INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL 
CURSO SUPERIOR EM TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 
EDERSON BRILHANTE 
FABIANO O...
1. MARKETING 
1.1. O que é marketing? 
É um processo social por meio do qual pessoas e grupos de pessoas obtêm aquilo 
de ...
Passa a ser visto como instrumento essencial para a formação e manutenção de 
diversos negócios. 
Conceitos utilizados em ...
2. ORIENTAÇÃO DAS EMPRESAS 
Cada empresa adota uma estratégia para vender seus produtos e serviços. A 
orientação e a estr...
Como as empresas de varejo adotam esta orientação 
O pensamento de que os clientes não decidem, apenas compram, ou seja, é...
3. GERAÇÕES 
Desde a década de 1990, pesquisadores e autores internacionais têm adotado 
termos generalizantes para caract...
Geração Y (meados 80 e 90) Cresceram junto com o desenvolvimento da 
tecnologia, são fiéis a si mesmos, buscam 
desafios, ...
4. GERAÇÃO Y: 
Os que atualmente contam de 20 a 30 anos de idade também já receberam seu 
apelido: "Geração Y". Segundo Ju...
Desenvolvimento 
Profissional 
Não gostam do 
gerenciamento de 
perto Desejam promoção linear 
Forte senso 
de 
moralidade...
Tem altas 
expectativas dos 
empregadores. 
Possuem responsabilidade 
individual pela carreira 
Orientados para atingir me...
por muito tempo, chamada de ­, 
Millennials ­a 
juventude do 3º milênio – ou Juventude da 
globalização ­, 
a Geração Y te...
população online; dez anos depois este número já havia subido para 22%). Essa 
proximidade é evidente quando observamos qu...
Por sinal, uma característica presente nos produtos cujo alvo são essa geração, é a 
possibilidade de customização de um p...
contra sua tendência de geração e aos desempregados de buscarem outros meios de 
ganhar dinheiro, inclusive pela de atravé...
O modelo profissional que existe nas empresas é ainda masculino e muitas vezes, 
para se sentir confortável, a profissiona...
4.2.2. Trabalho é felicidade 
Para essa garotada, a felicidade importa, sim, e o tempo todo. Se ela sempre foi um 
objetiv...
Observando o comportamento dos profissionais Y, as empresas perceberam que se 
não houvesse um bom trabalho de valorização...
4.2.6. Ambiente corporativo 
O comportamento dos integrantes da geração y, no que diz respeito à carreira, segue 
na busca...
● Comunicação – Uma pesquisa mostra que os colaboradores mais jovens se 
sentem mais à vontade para discutir seus problema...
A geração “Y” é considerada o maior grupo de consumidores em vários segmentos 
da economia. São pessoas inovadoras e criad...
trás. Fator que algumas empresas para atingir metas acabam ignorando e que num breve 
futuro acaba voltando contra elas. 
...
colaboração, proximidade e troca/fluxo de e mini formações, e isso pode ser observado 
pela forma como muitos gerenciam su...
● Aprenda com os jovens ­A 
geração Y está acostumada a mudanças constantes de 
seus produtos favoritos. Não espera nem de...
reinventar para atender à geração Y ou se serão substituídas nessa tarefa por marcas ainda 
desconhecidas. 
4.4. Consumo 
...
4.5. Conectividade 
A geração Y se desenvolveu em meio ao turbilhão de inovações tecnológicas e 
revoluções comportamentai...
5. REFERÊNCIAS: 
DW. Geração Y quer mais vida e menos trabalho. Acessado em: < 
http://www.dw.de/gera%C3%A7%C3%A3o­y­quer­...
AEDB. A Geração Y e as Necessidades do Mercado de Trabalho Contemporâneo: 
“um Olhar sobre os Novos Talentos”. Retirado de...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Geração Y

771 visualizações

Publicada em

Marketing e a Geração Y

Publicada em: Marketing
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
771
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Geração Y

  1. 1. INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO SUPERIOR EM TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS EDERSON BRILHANTE FABIANO OLIVEIRA MAURÍCIO MOREIRA RAFAEL EIDT CONCEITOS E APLICAÇÕES: MARKETING E GERAÇÃO Y AGOSTO 2014 1
  2. 2. 1. MARKETING 1.1. O que é marketing? É um processo social por meio do qual pessoas e grupos de pessoas obtêm aquilo de que necessitam e desejam por meio da criação, oferta e troca de produtos e serviços, ou seja, uma via de duas mãos entre o mercado e as organizações, em que estas buscam no mercado informações sobre seus desejos e necessidades, recebendo como retorno, nesta primeira fase, as informações. 1.2. Conceitos de marketing Os brasileiros pensam sobre: Venda os produtos de qualquer modo, mesmo que as pessoas não os desejem, acreditam tratar­se de uma maneira de fazer com que as pessoas comprem o que não precisam, com um dinheiro que não tem. Por que disso? Aplicação de marketing na década de 60: ● Economia composta por monopólios e oligopólios não competitivos ● Estado mais como gestor e não como tutor da economia Como de fato funciona: Estudo baseados em diversas ciências (Sociologia, Psicologia, Matemática, Antropologia, Estatística, Filosofia) tendo como objetivo conhecer o comportamento das pessoas e, a partir disso, satisfazer às necessidades e desejos de cada uma. Deixa de ter a imagem antiética e desnecessária. 2
  3. 3. Passa a ser visto como instrumento essencial para a formação e manutenção de diversos negócios. Conceitos utilizados em diversos tipos de organização de times de futebol a igrejas, passando por governos e organizações não­governamentais. 1.3. O marketing como filosofia Raimar Richers, uma das maiores autoridades em marketing no Brasil, define sua função como sendo a simples intenção de entender e atender o mercado. A visão de marketing ● Pela essência, deve se estender por praticamente toda a organização, principalmente nas diretamente relacionadas ao mercado. Dessa forma, todas as atividades relacionadas com a busca da satisfação de clientes, os responsáveis pelo marketing contam com uma relação direta negativa ou positivamente na sua satisfação. ● O marketing representa muito mais do que ferramentas de promoção e vendas; é uma filosofia que tem no cliente a principal razão da existência da organização. 3
