicação com números inteiros. 09/06/11 Regência Revisão para prova 05 aulas Soma e Multiplicação com números inteiros. 14/06/11 Não haverá aula, pois dia 10 começa a semana de prova 15/06/11 Regência Prova 05 aulas Soma e Multiplicação com números inteiros. 16/06/11 Regência Fiscalizar prova 05 aulas Outra matéria TOTAL 29 aulas
  23. 23. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA 4.2 ESTÁGIO SUPERVISIONADO II
  24. 24. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA
  25. 25. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA PLANEJAMENTO DE UNIDADE ESCOLA: Colégio Estadual Abdias Menezes QTD DE AULAS: 32 DATA: 17 / 09 /2011 ESTAGIARIO: Gabriela Almeida Mello SEMESTRE: VII PROFESSOR REGENTE: Márcia COORDENADOR DO ESTAGIO: Claudinei / Ana OBJETIVOS ESPECIFICOS CONTEUDOS: PROCEDIMENTOS METODOLOGICOS RECURSO S AVALIAÇÃO Colaborar para que o aluno(a) encontre a importância do estudo da matemática, através da assimilação com o dia a dia; Efetivar o interesse na participação nas aulas promovendo a construção do conhecimento; Analisar exercícios e As formas de resolução, apontando os melhores caminhos. Cálculos algébricos Produtos de polinômios Produtos notáveis Fatoração Sistema de equação Apresentação do conteúdo, no quadro ou com outros meios que facilitem a compreensão dos alunos Elaboração de questões em grupo e individual Correções de exercícios Rever questões de prova Atividades em grupo Avaliações escritas Cartaz de triângulos para Livro Quadro Pincel Brindes Caixas Cartazes Através de conceitos estabelecidos pela participação, questionamentos resolução de exercícios e provas, Comportamento e Pontualidade.
  26. 26. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA O ENSINO DA MATEMÁTICA Na matéria de prática curricular eu e uma colega, Lisiane Gomes, elaboramos um projeto, sobre a geometria espacial tendo como título: Geometria em 3D, e na apresentação do projeto eu mostrei como justificativa da escolha do tema, um vídeo em que eu fiz uma entrevista com alunos do ensino médio perguntando fórmulas básicas de área de um quadrado e volume de uma caixa, teve apenas uma aluna que respondeu correto, os outros na maioria não lembravam teve uma menina que chegou a dizer que não tinha passado uma semana em que a professora dela deu esse assunto, mais não lembrava e também tiveram alunos que trocaram as fórmulas. O porquê que eu escolhi esse tema, além de eu gostar muito de geometria, é que o ensino da geometria é defasado, “na prática, vem sendo dada à geometria menos atenção do que ao trabalho com outros temas e, muitas vezes confunde-se seu ensino com o ensino de geometria” afirmação de Almouloud (citado por Machado, 2003, p.125). Muitos colegas meus me afirmaram não ter tido geometria no ensino básico. E eu acredito que a geometria é um dos assuntos da matemática mais contextual, pois o conteúdo estudado estar explicitamente inserida no dia a dia das pessoas. Existem muitas opções de atividades e jogos manipulados e recursos digitais como softwares. É riquíssima para uma sala de aula, porém é na maioria deixada e lado. Bem, se a geometria plana muitas vezes não é contemplada no ensino básico, imaginem só a geometria espacial, pois os conhecimentos da geometria plana antecedem da geometria espacial. Nesse projeto nós fizemos algumas atividades lúdicas com o conteúdo da geometria espacial, fizemos um resumo dos conteúdos com fórmulas e aplicações. E foi proposto um jogo de cartas, o calculo dos ângulos internos de um triângulo esférico e o volume da pirâmide que foi reutilizado do mini-curso que eu apresentei, porém esse projeto não teve como aplicar em sala de aula com os alunos, então apenas apresentamos para os nossos colegas. Roteiro de atividade: CATEGORIA Jogo NOME Dikas COMPONENTES 4 MATERIAL Cartas
