Essa nova tecnologia tr az par a o publico a chance de viver ashistorias em tempo r eal, Ou quase, é que a qualidade em 3D...
O surgimento da 3ªdimensão no cinema sedeve ao inventor,Sebastião Comparato,um italiano chegado aoBrasil com seis meses de...
Dezessete anos apósessa exibição carioca,no antigo cinemametrópole, a 3D éanunciada, comestardalhaço, comoúltima novidade ...
Comparato Produziu vários filmes de curta-metragem einventou também um sistema de filme ao ar livre, mostradoao público no...
   Nem sequer os raros    pesquisadores do    cinema paulista    registraram o trabalho    pioneiro de Sebastião    Compa...
   No início dos anos 50, a    televisão já causara    grandes danos ao cinema    nos Estados Unidos,    embora no Brasil...
Dois filmes feitos em 3-D, nome dado ao sistema, foramlançados simultaneamente nos antigos cinemasRepública e Ópera de São...
A invenção deComparato, porém,apresentada quase duasdécadas antes, podiaperfeitamente serapreciada a olho nu. Opróprio Com...
A invenção de Comparato dispensava película especial ou qualquerequipamento adicional, durante as filmagens. Todo o segred...
   Para chegar ao    mecanismo, Comparato    gastou mais de 13 anos    de pesquisas,    construindo um    laboratório nos...
Comparato, que chegara aanunciar a fundação deuma grande companhiaprodutora para aexploração do novosistema, alguns anosde...
   A hora em que ela surgiu, certamente, não era oportuna.    Poucos anos antes, o cinema havia passado pela revolução   ...
   A luta maior de    Comparato, porém,    não foi para ser    reconhecido pelos    norte-americanos.    Estes até que   ...
A convite da mesmaWarner, Comparatopassou três meses nosEstados Unidos. Suarecusa em permanecerdefinitivamente estavapresa...
   Se nos anos 50, o advento da TV foi o que afugentou o    público dos cinemas, agora em 2010, é a internet que faz com ...
   O retorno do 3D ao    cinema foi em    meados de 2000    com a empresa    RealD a frente da    implantação da    tecno...
   Mais do que uma tecnologia, o 3D é uma forma de    deixar o espectador mais próximo da história do    filme. Ele permi...
Fonte:http://www.almanackpaulistano.com.br/comparato.html  http://lepto.procc.fiocruz.br:8081/dic/verbetes/FAC  http://www...
A historia do cinema 3 d
A historia do cinema 3 d
A historia do cinema 3 d
A historia do cinema 3 d
A historia do cinema 3 d
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A historia do cinema 3 d

4.198 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.198
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
780
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
63
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A historia do cinema 3 d

