Aula palestra gestão da inovação usp each nov 2010 eduardo grizendi v 1.0

541 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
541
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula palestra gestão da inovação usp each nov 2010 eduardo grizendi v 1.0

  1. 1. A Gestão da Inovação e a TIC Eduardo Grizendi Professor Titular egrizendi@inatel.br Blog: www.eduardogrizendi.blogspot.com São Paulo, Novembro de 2010
  2. 2. 2 Agenda • Conceitos de inovação • O Modelo de inovação aberta (“Open Innovation”). • O Marco Legal da Inovação no Brasil. • Caminhos para inovação - as oportunidades trazidas pelo Modelo de “Open Innovation” • Conclusões @Eduardo Grizendi 2010 São Paulo, Novembro de 2010
  3. 3. • O Brasil produz mais de 10.000 doutores / ano  Mais que Austrália, Itália e Canadá  Cerca de 5 x mais que o México Fonte: MCT • Número de “papers” indexados” é uma indicação da produção científica  Aumento de 11,3%/ano  4,8 x a média mundial  2,12% da produção mundial em 2008 Produção Científica Brasileira 1981 1984 1987 1990 1993 1996 1999 2002 2005 2008 Ano Valorrelativo Brasil Mundo 0 2 4 6 8 10 12 14 16 18 1 Crescimento das publicações científicas 0 5.000 10.000 15.000 20.000 25.000 30.000 35.000 40.000 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 00 01 02 03 04 05 06 07 08 Mestrado Doutorado fonte: Capes/MEC Mestres e doutores titulados anualmente 10,7 mil doutores formados em 2008 36 mil mestres formados em 2008 3@Eduardo Grizendi 2010 São Paulo, Novembro de 2010
  4. 4. • A instituição que mais patenteia no Brasil é a Unicamp, seguida pela Petrobrás • Número de patentes é um indicador internacional de medida da produção tecnológica  O Brasil responde apenas por 0,18% do número de patentes registrados no mundo (Banco Mundial, 2008) Produção Tecnológica Brasileira 4@Eduardo Grizendi 2010 São Paulo, Novembro de 2010
  5. 5. A Inovação segundo Schumpeter (TDE, 1911) • Novas combinações de meios produtivos (“materiais e forças”) aparecendo descontinuamente, gerando desenvolvimento (“realização de novas combinações”): – Introdução de um novo bem ou de uma nova qualidade de um bem – Introdução de um novo método de produção – Abertura de um novo mercado – Conquista de uma nova fonte de oferta de matérias-primas ou de bens manufaturados – Estabelecimento de uma nova organização de qualquer indústria • Invenção # Inovação 5@Eduardo Grizendi 2010 São Paulo, Novembro de 2010
  6. 6. A Inovação Tecnológica segundo o Manual de Oslo (1997) e PINTEC 2008 • Introdução no mercado de:  Um produto (bem ou serviço) tecnologicamente novo ou substancialmente aprimorado  Um processo produtivo tecnologicamente novo ou substancialmente aprimorado; • Se refere a produto e/ou processo novo (ou substancialmente aprimorado) para a empresa, não sendo, necessariamente, novo para o mercado de atuação; • Pode ter sido:  Desenvolvida pela empresa ou  Ter sido adquirida de outra empresa/instituição que a desenvolveu. • Pode resultar de:  Pesquisas e desenvolvimentos tecnológicos realizados no interior das empresas (P&D);  Novas combinações de tecnologias existentes;  Aplicação de tecnologias existentes em novos usos ou  Utilização de novos conhecimentos adquiridos pela empresa. 6@Eduardo Grizendi 2010 São Paulo, Novembro de 2010
  7. 7. O Processo de Inovação Funil da Inovação Protótipo Idéias Produto Projetos Projetos Projetos Idéias Idéias Idéias Idéias Idéias Idéias Idéias Idéias Idéias Idéias Idéias Idéias Projetos Protótipo 7@Eduardo Grizendi 2010 São Paulo, Novembro de 2010
  8. 8. A Inovação Tecnológica para a Empresa Novo Produto Melhoria em Produto Novo Produto Melhoria em Produto Novo Processo Melhoria em Processo Novo Processo Melhoria em Processo = 8@Eduardo Grizendi 2010 São Paulo, Novembro de 2010
  9. 9. O conceito de Inovação Aberta (“Open Innovation”) Closed Innovation Open Innovation @Eduardo Grizendi 2010 9São Paulo, Novembro de 2010
