Economia Política na era da
Informação: Propriedade Intelectual
x Livre Compartilhamento de
Conteúdos na Internet
Prof. Dr...
Introdução
Como explicar que um sistema de
computadores acumulando e
permitindo acesso a bilhões de retratos
vulgares de p...
http://t0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQ-
CjjSHbnP5PSGlpovr4wZd7djfPhEZtzpl9-luI7JokbjhWeBTA
A internet surgiu para a so...
Sumário:
Introdução
1. Elementos de Teoria da Informação
2. Informação e teoria do capital
3. “Sociedade do espetáculo”
4....
1.
Elementos de Teoria da Informação
“Escrevo este livro principalmente para norte-
americanos, em cujo ambiente os problemas da
informação serão avaliados de ...
“O custo de transmissão de um
corpo de informação dado é com
freqüência muito baixo. Se fosse
zero, a alocação ótima iria ...
“Para a maior clareza deste
livro, acho necessário dar
uma definição de conhecimento
e informação, mesmo que essa
atitude ...
Questão de método
Qualquer investigação científica precisa assumir um parti-pris
epistemológico e metodológico.
http://puc...
Duas abordagens para a informação
Daí, comunicação é definida como transferência de informação de
um emissor para um recep...
2
Abordagem positivista Abordagem dialética
Nasce com com Heinz von Foerster, sendo desenvolvida por
Gregory Bateson, Henr...
Conceito de informação
Entendemos informação como uma modulação de energia que provoca algo diferente
em um ambiente qualq...
http://t1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcR6vf14wyLMWGbBqJySn9GgOZl_hsJ14yxQXw
_kuQXSF7cCEcANog, acesso 31/05/2011
LIVRO (O...
ADITIVIDADE
O conhecimento obtido da
informação pode ser
transferido pra outros
(alienado) sem que o detentor
original des...
2.
Informação e teoria do capital
“A mercadoria é, antes de tudo, um objeto externo, uma
coisa, a qual, pelas suas propriedades satisfaz
necessidades humana...
5
http://temperovirtual.blogspot.com/2009/02/bife-ao-
alho.html,acessadoem27/06/2010
O alimento só realiza o seu
valor de ...
http://www.tbus.com.br/images/tecnologia-
pesquisa.jpg, acessado em 11/06/2011
http://www.industry.siemens.com/metals-
min...
Tempo e espaço: determinações essenciais
“O capital, por sua natureza, tende a superar toda a
barreira espacial. Por conse...
D M... P D’
TEMPO
"Existem, porém, ramos autônomos da indústria, nos
quais o produto do processo de produção não é um
no...
A teoria econômica só se interessa pelo valor de troca, isto
é, pelo estudo da equivalência entre as mercadorias.
Tanto a ...
A produção (industrial) artística se efetua em dois tempos de
trabalhos muito distintos
http://davidcorreiajunior.files.wo...
http://imagens.canaltech.com.br/18536.32034-Televisao-Ambilight.jpg, acesso em 12/08/2014
As indústrias de fluxo, mas tamb...
Rendas informacionais
6
Os modelos de negócios das indústrias culturais se apóiam
nos direitos de propriedade intelectual ...
Tudo, agora, é fluxo (de bits)
3 https://lh5.googleusercontent.com/-zyvN_VnqO-M/TYS2GdGnBBI/AAAAAAAADQ4/C4UFe3XJDfE/s1600/...
3.
“Sociedade do espetáculo”
http://www.weg.net/var/ezflow_site/storage/image
s/media-
center/noticias/...//Teka_resize_galeria_full_h.jpg,
acessoem5/1...
Tantas obras renderam a [Peter] Schreyer os
mais importantes títulos e láureas de seu campo
profissional. E também uma age...
http://www.industry.siemens.com/metals
-mining/PT/images/166.jpg, acesso em
4/11/2007
https://encrypted-
tbn0.gstatic.com/...
No capitalismo contemporâneo, o desenho tornou-se um aspecto determinante
para a diferenciação e competição no mercado. P...
“... não é possível ter um mercado florescente e em
expansão, cujos consumidores sejam todos
calvinistas e tradicionalista...
11
Marcas e consumo
Embora a transformação material seja um “detalhe”
indispensável, as corporações-redes e todo o sistema...
http://infinitosestilos.files.wordpress.com/2010/10/century21-
2.jpg,acessoem9/04/2012
Nas modernas sociedades industriais...
http://entornoonline.com.br/blogdagraci/wp-content/uploads/2014/05/o-maior-aliado-da-copa-do-mundo-1000x500.jpg, acesso em...
MARCA
MARCA
MARCA
MARCA
MARCA
MARCA
MARCA
A telinha é o espetáculo
O espetáculo é a intermediação necessária entre a marca...
CRIAÇÃO/PROJETO
FABRICAÇÃO
MATERIAL
ACABAMENTO
Trabalho concentrado
nos países ricos
Trabalho distribuído
na periferia
TRA...
4.
Trabalho em rede, trabalho grátis?
http://davidcorreiajunior.files.wordpress.com/2008/08/clarice_l
ispector.jpg,acessoem27/06/2010
Clarice Lispector (1920-19...
http://saudeinfantil.blog.br/wp-content/uploads/2012/05/tv_pais_filhos-e1336572165680.jpg
… mas, na “velha mídia”, as reaç...
http://t0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRcUEshPCiKSOlsRukjakcEE7XR0rIYE94dDznlLo9r6wmanqA_, acesso em 11/06/2013
http://e...
http://t0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQ-
CjjSHbnP5PSGlpovr4wZd7djfPhEZtzpl9-luI7JokbjhWeBTA
A internet permite:
1) elim...
As redes sociais (como bem sabe o
Facebook), tornaram-se minas de
ouro literais para o capital que se
valoriza com informa...
http://www.pontomidia.com.br/raquel/arquivos/assets_c/2011/06/gtciberfotinhos-thumb-350x280-234.jpg, acesso em 11/06/2013
...
5.
Rendas informacionais
A criação terá que ser
comunicada. Para isso, o
capital mobiliza, de modo
articulado e combinado com
o trabalho aleatório,...
http://t1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcTB1P9neL_r1p8RmDl_n4GMF9YjpmMYnxpaIWeccvj-wTxM4Wax, acesso em 22/05/2011
2 http:/...
http://4.bp.blogspot.com/_S9yMFmI-N6c/SIttV_5TAEI/AAAAAAAAA7k/fbgbQR6svSQ/S1600-R/muro.jpg, acessado em 10/03/2020
“Jardin...
CRIMINALIZAÇÃO SOCIALIZAÇÃO (“COMUNS”)
Lei do Copyright para o Milênio (Millenium Copyright Act – DMCA) –
aprovada em 1998...
5.
Considerações finais
Das ruas comuns para os condomínios fechados
http://4.bp.blogspot.com/_WeoC73kslpI/St7Yh4o8CJI/AAAAAAAAAPM/gAUT-NL3B0M/s32...
http://www.iti.gov.br/twiki/pub/Noticias/PressRelease2004Jul22A/SrgioAmadeu.jpg,
acesso em 10/12/2008
http://www.lisarein....
http://www2.warwick.ac.uk/knowledge/themes/virtualfuture
s/richardbarbrook/richard_barbrook_320x220.jpg
“Felizmente, para ...
Internet.org é claramente um projeto
que busca capilarizar redes a serviço
do poder geopolítico dos Estados
Unidos, em reg...
Obrigado!