  1. 1. Essa nova tecnologia tr az par a o publico a chance de viver ashistorias em tempo r eal, Ou quase, é que a qualidade em 3Dcausa a impr essão de estar dentr o da historia vivendo com osmais desejadas Aventur as.é uma experiência inovador a eemocionante. O significado da expr essão 3D é r ealidade etrês dimensões , ou seja , mostr a em espaço r eal a imagem.
  2. 2. O surgimento da 3ªdimensão no cinema sedeve ao inventor,Sebastião Comparato,um italiano chegado aoBrasil com seis meses deidade e cujo maiororgulho era atribuir ainvenção ao nosso país.Dois anos depois, já compatentes internacionais,Sebastião fez suasapresentações no Rio.
  3. 3. Dezessete anos apósessa exibição carioca,no antigo cinemametrópole, a 3D éanunciada, comestardalhaço, comoúltima novidade docinema norte-americano. SebastiãoComparatoamargurado fecha oseu laboratório e nãoquer mais ouvir falarde cinema.
  4. 4. Comparato Produziu vários filmes de curta-metragem einventou também um sistema de filme ao ar livre, mostradoao público no começo da década de 30, na Praça da Sé.Apesar da relatividade notoriedade que conseguiu na época,seus filmes e seus inventos não conseguiram inscrevê-lo nahistória do cinema brasileiro.
  5. 5.  Nem sequer os raros pesquisadores do cinema paulista registraram o trabalho pioneiro de Sebastião Comparato. Ele empregou grande parte de sua vida para inventar a terceira dimensão, ao mesmo tempo que a queria como uma invenção brasileira, recusando por isso um convite para ir trabalhar nos Estados Unidos.
  6. 6.  No início dos anos 50, a televisão já causara grandes danos ao cinema nos Estados Unidos, embora no Brasil as casas exibidoras ainda estivessem em pleno apogeu. Foi nessa época que a terceira dimensão, um dos recursos que a indústria cinematográfica começava a usar para fazer frente à TV, chegou ao Brasil como invenção norte-americana.
  7. 7. Dois filmes feitos em 3-D, nome dado ao sistema, foramlançados simultaneamente nos antigos cinemasRepública e Ópera de São Paulo. Ambos os filmesexigiam óculos para criar a impressão de profundidade.Houve uma natural curiosidade, mas logo depois jáninguém falava no novo sistema, talvez porque aobrigatoriedade dos óculos limitasse sua aceitação.
  8. 8. A invenção deComparato, porém,apresentada quase duasdécadas antes, podiaperfeitamente serapreciada a olho nu. Opróprio Comparatopreviu o fracasso da 3-Dda maneira como elaestava sendoapresentada pelos norte-americanos, ementrevista a O Globo, oúnico jornal que selembrou de procurá-lopor ocasião dolançamento dos doisfilmes.
  9. 9. A invenção de Comparato dispensava película especial ou qualquerequipamento adicional, durante as filmagens. Todo o segredorepousava num pequeno aparato que podia ser adaptado aprojetores comuns e numa tela especial. A esta, na verdade, cabia opapel mais importante, acondicionada dentro de uma enorme caixa,semelhante a um palco de teatro. Da tela, a imagem era refletidanum espelho parabólico que a tornava invisível, dando a impressãoque as cenas transcorriam num palco.
  10. 10.  Para chegar ao mecanismo, Comparato gastou mais de 13 anos de pesquisas, construindo um laboratório nos fundos de sua casa. O trabalho foi precedido de outras pesquisas com relação ao olho humano e, antes de chegar à terceira dimensão no cinema, ele se dedicara intensamente à estereoscopia (fotografia em relevo)
  11. 11. Comparato, que chegara aanunciar a fundação deuma grande companhiaprodutora para aexploração do novosistema, alguns anosdepois, já deixavatransparecer as suasmágoas, recusando umconvite que lhe fez aWarner Brothers em 1951,para transferir-se para osEstados Unidos: "Eu játinha resolvido a desistirde tudo" conta ele, ementrevista a O Globo.
  12. 12.  A hora em que ela surgiu, certamente, não era oportuna. Poucos anos antes, o cinema havia passado pela revolução do sonoro e esta inovação quase levara a industria especializada norte-americana à falência. Qualquer novidade não poderia ser, portanto, bem-vista, ainda mais que, já recuperada àquela altura, a indústria cinematográfica reinava absoluta no campo do entretenimento.
  13. 13.  A luta maior de Comparato, porém, não foi para ser reconhecido pelos norte-americanos. Estes até que valorizaram o seu trabalho. Se, nos primeiros tempos não se interessaram, em 1945, quando procuravam técnicas inovadoras, não se esqueceram dele.
  14. 14. A convite da mesmaWarner, Comparatopassou três meses nosEstados Unidos. Suarecusa em permanecerdefinitivamente estavapresa ao desejo de quea invenção fosseexplorada porbrasileiros. Para isso,tentou várioscaminhos, mas nadaconseguiu. A terceiradimensão lançadacomo invenção norte-americana deve ter-lhesido uma pílulaamarga.
  15. 15.  Se nos anos 50, o advento da TV foi o que afugentou o público dos cinemas, agora em 2010, é a internet que faz com que as pessoas passem mais tempo em casa em frente à tela do computador. Por isso, o 3D é resgatado das cinzas com a promessa de levar as pessoas de volta as salas de projeção e vivenciarem uma incrível experiência cinematográfica.
  16. 16.  O retorno do 3D ao cinema foi em meados de 2000 com a empresa RealD a frente da implantação da tecnologia em salas de cinema. Muitos filmes dessa fase são documentários sobre esportes, natureza e o espaço.
  17. 17.  Mais do que uma tecnologia, o 3D é uma forma de deixar o espectador mais próximo da história do filme. Ele permite a entrada em um mundo ilusório, afinal de contas o cinema trata de magia.
  18. 18. Fonte:http://www.almanackpaulistano.com.br/comparato.html http://lepto.procc.fiocruz.br:8081/dic/verbetes/FAC http://www.redetec.org.br/inventabrasil/sebcomp.htm http://www.almanack.paulistano.nom.br/comparato.html

×