Novos procedimentos de concretagem no brasil

430 visualizações

Publicada em

Apresentação no BrasCon 2014 demonstra os procedimentos para Projeto, Execução e Controle apontados nas Normas Brasileiras no escopo da Tecnologia do Concreto que considera aspectos do concreto como "material" o que não é considerado adequadamente pelo Projeto Estrutural Eletrônico que se refere apenas ao modelo físico matemático da estrutura e prescinde da realidade dos componentes físicos do concreto.

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
430
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Novos procedimentos de concretagem no brasil

  1. 1. 1. Especificação do Concreto desde o Projeto exige Engenheiro Tecnologista Experiente e Responsável Técnico pelo Material Concreto aplicado no Empreendimento. A NBR 6118 não se pauta pela resistência mas pela DURABILIDADE desejada para o Empreendimento. Esta informação deve levar em conta características físicas do material concreto que não estão sendo inteiramente abordadas no Cálculo, hoje um modelo matemático que precisa ser aperfeiçoado em função dos agentes externos ao concreto, como o meio ambiente, fadiga, uso, manutenção e internos, como a sua constituição
  2. 2. Classe de agressividade ambiental Agressividade Classificação geral do tipo de ambiente para efeito de projeto Risco de deterioração da estrutura I Fraca Rural Insignificante Submersa II Moderada Urbana a, b) Pequeno III Forte Marinha a) Grande Industrial a), b) IV Muito forte Industrial a), c) Elevado Respingos de maré a) Pode-se admitir um microclima com uma classe de agressividade mais branda (um nível acima) para ambientes internos secos (salas, dormitórios, banheiros, cozinhas e áreas de serviço de apartamentos residenciais e conjuntos comerciais ou ambientes secos com concreto revestido com argamassa ou pintura). b) Pode-se admitir uma classe de agressividade mais branda (um nível acima) em obras em regiões de clima seco, com umidade relativa do ar menor ou igual a 65%, partes da estrutura protegidas de chuva em ambientes predominantemente secos, ou regiões onde chove raramente. c) Ambientes quimicamente agressivos, tanques industriais, galvanoplastia, branqueamento em indústrias de celulose e papel, armazéns de fertilizantes e indústrias químicas.
  3. 3. Concretoa Tipob c Classe de agressividade (Tabela 1) I II III IV Relação a/c em massa CA < 0,65 < 0,60 < 0,55 < 0,45 CP < 0,60 < 0,55 < 0,50 < 0,45 Classe de Concreto (NBR 8953) CA > C20 > C25 > C30 > C35 CP > C25 > C30 > C35 > C40 Consumo de cimento/m3 CA e CP > 260 > 280 > 320 > 360 a O concreto empregado na execução das estruturas deve cumprir os requisites estabelecidos na ABNT NBR 12655 b CA Corresponde a componentes e elementos estruturais de concreto armado c CP Corresponde a componentes e elementos estruturais de concreto protendido
  4. 4. Além dessas exigências outras se apresentam na atual Normalização Brasileira, quais sejam: • Cobrimentos mínimos – ABNT NBR 6118 Tabela 7.2 • Condições especiais de exposição – ABNT NBR 12655 Tabela 3 • Presença de sulfatos – ABNT NBR 12655 Tabela 4 • Presença de cloretos – ABNT NBR 12655 Tabela 5 • Desempenho das Estruturas de Concreto – ABNT NBR 15575 Parte 2 e todas as exigências desta Norma que se refiram ao concreto.
  5. 5. Portanto a definição do fck na idade básica de Projeto, que é 28 dias, é função das questões de DURABILIDADE o que está ligado a DESEMPENHO e VIDA ÚTIL. Da mesma forma passa a ser parte responsável pelas ações de MANUTENÇÃO, no que cabe ao USUÁRIO, mas só depois que todos os aspectos da construção demonstrarem CONFORMIDADE, durante os prazos legais
  6. 6. 2. Especificação de Resistências e Módulos de Elasticidade do concreto para as “idades críticas” da construção como: movimentação de escoramentos, protensão, retirada de escoramentos, etc. - ABNT NBR 12655 e NBR 14931. Mais uma vez a Tecnologia do Concreto se faz indispensável para o apoio ao Projetista e ao Construtor para a definição desses valores, já que nesta fase desconhecem-se os materiais, os fornecedores, a metodologia de concretagem e outros parâmetros que só podem ser intuídos pela experimentação real ou pela experiência de profissionais da área, conhecedores da região e dos materiais disponíveis.
  7. 7. Como aproximação a ABNT NBR 6118, levando em consideração apenas o tipo de cimento, apresenta as seguintes equações para as resistências fck em função da idade “j” do concreto aplicado: • CPI e II: fckj = exp{0,25 x [1-(28/j)0,5]} x fck28 • CPIII e IV: fckj = exp{0,38 x [1-(28/j)0,5]} x fck28 • CPV: fckj = exp{0,20 x [1-(28/j)0,5]} x fck28 A mesma Norma estabelece uma correlação entre fck e Eci: Eci = 5.600 x fck0,5 Estas equações permitem obter Gráficamente o comportamento do concreto ao longo do tempo.
