Educação Social (pós-laboral) 2007/2008 Educação Social – Teorias e Práticas  Docentes: Cristina Maia Marianela Ferreira D...
Exclusão Social – comunidade cigana
<ul><li>A  exclusão social  corresponde a uma situação de falta de acesso às oportunidades oferecidas pela sociedade aos s...
<ul><li>A  exclusão social  pode ser exprimida em seis dimensões principais do quotidiano dos indivíduos, ao nível: </li><...
<ul><ul><li>Exclusão de tipo económico:  entendida como uma situação de privação múltipla por falta de recursos. Esta form...
<ul><ul><li>Exclusão por comportamentos auto-destrutivos:  como a toxicodependência, o alcoolismo e a prostituição. Alguns...
 
<ul><li>Habitação: </li></ul>
 
 
<ul><li>Segundo Glória Pérez Serrano  “a Educação Social é uma acção sistemática e fundamentada de suporte, mediação e tra...
Equipa multidisciplinar  -  trabalho de terreno com  um projecto de intervenção para contribuir para a resolução de determ...
Controlo social  -  não só indicar um conjunto de procedimentos a seguir como também mostrá-los ao indivíduo de forma a en...
Para Zavalloni (1977:10): “A meta essencial da acção educativa é precisamente esta: favorecer o desenvolvimento da persona...
No entanto o trabalho do educador social ainda é visto pela comunidade cigana como intromissão; daí a tão elevada dificuld...
<ul><li>Mendes, Maria Manuela Ferreira;  Nós, os Ciganos e os Outros; Livros Horizonte, 2005 </li></ul><ul><li>Petrus, Ant...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Escola Superior De EducaçãO Do Porto (97 2003, Com Fundo Cinzento Reflexo)

615 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Tecnologia
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Escola Superior De EducaçãO Do Porto (97 2003, Com Fundo Cinzento Reflexo)