  10. 10. O conceito de Inovação Aberta (“Open Innovation”) Current Market Internal Technology Base R D Technology Insourcing New Market Technology Spin-offs External Technology Base Other Firm’s Market Licensing @Eduardo Grizendi 2010 10 © 2007 Henry Chesbrough São Paulo, Novembro de 2010
  11. 11. Exemplo: Plataforma P&G de “Open Innovation” connect + develop 11 @Eduardo Grizendi 2010 São Paulo, Novembro de 2010
  12. 12. • O que é: – Gestão da Propriedade Intelectual • Não divulgação, proteção, acompanhamento junto aos organismos de proteção, comercialização – Gestão das Oportunidades Tecnológicas • Prospecção tecnológica, diligência tecnológica, “Spin-in’s “, etc. – Gestão dos Recursos para Inovação • Atração, contratação, elaboração e submissão de projetos de P&D&I a agências de fomento, etc. • Prestação de contas dos recursos de agências de fomento. – Gestão da Transferência de Tecnologia • Valoração, Licenciamento, transferência, contratação, etc. – Gestão das Empresas Nascentes • Spin-off’s, Spin-out’s, programas de incubação, etc. – Gestão das Competências Tecnológicas • Coletivas, individuais, essenciais, etc. • O que não é: – Execução da P&D&I • Pode incluir ou não a Gestão da P&D Conceito de Gestão da Inovação 12@Eduardo Grizendi 2010 São Paulo, Novembro de 2010
  13. 13. • Ferramenta estratégica de desenvolvimento tecnológico – No. de Patentes: índice da Produção Tecnológica; – Protege e recompensa o esforço de P&D; – Promove a divulgação dos resultados tecnológicos • Inverso: segredo industrial – Gera mais valor para a comercialização das tecnologias; – Protege contra a proteção por terceiros; • Banco de patentes – Importante fonte de conhecimento – Antes de iniciar um esforço em P&D, deve-se fazer busca em bancos de patentes nacionais e internacionais; • Jogo jogado mundialmente! Importância da Gestão da Propriedade Intelectual 13@Eduardo Grizendi 2010 São Paulo, Novembro de 2010
  14. 14. Exemplos de Invenções e Inovações • Clipe − Apareceu na Inglaterra em 1867, quando já se produzia arame de aço flexível. − Várias patentes foram concedidas (ex. nos EUA ao norueguês Johan Vaaler em 1901 ) • Zíper − O primeiro fecho com fendas foi patenteado em 1851, nos EUA (patente de E. Howes) − O encaixe era feito um a um. 14@Eduardo Grizendi 2010 São Paulo, Novembro de 2010
  15. 15. • Política de Desenvolvimento Produtivo (PDP) • Lei federal de inovação; • Leis estaduais de inovação; – São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Amazonas, Pernambuco, Bahia, Ceará, Amazonas, Sergipe, Mato Grosso, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, ... • Cap. III da Lei do Bem O Marco Legal da Inovação no Brasil 15@Eduardo Grizendi 2010 São Paulo, Novembro de 2010
  16. 16. Lei nº 10.973, de 02.12.2004 Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. I - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES II - DO ESTÍMULO À CONSTRUÇÃO DE AMBIENTES ESPECIALIZADOS E COOPERATIVOS DE INOVAÇÃO III - DO ESTÍMULO À PARTICIPAÇÃO DAS ICT NO PROCESSO DE INOVAÇÃO IV - DO ESTÍMULO À INOVAÇÃO NAS EMPRESAS V - DO ESTÍMULO AO INVENTOR INDEPENDENTE VI - DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO VII - DISPOSIÇÕES FINAIS Lei de Inovação A Lei Federal de Inovação @Eduardo Grizendi 2010 16São Paulo, Novembro de 2010