  27. 27. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA PROCEDIMENTO 1. Formar duas duplas; 2. Sentar uma dupla ao lado da outra e os parceiros um de frente para o outro; 3. Tirar par ou impar para iniciar o jogo; 4. Um componente da dupla inicia pegando uma carta, esse mostra a carta para o adversário que está ao lado e logo em seguida dar uma dica, relacionado ao que esta na carta, para seu companheiro; 5. Após a dica o companheiro responde; 6. Se for o que está na carta a dupla marca ponto; 7. E o outro companheiro da dupla que venceu pega outra carta e repeti o procedimento; 8. Se não for o que está na carta, o componente da outra dupla que também viu a carta da a sua dica para seu companheiro; 9. Se acertar repete o procedimento; 10. Se errar o componente da outra equipe da outra dica para seu companheiro, segue assim até acertar. REGRAS 1. Não é permitido que os jogadores que estão em sua frente vejam a carta; 1. A dica só pode ser UMA PALAVRA; 2. A dica pode ser também de objetos que tenham a forma do que estiver na carta. Ex.: na carta tem o desenho de um cilindro a dica pode ser copo; 3. Pode enfatizar, repetindo, as dicas que já foram ditas e acrescentar a próxima;
  28. 28. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA 4. Em cada carta terá o valor da pontuação para a dupla que acertar; 5. Vence a dupla que completar 7 pontos. OBJETIVO Através das dicas, descobrir que palavra, figura ou fórmula esta na carta. FICHA DE AUTO – AVALIAÇÃO Coloque, nos espaços indicados, à esquerda, numerais de 1 a 5 com os significados seguintes: 5 = sempre; 4 = muitas vezes; 3 = poucas vezes; 2 = apenas uma vez; 1 = nunca Objetivos: (4 ) Tive dificuldade em elaborá-los ? ( 3 ) Tive dificuldades em realizá-los ? ( 5 ) Conseguir correspondência entre eles e as aulas que dei ? Incentivações: ( 4 ) Senti dificuldades em criá-las ? ( 4 ) Senti dificuldades em realizá-las ? ( 3 ) Utilizei-as no início das aulas ? (3 ) Os alunos reagiram a eles como eu esperava ? Conteúdos: ( 1 ) Senti dificuldades por falta de base ? ( 1 ) Senti dificuldades por falta de estudos ? ( 1 ) Senti dificuldades por falta de orientação ? ( 4 ) Consegui dosá-los adequadamente ? ( 5 ) Consegui trabalhá-los em seqüência lógica ? ( 3 ) Consegui as aprendizagens esperadas dos alunos ? Métodos e técnicas: ( 1 ) Tive dificuldades por falta de base ? ( 1 ) Tive dificuldades por falta de estudos ? ( 1) Tive dificuldades por falta de orientação ? ( 4 ) Conseguir adequar as técnicas aos conteúdos ? ( 4 ) Constatei interferências das técnicas e métodos na aprendizagem dos alunos ? Recursos auxiliares: Avaliações: ( 4 ) Realizei-as de acordo com os objetivos propostos por mim ? ( 2 ) Variei as técnicas ? ( 1 ) Promovi a auto-avaliação por parte dos alunos ? ( 4 ) Avaliei processualmente os alunos ? ( 4 ) Avaliei qualitativamente os alunos ?
  29. 29. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA ( 1 ) Avaliei-me após cada atividade ? ( 3 ) Utilizei resultados de avaliação como ponto de partida para novos planejamentos ? Bibliografia: ( 3 ) Limitei-me à informações dos professores ? ( 1 ) Estudei apenas pelo livro didático adotado ? ( 1 ) Pesquisei em livros especializados ? (1 ) Utilizei dicionários ? Qualidades de professor: ( 4 ) Fui assíduo ? ( 5 ) Fui pontual ? ( 5 ) Colaborei com os colegas quando solicitado ? ( 3 ) Colaborei com os colegas espontaneamente ? ( 3 ) Colaborei com o colégio em que estagiei ? ( 5 ) Fui imparcial em meus julgamentos ? ( 4 ) Fui prudente em minhas atitudes ? ( 4 ) Conseguir liderar meus alunos ? ( 3 ) Tive domínio de classe ? ( 3 ) Precisei utilizar repreensões ? ( 1 ) Precisei utilizar castigos ? ( 4 ) Utilizei estimulação positiva ? Meus três aspectos mais positivos: Alegria, esperança e amizade com alunos Meus três aspectos mais negativos: Falta de experiência, não busquei mais alternativas, como deveria, para atrair o interesse e atenção dos alunos e falta de sabedoria para separar as amizades com os alunos Sugestões importantes para outros estágios: Procurar conhecer os alunos, os gostos deles, preferências e a partir disso procurar alternativas para envolve-los no conteúdo da sala de aula. Minha opinião geral sobre o estágio: É necessário, não é suficiente em relação a experiência mais já é alguma coisa, passa uma segurança. É preciso sim da orientação e acompanhamento dos professores e também do compartilhamento das experiências entre os colegas estagiários.
