Estudo de Efésios - Introdução

504 visualizações

Publicada em

Escola Bíblia sobre a carta de Paulo aos Efésios ministrada na Igreja Batista Central de São João do Jaguaribe - Ce pelo Pr. Eid Marques.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
504
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
16
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Estudo de Efésios - Introdução

  1. 1. EFÉSIOS Autor
  2. 2. Nos tempos modernos, vários argumentos têm sido apresentados por alguns eruditos, contrários à autoria paulina da epístola aos Efésios.
  3. 3. Erasmo, contemporâneo de Lutero, e primeiro compilador do N.T. grego impresso, observou algumas peculiaridades de estilo da epístola aos Efésios, em contraste com outras epístolas paulinas; e isso lançou uma sombra de dúvida sobre essa epístola, como obra do apóstolo Paulo.
  4. 4. Entretanto, não houve nenhuma dúvidas verdadeira até o surgimento de Evanson, deísta inglês, o qual publicou um livro sobre os evangelhos, no ano de 1782. Esse autor foi seguido rapidamente por numerosos outros críticos, como Usteri (1824), De Wette (1826), etc.
  5. 5. Baur e os seus discípulos rejeitaram a epístola aos Efésios como paulina, juntamente com Colossenses, porquanto encontraram ali alguns traços de gnosticismo, porquanto pensavam erroneamente que o gnosticismo só sugira depois dos tempos de Paulo.
  6. 6. Desde os dias desses críticos, pois, tornou-se costumeiro, incluindo até mesmo alguns intérpretes conservadores, supor que a epístola aos Efésios não é de autoria paulina, ainda que muitos outros a tenham defendido como tal, a despeito disso, mantendo-a dentro da coletânea dos escritos sagrados paulinos.
  7. 7. Se a questão da autoria dessa epístola dependesse somente da confirmação histórica, não se teria levantado qualquer questão séria. Embora fosse considerado um herege gnóstico, Márciom foi quem imprimiu o primeiro impulso óbvio para a formação do cânon do Novo Testamento, em sua forma mais primitiva.
  8. 8. Márciom rejeitava a autoridade do Antigo Testamento, mas aceitava 10 epístolas paulinas, já que o apóstolo Paulo era o seu herói, bem como uma forma mutilada do evangelho de Lucas, como o seu cânon dos documentos sagrados.
  9. 9. A igreja cristã, por causa disso, começou então a preparar o seu próprio canon, utilizando-se do cânon básico de Márciom. O cânon neotestamentário do século II D.C. consistia essencialmente de dez das epístolas paulinas e dos quatro evangelhos.
  10. 10. Não foi senão já nos fins do século IV D.C. que todos os 27 livros que hoje conhecemos tivessem sido universalmente reconhecido como o Novo Testamento autorizado.
  11. 11. No que diz respeito à confirmação histórica, Policarpo, que foi martirizado em 168 D.C., faz alusão a essa epístola como sendo de autoria paulina, em sua própria epístola aos Filipenses (capítulo primeiro e décimo segundo).
  12. 12. Isso nos mostra que essa epístola, desde os tempos mais remotos, antes mesmos dos anos da canonização dos livros neotestamentários, já usufruir de alto prestígio.
  13. 13. Mais ou menos nesse tempo encontramos o cânon muratoriano, que dava testemunho sobre a autoridade e autoria desta epístola. Entre as igrejas para quem Paulo escreveu, esse canon muratoriano alista Éfeso em segundo lugar.
  14. 14. Por igual modo, Irineu, que foi martirizado em 202 D.C., cita de forma definida a epístola aos Efésios como sendo de Paulo. Clemente de Alexandria, por semelhante modo, acrescenta o seu testemunho sobre a autoridade dessa epístola e sobre sua autoria paulina.
  15. 15. Orígenes, pouco mais tarde (254 D.C.), igualmente a menciona como de autoria paulina. Finalmente, o historiador eclesiástico, Eusébio, também cita a epístola aos Efésios dando-lhe autoria a Paulo.
  16. 16. Pode-se observar, portanto, que esta epístola desfruta de notável confirmação histórica, tanto como qualquer outro dos Livros do Novo Testamento.
  17. 17. Nosso real objetivo não é afirmar que Paulo escreveu ou não Efésios. Antes nosso cuidado deve ser: Quanto da epístola de Efésios eu já aprendi? Quanto da mesma venho praticando?
  18. 18. Efésios, Filipenses, Colossenses e Filemom são, por vezes, chamadas de Epístolas da Prisão, tendo em vista que foram todas escritas durante o encarceramento de Paulo em Roma. As Epístolas da Prisão
  19. 19. Há controvérsias quanto a Paulo ter sido detido uma ou duas vezes em Roma; no entanto, parece-nos mais seguro com os fatos que ele tenha sido encarcerado em duas ocasiões.
  20. 20. Durante o primeiro período de encarceramento, Paulo foi mantido prisioneiro no quartel da guarda pretoriana (ou próximo daí) ou ainda numa casa que ele mesmo alugou. Atos 28 30 Por dois anos, permaneceu Paulo na sua própria casa, que alugara, onde recebia todos que o procuravam,
  21. 21. Foi durante os dois anos em que permaneceu preso que o apóstolo escreveu as epístolas citadas. Ele acreditava na sua libertação. Filemom 22 E, ao mesmo tempo, prepara-me também pousada, pois espero que, por vossas orações, vos serei restituído.
  22. 22. Após a libertação realizou várias viagens, escreveu 1 Timóteo e Tito, foi novamente aprisionado, escreveu 2 Timóteo e foi martirizado.

×