SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Baixar para ler offline
Como funciona a Internet 
Camadas e Protocolos 
Antonio M. Moreiras 
José Luiz Ribeiro Filho 
12/08/2014 – 9h00 às 10h30
Como funciona a Internet 
Você sabe? 
• O que são as tais “camadas” em uma rede? Qual 
camada a ANATEL regula? Qual camada interessa ao 
CGI.br? 
• É possível garantir a interatividade na Internet? Isso 
se relaciona com a neutralidade da rede? 
• O que é e como é usada a Deep Packet Inspection 
(DPI)? Logs e a DPI sempre implicam em violação de 
privacidade?
Como funciona a Internet 
Conceito de encapsulamento 
Pacote de Dados camadas
Como funciona a Internet 
Estrutura em Camadas - Objetivos 
Reduzir complexidade 
Padronizar interfaces (protocolos) 
Facilitar engenharia modular 
Assegurar interoperabilidade de tecnologias 
Acelerar evolução 
Simplificar o ensino e o aprendizado
Como funciona a Internet 
Estrutura em Camadas - Protocolos 
Para que dois 
computadores se 
comuniquem, é 
necessário que 
usem o mesmo 
protocolo 
Conjunto de 
regras que 
controla a 
interação de 
duas máquinas 
ou dois 
processos 
semelhantes ou 
com funções 
semelhantes 
Sem protocolos, 
o computador 
não pode 
reconstruir, no 
formato original, 
a sequência de 
bits recebida de 
outro 
computador
Como funciona a Internet 
Como as camadas são usadas? 
• As camadas permitem isolar as funções no processo de 
transmissão de mensagens (dados e comandos) 
• Uma camada usa serviços da camada inferior e provê serviços 
para a camada superior 
• Utiliza o encapsulamento para passar informações para as 
camadas inferiores e superiores 
• Cada camada troca mensagens (dados) somente com a camada 
do mesmo nível por meio de protocolos 
• Permite que diferentes implementações de hardware 
(computadores, impressoras, celulares, TV, etc.) e software 
(Windows, Linux, iOS, Android, etc.) possam enviar e receber 
mensagens pela rede
Como funciona a Internet 
O modelo de referência ISO/OSI 
O Modelo OSI 
(Open Systems 
Interconnection) 
foi lançado pela 
ISO (International 
Organization for 
Standardization) 
em 1984 
ISO é uma entidade que congrega 
institutos nacionais de padronização 
de 140 países, trabalhando em parceria 
com organizações internacionais, 
governos, indústria e consumidores: 
um elo entre setores públicos e 
privados. 
http://www.iso.org/iso/home.html
Como funciona a Internet 
Benefícios do modelo aberto OSI 
Interoperabilidade 
Portabilidade 
da aplicação 
Interconectividade 
Escalabilidade
Como funciona a Internet 
Camadas do modelo OSI 
Visão geral 
Modelo de 7 camadas 
4 camadas inferiores 
e 
3 camadas superiores 
Camadas superiores 
(host layers ou 
application layers) 
Camadas Inferiores 
“Data Flow Layers”. 
Controlam o fluxo e a 
entrega física dos 
dados pela rede
Como funciona a Internet 
Camadas OSI x TCP/IP 
OSI TCP/IP 
Aplicação 
Apresentação 
Transporte Transporte 
Rede Rede 
Enlace de dados 
Física 
Interface 
de Rede 
Sessão 
Aplicação
Como funciona a Internet 
Camadas: Anatel x CGI – Norma 4 
NORMA 004/95 - USO DE MEIOS DA REDE PÚBLICA DE 
TELECOMUNICAÇÕES PARA ACESSO À INTERNET 
Esta Norma se aplica: 
a)às Entidades Exploradoras de Serviços Públicos de Telecomunicações 
(EESPT) no provimento de meios da Rede Pública de Telecomunicações a 
Provedores e Usuários de Serviços de Conexão à Internet; 
b)aos Provedores e Usuários de Serviços de Conexão à Internet na 
utilização dos meios da Rede Pública de Telecomunicações. 
3.DEFINIÇÕES 
c)Coordenador Internet: nome genérico que designa os órgãos responsáveis 
pela padronização, normatização, administração, controle, atribuição de 
endereços, gerência de domínios e outras atividades correlatas, no tocante à 
Internet;
Como funciona a Internet 
Camadas: Anatel x CGI – Norma 4 
5. USO DE MEIOS DA REDE PÚBLICA DE TELECOMUNICAÇÕES POR 
PROVEDORES E USUÁRIOS DE SERVIÇOS DE CONEXÃO À INTERNET 
5.1. O uso de meios da Rede Pública de Telecomunicações, para o provimento e 
utilização de Serviços de Conexão à Internet, far-se-á por intermédio dos 
Serviços de Telecomunicações prestados pelas Entidades Exploradoras de 
Serviços Públicos de Telecomunicações 
5.3. Os meios da Rede Pública de Telecomunicações serão providos a todos os 
PSCIs que os solicitarem, sem exclusividade, em qualquer ponto do território 
nacional, observadas as condições técnicas e operacionais pertinentes e, 
também, poderão ser utilizados para: 
a) conectar SCIs à Internet, no exterior; 
b) interconectar SCIs de diferentes provedores. 
5.4. As Entidades Exploradoras de Serviços Públicos de Telecomunicações 
não discriminarão os diversos PSCIs quando do provimento de meios da 
Rede Pública de Telecomunicações para a prestação de Serviços de Conexão 
à Internet. Os prazos, padrões de qualidade e atendimento, e os valores 
praticados serão os regularmente fixados na prestação do Serviço de 
Telecomunicações utilizado. 
5.5. É facultado ao Usuário de Serviço de Conexão à Internet, o acesso ao 
SCI por quaisquer meios da Rede Pública de Telecomunicações à sua 
disposição.
Como funciona a Internet 
Camadas: Anatel x CGI – Norma 4 
6. RELACIONAMENTO ENTRE AS ENTIDADES EXPLORADORAS DE 
SERVIÇOS PÚBLICOS DE TELECOMUNICAÇÕES E OS PSCIs 
6.1. No relacionamento entre as Entidades Exploradoras de Serviços Públicos de 
Telecomunicações e os Provedores de Serviços de Conexão à Internet, 
não se constituem responsabilidade das EESPT: 
a) definir a abrangência, a disposição geográfica e física, o dimensionamento e 
demais características técnicas e funcionais do Serviço de Conexão à Internet 
a ser provido; 
b) especificar e compor os itens de "hardware" e "software" a serem utilizados 
pelo PSCI na prestação do Serviço de Conexão à Internet; 
c) definir as facilidades e as características do Serviço de Conexão à Internet a 
serem ofertadas pela PSCIs; 
d) providenciar junto aos Coordenadores Internet a regularização dos assuntos 
referentes ao provimento do Serviços de Conexão à Internet; 
e) definir os Pontos de Conexão entre os PSCIs, no Brasil ou no exterior, bem 
como as características funcionais de tais conexões.
Como funciona a Internet 
Camadas: Anatel x CGI – Norma 4 
Consequências da Norma 4/95 
-Separa as funções dos PSI das EESPT 
-Define os limites de regulação da Anatel e o papel do Coodenador Internet. A 
Anatel atua somente na camada da Interface de Rede e o CGI (coordenador 
Internet) nas camadas superiores; 
-Impacto tributário – os PSI, como prestadores de serviços, recolhem ISS e os 
EESP recolhem ICMS, FUST, FUNTEL e FISTEL. 
-Dependência de um PSI para validação de logins nos serviços dos EESPT 
