Desembolsos das Instituições Financeiras Federais - Período 2003-2011 / Valores em R$ mil        10.000.000         9.000....
FINANCIAMENTO PARA CONSTRUÇÃO, AMPLIAÇÃO E REFORMA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM                                 Novos Empreendim...
FINANCIAMENTO PARA CONSTRUÇÃO, AMPLIAÇÃO E REFORMA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM -                                               ...
ESTRUTURA                                                                ORGANIZACIONAL                                   ...
• Pesquisa e identificação de empreendimentos turísticos atrativos para investimentos.• Identificação de potenciais invest...
Disponibilizar financiamento ao setor produtivo                                   do turismo e melhorar as condições de ac...
PARCERIAS IMPORTANTES          MINISTÉRIOS                       INSTITUIÇÕES FINANCEIRASMinistério do Trabalho e EmpregoM...
CAPTAÇÃO DE RECURSOS           PRINCIPAIS FONTES DE FINANCIAMENTOFUNGETur – Fundo Geral do TurismoBNDES – Banco Nacional d...
PRINCIPAIS LINHAS OFICIAIS DE CRÉDITO                                     PARA O TURISMO             FUNGETUR – Fundo Gera...
AÇÕES PARA MELHORIA DE                                         EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS Condições especiais nos programa...
Financiamento      para     implantação,                             ampliação, reforma e modernização de                 ...
Financiamento      para     implantação,                                  ampliação, reforma e modernização de            ...
Financiamento      para     implantação,                                      ampliação, reforma e modernização de        ...
AÇÕES PARA MELHORIA DE EMPREENDIMENTOS                                               TURÍSTICOS         Lançamento do prog...
Financiamento para implantação,                       ampliação, reforma e modernização de                        hotéis e...
Financiamento para implantação,                        ampliação, reforma e modernização de                         hotéis...
Financiamento para implantação,                               ampliação, reforma e modernização de                        ...
Programa de Financiamento para                                     implantação, ampliação, reforma e                      ...
Linha de Crédito Especial – FAT TurismoFinalidade: Apoio Financeiro às micro, pequenas e médias empresas comfaturamento an...
18/4/2012   Plano Nacional de Turismo   24
Plano Nacional de Turismo 2012-2015Marco Legal• Previsto no artigo 6º da Lei nº 11.771/2008• Elaborado pelo Ministério do ...
Plano Nacional de Turismo 2012-2015Diretrizes  Geração de oportunidades de emprego e empreendedorismo  Redução da desigual...
Plano Nacional de Turismo 2012-2015Objetivos  Incrementar a geração de divisas e a chegada de turistas estrangeiros  Incen...
Plano Nacional de Turismo 2012-2015Objetivos     Aumentar para 240 milhões o número de viagens domésticas                 ...
Plano Nacional de Turismo 2012-2015ObjetivosAumentar para 7,1 mi a chegada de turistas estrangeiros ao país até 2015      ...
Plano Nacional de Turismo 2012-2015Objetivos       Ampliar para US$ 10 bi a receita cambial turística até 2015            ...
Plano Nacional de Turismo 2012-2015ObjetivosElevar para 70 pontos o índice médio de competitividade turística dos         ...
Plano Nacional de Turismo 2012-2015ObjetivosCriar 1 milhão de novas ocupações formais até 2015       Empregos - Estoque de...
Visão de Futuro – Plano Estratégico    Posicionar o Brasil como uma das três maiores economias turísticas    do mundo até ...
Code-P34                         CODE-34     COPA FIFA 2014PLANO DE PREPARAÇÃO DO       TURISMO
CODE-35PLANO DE TURISMO PARA A COPA FIFA 2014 A COPA DO MUNDO É UMA GRANDE OPORTUNIDADE PARA O TURISMO BRASILEIRO. O BRASI...
CODE-36  PLANO DE PREPARAÇÃO DO TURISMO PARA A COPA FIFA 2014           JUSTIFICATIVA                          AÇÃO: QUALI...
CODE-37PLANO DE PREPARAÇÃO PARA A COPA 2014                         CONSTRUÇÃO OU REFORMA DE:                      71 CATs...
CODE-38PLANO DE PREPARAÇÃO PARA A COPA 2014                       CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS DAS                       C...
