SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Trabalho de Química sobre
a Quitina




   Eduardo M. Guirro – nº: 01
   Matheus G. Lofrano – nº: 02
A quitina constitui os exoesqueletos dos animais artrópodes
 juntamente        com       CaCO3       (carbonato      de
cálcio),            proteínas,          lipídios          e
pigmentos   .
É um polissacarídeo de cadeia linear constituída, quase que
exclusivamente, por unidades 2-acetamido-2-desoxi-D-glicopiranose
unidas por ligações β,sendo considerada a segunda substância mais
abundante na biomassa.
Quanto à orientação das suas cadeias, a quitina pode
    ser encontrada em três diferentes formas:

A α-quitina é a mais abundante na natureza,
 sendo encontrada nas estruturas rígidas como
 as carapaças de camarões e caranguejos, e
 apresenta grau de cristalinidade acima de 85%.
A β-quitina, é encontrada em estruturas menos rígidas,
mas resistentes, apresentando grau de cristalinidade de
aproximadamente 72%.5 É encontrada no esqueleto
calcáreo      de     alguns     animais       marinhos.




                            É uma estrutura rígida, ou onde
                            uma certa flexibilidade é
                            necessária
A Y-quitina possui cadeias paralelas e antiparalelas e pode
ser encontrada nos casulos dos insetos e ainda não é
muito conhecida.
Em geral, o processo de extração da α-
quitina a partir das cascas dos camarões e
caranguejos compreende três etapas de
tratamento,         sendo       elas      a
desmineralização, a desproteinização e a
despigmentação.        Em    função     das
condições          empregadas        nesses
tratamentos as características das quitinas
obtidas, tais como pureza, cristalinidade,
são            fortemente          afetadas.
Desproteinização
As cascas retiradas das diferentes partes do animal
 foram tratadas separadamente. Sendo assim, 60 g
 de cefalotórax (ou abdomens ou quelípodos) foram
 adicionados a 600 mL de solução aquosa 15% de
 Na OH e a suspensão resultante foi mantida sob
 agitação constante por 3 h a 338 K. Após essa
 etapa, as cascas foram filtradas e submetidas à
 extração com água em sistema Soxlet até que a
 água residual atingisse a neutralidade. Depois, o
 material foi seco em estufa de circulação de ar por
 12 h a 303 K.
Desmineralização
As cascas foram transferidas para um béquer
 de 1,8 L e tratadas com 1,1 L de HCl 1
 M, sob agitação constante, por um período
 de 2 h, a 298-300 K. O material sólido
 resultante      deste     tratamento     foi
 filtrado, lavado com água destilada até que
 as águas de lavagem atingissem a
 neutralidade. Depois, o material foi seco
 em estufa de circulação de ar por 12 h a
 303 K.
Lavagem com etanol
  A quitina obtida foi lavada por 2 dias num
   sistema Soxlet com etanol anidro para a
   retirada de pigmentos.
A quitosana é um dos principais derivados de quitina, correspondendo
a um copolímero constituído de unidades 2-acetamido-2-desoxi-D-
glicopiranose (GlcNAc) e 2-amino-2-desoxi-D-glicopiranose (GlcN)
unidas pelo mesmo tipo de ligação glicosídica presente em quitina.
Processo de obtenção da quitina
que, em seguida, é transformada em
quitosana. A conversão de quitina
em quitosana é realizada pelo
tratamento com solução de hidróxido
de sódio ou potássio (40-50%)
usualmente a 100 ºC ou mais para
hidrolisar alguns ou a maioria dos
grupos acetamida do polímero.
Importância Social

