SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
FEBRE MACULOSA

Aspectos epidemiológicos
A Febre Maculosa é uma doença febril aguda, de gravidade variável,
causada por bactéria e transmitida por carrapatos infectados.




Agente Etiológico
Doença causada por bactéria Rickettisia rickettsii. Bactéria intracelular
obrigatória, sobrevivendo brevemente fora do hospedeiro. Os humanos
são hospedeiros acidentais, não colaborando com a propagação do
organismo.




Vetores e Reservatórios
Os vetores são carrapatos da espécie Amblyomma cajennense. São
conhecidos como quot;carrapato estrelaquot;, quot;carrapato de cavaloquot; ou
quot;rodoleiro”, as larvas por quot;carrapatinhosquot; ou quot;micuins, e as ninfas por
quot;vermelhinhosquot;. São hematófagos obrigatórios, necessitando de
repastos em três hospedeiros para completar seu ciclo de vida. O
homem é intensamente atacado nas fases de larvas e ninfas.




Carrapato transmissor de febre maculosa (Amblyomma cajennense). A: vista
superior. B: vista inferior.
Aspectos biológicos                   referentes           a    seus
transmissores
Ciclo Biológico
As fêmeas após fecundadas e ingurgitadas desprendem-se do
hospedeiro, caindo no solo para realizar postura única em torno de
5.000 a 8.000 ovos antes de morrerem. Após período de incubação (30
dias à temperatura de 25ºC) ocorre a eclosão dos ovos e nascimento
das ninfas hexápodes (larvas).As ninfas sobem pelas gramíneas e
arbustos e aí esperam a passagem dos hospedeiros. Após sugarem
sangue do hospedeiro por 3 a 6 dias, desprendem-se deste e no solo
ocorre a ecdise (18 a 26 dias), transformando-se no estágio seguinte
que é a ninfa octópode. As ninfas fixam-se em um novo hospedeiro e
em 6 dias ingurgitam-se de sangue, e no solo sofrem nova ecdise (23
a 25 dias), transformando-se no carrapato adulto.(fig.2). O
Amblyomma cajennense completa uma geração por ano, mostrando os
três estágios parasitários marcadamente distribuídos ao longo do ano.
As ninfas hexápodes ocorrem basicamente entre os meses de março a
julho e sobrevivem até 6 meses sem se alimentar. As ninfas octópodes
entre os meses de julho a novembro e os adultos entre os meses de
novembro a março, sobrevivem até 1 ano e 02 sem se alimentar,
respectivamente. Os carrapatos Amblyomma cajennense são
responsáveis pela manutenção da R.rickettsii na natureza, pois ocorre
transmissão transovariana e transestadial. Esta característica biológica
permite ao carrapato permanecer infectado durante toda a sua vida e
também por muitas gerações após uma infecção primária.

Hospedeiros
Pode ser encontrado em todas as fases em: aves domésticas -
galinhas, perus; aves silvestres - seriemas; mamíferos - cavalo, boi,
carneiro, cabra, cão, porco, veado, capivara, cachorro do mato, coelho,
cotia, coati, tatu, tamanduá; animais de sangue frio - ofídeos.
Reservatórios: a infecção se mantém pela passagem transovárica e
transestadial nos carrapatos. Diversos roedores e outros animais
ajudam a manter o ciclo da doença.

Modo de Transmissão
A transmissão ocorre pela picada de carrapato infectado. Para que a
rickettsia se reative e possa ocorrer a infecção no homem, há
necessidade que o carrapato fique aderido por algumas horas (de 4 a 6
h.). Pode também ocorrer contaminação através de lesões na pele,
pelo esmagamento do carrapato. Susceptibilidade e imunidade: A
susceptibilidade é geral. A imunidade provavelmente é duradoura.
Período de incubação
O homem, após receber a picada infectante, leva de 2 a 14 dias (em
média 7 dias), para apresentar os primeiros sintomas. Período de
transmissibilidade: Não se transmite diretamente de uma pessoa para
outra. O carrapato permanece infectante toda sua vida, mais ou menos
18 meses. Sazonalidade - maior incidência da doença durante a
primavera e o verão.




