SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
TRABALHO SOBRE O
POLIETILENO




  Bruna Lopes      nº: 10
  Roberta Bertolli nº: 18
ESTRUTURA




O polietileno é quimicamente o polímero mais simples. É representado pela cadeia:
(CH2-CH2)n. Devido à sua alta produção mundial, é também o mais barato, sendo um
dos tipos de plástico mais comum. É quimicamente inerte. Obtém-se pela polimerização
do etileno, de que deriva seu nome.

Polimerização: Simplificadamente, uma reação de polimerização pode ser equacionada
da seguinte forma:
Monômeros:....+ A + A + A + A + .... → Polímero:...-(A-A-A-A)-
A abreviatura do polietileno geralmente usada é PE. Os polietilenos podem
   ser classificados em:
PEBD : Polietileno de Baixa Densidade;
    Atóxico
    Flexível
    Leve
    Transparente
    Inerte (ao conteúdo)
    Impermeável
    Pouca estabilidade dimensional, mas com processamento fácil
    Baixo custo.


      PEAD : Polietileno de Alta Densidade.
      Resistente a altas temperaturas;
      Alta resistência à tensão; compressão; tração;
      Baixa densidade em comparação com metais e outros materiais;
      Impermeável;
      Inerte (ao conteúdo), baixa reatividade;
      Atóxico
      Pouca estabilidade dimensional

      A diferença entre o PEBD e o PEAD é que este tem um baixo nível de
       ramificações, com alta densidade e altas forças inter-moleculares. A
       produção de um bom PEAD depende da seleção do catalisador
ONDE É ENCONTRADO
PEBD:
     Bolsas de todo tipo: supermercados, boutiques, panificação, congelados,
      industriais, etc.;
     Embalagem automática de alimentos e produtos industriais: leite, água,
      plásticos, etc.;
     Stretch film;
     Garrafas térmicas e outros produtos térmicos;
     Frascos: cosméticos, medicamentos e alimentos;
     Mangueiras para água;
PEAD:
     Frascos para: detergentes, shampoo, etc;
     Bolsas para supermercados;
     Caixotes para peixes, refrigerantes, cervejas;
     Frascos para pintura, sorvetes, azeites;
     Tambores;
     Tubulação para gás, telefonia, água potável, lâminas de drenagem e uso
      sanitário;
     Também é usado para recobrir lagoas, canais, fossas de neutralização,
      contra-tanques, tanques de água, lagoas artificiais, etc..
APLICAÇÕES
   Agricultura e Construção Civil:Os tubos e conduites são empregados largamente na construção dentro das
    instalações elétricas e materiais de acabamento elétrico. Sua flexibilidade é a principal característica. É muito
    importante para este emprego, pois permite pequenas curvas sem o auxílio de peças adicionais, como no caso
    do PVC. Em contrapartida possuem baixa resistência mecânica.
   Na agricultura os filmes, 'lonas pretas', são muito usados para proteger a safra e para realizar canais de
    irrigação. É possível fabricar lonas com uma grande largura sem emendas, o que a faz ideal para este fim.
   Confecção: O filme extrusado na largura padrão de 1,40 mt. em várias cores e com diferentes tipos de
    estampas é muito usado na confecção de vários acessórios do lar, como uma cortina para box, uma toalha de
    mesa, uma capa de máquina, um avental plástico e muitos outros.
   Encontramos também como forro de bolsas, malas, sófas e acessórios de moda.
   Embalagens: Sacos de lixo de várias cores, sendo o mais comum na cor preta, representa um grande mercado
    para o polietileno, e aí temos, em função da sua fabricação, dois tipos diferentes de embalagens.
CONSUMO MUNDIAL
   O polietileno é largamente utilizado no processo de
    fabricação de garrafas, copos e recepientes. A principal
    utilização deste processo se encontra na fabricação de
    garrafas e recepientes plásticos, que é o principal
    mercado do sopro.
   é muito utilizado também no processo de fabricação de
    recepientes de armazenagem líquida dada as suas
    características e, para objetos em geral.A injeção por
    exemplo
   Grande parte do polietileno extrusado toma a forma de
    filmes e películas, levando-se em conta que seu peso
    específico é bem menor que o PVC e o PS, obtem-se
    um produto leve e com grande maleabilidade.
   As chapas apresenta-se como um produto muito leve e
    com pouca resistência mecânica, mas que é aumentada
    modificando-se a estrutura da mesma
CONCLUSÃO
   A busca por soluções que levem a um plástico descartável ideal
    vem mobilizando cientistas e ambientalistas há algum tempo. As
    pesquisas apontam na substituição dos plásticos convencionais
    por plásticos biodegradáveis e fotodegradáveis, uma vez que
    segmentos de mercado que apresentam uma grande
    conscientização da população pela preservação do meio
    ambiente, se disponibilizam a pagar a mais por um produto não
    poluidor, resultando daí ganhos ambientais, econômicos e
    sociais.
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Compósitos em Embarcações
Compósitos em EmbarcaçõesCompósitos em Embarcações
Compósitos em EmbarcaçõesGustavo Pessoa
 