  4. 4. 2. ORIENTAÇÃO DAS EMPRESAS Cada empresa adota uma estratégia para vender seus produtos e serviços. A orientação e a estratégia norteará todos os negócios da empresa e sua forma de agir diante do mercado e dos seus clientes. 2.1. Orientação para a produção Busca a acessibilidade do produto em qualquer lugar, para isso a empresa procura produzir cada vez mais, visando baixar seus preços e colocar seus produtos ou serviços no maior número possível de pontos de venda. De modo geral, sendo produto ou serviço, os consumidores buscam o melhor custo benefício, e por isso nem sempre acabam decidindo pelo menor preço. 2.2. Orientação para o produto Para clientes que darão preferência aos produtos que oferecerem melhor qualidade, desempenho e beneficios. Para a empresa que busca produzir produtos que apresentem esses atributos ou características inovadoras. Empresas que idolatram seus produtos e de forma alguma pretendem alterá­lo, mesmo que seus clientes demandem um produto diferente. Empresas de maquinas de escrever demoraram para assimilar que os clientes desejavam PCs. Acham que as pessoas não teriam facilidade de manuseio. 2.3. Orientação para as vendas 4
  5. 5. Como as empresas de varejo adotam esta orientação O pensamento de que os clientes não decidem, apenas compram, ou seja, é preciso induzí­los a tomar a decisão do consumo. O que ocorre é que as empresas não estão preocupadas com a satisfação das necessidades dos clientes, e sim com suas próprias necessidades. Venda sob pressão Ocorre quando o cliente adquire o produto vendido devido à chamada, o que pode gerar ao cliente uma insatisfação. Para muitos autores do marketing, um cliente insatisfeito é um inimigo em potencial. 2.4. Orientação para o marketing Orientação Empresas procuram inteirar­se do que seus clientes desejam e oferecem aquilo que eles querem, antes dos seus concorrentes para que os seus produtos se tornem diferentes e atrativos, desta forma terão clientes satisfeitos e fidelizados. Mudanças de Desejo Quando os desejos mudam as empresas procuram evoluir, orientando­se pelo que os clientes querem, primando pelo atendimento. Mercado Competitivo Devido a existência de um mercado cada vez mais competitivo no Brasil, as empresas e as organizações, a exemplo das escolas se preocupam constantemente com os clientes, pois se não poderem atendê­los outras empresas com certeza fará. 5
  6. 6. 3. GERAÇÕES Desde a década de 1990, pesquisadores e autores internacionais têm adotado termos generalizantes para caracterizar certos grupos etários. "Geração 68" evoca revolução sexual e protestos estudantis; enquanto os "Baby­Boomers" (hoje entre 50 e 60 anos) vieram ao mundo em fases de crescimento demográfico significativo. No mercado de trabalho alemão, ambas são denominações conhecidas e empregadas com frequência. Os que hoje têm entre 40 e 50 anos de idade, pertencem à "Geração Golf" (em referência ao popular modelo da Volkswagen): seus anos de juventude são considerados apolíticos e hedonistas. Já os jovens dos anos 90 compõem a chamada "Geração X". O nome faz referência ao romance do canadense Douglas Coupland cujos protagonistas, com sua crítica ao consumismo, simbolizariam os jovens da época. Tabela Comparativa Geração Principais características Tradicionalistas(anterior a 45) Hierarquias rígidas, práticos e dedicados, trabalhavam praticamente numa empresa a vida inteira. Baby­Boomers (meados 40 a 60) Filhos do Pós­Guerra, romperam padrões,otimistas Geração X (meados 60 a 80) Focados em metas e resultados, céticos e comprometidos com a empresa que estão trabalhando, apesar de trabalharem em mais de uma. 6
  7. 7. Geração Y (meados 80 e 90) Cresceram junto com o desenvolvimento da tecnologia, são fiéis a si mesmos, buscam desafios, oportunidades e qualidade de vida Geração Z (meados 90 a 2000) Vem de zapear, passam o dia conectados, são multitarefas, ágeis, globais, dispersos e superficiais nas informações, características parecidas com a geração anterior, mas em maior intensidade. Você faz o que realmente ama? ­Somos a Geração Y https://www.youtube.com/watch?v=dhmZrZSwTPs Geração Y ­Trajetória, influência e consumo https://www.youtube.com/watch?v=pLFNs6Aadvk 7
  8. 8. 4. GERAÇÃO Y: Os que atualmente contam de 20 a 30 anos de idade também já receberam seu apelido: "Geração Y". Segundo Jutta Rump, do Instituto de Emprego e Empregabilidade de Ludwigshafen, a nova geração "difere bastante das anteriores". Enquanto os Baby­Boomers valorizavam estruturas ordenadas, hierarquias e segurança empregatícia, a Geração Y abdica justamente desses valores. Importante é o trabalho ser sustentável, significativo, prazeroso e compatível com o projeto pessoal de vida. Essas expectativas podem ser realizáveis para os que procuram emprego em setores com carência de mão de obra especializada. Para os jovens sem nível secundário completo ou com qualificação incipiente, por outro lado, tais possibilidades estão praticamente vedadas. Termos e Condições no Emprego Cultura e Gerenciamento Carreira e Desenvolvimento Pessoal Valores Pessoais Flexibilidade Trabalham em tarefas paralelas Buscam o autodesenvolvimento Integridade pessoal Remuneração justa Trabalham sozinhos confortavelmente Buscam oportunidades de treinamento e desenvolvimento profissional Estilo de vida balanceada, trabalham para viver, valorizam a família Salários e bônus relacionados à performance Liberdade Dirigem a carreira para o sucesso Dinheiro não é tudo 8