SUCESSO NOS NEGÓCIOS           OBRIGADO          Márcio VantilCoordenador Geral de Financiamento                          ...
Apresetação do Ministerio do Turismo no "Salvador e os Megaeventos Esportivos"
Apresetação do Ministerio do Turismo no "Salvador e os Megaeventos Esportivos"
Apresetação do Ministerio do Turismo no "Salvador e os Megaeventos Esportivos"
Apresetação do Ministerio do Turismo no "Salvador e os Megaeventos Esportivos"
Apresetação do Ministerio do Turismo no "Salvador e os Megaeventos Esportivos"
Apresetação do Ministerio do Turismo no "Salvador e os Megaeventos Esportivos"
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresetação do Ministerio do Turismo no "Salvador e os Megaeventos Esportivos"

1.332 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.332
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresetação do Ministerio do Turismo no "Salvador e os Megaeventos Esportivos"

  1. 1. Desembolsos das Instituições Financeiras Federais - Período 2003-2011 / Valores em R$ mil 10.000.000 9.000.000 8.000.000 Bco do Brasil 7.000.000 Caixa Econômica 6.000.000 BNDES 5.000.000 4.000.000 Bco do Nordeste 3.000.000 Bco da Amazônia 2.000.000 Total 1.000.000 0 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011Bco do Brasil 738.504 893.590 1.081.238 1.155.857 1.420.880 1.776.142 2.326.099 2.327.182 2.924.648Caixa Econômica 244.399 403.045 680.821 817.498 986.630 1.456.136 2.977.942 3.913.741 4.281.118BNDES 57.259 43.116 91.353 68.497 66.644 62.351 82.427 132.603 997.415Bco do Nordeste 48.416 42.457 109.377 122.924 79.400 243.076 140.231 242.715 288.455Bco da Amazônia 5.746 14.145 15.985 5.131 16.434 53.809 57.704 61.996 117.629Total 1.094.324 1.396.353 1.978.774 2.169.907 2.569.988 3.591.514 5.584.403 6.678.237 8.609.265
  2. 2. FINANCIAMENTO PARA CONSTRUÇÃO, AMPLIAÇÃO E REFORMA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM Novos Empreendimentos / Ampliação Reforma Total Operações UHs * Investimento Financiamento Operações UHs * Investimento Financiamento Operações Investimento Financiamento BNDES 4 908 117,2 74,4 1 231 252,4 146,5 5 369,6 220,9Fundos Constitucionais 63 4.975 480,6 347,7 25 2.272 48,3 37,7 88 528,9 385,4 FUNGETur / FAT 10 370 17,6 12,8 21 1.002 13,1 9,2 31 30,7 22,0 Total Contratado 77 6.253 615,4 434,9 47 3.505 313,8 193,4 124 929,2 628,3 Perspectiva ** 17 1.833 651,3 449,4 6 1.031 56,9 38,4 23 708,2 487,8 Total Geral 94 8.086 1.266,7 884,3 53 4.536 370,7 231,8 147 1.637,4 1.116,1 Notas: *UHs: Unidades Habitacionais. ** Crédito em análise / aprovados. Valores em Milhão. Posição: BB: Ago 11; BNB: Jan 12; Banco da Amazônia: Jul 11; CEF: Dez 11; e BNDES: Jan 12.
  3. 3. FINANCIAMENTO PARA CONSTRUÇÃO, AMPLIAÇÃO E REFORMA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM - CIDADES SEDES DA COPA DO MUNDO Novos Empreendimentos / Ampliação Reforma Operações UHs * Investimento Financiamento Operações UHs * Investimento Financiamento Brasília 0 0 0 0 1 330 1,7 1,2 Cuiabá 2 153 36,8 14,8 0 0 0 0 Fortaleza 2 162 37,6 30,7 3 328 15,7 11 Manaus 3 537 91,6 64,8 1 224 3,1 2,2 Natal 1 144 15 10 5 365 6,8 5,7 Porto Alegre 2 118 10,7 8,6 3 243 3 2,4 Recife 2 227 32,6 25,9 3 364 12,6 10,2 Rio de Janeiro 2 434 50,3 32 2 259 252,6 146,7 São Paulo 0 0 0 0 1 72 0,25 0,16 Salvador 1 304 6,6 5,5 0 0 0 0 Total 15 2.079 281,2 192,3 19 2.185 295,75 179,56 Perspectiva** 9 1.439 624,9 426,8 6 1031 56,9 38,4Notas: *UHs: Unidades Habitacionais. ** Crédito em análise / aprovados. Valores em Milhão. Posição: BB: Ago 11; BNB: Jan 12; Banco da Amazônia: Jul 11; CEF: Dez 11; e BNDES: Jan 12.