  17. 17. IV - DO ESTÍMULO À INOVAÇÃO NAS EMPRESAS Art. 19 A União, as ICT e as agências de fomento promoverão e incentivarão o desenvolvimento de produtos e processos inovadores em empresas nacionais e nas entidades nacionais de direito privado sem fins lucrativos voltadas para atividades de pesquisa, mediante a concessão de recursos financeiros, humanos, materiais ou de infra-estrutura, a serem ajustados em convênios ou contratos específicos, destinados a apoiar atividades de pesquisa e desenvolvimento, para atender às prioridades da política industrial e tecnológica nacional. . A Lei Federal de Inovação Incentivos Diretos e Indiretos INCENTIVOS DIRETOS = SUBVENÇÃO ECONÔMICA @Eduardo Grizendi 2010 17 VI – DISPOSIÇÕES FINAIS Art. 28 A União fomentará a inovação na empresa mediante a concessão de incentivos fiscais com vistas na consecução dos objetivos estabelecidos nesta Lei. O Poder Executivo encaminhará ao Congresso Nacional, em até 120 (cento e vinte) dias, contados da publicação desta Lei, projeto de lei para atender o previsto no caput deste artigo. INCENTIVOS INDIRETOS = INCENTIVOS FISCAIS São Paulo, Novembro de 2010
  18. 18. Os Editais Finep de Subvenção Econômica Chamada Pública Subvenção Econômica 2010 • Objetivo  Recursos de subvenção econômica (recursos não-reembolsáveis) para desenvolvimento de produtos, processos e serviços inovadores dentro de áreas consideradas estratégicas nas políticas públicas federais, por empresas brasileiras • Valores por projetos a serem solicitados à FINEP/FNDCT: de R$ 500 mil à R$ 10 milhões. • Contra-partida: • Prazo de execução do projeto: até 36 (trinta e seis) meses. • Prazo de submissão de proposta : 13/10/2010 18@Eduardo Grizendi 2010 São Paulo, Novembro de 2010
  19. 19. LEI COMPLEMENTAR Nº 1049, DE 19 DE JUNHO DE 2008 Dispõe sobre medidas de incentivo à inovação tecnológica, à pesquisa Científica e tecnológica, ao desenvolvimento tecnológico, à engenharia não-rotineira e à extensão tecnológica em ambiente produtivo, no Estado de São Paulo, e dá outras providências correlatas. Capítulo I - Das Disposições Preliminares Capítulo II - Do Sistema Paulista de Inovação Tecnológica; Capítulo III - Do Estímulo à Participação das ICTESPs no Processo de Inovação Tecnológica; Capítulo IV - Do Estímulo à Participação do Pesquisador Público no Processo de Inovação Tecnológica; Capítulo V - Do Estímulo à Participação do Inventor Independente no Processo de Inovação Tecnológica; Capítulo VI - Do Estímulo à Participação de Empresas no Processo de Inovação Tecnológica; Capítulo VII - Da Participação do Estado em Empresas de Inovação Tecnológica; Capítulo VIII - Da Participação do Estado em Fundos de Investimento; Capítulo IX - Dos Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresa de Base Tecnológica; Capítulo X - Das Disposições Finais A Lei Paulista de Inovação @Eduardo Grizendi 2010 19São Paulo, Novembro de 2010
  20. 20. As Chamadas PIPE/ Fapesp de Subvenção Econômica • Programa de Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas - PIPE/FAPESP • Apóia pesquisas inovadoras a executadas por pequenas empresas (até 100 empregados), instaladas no Estado de São Paulo; • Projetos desenvolvidos por pesquisadores vinculados às empresas ou não; • Dispensa contrapartida; • O pesquisador deverá se dedicar prioritariamente à execução do projeto e ter presença substancial dentro da empresa. • Programa estruturado em Fases – FASE 1: Fase de realização de pesquisas sobre a viabilidade técnica das idéias propostas (até R$ 125 mil) – FASE 2: Fase de desenvolvimento da parte principal da pesquisa (até R$ 500 mil) – FASE 3: Fase de desenvolvimento de novos produtos comerciais baseados nas fases anteriores @Eduardo Grizendi 2010 20São Paulo, Novembro de 2010
  21. 21. 21 A Lei do Bem • Capítulo III da Lei nº 11.196 11/2005 – Prevista na Lei de inovação – Cria incentivos fiscais de apoio às atividades de pesquisa, desenvolvimento e inovação tecnológica das empresas. – Regulamentada pelo decreto nº 5.798 de 06/2006. • Vários capítulos na Lei do Bem – “Institui o .. ; dispõe sobre incentivos fiscais para a inovação tecnológica; altera o ...”. – Capítulo III - DOS INCENTIVOS À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA • O centro de atenção é a empresa 7 @Eduardo Grizendi 2010 São Paulo, Novembro de 2010