  9. 9. Desenvolvimento Profissional Não gostam do gerenciamento de perto Desejam promoção linear Forte senso de moralidade, lutam pela liberdade Bom ambiente de trabalho Buscam reconhecimento Possuem menos respeito por hierarquia Socialmente oniscientes, preocupados com a responsabilid ade social Acesso rápido aos níveis mais altos da hierarquia Desejam feedback imediato Necessitam atingir metas pessoais Empenham­s e por fazer a diferença Promoção interna Buscam direções claras e suporte Anseiam por oportunidade e responsabilidade Abraçam as mudanças Disposto a sacrificar no curto prazo a vida pessoal em favor da carreira Buscam empresas com cultura positiva Buscam um trabalho desafiador e criativo Orientados para metas Aberto para oportunidades de treinamento Desejam contribuir com decisões para a empresa Empenham­se por fazer a diferença Desejam contribuir para sociedade Prosperam em momentos de incerteza e mudança Desejam ter seu próprio negócio Divertem­se no trabalho 9
  10. 10. Tem altas expectativas dos empregadores. Possuem responsabilidade individual pela carreira Orientados para atingir metas Almejam gratificação instantânea Buscam work experience 4.1. Geração Y, a Juventude Global O que é a Geração Y, no geral, filha da Geração “Baby Boomer”, que durante a década de 1980 e 1990 viu com certo desgosto as expressões da Geração X, considerada para os “boomers”, rebelde “sem causa”, desrespeitosa (com influência do punk e grunge, uso de drogas, suicídios e gravidez indesejada.) Segundo Howe e Strauss, em seu trabalho (“Ascensão dos ‘Millennials’: A Próxima Grande Geração”), a Geração X tem a pior reputação de todas as gerações, principalmente por seu pessimismo crônico causado pelo clima ainda tenso da Guerra Fria, o advento da AIDS e o alto desemprego de sua época. Dessa forma, os adultos, “Baby Boomers”, tem poucos filhos, 1 ou 2. Criaram seus filhos com muita atenção (às vezes, excessiva) para evitar que esta geração tivesse alguma semelhança com sua predecessora. E deu resultados: a Geração Y (nascidos nos anos 1980 e 1990) se apresenta como uma ruptura à tudo que a Geração X foi. Além de saudável (hábito resultante da atenção de seus pais), a geração Y é considerada otimista, idealista, confiante, ambiciosa, interessada e acredita que suas possibilidades são praticamente ilimitadas, estando muito mais próxima da Geração “Baby Boomer” que da “X”. Conhecida também como “Geração Paradoxal” ­por ter hábitos como beber e usar drogas porém comer comida saudável, ser obcecada por tecnologia mas temer sua influência negativa em suas habilidades sociais ou querer casar mas não conseguir ficar com o mesmo parceiro 10
  11. 11. por muito tempo, chamada de ­, Millennials ­a juventude do 3º milênio – ou Juventude da globalização ­, a Geração Y tem estado desde seu nascimento, no foco da mídia e das campanhas publicitárias em geral. E não é sem razão. Esta geração, tem um poder de compra 111% maior que a Geração “Baby Boomer” com sua idade, e atualmente, representa cerca de 1/3 da população global (aproximadamente 2,3 bilhões de pessoas). Essa geração, cresceu sob um cenário familiar. Houve uma explosão de divórcios e novas famílias foram constituídas, “enteados” e “meios­irmãos” aparecem no cotidiano dos Millennials. O pesquisador e psicólogo australiano Hugh Mackay diz que esta geração nasceu numa “era de incerteza”, onde, repentinamente, seus pais podem se divorciar ou perder o emprego ou seu amigo pode “sair do armário”. Coisas que eram tidas como certas – emprego estável, casa própria, casamento duradouro ou sexualidade – agora não são mais, e a Geração Y rapidamente entendeu que deveria se adaptar à estas incertezas. Isso a tornou altamente flexível e versátil. Uma diferença entre esta nova juventude e a de seus pais é que por terem sido mimados por seus pais (e pela mídia), esta geração cresceu recebendo tudo “de bandeja”. Isso a tornou também um tanto conformista, o que resultou numa juventude que, apesar do espírito transgressor, é menos radical que os jovens de 68 e acreditam no poder da mudança através das pequenas (e pacíficas) ações. Em termos culturais, os “Ys” são bem liberais. Grande parte apoia causas “polêmicas” (ou pelo menos a discussão pública delas) como o casamento gay, o aborto, a liberação das drogas e as pesquisas com células tronco. Uma pesquisa realizada em 2006 pela Universidade Católica da Austrália, mostra que apenas 48% dos Millennials acredita em Deus, enquanto 20% acredita que Deus não existe e 32% não tem certeza. Isso é evidência do perfil questionador desses jovens, causado principalmente pela explosão informacional trazida com a internet. Em relação à tecnologia, é até difícil acompanhar a Geração Y, que já se acostumou à adaptabilidade que as inovações (criadas em ritmo exponencial) exigem, deixando as gerações anteriores para trás. O crescimento da internet, em termos de número de usuários no mundo, foi quase que paralelo ao crescimento dos Millennials (em 2007 o mundo tinha apenas 2% de sua 11
