Alimentação humana

11.982 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Alimentação humana

  1. 1. Componentes: Celso EdvanGustavo Henrique Adalgiza Adriana Camila 301-2010
  2. 2. Estrutura - Introdução- As necessidades alimentares - Substâncias Minerais: *Proteínas *Carboidratos * Lipídios *Vitaminas- A evolução da alimentação - Alimentação racional- A roda dos alimentos - A química na alimentação- Conclusão
  3. 3. Introdução A alimentação é uma ciência.O homem da antiguidade limitava-se a comer o que podia, mas modernamente a escolha é variada. Verifica-se, no entanto, que, se o ser humano comer segundo os seus gostos e recursos alimentares, se expõe a graves perigos. Um número considerável de pessoas altera a saúde e abrevia a existência, por desprezar esta ciência, essencial entre todas.
  4. 4. As necessidades alimentaresTodos os dias o organismo humano sofre, pelo seu funcionamento, uma perda considerável de matéria: 2800g de água (1300g eliminados por via urinária, 500g pela transpiração, 500 pelas fezes e o restante pelos pulmões); mais de 30g de sais minerais; 920g de dióxido de carbono; 16g de nitrogênio. A ingestão de alimentos permite compensar esta situação e assegurar o funcionamento do organismo, reparando as perdas celulares que ocorrem constantemente. Fornece também a energia, transformada em calor e em trabalho e a que é necessária para o crescimento.
  5. 5. Os alimentos são constituídos por substâncias variadas a que se dá onome de nutrientes, que o organismo utiliza nas suas atividades vitais. Esses nutrientes podem ser substâncias minerais, como aágua e os sais minerais, e compostos orgânicos: proteínas, carboidratos, lipídios e vitaminas.
  6. 6. Substâncias Minerais A água, que muitos não consideram um nutriente, é essencial na alimentação: • Tem um papel muito importante na absorção dos alimentos; • É fundamental para a eliminação das substâncias residuais;• Intervém no transporte dentro do organismo, porque é um solvente de quase todas as substâncias;• Intervém também na regulação da temperatura e da pressão sanguínea; • É o constituinte fundamental de todos os líquidos orgânicos.
  7. 7. O organismo humano é constituído por cerca de 65% de água e mais 6% de outras substâncias minerais. As mais importantes são: o cálcio, o ferro, omagnésio, o sódio, e o iodo. Todas são indispensáveis, quer pelo seu papel estrutural, quer como reguladoras de certas reações vitais.
  8. 8. ProteínasAs proteínas constituem 50% ou mais do peso seco das células. Há uma enorme variedade delas nos seres vivos e cada uma é constituída por unidades básicas mais simples – os aminoácidos. Estes são apenas cerca de 20 a 23 e agrupam-se segundo um número e uma ordem que vai dar origem às diversas proteínas. Os mesmos aminoácidos ordenados de formas diferentes dão origem a proteínas diferentes.
  9. 9. As proteínas dos alimentos fornecem aoorganismo aminoácidos para que ele forme as suas próprias proteínas, indispensáveis ao crescimento e à renovação dos tecidos.Existem oito aminoácidos essenciais, que são indispensáveis, mas que o organismo não pode sintetizar; é pois necessário comer diariamente alimentos que os possuam em quantidades e proporções adaptadas às necessidades vitais. Como as proteínas não estão isoladas nos alimentos, é necessário combinar fontes de alimentação protéica de valor diverso, que se completem: metade de origem vegetal e metade de origem animal.
  10. 10. Para obter 30 gramas de proteínas são necessários:
  11. 11. CarboidratosOs hidratos de carbono, também chamados de carboidratos ou glicídios, são moléculas constituídas por carbono, oxigênio e hidrogênio.A proporção mantida entre os elementos hidrogênio e oxigênio é semelhante à da água (H2O), os carboidratos são representados de uma maneira geral como CnH2nOn, onde "n" representa a quantidade proporcional desses elementos (por exemplo: C6H12O6). A maior parte dos hidratos de carbono é de origem vegetal e tem como função principal a ação energética. Os hidratos de carbono fazem parte de um grupo de macro nutrientes que constituem a principal fonte de energia obtida por meio da alimentação, pois representam uma grande porcentagem das calorias presentes na maioria dos hábitos alimentares.
