UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS
NUCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA
POLO OLHO D’ÁGUA DAS FLORES
...
EDNEIDE MARIA DE LIMA
ATIVIDADE I:
VISÕES DE MUNDO E EDUCAÇÃO
Trabalho solicitado no segundo período do curso
de Pedagogia...
Os anos 60 e 70 geraram uma série de movimentos sociais que pareciam caminhar,
todos, na mesma direção, enfatizando difere...
seu processo de apropriação dessa abordagem e de elucidar as dimensões
com as quais tem trabalhado. O texto apresenta uma ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

VISÕES DE MUNDO E EDUCAÇÃO

218 visualizações

Publicada em

Disciplina Fundamentos Psicopedagógicos da Educação

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
218
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

VISÕES DE MUNDO E EDUCAÇÃO

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS NUCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA POLO OLHO D’ÁGUA DAS FLORES MATRÍCULA: 13211730 EDNEIDE MARIA DE LIMA ATIVIDADE I VISÕES DE MUNDO E EDUCAÇÃO Olho D’Água das Flores/AL 2014
  2. 2. EDNEIDE MARIA DE LIMA ATIVIDADE I: VISÕES DE MUNDO E EDUCAÇÃO Trabalho solicitado no segundo período do curso de Pedagogia à Distância da Universidade Federal de Alagoas-UFAL, na disciplina Fundamentos Psicopedagógicos da Educação, sob a orientação do Professor: Jose Geraldo da Cruz Gomes Ribeiro e acompanhada pela Tutora Maria Patrícia Rodrigues Bahia para fins avaliativos. Olho D’Água das Flores/AL 2014 VISÕES DE MUNDO E EDUCAÇÃO
  3. 3. Os anos 60 e 70 geraram uma série de movimentos sociais que pareciam caminhar, todos, na mesma direção, enfatizando diferentes aspectos da nova visão da realidade. O modelo mecanicista no século XVII, foi extremamente útil no desenvolvimento de teorias científicas e na criação de projetos tecnológicos. Mas, nesse período as pessoas eram vistas como coisas e o objeto a ser pesquisado era retirado do todo e isolado, desconsiderando o lugar de onde veio, era como se para obter um resultado acerca de uma pesquisa sobre dificuldades de leitura e escrita, fosse necessário pegar um grupo de crianças, retira-las de perto das demais e do ambiente da sala de aula para a partir de testes investigar o porquê da dificuldade em ler e escrever detectado em toda a sala. Para o modelo mecanicista o mais importante são os dados, os números, a exatidão, o quantitativo. Nestes moldes o pesquisador torna-se neutro, distante do objeto pesquisado e o objeto pesquisado é tratado como experimento, por isso o tipo de pesquisa que mais se aproxima da visão mecanicista e a do tipo experimental, caracterizada por Gerhardt & Silveira (Orgs.) (2009), como: O estudo experimental segue um planejamento rigoroso. As etapas de pesquisa iniciam pela formulação exata do problema e das hipóteses, que delimitam as variáveis precisas e controladas que atuam no fenômeno estudado (TRIVIÑOS, 1987). Para Gil (2007), a pesquisa experimental consiste em determinar um objeto de estudo, selecionar as variáveis que seriam capazes de influenciá-lo, definir as formas de controle e de observação dos efeitos que a variável produz no objeto. Já segundo Fonseca (2002, p. 38): A pesquisa experimental seleciona grupos de assuntos coincidentes, submete-os a tratamentos diferentes, verificando as variáveis estranhas e checando se as diferenças observadas nas respostas são estatisticamente significantes. [...] Os efeitos observados são relacionados com as variações nos estímulos, pois o propósito da pesquisa experimental é apreender as relações de causa e efeito ao eliminar explicações conflitantes das descobertas realizadas. Sendo assim, a elaboração de instrumentos para a coleta de dados deve ser submetida a testes para assegurar sua eficácia em medir aquilo que a pesquisa se propõe a medir. Em pesquisas com seres humanos em educação, não é recomendável se aplicar o modelo experimental pois trata as pessoas fora de realidade em que vivem. Os estudos/investigações devem levar em conta os sujeitos em seu contexto como as pesquisas do tipo qualitativas a exemplo da pesquisa-ação, as pesquisas participantes e etc. Acerca da importância da abordagem qualitativa, Vilela pontua que: A atual hegemonia, assumida pela abordagem qualitativa na pesquisa social, evidencia a necessidade interna do campo da pesquisa em educação de rever
  4. 4. seu processo de apropriação dessa abordagem e de elucidar as dimensões com as quais tem trabalhado. O texto apresenta uma retrospectiva do campo e explicita os contornos que favoreceram a mudança de tendência na pesquisa educacional, visando entender a atual hegemonia da pesquisa qualitativa e as dimensões que sustentam sua prática. O eixo central da discussão considera as mudanças relativas às abordagens metodológicas como subordinadas às mudanças de paradigmas na prática científica e, estas, condicionadas às mudanças no campo social. Mas, se nos reportarmos à escola é possível ainda ver o legado deixado pelo modelo mecanicista tanto no currículo quanto na postura de alguns profissionais. Uma escola distante da filosofia mecânica teria o intuito de atender as distintas necessidades do seu aluno. Seu currículo além de abordar os temas transversais também faria uma abordagem pedagógica levando o/a aluno/a a interagir com teoria, prática e experiências com outras pessoas, no coletivo. Esse currículo funcional interligaria gestão, alunos, professores, pais e comunidade em geral para criar uma rede, uma interação, um sistema que possibilitaria uma reestruturação da dinâmica do organismo escolar, tirando assim a instituição do modelo mecânico para o sistêmico. Referências: VILELA, Rita Amélia Teixeira. O lugar da abordagem qualitativa na pesquisa educacional: retrospectiva e tendências atuais. Disponível em: http://www.perspectiva.ufsc.br/perspectiva_2003_02/10_artigo_rita_amelia.pdf. Acessado em 29 de maio de 2014. GERHARDT, Tatiana Engel; SILVEIRA, Denise Tolfo (Orgs.). Métodos de pesquisa. Disponível em: http://www.ufrgs.br/cursopgdr/downloadsSerie/derad005.pdf. Acessado em 29 de maio de 2014.

×