Aspectos clínicos laboratoriais
No diagnóstico devem ser considerados:

Aspectos clínicos
Doença de começo súbito com febre moderada a alta que dura
geralmente de 2 a 3 semanas, acompanhada de cefaléia, calafrios,
congestão das conjuntivas. Ao terceiro ou quarto dia pode se
apresentar exantema maculopapular, róseo, nas extremidades, em
torno do punho e tornozelo, de onde se irradia para o tronco, face,
pescoço, palmas e solas. Petéquias e hemorragias são freqüentes . A
doença pode também cursar assintomática ou com sintomas frustros.
Alguns casos evoluem gravemente, ocorrendo necrose nas áreas de
sufusões hemorrágicas, em decorrência de vasculite generalizada.
Torpor, agitação psicomotora, sinais meníngeos são freqüentes. A face
é congesta e infiltrada, com edema peripalpebral e infecção
conjuntival. Edema também está presente nas pernas, que se
apresentam brilhantes. Tosse, hipotensão arterial e hipercitose
liquórica são achados comuns. Hepatoesplenomegalia pouco acentuada
é observada. A letalidade é aproximadamente de 20% na ausência de
uma terapia específica. A morte é pouco comum quando se aplica o
tratamento precocemente.

Exames laboratoriais
            Sorológico - visando detectar a presença de anticorpos.
        •
            Cultura - visando o isolamento do agente etiológico.
        •


Tratamento
Empregam-se       o   cloranfenicol  ou    tetraciclinas. Além dos
antimicrobianos, são indispensáveis os cuidados médicos e de
enfermagem dirigidos para as possíveis complicações, mormente as
renais, cardíacas, pulmonares e neurológicas.
Profilaxia
       Ter em mente quais são as áreas consideradas endêmicas para a
   •
       febre maculosa.
       Evitar caminhar em áreas conhecidamente infestadas por
   •
       carrapatos no meio rural e silvestre.
       Quando for necessário caminhar por áreas infestadas por
   •
       carrapatos, vistoriar o corpo em busca de carrapatos em
       intervalos de 3 horas , pois quanto mais rápido for retirado o
       carrapato, menor serão os riscos de contrair a doença.
       Barreiras físicas : Calças compridas com parte inferior por dentro
   •
       das botas e fitas adesivas dupla face lacrando a parte superior
       da bota. Recomenda-se o uso de roupas claras, para facilitar a
       visualização dos carrapatos.
       Não esmagar os carrapatos com as unhas pois com
   •
       esmagamento pode haver liberação das rickettsias que têm
       capacidade de penetrar através de microlesões na pele. Retirá-
       los com calma através de leve torção, para liberar as peças
       bucais.
       Rotação de pastagens. n Aparar gramado o mais rente ao solo,
   •
       facilitando assim a penetração dos raios solares.
       Controle químico nos animais, domésticos através banhos
   •
       estratégicos de carrapaticidas.

Notas histórico-epidemiológicas
A febre maculosa brasileira é também chamada febre maculosa de São
Paulo.

A primeira descrição clínica da febre maculosa foi feita em 1899 em
caso ocorrido na região montanhosa do noroeste norte-americano. Nos
Estados Unidos a denominação de Febre Maculosa das Montanhas
Rochosas. A partir da década de trinta a doença passou a ser
identificada focalmente em diversos países como o Canadá, México,
Panamá, Colombia e Brasil. No Brasil, foi reconhecida pela primeira vez
no Estado de São Paulo no ano de 1929. A partir daí foram
diagnosticados casos nos estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais.

No Estado de São Paulo, até a década de 80, os casos diagnosticados
eram provenientes de municípios vizinhos da capital, tais como Mogi
das        Cruzes,      Diadema           e       Santo       André.
Na segunda metade da década de 80 foram diagnosticados casos de
doença no município de Pedreira. A partir de então novos casos foram
detectados    nos   municípios    de     Jaguariúna   e    Campinas.
Em 1996 elaborou-se um programa de vigilância da febre maculosa
nas regiões de Campinas e de São João da Boa Vista (onde estão
situados os municípios acima), com o objetivo de controlar sua
transmissão. A doença foi declarada de notificação compulsória nestas
regiões.

As medidas de controle mais importantes estão na área de educação
em saúde. Como o controle do carrapato não é facilmente exequível, o
alerta á população para evitar áreas com carrapato ou retirá-los o mais
rápido possível ao ser parasitado passa a ser fundamental. Ao lado
disso estar ciente para procurar prontamente um serviço médico caso
apresente sintomas, dias após haver sido parasitado, também é
imprescindível.
No que diz respeito aos profissionais de saúde, principalmente aos
médicos, a suspeita diagnóstica e o tratamento precoce são a única
maneira de se evitar óbitos pela doença.




