Texto escolar3anoprocessoglobalizacao

169 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
169
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Texto escolar3anoprocessoglobalizacao

  1. 1. A GLOBALIZAÇÃO Desde que as sociedades estabeleceram contatos entre si houve a troca de informações, de técnicas e de cultura. Até a Revolução industrial, o processo de globalização foi lento. No processo de industrialização, a padronização de hábitos de consumo foi feita por meio de uma mídia poderosa, utilizando meios de comunicação de massa. O termo globalização começou a ser utilizado na década de 1980 para se referir a um novo e mais avançado estágio na interdependência de todos os povos e economias da superfície terrestre. No entanto esse processo não é inteiramente novo, pois a expansão capitalista iniciada na Europa nos séculos XV e XVI unificou o planeta e criou, pela primeira vez na história da humanidade, um mercado mundial. Vivemos em um mundo em que o processo de globalização econômica acelerou-se e rompeu fronteiras, apoiado na Revolução Técnico-Científica e no neoliberalismo. Isso é possível graças à intensificação das operações financeiras em que os fluxos de capital internacional aumentaram exponencialmente, sendo transferido de um país a outro de forma muito rápida, conforme os lucros que os investidores pudessem obter. São os capitais especulativos, também conhecidos como capitais de risco, ou voláteis, que recebem essa denominação por causa da velocidade com que se movem no mercado financeiro internacional. subdesenvolvidos foram fundamentais, uma vez que viabilizaram o fim das restrições legais à entrada e à saída de capitais. Sem o avanço das telecomunicações e da informática, sem as transmissões via satélite, sem a fibra óptica, sem a Internet etc., não haveria a rápida circulação de capitais e informações, tão necessárias aos volumosos fluxos financeiros da atualidade. Analisando o espaço mundial neste final de século, podemos constatar que há um processo de globalização econômica em desenvolvimento. Tal processo é fundamentado na abertura das economias nacionais para a livre circulação de produtos e capitais, bem como na regionalização das relações econômicas, através das grandes alianças comerciais, os chamados blocos econômicos. O papel dos países na economia globalizada varia de acordo com o seu nível de desenvolvimento econômico e tecnológico. Por terem maior riqueza econômica, por dominarem as tecnologias mais avançadas e por sediarem as grandes empresas transnacionais, os chamados países desenvolvidos detêm o poder de decidir sobre questões em âmbito mundial; tanto econômicas quanto políticas. Geralmente usam esse poder para obter maiores vantagens em relação aos benefícios que os países menos desenvolvidos podem colher, com o atual processo de abertura econômica. O motor da globalização é a competitividade. Visando à obtenção de produtos competitivos no mercado as grandes empresas financiam ou promovem a pesquisa, do que resulta um acelerado avanço tecnológico. Esse avanço implica informatização de atividades e automação da indústria, incluído até a robotização de fábricas. Em consequência, o desemprego torna-se o maior problema atual da fase do capitalismo. Embora a globalização seja mais intensa e sentida na economia, ela também ocorre na informação, na cultura, na ciência, na política e no espaço. A intensificação dos fluxos financeiros internacionais tem se refletido na proliferação dos paraísos fiscais, localidades onde os investidores podem aplicar os seus recursos financeiros em instituições bancárias pagando menos tributos sobre os lucros. Além disso, os investidores não precisam declarar a origem desses recursos, o que torna esses lugares um abrigo para o dinheiro ganho, muitas vezes, ilegalmente. A globalização não torna o espaço mundial mais homogêneo; ao contrário, acentua as desigualdades, tanto entre os países como entre os segmentos ou classes sociais. A globalização está presente em nosso dia-a-dia A globalização corresponde a mais recente fase da expansão capitalista. Este processo difere dos demais por dispensar a ocupação territorial. Trata-se de uma invasão de mercadorias, capitais, serviços, informações e pessoas, obtidas graças à agilidade nos deslocamentos e à eficiência das comunicações. No contexto da globalização econômica, as transformações políticas e inovações tecnológicas ocorridas nas últimas décadas tanto em países desenvolvidos como A padronização de costumes Como a globalização não atua somente no âmbito econômico, a rádio e a televisão, enfim, os meios de comunicação têm um papel importante na formação de uma cultura padronizada, pois, ao mesmo tempo que divulgam músicas, filmes e informações, sugerem um padrão de vida e de consumo que deve ser seguido para alcançar a felicidade. Para se estabelecer mundialmente, a grande empresa precisa da globalização cultural.
  2. 2. Daí a importância de preservar e valorizar as culturas e identidades próprias de cada país, ameaçadas de desaparecer, em virtude do fortalecimento das fronteiras do capital e do comércio mundial. As novas estratégias na globalização Os avanços tecnológicos, particularmente nos transportes e comunicações, permitiram que as grandes corporações adotassem um novo procedimento (a estratégia global de fabricação), que consiste em decompor o processo produtivo e dispersar suas etapas em escalas mundial, cada qual em busca de menores custos operacionais. Agora, a lucratividade tem de ser obtida mediante vantagem sobre a concorrência, para o que é necessário oferecer ao mercado produtos mais baratos, preferencialmente de melhor qualidade. Para tanto, urge reduzir custos de produção, seja mediante ganhos de produtividade, via aprimoramento tecnológico, através menores preços de matérias-primas e de mão-de-obra empregada. Neste aspecto, a produção deixa de ser local para ser mundial, o que também ocorre com o consumo, uma vez que os mesmos produtos são oferecidos à venda nos mais diversos recantos do