SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
1ª COORDENADORIA REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO
EEEP de Pacatuba
I FEIRA DE CIÊNCIAS – 2015
Em 2015, a Feira de Ciências será pela primeira vez organizada pela EEEP de Pacatuba. Nesta 1ª edição
da Feira, o objetivo principal é interagir os alunos e professores do Ensino Médio Integrado ao
Profissionalizante da Rede Estadual na perspectiva de fomentar a pesquisa científica no âmbito das escolas
públicas cearenses.
1. OBJETIVOS DO EVENTO:
I. Estabelecer relações dinâmicas dos conhecimentos específicos das disciplinas da base comum e do ensino
profissionalizante de nível médio com problemáticas sociais, econômicas e ambientais, de caráter local,
regional, nacional ou global;
II. Envolver participações ativas, práticas e conceituais de alunos, na condução e avaliação do projeto, ou
revelar estratégias para envolver toda a escola em procedimentos e resultados;
III. Contar com assistência científica, tecnológica ou pedagógica externa, compatível com a natureza das
atividades do projeto, fornecida por instituição acadêmica ou educacional, que partilhe com a escola interesses
no desenvolvimento do projeto;
IV. Promover o intercâmbio cultural e científico entre os participantes do evento;
V. Estimular a investigação e o interesse pelo estudo das ciências;
VI. Incentivar a participação dos alunos e professores em eventos científicos desta natureza.
2. JUSTIFICATIVA:
A I FEIRA DE CIÊNCIAS representa mais uma ação de incentivo ao desenvolvimento de trabalhos
científicos e culturais no âmbito das escolas públicas do Estado do Ceará. Além disso, é um espaço rico de
possibilidades com a expressão da criatividade e para o desenvolvimento das habilidades do aluno, do professor
e da escola no campo da pesquisa.
Como lugar de acesso e produção de conhecimento, a escola desempenha um papel extremamente
relevante na medida em que introduz os jovens no universo da cultura científica, organizando, refletindo sobre
seus conteúdos curriculares e contribuindo assim para a construção de um ambiente de curiosidade e de
entusiasmo em relação à pesquisa.
A I FEIRA DE CIÊNCIAS busca, fundamentalmente, ampliar o espaço para o desenvolvimento da
curiosidade científica, em sua dimensão histórica, social e cultural, considerando os questionamentos que
nascem das experiências, expectativas e estudos teóricos dos estudantes cearenses.
3. DESCRIÇÃO GERAL DO PROJETO DA I FEIRA REGIONAL DE CIÊNCIAS:
3.1 Abrangência:
O propósito é envolver e integrar a EEEP de Pacatuba através da pesquisa científica às escolas públicas
das redes estadual e municipal de Ensino Fundamental e Médio do Estado do Ceará através das feiras escolares.
3.2 Projetos participantes:
Deverá participar toda a escola (Base Comum e Educação Profissional) representada por trabalhos,
relacionados às categorias propostas neste Edital.
3.3 Participantes dos projetos:
I. Serão aceitos projetos formados por equipes de alunos(as) da turma;
II. Todos os projetos deverão ter a participação de 1 (um) Professor Orientador;
III. Cada professor orientará 2 projetos, os mesmos poderão ser sugestionados pelos professores orientadores,
bem como pelos alunos orientados;
IV. Cada projeto deverá possuir além de 1 (um) professor orientador, 10 a 13 alunos participantes.
4. SELEÇÃO:
A I FEIRA DE CIÊNCIAS E CULTURA contará com três categorias, sendo elas:
I. Ciências da Natureza e suas Tecnologias;
II. Ciências Ambientais;
III. Robótica Educacional.
Obs.: Os projetos inscritos que apresentarem irregularidades técnicas na formatação dos dados, na composição
dos resultados ou qualquer outro item regularizado pelo evento, poderão ser desclassificados.
A EEEP de Pacatuba selecionará, através dos critérios determinados neste regulamento os trabalhos
enviados para COMISSÃO COORDENADORA DA I FEIRA DE CIÊNCIAS.
4.1. FEIRA REGIONAL:
A EEEP selecionará os trabalhos, através de sua Feira de Ciências, os 03 (três) melhores trabalhos, 01
(um) para cada categoria. A seleção deverá seguir os critérios determinados neste regulamento (Item 11.3.).
5. RESPONSABILIDADES:
A ESCOLA: Será responsável pela realização da feira escolar; Selecionar os trabalhos por categoria;
Transportar os alunos selecionados para o local onde acontecerá a FEIRA ESTADUAL DE CIÊNCIAS E
CULTURA.
6. INSCRIÇÃO:
6.1. FEIRA ESCOLAR: Os responsáveis pelos trabalhados deverão providenciar os seguintes documentos:
I. Ficha de Identificação da Equipe (Anexo I);
II. Dados do projeto (Anexo II);
III. Resumo do projeto (Enviar arquivo em formato digital – PDF).
Os documentos acima deverão ser entregues a COMISSÃO COORDENADORA DA I FEIRA DE
CIÊNCIAS.
6.2. DESCRIÇÃO DOS DOCUMENTOS:
a) Ficha de Inscrição: Os participantes deverão registrar seus dados de identificação (Anexo I);
b) Resumo: Deverá ser escrito em Português contendo, no máximo, 400 palavras, ser digitado no editor de texto
BrOffice ou similar em fonte “Arial 11”, espaçamento simples. O mesmo deve ser enviado a COMISSÃO
COORDENADORA DA I FEIRA DE CIÊNCIA devidamente identificado para o seguinte e-mail:
eeeppacatubalei@gmail.com – O arquivo deve ser nomeado com 1 (uma) palavra-chave do projeto.
Deverá incluir:
I. Introdução;
II. Metodologia;
III. Resultados;
IV. Considerações Finais.
c) Modelo:
Título: FRUTAS SILVESTRES DA CAATINGA – PRESERVAR PARA ALIMENTAR E PREVENIR
PATOLOGIAS HUMANAS.
Autores
Luara Barros Lourenço¹
Evanir Araújo de Sousa¹
Gerciê Oliveira Castro²
1 Alunas da E.E.F.M. Raimundo Nonato Ribeiro
2 Professor de Biologia da E.E.F.M. Raimundo Nonato Ribeiro
INTRODUÇÃO:
A caatinga se destaca por sua riqueza na diversidade vegetal a qual deve ser preservada em função do
grande potencial alimentar e medicinal das frutas silvestres. Numa relação homem e ambiente está presente
também à dependência onde o homem retira da natureza todos os recursos pra a sobrevivência da
humanidade. O desconhecimento sobre as espécies frutíferas nativas do Brasil é algo cultural, conforme
mostra alguns levantamentos bibliográficos, mas que apresenta uma riqueza de nutrientes importantes para a
dieta humana. Este estudo objetivou promover mudanças nos hábitos alimentares da população deste
Município como forma de pensar políticas de preservação ambiental bem como alimentar e prevenir várias
patologias humanas.
METODOLOGIA:
No desenvolvimento deste projeto, de forma interdisciplinar, alunos e professores se sensibilizam para pensar
e tomar iniciativas de preservação do meio ambiente, especialmente o bioma em estudo. Para a execução do
projeto, inicialmente foi realizado um levantamento da diversidade de frutas silvestres através de formulário, e
posteriormente um mapeamento na região de Trairi, sendo estas coletadas conforme o período de safra,
acondicionadas e posteriormente fabricados algumas iguarias. Conforme o levantamento bibliográfico quanto
à taxonomia, foram ainda pesquisados o princípio ativo de cada uma para descobrir o seu potencial
medicinal. Conforme o cronograma de ações, esta etapa culminará com a produção de Herbário e um Atlas
de botânica escolar que servirá para o acervo de pesquisa de alunos.
RESULTADOS:
Neste levantamento preliminar, foram identificadas taxiomicamente 20 espécies de frutas, distribuídas em 18
ordens e 16 famílias. Destas, todas são utilizadas na alimentação humana, 13 possuem aplicabilidade
medicinal e todas contribuem de forma significativa na preservação deste importante bioma: a caatinga. A
produção de iguarias como doces, bolos, sucos, sorvetes, sucos são as formas mais comuns no processo de
industrialização como forma de inserção a práticas econômica e ecologicamente correta.
CONSIDERAÇÕES FINAIS:
Os recursos naturais da caatinga possuem um grande potencial ambiental e econômico, desde que aja um
manejo ecologicamente correto, atendendo não só os anseios da população mas, sobretudo, práticas de
preservação do Meio Ambiente. O projeto de preservação das frutas silvestres da caatinga, neste estudo