Prof. Dr. Marcos Dantas
www.marcosdantas.pro.br
prof.marcosdantas@gmail.com
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Economia Política na era da Informação: Propriedade Intelectual x Livre Compartilhamento de Conteúdos na Internet

787 visualizações

Publicada em

Sexta feira, 19/08/2015 às 13h30
Marcos Dantas

Publicada em: Internet
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
787
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
163
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • 46
  • 54
  • Economia Política na era da Informação: Propriedade Intelectual x Livre Compartilhamento de Conteúdos na Internet

    1. 1. Economia Política na era da Informação: Propriedade Intelectual x Livre Compartilhamento de Conteúdos na Internet Prof. Dr. Marcos Dantas Professor Titular da Escola de Comunicação da UFRJ Membro do Comitê Gestor da Internet - Brasil 21/08/2015 14:00hs
    2. 2. Introdução Como explicar que um sistema de computadores acumulando e permitindo acesso a bilhões de retratos vulgares de pessoas comuns (e de algumas “celebridades”) possa valer USD 1 bilhão? Operações semelhantes com valores similares são noticiadas a todo instante no capitalismo contemporâneo. Como é gerado esse valor? Mera especulação financeira? Ou ainda se trata de apropriação do valor do trabalho nos termos da Economia Política?
    3. 3. http://t0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQ- CjjSHbnP5PSGlpovr4wZd7djfPhEZtzpl9-luI7JokbjhWeBTA A internet surgiu para a sociedade como uma grande rede aberta, livre, horizontal, equânime, isonômica que aproximaria os homens e mulheres na construção de um mundo mais justo e democrático. De fato, a internet surgiu no espaço universitário (mas com apoio financeiro do Pentágono) e parecia, em seus primeiros tempos, distante dos interesses econômicos e das disputas reais na sociedade. Esta época dourada já passou. Por um lado, grandes corporações financeiras estão “colonizando” a internet e dela fazendo um grande espaço de mercantilização e geração de lucros. É a maior praça de comércio jamais criada alguma vez por qualquer sociedade humana. Por outro lado, conforme as revelações de Edward Snowden não dão a mais ninguém o direito de se fazer de ingênuo, a internet é uma grande arma de poder geopolítico-militar. Na medida em que revela a sua verdadeira natureza social, a Internet passa a ser alvo de leis regulatórias que, como quaisquer outras leis, permitam, pelo menos, aos agentes sociais dirimir os seus conflitos de um modo civilizado. O Marco Civil, em todo o mundo, é um marco pioneiro neste sentido.
    4. 4. Sumário: Introdução 1. Elementos de Teoria da Informação 2. Informação e teoria do capital 3. “Sociedade do espetáculo” 4. Trabalho em rede, trabalho grátis? 5. Rendas informacionais 6. Considerações finais
    5. 5. 1. Elementos de Teoria da Informação
    6. 6. “Escrevo este livro principalmente para norte- americanos, em cujo ambiente os problemas da informação serão avaliados de acordo com um critério padrão norte-americano: como mercadoria, uma coisa vale pelo que puder render no mercado livre [...] O destino da informação, no mundo tipicamente norte- americano, é tornar-se algo que possa ser comprado ou vendido. ........................ “Assim como a entropia tende a aumentar espontaneamente num sistema fechado, de igual maneira a informação tende a decrescer; assim como a entropia é uma medida de desordem, de igual maneira a informação é uma medida de ordem. Informação e entropia não se conservam e são inadequadas, uma e outra, para se constituírem em mercadorias” (N. WIENER, 1949) Um dos criadores originais da Teoria da Informação e “pai” da Cibernética, Norbert Wiener já advertia que informação não seria redutível a mercadoria. Por que? Entender isto, exige entender o que seja informação, nos termos de uma teoria rigorosamente científica. Informação, mercadoria?
    7. 7. “O custo de transmissão de um corpo de informação dado é com freqüência muito baixo. Se fosse zero, a alocação ótima iria requerer obviamente uma distribuição ilimitada da informação, sem custo algum. Na realidade, uma peça de informação dada é, por definição, um bem indivisível, e aqui surgem os problemas clássicos das indivisibilidades. O dono da informação não deverá extrair o valor econômico que nela se encontra, se se busca a alocação ótima; mas é um monopolista, até certo ponto, e tratará de aproveitar-se disso. Na ausência de uma proteção legal especial, o dono não pode simplesmente vender a informação no mercado aberto. Qualquer comprador pode destruir a informação a custo pequeno ou nulo [...] [...] nenhuma proteção legal pode converter em um bem completamente apropriável, algo tão intangível quanto a informação [...] As leis de patentes tenderiam a ser incrivelmente complexas e sutis para permitir apropriação em larga escala. [...] a alocação ótima para a invenção iria requerer que o governo ou algum outro organismo não governado por critérios de lucro ou prejuízo, financiasse a investigação e a invenção” (K. ARROW, 1962) “A apropriação é, em grande medida, uma questão de acertos legais e de imposição desses acertos por meios privados ou públicos. O grau de apropriação privada do conhecimento pode ser aumentado, elevando-se os castigos por violações de patentes e incrementando-se outros recursos destinados à vigilância de tais violações” (H. DEMSETZ, 1969) Um recurso público ou um ativo apropriável por meio de legislação “adequada”? O debate entre economistas, nos anos 1960, já revelava a dificuldade de “criação de um mercado de informação se, por alguma razão, se deseje criá- lo”, como escreveu K. Arrow. Uma polêmica antiga
    8. 8. “Para a maior clareza deste livro, acho necessário dar uma definição de conhecimento e informação, mesmo que essa atitude intelectualmente satisfatória introduza algo de arbitrário no discurso, como sabem os cientistas sociais que já enfrentaram o problema. Não tenho nenhum motivo convincente para aperfeiçoar a definição de conhecimento dada por Daniel Bell (1973: 175): ‘Conhecimento: um conjunto de declarações organizadas sobre fatos e idéias, apresentando um julgamento ponderado ou resultado experimental que é transmitido a outros por intermédio de algum meio de comunicação, de alguma forma sistemática. Assim, diferencio conhecimento de notícias e entretenimento’. Quanto a informação, alguns autores conhecidos na área, simplesmente definem informação como a comunicação de conhecimentos (ver Machlup 1962: 15). Mas, como afirma Bell, essa definição de conhecimento empregada por Machlup parece muito ampla. Portanto, eu voltaria à definição operacional de informação proposta por Porat em seu trabalho clássico (1977: 2): ‘Informação são dados que foram organizados e comunicados’ ” (CASTELLS, 1999: 45, nota 27) “O que atravessa o cabo não é informação, mas sinais. No entanto, quando pensamos no que seja informação, acreditamos que podemos comprimi-la, processá-la, retalhá- la. Acreditamos que informação possa ser estocada e, daí, recuperada. Veja-se uma biblioteca, normalmente encarada como um sistema de estocagem e recuperação de informação. Trata-se de um erro. A biblioteca pode estocar livros, microfichas, documentos, filmes, fotografias, catálogos, mas não estoca informação. Podemos caminhar por dentro da biblioteca e nenhuma informação nos será fornecida. O único modo de se obter uma informação em uma biblioteca é olhando para os seus livros, microfichas, documentos etc. Poderíamos também dizer que uma garagem estoca e recupera um sistema de transporte. Nos dois casos, os veículos potenciais (para o transporte ou para a informação) estariam sendo confundidos com as coisas que podem fazer somente quando alguém os faz fazê-las. Alguém tem de fazê-lo. Eles não fazem nada” (Von FOERSTER, 1980: 19, grifos no original). Comparemos esses dois conceitos...