Treinamento Técnico em Polímeros - Módulo I
Treinamento Técnico em Polímeros - Módulo ITreinamento Técnico em Polímeros - Módulo I
Treinamento Técnico em Polímeros - Módulo ICENNE
 
Pvc - poli(cloreto de vinila)
Pvc - poli(cloreto de vinila)Pvc - poli(cloreto de vinila)
Pvc - poli(cloreto de vinila)Marília Danezi
 
Materiais cerâmicos
Materiais cerâmicosMateriais cerâmicos
Materiais cerâmicosLívio Bruno
 
Polímeros - Classificações e Proriedades
Polímeros - Classificações e ProriedadesPolímeros - Classificações e Proriedades
Polímeros - Classificações e ProriedadesCarlos Alberto Alves
 
Ensaio de fluência
Ensaio de fluênciaEnsaio de fluência
Ensaio de fluênciaLeogluiz
 
Polímeros - Compósitos Orgânicos
Polímeros - Compósitos OrgânicosPolímeros - Compósitos Orgânicos
Polímeros - Compósitos OrgânicosBruno Pinto
 
Lecture_week 4 Aditivos em Polimeros.pdf
Lecture_week 4 Aditivos em Polimeros.pdfLecture_week 4 Aditivos em Polimeros.pdf
Lecture_week 4 Aditivos em Polimeros.pdfCarolina Direito
 
Grupo encruamento e recozimento
Grupo encruamento e recozimentoGrupo encruamento e recozimento
Grupo encruamento e recozimentoemc5714
 
Ciência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidade
Ciência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidadeCiência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidade
Ciência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidadeVicktor Richelly
 
Introdução a ciencias dos materiais.pptx
Introdução a ciencias dos materiais.pptxIntrodução a ciencias dos materiais.pptx
Introdução a ciencias dos materiais.pptxRobertaCorra9
 

Mais procurados (20)

Compósitos em Embarcações
Compósitos em EmbarcaçõesCompósitos em Embarcações
Compósitos em Embarcações
 
Treinamento Técnico em Polímeros - Módulo I
Treinamento Técnico em Polímeros - Módulo ITreinamento Técnico em Polímeros - Módulo I
Treinamento Técnico em Polímeros - Módulo I
 
Pvc - poli(cloreto de vinila)
Pvc - poli(cloreto de vinila)Pvc - poli(cloreto de vinila)
Pvc - poli(cloreto de vinila)
 
Materiais cerâmicos
Materiais cerâmicosMateriais cerâmicos
Materiais cerâmicos
 
Polímeros - Classificações e Proriedades
Polímeros - Classificações e ProriedadesPolímeros - Classificações e Proriedades
Polímeros - Classificações e Proriedades
 
Ensaio de fluência
Ensaio de fluênciaEnsaio de fluência
Ensaio de fluência
 
Poliestireno
PoliestirenoPoliestireno
Poliestireno
 
Polímeros - Compósitos Orgânicos
Polímeros - Compósitos OrgânicosPolímeros - Compósitos Orgânicos
Polímeros - Compósitos Orgânicos
 
Polimeros
PolimerosPolimeros
Polimeros
 
Fibras poliester[1]
Fibras poliester[1]Fibras poliester[1]
Fibras poliester[1]
 
Apostila:Fibra de polipropileno
Apostila:Fibra de polipropilenoApostila:Fibra de polipropileno
Apostila:Fibra de polipropileno
 
Industrias+de+plasticos
Industrias+de+plasticosIndustrias+de+plasticos
Industrias+de+plasticos
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Lecture_week 4 Aditivos em Polimeros.pdf
Lecture_week 4 Aditivos em Polimeros.pdfLecture_week 4 Aditivos em Polimeros.pdf
Lecture_week 4 Aditivos em Polimeros.pdf
 