  12. 12. população online; dez anos depois este número já havia subido para 22%). Essa proximidade é evidente quando observamos que em 2009 a Geração Y representava 30% dos usuários da internet. Essa intimidade dos Millennials com a tecnologia mudou drasticamente a sua percepção de tempo e espaço. O espaço foi alterado, pois, além de você ter fisicamente um universo de informações à um clique, o jovem agora é global. Para ele, problemas políticos internacionais são tão importantes (ou mais) que problemas nacionais. O mundo, pela internet, pode se unir em prol de causas universais independentemente da distância geográfica. E agora essa juventude global também compartilha música, moda, filmes, livros e qualquer outro tipo de conteúdo. Já na questão do tempo, a Geração quer cada vez mais suas demandas atendidas imediatamente (devido aos aplicativos de mensagens instantâneas e à velocidade atual dos downloads de filmes e músicas). Isso tem resultado numa ansiedade crônica e na incapacidade de fazer compromissos a médio e longo prazo. Para a Geração Y, a unidade de tempo é bem menor que às anteriores. Isso também influencia em sua característica multitarefa, que consegue ao mesmo tempo realizar dezenas de atividades (ouvir música, ver televisão, conversar no MSN, ler seu twitter, fazer o dever de casa e checar as atualizações do Facebook, por exemplo). Isso desenvolveu um padrão de pensamento não linear único que é difícil de ser acompanhado e compreendido por outras gerações. Das principais (e mais relevantes) formas de comunicação que amadureceram com o advento da internet foram as redes sociais. De comunicação online são os RPGs (universos paralelos onde o usuário cria um “avatar” e interage com outros) e os fóruns de discussão (que reúnem usuários com interesses comuns). Um símbolo emblemático da Geração Y é, também, o telefone celular. Segundo o demógrafo Bernard Salt, o celular é: “o acessório pessoal, o mecanismo de comunicação pessoal e o centro de entreterimento pessoal”. Pode ser usado para trabalho e lazer, flerte e sexo, amizade e família. Mais do que parecidos com seus donos por serem livres, flexíveis e móveis, o celular é uma personificação de seus donos uma vez que reflete os interesses deste através do modelo, da cor e do toque (que é propositalmente customizável). 12
  13. 13. Por sinal, uma característica presente nos produtos cujo alvo são essa geração, é a possibilidade de customização de um produto que na realidade é vendido em larga escala. Isso também se reflete internet, onde você personaliza a sua rede. A vastidão de conteúdos disponível na internet acaba criando um problema para esses jovens que se sentem perdidos num mar informacional onde é preciso habilidade para criar “filtros” relevantes. A avalanche de conteúdo teve um efeito colateral na esfera social desses jovens. “É muito diferente dos anos 80, quando os jovens tinham uma opinião bem radical sobre o poder das tribos: você era uma coisa, ou outra. Já nos anos 90 o poder das tribos já não era algo tão legal de se estar vinculado. Alguns começaram a se chamar de “normais”, para transitar entre os diferentes grupos. Hoje, ser normal se tornou chato e ao invés de neutralizar suas diferenças, se tornou legal expressá­las. É possível ser surfista, DJ, roqueiro, nerd, cinéfilo e designer ao mesmo tempo. Nós estamos falando da geração de jovens mais plural da História. A internet também foi importante no sentido em que criou, uma consciência social coletiva nos Millennials, que se expressam, por exemplo, através de “Flashmobs” (manifestações coletivas convocadas pela internet). A necessidade quase constante de mudanças. Isso é evidenciado pelos relacionamentos efêmeros hoje em dia e pelo espantosamente grande número de mudanças de empregos num curto período de tempo. E nessa questão do mercado de trabalho, vê­se também uma incrível incapacidade de lidar com uma estrutura hierárquica velha e vertical. Exatamente por terem sido fundadas por membros da Geração Y, empresas bilionárias como a Google e o Facebook estão na lista dos melhores locais de trabalho do mundo. Ambas empresas incentivam o trabalho colaborativo (wiki) e uma distância hierárquica vertical muito minimizada. No fim de 2008 veio a Crise Financeira Global, que desestabilizou as economias mundiais, alavancando os níveis de desemprego entre os jovens. Na Europa, vê­se índices de desemprego (entre jovens) na Espanha de 40%, nos países bálticos 35% e no Reino Unido 19.1%, por exemplo. Nos Estados Unidos esse índice se encontra em 18.5%. Isso tem obrigado aos jovens já empregados de se adaptarem aos empregos, mesmo que 13
  14. 14. contra sua tendência de geração e aos desempregados de buscarem outros meios de ganhar dinheiro, inclusive pela de através de blogs profissionais e videologs por exemplo. Cumpre também notar que no ambiente virtual os jovens tem grande participação em suas redes, criando e compartilhando conteúdo. Ainda mais com o advento do conceito de Wiki, onde cada usuário pode colaborar com conteúdo para a criação de um único “produto” final. Com algumas exceções (como 2008 na eleição de Barack Obama, onde 2/3 da Geração Y nos Estados Unidos votou neste candidato, garantindo sua vitória), a ampla participação virtual não tem sido notada no “mundo real”. E o desemprego, que tem afetado diretamente os Millennials, tem acabado com o “conformismo” e dando lugar à crescentes manifestações por uma democracia participativa em países principalmente da Europa (i.e. Espanha e Grécia). No Brasil, a juventude tem se mostrado relativamente inativa desde o Movimento dos “Caras Pintadas”. Críticos atribuem isso à paralisação da UNE por parte do governo Lula (2002­2010), que conseguiu trazer a organização para sua base aliada. Em 2009, inclusive, foi criada uma nova entidade estudantil chamada Assembleia Nacional dos Estudantes – Livre que faz oposição à UNE. ítico de sua preferência, ainda assim 62% acredita que são os governantes que tem o dever de mudar a sociedade. Nota­se também o conformismo da juventude brasileira frente aos frequentes escândalos de corrupção e um enorme distanciamento desses jovens com a política partidária. Uma pesquisa realizada em 2011 16 mostra que 59% dos jovens entre 18 e 24 anos, no Brasil, não tem um partido político de sua preferência, ainda assim 62% acredita que são os governantes que tem o dever de mudar a sociedade. 4.2. Trabalho 4.2.1. As Mulheres no Mercado de Trabalho 14