    9. 9. Questão de método Qualquer investigação científica precisa assumir um parti-pris epistemológico e metodológico. http://puc-riodigital.com.puc- rio.br/media/lucien.jpg, acessado em 22/05/2010 “Aqui, a comunicação é a mensagem que um sujeito emissor envia a um sujeito receptor através de um canal. O conjunto é uma máquina cartesiana concebida com base no modelo da bola de bilhar, cujo andamento e impacto sobre o receptor são sempre calculáveis. Causalidade linear. Sujeito e objeto permanecem separados e bem reais. A realidade é objetiva e universal, exterior ao sujeito que a representa [...] Posição dualista, cara a Descartes, [...]” (L. SFEZ, Crítica à comunicação, 1994, p. 65) “A comunicação é a inserção de um sujeito complexo num ambiente que é ele mesmo complexo. O sujeito faz parte do ambiente, e este faz parte do sujeito. Causalidade circular. Idéia paradoxal de que a parte está no todo que é parte da parte. [...] Par sujeito/mundo, no qual os dois parceiros não perderam totalmente a identidade mas praticam trocas incessantes. A realidade do mundo não é mais objetiva mas faz parte de mim mesmo. Ela existe... em mim. Eu existo... nela. Recurso à expressão com base no modo spinozista. Eu exprimo o mundo que me exprime [...] Totalidade mas totalidade hierarquizada”. (SFEZ, idem) Monismo dialéticoDualismo objetivista Pelos seus compromissos e suas origens, a Economia Política da Informação, Comunicação e Cultura se orienta pelo monismo dialético.
    10. 10. Duas abordagens para a informação Daí, comunicação é definida como transferência de informação de um emissor para um receptor. Essa transferência deve se dar sem ruídos. Nasce com Claude Shannon, Norbert Wiener e outros. Informação é definida como a medida de incerteza de um evento, dado um conjunto de eventos com possibilidade de ocorrer. Essa medida é o bit. A definição é quantitativa. Há duas abordagens possíveis para o conceito de “informação” 2 Essa abordagem permitiu o desenvolvimento dos computadores e das modernas telecomunicações. Informação é entendida como objeto, como dado. Metodologicamente, a teoria matemática é dualista, atomista, lógico- formal (o “ruído” é o terceiro excluído aristotélico). No entanto, é o ponto de partida para todo estudo científico da informação. Abordagem positivista Abordagem dialética http://www.adeptis.ru/vinci/claude_shannon6.jpg C. Shannon (1916-2001)
    11. 11. 2 Abordagem positivista Abordagem dialética Nasce com com Heinz von Foerster, sendo desenvolvida por Gregory Bateson, Henri Atlan, Robert Escarpit, Umberto Maturama, Anthony Wilden e outros. Nela, a informação é definida como a relação entre o sujeito e o objeto, como ação orientada a um fim. Daí, comunicação é definida como produção de significados (trabalho semiótico, em Umberto Eco) através do tratamento dos “ruídos” incorporados ao processo Essa abordagem é menos conhecida, mas possibilitou importantes avanços na biologia e será importante ferramenta de crítica social (o “ruído” como evento de mudança) Informação não é objeto, nem dado. Informação efetua-se como trabalho, na dimensão quantitativa (valor de troca) e na dimensão qualitativa (valor de uso). Metodologicamente é dialética, sistêmica, monista. Duas abordagens para a informação Há duas abordagens possíveis para o conceito de “informação” http://t2.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRVPUU0WCUG BxnKv5mZEY60B9QpRVLkFXvjv_2-oBvwv7CuzMmhcw, acessoem23/05/2011 G. Bateson (1904-1980) “Informação é uma diferença que produz uma diferença” (G. BATESON)
    12. 12. Conceito de informação Entendemos informação como uma modulação de energia que provoca algo diferente em um ambiente qualquer e produz, nesse ambiente, algum tipo de ação orientada, se nele existir algum agente capaz e interessado em captar e processar os sentidos ou significados daquela modulação (Dantas, 2006). Neguentropia (capacidade de um sistema para fornecer trabalho) Entropia (processo progressivo de perda de capacidade para fornecer trabalho; desordem progressiva) Entropia máxima (estado de equilíbrio; desordem máxima; morte térmica do sistema) Informação (trabalho orientado)Vibrações sonoras (ruídos) Radiações térmicas (temperaturas) Sistema-ambiente (objeto da ação) Sistema neguentrópico (sujeito da ação) O sistema deve decidir, executar e concluir a ação, antes que sua entropia se torne irreversível. O valor da informação é função do tempo para capturar e organizar os elementos necessários à ação. Radiações luminosas (cores) Moléculas odoríficas (cheiros) Sinais (físicos) que fornecem sentidos, orientações, significados para um sistema neguentrópico. Dialética da informação
    13. 13. http://t1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcR6vf14wyLMWGbBqJySn9GgOZl_hsJ14yxQXw _kuQXSF7cCEcANog, acesso 31/05/2011 LIVRO (Objeto) Produto material contendo formas nele impressas que refletem luz em freqüências perceptíveis pela vista humana. Como qualquer outro produto material, o livro é perecível ao longo do tempo. LEITURA (Ação) A leitura associa os sinais luminosos com as imagens mentais, rearrumando as conexões neurais, logo produzindo novas imagens mentais. A leitura só é possível se já existe um estado mental prévio indicando as possibilidades de associação, estado esse adquirido pela aprendizagem Informação e conhecimento A informação não está no livro, nem na mente. Ela é produzida se as formas impressas no livro são postas em relação com as formas contidas no cérebro. Informação requer conhecimento e produz conhecimento. Informação motiva e orienta alguma ação e somente é produzida no curso da ação mesma. MENTE (Sujeito) O sistema nervoso e neurológico humano forma e retém imagens que, quando estimuladas, associam-se às imagens do mundo que lhe chegam por meios dos sentidos. A essas associações, a mente atribui significados quase sempre relacionados a algum nome.. 4
    14. 14. ADITIVIDADE O conhecimento obtido da informação pode ser transferido pra outros (alienado) sem que o detentor original desse conhecimento seja subtraído dele. O intercâmbio de informação não é uma troca, mas uma comunicação (“tornar comum”). Por isto, informação é inapropriável Propriedades da informação http://t1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQQXZK5drbnfsOnpyWdH- aJj9ra3KKNiFBF_L4Uiz_8YMxYLP_0 A riqueza gerada pela informação pode ser apropriada e distribuída coletiva e socialmente. A natureza da informação é contrária à propriedade. INDIVISIBILIDADE Um único e mesmo suporte material pode ser usufruído por mais de uma pessoa. Não sendo divisível, a informação pode ser compartilhada, isto é, mais de uma pessoa podem participar ou interagir em uma mesma relação ou experiência informacional. A informação também não depende da perecibilidade do suporte: pode ser replicada e compartilhada, em novos suportes, se necessário, a custos ínfimos. A informação nega o princípio básico de toda teoria econômica: a escassez. A escassez impõe a disputa pelos recursos, daí as diferentes práticas sócio-políticas, violentas ou não, de apropriação e distribuição. 5 ALEATORIEDADE A obtenção de um dado ou conhecimento é sempre resultado de um processo (atividade, trabalho), cujo resultado final só pode ser conhecido depois de concluído o processo mesmo. É uma atividade de busca, com graus maiores ou menores de incerteza.