preliminar mapeou 20 espécies das árvores frutíferas nativas ou adaptadas no semi-árido, distribuídas em 18
ordens e 16 famílias. Das espécies identificadas 13 possuem aplicação medicinal, 20 são utilizadas na
alimentação humana e todas contribuem significativamente na preservação ambiental do bioma caatinga.
Palavras-chave: Caatinga
E-mail para contato: pnixwqptecfg@mail-temp.appspotmail.com (e-mail fictício)
*Só serão aceitos resumos entregues à COMISSÃO COORDENADORA DA I FEIRA DE CIÊNCIAS (item
6.2).
*Não serão aceitos resumos fora do padrão acima (item 6.2 letra b).
*O professor-orientador será responsável pela elaboração de um cronograma de atividades de seus respectivos
projetos, para acompanhamento por parte de seu coordenador de área.
*A revisão ortográfica de todo material elaborado por cada projeto ficará sob responsabilidade do professor-
orientador.
6.4. PRAZOS:
I. Para envio das fichas de inscrição e resumos dos projetos: de 12 de Maio a 15 de Maio de 2015;
7. CATEGORIAS:
Observar anexo II.
8. EXPOSIÇÃO:
Os projetos deverão ser montados no respectivo dia de apresentação, dia 03 de Junho de 2015.
Todos os projetos das categorias Ciências da Natureza e suas Tecnologias, Ciências Ambientais,
Robótica Educacional devem ser apresentados na Feira Regional na forma de BANNER e ESTANDE,
seguindo o padrão estabelecido pelo evento, também deverá ser apresentado o CADERNO DE CAMPO ou de
PESQUISA (Este deverá ficar exposto em cada estande).
Não será permitido nada que fuja as regras de segurança.
O espaço reservado para cada expositor é de no mínimo 2,00m x 1,00m e no máximo 4,00 x 4,00m.
A apresentação visual deve ser em Português.
Será permitida a distribuição de cartões de contato e folders relativos ao projeto. Entretanto, a
distribuição não pode fazer parte da apresentação.
9. ESTANDES:
Cada estande será identificado por uma numeração. Cabe ao professor orientador, antes da montagem,
solicitar a comissão organizadora do evento a sua localização.
10. REGRAS DE SEGURANÇA:
Será PROIBIDA a exposição dos seguintes itens:
a) Combustíveis;
b) Baterias com células expostas;
c) Bebidas alcoólicas;
d) Substâncias tóxicas ou de uso controlado sem utilização de EPI;
e) Colocação em marcha de motores de combustão interna;
f) Materiais cortantes, seringas, agulhas, materiais de vidro que possam provocar ferimentos sem
supervisão do orientador;
g) Fotografias ou quaisquer outras formas de apresentação visual de técnicas cirúrgicas, dissecação,
necropsia ou outras técnicas de laboratório similares;
h) Prêmios, medalhas que tenham sido conquistados pelo grupo;
i) Aparelhos de áudio/vídeo que não façam parte do Projeto.
*Todo projeto inscrito em área inadequada poderá ser reclassificado pela Comissão Coordenadora da I FEIRA
DE CIÊNCIAS, e informado aos autores.
11. AVALIAÇÃO DOS PROJETOS:
11.1. Do Caderno de Campo ou de Pesquisa:
Neste documento, o(s) alunos(s) deve(m) ter registrado as etapas que realizou para desenvolver o
projeto, relatando todos os fatos e as datas respectivas.
MANUSCRITO.
O Caderno deverá conter:
a) Registro detalhado e preciso dos fatos, dos passos, das descobertas, das novas indagações;
b) Poderá ter fotos, gravuras, figuras e desenhos;
c) Registro das datas e locais das investigações;
d) Registro dos testes e resultados;
e) Entrevistas e consultas às pessoas fonte;
f) Referências Bibliográficas.
O Caderno de Campo não faz parte dos documentos de inscrição, porém, deve permanecer no expositor.
11.2. Da Exibição Visual e Apresentação Oral (Observar Anexo III):
A exibição visual deverá ser feita na forma de banner e estande de maneira clara e objetiva, salientando os
dados mais importantes, para possibilitar o perfeito entendimento do projeto. O banner deverá seguir o seguinte
padrão técnico:
I. Tamanho do banner: Largura: 90cm; Altura: de 90cm até 1,20m (no máximo);
II. O texto do banner deve ser legível a uma distância de, pelo menos, 1 m;
III. Horário das Sessões de banner: Todo período de apresentação;
IV. A Solenidade de Premiação ocorrerá no dia 08 de Junho de 2015, no Ginásio Poliesportivo da referida
EEEP;
V. Os estandes deverão ser desmontados logo após o fim das apresentações.
11.3. Critérios de Avaliação:
Critérios de Avaliação Pontuação
a) Criatividade e inovação 20 pontos
b) Conhecimento científico do problema abordado 20 pontos
c) Metodologia científica 10 pontos
d) Profundidade da pesquisa 10 pontos
e) Clareza e objetividade na apresentação do trabalho 20 pontos
f) Ilustrações e complementos 10 pontos
g) Caderno de Campo 10 pontos
11.3.1. Criatividade e Inovação (20 pontos):
Criatividade é pensar coisas novas, inovação é fazer coisas novas e valiosas. Inovação é a
implementação de um novo ou significativamente melhorado produto (bem ou serviço), processo de trabalho,
ou prática de relacionamento entre pessoas, grupos ou organizações.
Nem sempre a inovação é o resultado da criação de algo totalmente novo mas, com muita frequência, é
o resultado da combinação original de coisas já existentes. Algumas importantes inovações consistem de novos
usos para objetos e tecnologias existentes.
11.3.2. Conhecimento científico do problema abordado (20 pontos):
Do conhecimento científico nasce o raciocínio argumentativo que é extremamente relevante para o
conhecimento das ciências. De posse do conhecimento científico o educando poderá construir modelos,
desenvolverá explicações do mundo físico e natural e será capaz de interagir com eles. Precisam demonstrar
que aprenderam significativamente os conceitos implicados associados ao trabalho defendido, também
precisam demonstrar que desenvolveram a capacidade de responder questionamentos sobre o seu trabalho de
posse dos conhecimentos científicos.
11.3.3. Metodologia Científica (10 pontos):
Os educandos precisam ser capazes de explicar como procederam as suas investigações, que
instrumentos eles utilizaram para coletar dados; quais as fontes que eles pesquisaram, como eles tiveram acesso
a estas fontes; em que período desenvolveram suas pesquisas todas estas explicações devem ter como amparo
os conhecimentos científicos adquiridos.
11.3.4. Profundidade da Pesquisa (10 pontos):
No decorrer da apresentação deverá ser possível perceber até que ponto os alunos se envolveram com a
pesquisa; até que ponto eles demonstraram interesse em desenvolvê-la, até que ponto eles buscaram
fundamentações científicas que fundamentassem a sua pesquisa, finalmente, em que nível científico a pesquisa
ficou situada.
11.3.5. Clareza e objetividade na apresentação do trabalho (20 pontos):
Levando-se em consideração o pouco tempo destinado à apresentação, já que o avaliador tem outros
trabalhos para avaliar, os autores devem planejar com clareza e objetividade a sua apresentação de modo que o
tempo seja otimizado e as informações compartilhadas possam ser bem explicadas e bem interpretadas.
11.3.6. Ilustrações e complementos (10 pontos):
As equipes devem privilegiar o espaço do banner (0,90cm x 1.20m) destinando a maior parte (cerca de
75%) deste para exposição de ilustrações (fotos, figuras, tabelas, quadros, gráficos, etc). No espaço restante
deverão ser explanados os textos relativos ao trabalho apresentado. Caso a quantidade de ilustrações seja
elevada será permitido a exposição de mais ILUSTRAÇÕES (textos não) nas paredes internas dos stands.
11.3.7. Caderno de Campo (10 pontos):
No Caderno de Campo, o(s) alunos(s) deve(m) ter registrado as etapas que realizou para desenvolver o
projeto, relatando todos os fatos e as datas respectivas.
11.4. Avaliação:
I. Cada projeto será avaliado por, no mínimo, 02 (dois) avaliadores – sendo estes professores pertencentes
ao quadro de professores do referido estabelecimento de ensino.
II. Pelo menos um dos alunos expositores deverá permanecer sempre junto ao seu estande;
III. A avaliação dos projetos ocorrerá no dia 03 de Junho de 2015, de acordo com os horários definidos
(Item 14);
IV. O grupo de avaliadores deverá ser composto por professores, pesquisadores e profissionais ligados a