Além da Norma 4/95 - Outro aspecto importante da sugestão de reavaliação 
das regras para provimento de acesso feitas pelo Minicom à Anatel é que 
elas vão além da Norma 4/95. Também está prevista, pelo ministério, a 
revisão da Resolução 190/99. Trata-se do regulamento de Serviços de 
Valor Adicionado em TV por Assinatura. Este foi o regulamento que 
permitiu operadoras de TV a cabo entrarem no mercado de banda larga, em 
1999. A Resolução 190/99 dá às operadoras de cabo a possibilidade de 
prestarem o serviço de banda larga, mas também pede a existência de um 
provedor de acesso. Para evitar a necessidade do provedor, a maior parte 
das 50 operadoras passou a prestar o serviço por meio de licenças de 
SCM, onde ele não é necessário
Como funciona a Internet 
Best Effort x QoS – camada de rede 
Serviço de entrega 
 Aceita e encaminha os datagramas até o 
destino final por meio de redes e roteadores 
intermediários. 
Roteamento 
 Determina o caminho ou rota que cada 
datagrama deve seguir para alcançar a rede 
de destino.
Como funciona a Internet 
Best Effort x QoS – camada de rede 
Serviço 
sem 
conexão 
Datagramas são individuais e independentes 
Sequência dos datagramas não é 
assegurada 
Paradigma 
de melhor 
esforço 
(Best-effort) 
Descarta datagramas em condições de falta 
de recursos ou erros de transmissão
Como funciona a Internet 
Como garantir qualidade na rede? 
Parâmetros 
de QoS 
Retardo fim-a-fim 
Jitter 
(variação do atraso entre os pacotes sucessivos de dados ) 
Taxa de perda de pacotes 
Vazão 
Aplicações interativas/tempo real necessitam 
desses parâmetros garantidos pela rede.
Como funciona a Internet 
Best Effort versus QoS 
Aplicações de tempo real x aplicações de dados 
Propostas 
do IETF 
Serviços integrados (intServ) – RFC 1633 
Serviços diferenciados (DiffServ) – RFC 2475 
A Internet não garante QoS 
(usa somente o Melhor Esforço)
Como funciona a Internet 
Best Effort versus QoS 
Problemas encontrados nas propostas 
Serviços 
integrados 
Espaço de armazenamento e sobrecarga nos 
roteadores 
Recursos especiais nos roteadores 
Prioridade relativa sobre outras aplicações 
Dependendo da carga da rede o desempenho 
é inaceitável 
Serviços 
diferenciados
Como funciona a Internet 
Medindo a qualidade da banda larga no Brasil 
As resoluções 574 e 575 da Anatel, ambas de 28 de outubro de 2011, preveem 
novas regras para a prestação de serviço de acesso à Internet, especificamente 
sobre a velocidade mínima garantida de conexão. 
As resoluções são, na prática, espécies de Acordos de Nível de Serviço (SLA - 
Service Level Agreement), que impõem ao prestador de serviço os padrões de 
qualidade mínimos a serem mantidos, tendo em vista a observância de variações 
na velocidade de tráfego de dados na Internet. 
Os percentuais previstos como garantia mínima na velocidade de conexão dos 
serviços de banda larga no Brasil são os seguintes:
Como funciona a Internet 
Medindo a qualidade da banda larga no Brasil
Como funciona a Internet 
Medindo a qualidade da banda larga no Brasil
Como funciona a Internet 
Medindo a qualidade da banda larga no Brasil 
Web SIMET http://simet.nic.br/
Como funciona a Internet 
O que é Deep Package Inspection? 
Deep packet inspection 
From Wikipedia, the free encyclopedia 
Deep Packet Inspection (DPI, also called complete packet inspection and Information 
eXtraction or IX) is a form of computer network packet filtering that examines the 
data part (and possibly also the header) of a packet as it passes an inspection 
point, searching for protocol non-compliance, viruses, spam, intrusions, or defined 
criteria to decide whether the packet may pass or if it needs to be routed to a different 
destination, or, for the purpose of collecting statistical information. There are 
multiple headers for IP packets; network equipment only needs to use the first of these 
(the IP header) for normal operation, but use of the second header (TCP, UDP etc.) is 
normally considered to be shallow packet inspection (usually called Stateful 
Packet Inspection) despite this definition. 
There are multiple ways to acquire packets for deep packet inspection. Using port 
mirroring (sometimes called Span Port) is a very common way, as well as optical 
splitter. 
Deep Packet Inspection (and filtering) enables advanced network management, user 
service, and security functions as well as internet data mining, eavesdropping, and 
internet censorship. Although DPI technology has been used for Internet management 
for many years, some advocates of net neutrality fear that the technology may be 
used anticompetitively or to reduce the openness of the Internet 
DPI is currently being used by the enterprise, service providers, and governments in 
a wide range of applications.
Como funciona a Internet 
O que é Deep Package Inspection? 
http://www.pcworld.com/article/249137/what_is_deep_packet_inspection_.html 
… deep packet inspection has a dark side, and in the absence of strict legal 
restrictions, your ISP is free to root through all the information you exchange online 
and use it as they see fit. Personal data like your age, location, and shopping 
records can be logged and sold in anonymized batches to advertising companies, 
and law enforcement agents can monitor and curtail your Internet access without 
your knowledge. Without strict limitations to preserve user privacy, this sort of 
deep data filtering can significantly impair your ability to remain anonymous 
online. 
This level of surveillance is nothing new; Internet service providers in China already 
employ deep packet inspection software to scan for sensitive keywords and block 
access to sites like YouTube. Chinese citizens often employ foreign VPN services to 
access websites blocked by the Chinese government, and you can do the same. “If 
you want to prevent this sort of inspection, you could use someone else's network,” 
says Steven Andrés, founder and CTO of Special Ops Security. “I imagine if 
Congress [ever] enacts SOPA into law, a number of VPN services will crop up in 
other countries.”
Como funciona a Internet 
O que é Deep Package Inspection? 
http://www.proceranetworks.com/d 
eep-packet-inspection
Como funciona a Internet 
Deep Packet Inspection 
Pacote de Dados camadas 
DPI
Obrigado 
Antonio M. Moreiras 
moreiras@nic.br 
José Luiz Ribeiro Filho 
jose.luiz@rnp.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aulas 6 e 7 - Redes e Telecomunicações
Aulas 6 e 7 - Redes e TelecomunicaçõesAulas 6 e 7 - Redes e Telecomunicações
Aulas 6 e 7 - Redes e TelecomunicaçõesJocelma Rios
 
