Capítulo 1: Introdução

362 visualizações

Publicada em

Monografia de especialização “Intervenção ergonomizadora nos postos de trabalho dos controladores de tráfego aéreo de um aeroporto de pequeno porte”. Página 8 até 11. Mais informações em http://www.eduardobrandao.com/publicacoes/monografia-especializacao/capitulo-1-introducao/

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
362
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
56
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Capítulo 1: Introdução

  1. 1. 1.Introdução Os controladores de tráfego aéreo são uma das categorias mais afetadas pelocrescimento acelerado do sistema de transporte aéreo. As torres de controlecontinuam empregando a mesma quantidade de pessoas em suas equipes, onde osoperadores em questão trabalham em condições desfavoráveis, como longas jornadascontrolando aeronaves em alta velocidade, chegando a monitorar 12 aviões nosperíodos de pico, quando só conseguiria dar conta de no máximo 6. Isto gera umproblema de fadiga nos controladores de tráfego aéreo, podendo causar riscos defalhas de orientação ou acidentes aéreos, pois estes sujeitos precisam observar na telado computador os movimentos das aeronaves e ao mesmo tempo dar instruções eorientações por rádio aos pilotos de aviões, helicópteros e outros locais da segurançade vôo. É possível afirmar que a atividade de controle de vôo requer exigências altas naatenção prolongada, relacionada com uma responsabilidade elevada. Após 4 horas detrabalho, ocorre uma sensível diminuição da capacidade subjetiva de prontidão daprodução, ocasionando um forte aumento da fadiga. Além disso, o controlador detráfego aéreo geralmente não possui assistência médica ou hospitalar, e muitosrequerem suporte psicológico especializado para enfrentar as inúmeras situações detrabalho que provocam estresse. A condição é agravada pela remuneração baixa einexistência de um plano de carreira, o que tem levado muitos deles a procurarem poruma segunda atividade para manter o sustento da família. Essa precariedade decondições de vida e trabalho pode ser classificada como uma situação limite de riscosao bem-estar destes profissionais. O estudo dos postos de trabalho dos controladores de tráfego aéreo de umaeroporto de pequeno porte foi considerado como um tema importante para odesenvolvimento de uma pesquisa sobre a intervenção ergonomizadora em sistemashomem-tarefa-máquina. Estes profissionais desempenham suas tarefas em um ritmo
  2. 2. Intervenção ergonomizadora nos postos de trabalho dos controladores de tráfego aéreo 9de um aeroporto de pequeno porteintenso de trabalho, além de possuírem uma tarefa repetitiva e estressante, onde omenor erro pode custar vidas humanas. Esta pesquisa foi desenvolvida entre março de 2004 e dezembro de 2004,através do LEUI - Laboratório de Ergonomia e Usabilidade de Interfaces em SistemasHumano-Tecnologia, como requisito para a conclusão da Especialização emErgonomia, curso do Programa de Pós-Graduação Lato-Sensu da PontifíciaUniversidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). O estudo realizado insere-se nocampo da ergonomia e usabilidade, utilizando a metodologia de MORAES eMONT`ALVÃO (2003) para a priorização dos problemas encontrados edesenvolvimento de sugestões de melhoria, enfatizando o processo projetual centradono usuário. O capítulo 2, Apreciação ergonômica, apresenta a primeira etapa da pesquisade intervenção ergonomizadora, que consiste em mapear os problemas ergonômicosda empresa estudada (aeroporto de pequeno porte). Realizou-se observações no localde trabalho, entrevistas com os controladores de tráfego aéreo, além de registrosfotográficos e em vídeo, com o objetivo de delimitar os problemas que pudessem serresolvidos sob o foco da ergonomia. São apresentados quadros com a caracterização eposição serial do sistema, a ordenação hierárquica do sistema, a expansão do sistema,a modelagem comunicacional do sistema, além de uma lista com os problemasencontrados. Priorizou-se e consolidou-se estes problemas de acordo com a tabelaG.U.T. (Gravidade x Urgência x Tendência), e desenvolveu-se um quadro de parecerergonômico, onde os principais problemas foram analisados. O capítulo tambémaborda algumas sugestões preliminares de melhoria. O capítulo 3, Diagnose ergonômica, aprofundou os problemas encontradosdurante a apreciação ergonômica. São apresentados registros de frequências,sequências e/ou duração de posturas, tomada de informações, acionamentos,comunicações e/ou deslocamentos dos trabalhadores, gravações em vídeo, entrevistase questionários. Quadros com a caracterização da tarefa, o quadro de atividades e
  3. 3. Intervenção ergonomizadora nos postos de trabalho dos controladores de tráfego aéreo 10de um aeroporto de pequeno portemeios, a ambiência tecnológica dos postos de trabalho, a ambiência física dos postosde trabalho, o perfil dos controladores de tráfego aéreo, a avaliação do local detrabalho, as sugestões de melhoria (dada pelos próprios controladores), outrosaspectos do ambiente de trabalho, a carga mental da tarefa, o fluxograma deatividades, a tabela de atividades, os registros comportamentais, a aplicação dométodo RULA (avaliação de posturas), a aplicação do método NASA (avaliação dacarga mental) e o quadro diagnóstico ergonômico também são apresentados. O capítulo 4, Projetação ergonômica, trata da fase de adaptação das estações detrabalho, equipamentos e ferramentas às características físicas, psíquicas e cognitivasdos controladores de tráfego aéreo. São apresentados o detalhamento do arranjo e daconformação das interfaces, componentes instrumentais, informacionais, acionais,comunicacionais, movimentacionais, espaciais e físico ambientais, terminando com oprojeto ergonômico, ou seja, o conceito do projeto, sua configuração, conformação,perfil e dimensionamento, considerando espaços e estações de trabalho. O capítulo 5, Avaliação, validação e/ou testes ergonômicos, aborda o retornodos controladores de tráfego aéreo do aeroporto de pequeno porte em relação aosargumentos, propostas e alternativas projetuais. São apresentadas simulações eavaliações através de modelos de testes, mock-ups e maquetes, assim como avalidação do projeto pelos próprios operadores do sistema (controladores de tráfegoaéreo). O capítulo 6, Solução de compromisso, apresenta os desdobramentos futurosdesta pesquisa de intervenção ergonomizadora, abordando problemas que não foramsolucionados até o momento, como os vários rádios e telefones funcionando aomesmo tempo, o acionamento repetitivo do botão do rádio, as posturas prejudiciaisdevido à inadequação das cadeiras dos controladores e a eliminação da parede deconcreto na parte da frente da torre de controle.
  4. 4. Intervenção ergonomizadora nos postos de trabalho dos controladores de tráfego aéreo 11de um aeroporto de pequeno porte O capítulo 7, Conclusão, apresenta as considerações finais do trabalho, onde osproponentes da pesquisa acreditam que o objetivo do trabalho foi completamenteatingido, pois a metodologia proposta por MORAES e MONT`ALVÃO (2003) foiaprendida e apreendida, capacitando os alunos para a aplicação das etapas deapreciação ergonômica, diagnose ergonômica, projetação ergonômica e validaçãoergonômica durante a realização de futuros trabalhos na área de ergonomia.

×