  4. 4. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL MINISTÉRIO DO TURISMO Área de Atuação Agente Financeiro Programação 2010 Secretaria Nacional Secretaria Nacional de Políticas de Programas EMBRATURProgramas Regionais do Qualificação, Certificação Financiamento e Promoção Desenvolvimento do Infraestrutura e Produção Associada ao de Investimentos no Turismo Turística Turismo Turismo
  5. 5. • Pesquisa e identificação de empreendimentos turísticos atrativos para investimentos.• Identificação de potenciais investidores do Brasil e do exterior.• Divulgação de oportunidades de investimentos turísticos no Brasil e exterior.• Realização de estudo do potencial de expansão nas áreas de pequena hotelaria, restaurantes, agências de turismo e de empreendimentos voltados para o lazer e entretenimento.• Apoio a empreendedores da iniciativa privada na superação de entraves à implementação de projetos turísticos no País.• Monitoramento de projetos e apoio aos investidores do turismo.
  6. 6. Disponibilizar financiamento ao setor produtivo do turismo e melhorar as condições de acesso ao crédito• Promoção de parcerias com as instituições financeiras federais, estimulando e direcionando formas inovadoras de acesso ao crédito.• Desenvolvimento e adequação de linhas de créditos e outros instrumentos financeiros.• Incentivo à criação e utilização de novos produtos bancários, voltados para o consumidor final.• Busca por melhores condições operacionais das linhas de crédito, ajustando-as às peculiaridades dos empreendimentos turísticos.• Auxílio na preparação do País para grandes eventos internacionais, com iniciativas para criação de linhas de crédito especiais para os prestadores de serviços turísticos.• Divulgação e apresentação dos produtos e serviços financeiros junto ao setor de turismo.
  7. 7. PARCERIAS IMPORTANTES MINISTÉRIOS INSTITUIÇÕES FINANCEIRASMinistério do Trabalho e EmpregoMinistério da Integração NacionalMinistério da FazendaMinistério do Planejamento, Orçamentoe GestãoMinistério das Relações ExterioresMinistério do Desenvolvimento,Indústria e Comércio ExteriorMinistério do Meio Ambiente
  8. 8. CAPTAÇÃO DE RECURSOS PRINCIPAIS FONTES DE FINANCIAMENTOFUNGETur – Fundo Geral do TurismoBNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e SocialFAT – Fundo de Amparo do TrabalhadorFNO – Fundo Constitucional de Financiamento do NorteFNE – Fundo Constitucional de Financiamento do NordesteFCO – Fundo Constitucional de Financiamento do Centro Oeste
  9. 9. PRINCIPAIS LINHAS OFICIAIS DE CRÉDITO PARA O TURISMO FUNGETUR – Fundo Geral do Turismo FAT - PROGER Turismo Investimento FAT – Turismo FCO Empresarial – Turismo Regional FNE - Programa de Apoio ao Turismo Regional (PROATUR) FNO – Amazônia Sustentável PRONAF Turismo RuralBNDES Automático - BNDES Finame - BNDES Finem - Cartão BNDES Programa BNDES ProCopa Turismo Hotel Eficiência Energética Hotel Sustentável
  10. 10. AÇÕES PARA MELHORIA DE EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS Condições especiais nos programas dos Fundos Constitucionais deFinanciamento do Norte (FNO), Nordeste (FNE) e Centro-Oeste (FCO) Articulações com os Conselhos Deliberativos do FCO e da SUDAM e SUDENE e com os bancos operadores dos Fundos (Banco da Amazônia, Banco do Nordeste e Banco do Brasil). Atendimento prioritário a projetos do turismo, em especial os localizados nas cidades- sede da Copa do Mundo de 2014 e áreas de influência. Aumento da dotação de recursos destinada ao turismo na programação anual dos Fundos. Ampliação do prazo de pagamento nas operações com meios de hospedagem para até 20 anos com até 5 anos de carência.