Grupo encruamento e recozimento
Grupo encruamento e recozimentoGrupo encruamento e recozimento
Grupo encruamento e recozimento
 
Polimeros Principais Propriedades
Polimeros Principais PropriedadesPolimeros Principais Propriedades
Polimeros Principais Propriedades
 
Aula 4 ferro
Aula 4   ferroAula 4   ferro
Aula 4 ferro
 
Ciência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidade
Ciência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidadeCiência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidade
Ciência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidade
 
Polimeros 3
Polimeros 3Polimeros 3
Polimeros 3
 
Introdução a ciencias dos materiais.pptx
Introdução a ciencias dos materiais.pptxIntrodução a ciencias dos materiais.pptx
Introdução a ciencias dos materiais.pptx
 

Destaque

Processo de fabricação de embalagens plásticas flexíveis
Processo de fabricação de embalagens plásticas flexíveisProcesso de fabricação de embalagens plásticas flexíveis
Processo de fabricação de embalagens plásticas flexíveisEmanoel S. Carvalho
 
Contaminación y reciclaje
Contaminación y reciclajeContaminación y reciclaje
Contaminación y reciclajeBioGenera
 
PET - Saiba mais
PET - Saiba maisPET - Saiba mais
PET - Saiba maisCENNE
 
Trabalho de quimica joana e andreia
Trabalho de quimica joana e andreiaTrabalho de quimica joana e andreia
Trabalho de quimica joana e andreiaPauloMaiaCampos
 
APLA - 26ª Reunião Anual Latino americana de Petroquímica
APLA - 26ª Reunião Anual Latino americana de PetroquímicaAPLA - 26ª Reunião Anual Latino americana de Petroquímica
APLA - 26ª Reunião Anual Latino americana de PetroquímicaPetrobras
 
Marcos peluso emerson portuguese
Marcos peluso emerson portugueseMarcos peluso emerson portuguese
Marcos peluso emerson portugueseFieldComm Group
 
Alexandre lopes braskem portuguese
Alexandre lopes braskem portugueseAlexandre lopes braskem portuguese
Alexandre lopes braskem portugueseFieldComm Group
 
Brasken Apresentação 1T15 Português
Brasken Apresentação 1T15 PortuguêsBrasken Apresentação 1T15 Português
Brasken Apresentação 1T15 PortuguêsBraskem_RI
 
Abm siderurgia para nao siderurgistas
Abm   siderurgia para nao siderurgistasAbm   siderurgia para nao siderurgistas
Abm siderurgia para nao siderurgistasFelipe Novais
 
B integração segurança tosi
B integração segurança tosiB integração segurança tosi
B integração segurança tosiAdriano Ortiz
 
Noções básicas sepro cascaes rev
Noções básicas sepro cascaes revNoções básicas sepro cascaes rev
Noções básicas sepro cascaes revFábio Aragão
 
Braskem day apresentação unidade de petroquímicos básicos - manoel carnaúba
Braskem day   apresentação unidade de petroquímicos básicos - manoel carnaúbaBraskem day   apresentação unidade de petroquímicos básicos - manoel carnaúba
Braskem day apresentação unidade de petroquímicos básicos - manoel carnaúbaBraskem_RI
 
Braskem day apresentação polímeros - rui chammas
Braskem day   apresentação polímeros - rui chammasBraskem day   apresentação polímeros - rui chammas
Braskem day apresentação polímeros - rui chammasBraskem_RI
 

Destaque (20)

Processo de fabricação de embalagens plásticas flexíveis
Processo de fabricação de embalagens plásticas flexíveisProcesso de fabricação de embalagens plásticas flexíveis
Processo de fabricação de embalagens plásticas flexíveis
 
Plastico PEBD
Plastico PEBDPlastico PEBD
Plastico PEBD
 
Contaminación y reciclaje
Contaminación y reciclajeContaminación y reciclaje
Contaminación y reciclaje
 
PET - Saiba mais
PET - Saiba maisPET - Saiba mais
PET - Saiba mais
 
Polietileno
PolietilenoPolietileno
Polietileno
 
Trabalho de quimica joana e andreia
Trabalho de quimica joana e andreiaTrabalho de quimica joana e andreia
Trabalho de quimica joana e andreia
 