escolas, universidades, empresas e instituições públicas e privadas;
V. É VEDADA a interferência do professor-orientador durante a avaliação;
OBSERVAÇÃO:
NOTA PARCIAL – O cálculo que tomará por base a média de avaliação individual será composto: pela nota
individual no desempenho de cada aluno nas atividades do projeto (dada pelo orientador), somadas com a nota
final do trabalho na classificação final da feira (média dos jurados), divididos por 2 (dois).
12. CLASSIFICAÇÃO E PREMIAÇÃO DOS PROJETOS:
12.1. Premiação dos Projetos:
1. Serão premiados somente os primeiros lugares de cada categoria, de acordo com sua pontuação bruta;
2. Em caso de empate ao final, os Critérios de desempate serão respectivamente conforme o ordenado
neste edital, considerando primeiramente àqueles de maior peso:
a) Criatividade e Inovação (20 pontos);
b) Conhecimento Científico do problema abordado (20 pontos);
c) Clareza e Objetividade na apresentação do trabalho (20 pontos);
d) Metodologia Científica (10 pontos);
e) Profundidade da Pesquisa (10 pontos);
f) Ilustrações e Complementos (10 pontos);
g) Caderno de Campo (10 pontos).
3. Permanecendo o empate, a decisão do primeiro lugar da categoria ocorrerá mediante sorteio.
12.2. Casos Omissos:
Os casos omissos sobre AVALIAÇÃO, JULGAMENTO E CLASSIFICAÇÃO serão resolvidos pela
Comissão Coordenadora da I Feira de Ciências e Cultura (Amanda Oliveira, Gilana Ferreira, Jéssica de Oliveira
Januário, João Paulo Diógenes).
13. PENALIDADES:
I. A não observância das normas estabelecidas neste regulamento implicará prejuízos na avaliação dos
projetos inscritos;
II. Atos de indisciplina, por parte dos expositores, serão encaminhados à Comissão Coordenadora da I
Feira de Ciências e estarão sujeitos à perda de pontos ou à desclassificação;
III. Casos especiais serão analisados pela Comissão Coordenadora da I Feira de Ciências;
IV. A falta de organização dos estandes implicará sobre a avaliação realizada pelos jurados – implicando
também a desmontagem e limpeza do espaço físico do trabalho exposto no tempo determinado
ANEXO I
I FEIRA DE CIÊNCIAS
FICHA DE INSCRIÇÃO (por projeto)
DADOS DE IDENTIFICAÇÃO
a) Aluno(s): (Indicar o aluno coordenador do projeto)
a) a) Aluno(a): _____________________________________________________________________________
Endereço: _________________________________________________________________________________
Bairro: ___________________________________________________________________________________
CEP: _____________-______
Telefone/Fax: ______________-________
E-mail: ___________________________________________________________________________________
a) b) Aluno(a): _____________________________________________________________________________
Endereço: _________________________________________________________________________________
Bairro: ___________________________________________________________________________________
CEP: _______________-______
Telefone/Fax: _____________-________
E-mail: ___________________________________________________________________________________
a) c) Aluno(a): _____________________________________________________________________________
Endereço: _________________________________________________________________________________
Bairro: ___________________________________________________________________________________
CEP: _______________-______
Telefone/Fax: ________-________
E-mail: ___________________________________________________________________________________
b) Orientador:
Professor(a) Orientador(a): ___________________________________________________________________
Endereço: _________________________________________________________________________________
Bairro: ___________________________________________________________________________________
Telefone/Fax: _______________-________
CEP: __________-______
E-mail: ___________________________________________________________________________________
ANEXO II
I FEIRA DE CIÊNCIAS
DADOS DO PROJETO
Título: __________________________________________________________________________
Categoria: _______________________________________________________________________
a) I. Ciências da Natureza e suas Tecnologias;
b) II. Ciências Ambientais;
c) III. Robótica Educacional.
ATENÇÃO!
1. O que define a área de inscrição é o objeto da pesquisa e não a sua aplicação;
2. Assinalar apenas uma opção dentro da categoria desejada;
3. As parcerias com Instituições de Pesquisa em qualquer nível de ensino são admitidas e estimuladas.
ANEXO III
COMO FAZER UM BANNER CIENTÍFICO
1. Função do Banner: Sintetizar informações e dados relevantes da pesquisa.
2. Formato Gráfico:
2.1. Tamanho do banner: 90cm de largura por 1,20m de altura (90cm x 1,20m);
2.2. Tamanho da fonte e espaçamento entre linhas: (legível a uma distância de pelo menos 1m – dependerá da
quantidade de informação contida; no banner).
➢ Tamanho recomendado de fonte para título: 40;
➢ Tamanho recomendado de fonte para texto: 26;
➢ Tamanho recomendado de fonte para gráficos, tabelas, fotos, figuras etc: 14 a 16;
➢ Tamanho recomendado de fonte para contato: 14 a 16.
2.3 Cor da fonte (Que se destaque da cor definida no plano de fundo do banner).
2.4 Alinhamentos: justificado.
2.5 Margens: (esquerda 3.0 cm / direita, superior e inferior 2,5 cm.).
3. Estrutura do banner:
3.1. Título:
• Deve ser sintético e refletir a essência do trabalho, ou seja, o objeto de pesquisa;
• Deve ser centralizado.
3.2 Autores e Orientador(a):
• Citados por extenso;
• Deve ser centralizado.
3.3 Introdução:
• Apresenta uma visão geral do trabalho;
• Utilizando autores e teorias que dão subsídios ao trabalho;
• Descrição: Apresentação resumida da pesquisa e sua justificativa (Relevância do problema ou tema
estudado), realçando a relevância social e acadêmica do estudo;
• Hipóteses/Objetivos: Indicação daquilo que o pesquisador almeja descobrir com a
pesquisa.
3.4 Metodologia:
• Apresenta os procedimentos de coletas e análise dos dados;
• Síntese da metodologia (análise do discurso, análise de conteúdo etc.) e dos procedimentos
metodológicos (pesquisa em periódicos, observação, entrevista, etc.) adotados pelo pesquisador.
3.5 Resultados:
Indicação dos resultados alcançados, com breve análise de como eles foram obtidos e quais as suas implicações.
3.6 Considerações Finais:
• Breve resgate das hipóteses/objetivos, relacionando-os aos resultados de maior destaque, e indicação de
perspectivas para abordagem do tema;
• Confirma ou refuta as(os) hipóteses/objetivos do trabalho.
• Deverá apresentar deduções lógicas e correspondentes aos(às) objetivos/hipóteses propostos, ressaltando
o alcance e as consequências de suas contribuições, bem como seu possível mérito.
3.7 Referências Bibliográficas:
• Indicação da bibliografia, dos periódicos e de demais fontes efetivamente utilizadas pelo autor conforme
normas da ABNT;
• Citar as três fontes mais importantes.
ATENÇÃO! Sobre a colocação de Gráficos, Tabelas, Fotos e Figuras
Quando houver Fotos, essas devem ser ampliadas, preferencialmente em cores, com boa resolução, contendo
legenda abaixo das mesmas. Tabelas e Figuras, também devem ser ampliadas, com boa qualidade de impressão,
contendo legenda explicativa. Recomenda-se mesclar texto, gráficos e figuras. Não esqueçam! 75% do Banner
deve ser composto por Gráficos, Tabelas, Fotos, Figuras, etc.
ANEXO IV
CRONOGRAMA DE ATIVIDADES
Atividade Período
Apresentação do Edital aos professores. 15 de Abril
Apresentação do Edital aos alunos. 17 de Abril
Composição das Equipes e Definição do Orientador 22, 23 e 24 de Abril
Período de Inscrições. 12 a 15 Maio
Encontros destinados à orientação dos projetos.
29 de Abril
06, 13, 20, 27 de Maio
01 e 02 de Junho
I Feira de Ciências.
03 de Junho
Cerimônia de Premiação 08 de Junho
ANEXO V
RELAÇÃO DE PROFESSORES-ORIENTADORES PARTICIPANTES
1. Vladson;
2. Igor Renne;
3. Emanuel Heder;
4. Dalmo;
5. Marcos;
6. Anderson;
7. Karine;
8. Cícero;
9. Karol;
10. Rayro;
11. John Wirley;
12. Jean;

