SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Baixar para ler offline
Da Antigüidade ao
   século XIX
  Breve histórico dos
  estudos lingüísticos
Da Antigüidade ao século XIX:
  breve histórico dos estudos lingüísticos




Problema essencial:
  a língua é natural ou
      convencional?
Da Antigüidade ao século XIX:
        breve histórico dos estudos lingüísticos




Corrente Naturalista
 Todas as palavras são apropriadas por
natureza às coisas que significam;
 Mesmo que isso não pudesse ser
evidenciado, cabia aos filósofos demonstrar
essa relação;
  Prática da etimologia: ao se estabelecer a
origem de uma palavra, chegar-se-ia ao seu
“verdadeiro” significado, como forma de
revelação de uma das verdades da
“natureza”.
Da Antigüidade ao século XIX:
        breve histórico dos estudos lingüísticos




Corrente Convencionalista
  A língua é o resultado do costume e
da tradição (contrato social entre
os membros da comunidade).
Da Antigüidade ao século XIX:
     breve histórico dos estudos lingüísticos




  Tanto o naturalismo quanto o
 convencionalismo contribuíram
  para a formação da gramática,
    porém os fundamentos da
gramática tradicional devem-se aos
    estudos etimológicos dos
            naturalistas.
Da Antigüidade ao século XIX:
    breve histórico dos estudos lingüísticos




       Lingüística
Como uma ciência é recente
 (séc. XX), mas os estudos
sobre a linguagem humana
        são antigos.
Modernidade
                                                   Método lingüísitico
                                                   diacrônico e a árvore
                                                   genealógica de línguas
                    Idade Média
                    Manutenção geral e
                    inovações pontuais




                                    Renascença
                                    Do erro do Hebreu
                                    como língua primeira à
                                    Gramática Geral e
                                    Racional de Port-Royal
Antigüidade
Iniciativas lingüísticas e
Gramática Tradicional
Da Antigüidade ao século XIX:
        breve histórico dos estudos lingüísticos


  ANTIGÜIDADE 1/5

Hindus
Estudaram o sânscrito por motivos religiosos
                                                                 Modernidade
(hinos védicos – livro Veda)
                                                   Renascença


Gramática de Panini
(SÉC. IV a.C): 4000 regras!                                      Idade Média




                                                   Antigüidade
Gregos
Estudaram a própria língua por motivos
estéticos, filosóficos e literários;
 - “bárbaro”: piar dos pássaros;
Da Antigüidade ao século XIX:
        breve histórico dos estudos lingüísticos


  ANTIGÜIDADE 2/5

Origem da Gramática Tradicional:

      A Arte de Escrever                                         Modernidade



                                                   Renascença

  Dionísio da Trácia (séc. II a.C):
1a gramática grega;                                              Idade Média

Dupla finalidade: (i) estabelecer e explicar a
língua dos autores clássicos e (ii) preservar a    Antigüidade

língua grega da “corrupção” por parte dos
“ignorantes e iletrados”.
Da Antigüidade ao século XIX:
       breve histórico dos estudos lingüísticos


 ANTIGÜIDADE 3/5

 Erro clássico: não distinguir língua escrita
de língua falada;
 A língua falada era considerada derivante e                    Modernidade

                      2/5
dependente da língua escrita;
                                                  Renascença
  A língua dos escritores do séc. V a.C. era
considerada mais “correta” do que a fala
coloquial;                                                      Idade Média


 Dois princípios que reinavam nesta época
                                                  Antigüidade
perduram por mais de 2 mil anos:
pureza e correção = preconceito.
Da Antigüidade ao século XIX:
       breve histórico dos estudos lingüísticos


 ANTIGÜIDADE 4/5

 Romanos
Herdaram a tradição grega e não se
interessaram, como os gregos, por estudar a                     Modernidade

língua do povo ou dos seus vizinhos.
                                                  Renascença




 Varrão                                                         Idade Média

Séc. I a.C.: 1a gramática latina
(diferenciou flexão de derivação).                Antigüidade
Da Antigüidade ao século XIX:
       breve histórico dos estudos lingüísticos


 ANTIGÜIDADE 5/5

  Gramática Latina Padrão
  Composta de 3 partes:
                                                                Modernidade
   1ª – definição de gramática como a arte de
falar corretamente e de compreender os
                                                  Renascença
poetas. Tratava também das letras e das
sílabas;
                                                                Idade Média
  2ª – tratava das “partes do discurso” e suas
variações segundo, tempo, gênero, número,
                                                  Antigüidade
caso;
  3ª – discussão sobre o bom e o mau estilo,
advertências contra erros e barbarismos.
Da Antigüidade ao século XIX:
              breve histórico dos estudos lingüísticos