Bibliografia:

http://sucen.sp.gov.br/doencas/f_maculosa/texto_febre_mac
ulosa.htm

http://indoafundo.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Ascaris lumbricoides
Ascaris lumbricoidesAscaris lumbricoides
Ascaris lumbricoides
 
Febre tifoide cartaz
Febre tifoide  cartazFebre tifoide  cartaz
Febre tifoide cartaz
 
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris LumbricoidesAscaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
 
Doenças causadas por protozoários
Doenças causadas por protozoáriosDoenças causadas por protozoários
Doenças causadas por protozoários
 
O que é Ascaridíase
O que é AscaridíaseO que é Ascaridíase
O que é Ascaridíase
 
Aula Vig Epidemiologica Res Med
Aula Vig Epidemiologica Res MedAula Vig Epidemiologica Res Med
Aula Vig Epidemiologica Res Med
 
Verminoses
VerminosesVerminoses
Verminoses
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
 
Hepatite B
Hepatite BHepatite B
Hepatite B
 
TUBERCULOSE
TUBERCULOSETUBERCULOSE
TUBERCULOSE
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
 
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AISAEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
Febre amarela
Febre amarelaFebre amarela
Febre amarela
 
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus InfluenzaPrevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
 
Doenças causadas por fungos
Doenças causadas por fungosDoenças causadas por fungos
Doenças causadas por fungos
 
Conhecendo o que é zoonoses
Conhecendo o que é zoonosesConhecendo o que é zoonoses
Conhecendo o que é zoonoses
 
Febre amarela
Febre amarelaFebre amarela
Febre amarela
 
Manual de Zoonoses
Manual de ZoonosesManual de Zoonoses
Manual de Zoonoses
 

Destaque

Febre maculosa brasileira epidemiologia descritiva
Febre maculosa brasileira   epidemiologia descritivaFebre maculosa brasileira   epidemiologia descritiva
Febre maculosa brasileira epidemiologia descritivaUFRRJ
 
Carrapatos - Parasitologia
Carrapatos - ParasitologiaCarrapatos - Parasitologia
Carrapatos - ParasitologiaJanaina Alves
 
História da fmb no estado de sp
História da fmb no estado de spHistória da fmb no estado de sp
História da fmb no estado de spUFRRJ
 
Vigilância epidemiológica de febre maculosa em sc
Vigilância epidemiológica de febre maculosa em scVigilância epidemiológica de febre maculosa em sc
Vigilância epidemiológica de febre maculosa em scUFRRJ
 
Experiências dos serviços de vigilância e controle da febre maculosa brasileira
Experiências dos serviços de vigilância e controle da febre maculosa brasileiraExperiências dos serviços de vigilância e controle da febre maculosa brasileira
Experiências dos serviços de vigilância e controle da febre maculosa brasileiraUFRRJ
 
Doenças transmitidas por carrapatos experiência df
Doenças transmitidas por carrapatos   experiência dfDoenças transmitidas por carrapatos   experiência df
Doenças transmitidas por carrapatos experiência dfUFRRJ
 
Epidemiología de las fiebres manchadas por rickettsias en argentina yamila
Epidemiología de las fiebres manchadas por  rickettsias en argentina yamilaEpidemiología de las fiebres manchadas por  rickettsias en argentina yamila
Epidemiología de las fiebres manchadas por rickettsias en argentina yamilaUFRRJ
 
Vigilancia soroepidemiologica de riquetsioses em animais sentinelas
Vigilancia soroepidemiologica de riquetsioses em animais sentinelasVigilancia soroepidemiologica de riquetsioses em animais sentinelas
Vigilancia soroepidemiologica de riquetsioses em animais sentinelasUFRRJ
 
Doenças transmitidas por carrapatos
Doenças transmitidas por carrapatosDoenças transmitidas por carrapatos
Doenças transmitidas por carrapatosUFRRJ
 
trabalho de bio doenças completo parte 2
trabalho de bio   doenças completo parte 2trabalho de bio   doenças completo parte 2
trabalho de bio doenças completo parte 2eld09
 
Equídeos e seus hibridos
Equídeos e seus hibridosEquídeos e seus hibridos
Equídeos e seus hibridosJoão Felix
 
Fluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. Robson
Fluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. RobsonFluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. Robson
Fluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. RobsonProfessor Robson
 
Principios De Antibioticoterapia
Principios De AntibioticoterapiaPrincipios De Antibioticoterapia
Principios De AntibioticoterapiaRenato sg
 
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escritoComo redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escritoBiblioteca Escolar Ourique
 

Destaque (18)

Febre maculosa brasileira epidemiologia descritiva
Febre maculosa brasileira   epidemiologia descritivaFebre maculosa brasileira   epidemiologia descritiva
Febre maculosa brasileira epidemiologia descritiva
 
Carrapatos - Parasitologia
Carrapatos - ParasitologiaCarrapatos - Parasitologia
Carrapatos - Parasitologia
 
História da fmb no estado de sp
História da fmb no estado de spHistória da fmb no estado de sp
História da fmb no estado de sp
 
Vigilância epidemiológica de febre maculosa em sc
Vigilância epidemiológica de febre maculosa em scVigilância epidemiológica de febre maculosa em sc
Vigilância epidemiológica de febre maculosa em sc
 
Experiências dos serviços de vigilância e controle da febre maculosa brasileira
Experiências dos serviços de vigilância e controle da febre maculosa brasileiraExperiências dos serviços de vigilância e controle da febre maculosa brasileira
Experiências dos serviços de vigilância e controle da febre maculosa brasileira
 
Doenças transmitidas por carrapatos experiência df
Doenças transmitidas por carrapatos   experiência dfDoenças transmitidas por carrapatos   experiência df
Doenças transmitidas por carrapatos experiência df
 
Epidemiología de las fiebres manchadas por rickettsias en argentina yamila
Epidemiología de las fiebres manchadas por  rickettsias en argentina yamilaEpidemiología de las fiebres manchadas por  rickettsias en argentina yamila
Epidemiología de las fiebres manchadas por rickettsias en argentina yamila
 
Vigilancia soroepidemiologica de riquetsioses em animais sentinelas
Vigilancia soroepidemiologica de riquetsioses em animais sentinelasVigilancia soroepidemiologica de riquetsioses em animais sentinelas
Vigilancia soroepidemiologica de riquetsioses em animais sentinelas
 
Doenças transmitidas por carrapatos
Doenças transmitidas por carrapatosDoenças transmitidas por carrapatos
Doenças transmitidas por carrapatos
 
trabalho de bio doenças completo parte 2
trabalho de bio   doenças completo parte 2trabalho de bio   doenças completo parte 2
trabalho de bio doenças completo parte 2
 
Equídeos e seus hibridos
Equídeos e seus hibridosEquídeos e seus hibridos
Equídeos e seus hibridos
 
Ectoparasitas
EctoparasitasEctoparasitas
Ectoparasitas
 
Carrapatos
CarrapatosCarrapatos
Carrapatos
 
Fluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. Robson
Fluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. RobsonFluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. Robson
Fluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. Robson
 
Doenças bacterianas
Doenças bacterianasDoenças bacterianas
Doenças bacterianas
 
Antibióticos
AntibióticosAntibióticos
Antibióticos
 
Principios De Antibioticoterapia
Principios De AntibioticoterapiaPrincipios De Antibioticoterapia
Principios De Antibioticoterapia
 
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escritoComo redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
 

Semelhante a Febre Maculosa

Manual_para_prevencao_em_locais_com_presenca_de_carrapatos.pdf
Manual_para_prevencao_em_locais_com_presenca_de_carrapatos.pdfManual_para_prevencao_em_locais_com_presenca_de_carrapatos.pdf
Manual_para_prevencao_em_locais_com_presenca_de_carrapatos.pdfThiagoTakita1
 
Parasitologia - ACAROS
Parasitologia - ACAROSParasitologia - ACAROS
Parasitologia - ACAROSLinique Logan
 
Abordagem Epidemiológica da Dengue Professora Goretti Morais
Abordagem Epidemiológica da Dengue Professora Goretti MoraisAbordagem Epidemiológica da Dengue Professora Goretti Morais
Abordagem Epidemiológica da Dengue Professora Goretti MoraisProfessor Robson
 
Trab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-CotucaTrab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-Cotucaeld09
 
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptxAULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptxFranciscaalineBrito
 