  15. 15. O modelo profissional que existe nas empresas é ainda masculino e muitas vezes, para se sentir confortável, a profissional adia o momento de ter filho e acaba traçando a mesma trajetória dos homens. Para dar conta de viver os diferentes papéis sociais e mesmo assim continuar valorizando a sua carreira e a sua feminilidade, mulheres da geração Y estão liderando verdadeiras transformações nas empresas como a coordenação e participação nos grupos de mulheres para discutir questões sobre liderança feminina, além do incentivo pela existência de políticas de recursos humanos que incluam uma real flexibilidade de horário e possibilidade de gerenciar seu tempo e executar seu trabalho remotamente, com benefícios que simplifiquem a logística diária da mulher. Um dos pontos positivos é a potencialidade dessa geração em questionar e alterar o papel da mulher no mercado de trabalho no Brasil. Segundo José Eustáquio Diniz Alves, doutor em demografia e professor titular do mestrado ENCE/IBGE, a pirâmide populacional brasileira mostra que as mulheres já são e serão a maioria no Brasil em 2030, a maior faixa etária feminina será de mulheres entre 35 e 59 anos. Em 2000, o maior grupo era de mulheres entre 15 e 19 anos. As mulheres ainda são minoria no mercado de trabalho brasileiro, mais precisamente 25% menos do que nos países desenvolvidos; apesar do Brasil apresentar um aumento significativo de 39% para 60% da participação feminina no mercado de trabalho nas últimas décadas. O estudo Conte com Elas, realizado pela Editora Abril e Movimento Habla em agosto de 2012, ressaltou o fato de que as mulheres são o maior mercado emergente do mundo e que compõem 60% da população graduada e 51% da pós­graduada no Brasil. Apesar de crescente as notícias sobre a influência positiva das mulheres no mercado de trabalho, apontando para melhores resultados de empresas com um número significativo de gestoras mulheres, os estudos demonstram que quanto maior a escolaridade, maior a diferença entre o salário de homens e mulheres, com eles cada vez mais em vantagem. Uma pesquisa realizada pelo Grupo DMRH em parceria com a NextView People e a HSM Management, aponta que apenas 1 em cada 5 cargos de alta administração são ocupados por mulheres e que menos de 1 em cada 10 empresas têm CEO (Chief Executive Officer) mulher. 15
  16. 16. 4.2.2. Trabalho é felicidade Para essa garotada, a felicidade importa, sim, e o tempo todo. Se ela sempre foi um objetivo ao longo das gerações, a partir da Y o sentimento é cultivado como valor que deve permear todas as instâncias da vida, inclusive o trabalho. A ideia é que, se somos aquilo que fazemos, logo é preciso ser feliz ao fazê­lo. Essa circunstância tem gerado bons frutos, gente que trabalha com prazer e gera propostas surpreendentes. A Geração Y gosta de ganhar dinheiro fazendo o que para muitos é um hobby. Esta transformação altera o entendimento de carreira, promoção, estabilidade e vínculo profissional, aspectos relativos à vida organizacional apreciados pelas gerações anteriores. Com isso, as organizações enfrentam o desafio de lidar com grupos heterogêneos, que se formam em decorrência das diversidades no mercado de trabalho, o que exige das organizações que repensem nas políticas e práticas de gestão de pessoas. 4.2.3. Como a Geração Y está transformando o mercado de trabalho? "As empresas começaram a detectar que dessa nova geração, muitos benefícios poderiam ser aproveitados e usados de forma estratégica para o desenvolvimento da organização…” Entre 1998 e 2000 o primeiro grupo de Y’s completou 18 anos e começou a ingressar no mercado de trabalho e com isso, os conflitos de gerações começaram a se intensificar. Tradicionalistas, Baby­Boomers e Geração X, que antes conseguiam trabalhar muito bem em conjunto, estranharam o dinamismo, a ousadia, a alta capacidade de lidar com aparelhos tecnológicos e a ansiedade que essa nova geração de letra estrangeira apresentava muito bem. 4.2.4. Falta de comprometimento? 16
  17. 17. Observando o comportamento dos profissionais Y, as empresas perceberam que se não houvesse um bom trabalho de valorização, motivação, plano de carreira e constantes propostas de desafios, esses novos talentos não ficariam ali por muito tempo. Mudar de empresa por falta de estímulo, engajamento e principalmente por falta de desafios não é e nunca foi uma dificuldade para a Geração Y, pelo contrário, essa geração não tem medo de buscar novos caminhos e não pensa duas vezes em mudar de emprego para obter maior satisfação profissional. As empresas ao perceberem que essa é uma característica forte e que os maiores prejudicados com essa transição seriam elas mesmas, começaram a buscar novos métodos de engajamento para os jovens para mantê­los sempre por perto, renovando seus ciclos vitais. As organizações começaram a se sentir mais seguras em implementar novos métodos de trabalho, como máquinas e softwares mais modernos e até mesmo mudar a forma de fazer a comunicação interna acontecer, dando vez aos portais de intranet para que a comunicação se tornasse cada vez mais veloz e menos onerosa. 