  12. 12. As principais fontes de hidratos de carbono na alimentação humana são os produtos lácteos, cereais, raízes, tubérculos, leguminosas, vegetais e frutos. Essa classe de nutrientes desempenha um papel importante namanutenção da saúde como parte integrante de uma alimentação equilibrada e saudável, e ainda na prevenção de doenças.
  13. 13. Lipídios Os lipídios, ou gorduras, fornecem especialmente energia calorífica. Delesfazem parte dois tipos de ácidos gordos: os saturados e os insaturados. Os primeiros predominam nas gorduras deorigem animal e, embora indispensáveis à vida, favorecem a acumulação de colesterol no sangue e nos vasos sanguíneos,
  14. 14. os insaturados predominam nasgorduras de origem vegetal e têm umefeito benéfico contra a aterosclerose (excesso de colesterol e de ácidos gordos). É por isso recomendado consumir 1/3 de lipídios de origem animal e 2/3 de origem vegetal.
  15. 15. VitaminasAs vitaminas são substâncias complexas que atuam em pequenas quantidades, mas indispensáveis à vida. O organismo não as fabrica, de modo que têm de ser fornecidas pelos alimentos. Podem ser lipossolúveis (solúveis nas gorduras) e hidrossolúveis (solúveis na água). Geralmente designam-se por letras do alfabeto.
  16. 16. Vitaminas hidrossolúveis
  17. 17. A evolução da AlimentaçãoO homem pré-histórico alimentava-se da caça e de plantas silvestres. Vivia assim à mercê dos recursos naturais e climatérios, das secas e das inundações. No neolítico aprendeu a domesticar os animais e passou a depender do seu rebanho. Mas a alimentação humana só melhorou um pouco com a aparição e desenvolvimento da agricultura. Porémestava sempre dependente das calamidades naturais,por não se saber armazenar e conservar os alimentos. Havia também contínuas devastações devido àsguerras. Daí que a fome assolasse periodicamente os vários continentes.
  18. 18. A Europa, cerca do ano 1710, não conseguia ainda saciar a fome. Até à primeira metade do século XX,na China, raramente havia um ano sem fome. Esta ainda hoje não desapareceu da Ásia, da Indonésia, da África e de alguns países da América do Sul. Mas felizmente, exceto quando há calamidades ou guerras, as grandes fomes absolutas parecem estar em vias de desaparecimento, embora muitas populações sofram ainda de subalimentação.
  19. 19. Por outro lado, as crises de fome acabaram-se nos países industrializados, desde que as máquinas agrícolas fizeram a sua aparição e vieram permitir uma cultura intensiva do solo. Transportes rápidos, adubos químicos, irrigação, seleção de plantas e animais, combate aos parasitas agrícolas por meio de inseticidas químicos, criação da indústria das conservas, da indústria do frio, tudo isso transformou a alimentação. Esta transformação foi ainda acelerada pela industrialização da produção agrícola.
  20. 20. Poucos produtos são hoje consumidos sem preparação industrial: legumes e frutos, carne, peixe, ovos, leite. A maior parte dos outros (e até parte destes) é preparada industrialmente, tratada por meios mecânicos, esterilizada pelo calor ou por raios ultravioleta, congelada, perfumada, colorida, purificada por produtos químicos, pasteurizada, destilada. A ciência química cria cada vez mais elementos de síntese, em particular produtos vitaminados.
  21. 21. Esta revolução alimentar provocou odesaparecimento de muitas plantas que antigamente se utilizavam: a dormideira, o trigo mourisco, e mesmo o centeio, que perde terreno de anopara ano. A policultura tende a dar lugar à monocultura de elevado rendimento;o consumidor está cada vez menos em contato direto com o produtor; a produção em série dos gêneros alimentícios tornou-se uma necessidade comercial.
  22. 22. O progresso dos meios de transporte e das técnicas permite hoje aos habitantes das regiões mais distantes a disponibilidade de um número muito elevado e variado de produtos alimentares. Legumes frescos e frutas dos países meridionais chegam facilmente aos climas frios. Nos países industrializados, as conseqüências dos cataclismos naturais apenas se sentem, no plano econômico, pela subida dos preços, não pela falta de produtos.