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Projeto Horta
Projeto HortaProjeto Horta
Projeto HortaSchool
 
O novo-mundo-rural-e-a-producao-de-alimentos-no-brasil
O novo-mundo-rural-e-a-producao-de-alimentos-no-brasilO novo-mundo-rural-e-a-producao-de-alimentos-no-brasil
O novo-mundo-rural-e-a-producao-de-alimentos-no-brasilJosé Florentino
 
A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...
A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...
A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...Maria José Brollo
 
Planejamento bimestral (1ºb) emti 1 anos - biologia (1)
Planejamento bimestral (1ºb)   emti 1 anos - biologia (1)Planejamento bimestral (1ºb)   emti 1 anos - biologia (1)
Planejamento bimestral (1ºb) emti 1 anos - biologia (1)Ronaldo Santana
 
PLANEJAMENTO ANUAL [BIOLOGIA - 1° ANO - ENSINO MÉDIO EXATAS UNASP SP]
PLANEJAMENTO ANUAL [BIOLOGIA - 1° ANO - ENSINO MÉDIO EXATAS UNASP SP]PLANEJAMENTO ANUAL [BIOLOGIA - 1° ANO - ENSINO MÉDIO EXATAS UNASP SP]
PLANEJAMENTO ANUAL [BIOLOGIA - 1° ANO - ENSINO MÉDIO EXATAS UNASP SP]Ronaldo Santana
 
Enem comentado 2009_aluno
Enem comentado 2009_alunoEnem comentado 2009_aluno
Enem comentado 2009_alunocavip
 
Artigo divulgação científica algas por ciclo de debates 1999
Artigo divulgação científica algas por ciclo de debates 1999Artigo divulgação científica algas por ciclo de debates 1999
Artigo divulgação científica algas por ciclo de debates 1999AlexandrePedrini
 
Projetoslide2009vivaterraterraviva20 8completo1 090917134944 Phpapp02
Projetoslide2009vivaterraterraviva20 8completo1 090917134944 Phpapp02Projetoslide2009vivaterraterraviva20 8completo1 090917134944 Phpapp02
Projetoslide2009vivaterraterraviva20 8completo1 090917134944 Phpapp02mztt2007
 
Plantas x remédios
Plantas x remédiosPlantas x remédios
Plantas x remédiosBiaContato
 
Projeto feira de ciencias cnpq karla
Projeto feira de ciencias cnpq karlaProjeto feira de ciencias cnpq karla
Projeto feira de ciencias cnpq karlakarlajanys
 
Projeto Geral I Feira de Ciências e Mostra Científica na Escola
Projeto Geral I Feira de Ciências e Mostra Científica na EscolaProjeto Geral I Feira de Ciências e Mostra Científica na Escola
Projeto Geral I Feira de Ciências e Mostra Científica na EscolaMichel Eichelberger
 
Planejamento bimestral (1ºb) emti 2 anos - biologia
Planejamento bimestral (1ºb)   emti 2 anos - biologiaPlanejamento bimestral (1ºb)   emti 2 anos - biologia
Planejamento bimestral (1ºb) emti 2 anos - biologiaRonaldo Santana
 
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectiv...
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectiv...Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectiv...
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectiv...Camila Mota
 
Rfad biodiversidade atraves de uma grade
Rfad biodiversidade atraves de uma gradeRfad biodiversidade atraves de uma grade
Rfad biodiversidade atraves de uma gradeFabio Almeida
 
Projeto três mártires
Projeto três mártiresProjeto três mártires
Projeto três mártirespibidbio
 

Mais procurados (19)

Projeto Horta
Projeto HortaProjeto Horta
Projeto Horta
 
O novo-mundo-rural-e-a-producao-de-alimentos-no-brasil
O novo-mundo-rural-e-a-producao-de-alimentos-no-brasilO novo-mundo-rural-e-a-producao-de-alimentos-no-brasil
O novo-mundo-rural-e-a-producao-de-alimentos-no-brasil
 
A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...
A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...
A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...
 
Planejamento bimestral (1ºb) emti 1 anos - biologia (1)
Planejamento bimestral (1ºb)   emti 1 anos - biologia (1)Planejamento bimestral (1ºb)   emti 1 anos - biologia (1)
Planejamento bimestral (1ºb) emti 1 anos - biologia (1)
 
PLANEJAMENTO ANUAL [BIOLOGIA - 1° ANO - ENSINO MÉDIO EXATAS UNASP SP]
PLANEJAMENTO ANUAL [BIOLOGIA - 1° ANO - ENSINO MÉDIO EXATAS UNASP SP]PLANEJAMENTO ANUAL [BIOLOGIA - 1° ANO - ENSINO MÉDIO EXATAS UNASP SP]
PLANEJAMENTO ANUAL [BIOLOGIA - 1° ANO - ENSINO MÉDIO EXATAS UNASP SP]
 
Enem comentado 2009_aluno
Enem comentado 2009_alunoEnem comentado 2009_aluno
Enem comentado 2009_aluno
 
Artigo divulgação científica algas por ciclo de debates 1999
Artigo divulgação científica algas por ciclo de debates 1999Artigo divulgação científica algas por ciclo de debates 1999
Artigo divulgação científica algas por ciclo de debates 1999
 
Projetoslide2009vivaterraterraviva20 8completo1 090917134944 Phpapp02
Projetoslide2009vivaterraterraviva20 8completo1 090917134944 Phpapp02Projetoslide2009vivaterraterraviva20 8completo1 090917134944 Phpapp02
Projetoslide2009vivaterraterraviva20 8completo1 090917134944 Phpapp02
 
07 col aiq-natureza
07 col aiq-natureza07 col aiq-natureza
07 col aiq-natureza
 
Planos de aula
Planos de aulaPlanos de aula
Planos de aula
 
Plantas x remédios
Plantas x remédiosPlantas x remédios
Plantas x remédios
 
Projeto feira de ciencias cnpq karla
Projeto feira de ciencias cnpq karlaProjeto feira de ciencias cnpq karla
Projeto feira de ciencias cnpq karla
 
Dourado
DouradoDourado
Dourado
 
Plano de acção
Plano de acçãoPlano de acção
Plano de acção
 
Projeto Geral I Feira de Ciências e Mostra Científica na Escola
Projeto Geral I Feira de Ciências e Mostra Científica na EscolaProjeto Geral I Feira de Ciências e Mostra Científica na Escola
Projeto Geral I Feira de Ciências e Mostra Científica na Escola
 
Planejamento bimestral (1ºb) emti 2 anos - biologia
Planejamento bimestral (1ºb)   emti 2 anos - biologiaPlanejamento bimestral (1ºb)   emti 2 anos - biologia
Planejamento bimestral (1ºb) emti 2 anos - biologia
 
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectiv...
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectiv...Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectiv...
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectiv...
 
Rfad biodiversidade atraves de uma grade
Rfad biodiversidade atraves de uma gradeRfad biodiversidade atraves de uma grade
Rfad biodiversidade atraves de uma grade
 
Projeto três mártires
Projeto três mártiresProjeto três mártires
Projeto três mártires
 

Destaque

Roteiro 1º anos a,b,c e d
Roteiro 1º anos a,b,c e dRoteiro 1º anos a,b,c e d
Roteiro 1º anos a,b,c e deeeppacatuba
 
Roteiros 2º anos a,b,c e d
Roteiros 2º anos  a,b,c e dRoteiros 2º anos  a,b,c e d
Roteiros 2º anos a,b,c e deeeppacatuba
 
Roteiro 2º ELETROMECÂNICA
Roteiro 2º ELETROMECÂNICARoteiro 2º ELETROMECÂNICA
Roteiro 2º ELETROMECÂNICAeeeppacatuba
 
Roteiro 2º ADMINSTRAÇÃO
Roteiro 2º ADMINSTRAÇÃORoteiro 2º ADMINSTRAÇÃO
Roteiro 2º ADMINSTRAÇÃOeeeppacatuba
 
Roteiro 1º eletromecânica
Roteiro 1º eletromecânicaRoteiro 1º eletromecânica
Roteiro 1º eletromecânicaeeeppacatuba
 
Roteiro 1º automação
Roteiro 1º automaçãoRoteiro 1º automação
Roteiro 1º automaçãoeeeppacatuba
 
Roteiro 2º INFORMÁTICA
Roteiro 2º INFORMÁTICARoteiro 2º INFORMÁTICA
Roteiro 2º INFORMÁTICAeeeppacatuba
 
Roteiro 1º administração
Roteiro 1º administraçãoRoteiro 1º administração
Roteiro 1º administraçãoeeeppacatuba
 
Roteiro 2º AUTOMAÇÃO
Roteiro 2º AUTOMAÇÃORoteiro 2º AUTOMAÇÃO
Roteiro 2º AUTOMAÇÃOeeeppacatuba
 
roteiro 1º informática
roteiro 1º informáticaroteiro 1º informática
roteiro 1º informáticaeeeppacatuba
 
Relação alunos inscritos atualizada 2016
Relação alunos inscritos atualizada   2016Relação alunos inscritos atualizada   2016
Relação alunos inscritos atualizada 2016PacatubaLei
 
7º ano. atividade micróbios.2012
7º ano. atividade micróbios.20127º ano. atividade micróbios.2012
7º ano. atividade micróbios.2012leilafermino
 
Pnl grelha de_actividades_2010[1][1]
Pnl grelha de_actividades_2010[1][1]Pnl grelha de_actividades_2010[1][1]
Pnl grelha de_actividades_2010[1][1]Filipa Julião
 