A quitosana é um produto natural, de baixo
 custo, renovável e biodegradável, de
 grande importância econômica e ambiental.
 As carapaças de crustáceos são resíduos
 abundantes e rejeitadas pela indústria
 pesqueira, que em muitos casos as
 consideram poluentes. Sua utilização reduz
 o impacto ambiental causado pelo acúmulo
 nos locais onde é gerado ou estocado.
Consumo mundial e Importância
comercial.
    Estimativas recentes apontam que o mercado
    mundial de derivados de quitina chegará a US $ 63
    bilhões, enquanto o mercado global de quitosana
    atingirá mais de US $ 21 bilhões até o ano de
    2015. A quitosana, de acordo com as pesquisas, é
    mais útil para aplicações biomédicas e
    alimentares, uma vez que possui tanto grupos
    hidroxila e amino, que pode ser facilmente
    modificados.
Existe um enorme potencial atual e
  futuro para a Quitina e Quitosana,
  especialmente nos setores de
  nutrição,      biomedicina         e
  processamento de alimentos. As
  possibilidades são vastas e
  empolgantes!. Esses materiais
  podem      ser    utilizados     em
  aplicações que vão desde
  antibióticos e suturas cirúrgicas
  até     suplementos      dietéticos,
  alimentos e ração para animais
  de estimação e até em tecidos.
  Outra possibilidade interessante
  para a saúde deve-se a
  propriedade         especialmente
  importante     do    controle     do
  colesterol plasmático e absorção
  de gordura proveniente dos
  alimentos.
FIM.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resíduos industrias
Resíduos industriasResíduos industrias
Resíduos industriasGiulio Altoé
 
Apresentação Sobre Lixo e Reciclagem
Apresentação Sobre Lixo e ReciclagemApresentação Sobre Lixo e Reciclagem
Apresentação Sobre Lixo e ReciclagemClaudia Costa
 
Biotecnologia no meio ambiente
Biotecnologia no meio ambienteBiotecnologia no meio ambiente
Biotecnologia no meio ambienteWallace Bertoldi
 
Surtos da mosca-dos-estábulos no Mato Grosso do Sul
Surtos da mosca-dos-estábulos no Mato Grosso do Sul Surtos da mosca-dos-estábulos no Mato Grosso do Sul
Surtos da mosca-dos-estábulos no Mato Grosso do Sul Rural Pecuária
 
Apresentação das vidrarias
Apresentação das vidrariasApresentação das vidrarias
Apresentação das vidrariasPriscilaUFGD
 
Relatório aula pratica química geral experimental
Relatório aula pratica química geral experimentalRelatório aula pratica química geral experimental
Relatório aula pratica química geral experimentalQueler X. Ferreira
 
Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...
Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...
Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...Lilian De Rezende Jordão
 
Certificação Florestal - Responsabilidade e conduta sustentável no setor de á...
Certificação Florestal - Responsabilidade e conduta sustentável no setor de á...Certificação Florestal - Responsabilidade e conduta sustentável no setor de á...
Certificação Florestal - Responsabilidade e conduta sustentável no setor de á...Ibá – Indústria Brasileira de Árvores
 
Os modelos atómicos de dalton, rutherford, bohr e modelo atual
Os modelos atómicos de dalton, rutherford, bohr e modelo atualOs modelos atómicos de dalton, rutherford, bohr e modelo atual
Os modelos atómicos de dalton, rutherford, bohr e modelo atualPaulo Soares
 
Concepções Meio Ambiente e Vertentes
Concepções Meio Ambiente e VertentesConcepções Meio Ambiente e Vertentes
Concepções Meio Ambiente e VertentesTvSaj
 
Racas de bovinos de leite
Racas de bovinos de leiteRacas de bovinos de leite
Racas de bovinos de leiteArkinor Neto
 

Mais procurados (20)

Resíduos industrias
Resíduos industriasResíduos industrias
Resíduos industrias
 
Apresentação Sobre Lixo e Reciclagem
Apresentação Sobre Lixo e ReciclagemApresentação Sobre Lixo e Reciclagem
Apresentação Sobre Lixo e Reciclagem
 
Certificação Florestal, maio 2012
Certificação Florestal, maio 2012Certificação Florestal, maio 2012
Certificação Florestal, maio 2012
 
Tpoa presunto
Tpoa presuntoTpoa presunto
Tpoa presunto
 
Biotecnologia no meio ambiente
Biotecnologia no meio ambienteBiotecnologia no meio ambiente
Biotecnologia no meio ambiente
 
Surtos da mosca-dos-estábulos no Mato Grosso do Sul
Surtos da mosca-dos-estábulos no Mato Grosso do Sul Surtos da mosca-dos-estábulos no Mato Grosso do Sul
Surtos da mosca-dos-estábulos no Mato Grosso do Sul
 
Apresentação das vidrarias
Apresentação das vidrariasApresentação das vidrarias
Apresentação das vidrarias
 