Prevenção do dengue e dengue hemorrágico
Prevenção do dengue e dengue hemorrágicoPrevenção do dengue e dengue hemorrágico
Prevenção do dengue e dengue hemorrágicoadrianomedico
 
Animais sinantrópicos
Animais sinantrópicosAnimais sinantrópicos
Animais sinantrópicosolharverde
 
Microbiologia 26.11.2022.pptx
Microbiologia 26.11.2022.pptxMicrobiologia 26.11.2022.pptx
Microbiologia 26.11.2022.pptxKarolynNunes
 
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptxAULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptxFranciscaalineBrito
 
Curso de bacharelado em enfermagem
Curso de bacharelado em enfermagemCurso de bacharelado em enfermagem
Curso de bacharelado em enfermagemNathy Oliveira
 
Controle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratória
Controle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratóriaControle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratória
Controle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratóriaProfessor Robson
 
Parasitologia - Malaria
Parasitologia - MalariaParasitologia - Malaria
Parasitologia - MalariapHrOzEn HeLL
 
Trabalho sobre o aedes em slide
Trabalho sobre o aedes em slideTrabalho sobre o aedes em slide
Trabalho sobre o aedes em slideWagner Oliveira
 
Portfólio Parasitologia Clínica
Portfólio Parasitologia ClínicaPortfólio Parasitologia Clínica
Portfólio Parasitologia ClínicaPatrícia Prates
 

Semelhante a Febre Maculosa (20)

Manual_para_prevencao_em_locais_com_presenca_de_carrapatos.pdf
Manual_para_prevencao_em_locais_com_presenca_de_carrapatos.pdfManual_para_prevencao_em_locais_com_presenca_de_carrapatos.pdf
Manual_para_prevencao_em_locais_com_presenca_de_carrapatos.pdf
 
Parasitologia - ACAROS
Parasitologia - ACAROSParasitologia - ACAROS
Parasitologia - ACAROS
 
Abordagem Epidemiológica da Dengue Professora Goretti Morais
Abordagem Epidemiológica da Dengue Professora Goretti MoraisAbordagem Epidemiológica da Dengue Professora Goretti Morais
Abordagem Epidemiológica da Dengue Professora Goretti Morais
 
Trab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-CotucaTrab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-Cotuca
 
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptxAULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
 
Prevenção do dengue e dengue hemorrágico
Prevenção do dengue e dengue hemorrágicoPrevenção do dengue e dengue hemorrágico
Prevenção do dengue e dengue hemorrágico
 
Resumo para mesa redonda - Oropouche
Resumo para mesa redonda - OropoucheResumo para mesa redonda - Oropouche
Resumo para mesa redonda - Oropouche
 
FEBRE AMARELA
FEBRE AMARELAFEBRE AMARELA
FEBRE AMARELA
 
Animais sinantrópicos
Animais sinantrópicosAnimais sinantrópicos
Animais sinantrópicos
 
Ancilostomose
AncilostomoseAncilostomose
Ancilostomose
 
Microbiologia 26.11.2022.pptx
Microbiologia 26.11.2022.pptxMicrobiologia 26.11.2022.pptx
Microbiologia 26.11.2022.pptx
 
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptxAULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
 
Curso de bacharelado em enfermagem
Curso de bacharelado em enfermagemCurso de bacharelado em enfermagem
Curso de bacharelado em enfermagem
 
MaláRia
MaláRiaMaláRia
MaláRia
 
MaláRia
MaláRiaMaláRia
MaláRia
 
Controle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratória
Controle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratóriaControle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratória
Controle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratória
 
Parasitologia - Malaria
Parasitologia - MalariaParasitologia - Malaria
Parasitologia - Malaria
 
Trabalho sobre o aedes em slide
Trabalho sobre o aedes em slideTrabalho sobre o aedes em slide
Trabalho sobre o aedes em slide
 
Portfólio Parasitologia Clínica
Portfólio Parasitologia ClínicaPortfólio Parasitologia Clínica
Portfólio Parasitologia Clínica
 
Aula Varíola do macaco.pptx
Aula Varíola do macaco.pptxAula Varíola do macaco.pptx
Aula Varíola do macaco.pptx
 