       IDADE MÉDIA 1/2


     Manutenção das concepções
     da Antigüidade                                                       Modernidade



                                                            Renascença
   Tradução da bíblia em                Dante (De
gótico (séc. IV), em armênio          vulgari eloquentia,
(séc. V) e em eslavo (séc.            1301): distinguiu                   Idade Média
IX), embora isso não tenha            14 formas de
gerado reflexões sérias a             dialetos italianos    Antigüidade
respeito das semelhanças e
diferenças entre as línguas
     SIL (Summer Institute of            Surgimento das
     Linguistics séc. XX-XXI)         línguas nacionais
                                      (vernáculos)
Da Antigüidade ao século XIX:
     breve histórico dos estudos lingüísticos


IDADE MÉDIA 2/2




                  Latim                                       Modernidade



 Língua dominante, presente na                  Renascença

  liturgia, nas Escrituras, língua
     universal da diplomacia e                                Idade Média

             da erudição.
                                                Antigüidade
Da Antigüidade ao século XIX:
         breve histórico dos estudos lingüísticos


   RENASCENÇA - FINAL DO SÉC. XVIII 1/4



 O estudo lingüístico levado a sério
                                                                    Modernidade



  Literaturas                Grego: divulga-se pela   Renascença
nacionais                 Itália graças à expulsão
                          dos bizantinos de
 Expansão                 Constantinopla                            Idade Média


marítimo-comercial
                             Controvérsias            Antigüidade

  Desenvolvimento         teológicas: tradução dos
dos tipos de              livros sagrados em várias
impressão                 línguas
Da Antigüidade ao século XIX:
     breve histórico dos estudos lingüísticos


RENASCENÇA - FINAL DO SÉC. XVIII 2/4



  Classificação das línguas: critério geográfico
aplicado em dicionários multilíngües e coleções                  Modernidade
de textos (Pater Noster) traduzidos em
diversas línguas.                                  Renascença



  Séc. XVI
Famílias lingüísticas: método de classificação                   Idade Média

de línguas segundo uma origem comum
                                                   Antigüidade

  Erros: > não usar documentos
             > considerar o hebraico (Velho
         Testamento) como língua primeira
Da Antigüidade ao século XIX:
     breve histórico dos estudos lingüísticos


RENASCENÇA - FINAL DO SÉC. XVIII 3/4



  José-Justo Escalígero: línguas-tronco
           Boge, Godt, Deus e Téos                             Modernidade
   (eslavas, germânicas, românicas e grego)
                                                 Renascença
  Séc. XVIII
Leibniz nega a hipótese do hebraico e propõe o
estudo de documentos antigos, comparando-os                    Idade Média

com as línguas modernas
                                                 Antigüidade
Da Antigüidade ao século XIX:
     breve histórico dos estudos lingüísticos


RENASCENÇA - FINAL DO SÉC. XVIII 4/4



 Grammaire Génerale et Raisonné de Port-
Royal (1660)                                                                        Modernidade
Conteúdo prático e formato cômodo
Concepção cartesiana                                                  Renascença
           “que confia de modo irrestrito e exclusivo na capacidade
           cognitiva da razão, mas limitando-se às explicações
           mecânicas, simplificadoras, que são inadequadas à
                                                                                    Idade Média
           compreensão da realidade”


A linguagem é imagem do pensamento                                    Antigüidade



  Raciocíno lingüístico perigosamente abstrato
Da Antigüidade ao século XIX:
         breve histórico dos estudos lingüísticos


   MODERNIDADE - SÉC XIX 1/8



 A formação do Método Lingüísitco
                                                                  Modernidade



  Com a descoberta do SÂNSCRITO (língua             Renascença
sagrada na Índia) e de sua descrição em fins
do séc. XVIII, os estudos comparatistas
passaram a ter o objetivo de identificar as                       Idade Média


famílias de línguas e nos mostraram ser a
mudança lingüística um processo regular,            Antigüidade

universal e constante

   A semelhança entre o SÂNSCRITO e as
línguas européias: indo-europeu
Da Antigüidade ao século XIX:
        breve histórico dos estudos lingüísticos


  MODERNIDADE - SÉC XIX 2/8


   Semelhança entre o sânscrto e as línguas
 européias
                                                                 Modernidade


com o            com o             com o
ITALIANO         LATIM             GREGO           Renascença




                                                                 Idade Média
sas/sei          dana/donum        asmi/eimi
sapta/sette      vidhava/vidua
                                                   Antigüidade
astau/otto
nava/nova
deva/dio
sarpa/serpe
Da Antigüidade ao século XIX:
      breve histórico dos estudos lingüísticos