  1. 1. Educação Social (pós-laboral) 2007/2008 Educação Social – Teorias e Práticas Docentes: Cristina Maia Marianela Ferreira Discentes: Ana Moura Ângela Magalhães
  2. 2. Exclusão Social – comunidade cigana
  3. 3. <ul><li>A exclusão social corresponde a uma situação de falta de acesso às oportunidades oferecidas pela sociedade aos seus membros. Isto é, corresponde à pobreza sob qualquer uma das suas formas: a de falta de bens materiais, o analfabetismo, a falta de orientação pessoal e social, a dificuldade de acesso à assistência médica e a situação de precariedade no emprego. </li></ul><ul><li>Em suma, a exclusão social refere-se a um conjunto diversificado de carências de natureza pessoal, tendo no entanto, origem na sociedade em que o indivíduo está inserido, ou da qual se encontra afastado. Deste modo, a exclusão social pode implicar privação, falta de recursos ou ausência de cidadania aos diferentes níveis em que esta se organiza e exprime: ambiental, cultural, económica, político e social. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>A exclusão social pode ser exprimida em seis dimensões principais do quotidiano dos indivíduos, ao nível: </li></ul><ul><ul><ul><li>Do SER , ou seja, da personalidade, da dignidade e a auto-estima; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Do ESTAR , ou seja, das redes de pertença social, desde a família, às redes de vizinhança e à sociedade em geral; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Do FAZER , ou seja, das tarefas realizadas e socialmente reconhecidas; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Do CRIAR , ou seja, da capacidade de empreender, de assumir iniciativas, de definir e concretizar projectos, de inventar e criar acções; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Do SABER , ou seja, do acesso à informação necessária à tomada de decisões, e da capacidade crítica face à sociedade e ao ambiente envolvente; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Do TER , ou seja, do rendimento, do poder de compra, do acesso a níveis de consumo médios da sociedade e da capacidade aquisitiva. </li></ul></ul></ul>
  5. 5. <ul><ul><li>Exclusão de tipo económico: entendida como uma situação de privação múltipla por falta de recursos. Esta forma de exclusão é caracterizada pelas más condições de vida, pelos baixos níveis de instrução e qualificação profissional e pelo emprego precário, podendo, este tipo de exclusão, conduzir à situação de “sem abrigo”, que é a forma mais grave e complexa de pobreza e exclusão; </li></ul></ul><ul><ul><li>Exclusão de tipo familiar: a causa de exclusão situa-se nos domínios dos laços sociais. Corresponde a uma situação de privação relacional, caracterizada pelo isolamento, por vezes associada à falta de autonomia pessoal (por exemplo: os idosos); </li></ul></ul><ul><ul><li>Exclusão de tipo cultural: o racismo, a xenofobia, por exemplo, podem, por si só, dar origem à exclusão social de minorias étnico-culturais, como é o caso da etnia cigana. Os motivos que levam a sociedade a dificultar a integração social podem ser de natureza cultural; </li></ul></ul>
  6. 6. <ul><ul><li>Exclusão por comportamentos auto-destrutivos: como a toxicodependência, o alcoolismo e a prostituição. Alguns destes comportamentos também estão associados à situação de “sem abrigo”, podendo ser causas ou consequências dessa situação. </li></ul></ul><ul><li>Estes tipos de exclusão social surgem muitas vezes sobrepostos, e a análise mais profunda conduz muitas vezes, à contestação que um tipo de exclusão pode ser consequência ou a causa de um outro tipo de exclusão. </li></ul>
  7. 8. <ul><li>Habitação: </li></ul>
  8. 11. <ul><li>Segundo Glória Pérez Serrano “a Educação Social é uma acção sistemática e fundamentada de suporte, mediação e transferência que favorece especificamente o desenvolvimento da sociabilidade do sujeito ao longo de toda a sua vida, circunstâncias e contextos, promovendo a sua autonomia, integração e participação critica, construtiva e transformadora no marco sociocultural em que se envolve, contando em primeiro lugar com os próprios recursos sociais, tanto do educador, como do sujeito e, em segundo lugar mobilizando todos os recursos socioculturais necessários à sua volta ou criando, por fim, novas alternativas”. </li></ul>
  9. 12. Equipa multidisciplinar - trabalho de terreno com um projecto de intervenção para contribuir para a resolução de determinada realidade existente. Ou seja, não devemos olhar o objecto de estudo como sendo nosso mas sim trabalha-lho com outros profissionais essenciais ao grupo. Recursos humanos – urgência de respostas dos mesmos para ultrapassar as tradicionais formas de solidariedade clássica e voluntária e para se transformarem nos técnicos tão almejados pela sociedade e que sejam capazes de responder a tão graves desafios como o da exclusão social, retractado por nós. Processo de socialização - transformação do indivíduo biológico em ser social; visa a transmissão e aprendizagem da cultura da sociedade. <ul><li>Trabalho do educador social como: </li></ul>
  10. 13. Controlo social - não só indicar um conjunto de procedimentos a seguir como também mostrá-los ao indivíduo de forma a entender que estes existem e funcionam. Um conjunto de estímulos para melhorar o nível de socialização - Ou seja, educar a sociedade para que esta eduque aqueles que estão à margem.     Aquisição de competências sociais - acção que conduz à aprendizagem daquelas virtudes e capacidades sociais que o grupo em que o indivíduo se insere e a sociedade considera fundamentais.
  11. 14. Para Zavalloni (1977:10): “A meta essencial da acção educativa é precisamente esta: favorecer o desenvolvimento da personalidade humana de modo a que o indivíduo seja capaz de lidar adequadamente com as pessoas; e futuramente favorecer a sua capacidade de se integrar plenamente nas actividades e na vida social.” Segundo este autor devemos reeducar a sociedade de forma a que a Comunidade Cigana seja vista com outros olhos; os mesmos que vêm a comunidade de todos os dias A tentativa de socialização e de integração dos ciganos seria mais fácil de atingir se estes não tivessem criado o seu próprio escudo de defesa perante a restante sociedade que lhe aponta o dedo. Assim segundo Jordi Riera Romani, devemos educar em primeiro lugar a sociedade que julga; e posteriormente pensar em trabalhar em equipas multidisciplinares para se chegar a um resultado favorável. Efectivamente, é urgente mudar a mentalidade para que a sociabilização seja possível. <ul><li>Ciganos versus restante população: </li></ul>
  12. 15. No entanto o trabalho do educador social ainda é visto pela comunidade cigana como intromissão; daí a tão elevada dificuldade de levar algum projecto avante. Qualquer comunidade cigana é bastante rígida nas suas convicções e não está disposta a quebrar as suas leis e tradições. Um exemplo bastante concreto encontra-se no facto das raparigas não se abrirem à escolarização, uma vez que ao chegarem ao ensino básico, que é a idade da puberdade, os seus pais proíbem-nas de frequentar a escola devido à convivência com os rapazes. Trata-se duma tradição que é inquebrável. <ul><li>A cultura como entrave: </li></ul>
  13. 16. <ul><li>Mendes, Maria Manuela Ferreira; Nós, os Ciganos e os Outros; Livros Horizonte, 2005 </li></ul><ul><li>Petrus, Antonio; Pedagogía Social; Ariel Educación </li></ul><ul><li>Serrano, Glória Pérez; Pedagogia Social Educación Social: construcción científica e intervención práctica </li></ul><ul><li>www . google . pt (motor de busca) </li></ul>

×