  30. 30. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Mesmo que tenho pouca experiência, sei que o que construir até agora não foi sozinha, tive a influencia de todos os professores da minha vida, de meus colegas, minha família e principalmente a participação de meus alunos. Precisamos estar sempre aprendendo como lidar com eles, os tratando com respeito e tentar entende- los, pois eles são pessoas e têm sentimentos, passam por dificuldades talvez na convivência familiar ou por trabalharem desde novos, entre outras situações, e todo esse convívio em sociedade afetam na postura dos alunos na sala de aula em termos gerais. Com essa experiência eu percebi que o que mais estar deixando os professores insatisfeitos não é tanto o salário, mais sim a falta de disciplina dos alunos. E precisamos estar sempre buscando alternativas para “domar” essa indisciplina e também conquistar o respeito dos alunos. É satisfatório você estar passando na rua e de repente encontrar com um ex-aluno e ver a alegria por parte dele e perceber que você foi além de “cumprir a tarefa” deixando algo especial com o aluno e é dessa mesma forma que eu me sinto quando me lembro dos meus professores que admiro. Não sei qual vai ser o meu futuro, em relação a profissão, mais sei que quero fazer bem feito e principalmente nunca me acomodar, especialmente se eu for professora. Espero um dia poder completar essas palavras confirmando que eu conseguir vencer.
  31. 31. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA 6 REFERÊNCIAS ROGENSKI, Maria;PEDROSO, Sandra; O ENSINO DA GEOMETRIA NA EDUCAÇAO BÁSICA: REALIDADE E POSSIBILIDADES.Local: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/44-4 /, Acesso em: 24 de outubro 2011. MATEMÁTICA: Imenes & Lellis/ Luiz Márcio imenes, Marcelo Lellis- 1º edição- São Paulo: Moderna, 200
  32. 32. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA 7 ANEXOS
  33. 33. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA 7.1 NOTAS DOS ALUNOS ALUNO (A) TESTE 1 TESTE 2 EXERCÍCIOS AVALIAÇÃO TOTAL 1. Anne Marcel y 0.10 0.90 1 3.23 5.25 2. Bruno Pachec o 0.30 1.70 1 3.50 6.50 3. Bruno Santos 0.10 0.90 0 0.10 1.10 4. Camila Almeid a 0.80 1.50 1.8 0.85 5.00 5. Camila Barbos a 0.34 1.70 2.5 4.50 9.10 6. Daniel Virgílio 0.80 0.90 2 1.60 5.30 7. Gabriel Silva 0.10 0.90 2 2.35 5.35 8. Gean Esteve s - - - - - 9. Helder Oliveir a 0.65 1.10 2 2.80 6.60 10.Ilane Cruz 0.10 0.65 1.8 3.40 6.00 11.Irena Santos 0.10 - - 1 - 12.Jefers on da Silva 0.10 1.50 1.50 3.20 6.30 13.Ismael Almeid a 0.91 1.60 2 2.35 6.90 14.Jéssica Neves 0.60 1.70 0.70 1.10 4.10 15.João Victor 0.10 0.10 1.50 0.20 2.00 16.Karoli ne Soares 0.10 0.70 2 3.35 6.10 17.Marta Santos - 1.70 2.60 3.80 8.10 18.Mateu s Menez 0.20 1.20 0.80 4.10 6.30
  34. 34. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA es 19.Patric k Santos 0.10 1.85 1 3.50 6.45 20.Romár io Amori m - 1.60 0.70 3.20 - 21.Samue l Silva 0.10 0.10 0.20 0.10 0.50 22.Tainá de Silva 0.10 0.10 1 0.10 1.30 23.Viníciu s Oliveir a 0.25 0 0.10 0 0.35 • As notas que estão faltando, foi feita a segunda chamada pela professora regente.