MODERNIDADE - SÉC XIX 3/8



  Método Comparativo
                                                               Modernidade

“Sobre a língua e a sabedoria dos hindus”
- trata do parentesco entre o sânscrito, o       Renascença

latim, o grego, o germânico e o persa.
                                                               Idade Média




                                                 Antigüidade
Da Antigüidade ao século XIX:
      breve histórico dos estudos lingüísticos


MODERNIDADE - SÉC XIX 4/8

FRANZ BOPP (1816)
Fundou a gramática comparada das línguas
indo-européias (sânscrito, persa, grego,
                                                               Modernidade
latim, lituano, gótico e alemão) em

RASMUS RASK (1814-1818)                          Renascença

Línguas germânicas, grego, latim, báltico e
eslavo - estudo sistemático, mas não levou                     Idade Média
em conta o sânscritos
                                                 Antigüidade
JACOB GRIMM
Lei de Grimm - é o primeiro modelo das leis
fonéticas, traduzindo a regularidade das
transformações sonoras da linguagem ao
longo da história
Da Antigüidade ao século XIX:
     breve histórico dos estudos lingüísticos


MODERNIDADE - SÉC XIX 5/8



  Gramática ou Lingüísitica
  Histórico-Comparativa                                       Modernidade



Distanciamento da Filologia Clássica (“boa      Renascença

linguagem e boa literatura”), por esta
menosprezar formas de modernas e                              Idade Média
línguas orientais.
Shleicher: botânico e lingüista - alíngua é     Antigüidade

um organismo vivo, que independente da
vontade humana, nasce, cresce e morre
(mito da independência)
Da Antigüidade ao século XIX:
     breve histórico dos estudos lingüísticos


MODERNIDADE - SÉC XIX 6/8



  Gramática ou Lingüísitica
  Histórico-Comparativa                                       Modernidade



Método de Reconstrução Comparada:               Renascença

protolíngua (língua-mãe)
                                                              Idade Média
Método rigoroso de análise
                                                Antigüidade

Árvore genealógica
Da Antigüidade ao século XIX:
           breve histórico dos estudos lingüísticos


      MODERNIDADE - SÉC XIX 7/8


       Método Histórico-Comparativo
      Estudo dos cognatos: protolíngua (língua-
      mãe)                                                           Modernidade



LATIM       FRANCÊS   ITALIANO   ESPANHOL   PORTUGÊS
                                                       Renascença


caballus cheval       cavallo    caballo    cavalo
                                                                     Idade Média

oto         huit      otto       ocho       oito
                                                       Antigüidade

causa       chose     cosa       cosa       coisa
Da Antigüidade ao século XIX:
     breve histórico dos estudos lingüísticos


MODERNIDADE - SÉC XIX 8/8




                                                              Modernidade

  Teoria da Árvore Genealógica
                   (ir ao próximo slide)        Renascença




                                                              Idade Média




                                                Antigüidade
INDO-EUROPEU




                                              ário-greco-
germânico              balto-eslavo
                                              ítalo-céltico




                         ariano                                       greco-ítalo-céltico




            iraniano                  hindu                   grego                   Ítalo-céltico
Modernidade



Renascença




              Idade Média




Antigüidade

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Parte 2 linguística geral saussure - apresentação
Parte 2   linguística geral saussure - apresentaçãoParte 2   linguística geral saussure - apresentação
Parte 2 linguística geral saussure - apresentaçãoMariana Correia
 
Ensino da lingua portuguesa
Ensino da  lingua portuguesaEnsino da  lingua portuguesa
Ensino da lingua portuguesaGerdian Teixeira
 
Paradigma e sintagma
Paradigma e sintagmaParadigma e sintagma
Paradigma e sintagmaJoão da Mata
 
Concepções de linguagem e sua implicação para o ensino de línguas.
Concepções de linguagem e sua implicação para o ensino de línguas. Concepções de linguagem e sua implicação para o ensino de línguas.
Concepções de linguagem e sua implicação para o ensino de línguas. Ailton Moreira
 
C. Bombardelli - Curso de Latim (versão 1)
C. Bombardelli - Curso de Latim (versão 1)C. Bombardelli - Curso de Latim (versão 1)
C. Bombardelli - Curso de Latim (versão 1)Clovis Bombardelli
 
Parte 1 linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentaçãoParte 1   linguística geral apresentação
Parte 1 linguística geral apresentaçãoMariana Correia
 
O funcionalismo linguistico
O funcionalismo linguisticoO funcionalismo linguistico
O funcionalismo linguisticoFrancione Brito
 