planeta. Nessas condições, a eliminação de barreiras entre as nações torna-se uma necessidade, a fim de que o capital possa fluir sem obstáculos. A produção dos artigos esportivos da Nike, por exemplo, é realizada sob encomenda por outras empresas, a partir do design criado pela matriz nos Estados Unidos. Essa fragmentação do processo industrial foi possibilitada pelo aprimoramento das tecnologias na Terceira Revolução Industrial, quando surgiram os novos meios de transporte em massa e a comunicação em tempo real. Dessa forma, não somente tênis, mas também computadores, automóveis, aparelhos eletrônicos, roupas e uma infinidade de outras mercadorias podem ter seus componentes fabricados em unidades de produção de diferentes países. Esses componentes são reunidos, então, em um único local, para a montagem final do produto e sua posterior comercialização. A lógica da fragmentação do processo produtivo também tem sido aplicada por multinacionais do segmento de serviços. Assim, a fragmentação do processo produtivo industrial e empresarial leva as multinacionais a conduzir suas estratégias de produção e funcionamento como se não existissem fronteiras entre as nações; por isso, essas empresas também são denominadas transnacionais ou ainda de fábricas globais. Na economia-mundo há uma grande ampliação das trocas comerciais internacionais. Por causa dessa forte interação, alguns países procuram agrupar-se para enfrentar melhor a concorrência no mercado mundial. A formação de blocos econômicos é uma regionalização dentro do espaço mundial, mas também uma forma de aumentar as relações em escala global, pois, ao participar de um bloco, um país tem acesso a vários merca dos consumidores, dentro e fora do seu bloco. Abaixo o ranking das maiores empresas do mundo em valor de mercado, divulgada em abril de 2010 pela Revista Forbes. Posição 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. 11. 12. 13. 14. 15. 16. 17. 18. 19. 20. Empresa JPMorgan Chase General Electric Bank of America Exxon Mobil ICBC Banco Santander Wells Fargo HSBC Holdings Royal Dutch Shell BP BNP Paribas Petro China AT&T Wal-Mart Stores Berkshire Hathaway Gazprom China Construction Bank Petrobras Total Chevron País EUA EUA EUA EUA China Espanha EUA Inglaterra Holanda Inglaterra França China EUA EUA EUA Setor Financeiro Conglomerado Financeiro Petróleo Financeiro Financeiro Financeiro Financeiro Petróleo Petróleo Financeiro Petróleo Telecomunicação Alimentício Financeiro Rússia China Petróleo Financeiro Brasil França EUA Petróleo Petróleo Petróleo As consequências da globalização A globalização tem ocasionado o aumento do desemprego e, por consequências dos excluídos. Soma-se a isso o desenvolvimento tecnológico, com automação da produção e a dispensa de um número maior de
  3. 3. trabalhadores. As consequências desse processo são as desigualdades sociais no mundo e dentro de um mesmo país. A globalização tem promovido exclusão A crescente elevação das taxas de desemprego mundial aconteceu em virtude das mudanças estruturais que as grandes empresas implementaram em sua estrutura produtiva. O resultado foi a eliminação definitiva de postos de trabalho, culminando na demissão de grandes contingentes de empregados. Os trabalhadores não foram dispensados por causa de uma crise na conjuntura econômica, passageira, que caracteriza o desemprego conjuntural, mas porque milhares de cargos e funções foram extintos. Essa é a situação que caracteriza o desemprego estrutural, permanente, uma vez que os postos de trabalho simplesmente deixaram de existir, e reflete-se em alarmantes índices de exclusão social. Nessas condições, a população precisa buscar outra s atividades para inserir-se novamente no mercado de trabalho. Para concorrer com o capital externo, as empresas nacionais são obrigadas a diminuir custos e demitir empregados. A mão-de-obra menos qualificada é descartada e adota-se a prática da terceirização do trabalho, eliminando-se muitos dos direitos dos trabalhadores. Na década de 1990, milhares de pessoas foram lançadas na pobreza e milhares continuam a viver na miséria. Esse processo de pobreza não se limita apenas aos países pobres, mas também aos ricos, visto que cada vez mais há um aumento do desemprego nesses países e como conseqüência a miséria de prolifera. Vale também salientar que a miséria e pobreza detectada nos países ricos ainda não pode ser comparada em termos absolutos aos apresentados nos mais pobres. A globalização tem aumentado as migrações de pessoas dos países pobres para os países ricos e um fenômeno conhecido como "fuga de cérebros" tem sido corriqueiro. A economia informal ganhou espaço tornando-se a única opção para muitos desempregados. Faltam escolas de qualidade, assistência social, e como consequência destes e de outros fatos, a violência aumenta. Os Blocos Econômicos Com a economia mundial globalizada, a tendência comercial é a formação de blocos econômicos. Estes são criados com a finalidade de facilitar o comércio entre os países membros. Adotam redução ou isenção de impostos ou de tarifas alfandegárias e buscam soluções em comum para problemas comerciais. Em tese, o comércio entre os países constituintes de um bloco econômico aumenta e gera crescimento econômico para os países. Geralmente estes blocos são formados por países vizinhos ou que possuam afinidades culturais ou comerciais. Esta é a nova tendência mundial, pois cada vez mais o comércio entre blocos econômicos cresce. Economistas afirmam que ficar de fora de um bloco econômico é viver isolado do mundo comercial. Atualmente, os principais blocos econômicos são: APEC – Cooperação Econômica da Ásia e do Pacífico. ASEAN – Associação das Nações do Sudeste Asiático. CARICOM – Mercado Comum e Comunidade do Caribe. CEI – Comunidade dos Estados Independentes. CAN – Comunidade Andina. MCA – Mercado Comum Árabe. MERCOSUL – Mercado Comum do Sul. NAFTA – Acordo de Livre Comércio da América do Norte. SADC – Comunidade da África Meridional para o Desenvolvimento. UE – União Europeia.

×