A importância do fck de projeto

393 visualizações

Publicada em

Apresentação do Engenheiro Egydio Hervé Neto no Debate sobre RESISTÊNCIA DO CONCRETO no IBRACON 2009.

Publicada em: Engenharia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
393
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A importância do fck de projeto

  1. 1. A importância do fck de Projeto Por que não o atingimos? Quais as consequências disto? Egydio Hervé Neto Engenheiro Civil Especialista em Concreto
  2. 2. Qual a importância do fck de projeto? • O fck de projeto representa a resistência esperada para o concreto da estrutura. • A resistência é diretamente proporcional a todos os outros parâmetros que atestam a QUALIDADE do concreto (NBR 6118:2003, Cap.5): – Capacidade resistente – Desempenho em serviço – Durabilidade • Na maioria dos casos o fck de projeto é o único parâmetro da QUALIDADE medido na estrutura.
  3. 3. O fck de projeto depende de alguns fatores • Agressividade ambiental • Relação a/c e consumo de cimento • Uso de aditivos/adições, trabalhabilidade • Resistência de dosagem (desvio padrão) • Evolução da resistência com a idade • Constância de procedimentos executivos • Correção e constância de procedimentos de controle
  4. 4. • O fck de projeto é determinado em primeiro lugar em respeito às condições de agressividade ambiental: Tabela 7.1 da NBR 6118:2003 e Tabela 2 da NBR 12655:2006
  5. 5. • Mas ele também pode ser imposto pela condição dada pela relação água/cimento máxima ou ainda pelo consumo mínimo de cimento.
  6. 6. • Isto é função do tipo de cimento e da trabalhabilidade que pode exigir a presença de aditivos e/ou adições, para proporcionar o resultado de durabilidade e desempenho desejado. Aumento das resistências de uma família de concretos com Adição de Microssílica 10,00 20,00 30,00 40,00 50,00 60,00 70,00 0,350 0,500 0,650 0,800 Relações a/c fc28(MPa) s/ MS c/ MS
  7. 7. • O fck de projeto corrente é especificado para 28 dias em estruturas e a sua obtenção na obra deve estar garantida desde a dosagem.
  8. 8. A correta evolução da resistência de dosagem é garantia da obtenção do fck em todas as idades, até a idade de referência, 28 dias.
  9. 9. A Resistência de Dosagem determinará em grande parte a garantia do atendimento ao fck de projeto fcm= fck+1,65.Sd fcd=fck/gc fcmfckfcd Sd 5% 95%
  10. 10. • Uma vez estabelecida a dosagem correta e “amarrados” os seus resultados, todos os procedimentos de preparo do concreto até a concretagem e finalmente a avaliação do resultado devem ser procedidos e repetidos com critério, para proporcionar fidelidade e constância.
  11. 11. • Para isto a metodologia executiva deve seguir procedimentos padrão de qualidade garantida e a metodologia de controle deve ser fiel à realidade obtida. • O contrário é inconsistência de procedimentos e/ou inconsistência da avaliação, tendo como consequência uma nota de não- conformidade para o concreto
  12. 12. O controle deve retratar o comportamento do concreto e seus procedimentos, seguidos criteriosamente, devem proporcionar credibilidade a todos os envolvidos
  13. 13. • Os procedimentos de controle estão definidos nas Normas e visam garantir resultados não apenas verdadeiros, mas intercambiáveis entre laboratórios. • Certos critérios e exigências quando não seguidos a rigor podem descaracterizar a conformidade do concreto sem que a qualidade desse concreto seja responsável por isto. • Critérios de amostragem • Qualidade do moldador • Manuseio dos CPs • Transporte dos CPs • Cura sob temperatura e umidade constantes • Capeamento • Equipamentos aferidos • Velocidade de carregamento • Emissão de Certificados • Laudos de interpretação • Comunicação
  14. 14. • A contratação de Laboratórios Acreditados é o primeiro passo para a credibilidade do controle (INMETRO). • Conferir a competência da mão de obra e a aferição dos equipamentos pode permitir o uso de laboratórios alternativos (sem Acreditação) desde que aceitos previamente por todos os envolvidos. • As exigências devem persistir para que não hajam dúvidas sobre os resultados. • Havendo falha no controle na fase de concretagem/moldagem, um Consultor neutro deve ser chamado e se valer de laboratório Acreditado para basear suas decisões. • Não sendo possível aproveitar amostras moldadas deve-se fazer a extração de testemunhos, sempre preservando os lotes originais e atendendo ao número mínimo de exemplares da Norma.
  15. 15. A análise de resultados obtidos criteriosamente deve espelhar a realidade física da obra para que as decisões sejam restritas às zonas de influência reais da eventual não-conformidade.
  16. 16. O controle visa determinar se o volume do lote apresenta pelo menos 95% de valores de resistência acima de fck de projeto fcmfckfcd Sd 5% 95% S’d > Sd f’cm < fcm
  17. 17. O exemplo ilustra possibilidades que um bom controle informa: 1.- o desvio padrão real é maior do que o desvio padrão deduzido do projeto; 2.- a média real é menor do que a deduzida do projeto. Uma terceira hipótese seria o não atendimento nem da média, nem do desvio padrão. Combinações dessa situação podem conduzir a fck real menor do que o de projeto
  18. 18. Porque não atingimos o fck de projeto? • Por falta de tempo para estudos criteriosos • Por erro na dosagem em laboratório • Por erro na dosagem na central ou na obra • Por troca de materiais • Pelo uso de cimentos “piratas” • Por erro nos ensaios: moldagem, transporte, cura, ruptura • Por má interpretação dos resultados: – Por falta de um mapeamento criterioso dos lotes – Por erro na emissão dos Certificados – Por falhas de comunicação
  19. 19. Consequências para recuperar o fck de projeto • Despesas para refazer o projeto • Perdas por atraso no cronograma • Perdas de materiais • Necessidade de mudanças na obra: – Reforço para garantir o desempenho inicial previsto – Diminuição (restrições) do carregamento em relação ao previsto inicialmente – Demolição e refazimento • Perdas de imagem e relacionamentos
  20. 20. Consequências quando nada é feito. • Deformações precoces com danos aos empreendimentos; • Fissuração/porosidade permitindo ataques ambientais à estrutura; • Aumento dos gastos com manutenção; • Redução da durabilidade; • Desvalorização por perda de imagem; • Risco de colapso estrutural; • ...aceito contribuições! egydio@ventuscore.com.br

×