Parte 2 linguística geral chomsky - apresentação 2012
Parte 2   linguística geral chomsky - apresentação 2012Parte 2   linguística geral chomsky - apresentação 2012
Parte 2 linguística geral chomsky - apresentação 2012Mariana Correia
 
7243986 weedwood-barbara-historia-concisa-da-linguistica-110121222407-phpapp01
7243986 weedwood-barbara-historia-concisa-da-linguistica-110121222407-phpapp017243986 weedwood-barbara-historia-concisa-da-linguistica-110121222407-phpapp01
7243986 weedwood-barbara-historia-concisa-da-linguistica-110121222407-phpapp01Academia Nova Stylo
 
Introdução a alguns conceitos da Teoria Gerativa
Introdução a alguns conceitos da Teoria GerativaIntrodução a alguns conceitos da Teoria Gerativa
Introdução a alguns conceitos da Teoria GerativaMárcio Leitão
 

Mais procurados (20)

Parte 2 linguística geral saussure - apresentação
Parte 2   linguística geral saussure - apresentaçãoParte 2   linguística geral saussure - apresentação
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação
 
Variação e Ensino de Língua Portuguesa
Variação e Ensino de Língua PortuguesaVariação e Ensino de Língua Portuguesa
Variação e Ensino de Língua Portuguesa
 
Ensino da lingua portuguesa
Ensino da  lingua portuguesaEnsino da  lingua portuguesa
Ensino da lingua portuguesa
 
Estruturalismo - Introdução à Linguística
Estruturalismo - Introdução à LinguísticaEstruturalismo - Introdução à Linguística
Estruturalismo - Introdução à Linguística
 
Gerativismo
GerativismoGerativismo
Gerativismo
 
Paradigma e sintagma
Paradigma e sintagmaParadigma e sintagma
Paradigma e sintagma
 
Sociolinguística
SociolinguísticaSociolinguística
Sociolinguística
 
Sociolinguística
SociolinguísticaSociolinguística
Sociolinguística
 
Linguistica aplicada
Linguistica aplicadaLinguistica aplicada
Linguistica aplicada
 
Concepções de linguagem e sua implicação para o ensino de línguas.
Concepções de linguagem e sua implicação para o ensino de línguas. Concepções de linguagem e sua implicação para o ensino de línguas.
Concepções de linguagem e sua implicação para o ensino de línguas.
 
C. Bombardelli - Curso de Latim (versão 1)
C. Bombardelli - Curso de Latim (versão 1)C. Bombardelli - Curso de Latim (versão 1)
C. Bombardelli - Curso de Latim (versão 1)
 
Parte 1 linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentaçãoParte 1   linguística geral apresentação
Parte 1 linguística geral apresentação
 
O funcionalismo linguistico
O funcionalismo linguisticoO funcionalismo linguistico
O funcionalismo linguistico
 
Parte 2 linguística geral chomsky - apresentação 2012
Parte 2   linguística geral chomsky - apresentação 2012Parte 2   linguística geral chomsky - apresentação 2012
Parte 2 linguística geral chomsky - apresentação 2012
 
Linguística textual
Linguística textualLinguística textual
Linguística textual
 
7243986 weedwood-barbara-historia-concisa-da-linguistica-110121222407-phpapp01
7243986 weedwood-barbara-historia-concisa-da-linguistica-110121222407-phpapp017243986 weedwood-barbara-historia-concisa-da-linguistica-110121222407-phpapp01
7243986 weedwood-barbara-historia-concisa-da-linguistica-110121222407-phpapp01
 
Semântica pragmática
Semântica pragmáticaSemântica pragmática
Semântica pragmática
 
Introdução a alguns conceitos da Teoria Gerativa
Introdução a alguns conceitos da Teoria GerativaIntrodução a alguns conceitos da Teoria Gerativa
Introdução a alguns conceitos da Teoria Gerativa
 
Lingua e-linguagem2
Lingua e-linguagem2Lingua e-linguagem2
Lingua e-linguagem2
 
Gerativismo
GerativismoGerativismo
Gerativismo
 

Destaque

Dos componentes de_uma_descrição_gramatical_aos_eixos_paradigmático_e_sintagm...
Dos componentes de_uma_descrição_gramatical_aos_eixos_paradigmático_e_sintagm...Dos componentes de_uma_descrição_gramatical_aos_eixos_paradigmático_e_sintagm...
Dos componentes de_uma_descrição_gramatical_aos_eixos_paradigmático_e_sintagm...ADRIANA BECKER
 
Introdução aos estudos linguísticos
Introdução aos estudos linguísticosIntrodução aos estudos linguísticos
Introdução aos estudos linguísticosAna Cristina Ramos
 