Plano Para Revitalização do Laboratório de Ciências da Escola Estadual Profes...
Plano Para Revitalização do Laboratório de Ciências da Escola Estadual Profes...Plano Para Revitalização do Laboratório de Ciências da Escola Estadual Profes...
Plano Para Revitalização do Laboratório de Ciências da Escola Estadual Profes...anjalylopes
 
Virologia Geral - Patogenia das infecções virais
Virologia Geral - Patogenia das infecções viraisVirologia Geral - Patogenia das infecções virais
Virologia Geral - Patogenia das infecções viraisWilia Diederichsen
 

Destaque (20)

Roteiro 1º anos a,b,c e d
Roteiro 1º anos a,b,c e dRoteiro 1º anos a,b,c e d
Roteiro 1º anos a,b,c e d
 
Roteiros 2º anos a,b,c e d
Roteiros 2º anos  a,b,c e dRoteiros 2º anos  a,b,c e d
Roteiros 2º anos a,b,c e d
 
Edital imparh
Edital imparhEdital imparh
Edital imparh
 
Roteiro 2º ELETROMECÂNICA
Roteiro 2º ELETROMECÂNICARoteiro 2º ELETROMECÂNICA
Roteiro 2º ELETROMECÂNICA
 
Roteiro 2º ADMINSTRAÇÃO
Roteiro 2º ADMINSTRAÇÃORoteiro 2º ADMINSTRAÇÃO
Roteiro 2º ADMINSTRAÇÃO
 
Relatório
RelatórioRelatório
Relatório
 
Roteiro 1º eletromecânica
Roteiro 1º eletromecânicaRoteiro 1º eletromecânica
Roteiro 1º eletromecânica
 
Roteiro 1º automação
Roteiro 1º automaçãoRoteiro 1º automação
Roteiro 1º automação
 
Roteiro 2º INFORMÁTICA
Roteiro 2º INFORMÁTICARoteiro 2º INFORMÁTICA
Roteiro 2º INFORMÁTICA
 
Roteiro 1º administração
Roteiro 1º administraçãoRoteiro 1º administração
Roteiro 1º administração
 
Roteiro 2º AUTOMAÇÃO
Roteiro 2º AUTOMAÇÃORoteiro 2º AUTOMAÇÃO
Roteiro 2º AUTOMAÇÃO
 
roteiro 1º informática
roteiro 1º informáticaroteiro 1º informática
roteiro 1º informática
 
Relação alunos inscritos atualizada 2016
Relação alunos inscritos atualizada   2016Relação alunos inscritos atualizada   2016
Relação alunos inscritos atualizada 2016
 
Ficha de inscrição dos projetos
Ficha de inscrição dos projetosFicha de inscrição dos projetos
Ficha de inscrição dos projetos
 
7º ano. atividade micróbios.2012
7º ano. atividade micróbios.20127º ano. atividade micróbios.2012
7º ano. atividade micróbios.2012
 
Pnl grelha de_actividades_2010[1][1]
Pnl grelha de_actividades_2010[1][1]Pnl grelha de_actividades_2010[1][1]
Pnl grelha de_actividades_2010[1][1]
 
Plano Para Revitalização do Laboratório de Ciências da Escola Estadual Profes...
Plano Para Revitalização do Laboratório de Ciências da Escola Estadual Profes...Plano Para Revitalização do Laboratório de Ciências da Escola Estadual Profes...
Plano Para Revitalização do Laboratório de Ciências da Escola Estadual Profes...
 
Vírus.
Vírus.Vírus.
Vírus.
 
Virus Final
Virus FinalVirus Final
Virus Final
 
Virologia Geral - Patogenia das infecções virais
Virologia Geral - Patogenia das infecções viraisVirologia Geral - Patogenia das infecções virais
Virologia Geral - Patogenia das infecções virais
 

Semelhante a 1a Feira de Ciências de Pacatuba

Edital xxiv fecirr 2019 ei
Edital xxiv fecirr 2019 eiEdital xxiv fecirr 2019 ei
Edital xxiv fecirr 2019 eiHefrayn Lopes
 
Edital vi feira_estadual_de_ciência_e_cultura_2012_finalizado
Edital vi feira_estadual_de_ciência_e_cultura_2012_finalizadoEdital vi feira_estadual_de_ciência_e_cultura_2012_finalizado
Edital vi feira_estadual_de_ciência_e_cultura_2012_finalizadoEscola Figueiredo Correia
 
Vi mocicult 2016 24.09.16
Vi mocicult 2016 24.09.16Vi mocicult 2016 24.09.16
Vi mocicult 2016 24.09.16AndreMath84
 
Resumo Fenerc 2011 - Presidente Venceslau
Resumo Fenerc 2011 - Presidente VenceslauResumo Fenerc 2011 - Presidente Venceslau
Resumo Fenerc 2011 - Presidente Venceslauforumdealimetacao
 
Projeto feira de ciências pdf correto
Projeto feira de ciências pdf corretoProjeto feira de ciências pdf correto
Projeto feira de ciências pdf corretoMichel Eichelberger
 
Vi mocicult 2016 final 27.09.16
Vi mocicult 2016 final 27.09.16Vi mocicult 2016 final 27.09.16
Vi mocicult 2016 final 27.09.16Andre Bandeira
 
E boletim nº1
E boletim nº1E boletim nº1
E boletim nº1Carla Lage
 
Termo de referência para seleção de bolsistas na modalidade jovens formadores
Termo de referência para seleção de bolsistas na modalidade jovens formadoresTermo de referência para seleção de bolsistas na modalidade jovens formadores
Termo de referência para seleção de bolsistas na modalidade jovens formadoresLuiz Gonzaga
 
Jornal PET Zoo - 1ª Edição
Jornal PET Zoo - 1ª EdiçãoJornal PET Zoo - 1ª Edição
Jornal PET Zoo - 1ª EdiçãoGeorge Lucas
 
ROTA CHS 720 - A HUMANIDADE E A NATUREZA RELAÇÕES E PERSPECTIVAS DE UM FUTURO...
ROTA CHS 720 - A HUMANIDADE E A NATUREZA RELAÇÕES E PERSPECTIVAS DE UM FUTURO...ROTA CHS 720 - A HUMANIDADE E A NATUREZA RELAÇÕES E PERSPECTIVAS DE UM FUTURO...
ROTA CHS 720 - A HUMANIDADE E A NATUREZA RELAÇÕES E PERSPECTIVAS DE UM FUTURO...CianeSilva4
 

Semelhante a 1a Feira de Ciências de Pacatuba (20)

III MOCICULT - Edital 2013
III MOCICULT - Edital 2013III MOCICULT - Edital 2013
III MOCICULT - Edital 2013
 
formaçao.pptx
formaçao.pptxformaçao.pptx
formaçao.pptx
 
Edital xxiv fecirr 2019 ei
Edital xxiv fecirr 2019 eiEdital xxiv fecirr 2019 ei
Edital xxiv fecirr 2019 ei
 
IV MOCICULT oficial 2014
IV MOCICULT oficial 2014IV MOCICULT oficial 2014
IV MOCICULT oficial 2014
 
Edital da V MOCICULT
Edital da V MOCICULTEdital da V MOCICULT
Edital da V MOCICULT
 
Edital vi feira_estadual_de_ciência_e_cultura_2012_finalizado
Edital vi feira_estadual_de_ciência_e_cultura_2012_finalizadoEdital vi feira_estadual_de_ciência_e_cultura_2012_finalizado
Edital vi feira_estadual_de_ciência_e_cultura_2012_finalizado
 
Vi mocicult 2016 24.09.16
Vi mocicult 2016 24.09.16Vi mocicult 2016 24.09.16
Vi mocicult 2016 24.09.16
 
Projeto pibid
Projeto pibid Projeto pibid
Projeto pibid
 
2014 disciplinas-diversificadas- 1-
2014 disciplinas-diversificadas- 1-2014 disciplinas-diversificadas- 1-
2014 disciplinas-diversificadas- 1-
 
Resumo Fenerc 2011 - Presidente Venceslau
Resumo Fenerc 2011 - Presidente VenceslauResumo Fenerc 2011 - Presidente Venceslau
Resumo Fenerc 2011 - Presidente Venceslau
 
Projeto feira de ciências pdf correto
Projeto feira de ciências pdf corretoProjeto feira de ciências pdf correto
Projeto feira de ciências pdf correto
 
Vi mocicult 2016 final 27.09.16
Vi mocicult 2016 final 27.09.16Vi mocicult 2016 final 27.09.16
Vi mocicult 2016 final 27.09.16
 
P accao ciencias
P accao cienciasP accao ciencias
P accao ciencias
 
E boletim nº1
E boletim nº1E boletim nº1
E boletim nº1
 
E boletim nº1
E boletim nº1E boletim nº1
E boletim nº1
 
5ª edição fesceesp
5ª edição fesceesp5ª edição fesceesp
5ª edição fesceesp
 
Termo de referência para seleção de bolsistas na modalidade jovens formadores
Termo de referência para seleção de bolsistas na modalidade jovens formadoresTermo de referência para seleção de bolsistas na modalidade jovens formadores
Termo de referência para seleção de bolsistas na modalidade jovens formadores
 
JornalEco Linneu 1.pptx
JornalEco Linneu 1.pptxJornalEco Linneu 1.pptx
JornalEco Linneu 1.pptx
 
Jornal PET Zoo - 1ª Edição
Jornal PET Zoo - 1ª EdiçãoJornal PET Zoo - 1ª Edição
Jornal PET Zoo - 1ª Edição
 
ROTA CHS 720 - A HUMANIDADE E A NATUREZA RELAÇÕES E PERSPECTIVAS DE UM FUTURO...
ROTA CHS 720 - A HUMANIDADE E A NATUREZA RELAÇÕES E PERSPECTIVAS DE UM FUTURO...ROTA CHS 720 - A HUMANIDADE E A NATUREZA RELAÇÕES E PERSPECTIVAS DE UM FUTURO...
ROTA CHS 720 - A HUMANIDADE E A NATUREZA RELAÇÕES E PERSPECTIVAS DE UM FUTURO...
 