Antiinflamatórios veterinária
Antiinflamatórios veterinária Antiinflamatórios veterinária
Antiinflamatórios veterinária
 
Vitaminas e coenzimas
Vitaminas e coenzimasVitaminas e coenzimas
Vitaminas e coenzimas
 
Relatório aula pratica química geral experimental
Relatório aula pratica química geral experimentalRelatório aula pratica química geral experimental
Relatório aula pratica química geral experimental
 
Pegada Ecológica
Pegada EcológicaPegada Ecológica
Pegada Ecológica
 
Bromatologia unijui
Bromatologia   unijuiBromatologia   unijui
Bromatologia unijui
 
Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...
Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...
Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...
 
Certificação Florestal - Responsabilidade e conduta sustentável no setor de á...
Certificação Florestal - Responsabilidade e conduta sustentável no setor de á...Certificação Florestal - Responsabilidade e conduta sustentável no setor de á...
Certificação Florestal - Responsabilidade e conduta sustentável no setor de á...
 
Vitaminas na nutrição de ruminantes
Vitaminas na nutrição de ruminantesVitaminas na nutrição de ruminantes
Vitaminas na nutrição de ruminantes
 
Os modelos atómicos de dalton, rutherford, bohr e modelo atual
Os modelos atómicos de dalton, rutherford, bohr e modelo atualOs modelos atómicos de dalton, rutherford, bohr e modelo atual
Os modelos atómicos de dalton, rutherford, bohr e modelo atual
 
Concepções Meio Ambiente e Vertentes
Concepções Meio Ambiente e VertentesConcepções Meio Ambiente e Vertentes
Concepções Meio Ambiente e Vertentes
 
Suínocultura
SuínoculturaSuínocultura
Suínocultura
 
Glicólise
GlicóliseGlicólise
Glicólise
 
Racas de bovinos de leite
Racas de bovinos de leiteRacas de bovinos de leite
Racas de bovinos de leite
 

Semelhante a Trabalho de química sobre a quitina

Crustáceo e biotecnologia
Crustáceo e biotecnologiaCrustáceo e biotecnologia
Crustáceo e biotecnologiaLeandroFuzaro
 
Carboidratos shared
Carboidratos sharedCarboidratos shared
Carboidratos sharedErica Alves
 
Pdf biologia
Pdf biologiaPdf biologia
Pdf biologiaEMSNEWS
 
CORDEIROS SUPLEMENTADOS COM ADITIVOS ALTERNATIVOS EM CONFINAMENTO E GAIOLA ME...
CORDEIROS SUPLEMENTADOS COM ADITIVOS ALTERNATIVOS EM CONFINAMENTO E GAIOLA ME...CORDEIROS SUPLEMENTADOS COM ADITIVOS ALTERNATIVOS EM CONFINAMENTO E GAIOLA ME...
CORDEIROS SUPLEMENTADOS COM ADITIVOS ALTERNATIVOS EM CONFINAMENTO E GAIOLA ME...Rafael Gauchinho
 
1°S carboidratos e metabolismo energético_ abril_2014
1°S carboidratos e metabolismo energético_ abril_20141°S carboidratos e metabolismo energético_ abril_2014
1°S carboidratos e metabolismo energético_ abril_2014Ionara Urrutia Moura
 
A química da célula - Agua e sais minerais
A química da célula - Agua e sais mineraisA química da célula - Agua e sais minerais
A química da célula - Agua e sais mineraisMatheus de Paula Medeiros
 
Os benefícios do alimento vivo na criação de Tilápias Nilóticas
Os benefícios do alimento vivo na criação de Tilápias NilóticasOs benefícios do alimento vivo na criação de Tilápias Nilóticas
Os benefícios do alimento vivo na criação de Tilápias NilóticasRural Pecuária
 
Da Quitina ao Biofertilizante "Quitosano Camponês"
Da Quitina ao Biofertilizante "Quitosano Camponês"Da Quitina ao Biofertilizante "Quitosano Camponês"
Da Quitina ao Biofertilizante "Quitosano Camponês"Blanco agriCultura
 
Conservas animais
Conservas animaisConservas animais
Conservas animaisJoyce Muzy
 
Sais minerais, carboidratos e lipídeos
Sais minerais, carboidratos e lipídeosSais minerais, carboidratos e lipídeos
Sais minerais, carboidratos e lipídeosAlim Senna
 