  23. 23. Alimentação racionalPara fazer uma escolha adequada dosalimentos é muito importante conhecer a sua composição, bem como a função fundamental dos seus nutrientes.
  24. 24. • As proteínas, bem como os lipídios e os sais minerais têm uma função plástica, de construção das estruturas celulares e de reconstituição e formação das defesas do organismo. • As vitaminas e alguns minerais têm uma função reguladora das várias funções do organismo. • Os carboidratos e grande parte dos lipídios e, por vezes, as próprias proteínas, têm uma função energética - fornecem a energia indispensável à vida. • Teoricamente, cada um dos principais nutrientes pode fornecer por si a energia necessária, mas para gozar de boa saúde não é suficiente satisfazer apenas as necessidades energéticas do organismo. Numa alimentação correta devem estar presentes sais minerais, proteínas, lipídios, carboidratos, vitaminas.
  25. 25. A RODA DOS ALIMENTOS Para facilitar o conhecimento do valor nutricional das centenas de alimentos atualmente disponíveis e o seu uso correto, basta agrupá-los de acordo com as suas características nutricionais, de modo que em cada grupo fiquem reunidos aqueles que se possam substituir entre si por possuírem mais semelhanças do que diferenças. Agrupar alimentos tem várias vantagens, pois facilita:• Elaborar emendas, porque os produtos de cada grupo podem trocar-se uns pelos outros;• Compreender o valor nutricional de um determinado alimento pelas características gerais do grupo em que se enquadra; • Reconhecer como os vários grupos de alimentos concorrem para uma alimentação completa e harmoniosa.
  26. 26. Além de visualizar os grandes grupos, indica também a proporção de peso com que os alimentos de cada um deve concorrer para uma alimentação saudavelmente equilibrada. São os seguintes os valores indicados: • 43% de frutas • 30% de produtos cerealíferos, leguminosas secas e tubérculos ricos de hidratos de carbono;• 14% de leite e seus derivados, fornecedores de proteínas e cálcio; • 10% de ovos, de carne e de peixe; • 3% de óleos e outras gorduras alimentares.
  27. 27. Pirâmide Alimentar
  28. 28. A Química na AlimentaçãoA introdução da química na alimentação trouxe vários perigos com o uso dos adubos, dos pesticidas e dos aditivos. Se for verdade que os adubos químicos vieram possibilitar maior rendimento das colheitas de modo a satisfazerem em quantidade as necessidades do homem, a verdade é que a qualidade dos alimentos piorou. Cada vez mais entendidos em matéria de agronomia e alimentação pensam que estes produtos alteram a qualidade dos alimentos, são incapazes de restaurar integralmente os solos e contribuem em grande escala para a poluição das águas, quando são arrastados pelas chuvas para os rios.
  29. 29. E o que dizer dos pesticidas, alguns deles de composição à base de arsênio? Uma parte deste veneno fica nos frutos e nos legumes, penetrando nos tecidos vegetais; outra vai para o solo. O DDT (diclorodifeniltricloroetano) é talvez o inseticida mais empregado universalmente.Os inseticidas penetram na polpa dos vegetais e misturam-se na seiva. Ingeridos pelos animais, acumulam-se na sua gordura e voltam a encontrar-se nos produtos alimentares de origem animal.
  30. 30. Ao analisar a percentagem de DDT existente em diversos produtos encontraram-se: • 89/milhão na gordura de vaca • 65/milhão nos ovos • 500/milhão na gordura da galinha • 12/milhão no leite.O DDT absorvido pelas vacas na forragem é armazenado na gordura, sendo depois eliminado lentamente pelo leite durante meses.
  31. 31. Também no leite da mulher, em 30 de 32 casos, se encontrou DDT em proporções variando entre 0,1 e 0,77 por milhão. Assim, os bebês desde os seus primeirosdias de vida, quer sejam alimentados pela mãe ou com leite de vaca, ingerem vestígios de venenos violentos. Esta intoxicação é muito grave porque a sua alimentação é composta só de leite e os organismos jovens são mais sensíveis a venenos do que os adultos.