  22. 22. Resumo dos Incentivos Fiscais da Lei do Bem Principais Incentivos Fiscais da Lei do Bem Dedução Adicional de BC do IRPJ & CSLL 60% automático 10% com incremento de <= 5 % dos pesquisadores 20% com incremento de > 5 % dos pesquisadores 20% para patente concedida Depreciação Integral no ano de aquisição de equipamentos Amortização acelerada para ativos intangíveis Redução de IPI 50% na aquisição de equipamentos Redução a IR Retido na Fonte 0 (zero) em remessas para registro e manutenção de patentes 22@Eduardo Grizendi 2010 São Paulo, Novembro de 2010
  23. 23. Our current market Our new market Other firm´s market External technology insourcing/ spin-in Internal technology base External technology base Henry Chesbrough , 2004 Internal/external venture handling Licence, spin out, divest O conceito de Inovação Aberta (“Open Innovation”) @Eduardo Grizendi 2010 São Paulo, Novembro de 2010 23
  24. 24. ICT Empresa Pesquisa Comercialização Desenvolvimento Desenvolvimento Modelo Fechado Foco em D Caminhos de inovação - O papel das ICTs (segundo o Modelo Fechado de Inovação) @Eduardo Grizendi 2010 24São Paulo, Novembro de 2010
  25. 25. Modelo Aberto Foco em P&D&I Oportunidades Empresa Pesquisa Comercialização Desenvolvimento Desenvolvimento ICT Licenciamentos Comercialização Spin-out Scale up Caminhos de inovação - O papel das ICTs ( segundo o Modelo Aberto de Inovação e alinhado com as leis de Inovação e Lei do Bem) @Eduardo Grizendi 2010 25São Paulo, Novembro de 2010
  26. 26. (Modelo Fechado) X (Modelo Aberto + Lei de Inovação + Lei do Bem) Empresa Pesquisa Comercialização Desenvolvimento Desenvolvimento Modelo Fechado Foco em D Licenciamentos Comercialização Spin-out Scale up Pesquisa Comercialização Desenvolvimento Desenvolvimento ICT Oportunidades Modelo Aberto Foco em P&D&I @Eduardo Grizendi 2010 26São Paulo, Novembro de 2010
  27. 27. A Importância da Geração de Empresas Nascentes e os Processos de Inovação por “Spin-in” e “Spin-off”. Lista de Aquisições • Google http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_Google_acquisitions • Yahoo: http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_acquisitions_by_Yahoo%21 • Microsoft http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_companies_acquired_by_Microsoft_Corporati on 27@Eduardo Grizendi 2010 São Paulo, Novembro de 2010
  28. 28. A Importância da Geração de Empresas Nascentes e os Processos de Inovação por “Spin-in” e “Spin-off”. Estratégia de “Spin-in’s” Google 28@Eduardo Grizendi 2010 São Paulo, Novembro de 2010
  29. 29. As 30 mais importantes inovações em 30 anos 1. Internet WWW 2. PC/Laptop computers 3. Mobile phones 4. Email 5. DNA testing and sequencing/Human genome mapping 6. Magnetic resonance imaging (MRI) 7. Microprocessors 8. Fiber optics 9. Office software (Spreadsheets, word processors) 10. Non-invasive laser/robotic surgery (laparoscopy) 11. Open source software and services (e.g., Linux, Wikipedia) 12. Light emitting diodes (first real devices in 1960s; in products in mid-70s) 13. Liquid Crystal Displays 14. GPS Systems 15. Online shopping/ecommerce/auctions (e.g., eBay) 16. Media file compression (e.g., jpeg, mpeg, mp3) 17. Microfinance 18. Photovoltaic Solar Energy 19. Large scale wind turbines 20. Social networking via internet 21. Graphic user interface (GUI) 22. Digital photography/videography 23. RFID and applications (e.g. EZpass) 24. Genetically modified plants 25. Bio fuels 26. Bar codes and scanners 27. ATMs 28. Stents 29. SRAM flash memory 30. Anti retroviral treatment for AIDS http://www.pbs.org/nbr/site/features/special/top-30-innovations_home/ 29@Eduardo Grizendi 2010 São Paulo, Novembro de 2010
  30. 30. A importância das redes sociais 30@Eduardo Grizendi 2010 São Paulo, Novembro de 2010