Metabolismo energético das células
Metabolismo energético das célulasMetabolismo energético das células
Metabolismo energético das célulasFelipe Machado
 

Semelhante a Trabalho de química sobre a quitina (20)

Crustáceo e biotecnologia
Crustáceo e biotecnologiaCrustáceo e biotecnologia
Crustáceo e biotecnologia
 
Carboidratos shared
Carboidratos sharedCarboidratos shared
Carboidratos shared
 
Pdf biologia
Pdf biologiaPdf biologia
Pdf biologia
 
Apostila de Biologia
Apostila de BiologiaApostila de Biologia
Apostila de Biologia
 
CORDEIROS SUPLEMENTADOS COM ADITIVOS ALTERNATIVOS EM CONFINAMENTO E GAIOLA ME...
CORDEIROS SUPLEMENTADOS COM ADITIVOS ALTERNATIVOS EM CONFINAMENTO E GAIOLA ME...CORDEIROS SUPLEMENTADOS COM ADITIVOS ALTERNATIVOS EM CONFINAMENTO E GAIOLA ME...
CORDEIROS SUPLEMENTADOS COM ADITIVOS ALTERNATIVOS EM CONFINAMENTO E GAIOLA ME...
 
Biologia 10.pdf
Biologia 10.pdfBiologia 10.pdf
Biologia 10.pdf
 
1°S carboidratos e metabolismo energético_ abril_2014
1°S carboidratos e metabolismo energético_ abril_20141°S carboidratos e metabolismo energético_ abril_2014
1°S carboidratos e metabolismo energético_ abril_2014
 
A química da célula - Agua e sais minerais
A química da célula - Agua e sais mineraisA química da célula - Agua e sais minerais
A química da célula - Agua e sais minerais
 
CARBOIDRATOS.pdf
CARBOIDRATOS.pdfCARBOIDRATOS.pdf
CARBOIDRATOS.pdf
 
Os benefícios do alimento vivo na criação de Tilápias Nilóticas
Os benefícios do alimento vivo na criação de Tilápias NilóticasOs benefícios do alimento vivo na criação de Tilápias Nilóticas
Os benefícios do alimento vivo na criação de Tilápias Nilóticas
 
Da Quitina ao Biofertilizante "Quitosano Camponês"
Da Quitina ao Biofertilizante "Quitosano Camponês"Da Quitina ao Biofertilizante "Quitosano Camponês"
Da Quitina ao Biofertilizante "Quitosano Camponês"
 
Conservas animais
Conservas animaisConservas animais
Conservas animais
 
Bioquímica questões
Bioquímica questõesBioquímica questões
Bioquímica questões
 
7bioquimi 2e3
7bioquimi 2e37bioquimi 2e3
7bioquimi 2e3
 
7bioquimi 2e3
7bioquimi 2e37bioquimi 2e3
7bioquimi 2e3
 
7bioquimi 2e3
7bioquimi 2e37bioquimi 2e3
7bioquimi 2e3
 
BSI - Biossistemas Integrados
BSI - Biossistemas IntegradosBSI - Biossistemas Integrados
BSI - Biossistemas Integrados
 
Sais minerais, carboidratos e lipídeos
Sais minerais, carboidratos e lipídeosSais minerais, carboidratos e lipídeos
Sais minerais, carboidratos e lipídeos
 
Metabolismo energético das células
Metabolismo energético das célulasMetabolismo energético das células
Metabolismo energético das células
 