    15. 15. 2. Informação e teoria do capital
    16. 16. “A mercadoria é, antes de tudo, um objeto externo, uma coisa, a qual, pelas suas propriedades satisfaz necessidades humanas de qualquer espécie. A natureza dessas necessidades, se elas se originam do estômago ou da fantasia, não altera nada na coisa" (K. MARX, O Capital). A mercadoria Para que possa ser trocada, a mercadoria precisa, antes de mais nada, ser útil a alguém. Essa utilidade pode ser instrumental ou estética (ou ambas). O conceito marxiano de mercadoria não considera apenas as necessidades fisiológicas humanas (comer, vestir, morar), mas também aquelas outras necessidades que nos fazem verdadeiramente humanos: arte, diversão, cultura etc. A utilidade define o valor de uso da mercadoria. Os valores de uso estão associados aos hábitos e costumes de diferentes culturas e grupos sociais. Talheres (Ocidente) Hashi (Oriente)
    17. 17. 5 http://temperovirtual.blogspot.com/2009/02/bife-ao- alho.html,acessadoem27/06/2010 O alimento só realiza o seu valor de uso se for digerido e absorvido pelo organismo. Um disco musical ou livro não podem ser destruídos para realizarem o seu valor de uso. Cada vez que são usados, o conteúdo é reproduzido. Caso o suporte seja destruído, o conteúdo pode ser transposto para outro suporte. Valor de uso e seu suporte Para que atenda suas finalidades funcionais, o valor de uso da mercadoria será consumido, isto é, o suporte será de algum modo necessariamente destruído ou desgastado pelo próprio consumo ou pelo tempo: alimentos em poucas horas; tecidos e roupas, em alguns meses; máquinas, em alguns anos. A mercadoria é entrópica. No entanto, os produtos de função exclusivamente estética devem ser preservados para realizarem seu valor de uso. Seu consumo implica, cada vez, em tornar a replicá-los explorando as propriedades neguentrópicas da informação.
    18. 18. http://www.tbus.com.br/images/tecnologia- pesquisa.jpg, acessado em 11/06/2011 http://www.industry.siemens.com/metals- mining/PT/images/166.jpg, acesso em 4/11/2007 PESQUISA, PROJETO, ENGENHARIA FABRICAÇÃO E MONTAGEM 7 Para que possa ser trocada, a mercadoria também precisa ser reproduzida ou replicada em unidades iguais ou muito similares. Toda mercadoria é reprodução de uma idéia original (projeto, desenho, logo informação) registrada num suporte material adequado às suas finalidades funcionais e também estéticas. Qualquer processo industrial moderno envolve duas fases principais: 1. Pesquisa, projeto e engenharia: esta fase resulta na concepção e construção de um modelo ou protótipo. O trabalho é semiótico. 2. Fabricação e montagem: esta fase visa replicar o modelo em milhares de unidades idênticas e prontas para uso. O trabalho é, em grande medida realizado por sistemas de maquinaria (entrópico).
    19. 19. Tempo e espaço: determinações essenciais “O capital, por sua natureza, tende a superar toda a barreira espacial. Por conseguinte, a criação das condições físicas do intercâmbio – dos meios de comunicação e de transporte – torna-se para ele, e numa medida totalmente distinta, uma realidade: a anulação do espaço pelo tempo” (K. MARX, Grundrisse) “Quanto mais as metamorfoses da circulação forem apenas ideais, isto é, quanto mais o tempo de circulação for = zero ou se aproximar de zero, tanto mais funciona o capital, tanto maior se torna a sua produtividade e autovalorização” (K. MARX, O Capital, L. II: p. 91 ) D M... P... M’D’ TEMPO Em suma: “time is money!
    20. 20. D M... P D’ TEMPO "Existem, porém, ramos autônomos da indústria, nos quais o produto do processo de produção não é um novo produto material, não é uma mercadoria. Entre eles, economicamente importante é apenas a indústria da comunicação, seja ela indústria de transporte de mercadorias e pessoas propriamente dita, seja apenas de transmissão de informações, envio de cartas, telegramas etc. [...] O que a indústria de transporte vende é a própria locomoção. O efeito útil acarretado é indissoluvelmente ligado ao processo de transporte, isto é, ao processo de produção de transporte. [...] O efeito útil só é consumível durante o processo de produção; ele não existe como coisa útil distinta desse processo, que só funcione como artigo de comércio depois de sua produção, que circule como mercadoria" (Marx, 1983: L. II, p. 42-43). Capital e comunicações O capital desenvolve as comunicações como um setor produtivo que responderá à determinação da redução do tempo. Logo, um setor essencial.
    21. 21. A teoria econômica só se interessa pelo valor de troca, isto é, pelo estudo da equivalência entre as mercadorias. Tanto a Economia Política quanto a Marginalista considera os aspectos culturais ou estéticos como “pressupostos”. O consumo parece ser apenas função de renda, ignorando- se os aspectos culturais e até psicológicos profundamente imbricados no processo. 5 http://images.china.cn/site1006/20070703/00080287d0960 7f4328701.JPG, acesso em 17/11/2007 http://www.escape- maps.com/images/army_map_service_wwii_history_photos/engineer_reproducti on_plant_draftsmen.JPG, acesso em 03/08/2014 Toda mercadoria demanda um certo tempo de trabalho para ser produzida. Este tempo é função das condições físicas e mentais médias do conjunto dos trabalhadores, bem como das tecnologias disponíveis. Esse tempo determina o valor de troca da mercadoria. Como mede o desgaste físico do trabalhador ao longo da jornada (seja esse trabalhador, operário ou engenheiro), o valor de troca expressa a entropia do trabalho durante o tempo em que está acrescentando informação ao seu objeto.
    22. 22. A produção (industrial) artística se efetua em dois tempos de trabalhos muito distintos http://davidcorreiajunior.files.wordpress.com/2008/08/clarice_l ispector.jpg,acessoem27/06/2010 Clarice Lispector (1920-1977) Tempo de trabalho do artista: é um tempo incerto, geralmente demorado e de difícil mensuração, cuja jornada pode consumir meses ou anos. O valor de uso criado é emoção, prazer, empatia, sentimentos identitários, elementos psicológicos, subjetivos, “simbólicos”, próprios da cultura. O seu objeto material são signos necessários à comunicação. O seu produto é um original (ou matriz) 8 http://www.jcprint.com.br/imagem /gto.gif,acessadoem27/06/2010 O trabalho artístico O trabalho vivo do artista mobiliza atividades vivas do leitor, do espectador, do ouvinte. Para que possa efetuar o seu trabalho, a audiência (leitor, espectador) usa um suporte material que resultará da replicação do trabalho do artista em escala e condições industriais, mas cujos tempos não estão relacionados àqueles do próprio artista. 1) Nas indústrias editoriais (livros, filmes, discos), o original é transformado em milhares de cópias unitárias similares à mercadoria. Mas o valor de uso, logo de troca, não é função do trabalho de gráficos e outros operários; 2) Nas indústrias de fluxo ou onda (rádio e televisão), o original é difundido em tempo real, sem fases industriais de replicação. O trabalho do artista (trabalho concreto) é usufruído imediatamente pelo seu público.