  35. 35. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA 7.2 PROVAS E EXERCÍCIOS
  36. 36. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA COLÉGIO ESTADUAL ABDIAS MENEZES DATA:_____/_____/_____ SÉRIE: 7ª TURMA: D TURNO: MATUTINO DISCIPLINA: MATEMÁTICA ALUNO:____________________________________________________________ PROFESSORA REGENTE: Márcia Azevedo Campos ESTAGIÁRIO: Gabriela Almeida Mello PRODUTOS DE POLINÔMIOS O produto de polinômios resulta em outro polinômio. Vamos entender como podemos desenvolver esse resultado usando as propriedades da multiplicação e das potências de mesma base. MULTIPLICANDO UM MONOMIO POR UM POLINOMIO Determinar o polinômio que representa a área do retângulo da figura abaixo. A área do retângulo é igual ao produto das medidas dos lados. Assim; 2.x (5.x + 4) Usando a propriedade distributiva da multiplicação em relação á adição, obtemos: 2.x (5.x + 4) = 2.x. 5.x + 2.x. 4 O polinômio que representa a área do retângulo é 10.x2 + 8.x MULTIPLICANDO UM POLINOMIO POR OUTRO POLINOMIO As medidas dos lados do retângulo da figura abaixo são: (2.x + 1) e (4.x + 3). A área do retângulo é dada por: A= (2.x + 1). (4.x + 3) Usando a propriedade distributiva, obtemos: (2.x + 1) . (4.x + 3) = 2.x . 4.x + 2.x .3 + 1.4.x + 1.3 2.x 5.x + 4 4.x + 3 2.x + 1
  37. 37. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA = 8x2 + 6.x +4.x + 3 = 8x2 + 10.x +3 EXERCÍCIOS 1)Determine o polinômio que representa a área da figura abaixo, cujas medidas estão nela indicadas. 2) Efetue os seguintes cálculos algébricos: a)(x + 2) . (x + 7) b) (x – 2). (x – 7) c) (x2 – 1). (x + 5) d) (x + y). (x + 2) 3)Efetue as multiplicações e simplifique os resultados. a) 3x. (x2 + 2x – 1) b) (x – 3). (x2 + 5x +6 DESAFIO Seja o polinômio: P(a) = a. (a2 – 1 + 2a) -3a2. (2 – 2a) +2 a.(1 – 3. a2) a)Escreva P(a) na forma reduzida e ordene-o. b)Determine P(3) – P(1). 5.x + 2 3.x - 1
  38. 38. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA COLÉGIO ESTADUAL ABEDIAS MENEZES ALUNO(A):___________________________________________________ PROFESSORA REGENTE: MÁRCIA PROFESSORA: GABRIELA SIMULADO DE MATEMÁTICA OBS: Todas as questões deverão conter os seus devidos cálculos 1) Efetue: a) 3 x 5 . 2x² 3 b) 4x 4x² ¿ ¿ - 5x c) 28x5 : 7x² “A mente que se abre a uma nova idéia jamais voltará ao seu tamanho original.” Albert Einstein “A mente que se abre a uma nova idéia jamais voltará ao seu tamanho original.” Albert Einstein
  39. 39. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 1 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA COLÉGIO ESTADUAL ABEDIAS MENEZES ALUNO(A):___________________________________________________ PROFESSORA REGENTE: MÁRCIA PROFESSORA: GABRIELA AVALIAÇÃO III UNIDADE OBS: Todas as questões deverão conter os se us devidos cálculos 1) Efetue: a) 4x 8x³¿ ¿ – x² b) 100x7 : 25x² c) (x + 3).(3x – 2x +4)
  40. 40. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 3 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 4 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA
  41. 41. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 3 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 4 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA
  42. 42. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA – UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS – DCE 3 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA 4 PROFESSOR ORIENTADOR: CLAUDINEI SANTANA 7.3PLANOS DE AULA

×