  8. 8. Curva de Crescimento das Resistências (%)
  9. 9. Curva de Crescimento dos Módulos (%)
  10. 10. 3. Elaboração do cronograma de concretagens, lote a lote, da primeira à última concretagem, em acordo com o prazo e o cronograma global da obra. O prazo desejado pelo Proprietário para todo o Empreendimento permite a estimativa do início, desenvolvimento e conclusão das concretagens. Para estabelecer o andamento das concretagens um levantamento criterioso dos volumes de cada segmento da obra deverá ser realizado, definindo o volume de cada concretagem e a partir daí, obedecendo aos limites da Norma, a divisão de cada concretagem em seus respectivos lotes.
  11. 11. Neste levantamento ficarão conhecidos, além dos volumes de cada concretagem e seus lotes, mais as seguintes informações: • Data e horários de cada concretagem; • A localização exata na estrutura; • A trabalhabilidade a ser requerida pelo concreto tendo em vista o lançamento e o acabamento; • O tempo em que a trabalhabilidade vai ter que se manter, para permitir a concretagem sem alteração do concreto; • As idades e condições em que a estrutura será carregada pelas ações de construção, pela sua própria concretagem, por concretagens seguintes apoiadas nesta e por cargas eventuais de obras (depósito de armaduras, tijolos, etc.)
  12. 12. 4. Criterioso estudo de dosagem do concreto em um laboratório Acreditado (INMETRO) com a devida antecedência em relação ao primeiro dia de concretagem na obra. A Especificação do concreto no Projeto, as condições executivas (prazos, trabalhabilidade, etc.) estabelecem premissas que hoje podem ser totalmente atendidos com o auxílio dos seguintes recursos atuais: • Aditivos polifuncionais; • Aditivos superplastificantes; • Adições; • Agregados especiais e técnicas de empacotamento.
  13. 13. 5. Elaborar um programa de atividades de movimentação e retirada de escoramentos em uma sequencia de operações (ABNT NBR 14931, item 10.2.2), protensões e/ou movimentação de pré-moldados. As informações cuidadosamente organizadas nos itens anteriores proporcionam as condições para a determinação das tensões atuantes sobre cada lote da estrutura durante a execução e assim estabelecer a data (idade) em que o concreto estará em condições (fckj e Ecij) de resistir, ainda que parcialmente, aos esforços de construção e assim avançar, como avança (crescem fck e Eci) a sua capacidade estrutural até os 28 dias.
  14. 14. 6. Em respeito à ABNT NBR 14931, item 10.2.2, os carregamentos de execução, notadamente os decorrentes da retirada de escoramentos, só podem ser realizadaos após comprovação da capacidade estrutural (fck e Eci) do concreto lote a lote. Isto impõe não apenas a necessidade de um Programa de Controle, nos termos da ABNT NBR 12655, com amostragem, moldagem, cura e teste em corpos de prova representantes de cada lote, em quantidade que contemplem o número de exemplares necessários para as estimativas da conformidade para cada idade crítica. Como decorrência, deverá haver um fluxo preciso de informações sobre os resultados nas datas críticas, para liberação do escoramento e outras ações.
  15. 15. 7. É preciso implementar com seriedade os procedimentos existentes nas Normas para a aceitação, correção ou substituição do concreto considerado não-conforme pelo controle por moldagem. Respeitados os procedimentos até aqui descritos, seguramente o(s) lote(s) não-conformes estão ainda escorados, aguardando a decisão sobre a sua qualidade. Isto exige ação imediata, logo após constatar-se a não-conformidade, no sentido de usar imediatamente os recursos de extração de testemunhos ou realização de prova-de-carga, acelerando a decisão final, para que não afete a continuidade da obra.
  16. 16. 8. A quantidade de informações precisas e necessárias ao atendimento das Normas e consequentemente a segurança, como decorrencia da conformidade, exigirá procedimentos de gestão criterioso, devidamente documentado. Chamamos de “mudanças” simples procedimentos obrigatórios determinados em Normas Brasileiras, que já estão implantados desde 2003, mas que ainda não foram devidamente implementados, nas construções brasileiras, ao ponto de se poder supor a distinção entre a Engenharia, onde estas regras são obrigatórias, e o “negócio da construção”, onde impera a desobediência, com reflexos que já se fazem sentir na QUALIDADE

×