  11. 11. Financiamento para implantação, ampliação, reforma e modernização de empreendimentos turísticos além de aquisição de bens e serviços do setor. Área de Atuação Agente Financeiro Programação 2012FCO – Região Centro-Oeste Banco do Brasil R$ 542 milhõesFNE – Região Nordeste Banco do Nordeste R$ 951 milhõesFNO – Região Norte Banco da Amazônia R$ 243 milhõesTOTAL R$ 1.736 milhões
  12. 12. Financiamento para implantação, ampliação, reforma e modernização de empreendimentos turísticos além de aquisição de bens e serviços do setor. Encargos Financeiros (% a.a.) Porte da Limites de Empresa 1 Bônus Adimplência Financiamento Sem bônus (%) 2 15% 25% ³ Micro 6,75 5,74 5,06 100 Pequena 8,25 7,01 6,19 100 Média 9,50 8,08 7,13 85 a 95 Grande 10,00 8,50 7,50 70 a 90(1) Microempresa, faturamento até R$ 360 mil/ano; Pequena, > R$ 360 mil a R$ 3,6 milhões; Pequena-Média, > R$ 3,6 milhões a R$ 16 milhões; Média > R$ 16 milhões a R$ 90 milhões; Grande, > R$ 90 milhões.(2) Enquadramento de acordo com a localização do município, conforme tipologia definida pelo Ministério da Integração Nacional (Alta Renda, Dinâmica e Estagnada)(3) Empreendimentos localizados no semiárido
  13. 13. Financiamento para implantação, ampliação, reforma e modernização de empreendimentos turísticos além de aquisição de bens e serviços do setor. Encargos Financeiros (% a.a.) Porte da Prazos e Carências Empresa 1 FNE Meios de hospedagem, prazo de até 20 anos; inclusa carência de até 5 anosNordeste Demais operações, prazo de até 15 anos, inclusa a carência de até 5 anos FNO Meios de hospedagem, prazo de até 20 anos; inclusa carência de até 5 anos. Norte Demais operações, prazo de até 12 anos, inclusa a carência de até 4 anos FCO Meios de hospedagem, prazo de até 20 anos; inclusa carência de até 5 anos.Centro - Demais operações, prazo de até 12 anos, inclusa a carência de até 3 anos Oeste
  14. 14. AÇÕES PARA MELHORIA DE EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS Lançamento do programa BNDES - ProCopa TurismoCondições especiais de financiamento para projetos de construção, ampliação ereforma de hotéis e pousadas.Introdução dos conceitos de Hotel Eficiência Energética e Hotel Sustentável, comregras diferenciadas para cada categoria.Indução do comprometimento ambiental nos investimentos do setor.Dotação inicial: R$ 1 bilhão.Prazo de contratação de operações: até 31.12.2012.
  15. 15. Financiamento para implantação, ampliação, reforma e modernização de hotéis e outros meios de hospedagem Recursos R$ 1 Bilhão até 2012 Área de Atuação Agente Financeiro Programação 2010Operação Direta com Cidades Sedes e Capitais – 3 Milhões o BNDES Demais Localidades 10 Milhões BNDES Automático Agentes credenciados pelo BNDES – Até 10 Milhões Pré Requisitos Cadastro no Mtur-Cadastur
  16. 16. Financiamento para implantação, ampliação, reforma e modernização de hotéis e outros meios de hospedagem Busca desenvolver a Eficiência Energética do país Abrange Iluminação, envoltória e Condicionamento de Ar EFICIÊNCIAENERGÉTICA É exigida etiqueta de nível A Avaliação em até 60 dias e custo estimado até R$ 20 mil Estimular economia, cultura e consciência ambiental local O certificado é pautado pela norma ABNT 15.401/2006 HOTELSUSTENTÁVEL Envolve tratamento de resíduos e conscientização local Certificado via ABNT e Instituto Falcão Bauer da Qualidade
  17. 17. Financiamento para implantação, ampliação, reforma e modernização de hotéis e outros meios de hospedagemPorte da Empresa Faturamento Bruto anual Limite Financiamento Micro Até R$ 2,4 milhões 100% do Projeto Pequena > R$ 2,4 milhões a R$ 16 milhões 100% do Projeto Média > R$ 16 milhões a R$ 90 milhões 100% do Projeto Média-Grande > R$ 90 milhões a R$ 300 milhões Até 80% do Projeto
  18. 18. Programa de Financiamento para implantação, ampliação, reforma e modernização de hotéis e outros meios de hospedagem Empreendimento Novo Reforma e Modernização Programa Juros Anuais Prazos Juros Anuais Prazos BNDES ProCopa Turismo ± 10,5% 10 Anos ± 10,5% 8 Anos SubprogramasEficiência Energética ± 9,5% 15 Anos ± 9,5% 10 AnosHotel Sustentável ± 8,5% 18 Anos ± 8,5% 12 Anos
  19. 19. Linha de Crédito Especial – FAT TurismoFinalidade: Apoio Financeiro às micro, pequenas e médias empresas comfaturamento anual de até R$ 25 milhões que pretendam desenvolver projetosrelacionados com o evento Copa.Capital de Giro: Até R$ 500 mil em até 36 meses, incluídos até 12 de carência.Encargos financeiros = TJLP + até 9% a.a.Investimento: Até 90% do crédito aprovado, limitado a R$ 1,5 milhão em até 84meses, incluídos até 24 de carência. Encargos = TJLP + até 6% a.a.Dotação: R$ 650 milhões (R$ 250 milhões / Giro e R$ 400milhões / Investimento.