Último

POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceRonisHolanda
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 

Último (20)

POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 

1a Feira de Ciências de Pacatuba

  • 1. 1ª COORDENADORIA REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO EEEP de Pacatuba I FEIRA DE CIÊNCIAS – 2015 Em 2015, a Feira de Ciências será pela primeira vez organizada pela EEEP de Pacatuba. Nesta 1ª edição da Feira, o objetivo principal é interagir os alunos e professores do Ensino Médio Integrado ao Profissionalizante da Rede Estadual na perspectiva de fomentar a pesquisa científica no âmbito das escolas públicas cearenses. 1. OBJETIVOS DO EVENTO: I. Estabelecer relações dinâmicas dos conhecimentos específicos das disciplinas da base comum e do ensino profissionalizante de nível médio com problemáticas sociais, econômicas e ambientais, de caráter local, regional, nacional ou global; II. Envolver participações ativas, práticas e conceituais de alunos, na condução e avaliação do projeto, ou revelar estratégias para envolver toda a escola em procedimentos e resultados; III. Contar com assistência científica, tecnológica ou pedagógica externa, compatível com a natureza das atividades do projeto, fornecida por instituição acadêmica ou educacional, que partilhe com a escola interesses no desenvolvimento do projeto; IV. Promover o intercâmbio cultural e científico entre os participantes do evento; V. Estimular a investigação e o interesse pelo estudo das ciências; VI. Incentivar a participação dos alunos e professores em eventos científicos desta natureza. 2. JUSTIFICATIVA: A I FEIRA DE CIÊNCIAS representa mais uma ação de incentivo ao desenvolvimento de trabalhos científicos e culturais no âmbito das escolas públicas do Estado do Ceará. Além disso, é um espaço rico de possibilidades com a expressão da criatividade e para o desenvolvimento das habilidades do aluno, do professor e da escola no campo da pesquisa. Como lugar de acesso e produção de conhecimento, a escola desempenha um papel extremamente relevante na medida em que introduz os jovens no universo da cultura científica, organizando, refletindo sobre seus conteúdos curriculares e contribuindo assim para a construção de um ambiente de curiosidade e de entusiasmo em relação à pesquisa. A I FEIRA DE CIÊNCIAS busca, fundamentalmente, ampliar o espaço para o desenvolvimento da curiosidade científica, em sua dimensão histórica, social e cultural, considerando os questionamentos que nascem das experiências, expectativas e estudos teóricos dos estudantes cearenses. 3. DESCRIÇÃO GERAL DO PROJETO DA I FEIRA REGIONAL DE CIÊNCIAS: 3.1 Abrangência: O propósito é envolver e integrar a EEEP de Pacatuba através da pesquisa científica às escolas públicas das redes estadual e municipal de Ensino Fundamental e Médio do Estado do Ceará através das feiras escolares. 3.2 Projetos participantes: Deverá participar toda a escola (Base Comum e Educação Profissional) representada por trabalhos, relacionados às categorias propostas neste Edital. 3.3 Participantes dos projetos: I. Serão aceitos projetos formados por equipes de alunos(as) da turma; II. Todos os projetos deverão ter a participação de 1 (um) Professor Orientador; III. Cada professor orientará 2 projetos, os mesmos poderão ser sugestionados pelos professores orientadores, bem como pelos alunos orientados; IV. Cada projeto deverá possuir além de 1 (um) professor orientador, 10 a 13 alunos participantes. 4. SELEÇÃO: A I FEIRA DE CIÊNCIAS E CULTURA contará com três categorias, sendo elas: I. Ciências da Natureza e suas Tecnologias;
  • 2. II. Ciências Ambientais; III. Robótica Educacional. Obs.: Os projetos inscritos que apresentarem irregularidades técnicas na formatação dos dados, na composição dos resultados ou qualquer outro item regularizado pelo evento, poderão ser desclassificados. A EEEP de Pacatuba selecionará, através dos critérios determinados neste regulamento os trabalhos enviados para COMISSÃO COORDENADORA DA I FEIRA DE CIÊNCIAS. 4.1. FEIRA REGIONAL: A EEEP selecionará os trabalhos, através de sua Feira de Ciências, os 03 (três) melhores trabalhos, 01 (um) para cada categoria. A seleção deverá seguir os critérios determinados neste regulamento (Item 11.3.). 5. RESPONSABILIDADES: A ESCOLA: Será responsável pela realização da feira escolar; Selecionar os trabalhos por categoria; Transportar os alunos selecionados para o local onde acontecerá a FEIRA ESTADUAL DE CIÊNCIAS E CULTURA. 6. INSCRIÇÃO: 6.1. FEIRA ESCOLAR: Os responsáveis pelos trabalhados deverão providenciar os seguintes documentos: I. Ficha de Identificação da Equipe (Anexo I); II. Dados do projeto (Anexo II); III. Resumo do projeto (Enviar arquivo em formato digital – PDF). Os documentos acima deverão ser entregues a COMISSÃO COORDENADORA DA I FEIRA DE CIÊNCIAS. 6.2. DESCRIÇÃO DOS DOCUMENTOS: a) Ficha de Inscrição: Os participantes deverão registrar seus dados de identificação (Anexo I); b) Resumo: Deverá ser escrito em Português contendo, no máximo, 400 palavras, ser digitado no editor de texto BrOffice ou similar em fonte “Arial 11”, espaçamento simples. O mesmo deve ser enviado a COMISSÃO COORDENADORA DA I FEIRA DE CIÊNCIA devidamente identificado para o seguinte e-mail: eeeppacatubalei@gmail.com – O arquivo deve ser nomeado com 1 (uma) palavra-chave do projeto. Deverá incluir: I. Introdução; II. Metodologia; III. Resultados; IV. Considerações Finais. c) Modelo: Título: FRUTAS SILVESTRES DA CAATINGA – PRESERVAR PARA ALIMENTAR E PREVENIR PATOLOGIAS HUMANAS. Autores Luara Barros Lourenço¹ Evanir Araújo de Sousa¹ Gerciê Oliveira Castro² 1 Alunas da E.E.F.M. Raimundo Nonato Ribeiro 2 Professor de Biologia da E.E.F.M. Raimundo Nonato Ribeiro INTRODUÇÃO: A caatinga se destaca por sua riqueza na diversidade vegetal a qual deve ser preservada em função do grande potencial alimentar e medicinal das frutas silvestres. Numa relação homem e ambiente está presente
  • 3. também à dependência onde o homem retira da natureza todos os recursos pra a sobrevivência da humanidade. O desconhecimento sobre as espécies frutíferas nativas do Brasil é algo cultural, conforme mostra alguns levantamentos bibliográficos, mas que apresenta uma riqueza de nutrientes importantes para a dieta humana. Este estudo objetivou promover mudanças nos hábitos alimentares da população deste Município como forma de pensar políticas de preservação ambiental bem como alimentar e prevenir várias patologias humanas. METODOLOGIA: No desenvolvimento deste projeto, de forma interdisciplinar, alunos e professores se sensibilizam para pensar e tomar iniciativas de preservação do meio ambiente, especialmente o bioma em estudo. Para a execução do projeto, inicialmente foi realizado um levantamento da diversidade de frutas silvestres através de formulário, e posteriormente um mapeamento na região de Trairi, sendo estas coletadas conforme o período de safra, acondicionadas e posteriormente fabricados algumas iguarias. Conforme o levantamento bibliográfico quanto à taxonomia, foram ainda pesquisados o princípio ativo de cada uma para descobrir o seu potencial medicinal. Conforme o cronograma de ações, esta etapa culminará com a produção de Herbário e um Atlas de botânica escolar que servirá para o acervo de pesquisa de alunos. RESULTADOS: Neste levantamento preliminar, foram identificadas taxiomicamente 20 espécies de frutas, distribuídas em 18 ordens e 16 famílias. Destas, todas são utilizadas na alimentação humana, 13 possuem aplicabilidade medicinal e todas contribuem de forma significativa na preservação deste importante bioma: a caatinga. A produção de iguarias como doces, bolos, sucos, sorvetes, sucos são as formas mais comuns no processo de industrialização como forma de inserção a práticas econômica e ecologicamente correta. CONSIDERAÇÕES FINAIS: Os recursos naturais da caatinga possuem um grande potencial ambiental e econômico, desde que aja um manejo ecologicamente correto, atendendo não só os anseios da população mas, sobretudo, práticas de preservação do Meio Ambiente. O projeto de preservação das frutas silvestres da caatinga, neste estudo preliminar mapeou 20 espécies das árvores frutíferas nativas ou adaptadas no semi-árido, distribuídas em 18 ordens e 16 famílias. Das espécies identificadas 13 possuem aplicação medicinal, 20 são utilizadas na alimentação humana e todas contribuem significativamente na preservação ambiental do bioma caatinga. Palavras-chave: Caatinga E-mail para contato: pnixwqptecfg@mail-temp.appspotmail.com (e-mail fictício) *Só serão aceitos resumos entregues à COMISSÃO COORDENADORA DA I FEIRA DE CIÊNCIAS (item 6.2). *Não serão aceitos resumos fora do padrão acima (item 6.2 letra b). *O professor-orientador será responsável pela elaboração de um cronograma de atividades de seus respectivos projetos, para acompanhamento por parte de seu coordenador de área. *A revisão ortográfica de todo material elaborado por cada projeto ficará sob responsabilidade do professor- orientador. 