APLA - 26ª Reunião Anual Latino americana de Petroquímica
APLA - 26ª Reunião Anual Latino americana de PetroquímicaAPLA - 26ª Reunião Anual Latino americana de Petroquímica
APLA - 26ª Reunião Anual Latino americana de Petroquímica
 
Wolframio
WolframioWolframio
Wolframio
 
Marcos peluso emerson portuguese
Marcos peluso emerson portugueseMarcos peluso emerson portuguese
Marcos peluso emerson portuguese
 
El pebd
El pebd El pebd
El pebd
 
Alexandre lopes braskem portuguese
Alexandre lopes braskem portugueseAlexandre lopes braskem portuguese
Alexandre lopes braskem portuguese
 
Brasken Apresentação 1T15 Português
Brasken Apresentação 1T15 PortuguêsBrasken Apresentação 1T15 Português
Brasken Apresentação 1T15 Português
 
Abm siderurgia para nao siderurgistas
Abm   siderurgia para nao siderurgistasAbm   siderurgia para nao siderurgistas
Abm siderurgia para nao siderurgistas
 
B integração segurança tosi
B integração segurança tosiB integração segurança tosi
B integração segurança tosi
 
Noções básicas sepro cascaes rev
Noções básicas sepro cascaes revNoções básicas sepro cascaes rev
Noções básicas sepro cascaes rev
 
Pronae aula 14
Pronae aula 14Pronae aula 14
Pronae aula 14
 
Braskem day apresentação unidade de petroquímicos básicos - manoel carnaúba
Braskem day   apresentação unidade de petroquímicos básicos - manoel carnaúbaBraskem day   apresentação unidade de petroquímicos básicos - manoel carnaúba
Braskem day apresentação unidade de petroquímicos básicos - manoel carnaúba
 
Braskem day apresentação polímeros - rui chammas
Braskem day   apresentação polímeros - rui chammasBraskem day   apresentação polímeros - rui chammas
Braskem day apresentação polímeros - rui chammas
 
El polietileno
El polietilenoEl polietileno
El polietileno
 
Caso Braskem
Caso BraskemCaso Braskem
Caso Braskem
 

Semelhante a Polietileno

Semelhante a Polietileno (20)

Plastico (3)
Plastico (3)Plastico (3)
Plastico (3)
 
Plastico (5)
Plastico (5)Plastico (5)
Plastico (5)
 
PALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdf
PALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdfPALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdf
PALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdf
 
Plastico (1)
Plastico (1)Plastico (1)
Plastico (1)
 
Plástico - PP
Plástico - PPPlástico - PP
Plástico - PP
 
Plastico (2)
Plastico (2)Plastico (2)
Plastico (2)
 
Material auxiliar plástico ii
Material auxiliar plástico iiMaterial auxiliar plástico ii
Material auxiliar plástico ii
 
Polimeros
PolimerosPolimeros
Polimeros
 
Plásticos
PlásticosPlásticos
Plásticos
 
Seminário de aae
Seminário de aaeSeminário de aae
Seminário de aae
 
Plasticos
PlasticosPlasticos
Plasticos
 
Lixo plastico
Lixo plasticoLixo plastico
Lixo plastico
 
Lixo plástico
Lixo plásticoLixo plástico
Lixo plástico
 
Polímeros Sintéticos
Polímeros SintéticosPolímeros Sintéticos
Polímeros Sintéticos
 
Coleta seletiva etss segurança do trabalho
Coleta seletiva etss segurança do trabalhoColeta seletiva etss segurança do trabalho
Coleta seletiva etss segurança do trabalho
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Reciclagem de garrafas pet apresentação completa
Reciclagem de garrafas pet apresentação  completaReciclagem de garrafas pet apresentação  completa
Reciclagem de garrafas pet apresentação completa
 
Bioplásticos e biopolimeros
Bioplásticos e biopolimerosBioplásticos e biopolimeros
Bioplásticos e biopolimeros
 
Reciclagem de plásticos
Reciclagem de plásticosReciclagem de plásticos
Reciclagem de plásticos
 