Comunicando com efetividade com Comunicação não violenta
Comunicando com efetividade com Comunicação não violentaComunicando com efetividade com Comunicação não violenta
Comunicando com efetividade com Comunicação não violentaGiovanni Bassi
 
Lingüística aplicada
Lingüística aplicadaLingüística aplicada
Lingüística aplicadaADRIANA BECKER
 
Pauta 6º encontro
Pauta 6º encontroPauta 6º encontro
Pauta 6º encontroLuciana
 
Patrimônio cultural
Patrimônio culturalPatrimônio cultural
Patrimônio culturalPaulo Gomes
 
Parte 2 a lingua_para_chomsky, Ivani Viotti
Parte 2 a lingua_para_chomsky, Ivani ViottiParte 2 a lingua_para_chomsky, Ivani Viotti
Parte 2 a lingua_para_chomsky, Ivani ViottiMariana Correia
 
Parte1 - O que é linguística? Ivani Viotti
Parte1 - O que é linguística? Ivani ViottiParte1 - O que é linguística? Ivani Viotti
Parte1 - O que é linguística? Ivani ViottiMariana Correia
 
Manual winthor parametrização contábil
Manual winthor   parametrização contábilManual winthor   parametrização contábil
Manual winthor parametrização contábilEvandro Felicio.'.
 
Vygotsky pensamento e linguagem
Vygotsky   pensamento e linguagemVygotsky   pensamento e linguagem
Vygotsky pensamento e linguagemClaudio Santos
 

Destaque (20)

Dos componentes de_uma_descrição_gramatical_aos_eixos_paradigmático_e_sintagm...
Dos componentes de_uma_descrição_gramatical_aos_eixos_paradigmático_e_sintagm...Dos componentes de_uma_descrição_gramatical_aos_eixos_paradigmático_e_sintagm...
Dos componentes de_uma_descrição_gramatical_aos_eixos_paradigmático_e_sintagm...
 
Introdução aos estudos linguísticos
Introdução aos estudos linguísticosIntrodução aos estudos linguísticos
Introdução aos estudos linguísticos
 
Comunicando com efetividade com Comunicação não violenta
Comunicando com efetividade com Comunicação não violentaComunicando com efetividade com Comunicação não violenta
Comunicando com efetividade com Comunicação não violenta
 
Maria cecília mollica
Maria cecília mollicaMaria cecília mollica
Maria cecília mollica
 
Lingüística aplicada
Lingüística aplicadaLingüística aplicada
Lingüística aplicada
 
Limites sentido Parte I
Limites sentido Parte ILimites sentido Parte I
Limites sentido Parte I
 
Questionário socioeconômico
Questionário socioeconômicoQuestionário socioeconômico
Questionário socioeconômico
 
Exercício frase othon_garcia
Exercício frase othon_garciaExercício frase othon_garcia
Exercício frase othon_garcia
 
Questionário socioeconômico
Questionário socioeconômicoQuestionário socioeconômico
Questionário socioeconômico
 
Historia dos estudos_linguisticos
Historia dos estudos_linguisticosHistoria dos estudos_linguisticos
Historia dos estudos_linguisticos
 
Pauta 6º encontro
Pauta 6º encontroPauta 6º encontro
Pauta 6º encontro
 
Patrimônio cultural
Patrimônio culturalPatrimônio cultural
Patrimônio cultural
 
Aula 5 diário
Aula 5 diárioAula 5 diário
Aula 5 diário
 
Linguagem e pensamento
Linguagem e pensamentoLinguagem e pensamento
Linguagem e pensamento
 
Parte 2 a lingua_para_chomsky, Ivani Viotti
Parte 2 a lingua_para_chomsky, Ivani ViottiParte 2 a lingua_para_chomsky, Ivani Viotti
Parte 2 a lingua_para_chomsky, Ivani Viotti
 
Parte1 - O que é linguística? Ivani Viotti
Parte1 - O que é linguística? Ivani ViottiParte1 - O que é linguística? Ivani Viotti
Parte1 - O que é linguística? Ivani Viotti
 
Manual winthor parametrização contábil
Manual winthor   parametrização contábilManual winthor   parametrização contábil
Manual winthor parametrização contábil
 
Apostila winthor básico
Apostila winthor básicoApostila winthor básico
Apostila winthor básico
 
Vygotsky pensamento e linguagem
Vygotsky   pensamento e linguagemVygotsky   pensamento e linguagem
Vygotsky pensamento e linguagem
 
Introdução aos estudos históricos
Introdução aos estudos históricosIntrodução aos estudos históricos
Introdução aos estudos históricos
 