Apresentação de Redes
Apresentação de RedesApresentação de Redes
Apresentação de RedesCDP_Online
 
Aula 01 meios de comunicação de dados
Aula 01 meios de comunicação de dadosAula 01 meios de comunicação de dados
Aula 01 meios de comunicação de dadosJorge Ávila Miranda
 
Endereçamento ipv4 e ipv6-
 Endereçamento ipv4 e ipv6- Endereçamento ipv4 e ipv6-
Endereçamento ipv4 e ipv6-Mariana Melo
 
Sistemas de Telecomunicações - Aula 14 - Redes ATM, Ethernet, Token Ring e Re...
Sistemas de Telecomunicações - Aula 14 - Redes ATM, Ethernet, Token Ring e Re...Sistemas de Telecomunicações - Aula 14 - Redes ATM, Ethernet, Token Ring e Re...
Sistemas de Telecomunicações - Aula 14 - Redes ATM, Ethernet, Token Ring e Re...Leinylson Fontinele
 
Seminário Computação em Nuvem
Seminário Computação em NuvemSeminário Computação em Nuvem
Seminário Computação em NuvemLeandro Nunes
 
Simplex, Half-Duplex e Full-Duplex
Simplex, Half-Duplex e Full-DuplexSimplex, Half-Duplex e Full-Duplex
Simplex, Half-Duplex e Full-DuplexYohana Alves
 
Redes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de Dados
Redes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de DadosRedes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de Dados
Redes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de DadosMauro Tapajós
 
Apresentação de Internet
Apresentação de InternetApresentação de Internet
Apresentação de InternetCDP_Online
 
Componentes de uma Rede de computadores
Componentes de uma Rede de computadoresComponentes de uma Rede de computadores
Componentes de uma Rede de computadoresFelipe Silva
 
Correio eletronico
Correio eletronicoCorreio eletronico
Correio eletronicoZeeMariana
 
Módulo 5 - Redes de Computadores e Internet, Apostila
Módulo 5 - Redes de Computadores e Internet, ApostilaMódulo 5 - Redes de Computadores e Internet, Apostila
Módulo 5 - Redes de Computadores e Internet, ApostilaPaulo Guimarães
 
Tecnologias Atuais de Redes - Aula 4 - Comutação [Apostila]
Tecnologias Atuais de Redes - Aula 4 - Comutação [Apostila]Tecnologias Atuais de Redes - Aula 4 - Comutação [Apostila]
Tecnologias Atuais de Redes - Aula 4 - Comutação [Apostila]Ministério Público da Paraíba
 

Mais procurados (20)

Aulas 6 e 7 - Redes e Telecomunicações
Aulas 6 e 7 - Redes e TelecomunicaçõesAulas 6 e 7 - Redes e Telecomunicações
Aulas 6 e 7 - Redes e Telecomunicações
 
Apresentação de Redes
Apresentação de RedesApresentação de Redes
Apresentação de Redes
 
Aula 01 meios de comunicação de dados
Aula 01 meios de comunicação de dadosAula 01 meios de comunicação de dados
Aula 01 meios de comunicação de dados
 
Endereçamento ipv4 e ipv6-
 Endereçamento ipv4 e ipv6- Endereçamento ipv4 e ipv6-
Endereçamento ipv4 e ipv6-
 
Sistemas de Telecomunicações - Aula 14 - Redes ATM, Ethernet, Token Ring e Re...
Sistemas de Telecomunicações - Aula 14 - Redes ATM, Ethernet, Token Ring e Re...Sistemas de Telecomunicações - Aula 14 - Redes ATM, Ethernet, Token Ring e Re...
Sistemas de Telecomunicações - Aula 14 - Redes ATM, Ethernet, Token Ring e Re...
 