4.2.5. Empregadores em cheque Segundo relatório do Ministério alemão da Educação, desde 1993 o número dos que iniciam estudo universitário no país praticamente duplicou e muitos da geração Y possuem boa formação profissional. E com o número de jovens diminuindo, isso se torna uma vantagem para os jovens candidatos no mercado de trabalho, pois a competição menor lhes permitem exigir mais dos empregadores, formulando seus desejos já durante a entrevista de emprego. A Geração Y rejeita a noção de "carreira a qualquer custo", contudo, dispor de tempo para a família e os amigos ganhou importância e é uma tendência que se confirma em toda a Europa. O instituto Berlinense de consultoria Trendence entrevistou 320 mil universitários recém formados sobre suas prioridades e apesar das crises financeiras e econômicas, em média, eles prefeririam dedicar menos tempo ao trabalho. Com isso, o emprego deve promover o desenvolvimento pessoal, segundo concluiu a pesquisa. 17
  18. 18. 4.2.6. Ambiente corporativo O comportamento dos integrantes da geração y, no que diz respeito à carreira, segue na busca da autorrealização, tanto na vida pessoal quanto na vida profissional, pois quando o grau de satisfação com o ambiente de trabalho atinge ou supera as expectativas, o rendimento deste profissional favorece os resultados da empresa. Para essa geração, uma carreira bem­sucedida envolve paralelamente ascensão e qualidade de vida, ingredientes indispensáveis para a autorrealização, quando uma empresa torna possível o alcance desses dois fatores ela pode assumir uma tendência de crescimento acima das demais concorrentes, a razão é proveniente do empenho de seus colaboradores. Jovens da Geração Y valorizam mais ambiente de trabalho https://www.youtube.com/watch?v=pKsK2X7KTug 4.2.7. Relacionamento profissional ● Plano de Carreira ­Ainda que a felicidade seja importante para os profissionais, eles também valorizam a competição e o desejo de subir na hierarquia corporativa. No entanto há uma divisão geracional quando se trata das escolhas que os profissionais estão dispostos a fazer para se destacar na organização, chegando até mesmo ao sacrifício de uma amizade em troca de uma promoção. ● Amizades ­Felicidade, motivação e produtividade são assuntos relevantes entre os profissionais no mundo todo e há uma relação direta entre estes atributos ao fato de ter amigos no trabalho, três em cada cinco trabalhadores da geração Y no mundo, dizem que socializar pessoalmente com colegas torna o ambiente de trabalho melhor. 18
  19. 19. ● Comunicação – Uma pesquisa mostra que os colaboradores mais jovens se sentem mais à vontade para discutir seus problemas pessoais quando conversam com colegas no escritório. A maioria dos entrevistados brasileiros da geração Y é mais aberta a compartilhar conselhos sobre relacionamentos com colegas de trabalho. Geração Y e mercado de trabalho como evitar conflitos entre diferentes idades https://www.youtube.com/watch?v=dmZhJIZCksk 4.2.8. Curiosidades referentes aos brasileiros ● Entre todos os países pesquisados, os brasileiros são os mais propensos a falar com os seus colegas sobre questões familiares, com 60%; ● Mais da metade (51,60%) dos entrevistados no Brasil adicionam o seu gerente nas redes sociais em comparação a apenas 15,20% no Reino Unido; ● Quase 3 em cada 10 (29%) dos entrevistados brasileiros mantêm contato com o seu gerente fora do horário de expediente para assuntos sem relação com o trabalho; ● Mais da metade (54,90%) dos entrevistados no Brasil disseram ter confiado em um colega do trabalho em vez de um amigo ou parceiro sobre questões corporativas; ● 36,30% dos pesquisados no país disse que 41% de seus amigos são atuais ou antigos colegas de trabalho, e 10% disse que os colegas de trabalho representam de 61% a 80% de suas amizades. 4.3. Relacionamento com empresas: 4.3.1. Marketing e a geração “Y” 19
  20. 20. A geração “Y” é considerada o maior grupo de consumidores em vários segmentos da economia. São pessoas inovadoras e criadoras de tendências. Têm uma visão do marketing muito diferente das gerações anteriores. A geração “X” foi criada em frente à televisão, por isso o marketing em sua grande maioria era voltado para este meio de comunicação, um meio unidirecional. A geração “Y” foi criada ante meios tecnológicos. Hoje, com as redes sociais há um meio multidirecional, eles falam e são respondidos, com isso vem à readaptação do marketing convencional para o marketing disponível nesta área: o marketing digital. Atingí­los não é tão fácil, por que eles não vêm mais TV, usar meios como jornais e revistas convencionais também ficam difíceis. Hoje em dia livros são e­books , revistas viraram arquivos digitais para ler em seus tablets entre outras tantas faces possíveis. Esta geração baseia­se em quatro fatores antes de fazer uma compra: ● Baixo custo; ● Boa qualidade; ● Serviços rápidos; ● E certa “experiência”. Fatores que as empresas devem explorar nas redes sociais e identificar a importância para o marketing e reconhecer esses fatores e repassarem a geração “Y” na sua forma correta é bastante relevante. A geração “Y” são muito críticos e autônomos, eles não querem saber muito que sua empresa pensa ou deixa de pensar sobre eles. A geração “Y” busca informação junto a seus amigos. Poucos usam e­mail para se comunicar. Eles utilizam SMS e usam as redes sociais para tal. Enquanto seus amigos não derem um aval positivo sobre sua empresa, não vão nem querer saber o que a empresa vende ou produz, ressaltando a busca pelo uso correto do marketing nas redes sociais. E uma característica muito importante para as empresas apresentarem perante a geração “Y”, é a autenticidade. Empresas tem que buscar passar informações corretas e concretas. Caso contrário, e se descobertos, empresas vão acabar tendo criticas não muitos favoráveis nas redes sociais. A geração “Y” é difícil de enganar e ser passada para 20