Vidro vs. plastico
Vidro vs. plasticoVidro vs. plastico
Vidro vs. plastico
 

Polietileno

  • 1. TRABALHO SOBRE O POLIETILENO Bruna Lopes nº: 10 Roberta Bertolli nº: 18
  • 2. ESTRUTURA O polietileno é quimicamente o polímero mais simples. É representado pela cadeia: (CH2-CH2)n. Devido à sua alta produção mundial, é também o mais barato, sendo um dos tipos de plástico mais comum. É quimicamente inerte. Obtém-se pela polimerização do etileno, de que deriva seu nome. Polimerização: Simplificadamente, uma reação de polimerização pode ser equacionada da seguinte forma: Monômeros:....+ A + A + A + A + .... → Polímero:...-(A-A-A-A)-
  • 3. A abreviatura do polietileno geralmente usada é PE. Os polietilenos podem ser classificados em: PEBD : Polietileno de Baixa Densidade;  Atóxico  Flexível  Leve  Transparente  Inerte (ao conteúdo)  Impermeável  Pouca estabilidade dimensional, mas com processamento fácil  Baixo custo.  PEAD : Polietileno de Alta Densidade.  Resistente a altas temperaturas;  Alta resistência à tensão; compressão; tração;  Baixa densidade em comparação com metais e outros materiais;  Impermeável;  Inerte (ao conteúdo), baixa reatividade;  Atóxico  Pouca estabilidade dimensional  A diferença entre o PEBD e o PEAD é que este tem um baixo nível de ramificações, com alta densidade e altas forças inter-moleculares. A produção de um bom PEAD depende da seleção do catalisador
  • 4. ONDE É ENCONTRADO PEBD:  Bolsas de todo tipo: supermercados, boutiques, panificação, congelados, industriais, etc.;  Embalagem automática de alimentos e produtos industriais: leite, água, plásticos, etc.;  Stretch film;  Garrafas térmicas e outros produtos térmicos;  Frascos: cosméticos, medicamentos e alimentos;  Mangueiras para água; PEAD:  Frascos para: detergentes, shampoo, etc;  Bolsas para supermercados;  Caixotes para peixes, refrigerantes, cervejas;  Frascos para pintura, sorvetes, azeites;  Tambores;  Tubulação para gás, telefonia, água potável, lâminas de drenagem e uso sanitário;  Também é usado para recobrir lagoas, canais, fossas de neutralização, contra-tanques, tanques de água, lagoas artificiais, etc..
  • 5. APLICAÇÕES  Agricultura e Construção Civil:Os tubos e conduites são empregados largamente na construção dentro das instalações elétricas e materiais de acabamento elétrico. Sua flexibilidade é a principal característica. É muito importante para este emprego, pois permite pequenas curvas sem o auxílio de peças adicionais, como no caso do PVC. Em contrapartida possuem baixa resistência mecânica.  Na agricultura os filmes, 'lonas pretas', são muito usados para proteger a safra e para realizar canais de irrigação. É possível fabricar lonas com uma grande largura sem emendas, o que a faz ideal para este fim.  Confecção: O filme extrusado na largura padrão de 1,40 mt. em várias cores e com diferentes tipos de estampas é muito usado na confecção de vários acessórios do lar, como uma cortina para box, uma toalha de mesa, uma capa de máquina, um avental plástico e muitos outros.  Encontramos também como forro de bolsas, malas, sófas e acessórios de moda.  Embalagens: Sacos de lixo de várias cores, sendo o mais comum na cor preta, representa um grande mercado para o polietileno, e aí temos, em função da sua fabricação, dois tipos diferentes de embalagens.
  • 6. CONSUMO MUNDIAL  O polietileno é largamente utilizado no processo de fabricação de garrafas, copos e recepientes. A principal utilização deste processo se encontra na fabricação de garrafas e recepientes plásticos, que é o principal mercado do sopro.  é muito utilizado também no processo de fabricação de recepientes de armazenagem líquida dada as suas características e, para objetos em geral.A injeção por exemplo  Grande parte do polietileno extrusado toma a forma de filmes e películas, levando-se em conta que seu peso específico é bem menor que o PVC e o PS, obtem-se um produto leve e com grande maleabilidade.  As chapas apresenta-se como um produto muito leve e com pouca resistência mecânica, mas que é aumentada modificando-se a estrutura da mesma
  • 7. CONCLUSÃO  A busca por soluções que levem a um plástico descartável ideal vem mobilizando cientistas e ambientalistas há algum tempo. As pesquisas apontam na substituição dos plásticos convencionais por plásticos biodegradáveis e fotodegradáveis, uma vez que segmentos de mercado que apresentam uma grande conscientização da população pela preservação do meio ambiente, se disponibilizam a pagar a mais por um produto não poluidor, resultando daí ganhos ambientais, econômicos e sociais.
  • 8. FIM