Principais protocolos de rede
Principais protocolos de redePrincipais protocolos de rede
Principais protocolos de rede
 
Seminário Computação em Nuvem
Seminário Computação em NuvemSeminário Computação em Nuvem
Seminário Computação em Nuvem
 
Simplex, Half-Duplex e Full-Duplex
Simplex, Half-Duplex e Full-DuplexSimplex, Half-Duplex e Full-Duplex
Simplex, Half-Duplex e Full-Duplex
 
Modelo TCP/IP
Modelo TCP/IPModelo TCP/IP
Modelo TCP/IP
 
Introdução às telecomunicações
Introdução às telecomunicaçõesIntrodução às telecomunicações
Introdução às telecomunicações
 
Largura de banda
Largura de bandaLargura de banda
Largura de banda
 
Redes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de Dados
Redes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de DadosRedes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de Dados
Redes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de Dados
 
Apresentação de Internet
Apresentação de InternetApresentação de Internet
Apresentação de Internet
 
O que é a internet
O que é a internetO que é a internet
O que é a internet
 
Meios guiado de transmissão
Meios guiado de transmissãoMeios guiado de transmissão
Meios guiado de transmissão
 
Componentes de uma Rede de computadores
Componentes de uma Rede de computadoresComponentes de uma Rede de computadores
Componentes de uma Rede de computadores
 
Correio eletronico
Correio eletronicoCorreio eletronico
Correio eletronico
 
Redes aula 1
Redes   aula 1Redes   aula 1
Redes aula 1
 
Módulo 5 - Redes de Computadores e Internet, Apostila
Módulo 5 - Redes de Computadores e Internet, ApostilaMódulo 5 - Redes de Computadores e Internet, Apostila
Módulo 5 - Redes de Computadores e Internet, Apostila
 
Tecnologias Atuais de Redes - Aula 4 - Comutação [Apostila]
Tecnologias Atuais de Redes - Aula 4 - Comutação [Apostila]Tecnologias Atuais de Redes - Aula 4 - Comutação [Apostila]
Tecnologias Atuais de Redes - Aula 4 - Comutação [Apostila]
 

Destaque

Capítulo 20 camada de rede - internet protocol
Capítulo 20   camada de rede - internet protocolCapítulo 20   camada de rede - internet protocol
Capítulo 20 camada de rede - internet protocolFaculdade Mater Christi
 
Como funciona a internet
Como funciona a internetComo funciona a internet
Como funciona a internetEduarda Araujo
 
Internet: definição e tipos de conexão
Internet: definição e tipos de conexãoInternet: definição e tipos de conexão
Internet: definição e tipos de conexãoLeandro Martins
 
Principais protocolos da internet
Principais protocolos da internetPrincipais protocolos da internet
Principais protocolos da internetAlessandro Fazenda
 
Protocolos de internet
Protocolos de internetProtocolos de internet
Protocolos de internetX-carlos-X
 
Módulo VIII - A História da Internet
Módulo  VIII - A História da InternetMódulo  VIII - A História da Internet
Módulo VIII - A História da InternetMayara Mônica
 

Destaque (11)

Como funciona a internet
Como funciona a internetComo funciona a internet
Como funciona a internet
 
Capítulo 20 camada de rede - internet protocol
Capítulo 20   camada de rede - internet protocolCapítulo 20   camada de rede - internet protocol
Capítulo 20 camada de rede - internet protocol
 
Como funciona a internet
Como funciona a internetComo funciona a internet
Como funciona a internet
 
Internet
InternetInternet
Internet
 
Slide internet
Slide   internetSlide   internet
Slide internet
 
Internet: definição e tipos de conexão
Internet: definição e tipos de conexãoInternet: definição e tipos de conexão
Internet: definição e tipos de conexão
 
Aula1 protocolos
Aula1 protocolosAula1 protocolos
Aula1 protocolos
 
Principais protocolos da internet
Principais protocolos da internetPrincipais protocolos da internet
Principais protocolos da internet
 
Protocolos de internet
Protocolos de internetProtocolos de internet
Protocolos de internet
 
Protocolos
ProtocolosProtocolos
Protocolos
 
Módulo VIII - A História da Internet
Módulo  VIII - A História da InternetMódulo  VIII - A História da Internet
Módulo VIII - A História da Internet
 

Semelhante a Como funciona a Internet - Camadas e Protocolos

ESTUDO DE SOLUÇÕES PARA A GARANTIA DE QoS EM REDES LOCAIS (LAN)
ESTUDO DE SOLUÇÕES PARA A GARANTIA DE QoS EM REDES LOCAIS (LAN)ESTUDO DE SOLUÇÕES PARA A GARANTIA DE QoS EM REDES LOCAIS (LAN)
ESTUDO DE SOLUÇÕES PARA A GARANTIA DE QoS EM REDES LOCAIS (LAN)Júlio César Magro
 