S7 lamabri em bft
S7 lamabri em bftS7 lamabri em bft
S7 lamabri em bft
 

Trabalho de química sobre a quitina

  • 1. Trabalho de Química sobre a Quitina Eduardo M. Guirro – nº: 01 Matheus G. Lofrano – nº: 02
  • 2. A quitina constitui os exoesqueletos dos animais artrópodes juntamente com CaCO3 (carbonato de cálcio), proteínas, lipídios e pigmentos .
  • 3. É um polissacarídeo de cadeia linear constituída, quase que exclusivamente, por unidades 2-acetamido-2-desoxi-D-glicopiranose unidas por ligações β,sendo considerada a segunda substância mais abundante na biomassa.
  • 4. Quanto à orientação das suas cadeias, a quitina pode ser encontrada em três diferentes formas: A α-quitina é a mais abundante na natureza, sendo encontrada nas estruturas rígidas como as carapaças de camarões e caranguejos, e apresenta grau de cristalinidade acima de 85%.
  • 5. A β-quitina, é encontrada em estruturas menos rígidas, mas resistentes, apresentando grau de cristalinidade de aproximadamente 72%.5 É encontrada no esqueleto calcáreo de alguns animais marinhos. É uma estrutura rígida, ou onde uma certa flexibilidade é necessária
  • 6. A Y-quitina possui cadeias paralelas e antiparalelas e pode ser encontrada nos casulos dos insetos e ainda não é muito conhecida.
  • 7. Em geral, o processo de extração da α- quitina a partir das cascas dos camarões e caranguejos compreende três etapas de tratamento, sendo elas a desmineralização, a desproteinização e a despigmentação. Em função das condições empregadas nesses tratamentos as características das quitinas obtidas, tais como pureza, cristalinidade, são fortemente afetadas.
  • 8. Desproteinização As cascas retiradas das diferentes partes do animal foram tratadas separadamente. Sendo assim, 60 g de cefalotórax (ou abdomens ou quelípodos) foram adicionados a 600 mL de solução aquosa 15% de Na OH e a suspensão resultante foi mantida sob agitação constante por 3 h a 338 K. Após essa etapa, as cascas foram filtradas e submetidas à extração com água em sistema Soxlet até que a água residual atingisse a neutralidade. Depois, o material foi seco em estufa de circulação de ar por 12 h a 303 K.
  • 9. Desmineralização As cascas foram transferidas para um béquer de 1,8 L e tratadas com 1,1 L de HCl 1 M, sob agitação constante, por um período de 2 h, a 298-300 K. O material sólido resultante deste tratamento foi filtrado, lavado com água destilada até que as águas de lavagem atingissem a neutralidade. Depois, o material foi seco em estufa de circulação de ar por 12 h a 303 K.
  • 10. Lavagem com etanol A quitina obtida foi lavada por 2 dias num sistema Soxlet com etanol anidro para a retirada de pigmentos.
  • 11. A quitosana é um dos principais derivados de quitina, correspondendo a um copolímero constituído de unidades 2-acetamido-2-desoxi-D- glicopiranose (GlcNAc) e 2-amino-2-desoxi-D-glicopiranose (GlcN) unidas pelo mesmo tipo de ligação glicosídica presente em quitina.
  • 12. Processo de obtenção da quitina que, em seguida, é transformada em quitosana. A conversão de quitina em quitosana é realizada pelo tratamento com solução de hidróxido de sódio ou potássio (40-50%) usualmente a 100 ºC ou mais para hidrolisar alguns ou a maioria dos grupos acetamida do polímero.
  • 13. Importância Social A quitosana é um produto natural, de baixo custo, renovável e biodegradável, de grande importância econômica e ambiental. As carapaças de crustáceos são resíduos abundantes e rejeitadas pela indústria pesqueira, que em muitos casos as consideram poluentes. Sua utilização reduz o impacto ambiental causado pelo acúmulo nos locais onde é gerado ou estocado.
  • 14. Consumo mundial e Importância comercial.  Estimativas recentes apontam que o mercado mundial de derivados de quitina chegará a US $ 63 bilhões, enquanto o mercado global de quitosana atingirá mais de US $ 21 bilhões até o ano de 2015. A quitosana, de acordo com as pesquisas, é mais útil para aplicações biomédicas e alimentares, uma vez que possui tanto grupos hidroxila e amino, que pode ser facilmente modificados.
  • 15. Existe um enorme potencial atual e futuro para a Quitina e Quitosana, especialmente nos setores de nutrição, biomedicina e processamento de alimentos. As possibilidades são vastas e empolgantes!. Esses materiais podem ser utilizados em aplicações que vão desde antibióticos e suturas cirúrgicas até suplementos dietéticos, alimentos e ração para animais de estimação e até em tecidos. Outra possibilidade interessante para a saúde deve-se a propriedade especialmente importante do controle do colesterol plasmático e absorção de gordura proveniente dos alimentos.
  • 16. FIM.