  21. 21. trás. Fator que algumas empresas para atingir metas acabam ignorando e que num breve futuro acaba voltando contra elas. E por ser multidirecional, empresas têm que ver a geração “Y” como “colaboradores” da empresa, eles vão dar um retorno e muitas vezes vão melhorar um produto, outras vezes aposentar, analisando isto, nota­se que sempre terá um lado positivo tanto para empresa quanto o cliente. Vendo todas essas características, jeitos e modos da geração “Y” de ver o mercado e como ela compra, com isso é traçado um perfil dos mesmos, assim facilitando muito as empresas a entenderem pessoas que são tão difíceis de compreender. Segundo pesquisa da Bridge Research realizada em 2011, a geração “Y” além de serem pessoas que aprendem rápido elas tem outra habilidade bastante aguçada que é de ir às compras. Suas compras estão relacionadas diretamente a palavra prazer. Elas querem sentir alegria, descontração e diversão quando compra algo, mesmo esse produto não sendo o certo para aquele propósito que elas procuram e sim voltado para o resultado que a compra produz. Outra característica segundo pesquisa da Y­Trends é de que pessoas “compram” pessoas, baseado nos reality shows e colunas e redes sociais. As pessoas seguem tendências umas das outras, caso essas pessoas são famosas, a chance de seguir o que está pessoa está utilizando é muito grande por está geração. A geração “Y” movimenta bilhões por ano em compras, muitos compram nas lojas físicas, mas seu favorito são as lojas on­line. São acessadas diretamente de smartphones, tablets entre outros e sua divulgação é totalmente feita pelas redes sociais, tendo como os produtos mais comprados: roupas e eletroeletrônicos. O que a geração y espera das empresas https://www.youtube.com/watch?v=opVt_TWcLlU 4.3.2. Quando a televisão vira pano de fundo! Porem, muitas empresas ainda não estão percebendo o comportamento da geração Y enquanto público consumidor. Os consumidores da geração Y estão desejosos por 21
  22. 22. colaboração, proximidade e troca/fluxo de e mini formações, e isso pode ser observado pela forma como muitos gerenciam suas tarefas: enquanto estão online, ouvem música, falam ao telefone, realizam uma tarefa para a escola/universidade/trabalho. "As pessoas postam no twitter, no facebook, instagram, etc,e a televisão, quando está ligada, às vezes é um som distante." Como uma ponta do iceberg, programas televisivos estão pedindo sugestões aos seus telespectadores para construir sua programação via twitter (CQC, da Band, é um exemplo); empresas estão vendendo via internet, e algumas surpreendem no relacionamento de pós­venda (a loja da Melissa é um exemplo); e o youtube se torna uma mídia ampla ao ponto de divulgar ideias, gerar conhecimento, mas também de causar constrangimento – como foi o caso da propaganda que a Mercedes fez para o mercedes Benz Classe A. O comercial teve como “trilha sonora” a música “A lelek”, os fãs da marca perceberam o desalinhamento entre o carro com a letra da música – e isso pode se notado pelos comentários no youtube. A televisão está virando música de pano de fundo é porque, diante de uma geração que faz várias coisas simultaneamente, a estratégia deve estar orientada para este novo perfil de público. Pesquisa realizada em 2008, pelo nGenera, com 12 países (incluindo o Brasil), mostrou que a geração Y (internet), quando indagada sobre que meio de comunicação eles poderiam dispensar – se internet ou televisão ­, a televisão perde em todos os países (pesquisa contida no livro “a hora da geração digital”). 4.3.3. A geração que o marketing ainda não decifrou: As empresas precisam mudar sua estratégia se quiserem conquistar os jovens que cresceram conectados à internet. Os marqueteiros fracassam ao usar as ferramentas tradicionais para seduzir essa geração. As empresas precisam mudar radicalmente sua abordagem como ideias: 22
  23. 23. ● Aprenda com os jovens ­A geração Y está acostumada a mudanças constantes de seus produtos favoritos. Não espera nem deseja que durem para sempre. As pesquisas tradicionais não dão conta desse universo em constante mutação. ● Procure integrar toda a sua comunicação ­Enquanto a chamada geração X, os nascidos nos anos 60 e 70, gasta muito de seu tempo em frente à televisão, a geração Y está sempre conectada a alguma mídia, muitas vezes de forma simultânea. São consumidores de TV, rádio, internet, celular e videogame. Por transitar ininterruptamente entre esses veículos, os jovens são pouco afetados pela antiga estratégia de marketing que dividia rigidamente as campanhas de massa das dirigidas a outras mídias. ● Gamification como estratégia de fidelização ­Como objetivo de motivar pessoas a desenvolverem seu aprendizado e realizar tarefas que são consideradas entediantes, como preencher formulários, responder questionários, fazer compras etc. O gamification é uma tendência que veio para auxiliar empresas a se relacionarem com seus clientes. 4.3.4. Aceite que o seu produto terá vida curta A geração Y cresceu na era da comunicação instantânea. Já não tem paciência com campanhas que se repetem por um longo período. A geração Y cresce em uma era de gratificação instantânea, na qual notícia, música e entreterimento de todos os tipos estão disponíveis praticamente de graça, quase instantaneamente, e numa variedade infinita. Isso leva à falta de paciência com qualquer coisa que não atenda a esse desejo de satisfação imediata. As marcas que hoje fazem sucesso cresceram com os baby boomers (nascidos entre 1942 e 1953) e os acompanham na meia­idade. A dúvida é saber se elas vão se 23