Capítulo 06 - Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio
Capítulo 06 - Telecomunicações, Internet e tecnologia  sem fioCapítulo 06 - Telecomunicações, Internet e tecnologia  sem fio
Capítulo 06 - Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fioEverton Souza
 
S2 B 2007 Infra Aula 01 V1.00
S2 B 2007   Infra   Aula 01 V1.00S2 B 2007   Infra   Aula 01 V1.00
S2 B 2007 Infra Aula 01 V1.00doctorweb
 
CCNA 3 - Introdução à Redes de Computadores
CCNA 3 - Introdução à Redes de ComputadoresCCNA 3 - Introdução à Redes de Computadores
CCNA 3 - Introdução à Redes de ComputadoresFerNandoSantos287416
 
Aula 5 - Protocolos de comunicação
Aula 5 - Protocolos de comunicação Aula 5 - Protocolos de comunicação
Aula 5 - Protocolos de comunicação MaraLuizaGonalvesFre
 
Gerência integrada de redes e serviços
Gerência integrada de redes e serviçosGerência integrada de redes e serviços
Gerência integrada de redes e serviçosTiago
 
Gerência integrada de redes e serviços www.iaulas.com.br
Gerência integrada de redes e serviços www.iaulas.com.brGerência integrada de redes e serviços www.iaulas.com.br
Gerência integrada de redes e serviços www.iaulas.com.brMATHEUSGCL08
 
Modelos TCP/IP e OSI para CCNA
Modelos TCP/IP e OSI para CCNAModelos TCP/IP e OSI para CCNA
Modelos TCP/IP e OSI para CCNAwolkartt_18
 
Redes - Camada Enlace
Redes - Camada EnlaceRedes - Camada Enlace
Redes - Camada EnlaceLuiz Arthur
 
WANS e Roteadores Cisco CCNA 3.1
WANS e Roteadores Cisco CCNA 3.1WANS e Roteadores Cisco CCNA 3.1
WANS e Roteadores Cisco CCNA 3.1Wellington Oliveira
 
Exerc1 redescomputadores
Exerc1 redescomputadoresExerc1 redescomputadores
Exerc1 redescomputadoresredesinforma
 
Introdução a redes sem fio
Introdução a redes sem fioIntrodução a redes sem fio
Introdução a redes sem fioTiago
 

Semelhante a Como funciona a Internet - Camadas e Protocolos (20)

ESTUDO DE SOLUÇÕES PARA A GARANTIA DE QoS EM REDES LOCAIS (LAN)
ESTUDO DE SOLUÇÕES PARA A GARANTIA DE QoS EM REDES LOCAIS (LAN)ESTUDO DE SOLUÇÕES PARA A GARANTIA DE QoS EM REDES LOCAIS (LAN)
ESTUDO DE SOLUÇÕES PARA A GARANTIA DE QoS EM REDES LOCAIS (LAN)
 
aula-13-revisc3a3o.pdf
aula-13-revisc3a3o.pdfaula-13-revisc3a3o.pdf
aula-13-revisc3a3o.pdf
 
Capítulo 06 - Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio
Capítulo 06 - Telecomunicações, Internet e tecnologia  sem fioCapítulo 06 - Telecomunicações, Internet e tecnologia  sem fio
Capítulo 06 - Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio
 
Aulas frc 04
Aulas frc  04Aulas frc  04
Aulas frc 04
 
S2 B 2007 Infra Aula 01 V1.00
S2 B 2007   Infra   Aula 01 V1.00S2 B 2007   Infra   Aula 01 V1.00
S2 B 2007 Infra Aula 01 V1.00
 
Protocolos
ProtocolosProtocolos
Protocolos
 
Protocolos
ProtocolosProtocolos
Protocolos
 
CCNA 3 - Introdução à Redes de Computadores
CCNA 3 - Introdução à Redes de ComputadoresCCNA 3 - Introdução à Redes de Computadores
CCNA 3 - Introdução à Redes de Computadores
 
Aula 5 - Protocolos de comunicação
Aula 5 - Protocolos de comunicação Aula 5 - Protocolos de comunicação
Aula 5 - Protocolos de comunicação
 
Gerência integrada de redes e serviços
Gerência integrada de redes e serviçosGerência integrada de redes e serviços
Gerência integrada de redes e serviços
 
Gerência integrada de redes e serviços www.iaulas.com.br
Gerência integrada de redes e serviços www.iaulas.com.brGerência integrada de redes e serviços www.iaulas.com.br
Gerência integrada de redes e serviços www.iaulas.com.br
 
Modelos TCP/IP e OSI para CCNA
Modelos TCP/IP e OSI para CCNAModelos TCP/IP e OSI para CCNA
Modelos TCP/IP e OSI para CCNA
 
projecto de rede computadores
projecto de rede computadoresprojecto de rede computadores
projecto de rede computadores
 
Artigo Redes Jonnes
Artigo Redes JonnesArtigo Redes Jonnes
Artigo Redes Jonnes
 
Artigo Redes Jonnes
Artigo Redes JonnesArtigo Redes Jonnes
Artigo Redes Jonnes
 
Redes - Camada Enlace
Redes - Camada EnlaceRedes - Camada Enlace
Redes - Camada Enlace
 
WANS e Roteadores Cisco CCNA 3.1
WANS e Roteadores Cisco CCNA 3.1WANS e Roteadores Cisco CCNA 3.1
WANS e Roteadores Cisco CCNA 3.1
 
121 redes
121 redes121 redes
121 redes
 
Exerc1 redescomputadores
Exerc1 redescomputadoresExerc1 redescomputadores
Exerc1 redescomputadores
 
Introdução a redes sem fio
Introdução a redes sem fioIntrodução a redes sem fio
Introdução a redes sem fio
 