    23. 23. http://imagens.canaltech.com.br/18536.32034-Televisao-Ambilight.jpg, acesso em 12/08/2014 As indústrias de fluxo, mas também o cinema e, até certo ponto, o disco, proporcionam uma relação quase imediata entre o artista e seu público. O valor de uso é o próprio desempenho, a competência, a empatia, as habilidades intelectuais ou físicas do trabalhador-ator. Por isto, este trabalho é muito difícil de ser reduzido a abstrato, logo não geraria de valor de troca. O consumo é a própria informação; a relação, não o sinal; a atividade, não o suporte veiculante. O suporte é apenas um meio de interação, de comunicação. Como já avisavam Wiener e Arrow, informação não é redutível a mercadoria. Trabalho concreto Os autores divergem sobre a mercadoria produzida pelo trabalho artístico. Dallas Smythe sugeriu pioneiramente que seria a audiência produzida pelo trabalho relacionado do artista com seu público, negociada pelas emissoras com as agências de publicidade. Cesar Bolaño defende que esse público-audiência é ele mesmo a mercadoria negociada pelas emissoras, mercadoria, portanto, produzida pela exploração do trabalho artístico. Marcos Dantas sustenta que os artistas e seu público trabalham para produzir um tempo-espaço de audiência monopolizado pelas emissoras e por elas “arrendado” aos anunciantes.
    24. 24. Rendas informacionais 6 Os modelos de negócios das indústrias culturais se apóiam nos direitos de propriedade intelectual (DPIs). Uma empresa (capitalista) adquire os direitos dos autores e artistas e pode controlá-los na medida em que controle os meios de produção e canais de distribuição. Exatamente porque o custo marginal da reprodução é próximo a zero (Economia marginalista) ou o trabalho abstrato é quase nulo (Economia política), a apropriação depende da criação de barreiras à entrada que protejam os DPIs. http://t0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcSVRK75UYsgYooUQhA03vd OmqXO00VOPihAeO-GLQhwoMxhB7lR-g,acessoem31/05/2011 A indústria editorial se protegia nos custos de investimento em gráficas, fábricas de discos, estúdios e também canais de distribuição. A indústria de fluxo se protegia na escassez de freqüências eletromagnéticas. A associação dos DPIs com a monopolização dos meios de produção e distribuição introduzia escassez necessária à geração de rendas informacionais (rendas de monopólio).
    25. 25. Tudo, agora, é fluxo (de bits) 3 https://lh5.googleusercontent.com/-zyvN_VnqO-M/TYS2GdGnBBI/AAAAAAAADQ4/C4UFe3XJDfE/s1600/30-ipad_kindle.jpg, acesso em 22/05/2011 As tecnologias digitais afetaram diretamente as indústrias artísticas editoriais, também trazendo-as (a muito contragosto) para o modelo de fluxo. ... e assim se consuma a percepção de Marx: o capital tende a reduzir o tempo a zero e busca metamorfoses cada vez mais “ideais”...
    26. 26. 3. “Sociedade do espetáculo”
    27. 27. http://www.weg.net/var/ezflow_site/storage/image s/media- center/noticias/...//Teka_resize_galeria_full_h.jpg, acessoem5/10/2010 http://src.odiario.com/Imagem/2010/09/06/g _195543428.jpg http://1.bp.blogspot.com/_7JVXw9DbR9Q/ S8jDErdkYeI/.../T%C3%AAxtil+e+Vestu% C3%A1rio+-+Design+de+Moda+- +Designer+02.gif,acessoem5/10/2010 http://www.sogeografia.com.br/Conteudos/GeografiaFisica/oceanos/content4_clip_image0 02.jpg, acessado em 5/10/2010 Fonte: Folha de S. Paulo, 13/11/2005; e Wikipédia 1) Sediada em Molvena, Nordeste da Italia, a Diesel desenha e comercializa roupas masculinas e femininas, sendo famosa pelos seus jeans. Faturou USD 766 milhões em 2009, empregando 647 pessoas. Corporações como a Diesel são denominadas corporações-rede. 4) Nas lojas, seja em Nova York, Paris, Milão ou São Paulo, as calças são vendidas por preços que variam entre R$ 700 (USD 304) e R$ 1.200 (USD 522), a unidade. 2) O tecido especial para os jeans é fabricado em Santa Catarina, Brasil. Seu custo final é de R$ 6,44 (USD 2,80) por calça (preços de 2005) 2 O processo produtivo contemporâneo 3) As calças são confeccionadas em Horizonte, CE, dando emprego a 450 pessoas. O preço unitário pago à confecção varia entre R$ 28,80 a R$ 48,85 (USD 12,37 a USD 22,57), valores de 2005. Por mês, um(a) operário(a), em Horizonte, ganha entre R$ 300 a R$ 500, dependendo da produção (2005) Por que alguém paga R$ 1.200 por algo que custou R$ 50? Porque não comprou uma calça, comprou uma DIESEL, ainda por cima italiana...
    28. 28. Tantas obras renderam a [Peter] Schreyer os mais importantes títulos e láureas de seu campo profissional. E também uma agenda dividida entre os centros de design da Kia em Frankfurt (onde trabalha a maior parte do tempo), na Califórnia e em Namyang, Coreia do Sul. http://oglobo.globo.com/estilo/carros/um-bate-papo-com- peter-schreyer-maior-designer-de-carros-da-atualidade- 13341666#ixzz38QuTyszR, acesso em 24/07/2014 Reportagem em O Globo, 23/07/2014 Trabalho criativo Muitos autores denominam o atual sistema econômico por termos como: “economia criativa”, “capitalismo cognitivo” etc. Manuel Castells chama de “capitalismo informacional”. David Harvey sugere “acumulação flexível”. Marcos Dantas propõe “capital-informação” AULA1/2 3
    29. 29. http://www.industry.siemens.com/metals -mining/PT/images/166.jpg, acesso em 4/11/2007 https://encrypted- tbn0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRTNRlXQ VwouVPMvDdPnzAwfnWSTNGZKCDrP9Xaq2tj_5 AN5URz4Q,acessoem25/07/2014 http://imgs.jornalpp.com.br/b5fe022e7bf4f300a6e0f438da d1f2b6_L.jpg?t=-62169984000, acesso em 25/07/2014 O autor Transformação do projeto em peças de um produto final (etapas industriais) Acabamento ou montagem final. Pode ser em qualquer lugar do mundo, no Brasil por exemplo. Divisão internacional do trabalho Não há “criação” sem indústria que materializa as idéias. A indústria pode ser altamente automatizada (ex: indústria automobilística) ou empregar grandes contingentes de mão de obra altamente explorada (ex: indústria de vestuário). A localização das fábricas se espalha pelo mundo, dependendo de vários fatores: custo de mão de obra, infra-estrutura, proximidade de mercados, incentivos fiscais etc. Já a localização dos “cérebros” depende de recursos humanos qualificados e qualidade de vida. Na foto à direita, uma linha de montagem automobilística, praticamente sem emprego de mão de obra fabril. Na foto à esquerda, linha de montagem têxtil (confecção) com largo emprego de mão de obra mal paga e de baixa qualificação 4 http://comps.fotosearch.com/comp/F SB/FSB278/x11748273.jpg,acesso em01/08/2014 (apoiado numa equipe altamente qualificada e muito bem paga, empregada nos “centros de projeto”)