  20. 20. 18/4/2012 Plano Nacional de Turismo 24
  21. 21. Plano Nacional de Turismo 2012-2015Marco Legal• Previsto no artigo 6º da Lei nº 11.771/2008• Elaborado pelo Ministério do Turismo, ouvidos os segmentos públicos e privados interessados e o Conselho Nacional de Turismo. Será aprovado pela Presidenta da República em maio.• É o “conjunto de diretrizes, metas e programas que orientam a atuação do Ministério do Turismo, em parceria com outros setores da gestão pública nas três esferas de governo e com as representações da sociedade civil, iniciativa privada e terceiro setor, relacionadas ao turismo”. (Art. 2º do Decreto nº 7.381/2010)
  22. 22. Plano Nacional de Turismo 2012-2015Diretrizes Geração de oportunidades de emprego e empreendedorismo Redução da desigualdades sociais e regionais Promoção da sustentabilidade Participação e diálogo com a sociedade Incentivo à inovação e ao conhecimento Regionalização – Região como Abordagem Territorial
  23. 23. Plano Nacional de Turismo 2012-2015Objetivos Incrementar a geração de divisas e a chegada de turistas estrangeiros Incentivar o brasileiro a viajar pelo Brasil Melhorar a qualidade e aumentar a competitividade do turismo brasileiro Preparar o segmento para os megaeventos Classificar e certificar os serviços turísticos brasileiros Ampliar a atração de investimentos para o setor / desoneração tributária
  24. 24. Plano Nacional de Turismo 2012-2015Objetivos Aumentar para 240 milhões o número de viagens domésticas realizadas até 2015 Viagens domésticas realizadas (em milhões) 240,00 250 226,40 215,60 204,80 186,05 195,00 200 175,44 165,43 147,10 156,00 138,71 150 100 50 0 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Fonte: FIPE / MTur
  25. 25. Plano Nacional de Turismo 2012-2015ObjetivosAumentar para 7,1 mi a chegada de turistas estrangeiros ao país até 2015 Chegadas Internacionais de Turistas ao Brasil (em milhões) 8 7,20 7,10 7 6,19 5,80 6 5,40 5,40 5,10 5,20 5,00 5,00 4,80 4,80 5 4,10 4 3 2 1 0 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015
  26. 26. Plano Nacional de Turismo 2012-2015Objetivos Ampliar para US$ 10 bi a receita cambial turística até 2015 Receita Cambial Turística (em US$ bilhões) 10 10,0 9,20 9 7,70 8 7,00 7 6,78 5,79 5,92 6 5,30 4,95 5 4,32 3,86 4 3,22 3 2,48 2 1 0 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015
  27. 27. Plano Nacional de Turismo 2012-2015ObjetivosElevar para 70 pontos o índice médio de competitividade turística dos destinos indutores até 2015 Índice médio de competitividade dos destinos indutores 68,0 70,0 70 65,0 62,0 56,0 57,4 60 54,0 52,1 50 40 30 20 10 0 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Fonte: FGV / MTur
  28. 28. Plano Nacional de Turismo 2012-2015ObjetivosCriar 1 milhão de novas ocupações formais até 2015 Empregos - Estoque de empregos formais (em milhões) 4 3,40 3,30 3,5 3,10 2,90 3 2,70 2,53 2,39 2,5 2,27 2,12 1,93 1,99 2 1,82 1,72 1,5 1 0,5 0 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015