Mais de Escola de Governança da Internet no Brasil

Economia Política na era da Informação: Propriedade Intelectual x Livre Compa...
Economia Política na era da Informação: Propriedade Intelectual x Livre Compa...Economia Política na era da Informação: Propriedade Intelectual x Livre Compa...
Economia Política na era da Informação: Propriedade Intelectual x Livre Compa...Escola de Governança da Internet no Brasil
 

Mais de Escola de Governança da Internet no Brasil (20)

Políticas Públicas para Acesso e uso da Internet
Políticas Públicas para Acesso e uso da InternetPolíticas Públicas para Acesso e uso da Internet
Políticas Públicas para Acesso e uso da Internet
 
Futuro da Internet - Perspectivas para os Próximos 10 anos
Futuro da Internet - Perspectivas para os Próximos 10 anosFuturo da Internet - Perspectivas para os Próximos 10 anos
Futuro da Internet - Perspectivas para os Próximos 10 anos
 
Políticas Públicas Temáticas e Desafios da Inclusão Digital
Políticas Públicas Temáticas e Desafios da Inclusão DigitalPolíticas Públicas Temáticas e Desafios da Inclusão Digital
Políticas Públicas Temáticas e Desafios da Inclusão Digital
 
Liberdade de Expressão, Privacidade e Proteção de Dados Pessoais
Liberdade de Expressão, Privacidade e Proteção de Dados PessoaisLiberdade de Expressão, Privacidade e Proteção de Dados Pessoais
Liberdade de Expressão, Privacidade e Proteção de Dados Pessoais
 
Economia Política na era da Informação: Propriedade Intelectual x Livre Compa...
Economia Política na era da Informação: Propriedade Intelectual x Livre Compa...Economia Política na era da Informação: Propriedade Intelectual x Livre Compa...
Economia Política na era da Informação: Propriedade Intelectual x Livre Compa...
 
A economia da Internet e os negócios eletrônicos
A economia da Internet e os negócios eletrônicosA economia da Internet e os negócios eletrônicos
A economia da Internet e os negócios eletrônicos
 
Economia de Telecomunicações para o Provimento de Acesso à Internet
Economia de Telecomunicações para o Provimento de Acesso à InternetEconomia de Telecomunicações para o Provimento de Acesso à Internet
Economia de Telecomunicações para o Provimento de Acesso à Internet
 
Liberdade liberal e a liberdade na rede
Liberdade liberal e a liberdade na redeLiberdade liberal e a liberdade na rede
Liberdade liberal e a liberdade na rede
 
Marco Civil da Internet
Marco Civil da InternetMarco Civil da Internet
Marco Civil da Internet
 
Setor de Provimento de Serviços Internet
Setor de Provimento de Serviços InternetSetor de Provimento de Serviços Internet
Setor de Provimento de Serviços Internet
 
Panorama do setor de Provimento de Internet
Panorama do setor de Provimento de InternetPanorama do setor de Provimento de Internet
Panorama do setor de Provimento de Internet
 
Marco Civil da Internet e Direitos dos cidadãos e consumidores
Marco Civil da Internet e Direitos dos cidadãos e consumidoresMarco Civil da Internet e Direitos dos cidadãos e consumidores
Marco Civil da Internet e Direitos dos cidadãos e consumidores
 
Atividade - Recursos Críticos de Internet
Atividade - Recursos Críticos de InternetAtividade - Recursos Críticos de Internet
Atividade - Recursos Críticos de Internet
 
Marco Civil da Internet
Marco Civil da InternetMarco Civil da Internet
Marco Civil da Internet
 
Recursos Críticos de Internet
Recursos Críticos de InternetRecursos Críticos de Internet
Recursos Críticos de Internet
 
Internet, Conceitos e Evolução
Internet, Conceitos e EvoluçãoInternet, Conceitos e Evolução
Internet, Conceitos e Evolução
 
Como funciona a Internet
Como funciona a InternetComo funciona a Internet
Como funciona a Internet
 
Fundamentos de Segurança da Informação
Fundamentos de Segurança da InformaçãoFundamentos de Segurança da Informação
Fundamentos de Segurança da Informação
 
Fundamentos de Segurança da Informação
Fundamentos de Segurança da InformaçãoFundamentos de Segurança da Informação
Fundamentos de Segurança da Informação
 
Introduction to Internet Governance
Introduction to Internet GovernanceIntroduction to Internet Governance
Introduction to Internet Governance
 