Semelhante a Historia dos Estudos Linguisticos

Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Lurdes Augusto
 
Língua-latina-parte-histórica-
Língua-latina-parte-histórica-Língua-latina-parte-histórica-
Língua-latina-parte-histórica-Fernanda Oliveira
 
História da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universalHistória da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universalheleira02
 
Renascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e ClassicismoRenascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e ClassicismoTeresa Pombo
 
Palestra: A leitura e suas práticas
Palestra: A leitura e suas práticasPalestra: A leitura e suas práticas
Palestra: A leitura e suas práticasLuiz Agner
 
Sobre a língua grega
Sobre a língua gregaSobre a língua grega
Sobre a língua gregacesarmrios
 
MELO, Iran Ferreira de. As contribuições da linguística para o ensino de líng...
MELO, Iran Ferreira de. As contribuições da linguística para o ensino de líng...MELO, Iran Ferreira de. As contribuições da linguística para o ensino de líng...
MELO, Iran Ferreira de. As contribuições da linguística para o ensino de líng...Junior Ferreira
 
PRINCÍPIOS GERAIS EM LINGUÍSTICA
PRINCÍPIOS GERAIS EM LINGUÍSTICAPRINCÍPIOS GERAIS EM LINGUÍSTICA
PRINCÍPIOS GERAIS EM LINGUÍSTICAAngela Araujo
 
O Quinhentismo
O QuinhentismoO Quinhentismo
O Quinhentismohsjval
 
Panorama Da BíBlia Modulo 1 Bloco De Notas
Panorama Da BíBlia Modulo 1   Bloco De NotasPanorama Da BíBlia Modulo 1   Bloco De Notas
Panorama Da BíBlia Modulo 1 Bloco De Notasfogotv
 

Semelhante a Historia dos Estudos Linguisticos (20)

Evolucion Latin
Evolucion LatinEvolucion Latin
Evolucion Latin
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca
 
História da língua portuguesa
História da língua portuguesaHistória da língua portuguesa
História da língua portuguesa
 
Língua-latina-parte-histórica-
Língua-latina-parte-histórica-Língua-latina-parte-histórica-
Língua-latina-parte-histórica-
 
História da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universalHistória da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universal
 
Historia da escrita e da leitura ai
Historia da escrita e da leitura aiHistoria da escrita e da leitura ai
Historia da escrita e da leitura ai
 
Hist l port
Hist l portHist l port
Hist l port
 
Renascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e ClassicismoRenascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e Classicismo
 
Palestra: A leitura e suas práticas
Palestra: A leitura e suas práticasPalestra: A leitura e suas práticas
Palestra: A leitura e suas práticas
 
INTRODUÇÃO À LITERATURA
INTRODUÇÃO À LITERATURAINTRODUÇÃO À LITERATURA
INTRODUÇÃO À LITERATURA
 
Sobre a língua grega
Sobre a língua gregaSobre a língua grega
Sobre a língua grega
 
Latim tardio 2012
Latim tardio 2012Latim tardio 2012
Latim tardio 2012
 
MELO, Iran Ferreira de. As contribuições da linguística para o ensino de líng...
MELO, Iran Ferreira de. As contribuições da linguística para o ensino de líng...MELO, Iran Ferreira de. As contribuições da linguística para o ensino de líng...
MELO, Iran Ferreira de. As contribuições da linguística para o ensino de líng...
 
Princípios gerais
Princípios geraisPrincípios gerais
Princípios gerais
 
Santos, a.
Santos, a.Santos, a.
Santos, a.
 
PRINCÍPIOS GERAIS EM LINGUÍSTICA
PRINCÍPIOS GERAIS EM LINGUÍSTICAPRINCÍPIOS GERAIS EM LINGUÍSTICA
PRINCÍPIOS GERAIS EM LINGUÍSTICA
 
01d17t01
01d17t0101d17t01
01d17t01
 
O Quinhentismo
O QuinhentismoO Quinhentismo
O Quinhentismo
 
Escrita
EscritaEscrita
Escrita
 
Panorama Da BíBlia Modulo 1 Bloco De Notas
Panorama Da BíBlia Modulo 1   Bloco De NotasPanorama Da BíBlia Modulo 1   Bloco De Notas
Panorama Da BíBlia Modulo 1 Bloco De Notas
 

Último

UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................mariagrave
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaREGIANELAURALOUREIRO1
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaCentro Jacques Delors
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)Centro Jacques Delors
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 

Último (20)

UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 

Historia dos Estudos Linguisticos

  • 1. Da Antigüidade ao século XIX Breve histórico dos estudos lingüísticos
  • 2. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos Problema essencial: a língua é natural ou convencional?
  • 3. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos Corrente Naturalista Todas as palavras são apropriadas por natureza às coisas que significam; Mesmo que isso não pudesse ser evidenciado, cabia aos filósofos demonstrar essa relação; Prática da etimologia: ao se estabelecer a origem de uma palavra, chegar-se-ia ao seu “verdadeiro” significado, como forma de revelação de uma das verdades da “natureza”.
  • 4. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos Corrente Convencionalista A língua é o resultado do costume e da tradição (contrato social entre os membros da comunidade).
  • 5. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos Tanto o naturalismo quanto o convencionalismo contribuíram para a formação da gramática, porém os fundamentos da gramática tradicional devem-se aos estudos etimológicos dos naturalistas.
  • 6. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos Lingüística Como uma ciência é recente (séc. XX), mas os estudos sobre a linguagem humana são antigos.
  • 7. Modernidade Método lingüísitico diacrônico e a árvore genealógica de línguas Idade Média Manutenção geral e inovações pontuais Renascença Do erro do Hebreu como língua primeira à Gramática Geral e Racional de Port-Royal Antigüidade Iniciativas lingüísticas e Gramática Tradicional
  • 8. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos ANTIGÜIDADE 1/5 Hindus Estudaram o sânscrito por motivos religiosos Modernidade (hinos védicos – livro Veda) Renascença Gramática de Panini (SÉC. IV a.C): 4000 regras! Idade Média Antigüidade Gregos Estudaram a própria língua por motivos estéticos, filosóficos e literários; - “bárbaro”: piar dos pássaros;
  • 9. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos ANTIGÜIDADE 2/5 Origem da Gramática Tradicional: A Arte de Escrever Modernidade Renascença Dionísio da Trácia (séc. II a.C): 1a gramática grega; Idade Média Dupla finalidade: (i) estabelecer e explicar a língua dos autores clássicos e (ii) preservar a Antigüidade língua grega da “corrupção” por parte dos “ignorantes e iletrados”.
  • 10. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos ANTIGÜIDADE 3/5 Erro clássico: não distinguir língua escrita de língua falada; A língua falada era considerada derivante e Modernidade 2/5 dependente da língua escrita; Renascença A língua dos escritores do séc. V a.C. era considerada mais “correta” do que a fala coloquial; Idade Média Dois princípios que reinavam nesta época Antigüidade perduram por mais de 2 mil anos: pureza e correção = preconceito.
  • 11. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos ANTIGÜIDADE 4/5 Romanos Herdaram a tradição grega e não se interessaram, como os gregos, por estudar a Modernidade língua do povo ou dos seus vizinhos. Renascença Varrão Idade Média Séc. I a.C.: 1a gramática latina (diferenciou flexão de derivação). Antigüidade
  • 12. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos ANTIGÜIDADE 5/5 Gramática Latina Padrão Composta de 3 partes: Modernidade 1ª – definição de gramática como a arte de falar corretamente e de compreender os Renascença poetas. Tratava também das letras e das sílabas; Idade Média 2ª – tratava das “partes do discurso” e suas variações segundo, tempo, gênero, número, Antigüidade caso; 3ª – discussão sobre o bom e o mau estilo, advertências contra erros e barbarismos.
  • 13. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos IDADE MÉDIA 1/2 Manutenção das concepções da Antigüidade Modernidade Renascença Tradução da bíblia em Dante (De gótico (séc. IV), em armênio vulgari eloquentia, (séc. V) e em eslavo (séc. 1301): distinguiu Idade Média IX), embora isso não tenha 14 formas de gerado reflexões sérias a dialetos italianos Antigüidade respeito das semelhanças e diferenças entre as línguas SIL (Summer Institute of Surgimento das Linguistics séc. XX-XXI) línguas nacionais (vernáculos)
  • 14. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos IDADE MÉDIA 2/2 Latim Modernidade Língua dominante, presente na Renascença liturgia, nas Escrituras, língua universal da diplomacia e Idade Média da erudição. Antigüidade
  • 15. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos RENASCENÇA - FINAL DO SÉC. XVIII 1/4 O estudo lingüístico levado a sério Modernidade Literaturas Grego: divulga-se pela Renascença nacionais Itália graças à expulsão dos bizantinos de Expansão Constantinopla Idade Média marítimo-comercial Controvérsias Antigüidade Desenvolvimento teológicas: tradução dos dos tipos de livros sagrados em várias impressão línguas
