O slideshow foi denunciado.
Oficina: Manifestações Folclóricas
Coordenação de Arte: Rosami Reis
Etapas
1. Ler os textos
2. Confecção de figurino e cen...
Ururau
Rio guarda a cidade da gente,
Nas noites sem gente...nas noites
sem gente...
Quem guarda, no fundo do rio,
O sino t...
Oficina de arte
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Oficina de arte

653 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Oficina de arte

  1. 1. Oficina: Manifestações Folclóricas Coordenação de Arte: Rosami Reis Etapas 1. Ler os textos 2. Confecção de figurino e cenário 3. Dramatização FOLCLORE DE CAMPOS DOS GOYTACAZES Folclore: "Sendo uma região marcada pela aristocracia rural durante muito tempo, Campos dos Goytacazes é rica em seu folclore, do qual destacamos as seguintes manifestações: Jongo e Mana-Chica, danças típicas; Ururau da Lapa, lenda; e o Boi Pintadinho, no carnaval, que a cultura transformou em Boi-de-Samba, sendo única esta manifestação do Boi no Brasil.” (Q.E.) CAVALHADA - A encenação — O grupo é formado por 24 cavaleiros, - Consta que por volta de 1700, habitou a curva da Lapa, no Rio Paraíba do Sul, bem em frente a Igreja, um Ururau (jacaré de papão amarelo). Era bicho bravio e matreiro que durante muito tempo conseguiu escapar dos trabucos e das redes dos pescadores, espantando canoeiros e prancheiros. Segundo os índios goytacazes, hoje desaparecidos, "era um bicho papão imenso, encoruscado, medindo uns cinco metros, de cabo a rabo". Com o tempo, o jacaré desapareceu, mas ficou-lhe a lenda, que persiste até hoje, de que o animal ainda habita o local, escondido em um velho sino, que iria para a Igreja em frente, afundado no naufrágio do barco que o trazia de Portugal. A lenda informa que o jacaré seria um jovem travestido no bicho, desde que jogado no fundo do rio pelo pai da jovem ricaça que não aceitava o namoro do rapaz com a moça. URURAU DA LAPA É um fado (dança) criado na região do Caboio, na época da monarquia, que acabou caindo no esquecimento da maior parte da população. A Mana- Chica é uma expressão cultural que mistura a quadrilha européia enriquecida pelo jongo africano, pela valsa alemã, pela dança indígena e pelo vira português, com um certo toque de deboche, que os negros faziam para “imitar” as festas que aconteciam nos palacetes. MANA-CHICA Objetivos: Reconhecer algumas das manifestações folclóricas, valorizando o Patrimônio Imaterial de Campos dos Goytacazes. Confeccionar figurino e cenário. Representar com performance teatral algumas das manifestações folclóricas.
  2. 2. Ururau Rio guarda a cidade da gente, Nas noites sem gente...nas noites sem gente... Quem guarda, no fundo do rio, O sino todo de ouro Que nem chegou à capela? É Ururau, é Ururau (bis- coro) Ururau da barriga amarela. E quem é e que vela (bis- coro) Pelo amor que eu tenho por ela?... Se é você, Ururau, Ouça então o meu lamento: Guarde bem o meu tesouro, Que o rio da vida tem dentro! Peço ainda, Ururau, (Desta vez não seja mau) Que o meu amor- sino de ouro Me deixe levar à Capela! É Ururau, é Ururau (bis- coro) Ururau da barriga amarela. Autor: professor José Luís Glória Hino de Campos dos Goytacazes Campos Formosa, intrépida amazona Do viridente plaino goitacá Predileta do luar como Verona Terra feita de luz e madrigais Ó Paraíba, ó mágica torrente Soberana dos prados e vergéis Por onde passas como um rei do oriente Os teus vassalos vêm beijar-te os pés Nada iguala os teus dons, os teus primores Val de delícias, o teu céu azul Minha terra natal ninho de amores Urna de encantos, pérola do sul Ó Paraíba, ó mágica torrente... Campos Formosa, intrépida amazona... Ó Paraíba, ó mágica torrente Rio que rolas dentro do meu peito. Música: Azevedo Cruz Letra: Newton Perisse divididos em dois partidos, o azul (cristãos) e o vermelho (mouros). Vestem calças brancas, botas pretas e túnicas e chapéus nas cores azul ou vermelha. Os cavalos recebem adereços, como fitas, flores, mantos e sinos nas mesmas cores. Cavalos e cavaleiros travam batalhas como nos velhos tempos. Galopes, choques de lança e duelos coletivos. O motivo da luta é sempre uma princesa, donzela e prisioneira, que os cristãos querem libertar. Os mouros, sempre derrotados, convertem-se ao cristianismo e são batizados à vista de todos na igreja. Depois, a pacificação é comemorada com desfile final e retorno de todos os participantes. BOI-PINTADINHO Apresenta-se com maior freqüência no carnaval, formando um grupo ou bloco onde, além da figura central, o Boi, aparecem bonecões de até dois metros de altura (Tizana, Dendeca, Marilu), animais que fazem parte da vivência (burrinha, mulinha, urubu, gavião) e outros surgidos da imaginação, como o Jaraguá que tem "corpo de gente e cabeça de animá". O conjunto musical que acompanha o grupo é constituído por sanfonas, pandeiro, bumbo, chocalho, caixa e triângulo. O grupo folga alegremente e dança acompanhando o Boi, que simula marradas nos brincantes e assistentes enquanto percorre as ruas e praças interioranas, encantando e assustando as crianças e enchendo de alegria e animação a vida pacata dos lugarejos. Em terras fluminenses, o Norte e o Noroeste são as regiões de maior concentração e atuação dessa variante do Bumba-meu-boi.

×