Como funciona a Internet - Camadas e Protocolos

  • 1.
  • 2. Como funciona a Internet Camadas e Protocolos Antonio M. Moreiras José Luiz Ribeiro Filho 12/08/2014 – 9h00 às 10h30
  • 3. Como funciona a Internet Você sabe? • O que são as tais “camadas” em uma rede? Qual camada a ANATEL regula? Qual camada interessa ao CGI.br? • É possível garantir a interatividade na Internet? Isso se relaciona com a neutralidade da rede? • O que é e como é usada a Deep Packet Inspection (DPI)? Logs e a DPI sempre implicam em violação de privacidade?
  • 4. Como funciona a Internet Conceito de encapsulamento Pacote de Dados camadas
  • 5. Como funciona a Internet Estrutura em Camadas - Objetivos Reduzir complexidade Padronizar interfaces (protocolos) Facilitar engenharia modular Assegurar interoperabilidade de tecnologias Acelerar evolução Simplificar o ensino e o aprendizado
  • 6. Como funciona a Internet Estrutura em Camadas - Protocolos Para que dois computadores se comuniquem, é necessário que usem o mesmo protocolo Conjunto de regras que controla a interação de duas máquinas ou dois processos semelhantes ou com funções semelhantes Sem protocolos, o computador não pode reconstruir, no formato original, a sequência de bits recebida de outro computador
  • 7. Como funciona a Internet Como as camadas são usadas? • As camadas permitem isolar as funções no processo de transmissão de mensagens (dados e comandos) • Uma camada usa serviços da camada inferior e provê serviços para a camada superior • Utiliza o encapsulamento para passar informações para as camadas inferiores e superiores • Cada camada troca mensagens (dados) somente com a camada do mesmo nível por meio de protocolos • Permite que diferentes implementações de hardware (computadores, impressoras, celulares, TV, etc.) e software (Windows, Linux, iOS, Android, etc.) possam enviar e receber mensagens pela rede
  • 8. Como funciona a Internet O modelo de referência ISO/OSI O Modelo OSI (Open Systems Interconnection) foi lançado pela ISO (International Organization for Standardization) em 1984 ISO é uma entidade que congrega institutos nacionais de padronização de 140 países, trabalhando em parceria com organizações internacionais, governos, indústria e consumidores: um elo entre setores públicos e privados. http://www.iso.org/iso/home.html
  • 9. Como funciona a Internet Benefícios do modelo aberto OSI Interoperabilidade Portabilidade da aplicação Interconectividade Escalabilidade
  • 10. Como funciona a Internet Camadas do modelo OSI Visão geral Modelo de 7 camadas 4 camadas inferiores e 3 camadas superiores Camadas superiores (host layers ou application layers) Camadas Inferiores “Data Flow Layers”. Controlam o fluxo e a entrega física dos dados pela rede
  • 11. Como funciona a Internet Camadas OSI x TCP/IP OSI TCP/IP Aplicação Apresentação Transporte Transporte Rede Rede Enlace de dados Física Interface de Rede Sessão Aplicação
  • 12. Como funciona a Internet Camadas: Anatel x CGI – Norma 4 NORMA 004/95 - USO DE MEIOS DA REDE PÚBLICA DE TELECOMUNICAÇÕES PARA ACESSO À INTERNET Esta Norma se aplica: a)às Entidades Exploradoras de Serviços Públicos de Telecomunicações (EESPT) no provimento de meios da Rede Pública de Telecomunicações a Provedores e Usuários de Serviços de Conexão à Internet; b)aos Provedores e Usuários de Serviços de Conexão à Internet na utilização dos meios da Rede Pública de Telecomunicações. 3.DEFINIÇÕES c)Coordenador Internet: nome genérico que designa os órgãos responsáveis pela padronização, normatização, administração, controle, atribuição de endereços, gerência de domínios e outras atividades correlatas, no tocante à Internet;
  • 13. Como funciona a Internet Camadas: Anatel x CGI – Norma 4 5. USO DE MEIOS DA REDE PÚBLICA DE TELECOMUNICAÇÕES POR PROVEDORES E USUÁRIOS DE SERVIÇOS DE CONEXÃO À INTERNET 5.1. O uso de meios da Rede Pública de Telecomunicações, para o provimento e utilização de Serviços de Conexão à Internet, far-se-á por intermédio dos Serviços de Telecomunicações prestados pelas Entidades Exploradoras de Serviços Públicos de Telecomunicações 5.3. Os meios da Rede Pública de Telecomunicações serão providos a todos os PSCIs que os solicitarem, sem exclusividade, em qualquer ponto do território nacional, observadas as condições técnicas e operacionais pertinentes e, também, poderão ser utilizados para: a) conectar SCIs à Internet, no exterior; b) interconectar SCIs de diferentes provedores. 5.4. As Entidades Exploradoras de Serviços Públicos de Telecomunicações não discriminarão os diversos PSCIs quando do provimento de meios da Rede Pública de Telecomunicações para a prestação de Serviços de Conexão à Internet. Os prazos, padrões de qualidade e atendimento, e os valores praticados serão os regularmente fixados na prestação do Serviço de Telecomunicações utilizado. 5.5. É facultado ao Usuário de Serviço de Conexão à Internet, o acesso ao SCI por quaisquer meios da Rede Pública de Telecomunicações à sua disposição.
  • 14. Como funciona a Internet Camadas: Anatel x CGI – Norma 4 6. RELACIONAMENTO ENTRE AS ENTIDADES EXPLORADORAS DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE TELECOMUNICAÇÕES E OS PSCIs 6.1. No relacionamento entre as Entidades Exploradoras de Serviços Públicos de Telecomunicações e os Provedores de Serviços de Conexão à Internet, não se constituem responsabilidade das EESPT: a) definir a abrangência, a disposição geográfica e física, o dimensionamento e demais características técnicas e funcionais do Serviço de Conexão à Internet a ser provido; b) especificar e compor os itens de "hardware" e "software" a serem utilizados pelo PSCI na prestação do Serviço de Conexão à Internet; c) definir as facilidades e as características do Serviço de Conexão à Internet a serem ofertadas pela PSCIs; d) providenciar junto aos Coordenadores Internet a regularização dos assuntos referentes ao provimento do Serviços de Conexão à Internet; e) definir os Pontos de Conexão entre os PSCIs, no Brasil ou no exterior, bem como as características funcionais de tais conexões.