  32. 32. Também muitos outros animais recebem uma alimentação química que lhes eleva rapidamente o peso. Grande número de médicos afirma que os animais com alimentação à base de antibióticos constituem um sério perigo e, de qualquer modo, é certo já que o consumo da sua carne faz subir o teor de colesterol.Também no número extremamente elevado de aditivos (produtos químicos voluntariamente adicionados aos gêneros alimentícios), que ultrapassa um milhar, alguns são cancerígenos, por exemplo:
  33. 33. • Corantes, em especial • Conservantes • Inseticidas • Agentes de descoloração• Substâncias de revestimento • Fermentos • Essências sintéticas, etc.
  34. 34. O pão também não foge às influências nefastas da modernização e ao uso dos químicos. Não há ainda umséculo, o homem podia alimentar-se quase exclusivamente de pão. Hoje não o poderia fazer porque o seu valor alimentar diminuiu e ele já não é um alimento completo e fiável. Em primeiro lugar porque os trigos de granderendimento que se cultivam agora são ricos em amido mas pobres em glúten e sais minerais. Além disso, no seu cultivo são usados adubos e pesticidas químicos. A suaarmazenagem é feita em silos hermeticamente fechados, o que facilita a sua fermentação e a ação dos insetos e dos parasitas – daí o uso de inseticidas. A substituição das velhas técnicas pelos cilindros de aço veio proporcionar uma produção maior e de uma farinha mais branca. Mas as impurezas que coloriam ligeiramente a farinha eramconstituídas por substâncias nutritivas preciosas, contendo glúten e sais minerais (fósforo, cálcio, magnésio, ferro, silício, iodo, manganês) e vitaminas B e E. Assim, quanto mais branca é a farinha, menos nutritiva é.
  35. 35. Como grande parte destas mudanças e inovações têm como objetivo o lucro, há ainda que considerar as fraudes, as infrações às leis que regulam a qualidade dos alimentos. Por exemplo, no caso do leite, a fraude mais simples é a da desnatação. Dela não resulta senão, praticamente, um empobrecimento do leite. Mas, para lhe manter a densidade torna-se necessário acrescentar-lhe água. Acrescentando água ao leite restabelece-se a sua densidade normal. Mas o leite, duplamente empobrecido pela desnatação e pela água, apresenta-se azulado. Acrescenta-se então corantes. Eis então o leite maltratado três vezes. Mas isto não é tudo. É preciso conservá-lo, impedi-lo de «talhar»: para isso utilizam-se conservantes alcalinos tais como o bicarbonato de sódio; porém, no leite assim neutralizado os micróbios desenvolvem-se mais facilmente. É preciso então acrescentar-lhe anti-sépticos (em princípio proibidos – fluoretos, hipocloritos, ácidos salicílicos, água oxigenada ou derivados de boro).
  36. 36. A questão que está agora mais na ordem do dia é a dos transgênicos. O que são estes alimentos geneticamente manipulados? São alimentos que têm por origem plantas ou animais cuja constituição genética foi alterada. As características dos seres vivos estão “guardadas” nos genesque estão inscritos no DNA. Este é uma cadeia composta por quatro elementos de base que se podem ligar de diversasformas e produzir diversas “instruções” – os genes. Depois de vários anos de estudo, os cientistas aprenderam a ler as referidas instruções e a identificar os diferentes genes: o que determina a cor da flor, o que torna a planta resistente aos herbicidas, etc. e mais recentemente conseguiram isolar os genes de uma cadeia de DNA e “gravá-los” numa outra cadeia, primeiro da mesma espécie e agora já se trocam genes de espécies diferentes. Desta troca de genes entre espécies nasceram os Organismos Geneticamente Modificados (OGM) ou transgênicos (milho resistente aos herbicidas, batatas que não escurecem, etc.). A manipulação genética pode implicar riscos tanto para a saúde do consumidor como para o ambiente, mas neste momento é ainda muito difícil avaliar a importância desses riscos.
  37. 37. Conclusão Com este trabalho conseguimos recolher muita informação sobre o tema escolhido. Pretendíamos informar sobre os benefícios e os malefícios da nossa atual alimentação.Concluímos que não basta comer de tudo para se ser saudável, temos que comer as quantidades certas. Os distúrbios alimentares não afetam pessoas em especifico mas sim todo o tipo de habitantes. “O mundo tem alimentos suficientes para alimentar a todos, mas não os aproveitamos devidamente”. Concluímos ainda que a alimentação é um bem essencial para todas as pessoas.

×