  31. 31. 4 tendências para o setor de telecom nos próximos 10 anos - Computerworld/2010 1- 50 bilhões de dispositivos conectados • Nos próximos dois anos, haverá 5 bilhões de assinantes de celular em todo o mundo - mais de 80% da população global. ...A "Internet das coisas" vai expandir a comunicação das 6 bilhões de pessoas em todo o mundo para cerca de 50 bilhões de máquinas. • De sociedade eletrônica (e-society) para uma sociedade ubíqua (u-society), na qual tudo é conectado e pode ser acessado de qualquer lugar. 2- O avanço da banda larga móvel é a próxima engrenagem de telecomunicações • As receitas dos tradicionais serviços de voz estão saturadas • A banda larga móvel, no entanto, está vivendo sua época de ouro. • Em 2014, o número de assinantes de banda larga móvel terá crescido 10 vezes, atingindo cerca de 3 bilhões. 31@Eduardo Grizendi 2010 São Paulo, Novembro de 2010
  32. 32. 4 tendências para o setor de telecom nos próximos 10 anos - Computerworld/2010 3- Cloud computing traz novas oportunidades • A nuvem redefiniu a estrutura de indústrias inteiras ao revolucionar modelos de negócios de software, hardware e ao fazer com que clientes deixassem de comprar produtos e passassem a comprar serviços. 4- Casa conectada • O aumento da penetração de banda larga criará casas über conectadas e redes domésticas. • A União Européia previu em seu relatório "Internet de 2020" que nos próximos 10 anos os canais de TV serão distribuídos junto com outros serviços de internet e não haverá mais transmissão via satélite e terrestre - exceto em áreas isoladas. • Na década passada,testemunhamos a convergência de telecomunicações e internet. Na próxima, vamos ver a convergência de broadcast, TV e internet. • A casa conectada é o principal campo de batalha para a convergência de telecomunicação, TV e internet e vai oferecer oportunidades sem precedentes para operadoras 32@Eduardo Grizendi 2010 São Paulo, Novembro de 2010
  33. 33. “Processo de destruição criativa” [Schumpeter, 1942] • Destruição do velho, como conseqüência do surgimento do novo. “... que revoluciona a estrutura econômica a partir de dentro, destruindo incessantemente o antigo e criando elementos novos...” “Este processo de destruição criativa é básico para se entender o capitalismo. É dele que se constitui o capitalismo e a ele deve se adaptar toda a empresa capitalista para sobreviver” “... esforço para enfrentar uma situação que tudo indica que mudará, ou seja, como uma tentativa dessas empresas de firmar-se em um terreno que lhe foge sob os pés”. 33@Eduardo Grizendi 2010 São Paulo, Novembro de 2010
  34. 34. Que terreno lhe foge a seus pés? • Acesso em Fibra? • Aplicações Móveis? • Cloud Computing? • Redes Sociais? • Mobile Internet Devices? • Serviços Convergentes (Triple-play, Quadri-play) • ??? 34 @Eduardo Grizendi 2010 São Paulo, Novembro de 2010
  35. 35. A história dos 3 porquinhos – Versão TIC 35 Prático, Heitor e Cícero @Eduardo Grizendi 2010 São Paulo, Novembro de 2010
  36. 36. 36 Cícero A história dos 3 porquinhos – Versão TIC @Eduardo Grizendi 2010 São Paulo, Novembro de 2010
  37. 37. 37 Heitor A história dos 3 porquinhos – Versão TIC @Eduardo Grizendi 2010 São Paulo, Novembro de 2010
  38. 38. 38 Prático A história dos 3 porquinhos – Versão TIC @Eduardo Grizendi 2010 São Paulo, Novembro de 2010
  39. 39. 39 Conclusões • Nem toda invenção se traduz em inovação; • A Inovação tem que gerar riqueza – Trazer “dim dim”, “bufunfa”, ... ; • O Modelo de “Open Innovation” e o Marco Legal da Inovação trazem novos caminhos para a Inovação; • A Importância da Geração de Empresas Nascentes no ambiente de inovação; • A realidade do “Processo de destruição criativa” [Schumpeter, 1942] , principalmente em TIC; @Eduardo Grizendi 2010 São Paulo, Novembro de 2010
  40. 40. Obrigado !!! Eduardo Grizendi Blog: www.eduardogrizendi.blogspot.com São Paulo, Novembro de 2010

×