6.4. PRAZOS: I. Para envio das fichas de inscrição e resumos dos projetos: de 12 de Maio a 15 de Maio de 2015; 7. CATEGORIAS: Observar anexo II. 8. EXPOSIÇÃO: Os projetos deverão ser montados no respectivo dia de apresentação, dia 03 de Junho de 2015. Todos os projetos das categorias Ciências da Natureza e suas Tecnologias, Ciências Ambientais, Robótica Educacional devem ser apresentados na Feira Regional na forma de BANNER e ESTANDE, seguindo o padrão estabelecido pelo evento, também deverá ser apresentado o CADERNO DE CAMPO ou de PESQUISA (Este deverá ficar exposto em cada estande). Não será permitido nada que fuja as regras de segurança. O espaço reservado para cada expositor é de no mínimo 2,00m x 1,00m e no máximo 4,00 x 4,00m. A apresentação visual deve ser em Português. Será permitida a distribuição de cartões de contato e folders relativos ao projeto. Entretanto, a
  • 4. distribuição não pode fazer parte da apresentação. 9. ESTANDES: Cada estande será identificado por uma numeração. Cabe ao professor orientador, antes da montagem, solicitar a comissão organizadora do evento a sua localização. 10. REGRAS DE SEGURANÇA: Será PROIBIDA a exposição dos seguintes itens: a) Combustíveis; b) Baterias com células expostas; c) Bebidas alcoólicas; d) Substâncias tóxicas ou de uso controlado sem utilização de EPI; e) Colocação em marcha de motores de combustão interna; f) Materiais cortantes, seringas, agulhas, materiais de vidro que possam provocar ferimentos sem supervisão do orientador; g) Fotografias ou quaisquer outras formas de apresentação visual de técnicas cirúrgicas, dissecação, necropsia ou outras técnicas de laboratório similares; h) Prêmios, medalhas que tenham sido conquistados pelo grupo; i) Aparelhos de áudio/vídeo que não façam parte do Projeto. *Todo projeto inscrito em área inadequada poderá ser reclassificado pela Comissão Coordenadora da I FEIRA DE CIÊNCIAS, e informado aos autores. 11. AVALIAÇÃO DOS PROJETOS: 11.1. Do Caderno de Campo ou de Pesquisa: Neste documento, o(s) alunos(s) deve(m) ter registrado as etapas que realizou para desenvolver o projeto, relatando todos os fatos e as datas respectivas. MANUSCRITO. O Caderno deverá conter: a) Registro detalhado e preciso dos fatos, dos passos, das descobertas, das novas indagações; b) Poderá ter fotos, gravuras, figuras e desenhos; c) Registro das datas e locais das investigações; d) Registro dos testes e resultados; e) Entrevistas e consultas às pessoas fonte; f) Referências Bibliográficas. O Caderno de Campo não faz parte dos documentos de inscrição, porém, deve permanecer no expositor. 11.2. Da Exibição Visual e Apresentação Oral (Observar Anexo III): A exibição visual deverá ser feita na forma de banner e estande de maneira clara e objetiva, salientando os dados mais importantes, para possibilitar o perfeito entendimento do projeto. O banner deverá seguir o seguinte padrão técnico: I. Tamanho do banner: Largura: 90cm; Altura: de 90cm até 1,20m (no máximo); II. O texto do banner deve ser legível a uma distância de, pelo menos, 1 m; III. Horário das Sessões de banner: Todo período de apresentação; IV. A Solenidade de Premiação ocorrerá no dia 08 de Junho de 2015, no Ginásio Poliesportivo da referida EEEP; V. Os estandes deverão ser desmontados logo após o fim das apresentações. 11.3. Critérios de Avaliação: Critérios de Avaliação Pontuação a) Criatividade e inovação 20 pontos b) Conhecimento científico do problema abordado 20 pontos
  • 5. c) Metodologia científica 10 pontos d) Profundidade da pesquisa 10 pontos e) Clareza e objetividade na apresentação do trabalho 20 pontos f) Ilustrações e complementos 10 pontos g) Caderno de Campo 10 pontos 11.3.1. Criatividade e Inovação (20 pontos): Criatividade é pensar coisas novas, inovação é fazer coisas novas e valiosas. Inovação é a implementação de um novo ou significativamente melhorado produto (bem ou serviço), processo de trabalho, ou prática de relacionamento entre pessoas, grupos ou organizações. Nem sempre a inovação é o resultado da criação de algo totalmente novo mas, com muita frequência, é o resultado da combinação original de coisas já existentes. Algumas importantes inovações consistem de novos usos para objetos e tecnologias existentes. 11.3.2. Conhecimento científico do problema abordado (20 pontos): Do conhecimento científico nasce o raciocínio argumentativo que é extremamente relevante para o conhecimento das ciências. De posse do conhecimento científico o educando poderá construir modelos, desenvolverá explicações do mundo físico e natural e será capaz de interagir com eles. Precisam demonstrar que aprenderam significativamente os conceitos implicados associados ao trabalho defendido, também precisam demonstrar que desenvolveram a capacidade de responder questionamentos sobre o seu trabalho de posse dos conhecimentos científicos. 11.3.3. Metodologia Científica (10 pontos): Os educandos precisam ser capazes de explicar como procederam as suas investigações, que instrumentos eles utilizaram para coletar dados; quais as fontes que eles pesquisaram, como eles tiveram acesso a estas fontes; em que período desenvolveram suas pesquisas todas estas explicações devem ter como amparo os conhecimentos científicos adquiridos. 11.3.4. Profundidade da Pesquisa (10 pontos): No decorrer da apresentação deverá ser possível perceber até que ponto os alunos se envolveram com a pesquisa; até que ponto eles demonstraram interesse em desenvolvê-la, até que ponto eles buscaram fundamentações científicas que fundamentassem a sua pesquisa, finalmente, em que nível científico a pesquisa ficou situada. 11.3.5. Clareza e objetividade na apresentação do trabalho (20 pontos): Levando-se em consideração o pouco tempo destinado à apresentação, já que o avaliador tem outros trabalhos para avaliar, os autores devem planejar com clareza e objetividade a sua apresentação de modo que o tempo seja otimizado e as informações compartilhadas possam ser bem explicadas e bem interpretadas. 11.3.6. Ilustrações e complementos (10 pontos): As equipes devem privilegiar o espaço do banner (0,90cm x 1.20m) destinando a maior parte (cerca de 75%) deste para exposição de ilustrações (fotos, figuras, tabelas, quadros, gráficos, etc). No espaço restante deverão ser explanados os textos relativos ao trabalho apresentado. Caso a quantidade de ilustrações seja elevada será permitido a exposição de mais ILUSTRAÇÕES (textos não) nas paredes internas dos stands. 11.3.7. Caderno de Campo (10 pontos): No Caderno de Campo, o(s) alunos(s) deve(m) ter registrado as etapas que realizou para desenvolver o projeto, relatando todos os fatos e as datas respectivas. 11.4. Avaliação: I. Cada projeto será avaliado por, no mínimo, 02 (dois) avaliadores – sendo estes professores pertencentes ao quadro de professores do referido estabelecimento de ensino. II. Pelo menos um dos alunos expositores deverá permanecer sempre junto ao seu estande; III. A avaliação dos projetos ocorrerá no dia 03 de Junho de 2015, de acordo com os horários definidos