Mais de ecsette

Minas Gerais
Minas GeraisMinas Gerais
Minas Geraisecsette
 
Espírito Santo
Espírito  SantoEspírito  Santo
Espírito Santoecsette
 
Mapa Mundi PolíTico
Mapa Mundi PolíTicoMapa Mundi PolíTico
Mapa Mundi PolíTicoecsette
 
Sistema De Governo
Sistema De GovernoSistema De Governo
Sistema De Governoecsette
 
Google Doodles 2009
Google Doodles 2009Google Doodles 2009
Google Doodles 2009ecsette
 
Google Doodles Locais
Google Doodles LocaisGoogle Doodles Locais
Google Doodles Locaisecsette
 
Google Doodles IndependêNcia
Google Doodles IndependêNciaGoogle Doodles IndependêNcia
Google Doodles IndependêNciaecsette
 
ManhuaçU
ManhuaçUManhuaçU
ManhuaçUecsette
 
RegiõEs Do Brasil Norte
RegiõEs Do Brasil   NorteRegiõEs Do Brasil   Norte
RegiõEs Do Brasil Norteecsette
 
Google Doodles 2008
Google Doodles 2008Google Doodles 2008
Google Doodles 2008ecsette
 
Google Doodles 2007
Google Doodles 2007Google Doodles 2007
Google Doodles 2007ecsette
 
Google Doodles 2006
Google Doodles 2006Google Doodles 2006
Google Doodles 2006ecsette
 
Google Doodles 2005
Google Doodles 2005Google Doodles 2005
Google Doodles 2005ecsette
 
Google Doodles 2004
Google Doodles 2004Google Doodles 2004
Google Doodles 2004ecsette
 
Google Doodles 2003
Google Doodles 2003Google Doodles 2003
Google Doodles 2003ecsette
 
Google Doodles 2002
Google Doodles 2002Google Doodles 2002
Google Doodles 2002ecsette
 
Google Doodles 2001
Google Doodles 2001Google Doodles 2001
Google Doodles 2001ecsette
 
Google Doodles 2000
Google Doodles 2000Google Doodles 2000
Google Doodles 2000ecsette
 
Google Doodles 1999
Google Doodles 1999Google Doodles 1999
Google Doodles 1999ecsette
 
Google Doodles 1998
Google Doodles 1998Google Doodles 1998
Google Doodles 1998ecsette
 

Mais de ecsette (20)

Minas Gerais
Minas GeraisMinas Gerais
Minas Gerais
 
Espírito Santo
Espírito  SantoEspírito  Santo
Espírito Santo
 
Mapa Mundi PolíTico
Mapa Mundi PolíTicoMapa Mundi PolíTico
Mapa Mundi PolíTico
 
Sistema De Governo
Sistema De GovernoSistema De Governo
Sistema De Governo
 
Google Doodles 2009
Google Doodles 2009Google Doodles 2009
Google Doodles 2009
 
Google Doodles Locais
Google Doodles LocaisGoogle Doodles Locais
Google Doodles Locais
 
Google Doodles IndependêNcia
Google Doodles IndependêNciaGoogle Doodles IndependêNcia
Google Doodles IndependêNcia
 
ManhuaçU
ManhuaçUManhuaçU
ManhuaçU
 
RegiõEs Do Brasil Norte
RegiõEs Do Brasil   NorteRegiõEs Do Brasil   Norte
RegiõEs Do Brasil Norte
 
