Ambiente Virtual Informal De Aprendizagem

1.392 visualizações

Publicada em

Trabalho apresentado no TISE 2008
A proposta de nosso projeto é a construção de um site, um ambiente virtual informal de aprendizagem para docentes que necessitam adquirir conhecimentos sobre as novas tecnologias.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.392
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ambiente Virtual Informal De Aprendizagem

  1. 1. Ambiente virtual informal de aprendizagem: uma proposta para formação continuada de professores junto às TIC's
  2. 2. Objetivo: Contribuir para a atualização, reflexão e apropriação dos professores, viabilizando a aplicação das tecnologias digitais na realidade escolar.
  3. 3. Justificativa: A internet, bem como o tema informática na educação, vem adquirindo cada vez mais relevância no cenário educacional. Diante disso é importante que os professores possam refletir e se apropriar dos conhecimentos relativos a essa nova realidade, a fim de repensar sua prática e construir novas formas de ação.
  4. 4. Verificando então, através da vivência em escolas estaduais do Município de Porto Alegre e de relatos de colegas que desenvolveram algum tipo de trabalho nesses locais, o pouco conhecimento dos professores em relação ao uso e aos benefícios que o ambiente do laboratório de informática poderia trazer ao aprendizado dos alunos,
  5. 5. se propôs elaborar um site com a finalidade de disponibilizar material didático para a formação continuada do professor nessa área. Neste site os professores teriam à sua disposição: tutoriais, vídeos com aulas, chat para comunicação síncrona pré-estabelecida, fórum e e-mail.
  6. 6. sabemos o quanto muitas escolas estão longe de conseguirem o objetivo de incluírem seus alunos digitalmente, por isso, facilitar acesso à formação continuada dos professores é imprescindível, quanto mais incentivos e formas variadas os mesmos tiverem ao seu alcance, mais condições terão de atingí-lo.
  7. 7. Aplicação: Escola da Rede Estadual de Ensino do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre Grupos de Professoras, com algum conhecimento de Informática.
  8. 8. Resultados: Constatou-se a importância de facilitar o acesso a materiais didáticos na formação continuada de professores envolvendo atividade ligada às tecnologias de informação e comunicação.
  9. 9. O grupo de professores que utilizou o site demonstrou bastante interesse, tendo participado ativamente de todos os recursos disponibilizados, tais como a pesquisa nos arquivos, comunicação através de e-mail, fórum e chat.
  10. 10. O grupo aprovou o site, observando a facilidade de acessar de qualquer lugar e a qualquer hora um auxílio para responder às suas dúvidas, assim como disponibilizar um ambiente de troca de informações com outros professores cadastrados.
  11. 11. <ul><li>Considerações Finais: </li></ul><ul><li>O professor, como mediador do conhecimento, principalmente de jovens, tem a obrigação de se atualizar, pois é ele que vai fazer a diferença no ensino. Segundo Libâneo, </li></ul><ul><ul><li>“ Com o advento de novas concepções de aprendizagem, a necessidade de ligação do conhecimento científico com os problemas da sociedade e do cotidiano e o desenvolvimento acelerado das novas tecnologias da comunicação e informação, é preciso colocar a autoformação contínua como requisito da profissão docente” (2003. p.43). </li></ul></ul>
  12. 12. O processo de integração de computadores e outros instrumentos tecnológicos na escola pode e deve ser compreendido como um processo de inovação e, como tal, tem que atender a um grande número de fatores e componentes para o desenvolvimento da mudança e melhoria que a educação merece.
  13. 13. Referências: Novas tecnologias e o re-encantamento do mundo. Disponível em: http://www.eca.usp.br/prof/moran/ novtec.htm. Acesso: 24/03/07 ás 17h30min. LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999. p. 172 Tecnologia e formação de professores: Rumo a uma pedagogia pós-moderna? Disponível em: http://www. scielo.br/scielo.php?pid=S0101-73301998000400005 &script=sci_arttext&tlng=en. Acesso: 07/11/08 às 10h45min. CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Disponível em: http://www.capes. gov.br/index.php. Acesso em: 07/11/08 às 09hs50min. UAB – Universidade Aberta do Brasil. Disponível em: http://uab.capes.gov.br/index.php: Acesso: 07/11/08 às 10h54min. SANTAROSA, L. et al. Programa de formación de profesores a distancia y en servicio. Visando la inclusión digital/social. C&P - Comunicación Y Pedagogía, Barcelona, n. 213, p. 46-52, 2006. PRETTO, N., PINTO, C. Tecnologias e novas educações. Revista Brasileira de Educação , Rio de Janeiro, n. 31,v. 11, p.19-30, 2006. LEITE, L. et al. Tecnologia Educacional: Mitos e Possibilidades na Sociedade Tecnológica. Tecnologia Educacional, Rio de Janeiro, n. 148, p.38-43, 2000. BERNARDI, M., BEHAR, P. Formação de Professores: uma experiência de introdução das tecnologias digitais a partir de uma perspectiva didático-pedagógica interacionista. In: Congresso Internacional de Educação, 4., 2005, São Leopoldo. A Educação nas Fronteiras do Humano: [anais]. São Leopoldo: Unisinos, 2005.
  14. 14. BARRETO, R. et al. As Tecnologias da Informação e da Comunicação na Formação de Professores. Revista Brasileira de Educação , Rio de Janeiro, n. 31,v. 11, p. 3l-42, 2006. LIBÂNEO, J. C. Democratização da Escola Pública: A pedagogia crítico-social dos conteúdos. São Paulo: Loyola, 1986. p.28. SAMPAIO, M., LEITE, L. Alfabetização tecnológica do professor – Petrópolis: Vozes, 2004. p. 41. Quem é o professor do século XXI? Disponível em: http://www.lo.unisal.br/nova/ead/noticia4.html. Acesso: 24/03/07 às 17h45min. SAMPAIO, M., LEITE, L. Alfabetização tecnológica do professor – Petrópolis: Vozes, 2004. p. 25. Experiências pessoais de ensino utilizando a Internet. In: Mudar a forma de ensinar e de aprender com tecnologias: Transformar as aulas em pesquisa e comunicação presencial-virtual. Disponível em: http://www.eca.usp.br/prof/moran/uber.htm# experiencias. Acesso: 24/03/07 ás 16h30min. AMARAL, L. G., CSS: Cascading Style Shets - Guia de consulta rápida. 2, Novatec, São Paulo, 2006. p. 5. TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987. p. 146. GALLIMORE, R, THARP, R. O pensamento educativo na sociedade: ensino, escolarização e discurso escrito, in: Luis C. Moll, Vygotsky e a educação: implicações pedagógicas da psicologia sócio-histórica. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996. p. 184. LIBÂNEO, J. C. Adeus professor, adeus professora? Novas exigências educacionais e profissão docente. São Paulo: Cortez, 2003. p.28. LIBÂNEO, J. C. Adeus professor, adeus professora? Novas exigências educacionais e profissão docente. São Paulo: Cortez, 2003. p. 43.

×