  • 16. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos RENASCENÇA - FINAL DO SÉC. XVIII 2/4 Classificação das línguas: critério geográfico aplicado em dicionários multilíngües e coleções Modernidade de textos (Pater Noster) traduzidos em diversas línguas. Renascença Séc. XVI Famílias lingüísticas: método de classificação Idade Média de línguas segundo uma origem comum Antigüidade Erros: > não usar documentos > considerar o hebraico (Velho Testamento) como língua primeira
  • 17. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos RENASCENÇA - FINAL DO SÉC. XVIII 3/4 José-Justo Escalígero: línguas-tronco Boge, Godt, Deus e Téos Modernidade (eslavas, germânicas, românicas e grego) Renascença Séc. XVIII Leibniz nega a hipótese do hebraico e propõe o estudo de documentos antigos, comparando-os Idade Média com as línguas modernas Antigüidade
  • 18. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos RENASCENÇA - FINAL DO SÉC. XVIII 4/4 Grammaire Génerale et Raisonné de Port- Royal (1660) Modernidade Conteúdo prático e formato cômodo Concepção cartesiana Renascença “que confia de modo irrestrito e exclusivo na capacidade cognitiva da razão, mas limitando-se às explicações mecânicas, simplificadoras, que são inadequadas à Idade Média compreensão da realidade” A linguagem é imagem do pensamento Antigüidade Raciocíno lingüístico perigosamente abstrato
  • 19. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos MODERNIDADE - SÉC XIX 1/8 A formação do Método Lingüísitco Modernidade Com a descoberta do SÂNSCRITO (língua Renascença sagrada na Índia) e de sua descrição em fins do séc. XVIII, os estudos comparatistas passaram a ter o objetivo de identificar as Idade Média famílias de línguas e nos mostraram ser a mudança lingüística um processo regular, Antigüidade universal e constante A semelhança entre o SÂNSCRITO e as línguas européias: indo-europeu
  • 20. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos MODERNIDADE - SÉC XIX 2/8 Semelhança entre o sânscrto e as línguas européias Modernidade com o com o com o ITALIANO LATIM GREGO Renascença Idade Média sas/sei dana/donum asmi/eimi sapta/sette vidhava/vidua Antigüidade astau/otto nava/nova deva/dio sarpa/serpe
  • 21. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos MODERNIDADE - SÉC XIX 3/8 Método Comparativo Modernidade “Sobre a língua e a sabedoria dos hindus” - trata do parentesco entre o sânscrito, o Renascença latim, o grego, o germânico e o persa. Idade Média Antigüidade
  • 22. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos MODERNIDADE - SÉC XIX 4/8 FRANZ BOPP (1816) Fundou a gramática comparada das línguas indo-européias (sânscrito, persa, grego, Modernidade latim, lituano, gótico e alemão) em RASMUS RASK (1814-1818) Renascença Línguas germânicas, grego, latim, báltico e eslavo - estudo sistemático, mas não levou Idade Média em conta o sânscritos Antigüidade JACOB GRIMM Lei de Grimm - é o primeiro modelo das leis fonéticas, traduzindo a regularidade das transformações sonoras da linguagem ao longo da história
  • 23. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos MODERNIDADE - SÉC XIX 5/8 Gramática ou Lingüísitica Histórico-Comparativa Modernidade Distanciamento da Filologia Clássica (“boa Renascença linguagem e boa literatura”), por esta menosprezar formas de modernas e Idade Média línguas orientais. Shleicher: botânico e lingüista - alíngua é Antigüidade um organismo vivo, que independente da vontade humana, nasce, cresce e morre (mito da independência)
  • 24. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos MODERNIDADE - SÉC XIX 6/8 Gramática ou Lingüísitica Histórico-Comparativa Modernidade Método de Reconstrução Comparada: Renascença protolíngua (língua-mãe) Idade Média Método rigoroso de análise Antigüidade Árvore genealógica
  • 25. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos MODERNIDADE - SÉC XIX 7/8 Método Histórico-Comparativo Estudo dos cognatos: protolíngua (língua- mãe) Modernidade LATIM FRANCÊS ITALIANO ESPANHOL PORTUGÊS Renascença caballus cheval cavallo caballo cavalo Idade Média oto huit otto ocho oito Antigüidade causa chose cosa cosa coisa
  • 26. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos MODERNIDADE - SÉC XIX 8/8 Modernidade Teoria da Árvore Genealógica (ir ao próximo slide) Renascença Idade Média Antigüidade
  • 27. INDO-EUROPEU ário-greco- germânico balto-eslavo ítalo-céltico ariano greco-ítalo-céltico iraniano hindu grego Ítalo-céltico
  • 28.
  • 29. Modernidade Renascença Idade Média Antigüidade