    30. 30. No capitalismo contemporâneo, o desenho tornou-se um aspecto determinante para a diferenciação e competição no mercado. Por isso, o processo de trabalho, inclusive o industrial, adquiriu características predominantemente artísticas. Trabalho vivo é mobilizado para efetuar atividades de pesquisa, investigação, estudo, análise e tomada de decisões científico-tecnológicas que resultarão em modelos, protótipos, matrizes, isto é, material sígnico de natureza artística. http://www.designup.pro.br/files/port/12 26320270.jpg, acessado em 27/06/2010 http://www.qpcpesquisa.com/desenho-industrial.jpg, acessado em 4/10/2010 http://images.queb arato.com.br/photo s/big/6/A/834F6A_ 1.jpg,acesadoem 27/06/2010 http://lh3.ggpht.com/_dLu0p4THrE4/SkaSgbw_U DI/AAAAAAAADHs/JKhBy_qoBk4/Print%20Screen7_thu mb%5B2%5D.png?imgmax=800, acesso 4/10/2010 http://cadiugf.files.wordpress.com/2009/01/desenho- industrial1.jpeg, acessado em 27/06/2010 Na sua atual etapa histórica, o capitalismo informacional ou capital-informação, a valorização do capital se baseia em atividades (trabalho) de processar, registrar e comunicar informação, nas suas muitas formas textuais ou audiovisuais 10 Trabalho material sígnico
    31. 31. “... não é possível ter um mercado florescente e em expansão, cujos consumidores sejam todos calvinistas e tradicionalistas diligentes que sabem muito bem quanto vale o dinheiro” (F. JAMESON, 2006). http://f.i.uol.com.br/folha/ilustrissima/images/11140353.jpeg “O que ocorreu é que a própria produção estética hoje está integrada à mercadoria” (F. JAMESON, 2006) “... temos que voltar à teoria da imagem, recolocando a notável derivação teórica de Guy Débord (a imagem como a forma final da reificação da mercadoria). Nesse ponto, o processo se reverte, e não são os produtos comerciais do mercado que se tornam imagens na propaganda, mas sim os próprios processos de diversão e de narrativa da televisão comercial que são, por sua vez, reificados e transformados em mercadorias: a narrativa serializada, com seus segmentos rígidos e quebras temporais reduzidos a fórmulas, a ação das tomadas de câmera sobre o espaço, a história, as personagens e as modas, incluindo aí o novo processo de produção de celebridades e de estrelas que parece diferente da experiência histórica mais familiar que tínhamos dessas questões, e acaba por convergir com os fenômenos até agora ‘seculares’ da antiga esfera pública...” (F. JAMESON, 2006). Estética, mercadoria e mídia 12
    32. 32. 11 Marcas e consumo Embora a transformação material seja um “detalhe” indispensável, as corporações-redes e todo o sistema político-cultural ao seu redor, vendem MARCAS. A mercadoria (material) é apenas um “pretexto” para o consumo de imagens que representam ou expressam gostos, prazeres, estilos de vida, identidades grupais.
    33. 33. http://infinitosestilos.files.wordpress.com/2010/10/century21- 2.jpg,acessoem9/04/2012 Nas modernas sociedades industriais capitalistas, uma grande parte da população já tem as suas necessidades básicas atendidas e pode viver em condições de conforto inimagináveis a até 150 anos atrás. Se as pessoas se contentassem com o que já tem, as empresas não poderiam sobreviver e o sistema já teria entrado em colapso. Para induzir as pessoas a seguir consumindo, o capitalismo desenvolveu a “sociedade do consumo”, isto é, toda uma cultura voltada para fazer da produção de novas necessidades, um estilo de vida. Expande-se o “tempo de lazer”, na medida em que, nos países industrializados, é definitivamente fixada a jornada de trabalho de 8 horas. Esse tempo de lazer será ocupado pela produção da indústria cultural, cujos filmes, novelas, canções, esportes com suas imagens e seus glamurosos artistas, estabelecem os padrões sociais de comportamentos a serem atendidos pelo “consumo conspícuo”, expressão cunhada pelo sociólogo Thorsten Veblen (1857-1929) no final do século XIX. 12 A necessidade de produzir necessidades ... e assim, ao longo do século XX, sobretudo depois da Segunda Guerra, vai se consolidar em boa parte do mundo, uma sociedade que passa a consumir gostos, prazeres, desejos, pertenças identitárias, tudo isso que pode ser representado por alguma marca. E para isso, os meios de comunicação social (“mídia”) serão absolutamente essenciais.
    34. 34. http://entornoonline.com.br/blogdagraci/wp-content/uploads/2014/05/o-maior-aliado-da-copa-do-mundo-1000x500.jpg, acesso em 04/08/2014  A “sociedade do consumo” começou a se formar, nos EUA, desde fins do século XIX, e se expandiu para todo o mundo depois da Segunda Guerra. Ela é movimentada pela publicidade e pela indústria cultural que criam os hábitos cotidianos voltados para o consumo enquanto estilo de vida. O cinema, a música popular, os esportes, a programação do rádio e da televisão, os espetáculos em geral, ganharam crescente importância na vida cotidiana das pessoas e, daí, nas suas referências culturais e psicológicas, logo na definição do que sejam “necessidades”. “Toda a vida das sociedades nas quais reinam as modernas condições de produção se apresenta como uma imensa acumulação de espetáculos [...] O espetáculo não é um conjunto de imagens, mas uma relação social entre pessoas, mediada por imagens” (G. DÉBORD) O Comitê Olímpico Internacional faturou USD 3,8 bilhões no “ciclo” das Olimpíadas de Londres. A FIFA faturou USD 3,2 bilhões no “ciclo” da Copa de 2010 e deverá faturar USD 5 bilhões no da Copa do Brasil. Metade dessas receitas veio dos direitos vendidos às TVs e a maior parte do restante, dos patrocinadores publicitários diretos.
    35. 35. MARCA MARCA MARCA MARCA MARCA MARCA MARCA A telinha é o espetáculo O espetáculo é a intermediação necessária entre a marca e o consumidor. 11http://pbs.twimg.com/media/CJcTK6JWUAA117R.jpg,acessoem02/08/2015
    36. 36. CRIAÇÃO/PROJETO FABRICAÇÃO MATERIAL ACABAMENTO Trabalho concentrado nos países ricos Trabalho distribuído na periferia TRANSPORTE DE VOZ E DADOS CORPORATIVOS (informações de projeto, de gestão e financeiras) TRANSPORTE DE SOM E IMAGEM PARA O PÚBLICO (publicidade e marketing) CONSUMO MUNDIALIZADO Audiências Pesquisas Para as corporações-redes, as comunicações cumprem duas funções na redução dos tempos de circulação: 1) nas interações inter e intra- firmas; 2) nas interações com o mercado. As comunicações no capitalismo contemporâneo DISTRIBUIÇÃO E VENDAS 6
    37. 37. 4. Trabalho em rede, trabalho grátis?
    38. 38. http://davidcorreiajunior.files.wordpress.com/2008/08/clarice_l ispector.jpg,acessoem27/06/2010 Clarice Lispector (1920-1977) Para se apropriar do valor do trabalho “artístico” ou “criativo”, o capital desenvolveu as indústrias editoriais e de fluxo baseadas nos direitos à propriedade intelectual (DPI) e no controle dos meios de reprodução e distribuição 8 http://www.jcprint.com.br/imagem /gto.gif,acessadoem27/06/2010 http://imagens.canaltech.com.br/18536.32034-Televisao-Ambilight.jpg, acesso em 12/08/2014 Indústrias editoriais: o “original” é submetido a um processo industrial de reprodução e distribuição Indústrias de fluxo: a utilidade do trabalho é diretamente, em tempo real, distribuída para consumo.
    39. 39. http://saudeinfantil.blog.br/wp-content/uploads/2012/05/tv_pais_filhos-e1336572165680.jpg … mas, na “velha mídia”, as reações e interesses dos indivíduos e famílias só podiam ser captados por meios indiretos (pesquisas, cartas de leitores etc). O trabalho da audiência estava limitado quase apenas ao tempo de atenção. O trabalho da audiência (no tempo livre) Em casa, o tempo de audiência será também tempo de trabalho. É a audiência que valoriza o tempo vendido pelas empresas aos anunciantes.