  • 15. Como funciona a Internet Camadas: Anatel x CGI – Norma 4 Consequências da Norma 4/95 -Separa as funções dos PSI das EESPT -Define os limites de regulação da Anatel e o papel do Coodenador Internet. A Anatel atua somente na camada da Interface de Rede e o CGI (coordenador Internet) nas camadas superiores; -Impacto tributário – os PSI, como prestadores de serviços, recolhem ISS e os EESP recolhem ICMS, FUST, FUNTEL e FISTEL. -Dependência de um PSI para validação de logins nos serviços dos EESPT Além da Norma 4/95 - Outro aspecto importante da sugestão de reavaliação das regras para provimento de acesso feitas pelo Minicom à Anatel é que elas vão além da Norma 4/95. Também está prevista, pelo ministério, a revisão da Resolução 190/99. Trata-se do regulamento de Serviços de Valor Adicionado em TV por Assinatura. Este foi o regulamento que permitiu operadoras de TV a cabo entrarem no mercado de banda larga, em 1999. A Resolução 190/99 dá às operadoras de cabo a possibilidade de prestarem o serviço de banda larga, mas também pede a existência de um provedor de acesso. Para evitar a necessidade do provedor, a maior parte das 50 operadoras passou a prestar o serviço por meio de licenças de SCM, onde ele não é necessário
  • 16. Como funciona a Internet Best Effort x QoS – camada de rede Serviço de entrega  Aceita e encaminha os datagramas até o destino final por meio de redes e roteadores intermediários. Roteamento  Determina o caminho ou rota que cada datagrama deve seguir para alcançar a rede de destino.
  • 17. Como funciona a Internet Best Effort x QoS – camada de rede Serviço sem conexão Datagramas são individuais e independentes Sequência dos datagramas não é assegurada Paradigma de melhor esforço (Best-effort) Descarta datagramas em condições de falta de recursos ou erros de transmissão
  • 18. Como funciona a Internet Como garantir qualidade na rede? Parâmetros de QoS Retardo fim-a-fim Jitter (variação do atraso entre os pacotes sucessivos de dados ) Taxa de perda de pacotes Vazão Aplicações interativas/tempo real necessitam desses parâmetros garantidos pela rede.
  • 19. Como funciona a Internet Best Effort versus QoS Aplicações de tempo real x aplicações de dados Propostas do IETF Serviços integrados (intServ) – RFC 1633 Serviços diferenciados (DiffServ) – RFC 2475 A Internet não garante QoS (usa somente o Melhor Esforço)
  • 20. Como funciona a Internet Best Effort versus QoS Problemas encontrados nas propostas Serviços integrados Espaço de armazenamento e sobrecarga nos roteadores Recursos especiais nos roteadores Prioridade relativa sobre outras aplicações Dependendo da carga da rede o desempenho é inaceitável Serviços diferenciados
  • 21. Como funciona a Internet Medindo a qualidade da banda larga no Brasil As resoluções 574 e 575 da Anatel, ambas de 28 de outubro de 2011, preveem novas regras para a prestação de serviço de acesso à Internet, especificamente sobre a velocidade mínima garantida de conexão. As resoluções são, na prática, espécies de Acordos de Nível de Serviço (SLA - Service Level Agreement), que impõem ao prestador de serviço os padrões de qualidade mínimos a serem mantidos, tendo em vista a observância de variações na velocidade de tráfego de dados na Internet. Os percentuais previstos como garantia mínima na velocidade de conexão dos serviços de banda larga no Brasil são os seguintes:
  • 22. Como funciona a Internet Medindo a qualidade da banda larga no Brasil
  • 23. Como funciona a Internet Medindo a qualidade da banda larga no Brasil
  • 24. Como funciona a Internet Medindo a qualidade da banda larga no Brasil Web SIMET http://simet.nic.br/
  • 25. Como funciona a Internet O que é Deep Package Inspection? Deep packet inspection From Wikipedia, the free encyclopedia Deep Packet Inspection (DPI, also called complete packet inspection and Information eXtraction or IX) is a form of computer network packet filtering that examines the data part (and possibly also the header) of a packet as it passes an inspection point, searching for protocol non-compliance, viruses, spam, intrusions, or defined criteria to decide whether the packet may pass or if it needs to be routed to a different destination, or, for the purpose of collecting statistical information. There are multiple headers for IP packets; network equipment only needs to use the first of these (the IP header) for normal operation, but use of the second header (TCP, UDP etc.) is normally considered to be shallow packet inspection (usually called Stateful Packet Inspection) despite this definition. There are multiple ways to acquire packets for deep packet inspection. Using port mirroring (sometimes called Span Port) is a very common way, as well as optical splitter. Deep Packet Inspection (and filtering) enables advanced network management, user service, and security functions as well as internet data mining, eavesdropping, and internet censorship. Although DPI technology has been used for Internet management for many years, some advocates of net neutrality fear that the technology may be used anticompetitively or to reduce the openness of the Internet DPI is currently being used by the enterprise, service providers, and governments in a wide range of applications.
  • 26. Como funciona a Internet O que é Deep Package Inspection? http://www.pcworld.com/article/249137/what_is_deep_packet_inspection_.html … deep packet inspection has a dark side, and in the absence of strict legal restrictions, your ISP is free to root through all the information you exchange online and use it as they see fit. Personal data like your age, location, and shopping records can be logged and sold in anonymized batches to advertising companies, and law enforcement agents can monitor and curtail your Internet access without your knowledge. Without strict limitations to preserve user privacy, this sort of deep data filtering can significantly impair your ability to remain anonymous online. This level of surveillance is nothing new; Internet service providers in China already employ deep packet inspection software to scan for sensitive keywords and block access to sites like YouTube. Chinese citizens often employ foreign VPN services to access websites blocked by the Chinese government, and you can do the same. “If you want to prevent this sort of inspection, you could use someone else's network,” says Steven Andrés, founder and CTO of Special Ops Security. “I imagine if Congress [ever] enacts SOPA into law, a number of VPN services will crop up in other countries.”
  • 27. Como funciona a Internet O que é Deep Package Inspection? http://www.proceranetworks.com/d eep-packet-inspection
  • 28. Como funciona a Internet Deep Packet Inspection Pacote de Dados camadas DPI
  • 29. Obrigado Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br José Luiz Ribeiro Filho jose.luiz@rnp.br