  29. 29. Visão de Futuro – Plano Estratégico Posicionar o Brasil como uma das três maiores economias turísticas do mundo até 2022 Contribuição do Turismo para a Economia dos países 2011 Ranking País US$ (Bilhões) 1º Estados Unidos 434,4 2º China 181,7 3º Japão 123,5 4º França 102,8 5º Espanha 80,2 6º Brasil 78,5 7º Itália 71,6 8º México 63,7 9º Alemanha 58,3 10º Reino Unido 56,2 Fonte: World Travel & Tourism Council - WTTC
  30. 30. Code-P34 CODE-34 COPA FIFA 2014PLANO DE PREPARAÇÃO DO TURISMO
  31. 31. CODE-35PLANO DE TURISMO PARA A COPA FIFA 2014 A COPA DO MUNDO É UMA GRANDE OPORTUNIDADE PARA O TURISMO BRASILEIRO. O BRASIL ESTARÁ NO FOCO INTERNACIONAL E RECEBERÁ UM GRANDE NÚMERO DE TURISTAS DURANTE A REALIZAÇÃO DA COPA. QUAL O LEGADO DA COPA? BRASIL: GRANDE DESTINO INTERNACIONAL CONSOLIDADO. O FOCO DO PLANEJAMENTO É O PÓS-COPA. 35
  32. 32. CODE-36 PLANO DE PREPARAÇÃO DO TURISMO PARA A COPA FIFA 2014 JUSTIFICATIVA AÇÃO: QUALIFICAR LEGADO PÓS-COPA O Brasil ainda não é um destino As cidades-sede PARA O PAÍSinternacional consolidado. e os principais Conquista de novos destinos mercados internacionais Fluxo de turistas internacionais consolidados Saldo positivo na balança deestagnado desde 2005. exportação do turismo A oferta de Desenvolvimento social Necessidade de captar novos serviços turísticomercados. PARA O SETOR o sistema de Maior competitividade A maioria dos “turistas de Copa” informações Maior demanda(80%) não conhece ainda o Brasil. turísticas Maior lucratividade(Fonte: Pesquisa MTur na Copa da África do Sul) o parque PARA O PROFISSIONAL Os turistas de Copa constituem hoteleiro Valorização das profissõesnovo mercado a ser conquistado e Maior oferta de empregofidelizado. Melhores salários 36
  33. 33. CODE-37PLANO DE PREPARAÇÃO PARA A COPA 2014 CONSTRUÇÃO OU REFORMA DE: 71 CATs nas 12 cidades-sede, cidades- 10 CATs na fronteira com Mercosul e financiamento de CATs móveis. INSTALAÇÃO DE SINALIZAÇÃO BILINGUE: 20 projetos das cidades-sede. cidades-LINHAS OBRAS DE ACESSIBILIDADE: DE 16 projetos abrangendo os atrativos turísticos AÇÃO das 12 cidades-sede cidades- 240 mil vagas do PRONATEC COPA até 2014 Qualificação para 32 ocupações no turismo Qualificação em idiomas Cursos de 160 horas, oferecidos pelo SENAC e IFEs/MEC IFEs/MEC 37
  34. 34. CODE-38PLANO DE PREPARAÇÃO PARA A COPA 2014 CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS DAS CIDADES: policiais, taxistas, atendentes de aeroporto, motoristas de ônibus de turismo. por meio de Convênio com as cidades-sede. cidades- IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS INTELIGENTESLINHAS DE INFORMAÇÃO AO TURISTA NAS CIDADES DE SEDE E NO MINISTÉRIO. AÇÃO SENSIBILIZAÇÃO DA SOCIEDADE ENVOLVIMENTO NA COPA PROMOÇÃO INTERNACIONAL -EMBRATUR PESQUISA IBGE AVALIAÇÃO DE DEMANDA 38
  35. 35. SUCESSO NOS NEGÓCIOS OBRIGADO Márcio VantilCoordenador Geral de Financiamento www.turismo.gov.br

×