  • 6. (Item 14); IV. O grupo de avaliadores deverá ser composto por professores, pesquisadores e profissionais ligados a escolas, universidades, empresas e instituições públicas e privadas; V. É VEDADA a interferência do professor-orientador durante a avaliação; OBSERVAÇÃO: NOTA PARCIAL – O cálculo que tomará por base a média de avaliação individual será composto: pela nota individual no desempenho de cada aluno nas atividades do projeto (dada pelo orientador), somadas com a nota final do trabalho na classificação final da feira (média dos jurados), divididos por 2 (dois). 12. CLASSIFICAÇÃO E PREMIAÇÃO DOS PROJETOS: 12.1. Premiação dos Projetos: 1. Serão premiados somente os primeiros lugares de cada categoria, de acordo com sua pontuação bruta; 2. Em caso de empate ao final, os Critérios de desempate serão respectivamente conforme o ordenado neste edital, considerando primeiramente àqueles de maior peso: a) Criatividade e Inovação (20 pontos); b) Conhecimento Científico do problema abordado (20 pontos); c) Clareza e Objetividade na apresentação do trabalho (20 pontos); d) Metodologia Científica (10 pontos); e) Profundidade da Pesquisa (10 pontos); f) Ilustrações e Complementos (10 pontos); g) Caderno de Campo (10 pontos). 3. Permanecendo o empate, a decisão do primeiro lugar da categoria ocorrerá mediante sorteio. 12.2. Casos Omissos: Os casos omissos sobre AVALIAÇÃO, JULGAMENTO E CLASSIFICAÇÃO serão resolvidos pela Comissão Coordenadora da I Feira de Ciências e Cultura (Amanda Oliveira, Gilana Ferreira, Jéssica de Oliveira Januário, João Paulo Diógenes). 13. PENALIDADES: I. A não observância das normas estabelecidas neste regulamento implicará prejuízos na avaliação dos projetos inscritos; II. Atos de indisciplina, por parte dos expositores, serão encaminhados à Comissão Coordenadora da I Feira de Ciências e estarão sujeitos à perda de pontos ou à desclassificação; III. Casos especiais serão analisados pela Comissão Coordenadora da I Feira de Ciências; IV. A falta de organização dos estandes implicará sobre a avaliação realizada pelos jurados – implicando também a desmontagem e limpeza do espaço físico do trabalho exposto no tempo determinado
  • 7. ANEXO I I FEIRA DE CIÊNCIAS FICHA DE INSCRIÇÃO (por projeto) DADOS DE IDENTIFICAÇÃO a) Aluno(s): (Indicar o aluno coordenador do projeto) a) a) Aluno(a): _____________________________________________________________________________ Endereço: _________________________________________________________________________________ Bairro: ___________________________________________________________________________________ CEP: _____________-______ Telefone/Fax: ______________-________ E-mail: ___________________________________________________________________________________ a) b) Aluno(a): _____________________________________________________________________________ Endereço: _________________________________________________________________________________ Bairro: ___________________________________________________________________________________ CEP: _______________-______ Telefone/Fax: _____________-________ E-mail: ___________________________________________________________________________________ a) c) Aluno(a): _____________________________________________________________________________ Endereço: _________________________________________________________________________________ Bairro: ___________________________________________________________________________________ CEP: _______________-______ Telefone/Fax: ________-________ E-mail: ___________________________________________________________________________________ b) Orientador: Professor(a) Orientador(a): ___________________________________________________________________ Endereço: _________________________________________________________________________________ Bairro: ___________________________________________________________________________________ Telefone/Fax: _______________-________ CEP: __________-______ E-mail: ___________________________________________________________________________________
  • 8. ANEXO II I FEIRA DE CIÊNCIAS DADOS DO PROJETO Título: __________________________________________________________________________ Categoria: _______________________________________________________________________ a) I. Ciências da Natureza e suas Tecnologias; b) II. Ciências Ambientais; c) III. Robótica Educacional. ATENÇÃO! 1. O que define a área de inscrição é o objeto da pesquisa e não a sua aplicação; 2. Assinalar apenas uma opção dentro da categoria desejada; 3. As parcerias com Instituições de Pesquisa em qualquer nível de ensino são admitidas e estimuladas.
  • 9. ANEXO III COMO FAZER UM BANNER CIENTÍFICO 1. Função do Banner: Sintetizar informações e dados relevantes da pesquisa. 2. Formato Gráfico: 2.1. Tamanho do banner: 90cm de largura por 1,20m de altura (90cm x 1,20m); 2.2. Tamanho da fonte e espaçamento entre linhas: (legível a uma distância de pelo menos 1m – dependerá da quantidade de informação contida; no banner). ➢ Tamanho recomendado de fonte para título: 40; ➢ Tamanho recomendado de fonte para texto: 26; ➢ Tamanho recomendado de fonte para gráficos, tabelas, fotos, figuras etc: 14 a 16; ➢ Tamanho recomendado de fonte para contato: 14 a 16. 2.3 Cor da fonte (Que se destaque da cor definida no plano de fundo do banner). 2.4 Alinhamentos: justificado. 2.5 Margens: (esquerda 3.0 cm / direita, superior e inferior 2,5 cm.). 3. Estrutura do banner: 3.1. Título: • Deve ser sintético e refletir a essência do trabalho, ou seja, o objeto de pesquisa; • Deve ser centralizado. 3.2 Autores e Orientador(a): • Citados por extenso; • Deve ser centralizado. 3.3 Introdução: • Apresenta uma visão geral do trabalho; • Utilizando autores e teorias que dão subsídios ao trabalho; • Descrição: Apresentação resumida da pesquisa e sua justificativa (Relevância do problema ou tema estudado), realçando a relevância social e acadêmica do estudo; • Hipóteses/Objetivos: Indicação daquilo que o pesquisador almeja descobrir com a pesquisa. 3.4 Metodologia: • Apresenta os procedimentos de coletas e análise dos dados; • Síntese da metodologia (análise do discurso, análise de conteúdo etc.) e dos procedimentos metodológicos (pesquisa em periódicos, observação, entrevista, etc.) adotados pelo pesquisador. 3.5 Resultados: Indicação dos resultados alcançados, com breve análise de como eles foram obtidos e quais as suas implicações. 3.6 Considerações Finais: • Breve resgate das hipóteses/objetivos, relacionando-os aos resultados de maior destaque, e indicação de perspectivas para abordagem do tema; • Confirma ou refuta as(os) hipóteses/objetivos do trabalho. • Deverá apresentar deduções lógicas e correspondentes aos(às) objetivos/hipóteses propostos, ressaltando o alcance e as consequências de suas contribuições, bem como seu possível mérito. 3.7 Referências Bibliográficas: • Indicação da bibliografia, dos periódicos e de demais fontes efetivamente utilizadas pelo autor conforme normas da ABNT; • Citar as três fontes mais importantes. ATENÇÃO! Sobre a colocação de Gráficos, Tabelas, Fotos e Figuras Quando houver Fotos, essas devem ser ampliadas, preferencialmente em cores, com boa resolução, contendo legenda abaixo das mesmas. Tabelas e Figuras, também devem ser ampliadas, com boa qualidade de impressão, contendo legenda explicativa. Recomenda-se mesclar texto, gráficos e figuras. Não esqueçam! 75% do Banner deve ser composto por Gráficos, Tabelas, Fotos, Figuras, etc.
  • 10. ANEXO IV CRONOGRAMA DE ATIVIDADES Atividade Período Apresentação do Edital aos professores. 15 de Abril Apresentação do Edital aos alunos. 17 de Abril Composição das Equipes e Definição do Orientador 22, 23 e 24 de Abril Período de Inscrições. 12 a 15 Maio Encontros destinados à orientação dos projetos. 29 de Abril 06, 13, 20, 27 de Maio 01 e 02 de Junho I Feira de Ciências. 03 de Junho Cerimônia de Premiação 08 de Junho
  • 11. ANEXO V RELAÇÃO DE PROFESSORES-ORIENTADORES PARTICIPANTES 1. Vladson; 2. Igor Renne; 3. Emanuel Heder; 4. Dalmo; 5. Marcos; 6. Anderson; 7. Karine; 8. Cícero; 9. Karol; 10. Rayro; 11. John Wirley; 12. Jean;