  24. 24. reinventar para atender à geração Y ou se serão substituídas nessa tarefa por marcas ainda desconhecidas. 4.4. Consumo Para conquistar e cativar a Geração Y como cliente, as empresas precisarão cada vez mais investir em estratégia e marketing digital, espaços para interação mútua e feedback criativo sobre seus produtos e serviços. Além disso, é fundamental ter agilidade no pós­venda e ações proativas para agregar valor. O lema das empresas que pretendem atingir a essa geração deverá ser: “Fale rápido, e fale certo”. A seguir vamos verificar alguns hábitos de consumo relativos a essa geração: ● Consumo consciente ­Os membros da geração milênio procuram produtos que, além de terem ótima qualidade, apóiem uma causa. ● Mãos na massa ­Essa geração gosta de se envolver no feitio dos produtos. Preferem fazer o bolo a comprá­lo pronto ● Instantâneo ­Eles querem tudo em menos de um minuto: tirar e imprimir uma foto, ou encontrar um livro e fazer o download dele. Toda essa conveniência os levou a querer tudo agora. ● Experiências existenciais ­As empresas vencedoras serão as que entenderem que esse perfil de consumidor quer ter experiências únicas. Isso engloba desde um ambiente diferente com um café até uma viajem a um país exótico. ● Atenção segmentada ­Não existe mais atenção exclusiva. Nosso foco é compartilhado por inúmeras coisas: Acessamos redes sociais no cinema; Compartilhamos discursos importantes pelo smartphone; Enviamos fotos de objetos que estamos comprando. 24
  25. 25. 4.5. Conectividade A geração Y se desenvolveu em meio ao turbilhão de inovações tecnológicas e revoluções comportamentais da sociedade. A massificação dos produtos eletrônicos e a superproteção dos pais, permitiu a eles uma interação imediata aos computadores, aos videogames, aos celulares e às redes sociais. A geração da internet, não sabe e nem tão pouco consegue imaginar a vida sem tais inovações tecnológicas. Esses jovens foram educados multiplexando as tarefas, realizando uma infinidade de atividades ao mesmo tempo, são e vivem em um mundo realmente acelerado e em constante busca e contato com a informação. E por terem o acesso a informação e estarem perfeitamente antenados aos fatos e acontecimentos globais, suas opiniões geralmente são divergentes aos seus pais ou responsáveis e até mesmo seus professores, causando uma gama de conflitos o que se observa em respeito, de que não se subordinam facilmente, contestam os fatos e estão em constante luta por suas metas e objetivos. Por seu grande interesse em novos serviços e nas inovações tecnológicas, a Geração Y é alvo das empresas que lançam no mercado uma gama de aplicativos, softwares e hardwares, que tem como objetivo atender os anseios dessa massa, extremamente, voltada a conectividade digital. 25
  26. 26. 5. REFERÊNCIAS: DW. Geração Y quer mais vida e menos trabalho. Acessado em: < http://www.dw.de/gera%C3%A7%C3%A3o­y­quer­mais­vida­e­menos­trabalho/ a­17173686 > Acessado em 17/08/2014 PRESENTE, Tempo. Gerações: a evolução do pensamento jovem desde a década de 1950. Retirado de: <http://www.tempopresente.org/index.php?option=com_content&view=article&id=5681:gera coes­a­evolucao­do­pensamento­jovem­desde­a­decada­de­1950& catid=36&Itemid=127> Acessado em 17/08/2014 BRASILEIRO, Revista. Geração Y: Quem são esses caras. Retirado de: <http://www.revistabrasileiros.com.br/2013/12/12/geracao­y­quem­sao­esses­caras/#. U_ES ONSx15R> Acessado em 17/08/2014 ANPAD. XXXVII Encontro da ANPAD. Retirado de: <http://www.anpad.org.br/admin/pdf/2013_EnANPAD_GPR1391.pdf> Acessado em 17/08/2014 NEGÓCIOS, Época. A geração que o marketing ainda não decifrou. Retirado de: <http://epocanegocios.globo.com/Revista/Epocanegocios/0,,EDG76933­8376­2,00­A+ GER ACAO+QUE+O+MARKETING+AINDA+NAO+DECIFROU.html> Acessado em 17/08/2014 MARKETING, Ideia. Como a Geração Y está transformando o mercado de trabalho?. Retirado de: < http://www.ideiademarketing.com.br/2012/03/29/como­a­geracao­y­esta­transformando­o­m ercado­de­trabalho/> Acessado em 17/08/2014 26
  27. 27. AEDB. A Geração Y e as Necessidades do Mercado de Trabalho Contemporâneo: “um Olhar sobre os Novos Talentos”. Retirado de: <http://www.aedb.br/seget/artigos13/9418164.pdf> Acessado em 17/08/2014 MARKETING, Ideia. O marketing, sua marca e a geração Y: Quando a televisão vira pano de fundo. Retirado de: <http://www.ideiademarketing.com.br/2013/07/11/o­marketing­sua­marca­e­a­geracao­y­qua ndo­a­televisao­vira­pano­de­fundo/> Acessado em 17/08/2014 POZZOBON, Rafael. A geração “y” e sua percepção em relação às estratégias mercadológicas postadas nas redes sociais. Retirado de: < http://pt.slideshare.net/RafaelPozzobon/a­gerao­y­e­sua­percepo­em­relao­s­estratgias­merc adolgicas­postadas­nas­redes­sociais> Acessado em 17/08/2014 ADMINISTRADORES. Estudo do LinkedIn revela grandes diferenças entre as gerações no escritório. Retirado de: < http://www.administradores.com.br/noticias/carreira/estudo­do­linkedin­revela­grandes­difere ncas­entre­as­geracoes­no­escritorio/ 89963/> Acessado em 17/08/2014 EXAME, Abril. Qual é o futuro da Geração Y feminina?. Retirado de: http://exame.abril.com.br/rede­de­blogs/ carreira­em­geracoes/ 2012/12/17/qual­e­o­futuro­da ­geracao­y­feminina/> Acessado em 17/08/2014 IBOPE. Gerações Y e Z: Juventude Digital. Retirado de: < http://www4.ibope.com.br/download/geracoes%20_y_e_z_divulgacao.pdf> Acessado em 17/08/2014 SHIMOYAMA, Claudio; ZELA, Douglas Ricardo. Administração de Marketing, 2002 27

×