    40. 40. http://t0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRcUEshPCiKSOlsRukjakcEE7XR0rIYE94dDznlLo9r6wmanqA_, acesso em 11/06/2013 http://exame.abril.com.br/rede-de-blogs/senhor-do-seu- tempo/files/2013/04/06192009_familytime.jpg, acesso em 11/06/2013 http://www.websegura.net/wp- content/uploads/2011/09/1269437_93098115 .jpg, acesso em 11/06/2013 http://www.mammedomani.it/images/stories/ articoli/Baby_Tecnologie.gif, acesso em 11/06/2013 Trabalho da audiência: muita atividade em rede Nas “novas mídias”, os “cliques” permitem um conhecimento quase individualizado sobre as preferências do “consumidor”. As bases de dados podem analisar gostos, preferências, tendências, inclusive individualizar demandas. As redes (“sociais”) permitem ao capital se apropriar de todo tempo disponível das pessoas, explorando trabalho literalmente não pago. Todo espaço-tempo da sociedade torna-se espaço-tempo produtivo. O consumo torna-se imediatamente produtivo.
    41. 41. http://t0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQ- CjjSHbnP5PSGlpovr4wZd7djfPhEZtzpl9-luI7JokbjhWeBTA A internet permite: 1) eliminar uma grande quantidade de tempos intermediários de trabalho vivo pouco ou nada “criativo”, na realização dos pequenos negócios cotidianos de consumo, independentemente da distância; 2) alargar a produção do espetáculo a praticamente todo consumidor enredado em alguma atividade de navegação, independentemente da distância Internet, o capitalismo quase ideal A internet é a realização do ideal capitalista de anular o espaço pelo tempo. As indústrias culturais editoriais, que se baseavam nos tempos de replicação e intermediação dos suportes (discos, livros), estão acabando ou precisando se adaptar ao modelo de fluxo (radiodifusão paga, pelo ar, cabo ou satélite, linear ou não linear).
    42. 42. As redes sociais (como bem sabe o Facebook), tornaram-se minas de ouro literais para o capital que se valoriza com informação e conhecimento e, por meio delas, pode encontrar uma fonte de conhecimento original em qualquer lugar onde haja um cérebro pensante e devidamente qualificado. A Nokia lançou um concurso para internautas lhe dizerem que programas gostariam de ver na telinha de seus smartphones. Participaram 7.700 e venceu um indiano que sugeriu um identificador visual que substituísse as senhas de acesso. Em seguida, ofereceu US$ 100 mil a quem desenvolvesse o programa em 36 horas. Venceu um brasileiro, Jackson Feijó, mas o conhecimento é propriedade da Nokia A Goldcorp colocou na rede seus dados geológicos. Pagou US$ 500 mil ao geólogo que lhe indicou com segurança onde estavam as maiores chances de sucesso: encontrou uma jazida de US$ 3,4 bilhões em ouro e seu valor de mercado pulou de US$ 90 milhões para US$ 10 bilhões A Procter&Gamble paga US$ 300 mil ao químico, em qualquer lugar do mundo, que lhe apresentar uma solução para tirar mancha de vinho das roupas. Evidentemente, a “propriedade do conhecimento” passa a ser dela (e para quê continuar mantendo uma dispendiosa equipe de 7 mil químicos assalariados?) Capturando trabalho em qualquer lugar As redes sociais anulam barreiras espaço-temporais na captura de trabalho informacional.
    43. 43. http://www.pontomidia.com.br/raquel/arquivos/assets_c/2011/06/gtciberfotinhos-thumb-350x280-234.jpg, acesso em 11/06/2013 http://www.editoraevora.com.br/blog/wp-content/uploads/2013/02/redes_sociais2.jpg, acesso em 11/06/2013 Tempo de audiência capitalizado Mais-valia 2.0? A informação gerada por essa produção social geral (“general intellect”) é apropriada na forma de “direitos intelectuais” defendidos pelos “jardins murados”. Leiloeiro (Google, Facebook etc.) Espaço publicitário Anunciantes Anunciantes Anunciantes Anunciantes Anunciantes Anunciantes Palavra Internauta $ $ $ $ $ $ Trabalho contratado ElaboraçãodaMarcosDantas Trabalho gratuito
    44. 44. 5. Rendas informacionais
    45. 45. A criação terá que ser comunicada. Para isso, o capital mobiliza, de modo articulado e combinado com o trabalho aleatório, o trabalho redundante de supervisão, controle, observação, direção ou correções do trabalho morto de transformação material final. É uma etapa necessária à fixação da informação processada nos seus suportes materiais adequados. As condições industriais de replicação (tempo tendendo a zero) determinam as possibilidades de apropriação das rendas informacionais. Rendas diferenciais http://imgs.jornalpp.com.br/b5fe022e7bf4f300a6e0f438dad1f2b6_L.jpg?t=- 62169984000, acesso em 25/07/2014 1) Tempos diretos e indiretos são altos: barreiras naturais à entrada, poucas firmas, lucros de monopólio. Ex: indústria automobilística 2) Tempos diretos e indiretos são baixos: barreiras jurídicas e policiais à entrada (papel do Estado) podem ser criadas em segmentos empresariais intermediários, nestes se extraindo rendas de monopólio. Ex: empresas e entidades usuárias de software proprietário, lojas de roupas etc. 3) Tempos diretos e indiretos são baixos: barreiras jurídicas e policiais à entrada (papel do Estado) não logram impedir crescimento de microfirmas informais (emprego de trabalho redundante), erodindo as rendas de monopólio. Ex: “pirataria” de discos, filmes, peças de vestuário etc. 4) Tempos diretos e indiretos são quase nulos: barreiras jurídicas e policiais à entrada (papel do Estado) não logram impedir crescimento do intercâmbio doméstico, não comercial, de arquivos, zerando as rendas de monopólio. Ex: redes P2P.
    46. 46. http://t1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcTB1P9neL_r1p8RmDl_n4GMF9YjpmMYnxpaIWeccvj-wTxM4Wax, acesso em 22/05/2011 2 http://t2.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcS3if3saEwarcto-sLNyubG2HrivZ-oG9jlG2E3zv8-FfO-b1qK, acesso em 22/05/2011 Como “idéias”, “conhecimentos”, “imagens”, “informação” podem ser comunicados, compartilhados e replicados a custos no limite de zero, o capital está desenvolvendo novos modelos de negócios que o jargão empresarial denomina “jardins murados”. A legislação dos “direitos intelectuais” e a caça aos “piratas” nem sempre são eficazes... 3 https://lh5.googleusercontent.com/-zyvN_VnqO-M/TYS2GdGnBBI/AAAAAAAADQ4/C4UFe3XJDfE/s1600/30-ipad_kindle.jpg, acesso em 22/05/2011 O terminal conectado a uma “loja virtual” exclusiva substitui os suportes reprodutíveis Os “jardins murados” A acumulação já não se apóia na troca de equivalentes, princípio da mercadoria, mas em rendas de monopólio. O capitalismo tornou-se essencialmente rentista.