Google Doodles 2008
Google Doodles 2008Google Doodles 2008
Google Doodles 2008
 
Google Doodles 2007
Google Doodles 2007Google Doodles 2007
Google Doodles 2007
 
Google Doodles 2006
Google Doodles 2006Google Doodles 2006
Google Doodles 2006
 
Google Doodles 2005
Google Doodles 2005Google Doodles 2005
Google Doodles 2005
 
Google Doodles 2004
Google Doodles 2004Google Doodles 2004
Google Doodles 2004
 
Google Doodles 2003
Google Doodles 2003Google Doodles 2003
Google Doodles 2003
 
Google Doodles 2002
Google Doodles 2002Google Doodles 2002
Google Doodles 2002
 
Google Doodles 2001
Google Doodles 2001Google Doodles 2001
Google Doodles 2001
 
Google Doodles 2000
Google Doodles 2000Google Doodles 2000
Google Doodles 2000
 
Google Doodles 1999
Google Doodles 1999Google Doodles 1999
Google Doodles 1999
 
Google Doodles 1998
Google Doodles 1998Google Doodles 1998
Google Doodles 1998
 

Febre Maculosa

  • 1. FEBRE MACULOSA Aspectos epidemiológicos A Febre Maculosa é uma doença febril aguda, de gravidade variável, causada por bactéria e transmitida por carrapatos infectados. Agente Etiológico Doença causada por bactéria Rickettisia rickettsii. Bactéria intracelular obrigatória, sobrevivendo brevemente fora do hospedeiro. Os humanos são hospedeiros acidentais, não colaborando com a propagação do organismo. Vetores e Reservatórios Os vetores são carrapatos da espécie Amblyomma cajennense. São conhecidos como quot;carrapato estrelaquot;, quot;carrapato de cavaloquot; ou quot;rodoleiro”, as larvas por quot;carrapatinhosquot; ou quot;micuins, e as ninfas por quot;vermelhinhosquot;. São hematófagos obrigatórios, necessitando de repastos em três hospedeiros para completar seu ciclo de vida. O homem é intensamente atacado nas fases de larvas e ninfas. Carrapato transmissor de febre maculosa (Amblyomma cajennense). A: vista superior. B: vista inferior.
  • 2. Aspectos biológicos referentes a seus transmissores Ciclo Biológico As fêmeas após fecundadas e ingurgitadas desprendem-se do hospedeiro, caindo no solo para realizar postura única em torno de 5.000 a 8.000 ovos antes de morrerem. Após período de incubação (30 dias à temperatura de 25ºC) ocorre a eclosão dos ovos e nascimento das ninfas hexápodes (larvas).As ninfas sobem pelas gramíneas e arbustos e aí esperam a passagem dos hospedeiros. Após sugarem sangue do hospedeiro por 3 a 6 dias, desprendem-se deste e no solo ocorre a ecdise (18 a 26 dias), transformando-se no estágio seguinte que é a ninfa octópode. As ninfas fixam-se em um novo hospedeiro e em 6 dias ingurgitam-se de sangue, e no solo sofrem nova ecdise (23 a 25 dias), transformando-se no carrapato adulto.(fig.2). O Amblyomma cajennense completa uma geração por ano, mostrando os três estágios parasitários marcadamente distribuídos ao longo do ano. As ninfas hexápodes ocorrem basicamente entre os meses de março a julho e sobrevivem até 6 meses sem se alimentar. As ninfas octópodes entre os meses de julho a novembro e os adultos entre os meses de novembro a março, sobrevivem até 1 ano e 02 sem se alimentar, respectivamente. Os carrapatos Amblyomma cajennense são responsáveis pela manutenção da R.rickettsii na natureza, pois ocorre transmissão transovariana e transestadial. Esta característica biológica permite ao carrapato permanecer infectado durante toda a sua vida e também por muitas gerações após uma infecção primária. Hospedeiros Pode ser encontrado em todas as fases em: aves domésticas - galinhas, perus; aves silvestres - seriemas; mamíferos - cavalo, boi, carneiro, cabra, cão, porco, veado, capivara, cachorro do mato, coelho, cotia, coati, tatu, tamanduá; animais de sangue frio - ofídeos. Reservatórios: a infecção se mantém pela passagem transovárica e transestadial nos carrapatos. Diversos roedores e outros animais ajudam a manter o ciclo da doença. Modo de Transmissão A transmissão ocorre pela picada de carrapato infectado. Para que a rickettsia se reative e possa ocorrer a infecção no homem, há necessidade que o carrapato fique aderido por algumas horas (de 4 a 6 h.). Pode também ocorrer contaminação através de lesões na pele, pelo esmagamento do carrapato. Susceptibilidade e imunidade: A susceptibilidade é geral. A imunidade provavelmente é duradoura.