    47. 47. http://4.bp.blogspot.com/_S9yMFmI-N6c/SIttV_5TAEI/AAAAAAAAA7k/fbgbQR6svSQ/S1600-R/muro.jpg, acessado em 10/03/2020 “Jardins murados” A essência do “jardim murado” é tornar compulsório o pagamento pelo acesso a cada espetáculo reduzido a alguma unidade “monetizável”. A TV por assinatura tomou o lugar da TV aberta. O acesso à internet depende da assinatura de algum serviço de “banda larga” sendo crescente a cobrança pelo acesso aos “conteúdos”, nos portais da internet ou nas “lojas virtuais” . 46
    48. 48. CRIMINALIZAÇÃO SOCIALIZAÇÃO (“COMUNS”) Lei do Copyright para o Milênio (Millenium Copyright Act – DMCA) – aprovada em 1998, esta lei estadunidense criminaliza a produção e disseminação de tecnologias, componentes ou serviços que visem anular medidas que buscam assegurar a gestão dos “direitos digitais” (digital right management –DRM). Diretiva da União Européia sobre Copyright (2001) – incorpora a essência do DMCA Hadopi – lei francesa aprovada em 2009 visa “promover a distribuição e proteção das obras criativas na internet”, para isso introduzindo mecanismo de controle das atividades dos usuários e penalizando infrigimento às leis de copyright. Cria a Alta Autoridade para a Difusa de Obras e Proteção de Direitos na Internet (“Hatopi” na sigla francesa) Lei Sinde – espanhola, aprovada em 15/02/2011, permite fechar sítios na internet que sirvam para baixar arquivos “ilegalmente”. Liberdade em rede vs. estado policial http://t2.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcSJAhXjX1tS6QQeBwqf A0wIsdPiN2mCV46VQ1foXrSb5lilzrzFPQ, acesso 31/05/2011 http://stan.uio.no/blog/flexlearn/images/wikipedia.jp g Em abril de 2009, os diretores do Pirate Bay foram condenados à prisão
    49. 49. 5. Considerações finais
    50. 50. Das ruas comuns para os condomínios fechados http://4.bp.blogspot.com/_WeoC73kslpI/St7Yh4o8CJI/AAAAAAAAAPM/gAUT-NL3B0M/s320/HermanoVianna1b.jpg, acessado em 8/11/2011 “Na semana passada, a seção Digital & Midia deste jornal publicou página inteira sobre migração da internet ‘tradicional’ para as redes sociais [...] Muitas pessoas embarcaram na onda e até já abandonaram seus emails. Por isso, esses migrantes são apontados como pioneiros das novas tendências bacanas. Mas podem ser vistos igualmente como garotos-propaganda – não remunerados – de uma reação poderosa contra a liberdade na rede, que faz tudo para transformar nossa vida virtual [...] em propriedade de meia-dúzia de megacorporações. Uma capa recente do Segundo Caderno também mostrou pessoas que passaram a usar o Facebook para ‘compartilhar seu conhecimento’, construindo excelentes guias culturais – que ‘antigamente’ teriam lugar em blogs e sites pessoais – dentro do território de Mark Zuckerberg [...] Não posso deixar de comparar: é como deixar as ruas comuns de uma cidade e passar a viver num condomínio cercado por muros e seguranças [...] Redes sociais como o Facebook são conhecidas justamente como ‘walled gardens’ ou [...] ‘jardins murados’ [...] Não sei se todo mundo tem consciência do que está fazendo ao trocar o ‘tradicional’ pelo ‘novo’” (Hermano Vianna, “Jardins Murados”, O Globo, 29/07/2011)
    51. 51. http://www.iti.gov.br/twiki/pub/Noticias/PressRelease2004Jul22A/SrgioAmadeu.jpg, acesso em 10/12/2008 http://www.lisarein.com/lessig- sxsw2003-3.gif, acessoem10/12/2008 “A batalha que está ocorrendo atualmente centra-se em duas idéias: ‘pirataria’ e ‘propriedade’ ” (L. Lessig, Cultura livre: como a mídia usa a tecnologia e a lei para barrar a criação cultural e controlar a criatividade, 2004) “As informações podem ter um ou mais autores, mas elas nascem a partir de um conhecimento comum, uma linguagem comum e, por mais genial que tenha sido a sua criação específica, ela somente pôde existir com base no acúmulo sócio-cultural. Por mais que tenha tentado fazer um novo cercamento, o capitalismo, ao atingir a sua fase informacional, não consegue, na prática, no cotidiano, resumir e fundir o autor ao proprietário de uma informação ou bem simbólico. Não consegue expulsar o conhecimento do terreno do comum e aprendê-lo no terreno privado. Autoria é diferente de propriedade. Uma idéia, ao ser criada, logo desprende-se de seu autor e retorna à sua base comum que é coletiva, social. Para evitar que isso ocorra é preciso tentar anular as características inerentes à essência dos bens informacionais [...] Por não sofrerem escassez, podem ser reproduzidos sem desgaste do original, sem perda” (S. Amadeu da Silveira, Redes virais e espectro aberto, 2007) A alternativa dos comuns
    52. 52. http://www2.warwick.ac.uk/knowledge/themes/virtualfuture s/richardbarbrook/richard_barbrook_320x220.jpg “Felizmente, para [as] elites, a criatividade cooperativa não era inerentemente subversiva. Longe de ser um renascimento de alta tecnologia da Comuna de Paris, comunidades virtuais eram – em sua maior parte – apolíticas. Nos textos fundadores do mcluhanismo da Nova Esquerda, os habitantes da ágora eletrônica eram revolucionários, artistas, dissidentes, visionários. Quatro décadas depois, as coisas eram bem diferentes. A maioria absoluta dos contribuidores dos sítios das redes sociais mais populares levam vidas muito mais simples. Mais do que debater os assuntos políticos urgentes do dia, seus tempos de conexão eram gastos com fofocas sobre suas experiências pessoais, amigos, celebridades, esportes, sítios bacanas, músicas populares, programas de TV e viagens de férias. Dentro dessa visão MySpace da ágora eletrônica, o comunismo cibernético era comercial, não excepcional. O que uma vez fora um sonho revolucionário, era agora parte agradável da vida cotidiana” (R. BARBROOK, Futuros imaginários: p. 381, grifos meus - MD). ... e assim caminha a humanidade 19
    53. 53. Internet.org é claramente um projeto que busca capilarizar redes a serviço do poder geopolítico dos Estados Unidos, em regiões potencialmente conflitivas, origem de movimentos migratórios globais e de militantes anti-sistêmicos. Não parecendo oferecer condições de viabilização econômica, permite, por outro lado, construir grandes big data sobre o estado do mundo, sobretudo em suas regiões mais pobres. O programa conta com a parceria de outras grandes corporações-redes industriais- financeiras, como a Samsung, Ericsson, Nokia, Qualcomm, todas interessadas em ampliar o mercado de dispositivos terminais e de infra-estrutura de acesso aos seus respectivos “jardins murados”. Para ser viabilizado, também precisa de apoio das grandes empresas que detém as infra-estruturas de telecomunicações, principalmente das operadores móveis. Apesar das muitas negativas da parte de Mark Zuckerberg e de outros porta-vozes do Facebook, o projeto é muito criticado porque ameaçaria a neutralidade da rede. Projetos pilotos de internet.org já operam em mais de 10 países, a exemplo de Zambia, Tanzania, Kenya, Colômbia, Bolívia, etc Internet.org Em agosto de 2013, o Facebook anunciou um programa de “inclusão digital” denominado “internet.org”. O programa visa levar acesso a uma cesta básica de serviços em rede, por meio do portal do Facebook, a populações muito pobres e regiões desprovidas de infra-estrutura de acesso.
    54. 54. Obrigado! Prof. Dr. Marcos Dantas www.marcosdantas.pro.br prof.marcosdantas@gmail.com

    ×