  • 3. Período de incubação O homem, após receber a picada infectante, leva de 2 a 14 dias (em média 7 dias), para apresentar os primeiros sintomas. Período de transmissibilidade: Não se transmite diretamente de uma pessoa para outra. O carrapato permanece infectante toda sua vida, mais ou menos 18 meses. Sazonalidade - maior incidência da doença durante a primavera e o verão. Aspectos clínicos laboratoriais No diagnóstico devem ser considerados: Aspectos clínicos Doença de começo súbito com febre moderada a alta que dura geralmente de 2 a 3 semanas, acompanhada de cefaléia, calafrios, congestão das conjuntivas. Ao terceiro ou quarto dia pode se apresentar exantema maculopapular, róseo, nas extremidades, em torno do punho e tornozelo, de onde se irradia para o tronco, face, pescoço, palmas e solas. Petéquias e hemorragias são freqüentes . A doença pode também cursar assintomática ou com sintomas frustros. Alguns casos evoluem gravemente, ocorrendo necrose nas áreas de sufusões hemorrágicas, em decorrência de vasculite generalizada. Torpor, agitação psicomotora, sinais meníngeos são freqüentes. A face é congesta e infiltrada, com edema peripalpebral e infecção conjuntival. Edema também está presente nas pernas, que se apresentam brilhantes. Tosse, hipotensão arterial e hipercitose liquórica são achados comuns. Hepatoesplenomegalia pouco acentuada é observada. A letalidade é aproximadamente de 20% na ausência de uma terapia específica. A morte é pouco comum quando se aplica o tratamento precocemente. Exames laboratoriais Sorológico - visando detectar a presença de anticorpos. • Cultura - visando o isolamento do agente etiológico. • Tratamento Empregam-se o cloranfenicol ou tetraciclinas. Além dos antimicrobianos, são indispensáveis os cuidados médicos e de enfermagem dirigidos para as possíveis complicações, mormente as renais, cardíacas, pulmonares e neurológicas.
  • 4. Profilaxia Ter em mente quais são as áreas consideradas endêmicas para a • febre maculosa. Evitar caminhar em áreas conhecidamente infestadas por • carrapatos no meio rural e silvestre. Quando for necessário caminhar por áreas infestadas por • carrapatos, vistoriar o corpo em busca de carrapatos em intervalos de 3 horas , pois quanto mais rápido for retirado o carrapato, menor serão os riscos de contrair a doença. Barreiras físicas : Calças compridas com parte inferior por dentro • das botas e fitas adesivas dupla face lacrando a parte superior da bota. Recomenda-se o uso de roupas claras, para facilitar a visualização dos carrapatos. Não esmagar os carrapatos com as unhas pois com • esmagamento pode haver liberação das rickettsias que têm capacidade de penetrar através de microlesões na pele. Retirá- los com calma através de leve torção, para liberar as peças bucais. Rotação de pastagens. n Aparar gramado o mais rente ao solo, • facilitando assim a penetração dos raios solares. Controle químico nos animais, domésticos através banhos • estratégicos de carrapaticidas. Notas histórico-epidemiológicas A febre maculosa brasileira é também chamada febre maculosa de São Paulo. A primeira descrição clínica da febre maculosa foi feita em 1899 em caso ocorrido na região montanhosa do noroeste norte-americano. Nos Estados Unidos a denominação de Febre Maculosa das Montanhas Rochosas. A partir da década de trinta a doença passou a ser identificada focalmente em diversos países como o Canadá, México, Panamá, Colombia e Brasil. No Brasil, foi reconhecida pela primeira vez no Estado de São Paulo no ano de 1929. A partir daí foram diagnosticados casos nos estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais. No Estado de São Paulo, até a década de 80, os casos diagnosticados eram provenientes de municípios vizinhos da capital, tais como Mogi das Cruzes, Diadema e Santo André. Na segunda metade da década de 80 foram diagnosticados casos de doença no município de Pedreira. A partir de então novos casos foram detectados nos municípios de Jaguariúna e Campinas. Em 1996 elaborou-se um programa de vigilância da febre maculosa nas regiões de Campinas e de São João da Boa Vista (onde estão situados os municípios acima), com o objetivo de controlar sua
  • 5. transmissão. A doença foi declarada de notificação compulsória nestas regiões. As medidas de controle mais importantes estão na área de educação em saúde. Como o controle do carrapato não é facilmente exequível, o alerta á população para evitar áreas com carrapato ou retirá-los o mais rápido possível ao ser parasitado passa a ser fundamental. Ao lado disso estar ciente para procurar prontamente um serviço médico caso apresente sintomas, dias após haver sido parasitado, também é imprescindível. No que diz respeito aos profissionais de saúde, principalmente aos médicos, a suspeita diagnóstica e o tratamento precoce são a única maneira de se evitar óbitos pela doença. Bibliografia: http://sucen.sp.gov.br/doencas/f_maculosa/texto_febre_mac ulosa.htm http://indoafundo.com